SlideShare uma empresa Scribd logo
1
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO
Methodio Varejão de Godoy
CIRCUITOS TRIFÁSICOS
1. OBJETIVO
O principal objetivo desse texto é apresentar os circuitos trifásicos, su-
as principais equações e relações de uma forma simples, sem o formalismo da
grande maioria dos livros sobre o assunto, dando uma ênfase maior a aspectos
práticos com o que encontramos e observamos no nosso dia a dia os sistemas
elétricos.
2. INTRODUÇÃO
Nos sistemas elétricos a potência gerada nas centrais de geração é
distribuída para consumidores residenciais, comerciais e industriais (Figura 1).
Figura 1 – Sistema elétrico
Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos
2
Existem várias fontes primárias para produzir energia como água, car-
vão, gás, urânio... Nas usinas hidrelétricas, usa-se a energia mecânica da altu-
ra da água ou da sua vazão para acionar uma máquina primária ou turbina e
converter energia mecânica em elétrica (Figura 2).
Figura 2 - Usina hidrelétrica
Carvão, óleo e urânio são combustíveis empregados para converter
água em vapor que aciona uma turbina primária. Algumas concessionárias uti-
lizam turbinas à gás, a vapor ou ainda a gás e a vapor denominadas ciclo com-
binadas. O eixo da turbina é acoplado ao eixo do gerador. Quando o gás ou
vapor aciona a turbina e movimenta também o gerador este produz energia elé-
trica nos seus terminais (Figura 3).
Figura 3 - Central térmica à vapor
Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos
3
Geradores de corrente alternada operam com base na teoria da indu-
ção eletromagnética, isto é quando condutores são movimentados dentro de
um campo magnético, tensões são induzidas nos condutores.
Um gerador básico consiste de um campo magnético, um enrolamento
de armadura (onde as tensões são induzidas), anéis coletores, escovas e al-
guns tipos de cargas resistivas como pode ser visto na Figura 4. No gerador
básico da Figura 4 o campo magnético é produzido pelo imã com seus dois po-
los magnéticos N (norte) e S (sul). Esse fluxo magnético produz um fluxo que
circula dentro do enrolamento de armadura, a cada posição desse enrolamento
temos um fluxo diferente passando pelo enrolamento de armadura. Pela Lei de
Faraday, para cada posição do campo magnético em relação ao campo mag-
nético criado pelo imã, temos um valor de tensão induzida no enrolamento de
armadura.
Figura 4 - Gerador elementar em corrente alternada
Se a rotação do enrolamento de armadura ocorrer ao longo de um ciclo
completo isto é 3600
, pode ser visto que no primeiro quarto de ciclo a tensão i-
ria crescendo até atingir um máximo positivo em 900
. A tensão cairia no segun-
do quarto de ciclo até atingir zero em 1800
. Durante o terceiro quarto do ciclo a
tensão iria aumentando no sentido contrário até atingir o máximo negativo em
2700
. No quarto ciclo a tensão voltaria a decrescer até atingir zero em 3600
. Se
o enrolamento de armadura for acionado de forma a completar 60 ciclos em um
segundo, termos então uma tensão induzida no enrolamento de armadura na
frequencia de 60 Hz. (Figura 5).
Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos
4
Figura 5 - Onda senoidal
3. TENSÕES TRIFÁSICAS EQUILIBRADAS
Num sistema elétrico, embora as ligações monofásicas e bifásicas são
utilizadas em grande escala em circuitos de iluminação, pequenos motores e
eletrodomésticos. Nos níveis da geração, transmissão e utilização da energia
elétrica para fins industriais utiliza-se quase que exclusivamente as ligações tri-
fásicas.
Os geradores síncronos são trifásicos e são projetados de forma que
as tensões geradas sejam senoidais e simétricas. Essas tensões trifásicas são
obtidas utilizando três enrolamentos de armadura posicionados 1200
um do ou-
tro, de forma que a cada instante, os três enrolamentos de armadura a cada
instante são submetidos adiferentes fluxos magnéticos.
Um sistema elétrico que possui tensões trifásicas senoidais simétricas
ou equilibradas é um sistema onde as tensões tem o mesmo módulo e são de-
fasadas entre si de 1200
, como pode ser visto nas seguintes equações e na
Figura 6.
)wt(sen.Vv
)wt(sen.Vv
)wt(sen.Vv
MAXC
MAXB
MAXA
0
0
120
120
+=
−=
=
Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos
5
Figura 6 - Tensões trifásicas equilibradas
As tensões va, vb, e vc são denominadas tensões fase-terra ou de fase
e são referidas a um ponto comum chamado neutro (n), que pode estar
aterrado (potencial zero) ou não.
Empregando o método fasorial as tensões de fase são expressas pelos
seguintes fasores:
0
EF
0M
C
0
EF
0M
B
0
EF
0M
A
120V120
2
V
V
120-V120-
2
V
V
0V0
2
V
V
+∠=+∠=
∠=∠=
∠=∠=
O diagrama fasorial dessas tensões de fase está mostrado na Figura 7.
1200
1200
1200
VA
VB
VC
Figura 7 - Diagrama fasorial das tensões de fase
Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos
6
Num circuito trifásico define-se tensões de linha ou fase-fase desse
circuito como sendo as tensões definidas pelas seguintes equações:
000
000
000
1501503012
9090312012
30303120
+∠=+∠=∠−+∠=−=
−∠=−∠=+∠−−∠=−=
+∠=+∠=−∠−∠=−=
LEFEFEF
0
EFACCA
LEFEFEF
0
EFCBBC
LEFEFEF
0
EFBAAB
VV.V0VVVV
VV.V0VVVV
VV.V0VVVV
O diagrama fasorial das tensões de linha ou fase-fase podem ser vistas
na Figura 8.
VA
VB
VC -VB
-VA
-VC
VAB
VCA
VBC
Figura 8 - Diagrama fasorial das tensões de linha
Define-se sequencia de fase de um conjunto de tensões trifásicas
como sendo a ordem em cada uma das tensões atinge o seu valor máximo no
tempo. Num circuito trifásico podemos observar a presença de duas
sequencias de fase ABC e ACB. A sequencia de fase ABC das tensões Va, Vb
e Vc pode ser visto na Figura 9 e e a sequencia de fase ACB ou CBA na Figura
10. Essas sequencias de fase podem também ser visualizadas a partir do
diagrama fasorial, os fasores girando no sentido anti-horário definem a
sequencia de fase. Assim um observador parado junto a tensão da fase a, ele
Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos
7
vê passar a primeiro a fase B e em seguida a fase C no caso da sequencia de
fase ABC (Figura 11).
Figura 9- Sequencia de fase ABC
Figura 10 - Sequencia de fase CBA
Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos
8
VA
VB
VC
OBSERVADOR
Figura 11 - Sequencia de fase num diagrama fasorial
Na sequencia de fase CBA, as tensões trifásicas senoidais simétricas
ou equilibradas tem o mesmo módulo e são defasadas entre si de 1200
, dadas
pelas seguintes equações:
)wt(sen.Vv
)wt(sen.Vv
)wt(sen.Vv
MAXC
MAXB
MAXA
0
0
120
120
−=
+=
=
O diagrama fasorial das tensões de linha ou fase-fase na sequencia de
fase CBA podem ser vistas na Figura 12.
VA
VB
VC -VB
-VA
-VC
VAB
VCA
VBC
Figura 12 - Diagrama fasorial das tensões de linha na sequencia CBA
Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos
9
É importante destacar que independente da sequencia de fase a rela-
ção entre a tensão de fase VF e a tensão de linha VL é dada por:
3
L
F
V
V =
4. CARGAS TRIFÁSICAS
As cargas trifásicas industriais (como os motores elétricos) são usual-
mente simétricas ou equilibradas, isto é tem impedâncias iguais nas três fases.
As cargas monofásicas e bifásicas como as de iluminação, os aparelhos ele-
trodomésticos, motores monofásicos são distribuídos entre as fases de modo
que o sistema não fique desequilibrado ou assimétrico.
Nos sistemas elétricos as cargas elétricas são usualmente conectadas
em estrela (ou Y), aterrada ou não e em triângulo (ou delta).
TRIÂNGULO
ESTRELA
NÃO
ATERRADA ESTRELA
ATERRADA
Figura 13 - Ligações usuais das cargas equilibradas
Nas ligações em triângulo as cargas são alimentadas pela tensão de
tensão de linha enquanto que nas cargas ligadas em estrela elas são alimenta-
das pela tensão de fase.
Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos
10
Considerando as impedâncias das três fases iguais (carga equilibrada)
as correntes que circulam em cada fase são dadas pelas seguintes expres-
sões:
)wt(sen.Ii
)wt(sen.Ii
)wt(sen.II
MAXC
MAXB
MAXA
0
0
120
120
+θ−=
−θ−=
θ−=
Os fasores das correntes podem ser obtidos a partir das equações:
0EF0M
C
0EF0M
B
EFM
A
120θ-
Z
V
120θ-
2
I
I
120-θ-
Z
V
120-θ-
2
I
I
θ-
Z
V
θ-
2
I
I
+∠=+∠=
∠=∠=
∠=∠=
A Figura 14 mostra os diagramas fasoriais das tensões e das correntes
em circuito trifásico equilibrado, onde θ é o ângulo do fator de potência isto é a
diferença entre a fase da tensão e da corrente.
VA
VB
VC
IA
IC
IB
θ
θ
θ
Figura 14 - Tensões e correntes num circuito trifásico equilibrado
Com a carga equilibrada, isto é com impedâncias nas três fases iguais
temos que:
Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos
11
0=++ CBA III
Para a carga ligada em estrela mostrada na Figura 15, as seguintes
observações sobre as tensões e correntes podem ser obtidas:
Z
ZZ
VAB
VBC
VC
IA
IB
IC
VA
VB
VCA
Figura 15 - Carga ligada em estrela
• As tensões aplicadas a cada carga (VZ) são as tensões fase-
neutro (tensão de fase) e não as tensões fase-fase (tensões de li-
nha) e as relações entre essas tensões são dadas pelas seguin-
tes equações:
000
000
000
1501503012
9090312012
30303120
+∠=+∠=∠−+∠=−=
−∠=−∠=+∠−−∠=−=
+∠=+∠=−∠−∠=−=
LEFEFEF
0
EFACCA
LEFEFEF
0
EFCBBC
LEFEFEF
0
EFBAAB
VV.V0VVVV
VV.V0VVVV
VV.V0VVVV
ou de forma resumida:
3
L
FZ
V
VV ==
Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos
12
• As correntes que circulam por cada uma das cargas (IZ) são as
próprias correntes que circulam pelo condutor da alimentação ou
condutor de linha.
CZC
BZB
AZA
II
II
II
=
=
=
Para a carga ligada em triângulo mostrada na Figura 16, as seguintes
observações sobre as tensões e correntes podem ser obtidas:
Z Z
Z
VA
VB
VC
IA
IB
IC
IBC
IAB ICA
VAB
VBC
VCA
Figura 16 - Carga ligada em triângulo
• As tensões aplicadas a cada carga (VZ) são as tensões fase-fase
(tensão de linha).
• As correntes que circulam por cada uma das cargas (IZ) são as
correntes IAB, IBC e ICA (denominadas correntes de fase) distintas
das que circulam pelo condutor da alimentação ou condutor de li-
Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos
13
nha. Para obter as correntes nas cargas, vamos aplicar a Lei das
Correntes de Kirchhoff para cada um dos três nós do triângulo, de
modo que:
BCCACBCCCA
ABBCBABBBC
CAABACAAAB
IIIIII
IIIIII
IIIIII
−=⇒+=
−=⇒+=
−=⇒+=
Z Z
Z
IA
IB
IC
IBC
IAB
ICA
IAB
IBC
ICA
Figura 17 – Lei das correntes de Kirchhoff apliacada aos nós do triângulo
Admitindo as correntes de fase equilibradas dadas pelos seguintes
fasores:
0
EF
0MF
CA
0
EF
0MF
BC
0
F
0MF
AB
120I120
2
I
I
120-I120-
2
I
I
0I0
2
I
I
+∠=+∠=
∠=∠=
∠=∠=
as correntes de linha podem ser determinadas a partir das equações :
0
LFBCCAC
0
LFABBCB
0
L
0
FCAABA
0II.III
01II.III
30I30.I3III
9903
51503
0
0
+∠=+∠=−=
−∠=−∠=−=
−∠=−∠=−=
Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos
14
Resumindo, podemos concluir que para circuitos trifásicos equilibrados
com cargas ligadas em triângulo o módulo da corrente de linha é o módulo da
corrente de fase dividida por raiz de três, isto é:
FL
L
F
I.I
ou
I
I
3
3
=
=
5. TRANSFORMAÇÃO ESTRELA TRIÂNGULO
Dado um conjunto de impedâncias equilibradas Z∆ (valores iguais nas
três fases) conectadas em triângulo, podemos obter um conjunto de impedân-
cias equilibradas equivalentes em estrela ZY (Figura 18), desde que a relação
entre os valores de impedância dos dois circuitos seja:
3
∆Z
ZY =
Z Z
Z
ZY
ZY
ZY
Figura 18 – Transformação estrela triângulo
Portanto quando for mais conveniente ter todas as impedâncias de
uma rede conectada em estrela ou todas em triângulo pode-se substituir um
conjunto por outro equivalente desde que a relação entre as impedâncias seja
empregada.
Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos
15
6. POTÊNCIA EM CIRCUITOS TRIFÁSICOS EQUILIBRADOS
Considere uma carga trifásica simétrica submetida a tensões trifásicas
equilibradas alimentada por correntes trifásicas equilibradas como pode ser vis-
to na Figura 19 e no diagrama fasorial mostrado na Figura 20.
CARGA
TRIFÁSICA
SIMÉTRICA
IA
IB
IC
VA
VB
VC
Figura 19 – Carga trifásica simétrica
VA
VB
VC
IA
IC
IB
θ
θ
θ
Figura 20 – Tensões e correntes equilibradas
A potência ativa e reativa cedida a esta carga simétrica por ser obtida a
partir da potência complexa trifásica dada por:
*
CC
*
BB
*
AAF I.VI.VI.VS ++=3
Considerando que:
0
EFC
0
EFB
0
EFA
120VV
120-VV
0VV
+∠=
∠=
∠=
e:
Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos
16
0
EFC
0
EFB
EFA
120θ-II
120-θ-II
θ-II
+∠=
∠=
∠=
a potência complexa trifásica passa a ser expressa a partir das potências ativas
e reativas cedidas a carga pela seguinte equação:
( )( ) ( )( )
( )( )
( ) ( ) FFEFEFEFEFF
*
EFEF
*
EFEF
*
EFEFF
jQPθsen.I.V..jθcos.I.V.S
θI.V
θI.VθI.VS
333
000
00000
3
33
120120
1201200
+=+=
−+∠+∠+
−−∠−∠+−∠∠=
As potências ativa e reativa cedidas a uma carga simétrica podem ain-
da serem calculadas a partir das tensões de linha, usando a seguinte equação:
EFLEF V.V 3=
obtem-se:
( ) ( ) FFEFLEFEFLEFF jQPθsen.I.V..jθcos.I.V.S 333 33 +=+=
θcos.I.V.P EFEFF 33 =
θsen.I.V.Q EFEFF 33 =
EFEFF I.V.N 33 =
θ
Figura 21- Triângulo das potências
É importante destacar que todas essas relações podem ser obtidas a
partir do triângulo de potências da Figura 21 onde podem ser obtidas as se-
guintes equações:
Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos
17
( ) ( )
F
F
F
F
FFF
N
Q
θsen
N
P
θcosFP
QPN
3
3
3
3
2
3
2
33
=
==
+=
7. POTÊNCIA CEDIDA A CARGAS SIMÉTRICAS EM ESTRELA
Considere uma carga simétrica como a mostrada na Figura 22, a po-
tência complexa cedida a ela é:
( )( ) ( )( ) ( )( )
FFEFEFEFF
CBA
*
CC
*
BB
*
AAF
*
CC
*
BB
*
AAF
jQPI.X.jI..RI.Z.S
I.ZI.ZI.ZI.I.ZI.I.ZI.I.ZS
I.VI.VI.VS
33
222
3
222
3
3
333 +=+==
++=++=
++=
Z
ZZ
VAB
VBC
VC
IA
IB
IC
VA
VB
VCA
Figura 22 – Carga simétrica em estrela
Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos
18
EXERCÍCIOS
1. Para a linha de transmissão em 13,8 kV da Figura 1. Apresente quais são
as tensões de linha e quais são as tensões de fase em módulo e fase.
Figura 23 - Linha em 13,8 kV
2. Se a tensão entre as fases B e C (VBC) é 380V com fase 150
. Obter as
tensões de fase VA, VB e VC. Apresente o diagrama fasorial admita a
sequencia de fase ABC.
3. Conceitue: sequencia de fase, tensão de linha, tensão de fase, corrente de
linha e corrente de fase.
4. O que significa um sistema elétrico trifásico equilibrado? E impedâncias
simétricas?
5. Uma carga ligada em estrela (Figura 24) tem uma impedância Z é de
(20+j95) ohms. Se a tensão VBC aplicada é de 389 V com fase 1500
. Obter
Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos
19
as tensões: VA, VB, VC, VAB e VCA. Obtenha também as correntes nas três
fases, a potência ativa e reativa abasorvida e o diagrama fasorial.
Z
Z Z
389 V
Figura 24 – Carga ligada em estrela
6. Uma carga ligada em triângulo (Figura 24) tem uma impedância Z é de
(20+j95) ohms. Se a tensão VBC aplicada é de 380 V com fase 150
. Obter as
tensões: VA, VB, VC, VAB e VCA. Obtenha também as correntes nas três
fases, a potência ativa e reativa abasorvida e o diagrama fasorial.
380 V
Z Z
Z
Figura 25 – Carga ligada em triângulo
7. Um alimentador trifásico alimenta duas cargas A e B em 380 V (Figura 26).
Considerando a impedância da carga A de (30+j62) ohms e a da carga B de
(12+j84) ohms. Pede-se as correntes nas fases A que alimentam as duas
Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos
20
cargas, as tensões de linha, as tensões de fase, as correntes na carga
ligada em triângulo e o diagrama fasorial.
CARGA B
CARGA A
Z1
Z1
Z1
Z2
Z2
Z2
380 V
Figura 26 – Cargas ligada em estrela e triângulo
8. Um motor de indução trifásico ligado em triângulo é alimentado em 380 V
entre fases e absorve uma corrente de 4A com fator de potência 0,85
indutivo (Figura 27). Obter a potência ativa e reativa absorvida pelo motor.
Figura 27 – Motor de Indução
9. Um transformador trifásico tem potência nominal de 100 kVA, e relação de
transformação nominal de 13.800V/380V. Obtenha a corrente nominal no
lado de alta tensão. E no lado de baixa tensão?
Figura 28 – Transformador trifásico
Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos
21
10.Um transformador alimenta três consumidores no seu secundário ou lado
de baixa tensão com fornecimento de energia elétrica trifásico: Consumidor
A: 18 KW com fator de potência 0,86 indutivo; Consumidor B: 16 KVA com
fator de potência 0,89 indutivo e o Consumidor C: 10 KVAR com fator de
potência 0,81 indutivo. Obter a potência ativa e reativa total que o
transformador alimenta.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Curso de Engenharia Elétrica para Concursos
Curso de Engenharia Elétrica para ConcursosCurso de Engenharia Elétrica para Concursos
Curso de Engenharia Elétrica para Concursos
Estratégia Concursos
 
Circuitos trifásicos
Circuitos trifásicosCircuitos trifásicos
Circuitos trifásicos
João Irimar
 
Apostila procedimentos para testes e ensaios de motores elétricos franklin
Apostila procedimentos para testes e ensaios de motores elétricos franklinApostila procedimentos para testes e ensaios de motores elétricos franklin
Apostila procedimentos para testes e ensaios de motores elétricos franklin
Franklin Arisson Rodrigues dos Santos
 
motores trifasicos de ca
  motores trifasicos de ca  motores trifasicos de ca
motores trifasicos de ca
Renato Campos
 
03 conversores cc ca (inversores)
03 conversores cc ca (inversores)03 conversores cc ca (inversores)
03 conversores cc ca (inversores)
Julio Magalhaes de Freitas
 
Corrente alternada circuitos
Corrente alternada circuitosCorrente alternada circuitos
Corrente alternada circuitos
Oi S.A
 
Sistema Trifásico
Sistema TrifásicoSistema Trifásico
Sistema Trifásico
Jim Naturesa
 
Correntes+e+tensões+alternadas
Correntes+e+tensões+alternadasCorrentes+e+tensões+alternadas
Correntes+e+tensões+alternadas
marden matias
 
Relatório de física resistência e resistividade
Relatório de física   resistência e resistividadeRelatório de física   resistência e resistividade
Relatório de física resistência e resistividade
Victor Said
 
Aulas máquinas cc 2008
Aulas máquinas cc 2008Aulas máquinas cc 2008
Aulas máquinas cc 2008
alexsandro andrade
 
Apostila profissional do senai circuitos eletricos[1]
Apostila profissional   do senai  circuitos eletricos[1]Apostila profissional   do senai  circuitos eletricos[1]
Apostila profissional do senai circuitos eletricos[1]
Rodrigo Amorim
 
Resistores
ResistoresResistores
Resistores
jessica Nogueira
 
Circuito rc em série
Circuito rc em sérieCircuito rc em série
Circuito rc em série
Kerolayne Ancelmo
 
Física Aplicada - Eletromagnetismo
Física Aplicada - EletromagnetismoFísica Aplicada - Eletromagnetismo
Física Aplicada - Eletromagnetismo
Thuan Saraiva
 
Circuitos de corrente alternada
Circuitos de corrente alternadaCircuitos de corrente alternada
Circuitos de corrente alternada
Rammon Carvalho
 
Apostila resistencia dos_materiais_parte_1
Apostila resistencia dos_materiais_parte_1Apostila resistencia dos_materiais_parte_1
Apostila resistencia dos_materiais_parte_1
Hudson Luiz Pissini
 
Aula -magnetismo_e_eletromagnetismo
Aula  -magnetismo_e_eletromagnetismoAula  -magnetismo_e_eletromagnetismo
Aula -magnetismo_e_eletromagnetismo
Waldomiro Ferreira de Melo
 
1 ciclo rankine (1)
1  ciclo rankine (1)1  ciclo rankine (1)
1 ciclo rankine (1)
Bowman Guimaraes
 
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas ElétricosCurso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
Sala da Elétrica
 
Relatório de carga e descarga de capacitores
Relatório de carga e descarga de capacitoresRelatório de carga e descarga de capacitores
Relatório de carga e descarga de capacitores
Anderson Totimura
 

Mais procurados (20)

Curso de Engenharia Elétrica para Concursos
Curso de Engenharia Elétrica para ConcursosCurso de Engenharia Elétrica para Concursos
Curso de Engenharia Elétrica para Concursos
 
Circuitos trifásicos
Circuitos trifásicosCircuitos trifásicos
Circuitos trifásicos
 
Apostila procedimentos para testes e ensaios de motores elétricos franklin
Apostila procedimentos para testes e ensaios de motores elétricos franklinApostila procedimentos para testes e ensaios de motores elétricos franklin
Apostila procedimentos para testes e ensaios de motores elétricos franklin
 
motores trifasicos de ca
  motores trifasicos de ca  motores trifasicos de ca
motores trifasicos de ca
 
03 conversores cc ca (inversores)
03 conversores cc ca (inversores)03 conversores cc ca (inversores)
03 conversores cc ca (inversores)
 
Corrente alternada circuitos
Corrente alternada circuitosCorrente alternada circuitos
Corrente alternada circuitos
 
Sistema Trifásico
Sistema TrifásicoSistema Trifásico
Sistema Trifásico
 
Correntes+e+tensões+alternadas
Correntes+e+tensões+alternadasCorrentes+e+tensões+alternadas
Correntes+e+tensões+alternadas
 
Relatório de física resistência e resistividade
Relatório de física   resistência e resistividadeRelatório de física   resistência e resistividade
Relatório de física resistência e resistividade
 
Aulas máquinas cc 2008
Aulas máquinas cc 2008Aulas máquinas cc 2008
Aulas máquinas cc 2008
 
Apostila profissional do senai circuitos eletricos[1]
Apostila profissional   do senai  circuitos eletricos[1]Apostila profissional   do senai  circuitos eletricos[1]
Apostila profissional do senai circuitos eletricos[1]
 
Resistores
ResistoresResistores
Resistores
 
Circuito rc em série
Circuito rc em sérieCircuito rc em série
Circuito rc em série
 
Física Aplicada - Eletromagnetismo
Física Aplicada - EletromagnetismoFísica Aplicada - Eletromagnetismo
Física Aplicada - Eletromagnetismo
 
Circuitos de corrente alternada
Circuitos de corrente alternadaCircuitos de corrente alternada
Circuitos de corrente alternada
 
Apostila resistencia dos_materiais_parte_1
Apostila resistencia dos_materiais_parte_1Apostila resistencia dos_materiais_parte_1
Apostila resistencia dos_materiais_parte_1
 
Aula -magnetismo_e_eletromagnetismo
Aula  -magnetismo_e_eletromagnetismoAula  -magnetismo_e_eletromagnetismo
Aula -magnetismo_e_eletromagnetismo
 
1 ciclo rankine (1)
1  ciclo rankine (1)1  ciclo rankine (1)
1 ciclo rankine (1)
 
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas ElétricosCurso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
 
Relatório de carga e descarga de capacitores
Relatório de carga e descarga de capacitoresRelatório de carga e descarga de capacitores
Relatório de carga e descarga de capacitores
 

Destaque

Exercicios circuitos trifasicos 2010
Exercicios circuitos trifasicos 2010Exercicios circuitos trifasicos 2010
Exercicios circuitos trifasicos 2010
AlcidesSousa
 
Alimentacion trifasica
Alimentacion trifasicaAlimentacion trifasica
Alimentacion trifasica
cortezjm2014
 
Relación entre corrientes de fase y línea
Relación entre corrientes de fase y líneaRelación entre corrientes de fase y línea
Relación entre corrientes de fase y línea
Rubén Alexander Acevedo
 
Corrente alternada
Corrente alternadaCorrente alternada
Corrente alternada
Cycyro Soares
 
Circuitos trifasicos
Circuitos trifasicosCircuitos trifasicos
Circuitos trifasicos
edwardjoanmedina
 
Engeletr gc provas_concurso
Engeletr gc provas_concursoEngeletr gc provas_concurso
Engeletr gc provas_concurso
Corradi8951
 
Circuitos trifasicos
Circuitos trifasicosCircuitos trifasicos
Circuitos trifasicos
Estefania Arias Torres
 
Corrente alternada
Corrente alternadaCorrente alternada
Corrente alternada
marden matias
 
Eletrotécnica tarefa 5
Eletrotécnica tarefa 5Eletrotécnica tarefa 5
Eletrotécnica tarefa 5
Maria Izala
 
Energia elétrica
Energia elétricaEnergia elétrica
Energia elétrica
Daniel Carvalho
 
Metodo das malhas delta estrela [modo de compatibilidade]
Metodo das malhas delta estrela [modo de compatibilidade]Metodo das malhas delta estrela [modo de compatibilidade]
Metodo das malhas delta estrela [modo de compatibilidade]
Thabatta Araújo
 
3 leis basicas-cir
3 leis basicas-cir3 leis basicas-cir
3 leis basicas-cir
Glauco Prezoto
 
Apostila comandos el-tricos - exercicios
Apostila   comandos el-tricos - exerciciosApostila   comandos el-tricos - exercicios
Apostila comandos el-tricos - exercicios
Luiz Carlos Müller
 
Sistemas trifásicos
Sistemas trifásicosSistemas trifásicos
Sistemas trifásicos
Natalia Valencia Ochoa
 
Biologia gabarito 173 a 175 e links
Biologia gabarito 173 a 175 e linksBiologia gabarito 173 a 175 e links
Biologia gabarito 173 a 175 e links
ManuEmbu
 
Centrinho 2014 » Folder Digital
Centrinho 2014 » Folder DigitalCentrinho 2014 » Folder Digital
Centrinho 2014 » Folder Digital
Centrinho Niterói
 
Sistemas TrifáSicos
Sistemas TrifáSicosSistemas TrifáSicos
Sistemas TrifáSicos
guest5b41fb
 
Aula 1 - Eletroeletrônica
Aula 1 -   EletroeletrônicaAula 1 -   Eletroeletrônica
Aula 1 - Eletroeletrônica
GIGLLIARA SEGANTINI DE MENEZES
 
Eletrônica industrial transformadores
Eletrônica industrial transformadoresEletrônica industrial transformadores
Eletrônica industrial transformadores
Rodrigo Antonio Tomazeli
 
Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5
joaokota
 

Destaque (20)

Exercicios circuitos trifasicos 2010
Exercicios circuitos trifasicos 2010Exercicios circuitos trifasicos 2010
Exercicios circuitos trifasicos 2010
 
Alimentacion trifasica
Alimentacion trifasicaAlimentacion trifasica
Alimentacion trifasica
 
Relación entre corrientes de fase y línea
Relación entre corrientes de fase y líneaRelación entre corrientes de fase y línea
Relación entre corrientes de fase y línea
 
Corrente alternada
Corrente alternadaCorrente alternada
Corrente alternada
 
Circuitos trifasicos
Circuitos trifasicosCircuitos trifasicos
Circuitos trifasicos
 
Engeletr gc provas_concurso
Engeletr gc provas_concursoEngeletr gc provas_concurso
Engeletr gc provas_concurso
 
Circuitos trifasicos
Circuitos trifasicosCircuitos trifasicos
Circuitos trifasicos
 
Corrente alternada
Corrente alternadaCorrente alternada
Corrente alternada
 
Eletrotécnica tarefa 5
Eletrotécnica tarefa 5Eletrotécnica tarefa 5
Eletrotécnica tarefa 5
 
Energia elétrica
Energia elétricaEnergia elétrica
Energia elétrica
 
Metodo das malhas delta estrela [modo de compatibilidade]
Metodo das malhas delta estrela [modo de compatibilidade]Metodo das malhas delta estrela [modo de compatibilidade]
Metodo das malhas delta estrela [modo de compatibilidade]
 
3 leis basicas-cir
3 leis basicas-cir3 leis basicas-cir
3 leis basicas-cir
 
Apostila comandos el-tricos - exercicios
Apostila   comandos el-tricos - exerciciosApostila   comandos el-tricos - exercicios
Apostila comandos el-tricos - exercicios
 
Sistemas trifásicos
Sistemas trifásicosSistemas trifásicos
Sistemas trifásicos
 
Biologia gabarito 173 a 175 e links
Biologia gabarito 173 a 175 e linksBiologia gabarito 173 a 175 e links
Biologia gabarito 173 a 175 e links
 
Centrinho 2014 » Folder Digital
Centrinho 2014 » Folder DigitalCentrinho 2014 » Folder Digital
Centrinho 2014 » Folder Digital
 
Sistemas TrifáSicos
Sistemas TrifáSicosSistemas TrifáSicos
Sistemas TrifáSicos
 
Aula 1 - Eletroeletrônica
Aula 1 -   EletroeletrônicaAula 1 -   Eletroeletrônica
Aula 1 - Eletroeletrônica
 
Eletrônica industrial transformadores
Eletrônica industrial transformadoresEletrônica industrial transformadores
Eletrônica industrial transformadores
 
Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5
 

Semelhante a 2.circuitos trifásicos

ELETRICIDADE SISTEMAS TRIFASICOS de Corrente alternada
ELETRICIDADE  SISTEMAS TRIFASICOS de Corrente alternadaELETRICIDADE  SISTEMAS TRIFASICOS de Corrente alternada
ELETRICIDADE SISTEMAS TRIFASICOS de Corrente alternada
JorgeRicardoMenezesd
 
3.a Aula_N5CV1_Transformadores Trifásicos.ppt
3.a Aula_N5CV1_Transformadores Trifásicos.ppt3.a Aula_N5CV1_Transformadores Trifásicos.ppt
3.a Aula_N5CV1_Transformadores Trifásicos.ppt
MarcoGonalves69
 
te344 aula 02 - circuitos trifasicos_(2).pdf
te344 aula 02 - circuitos trifasicos_(2).pdfte344 aula 02 - circuitos trifasicos_(2).pdf
te344 aula 02 - circuitos trifasicos_(2).pdf
Walter Cuenca
 
51621752 computer-analysis-of-power-systems
51621752 computer-analysis-of-power-systems51621752 computer-analysis-of-power-systems
51621752 computer-analysis-of-power-systems
Túlio Silva
 
Sistemas de Potencia-Circuitos Trifasicos
Sistemas de Potencia-Circuitos TrifasicosSistemas de Potencia-Circuitos Trifasicos
Sistemas de Potencia-Circuitos Trifasicos
enock16
 
Analise de circuitos trifásicos, diagrama.pdf
Analise de circuitos trifásicos, diagrama.pdfAnalise de circuitos trifásicos, diagrama.pdf
Analise de circuitos trifásicos, diagrama.pdf
alvaroinovaz
 
Lista 2 medidas
Lista 2   medidasLista 2   medidas
Lista 2 medidas
Eberson-Thyss Oliveira
 
trafo3.pdf
trafo3.pdftrafo3.pdf
trafo3.pdf
GabyChan11
 
Circuitos Polifasicos.pdf
Circuitos Polifasicos.pdfCircuitos Polifasicos.pdf
Circuitos Polifasicos.pdf
cleyberrodriguez1
 
teorema-de-thevenin-e-norton (1)
teorema-de-thevenin-e-norton (1)teorema-de-thevenin-e-norton (1)
teorema-de-thevenin-e-norton (1)
FIPA
 
Teorema de thévenin e norton
Teorema de thévenin e nortonTeorema de thévenin e norton
Teorema de thévenin e norton
Claudio Arkan
 
Apostila ete
Apostila eteApostila ete
Apostila ete
AlexandrePLDN
 
Comando
ComandoComando
IPP UFSC Nocoes basicas de circuitos eletricos.pdf
IPP UFSC Nocoes basicas de circuitos eletricos.pdfIPP UFSC Nocoes basicas de circuitos eletricos.pdf
IPP UFSC Nocoes basicas de circuitos eletricos.pdf
MussageVirgilioSaide
 
Eletrotecnica inversores(completo)
Eletrotecnica   inversores(completo)Eletrotecnica   inversores(completo)
Eletrotecnica inversores(completo)
EMERSON BURMANN
 
Motores síncronos
Motores síncronosMotores síncronos
Motores síncronos
Rodrigo Prado
 
transformadores - ligações
transformadores - ligaçõestransformadores - ligações
transformadores - ligações
Almir Luis
 
Comandos elétricos
Comandos elétricosComandos elétricos
Comandos elétricos
rodolfovilanova
 
2 representação sep
2 representação sep2 representação sep
2 representação sep
Lucas Dorneles
 
1 relatorio fonte de tensao tais
1 relatorio fonte de tensao tais1 relatorio fonte de tensao tais
1 relatorio fonte de tensao tais
Taís Cananéa
 

Semelhante a 2.circuitos trifásicos (20)

ELETRICIDADE SISTEMAS TRIFASICOS de Corrente alternada
ELETRICIDADE  SISTEMAS TRIFASICOS de Corrente alternadaELETRICIDADE  SISTEMAS TRIFASICOS de Corrente alternada
ELETRICIDADE SISTEMAS TRIFASICOS de Corrente alternada
 
3.a Aula_N5CV1_Transformadores Trifásicos.ppt
3.a Aula_N5CV1_Transformadores Trifásicos.ppt3.a Aula_N5CV1_Transformadores Trifásicos.ppt
3.a Aula_N5CV1_Transformadores Trifásicos.ppt
 
te344 aula 02 - circuitos trifasicos_(2).pdf
te344 aula 02 - circuitos trifasicos_(2).pdfte344 aula 02 - circuitos trifasicos_(2).pdf
te344 aula 02 - circuitos trifasicos_(2).pdf
 
51621752 computer-analysis-of-power-systems
51621752 computer-analysis-of-power-systems51621752 computer-analysis-of-power-systems
51621752 computer-analysis-of-power-systems
 
Sistemas de Potencia-Circuitos Trifasicos
Sistemas de Potencia-Circuitos TrifasicosSistemas de Potencia-Circuitos Trifasicos
Sistemas de Potencia-Circuitos Trifasicos
 
Analise de circuitos trifásicos, diagrama.pdf
Analise de circuitos trifásicos, diagrama.pdfAnalise de circuitos trifásicos, diagrama.pdf
Analise de circuitos trifásicos, diagrama.pdf
 
Lista 2 medidas
Lista 2   medidasLista 2   medidas
Lista 2 medidas
 
trafo3.pdf
trafo3.pdftrafo3.pdf
trafo3.pdf
 
Circuitos Polifasicos.pdf
Circuitos Polifasicos.pdfCircuitos Polifasicos.pdf
Circuitos Polifasicos.pdf
 
teorema-de-thevenin-e-norton (1)
teorema-de-thevenin-e-norton (1)teorema-de-thevenin-e-norton (1)
teorema-de-thevenin-e-norton (1)
 
Teorema de thévenin e norton
Teorema de thévenin e nortonTeorema de thévenin e norton
Teorema de thévenin e norton
 
Apostila ete
Apostila eteApostila ete
Apostila ete
 
Comando
ComandoComando
Comando
 
IPP UFSC Nocoes basicas de circuitos eletricos.pdf
IPP UFSC Nocoes basicas de circuitos eletricos.pdfIPP UFSC Nocoes basicas de circuitos eletricos.pdf
IPP UFSC Nocoes basicas de circuitos eletricos.pdf
 
Eletrotecnica inversores(completo)
Eletrotecnica   inversores(completo)Eletrotecnica   inversores(completo)
Eletrotecnica inversores(completo)
 
Motores síncronos
Motores síncronosMotores síncronos
Motores síncronos
 
transformadores - ligações
transformadores - ligaçõestransformadores - ligações
transformadores - ligações
 
Comandos elétricos
Comandos elétricosComandos elétricos
Comandos elétricos
 
2 representação sep
2 representação sep2 representação sep
2 representação sep
 
1 relatorio fonte de tensao tais
1 relatorio fonte de tensao tais1 relatorio fonte de tensao tais
1 relatorio fonte de tensao tais
 

2.circuitos trifásicos

  • 1. 1 EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO Methodio Varejão de Godoy CIRCUITOS TRIFÁSICOS 1. OBJETIVO O principal objetivo desse texto é apresentar os circuitos trifásicos, su- as principais equações e relações de uma forma simples, sem o formalismo da grande maioria dos livros sobre o assunto, dando uma ênfase maior a aspectos práticos com o que encontramos e observamos no nosso dia a dia os sistemas elétricos. 2. INTRODUÇÃO Nos sistemas elétricos a potência gerada nas centrais de geração é distribuída para consumidores residenciais, comerciais e industriais (Figura 1). Figura 1 – Sistema elétrico
  • 2. Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos 2 Existem várias fontes primárias para produzir energia como água, car- vão, gás, urânio... Nas usinas hidrelétricas, usa-se a energia mecânica da altu- ra da água ou da sua vazão para acionar uma máquina primária ou turbina e converter energia mecânica em elétrica (Figura 2). Figura 2 - Usina hidrelétrica Carvão, óleo e urânio são combustíveis empregados para converter água em vapor que aciona uma turbina primária. Algumas concessionárias uti- lizam turbinas à gás, a vapor ou ainda a gás e a vapor denominadas ciclo com- binadas. O eixo da turbina é acoplado ao eixo do gerador. Quando o gás ou vapor aciona a turbina e movimenta também o gerador este produz energia elé- trica nos seus terminais (Figura 3). Figura 3 - Central térmica à vapor
  • 3. Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos 3 Geradores de corrente alternada operam com base na teoria da indu- ção eletromagnética, isto é quando condutores são movimentados dentro de um campo magnético, tensões são induzidas nos condutores. Um gerador básico consiste de um campo magnético, um enrolamento de armadura (onde as tensões são induzidas), anéis coletores, escovas e al- guns tipos de cargas resistivas como pode ser visto na Figura 4. No gerador básico da Figura 4 o campo magnético é produzido pelo imã com seus dois po- los magnéticos N (norte) e S (sul). Esse fluxo magnético produz um fluxo que circula dentro do enrolamento de armadura, a cada posição desse enrolamento temos um fluxo diferente passando pelo enrolamento de armadura. Pela Lei de Faraday, para cada posição do campo magnético em relação ao campo mag- nético criado pelo imã, temos um valor de tensão induzida no enrolamento de armadura. Figura 4 - Gerador elementar em corrente alternada Se a rotação do enrolamento de armadura ocorrer ao longo de um ciclo completo isto é 3600 , pode ser visto que no primeiro quarto de ciclo a tensão i- ria crescendo até atingir um máximo positivo em 900 . A tensão cairia no segun- do quarto de ciclo até atingir zero em 1800 . Durante o terceiro quarto do ciclo a tensão iria aumentando no sentido contrário até atingir o máximo negativo em 2700 . No quarto ciclo a tensão voltaria a decrescer até atingir zero em 3600 . Se o enrolamento de armadura for acionado de forma a completar 60 ciclos em um segundo, termos então uma tensão induzida no enrolamento de armadura na frequencia de 60 Hz. (Figura 5).
  • 4. Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos 4 Figura 5 - Onda senoidal 3. TENSÕES TRIFÁSICAS EQUILIBRADAS Num sistema elétrico, embora as ligações monofásicas e bifásicas são utilizadas em grande escala em circuitos de iluminação, pequenos motores e eletrodomésticos. Nos níveis da geração, transmissão e utilização da energia elétrica para fins industriais utiliza-se quase que exclusivamente as ligações tri- fásicas. Os geradores síncronos são trifásicos e são projetados de forma que as tensões geradas sejam senoidais e simétricas. Essas tensões trifásicas são obtidas utilizando três enrolamentos de armadura posicionados 1200 um do ou- tro, de forma que a cada instante, os três enrolamentos de armadura a cada instante são submetidos adiferentes fluxos magnéticos. Um sistema elétrico que possui tensões trifásicas senoidais simétricas ou equilibradas é um sistema onde as tensões tem o mesmo módulo e são de- fasadas entre si de 1200 , como pode ser visto nas seguintes equações e na Figura 6. )wt(sen.Vv )wt(sen.Vv )wt(sen.Vv MAXC MAXB MAXA 0 0 120 120 += −= =
  • 5. Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos 5 Figura 6 - Tensões trifásicas equilibradas As tensões va, vb, e vc são denominadas tensões fase-terra ou de fase e são referidas a um ponto comum chamado neutro (n), que pode estar aterrado (potencial zero) ou não. Empregando o método fasorial as tensões de fase são expressas pelos seguintes fasores: 0 EF 0M C 0 EF 0M B 0 EF 0M A 120V120 2 V V 120-V120- 2 V V 0V0 2 V V +∠=+∠= ∠=∠= ∠=∠= O diagrama fasorial dessas tensões de fase está mostrado na Figura 7. 1200 1200 1200 VA VB VC Figura 7 - Diagrama fasorial das tensões de fase
  • 6. Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos 6 Num circuito trifásico define-se tensões de linha ou fase-fase desse circuito como sendo as tensões definidas pelas seguintes equações: 000 000 000 1501503012 9090312012 30303120 +∠=+∠=∠−+∠=−= −∠=−∠=+∠−−∠=−= +∠=+∠=−∠−∠=−= LEFEFEF 0 EFACCA LEFEFEF 0 EFCBBC LEFEFEF 0 EFBAAB VV.V0VVVV VV.V0VVVV VV.V0VVVV O diagrama fasorial das tensões de linha ou fase-fase podem ser vistas na Figura 8. VA VB VC -VB -VA -VC VAB VCA VBC Figura 8 - Diagrama fasorial das tensões de linha Define-se sequencia de fase de um conjunto de tensões trifásicas como sendo a ordem em cada uma das tensões atinge o seu valor máximo no tempo. Num circuito trifásico podemos observar a presença de duas sequencias de fase ABC e ACB. A sequencia de fase ABC das tensões Va, Vb e Vc pode ser visto na Figura 9 e e a sequencia de fase ACB ou CBA na Figura 10. Essas sequencias de fase podem também ser visualizadas a partir do diagrama fasorial, os fasores girando no sentido anti-horário definem a sequencia de fase. Assim um observador parado junto a tensão da fase a, ele
  • 7. Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos 7 vê passar a primeiro a fase B e em seguida a fase C no caso da sequencia de fase ABC (Figura 11). Figura 9- Sequencia de fase ABC Figura 10 - Sequencia de fase CBA
  • 8. Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos 8 VA VB VC OBSERVADOR Figura 11 - Sequencia de fase num diagrama fasorial Na sequencia de fase CBA, as tensões trifásicas senoidais simétricas ou equilibradas tem o mesmo módulo e são defasadas entre si de 1200 , dadas pelas seguintes equações: )wt(sen.Vv )wt(sen.Vv )wt(sen.Vv MAXC MAXB MAXA 0 0 120 120 −= += = O diagrama fasorial das tensões de linha ou fase-fase na sequencia de fase CBA podem ser vistas na Figura 12. VA VB VC -VB -VA -VC VAB VCA VBC Figura 12 - Diagrama fasorial das tensões de linha na sequencia CBA
  • 9. Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos 9 É importante destacar que independente da sequencia de fase a rela- ção entre a tensão de fase VF e a tensão de linha VL é dada por: 3 L F V V = 4. CARGAS TRIFÁSICAS As cargas trifásicas industriais (como os motores elétricos) são usual- mente simétricas ou equilibradas, isto é tem impedâncias iguais nas três fases. As cargas monofásicas e bifásicas como as de iluminação, os aparelhos ele- trodomésticos, motores monofásicos são distribuídos entre as fases de modo que o sistema não fique desequilibrado ou assimétrico. Nos sistemas elétricos as cargas elétricas são usualmente conectadas em estrela (ou Y), aterrada ou não e em triângulo (ou delta). TRIÂNGULO ESTRELA NÃO ATERRADA ESTRELA ATERRADA Figura 13 - Ligações usuais das cargas equilibradas Nas ligações em triângulo as cargas são alimentadas pela tensão de tensão de linha enquanto que nas cargas ligadas em estrela elas são alimenta- das pela tensão de fase.
  • 10. Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos 10 Considerando as impedâncias das três fases iguais (carga equilibrada) as correntes que circulam em cada fase são dadas pelas seguintes expres- sões: )wt(sen.Ii )wt(sen.Ii )wt(sen.II MAXC MAXB MAXA 0 0 120 120 +θ−= −θ−= θ−= Os fasores das correntes podem ser obtidos a partir das equações: 0EF0M C 0EF0M B EFM A 120θ- Z V 120θ- 2 I I 120-θ- Z V 120-θ- 2 I I θ- Z V θ- 2 I I +∠=+∠= ∠=∠= ∠=∠= A Figura 14 mostra os diagramas fasoriais das tensões e das correntes em circuito trifásico equilibrado, onde θ é o ângulo do fator de potência isto é a diferença entre a fase da tensão e da corrente. VA VB VC IA IC IB θ θ θ Figura 14 - Tensões e correntes num circuito trifásico equilibrado Com a carga equilibrada, isto é com impedâncias nas três fases iguais temos que:
  • 11. Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos 11 0=++ CBA III Para a carga ligada em estrela mostrada na Figura 15, as seguintes observações sobre as tensões e correntes podem ser obtidas: Z ZZ VAB VBC VC IA IB IC VA VB VCA Figura 15 - Carga ligada em estrela • As tensões aplicadas a cada carga (VZ) são as tensões fase- neutro (tensão de fase) e não as tensões fase-fase (tensões de li- nha) e as relações entre essas tensões são dadas pelas seguin- tes equações: 000 000 000 1501503012 9090312012 30303120 +∠=+∠=∠−+∠=−= −∠=−∠=+∠−−∠=−= +∠=+∠=−∠−∠=−= LEFEFEF 0 EFACCA LEFEFEF 0 EFCBBC LEFEFEF 0 EFBAAB VV.V0VVVV VV.V0VVVV VV.V0VVVV ou de forma resumida: 3 L FZ V VV ==
  • 12. Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos 12 • As correntes que circulam por cada uma das cargas (IZ) são as próprias correntes que circulam pelo condutor da alimentação ou condutor de linha. CZC BZB AZA II II II = = = Para a carga ligada em triângulo mostrada na Figura 16, as seguintes observações sobre as tensões e correntes podem ser obtidas: Z Z Z VA VB VC IA IB IC IBC IAB ICA VAB VBC VCA Figura 16 - Carga ligada em triângulo • As tensões aplicadas a cada carga (VZ) são as tensões fase-fase (tensão de linha). • As correntes que circulam por cada uma das cargas (IZ) são as correntes IAB, IBC e ICA (denominadas correntes de fase) distintas das que circulam pelo condutor da alimentação ou condutor de li-
  • 13. Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos 13 nha. Para obter as correntes nas cargas, vamos aplicar a Lei das Correntes de Kirchhoff para cada um dos três nós do triângulo, de modo que: BCCACBCCCA ABBCBABBBC CAABACAAAB IIIIII IIIIII IIIIII −=⇒+= −=⇒+= −=⇒+= Z Z Z IA IB IC IBC IAB ICA IAB IBC ICA Figura 17 – Lei das correntes de Kirchhoff apliacada aos nós do triângulo Admitindo as correntes de fase equilibradas dadas pelos seguintes fasores: 0 EF 0MF CA 0 EF 0MF BC 0 F 0MF AB 120I120 2 I I 120-I120- 2 I I 0I0 2 I I +∠=+∠= ∠=∠= ∠=∠= as correntes de linha podem ser determinadas a partir das equações : 0 LFBCCAC 0 LFABBCB 0 L 0 FCAABA 0II.III 01II.III 30I30.I3III 9903 51503 0 0 +∠=+∠=−= −∠=−∠=−= −∠=−∠=−=
  • 14. Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos 14 Resumindo, podemos concluir que para circuitos trifásicos equilibrados com cargas ligadas em triângulo o módulo da corrente de linha é o módulo da corrente de fase dividida por raiz de três, isto é: FL L F I.I ou I I 3 3 = = 5. TRANSFORMAÇÃO ESTRELA TRIÂNGULO Dado um conjunto de impedâncias equilibradas Z∆ (valores iguais nas três fases) conectadas em triângulo, podemos obter um conjunto de impedân- cias equilibradas equivalentes em estrela ZY (Figura 18), desde que a relação entre os valores de impedância dos dois circuitos seja: 3 ∆Z ZY = Z Z Z ZY ZY ZY Figura 18 – Transformação estrela triângulo Portanto quando for mais conveniente ter todas as impedâncias de uma rede conectada em estrela ou todas em triângulo pode-se substituir um conjunto por outro equivalente desde que a relação entre as impedâncias seja empregada.
  • 15. Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos 15 6. POTÊNCIA EM CIRCUITOS TRIFÁSICOS EQUILIBRADOS Considere uma carga trifásica simétrica submetida a tensões trifásicas equilibradas alimentada por correntes trifásicas equilibradas como pode ser vis- to na Figura 19 e no diagrama fasorial mostrado na Figura 20. CARGA TRIFÁSICA SIMÉTRICA IA IB IC VA VB VC Figura 19 – Carga trifásica simétrica VA VB VC IA IC IB θ θ θ Figura 20 – Tensões e correntes equilibradas A potência ativa e reativa cedida a esta carga simétrica por ser obtida a partir da potência complexa trifásica dada por: * CC * BB * AAF I.VI.VI.VS ++=3 Considerando que: 0 EFC 0 EFB 0 EFA 120VV 120-VV 0VV +∠= ∠= ∠= e:
  • 16. Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos 16 0 EFC 0 EFB EFA 120θ-II 120-θ-II θ-II +∠= ∠= ∠= a potência complexa trifásica passa a ser expressa a partir das potências ativas e reativas cedidas a carga pela seguinte equação: ( )( ) ( )( ) ( )( ) ( ) ( ) FFEFEFEFEFF * EFEF * EFEF * EFEFF jQPθsen.I.V..jθcos.I.V.S θI.V θI.VθI.VS 333 000 00000 3 33 120120 1201200 +=+= −+∠+∠+ −−∠−∠+−∠∠= As potências ativa e reativa cedidas a uma carga simétrica podem ain- da serem calculadas a partir das tensões de linha, usando a seguinte equação: EFLEF V.V 3= obtem-se: ( ) ( ) FFEFLEFEFLEFF jQPθsen.I.V..jθcos.I.V.S 333 33 +=+= θcos.I.V.P EFEFF 33 = θsen.I.V.Q EFEFF 33 = EFEFF I.V.N 33 = θ Figura 21- Triângulo das potências É importante destacar que todas essas relações podem ser obtidas a partir do triângulo de potências da Figura 21 onde podem ser obtidas as se- guintes equações:
  • 17. Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos 17 ( ) ( ) F F F F FFF N Q θsen N P θcosFP QPN 3 3 3 3 2 3 2 33 = == += 7. POTÊNCIA CEDIDA A CARGAS SIMÉTRICAS EM ESTRELA Considere uma carga simétrica como a mostrada na Figura 22, a po- tência complexa cedida a ela é: ( )( ) ( )( ) ( )( ) FFEFEFEFF CBA * CC * BB * AAF * CC * BB * AAF jQPI.X.jI..RI.Z.S I.ZI.ZI.ZI.I.ZI.I.ZI.I.ZS I.VI.VI.VS 33 222 3 222 3 3 333 +=+== ++=++= ++= Z ZZ VAB VBC VC IA IB IC VA VB VCA Figura 22 – Carga simétrica em estrela
  • 18. Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos 18 EXERCÍCIOS 1. Para a linha de transmissão em 13,8 kV da Figura 1. Apresente quais são as tensões de linha e quais são as tensões de fase em módulo e fase. Figura 23 - Linha em 13,8 kV 2. Se a tensão entre as fases B e C (VBC) é 380V com fase 150 . Obter as tensões de fase VA, VB e VC. Apresente o diagrama fasorial admita a sequencia de fase ABC. 3. Conceitue: sequencia de fase, tensão de linha, tensão de fase, corrente de linha e corrente de fase. 4. O que significa um sistema elétrico trifásico equilibrado? E impedâncias simétricas? 5. Uma carga ligada em estrela (Figura 24) tem uma impedância Z é de (20+j95) ohms. Se a tensão VBC aplicada é de 389 V com fase 1500 . Obter
  • 19. Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos 19 as tensões: VA, VB, VC, VAB e VCA. Obtenha também as correntes nas três fases, a potência ativa e reativa abasorvida e o diagrama fasorial. Z Z Z 389 V Figura 24 – Carga ligada em estrela 6. Uma carga ligada em triângulo (Figura 24) tem uma impedância Z é de (20+j95) ohms. Se a tensão VBC aplicada é de 380 V com fase 150 . Obter as tensões: VA, VB, VC, VAB e VCA. Obtenha também as correntes nas três fases, a potência ativa e reativa abasorvida e o diagrama fasorial. 380 V Z Z Z Figura 25 – Carga ligada em triângulo 7. Um alimentador trifásico alimenta duas cargas A e B em 380 V (Figura 26). Considerando a impedância da carga A de (30+j62) ohms e a da carga B de (12+j84) ohms. Pede-se as correntes nas fases A que alimentam as duas
  • 20. Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos 20 cargas, as tensões de linha, as tensões de fase, as correntes na carga ligada em triângulo e o diagrama fasorial. CARGA B CARGA A Z1 Z1 Z1 Z2 Z2 Z2 380 V Figura 26 – Cargas ligada em estrela e triângulo 8. Um motor de indução trifásico ligado em triângulo é alimentado em 380 V entre fases e absorve uma corrente de 4A com fator de potência 0,85 indutivo (Figura 27). Obter a potência ativa e reativa absorvida pelo motor. Figura 27 – Motor de Indução 9. Um transformador trifásico tem potência nominal de 100 kVA, e relação de transformação nominal de 13.800V/380V. Obtenha a corrente nominal no lado de alta tensão. E no lado de baixa tensão? Figura 28 – Transformador trifásico
  • 21. Exercícios de Fixação - Circuitos Trifásicos 21 10.Um transformador alimenta três consumidores no seu secundário ou lado de baixa tensão com fornecimento de energia elétrica trifásico: Consumidor A: 18 KW com fator de potência 0,86 indutivo; Consumidor B: 16 KVA com fator de potência 0,89 indutivo e o Consumidor C: 10 KVAR com fator de potência 0,81 indutivo. Obter a potência ativa e reativa total que o transformador alimenta.