SlideShare uma empresa Scribd logo
História
1 prova semestral 2013
– turma 2.4
Prof. Kelly Carvalh
Voltaire
1. (Fuvest 2013) “Oh! Aquela alegria me deu náuseas. Sentia-me ao
mesmo tempo satisfeito e descontente. E eu disse: tanto melhor e
tanto pior. Eu entendia que o povo comum estava tomando a
justiça em suas mãos. Aprovo essa justiça, mas poderia não ser
cruel? Castigos de todos os tipos, arrastamentos e
esquartejamentos, tortura, a roda, o cavalete, a fogueira, verdugos
proliferando por toda parte trouxeram tanto prejuízo aos nossos
costumes! Nossos senhores colherão o que semearam.” (Graco
Babeuf, citado por R. Darnton. O beijo de Lamourette. Mídia,
cultura e revolução. São Paulo: Companhia das Letras, 1990, p. 31.
Adaptado.)
O texto é parte de uma carta enviada por Graco Babeuf à sua mulher,
no início da Revolução Francesa de 1789. O autor
a) discorda dos propósitos revolucionários e defende a continuidade
do Antigo Regime, seus métodos e costumes políticos.
b) apoia incondicionalmente as ações dos revolucionários por
acreditar que não havia outra maneira de transformar o país.
c) defende a criação de um poder judiciário, que atue junto ao rei.
d) caracteriza a violência revolucionária como uma reação
aos castigos e à repressão antes existentes na França.
e) aceita os meios de tortura empregados pelos revolucionários e os
considera uma novidade na história francesa.
2. (Fgv 2012) Leia o fragmento.
“Na segunda metade do século XVIII, a preocupação com o “bem governar” era um imperativo
tanto para a manutenção do monarca, de modo a que não se fortalecessem outras pretensões
de legitimidade, quanto para a conservação do próprio regime, da monarquia absolutista, pois
tratava-se de evitar que certas ideias correntes, como governos elegíveis e parlamentos
poderosos, tomassem corpo. (...)
(...) o despotismo esclarecido varia de país para país, dependendo de cada processo histórico e de
sua abertura ao movimento de ideias da ilustração (...)” (Antonio Mendes Junior et al. Brasil
História: texto e consulta, volume 1, Colônia.)
Sobre o fenômeno histórico em referência, no caso de Portugal, é correto considerar que
a) o atraso econômico português gerava dependência política e militar, colocando em
perigo inclusive o império colonial português, e nesse processo ocorreram as
reformas pombalinas, que representaram um maior controle português sobre o
Brasil.
b) as autoridades monárquicas portuguesas se anteciparam às ondas revolucionárias do mundo
atlântico e criaram metas de aumento da participação das diversas classes sociais nas instâncias
de poder, o que gerou o primeiro parlamento na Europa moderna.
c) coube ao Marquês de Pombal o apontamento de um acordo estratégico com a Inglaterra,
concretizado com o Tratado de Methuen, que permitiu a independência econômica de Portugal e
regalias para a mais importante colônia lusa, o Brasil.
d) as ideias iluministas foram abominadas pelas autoridades portuguesas, assim como pelas elites
coloniais e metropolitanas, pois representavam um forte retrocesso nas concepções de liberdade
de mercado, defendidas pelo mercantilismo.
e) o contundente crescimento da economia de Angola, por causa do tráfico de escravos e da
produção de manufaturados, e da economia açucareira no Brasil, foram decisivos para a opção
portuguesa em transferir a sede da Coroa portuguesa para a América.
3. (Mackenzie 2009) O liberalismo, como doutrina política atuante no
cenário europeu, desde o final do século XVIII, apesar de servir
principalmente aos interesses da classe burguesa, contagiou as
parcelas populares da sociedade oprimidas pelos nobres e pelos reis
absolutistas. A sociedade liberal burguesa, mesmo sendo
essencialmente elitista, era mais livre do que a do Antigo Regime,
por:
a) acreditar nos princípios democráticos, criando oportunidades para
que todos pudessem enriquecer.
b) permitir maior liberdade de expressão e pensamento, e
restringir a esfera de atuação do poder estatal.
c) aumentar, ao máximo, o poder do Estado, para que este defendesse
as liberdades individuais de cada cidadão.
d) garantir a igualdade de todos perante a lei e o direito à participação
política para todos os indivíduos.
e) praticar o liberalismo econômico, acreditando na livre iniciativa e
na regulamentação do comércio pelo Estado.
4. (Ufmg 2008) Leia este trecho:
"[As] camadas sociais elevadas, que se pretendem úteis às outras, são de fato úteis a si
mesmas, à custa das outras [...] Saiba ele [o jovem Emílio] que o homem é naturalmente
bom [...], mas veja ele como a sociedade deprava e perverte os homens, descubra no
preconceito a fonte de todos os vícios dos homens; seja levado a estimar cada indivíduo,
mas despreze a multidão; veja que todos os homens carregam mais ou menos a mesma
máscara, mas saiba também que existem rostos mais belos do que a máscara que os
cobre." (ROUSSEAU, Jean-Jacques. "Emílio ou Da educação". São Paulo: Martins
Fontes, 1985. p. 311.)
A partir dessa leitura e considerando-se outros conhecimentos sobre o assunto, é CORRETO
afirmar que o autor
a) compreende que os preconceitos do homem são inatos e responsáveis pelos infortúnios
sociais e pelas máscaras de que este se reveste.
b) considera a sociedade responsável pela corrupção do homem, pois cria uma
ordem em que uns vivem às custas dos outros e gera vícios.
c) deseja que seu discípulo seja como os homens do seu tempo e, abraçando as máscaras e os
preconceitos, contribua para a coesão da sociedade.
d) faz uma defesa do homem e da sociedade do seu tempo, em que, graças à Revolução
Francesa, se promoveu uma igualdade social ímpar.
5. (Unifesp 2007) No preâmbulo da Constituição
francesa de 1791 lê-se:
"Não há mais nobreza, nem distinções hereditárias,
nem distinções de Ordens, nem regime feudal... Não
há mais nem venalidade, nem hereditariedade de
qualquer ofício público; não há mais para qualquer
porção da Nação, nem para qualquer indivíduo
qualquer privilégio nem exceção..."
Do texto depreende-se que, na França do Antigo
Regime, as pessoas careciam de
a) igualdade jurídica.
b) direitos de herança.
c) liberdade de movimento.
d) privilégios coletivos.
e) garantias de propriedade.
6. (Pucsp 2007) A reflexão sobre os significados da religião e
seu papel nas sociedades esteve presente no Renascimento
cultural e em outros movimentos, entre o século XVI e o XIX.
Entre eles, podemos destacar
a) as Reformas protestantes, que permitiram a tradução e a
leitura direta dos textos sagrados e reforçaram, dessa
maneira, o controle dos religiosos sobre os fiéis.
b) o Classicismo, que recuperou a tradição politeísta da
antiguidade clássica e defendeu a supremacia dos cultos
pagãos sobre o monoteísmo cristão.
c) as Cruzadas católicas, que contaram com ampla participação
popular e nobre, na tentativa de reconquistar cidades
sagradas ocupadas pelos mouros.
d) a conquista da América por espanhóis, portugueses e
ingleses, que se consideravam missionários da evangelização e
difusão de preceitos do catolicismo.
e) o Iluminismo, que reiterou o caráter racional do
homem e refutou a influência religiosa sobre os
Estados nacionais e sobre os indivíduos.
7. (Fuvest 2005) A "Declaração dos Direitos do Homem e
do Cidadão", votada pela Assembleia Nacional
Constituinte francesa, em 26 de agosto de 1789, visava
a) romper com a Declaração de Independência dos
Estados Unidos, por esta não ter negado a escravidão.
b) recuperar os ideais cristãos de liberdade e igualdade,
surgidos na época medieval e esquecidos na moderna.
c) estimular todos os povos a se revoltarem contra seus
governos, para acabar com a desigualdade social.
d) assinalar os princípios que, inspirados no
Iluminismo, iriam fundar a nova constituição
francesa.
e) pôr em prática o princípio: a todos, segundo suas
necessidades, a cada um, de acordo com sua capacidade.
8. (Fuvest 2004) "A autoridade do príncipe é limitada pelas leis da natureza
e do Estado... O príncipe não pode, portanto, dispor de seu poder e de seus
súditos sem o consentimento da nação e independentemente da escolha
estabelecida no contrato de submissão..." (Diderot, artigo "Autoridade
política", Enciclopédia. 1751)
Tendo por base esse texto da Enciclopédia, é correto afirmar que o autor
a) pressupunha, como os demais iluministas, que os direitos de cidadania
política eram iguais para todos os grupos sociais e étnicos.
b) propunha o princípio político que estabelecia leis para legitimar o poder
republicano e democrático.
c) apoiava uma política para o Estado, submetida aos princípios da escolha
dos dirigentes da nação, por meio do voto universal.
d) acreditava, como os demais filósofos do Iluminismo, na revolução armada
como único meio para a deposição de monarcas absolutistas.
e) defendia, como a maioria dos filósofos iluministas, os princípios
do liberalismo político que se contrapunham aos regimes
absolutistas.
9. (Ufmg 2000) “O objetivo grande e principal, portanto, da união
dos homens em comunidades, colocando-se eles sob governo, é a
preservação da propriedade.” (LOCKE, John. SEGUNDO
TRATADO SOBRE O GOVERNO, 1690.)
Assinale a alternativa que apresenta uma condição para a cidadania
coerente com o objetivo dos governos defendido pelo pensador.
a) "Não pode ser cidadão senão aquele que faz parte do povo. Não
pode fazer parte do povo senão aquele que tem sangue alemão..."
(PROGRAMA NAZISTA, 1920)
b) "São eleitores os brasileiros, de um e de outro sexo, maiores de 18
anos que se alistarem na forma da lei. Não podem alistar-se como
eleitores: os analfabetos; os militares em serviço ativo; os
mendigos..."(CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA, 1937, Art. 117)
c) "São eleitores, sem condição de censo, todos os franceses de 21 anos
de idade e gozando de seus direitos civis e
políticos."(CONSTITUIÇÃO FRANCESA, 1848, Art. 25)
d) "São excluídos de votar nas Assembleias Paroquiais [...]
os que não tiverem de renda líquida anual cem mil réis,
por bens de raiz, indústria, comércio ou
empregos."(CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA, 1826, Art. 64
parágrafo 5o)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atividades sobre o iluminismo
Atividades sobre o iluminismoAtividades sobre o iluminismo
Atividades sobre o iluminismo
Alcineia Pires
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Kerol Brombal
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
João Medeiros
 
Iluminismo cruzadinhas 8º ano
Iluminismo cruzadinhas 8º anoIluminismo cruzadinhas 8º ano
Iluminismo cruzadinhas 8º ano
Thais Ribeiro
 
Historia Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8anoHistoria Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8ano
Leonardo Caputo
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
José Gomes
 
Iluminismo
Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
Edenilson Morais
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
O iluminismo e a sociedade
O iluminismo e a sociedadeO iluminismo e a sociedade
O iluminismo e a sociedade
Fernanda Carvalho
 
Um século de mudanças - O iluminismo
Um século de mudanças - O iluminismoUm século de mudanças - O iluminismo
Um século de mudanças - O iluminismo
Zé Mário
 
Iluminismo 8° ano
Iluminismo 8° anoIluminismo 8° ano
Iluminismo 8° ano
Frederico Marques Sodré
 
Absolutismo Monárquico 2019
Absolutismo Monárquico 2019Absolutismo Monárquico 2019
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
Carla Freitas
 
10
1010
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
luizmourao23
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Laboratório de História
 
Introdução fundamentos e bases da sociologia 2020
Introdução fundamentos e bases da sociologia 2020Introdução fundamentos e bases da sociologia 2020
Introdução fundamentos e bases da sociologia 2020
firminomaissociologiafilosofia2019
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Gilmar Rodrigues
 
Iluminismo 2010
Iluminismo 2010Iluminismo 2010
Iluminismo 2010
BriefCase
 
A crise do antigo regime o iluminismo
A crise do antigo regime   o iluminismoA crise do antigo regime   o iluminismo
A crise do antigo regime o iluminismo
martinha10
 

Mais procurados (20)

Atividades sobre o iluminismo
Atividades sobre o iluminismoAtividades sobre o iluminismo
Atividades sobre o iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
Iluminismo cruzadinhas 8º ano
Iluminismo cruzadinhas 8º anoIluminismo cruzadinhas 8º ano
Iluminismo cruzadinhas 8º ano
 
Historia Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8anoHistoria Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8ano
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
Iluminismo
Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
O iluminismo e a sociedade
O iluminismo e a sociedadeO iluminismo e a sociedade
O iluminismo e a sociedade
 
Um século de mudanças - O iluminismo
Um século de mudanças - O iluminismoUm século de mudanças - O iluminismo
Um século de mudanças - O iluminismo
 
Iluminismo 8° ano
Iluminismo 8° anoIluminismo 8° ano
Iluminismo 8° ano
 
Absolutismo Monárquico 2019
Absolutismo Monárquico 2019Absolutismo Monárquico 2019
Absolutismo Monárquico 2019
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
 
10
1010
10
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
 
Introdução fundamentos e bases da sociologia 2020
Introdução fundamentos e bases da sociologia 2020Introdução fundamentos e bases da sociologia 2020
Introdução fundamentos e bases da sociologia 2020
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Iluminismo 2010
Iluminismo 2010Iluminismo 2010
Iluminismo 2010
 
A crise do antigo regime o iluminismo
A crise do antigo regime   o iluminismoA crise do antigo regime   o iluminismo
A crise do antigo regime o iluminismo
 

Destaque

Exercícios e materia da prova
Exercícios e materia da provaExercícios e materia da prova
Exercícios e materia da prova
KellyCarvalho2011
 
1 República Semana de 1922
1 República Semana de 19221 República Semana de 1922
1 República Semana de 1922
KellyCarvalho2011
 
Exercício 4
Exercício 4Exercício 4
Exercício 4
KellyCarvalho2011
 
Ditadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no BrasilDitadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no Brasil
KellyCarvalho2011
 
2 Prova Semestral - Turma 1.5
2 Prova Semestral - Turma 1.52 Prova Semestral - Turma 1.5
2 Prova Semestral - Turma 1.5
KellyCarvalho2011
 
Exercícios e materia da prova
Exercícios e materia da provaExercícios e materia da prova
Exercícios e materia da prova
KellyCarvalho2011
 
Exercícios e materia da prova
Exercícios e materia da provaExercícios e materia da prova
Exercícios e materia da prova
KellyCarvalho2011
 
2 Prova Semestral - Turma 3.3N
2 Prova Semestral - Turma 3.3N2 Prova Semestral - Turma 3.3N
2 Prova Semestral - Turma 3.3N
KellyCarvalho2011
 
SBPC – São Luís do Maranhão - Cotil/Unicamp 2012
SBPC – São Luís do Maranhão - Cotil/Unicamp 2012SBPC – São Luís do Maranhão - Cotil/Unicamp 2012
SBPC – São Luís do Maranhão - Cotil/Unicamp 2012
KellyCarvalho2011
 
1.6 gabarito
1.6 gabarito1.6 gabarito
1.6 gabarito
KellyCarvalho2011
 
Prova comentada 2 ano
Prova comentada   2 anoProva comentada   2 ano
Prova comentada 2 ano
KellyCarvalho2011
 
2.5 gabarito
2.5 gabarito2.5 gabarito
2.5 gabarito
KellyCarvalho2011
 
1.4 gabarito
1.4 gabarito1.4 gabarito
1.4 gabarito
KellyCarvalho2011
 
Atividades do curso de história 2 ano
Atividades do curso de história   2 anoAtividades do curso de história   2 ano
Atividades do curso de história 2 ano
KellyCarvalho2011
 
Neocolonialismo
NeocolonialismoNeocolonialismo
Neocolonialismo
KellyCarvalho2011
 
2 prova de história 2 ano
2 prova de história   2 ano2 prova de história   2 ano
2 prova de história 2 ano
KellyCarvalho2011
 
2 Prova semestral de História - 1.6 gabarito
2 Prova semestral de História - 1.6 gabarito2 Prova semestral de História - 1.6 gabarito
2 Prova semestral de História - 1.6 gabarito
KellyCarvalho2011
 
2.5 -1 Prova com Gabarito
2.5 -1 Prova com Gabarito2.5 -1 Prova com Gabarito
2.5 -1 Prova com Gabarito
KellyCarvalho2011
 
Nazifascismo
Nazifascismo Nazifascismo
Nazifascismo
KellyCarvalho2011
 
2 prova das turmas de 2 ano gabarito
2 prova das turmas de 2 ano  gabarito2 prova das turmas de 2 ano  gabarito
2 prova das turmas de 2 ano gabarito
KellyCarvalho2011
 

Destaque (20)

Exercícios e materia da prova
Exercícios e materia da provaExercícios e materia da prova
Exercícios e materia da prova
 
1 República Semana de 1922
1 República Semana de 19221 República Semana de 1922
1 República Semana de 1922
 
Exercício 4
Exercício 4Exercício 4
Exercício 4
 
Ditadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no BrasilDitadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no Brasil
 
2 Prova Semestral - Turma 1.5
2 Prova Semestral - Turma 1.52 Prova Semestral - Turma 1.5
2 Prova Semestral - Turma 1.5
 
Exercícios e materia da prova
Exercícios e materia da provaExercícios e materia da prova
Exercícios e materia da prova
 
Exercícios e materia da prova
Exercícios e materia da provaExercícios e materia da prova
Exercícios e materia da prova
 
2 Prova Semestral - Turma 3.3N
2 Prova Semestral - Turma 3.3N2 Prova Semestral - Turma 3.3N
2 Prova Semestral - Turma 3.3N
 
SBPC – São Luís do Maranhão - Cotil/Unicamp 2012
SBPC – São Luís do Maranhão - Cotil/Unicamp 2012SBPC – São Luís do Maranhão - Cotil/Unicamp 2012
SBPC – São Luís do Maranhão - Cotil/Unicamp 2012
 
1.6 gabarito
1.6 gabarito1.6 gabarito
1.6 gabarito
 
Prova comentada 2 ano
Prova comentada   2 anoProva comentada   2 ano
Prova comentada 2 ano
 
2.5 gabarito
2.5 gabarito2.5 gabarito
2.5 gabarito
 
1.4 gabarito
1.4 gabarito1.4 gabarito
1.4 gabarito
 
Atividades do curso de história 2 ano
Atividades do curso de história   2 anoAtividades do curso de história   2 ano
Atividades do curso de história 2 ano
 
Neocolonialismo
NeocolonialismoNeocolonialismo
Neocolonialismo
 
2 prova de história 2 ano
2 prova de história   2 ano2 prova de história   2 ano
2 prova de história 2 ano
 
2 Prova semestral de História - 1.6 gabarito
2 Prova semestral de História - 1.6 gabarito2 Prova semestral de História - 1.6 gabarito
2 Prova semestral de História - 1.6 gabarito
 
2.5 -1 Prova com Gabarito
2.5 -1 Prova com Gabarito2.5 -1 Prova com Gabarito
2.5 -1 Prova com Gabarito
 
Nazifascismo
Nazifascismo Nazifascismo
Nazifascismo
 
2 prova das turmas de 2 ano gabarito
2 prova das turmas de 2 ano  gabarito2 prova das turmas de 2 ano  gabarito
2 prova das turmas de 2 ano gabarito
 

Semelhante a 2.4 gabarito

Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Valeria Kosicki
 
Simulado ENEM(2013) da Objetivo com resolução comentada.
Simulado ENEM(2013) da Objetivo com resolução comentada.Simulado ENEM(2013) da Objetivo com resolução comentada.
Simulado ENEM(2013) da Objetivo com resolução comentada.
6079winstonsmith
 
Prova 8ºa 1º bi
Prova 8ºa   1º biProva 8ºa   1º bi
Prova 8ºa 1º bi
Íris Ferreira
 
historia_exercicios_idade_contemporanea_revolucao_francesa.pdf
historia_exercicios_idade_contemporanea_revolucao_francesa.pdfhistoria_exercicios_idade_contemporanea_revolucao_francesa.pdf
historia_exercicios_idade_contemporanea_revolucao_francesa.pdf
RAFAELASCARI1
 
Exercícios sobre as ideologias do século XIX
Exercícios sobre as ideologias do século XIXExercícios sobre as ideologias do século XIX
Exercícios sobre as ideologias do século XIX
Acrópole - História & Educação
 
Revolução francesa.pptx
Revolução francesa.pptxRevolução francesa.pptx
Revolução francesa.pptx
ElpidioFloriano
 
Aula 03
Aula 03Aula 03
Aula 03
Patrick Mady
 
Exercício Revolucao Francesa e Era Napoleânica.docx
Exercício Revolucao Francesa e Era Napoleânica.docxExercício Revolucao Francesa e Era Napoleânica.docx
Exercício Revolucao Francesa e Era Napoleânica.docx
RAFAELASCARI1
 
40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf
40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf
40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf
SamuelFernando44
 
Resolução ENEM 2012 - Equipe Objetivo
Resolução ENEM 2012 - Equipe ObjetivoResolução ENEM 2012 - Equipe Objetivo
Resolução ENEM 2012 - Equipe Objetivo
Diógenes de Oliveira
 
Resolucao objetivo[1]
Resolucao objetivo[1]Resolucao objetivo[1]
Resolucao objetivo[1]
Daniel Bsn
 
Enem humanas 2012
Enem humanas 2012Enem humanas 2012
Enem humanas 2012
Isabel Aguiar
 
Resolucao objetivo
Resolucao objetivoResolucao objetivo
Resolucao objetivo
jefersonvitor
 
Td 7 história i
Td 7   história iTd 7   história i
Td 7 história i
MatheusMesquitaMelo
 
Exercícios - história
Exercícios - históriaExercícios - história
Exercícios - história
Isabella Silva
 
Questões simulado 2 bimestre.docx
Questões simulado 2 bimestre.docxQuestões simulado 2 bimestre.docx
Questões simulado 2 bimestre.docx
Diego Rocha
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Roberto Sena
 
História Prof. Cláudio Nunes
História   Prof. Cláudio NunesHistória   Prof. Cláudio Nunes
História Prof. Cláudio Nunes
Pré-Enem Seduc
 
O Porto Nas Lutas Pela Liberdade
O Porto Nas Lutas Pela LiberdadeO Porto Nas Lutas Pela Liberdade
O Porto Nas Lutas Pela Liberdade
Luisa Lamas
 
12-REVOLUÇÃO-FRANCESA-LISTA.pdf
12-REVOLUÇÃO-FRANCESA-LISTA.pdf12-REVOLUÇÃO-FRANCESA-LISTA.pdf
12-REVOLUÇÃO-FRANCESA-LISTA.pdf
RAFAELASCARI1
 

Semelhante a 2.4 gabarito (20)

Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Simulado ENEM(2013) da Objetivo com resolução comentada.
Simulado ENEM(2013) da Objetivo com resolução comentada.Simulado ENEM(2013) da Objetivo com resolução comentada.
Simulado ENEM(2013) da Objetivo com resolução comentada.
 
Prova 8ºa 1º bi
Prova 8ºa   1º biProva 8ºa   1º bi
Prova 8ºa 1º bi
 
historia_exercicios_idade_contemporanea_revolucao_francesa.pdf
historia_exercicios_idade_contemporanea_revolucao_francesa.pdfhistoria_exercicios_idade_contemporanea_revolucao_francesa.pdf
historia_exercicios_idade_contemporanea_revolucao_francesa.pdf
 
Exercícios sobre as ideologias do século XIX
Exercícios sobre as ideologias do século XIXExercícios sobre as ideologias do século XIX
Exercícios sobre as ideologias do século XIX
 
Revolução francesa.pptx
Revolução francesa.pptxRevolução francesa.pptx
Revolução francesa.pptx
 
Aula 03
Aula 03Aula 03
Aula 03
 
Exercício Revolucao Francesa e Era Napoleânica.docx
Exercício Revolucao Francesa e Era Napoleânica.docxExercício Revolucao Francesa e Era Napoleânica.docx
Exercício Revolucao Francesa e Era Napoleânica.docx
 
40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf
40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf
40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf
 
Resolução ENEM 2012 - Equipe Objetivo
Resolução ENEM 2012 - Equipe ObjetivoResolução ENEM 2012 - Equipe Objetivo
Resolução ENEM 2012 - Equipe Objetivo
 
Resolucao objetivo[1]
Resolucao objetivo[1]Resolucao objetivo[1]
Resolucao objetivo[1]
 
Enem humanas 2012
Enem humanas 2012Enem humanas 2012
Enem humanas 2012
 
Resolucao objetivo
Resolucao objetivoResolucao objetivo
Resolucao objetivo
 
Td 7 história i
Td 7   história iTd 7   história i
Td 7 história i
 
Exercícios - história
Exercícios - históriaExercícios - história
Exercícios - história
 
Questões simulado 2 bimestre.docx
Questões simulado 2 bimestre.docxQuestões simulado 2 bimestre.docx
Questões simulado 2 bimestre.docx
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
História Prof. Cláudio Nunes
História   Prof. Cláudio NunesHistória   Prof. Cláudio Nunes
História Prof. Cláudio Nunes
 
O Porto Nas Lutas Pela Liberdade
O Porto Nas Lutas Pela LiberdadeO Porto Nas Lutas Pela Liberdade
O Porto Nas Lutas Pela Liberdade
 
12-REVOLUÇÃO-FRANCESA-LISTA.pdf
12-REVOLUÇÃO-FRANCESA-LISTA.pdf12-REVOLUÇÃO-FRANCESA-LISTA.pdf
12-REVOLUÇÃO-FRANCESA-LISTA.pdf
 

Mais de KellyCarvalho2011

2 guerra mundial
2 guerra mundial2 guerra mundial
2 guerra mundial
KellyCarvalho2011
 
2 Prova Semestral - 2.6 gabarito
2 Prova Semestral - 2.6 gabarito2 Prova Semestral - 2.6 gabarito
2 Prova Semestral - 2.6 gabarito
KellyCarvalho2011
 
2 Prova Semestral de História - 2.4 gabarito
2 Prova Semestral de História - 2.4 gabarito2 Prova Semestral de História - 2.4 gabarito
2 Prova Semestral de História - 2.4 gabarito
KellyCarvalho2011
 
2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito
2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito
2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito
KellyCarvalho2011
 
1 prova de história 2 ano
1 prova de história   2 ano1 prova de história   2 ano
1 prova de história 2 ano
KellyCarvalho2011
 
Prova comentada 3 Ano
Prova comentada  3 AnoProva comentada  3 Ano
Prova comentada 3 Ano
KellyCarvalho2011
 
Tratado de tordesilhas
Tratado de tordesilhasTratado de tordesilhas
Tratado de tordesilhas
KellyCarvalho2011
 

Mais de KellyCarvalho2011 (7)

2 guerra mundial
2 guerra mundial2 guerra mundial
2 guerra mundial
 
2 Prova Semestral - 2.6 gabarito
2 Prova Semestral - 2.6 gabarito2 Prova Semestral - 2.6 gabarito
2 Prova Semestral - 2.6 gabarito
 
2 Prova Semestral de História - 2.4 gabarito
2 Prova Semestral de História - 2.4 gabarito2 Prova Semestral de História - 2.4 gabarito
2 Prova Semestral de História - 2.4 gabarito
 
2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito
2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito
2 Prova Semestral - 1.4 Gabarito
 
1 prova de história 2 ano
1 prova de história   2 ano1 prova de história   2 ano
1 prova de história 2 ano
 
Prova comentada 3 Ano
Prova comentada  3 AnoProva comentada  3 Ano
Prova comentada 3 Ano
 
Tratado de tordesilhas
Tratado de tordesilhasTratado de tordesilhas
Tratado de tordesilhas
 

2.4 gabarito

  • 1. História 1 prova semestral 2013 – turma 2.4 Prof. Kelly Carvalh
  • 3. 1. (Fuvest 2013) “Oh! Aquela alegria me deu náuseas. Sentia-me ao mesmo tempo satisfeito e descontente. E eu disse: tanto melhor e tanto pior. Eu entendia que o povo comum estava tomando a justiça em suas mãos. Aprovo essa justiça, mas poderia não ser cruel? Castigos de todos os tipos, arrastamentos e esquartejamentos, tortura, a roda, o cavalete, a fogueira, verdugos proliferando por toda parte trouxeram tanto prejuízo aos nossos costumes! Nossos senhores colherão o que semearam.” (Graco Babeuf, citado por R. Darnton. O beijo de Lamourette. Mídia, cultura e revolução. São Paulo: Companhia das Letras, 1990, p. 31. Adaptado.) O texto é parte de uma carta enviada por Graco Babeuf à sua mulher, no início da Revolução Francesa de 1789. O autor a) discorda dos propósitos revolucionários e defende a continuidade do Antigo Regime, seus métodos e costumes políticos. b) apoia incondicionalmente as ações dos revolucionários por acreditar que não havia outra maneira de transformar o país. c) defende a criação de um poder judiciário, que atue junto ao rei. d) caracteriza a violência revolucionária como uma reação aos castigos e à repressão antes existentes na França. e) aceita os meios de tortura empregados pelos revolucionários e os considera uma novidade na história francesa.
  • 4. 2. (Fgv 2012) Leia o fragmento. “Na segunda metade do século XVIII, a preocupação com o “bem governar” era um imperativo tanto para a manutenção do monarca, de modo a que não se fortalecessem outras pretensões de legitimidade, quanto para a conservação do próprio regime, da monarquia absolutista, pois tratava-se de evitar que certas ideias correntes, como governos elegíveis e parlamentos poderosos, tomassem corpo. (...) (...) o despotismo esclarecido varia de país para país, dependendo de cada processo histórico e de sua abertura ao movimento de ideias da ilustração (...)” (Antonio Mendes Junior et al. Brasil História: texto e consulta, volume 1, Colônia.) Sobre o fenômeno histórico em referência, no caso de Portugal, é correto considerar que a) o atraso econômico português gerava dependência política e militar, colocando em perigo inclusive o império colonial português, e nesse processo ocorreram as reformas pombalinas, que representaram um maior controle português sobre o Brasil. b) as autoridades monárquicas portuguesas se anteciparam às ondas revolucionárias do mundo atlântico e criaram metas de aumento da participação das diversas classes sociais nas instâncias de poder, o que gerou o primeiro parlamento na Europa moderna. c) coube ao Marquês de Pombal o apontamento de um acordo estratégico com a Inglaterra, concretizado com o Tratado de Methuen, que permitiu a independência econômica de Portugal e regalias para a mais importante colônia lusa, o Brasil. d) as ideias iluministas foram abominadas pelas autoridades portuguesas, assim como pelas elites coloniais e metropolitanas, pois representavam um forte retrocesso nas concepções de liberdade de mercado, defendidas pelo mercantilismo. e) o contundente crescimento da economia de Angola, por causa do tráfico de escravos e da produção de manufaturados, e da economia açucareira no Brasil, foram decisivos para a opção portuguesa em transferir a sede da Coroa portuguesa para a América.
  • 5. 3. (Mackenzie 2009) O liberalismo, como doutrina política atuante no cenário europeu, desde o final do século XVIII, apesar de servir principalmente aos interesses da classe burguesa, contagiou as parcelas populares da sociedade oprimidas pelos nobres e pelos reis absolutistas. A sociedade liberal burguesa, mesmo sendo essencialmente elitista, era mais livre do que a do Antigo Regime, por: a) acreditar nos princípios democráticos, criando oportunidades para que todos pudessem enriquecer. b) permitir maior liberdade de expressão e pensamento, e restringir a esfera de atuação do poder estatal. c) aumentar, ao máximo, o poder do Estado, para que este defendesse as liberdades individuais de cada cidadão. d) garantir a igualdade de todos perante a lei e o direito à participação política para todos os indivíduos. e) praticar o liberalismo econômico, acreditando na livre iniciativa e na regulamentação do comércio pelo Estado.
  • 6. 4. (Ufmg 2008) Leia este trecho: "[As] camadas sociais elevadas, que se pretendem úteis às outras, são de fato úteis a si mesmas, à custa das outras [...] Saiba ele [o jovem Emílio] que o homem é naturalmente bom [...], mas veja ele como a sociedade deprava e perverte os homens, descubra no preconceito a fonte de todos os vícios dos homens; seja levado a estimar cada indivíduo, mas despreze a multidão; veja que todos os homens carregam mais ou menos a mesma máscara, mas saiba também que existem rostos mais belos do que a máscara que os cobre." (ROUSSEAU, Jean-Jacques. "Emílio ou Da educação". São Paulo: Martins Fontes, 1985. p. 311.) A partir dessa leitura e considerando-se outros conhecimentos sobre o assunto, é CORRETO afirmar que o autor a) compreende que os preconceitos do homem são inatos e responsáveis pelos infortúnios sociais e pelas máscaras de que este se reveste. b) considera a sociedade responsável pela corrupção do homem, pois cria uma ordem em que uns vivem às custas dos outros e gera vícios. c) deseja que seu discípulo seja como os homens do seu tempo e, abraçando as máscaras e os preconceitos, contribua para a coesão da sociedade. d) faz uma defesa do homem e da sociedade do seu tempo, em que, graças à Revolução Francesa, se promoveu uma igualdade social ímpar.
  • 7. 5. (Unifesp 2007) No preâmbulo da Constituição francesa de 1791 lê-se: "Não há mais nobreza, nem distinções hereditárias, nem distinções de Ordens, nem regime feudal... Não há mais nem venalidade, nem hereditariedade de qualquer ofício público; não há mais para qualquer porção da Nação, nem para qualquer indivíduo qualquer privilégio nem exceção..." Do texto depreende-se que, na França do Antigo Regime, as pessoas careciam de a) igualdade jurídica. b) direitos de herança. c) liberdade de movimento. d) privilégios coletivos. e) garantias de propriedade.
  • 8. 6. (Pucsp 2007) A reflexão sobre os significados da religião e seu papel nas sociedades esteve presente no Renascimento cultural e em outros movimentos, entre o século XVI e o XIX. Entre eles, podemos destacar a) as Reformas protestantes, que permitiram a tradução e a leitura direta dos textos sagrados e reforçaram, dessa maneira, o controle dos religiosos sobre os fiéis. b) o Classicismo, que recuperou a tradição politeísta da antiguidade clássica e defendeu a supremacia dos cultos pagãos sobre o monoteísmo cristão. c) as Cruzadas católicas, que contaram com ampla participação popular e nobre, na tentativa de reconquistar cidades sagradas ocupadas pelos mouros. d) a conquista da América por espanhóis, portugueses e ingleses, que se consideravam missionários da evangelização e difusão de preceitos do catolicismo. e) o Iluminismo, que reiterou o caráter racional do homem e refutou a influência religiosa sobre os Estados nacionais e sobre os indivíduos.
  • 9. 7. (Fuvest 2005) A "Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão", votada pela Assembleia Nacional Constituinte francesa, em 26 de agosto de 1789, visava a) romper com a Declaração de Independência dos Estados Unidos, por esta não ter negado a escravidão. b) recuperar os ideais cristãos de liberdade e igualdade, surgidos na época medieval e esquecidos na moderna. c) estimular todos os povos a se revoltarem contra seus governos, para acabar com a desigualdade social. d) assinalar os princípios que, inspirados no Iluminismo, iriam fundar a nova constituição francesa. e) pôr em prática o princípio: a todos, segundo suas necessidades, a cada um, de acordo com sua capacidade.
  • 10. 8. (Fuvest 2004) "A autoridade do príncipe é limitada pelas leis da natureza e do Estado... O príncipe não pode, portanto, dispor de seu poder e de seus súditos sem o consentimento da nação e independentemente da escolha estabelecida no contrato de submissão..." (Diderot, artigo "Autoridade política", Enciclopédia. 1751) Tendo por base esse texto da Enciclopédia, é correto afirmar que o autor a) pressupunha, como os demais iluministas, que os direitos de cidadania política eram iguais para todos os grupos sociais e étnicos. b) propunha o princípio político que estabelecia leis para legitimar o poder republicano e democrático. c) apoiava uma política para o Estado, submetida aos princípios da escolha dos dirigentes da nação, por meio do voto universal. d) acreditava, como os demais filósofos do Iluminismo, na revolução armada como único meio para a deposição de monarcas absolutistas. e) defendia, como a maioria dos filósofos iluministas, os princípios do liberalismo político que se contrapunham aos regimes absolutistas.
  • 11. 9. (Ufmg 2000) “O objetivo grande e principal, portanto, da união dos homens em comunidades, colocando-se eles sob governo, é a preservação da propriedade.” (LOCKE, John. SEGUNDO TRATADO SOBRE O GOVERNO, 1690.) Assinale a alternativa que apresenta uma condição para a cidadania coerente com o objetivo dos governos defendido pelo pensador. a) "Não pode ser cidadão senão aquele que faz parte do povo. Não pode fazer parte do povo senão aquele que tem sangue alemão..." (PROGRAMA NAZISTA, 1920) b) "São eleitores os brasileiros, de um e de outro sexo, maiores de 18 anos que se alistarem na forma da lei. Não podem alistar-se como eleitores: os analfabetos; os militares em serviço ativo; os mendigos..."(CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA, 1937, Art. 117) c) "São eleitores, sem condição de censo, todos os franceses de 21 anos de idade e gozando de seus direitos civis e políticos."(CONSTITUIÇÃO FRANCESA, 1848, Art. 25) d) "São excluídos de votar nas Assembleias Paroquiais [...] os que não tiverem de renda líquida anual cem mil réis, por bens de raiz, indústria, comércio ou empregos."(CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA, 1826, Art. 64 parágrafo 5o)