SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
ATIVIDADE
FILOSOFIA
Professor
CÁSSIO
Turma
22__
Data
____/____/2014
Aluno(a) Número Nota
ILUMINISMO: QUESTÕES PARA ROTEIRO DE ESTUDO PARA AS AVALIAÇÕES DO 3º
PERÍODO DE 2014
Habilidade: Identificar a razão pela qual o homem se insere na sociedade.
Assunto: Jusnaturalismo e Contrato Social
1- “A única maneira pela qual uma pessoa qualquer renuncia à liberdade natural e se reveste dos laços da
sociedade civil consiste em concordar com outras pessoas, em juntar-se e unir-se numa comunidade, para
viverem com segurança, conforto e paz.”
LOCKE, John. Segundo Tratado Sobre o Governo. São Paulo: Martin Claret, 2006, p. 71.
Para John Locke, o homem abre mão da liberdade natural em função da
A) valorização do bem comum para o fortalecimento da sociedade.
B) possibilidade de aumentar seus lucros e seu poder de transação comercial.
C) segurança, garantida pelo Estado e fruto do acordo que os homens fazem entre si.
D) possibilidade do seu instinto, ultrapassar aquilo que limita sua liberdade.
E) sensibilidade altruística, seu objetivo é ajudar o outro homem.
2- Habilidade: Identificar elementos em um texto que fazem alusão e criticam o período da Idade Média.
Assunto: Liberalismo
Analise os fragmentos do Estatuto do Homem, de Thiago de Melo.
“Fica decretado que os homens
estão livres do jugo da mentira.
Nunca mais será preciso usar
a couraça do silêncio
nem a armadura de palavras.
O homem se sentará à mesa
com seu olhar limpo
porque a verdade passará a ser servida
antes da sobremesa.
(...) Fica proibido o uso da palavra liberdade,
a qual será suprimida dos dicionários
e do pântano enganoso das bocas.
A partir deste instante
a liberdade será algo vivo e transparente
como um fogo ou um rio,
e a sua morada será sempre
o coração do homem.”
O liberalismo define-se pela saída do homem da tutela dos dogmas medievais e pela busca do
esclarecimento racional, numa tentativa de superar
A) a falta de organização econômica, social e política existente na época.
B) a hierarquia social e econômica característica do período medieval.
C) a imposição do catolicismo como opção religiosa única sobre a população.
D) a denúncia pela sociedade, dos dogmas impostos à sociedade pela Igreja.
E) o conformismo das pessoas diante da imposição de uma verdade absoluta.
2
3- Habilidade: Identificar as consequências do ideal iluminista para o ocidente.
Assunto: Iluminismo
Desde sempre o iluminismo, no sentido mais abrangente de um pensar que faz progressos,
perseguiu o objetivo de livrar os homens do medo e de fazer deles senhores. Mas completamente
iluminada, a terra resplandece sob o signo do infortúnio triunfal. O programa do iluminismo era o
de livrar o mundo do feitiço. Sua pretensão, a de dissolver os mitos e anular a imaginação, por meio
do saber [...]. Na escravização da criatura ou na capacidade de oposição voluntária aos senhores do
mundo, o saber que é poder não conhece limites. Esse saber serve aos empreendimentos de
qualquer um, sem distinção de origem, assim como, na fábrica e no campo de batalha, está a serviço
de todos os fins da economia burguesa.
HORKHEIMER e ADORNO. Conceito de Iluminismo. São Paulo: Abril Cultural p. 89.
O termo iluminismo faz referência à capacidade da razão em dissipar com sua luz as trevas da
ignorância referente à concepção de homem e de mundo medieval. Contudo, o excesso de razão,
como quase todo excesso, tem efeitos indesejados. O excesso de luz prejudica a visão tanto quanto a
cegueira.
O texto faz uma crítica ao iluminismo, argumentado que sua atuação tinha como finalidade
A) a adequação do conhecimento aos interesses burgueses em nome da emancipação humana.
B) a capacidade da razão em livrar o homem da ignorância e do excesso de conhecimento
científico.
C) a escravidão imposta pela Europa aos países colonizados e a elitização do conhecimento.
D) a falta de limites éticos para o conhecimento, subordinado à ideologia capitalista.
E) o excesso de informação e o retorno às fontes da Idade Média como forma de conhecimento.
4- Habilidade: Interpretar a relação entre o conteúdo do texto com a ideia expressa na imagem.
Assunto: Contrato Social
Analise o gráfico feito a partir de uma pesquisa do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica
Aplicada) sobre a confiança dos brasileiros em relação ao sistema de Segurança Pública. Em
seguida, analise a imagem que ilustra a realidade exposta no gráfico.
Confia muito Confia Confia pouco Não confia
Centro-Oeste 4,30% 37,05% 34,20% 24,45%
Nordeste 5,80% 24,10% 43,45% 26,70%
Norte 4,45% 26,15% 47,35% 22,00%
Sudeste 3,00% 21,80% 45,10% 30,05%
Sul 3,40% 28,00% 43,95% 24,65%
3
O filósofo Thomas Hobbes imaginou como seria a vida do homem sem o poder do Estado. Sem a
força de um poder coercitivo o homem obedeceria apenas aos seus próprios interesses pessoais, seu
instinto de sobrevivência. Hobbes denomina esse contexto hipotético como estado de natureza, em
que o homem viveria de forma insegura, pois estaria ameaçado por todos e seria, ao mesmo tempo,
uma ameaça para todos.
Analisando o gráfico e a imagem, tendo como premissa a concepção de Hobbes sobre a relação
entre a ausência do Estado e o estado de natureza, infere-se que, no Brasil, essa relação está ligada
à:
A) insegurança como fator psicológico, generalizando o medo social.
B) ineficiência do Estado em garantir os direitos básicos de cidadania.
C) confiança das pessoas no Estado, verificado em todas as regiões brasileiras.
D) aglomeração excessiva de pessoas e excessos no uso de álcool, no carnaval.
E) ausência da repressão e uso da força pelo Estado, deixando as pessoas à sua própria sorte.
5- Habilidade: Identificar uma ideia filosófica nas ideias veiculadas em textos diversos.
Assunto: Filosofia Moderna – Ética
O constrangimento em fazer algo que está fora das convenções éticas, apontado na charge, é real até
mesmo para quem escolhe, de forma deliberada, realizar uma infração como roubar, matar.
A expressão simbólica “inquilino”, expressa por Mafalda, pode ser associada à ideia de:
A) Apatia social.
B) Cérebro humano.
C) Consciência moral.
D) Convenção social.
E) Medo social.
4
6- Habilidade: Perceber as contradições do capitalismo neoliberal.
Assunto: Filosofia Moderna – Filosofia Político
Iracema (a virgem dos lábios de mel) era uma índia da tribo dos Tabajaras, personagem de um
romance do mesmo nome, escrita por José de Alencar. Iracema é idealizada como a mulher pura,
que guarda a condição de imaculada.
A idealização dessa personagem pode ser comparada à concepção filosófica de
A) Sartre, que afirma que o homem é condenado a ser livre.
B) Hobbes, que demonstra que o homem é o lobo do homem.
C) Heidegger, que defende que homem não é aquilo que é, mas aquilo que não é.
D) Rousseau, que acredita que o homem nasce bom, mas a sociedade o corrompe.
E) Confúcio, que afirma que o homem superior atribui a culpa a si próprio; o homem comum aos
outros.
7- “Leviatã é um terrível monstro marinho citado na Bíblia, não havendo na Terra nenhum ser que
a ele se compare em força, poder e sabedoria, curvando-se, então, todas as criaturas à sua
imensidão. Com a escolha desse personagem bíblico, Hobbes pretende sublinhar o poder absoluto
do Estado sobre os homens.”
Para que o homem não se torne “o lobo do homem”, para que todos não se voltem contra todos,
Hobbes propõe que os indivíduos deleguem ao Estado o poder de obrigar as pessoas a honrarem
seus pactos e a manterem a paz, através da força e da coerção.
Para Hobbes, a função do Estado é
(A) defender o direito dos grupos privilegiados que o compõem.
(B) ficar acima dos indivíduos, tornando-se indiferente aos seus pactos.
(C) fazer com que os indivíduos se voltem uns contra os outros para que
os mais fortes sobrevivam.
(D) garantir a harmonia social através da violência legitimada.
(E) manter o direito natural dos indivíduos em busca de uma sociedade
autônoma.
5
8- Identificar, a partir de uma tipologia textual, elementos que estejam ligados à teoria liberal.
Assunto: Filosofia Moderna – Filosofia Política
Leia os trechos da música “Ouro de tolo”, do cantor e compositor Raul Seixas.
Eu devia estar contente
Porque eu tenho um emprego
Sou um dito cidadão respeitável
E ganho quatro mil cruzeiros
Por mês...
Eu devia agradecer ao Senhor
Por ter tido sucesso
Na vida como artista
Eu devia estar feliz
Porque consegui comprar
Um Corcel 73...
Eu devia estar alegre
E satisfeito
Por morar em Ipanema
Depois de ter passado
Fome por dois anos
Aqui na Cidade Maravilhosa...
(...)
Eu devia estar feliz pelo Senhor
Ter me concedido o domingo
Prá ir com a família
No Jardim Zoológico
Dar pipoca aos macacos...
(...)
E você ainda acredita
Que é um doutor
Padre ou policial
Que está contribuindo
Com sua parte
Para o nosso belo
Quadro social...
Eu que não me sento
No trono de um apartamento
Com a boca escancarada
Cheia de dentes
Esperando a morte chegar...
(...)
O liberalismo acredita na força do Estado para garantir a liberdade individual dos membros da
sociedade. O liberalismo econômico acredita que a concorrência entre os indivíduos tem o poder de
equalizar a sociedade e, consequentemente, trazer a felicidade para todos.
Na música “Ouro de tolo”, podemos inferir que o autor
(A) compartilha com as ideias do liberalismo pois afirma que as profissões devem contribuir para o
“nosso belo quadro social”.
(B) comunga das ideias liberais por acreditar que o trabalho pode nos proporcionar sucesso na vida
após superar as dificuldades
(C) comunica-se com as ideias do liberalismo porque acredita que a estabilidade da vida social
acontece quando cada indivíduo assume sua liberdade.
(D) contraria as ideias do liberalismo por defender que o homem pode tornar-se livre sem precisar
preocupar-se com as convenções sociais.
(E) diverge das ideias do liberalismo por considerar que a vida vai além das convenções e dos
parâmetros pré-estabelecidos pela sociedade.
9- Perceber no texto a crítica feita pelo autor ao sistema liberal.
Nível de dificuldade: Médio
Assunto: Filosofia Moderna – Filosofia Política
Faça a análise da música “homem primata”, interpretada pela banda Titãs.
6
Desde os primórdios
Até hoje em dia
O homem ainda faz
O que o macaco fazia
Eu não trabalhava
Eu não sabia
Que o homem criava
E também destruía...
Homem Primata
Capitalismo Selvagem
Oh! Oh! Oh!...
Eu aprendi
A vida é um jogo
Cada um por si
E Deus contra todos
Você vai morrer
E não vai pro céu
É bom aprender
A vida é cruel...
Homem Primata
Capitalismo Selvagem
Oh! Oh! Oh!...
Eu me perdi
Na selva de pedra
Eu me perdi
Eu me perdi...
O autor faz um anacronismo entre o passado primitivo e a condição atual da sociedade
capitalista com o intuito de denunciar
(A) a estagnação da sociedade, que continua com o mesmo modelo de economia do
tempo Primitivo.
(B) a evolução do homem, que criou uma economia em que todos repartem aquilo que
tem.
(C) a incoerência do homem, criador do sistema baseado na disputa selvagem pela
sobrevivência.
(D) o progresso da sociedade capitalista, que elimina as atitudes primitivas do homem
(E) o regresso do homem à vida selvagem, cujo despojamento tecnológico tornou-se
sua marca.
10- O Jusnaturalismo parte do princípio de que o homem, desde seu estado de natureza,
possui direitos inatos, universais e inalienáveis. No estado civil ele deve abrir mão dos
direitos naturais por meio de um pacto social que representa a vontade do conjunto dos
indivíduos.
A ideia de que o pacto social, institucionalizado nas leis, representa a vontade do
conjunto dos indivíduos é contestada nesta charge. O pacto social pode beneficiar uma
minoria e desagradar a maioria porque
7
(A) as leis ou as oportunidades podem ser criadas visando interesses particulares.
(B) as leis ou oportunidades jamais poderão agradar a maioria.
(C) as leis ou oportunidades são criadas para o interesse da maioria.
(D) os homens têm dificuldade de abrir mão de seus direitos inatos e universais.
(E) os homens têm dificuldade de seguir leis que regulem sua vontade natural.
11- Leia os textos de Jean Jacques Rousseau e Thomas Hobbes.
Texto 1:
“Suponhamos os homens chegando àquele ponto em que os obstáculos prejudiciais à
sua conservação no estado de natureza sobrepujam, pela sua resistência, as forças que
cada indivíduo dispõe para manter-se nesse estado. Então, esse estado primitivo já não
pode subsistir, e o gênero humano, se não mudasse o modo de vida, pereceria. Ora,
como os homens não podem engendrar novas forças, mas somente unir e orientar as já
existentes, não têm eles outro meio de conservar-se senão formando, por agregação, um
conjunto de forças, que possa sobrepujar a resistência, impelindo-as para um só móvel,
levando-as a cooperar em concerto”.
(Rousseau, “Do Contrato Social”)
Texto 2:
“A partir dessa igualdade de habilidade, surge a igualdade de esperança na atingência
dos nossos fins. E, portanto, se quaisquer dois homens desejam a mesma coisa, de que,
no entanto, não podem ambos gozar, eles se tornam inimigos e, no caminho rumo ao
seu fim (que é, acima de tudo, a sua própria conservação e, às vezes, é somente o seu
prazer), tentam destruir ou subjugar um ao outro. E a partir disso, pois, vem a acontecer
que, onde um invasor não tem mais nada a temer do que o poder individual de um outro
homem, se alguém planta, semeia, constrói ou possui um assento conveniente, pode-se
provavelmente esperar que os outros venham preparados, com forças unidas, para
despossá-lo e destituí-lo não apenas do fruto do seu trabalho, mas também da sua vida
ou liberdade. E o invasor, por sua vez, encontra-se no mesmo perigo com relação a
outros”.
(Hobbes, “Leviatã”)
Com base nos trechos acima, é correto afirmar, respectivamente:
A) Para Rousseau, o contrato social evitaria a guerra de todos contra todos e, para
Hobbes, todos os homens vivem em harmonia no estado de natureza.
B) Para Rousseau o homem é, em seu estado natural, escravo de suas próprias
necessidades; para Hobbes no estado natural ‘o homem é lobo do homem’.
C) Para Rousseau o contrato social é fruto da opressão de poucos sobre muitos;
para Hobbes, o contrato social é a legitimação da liberdade já encontrada no
estado natural.
D) Para Rousseau, o homem vive em harmonia no estado natural; para Hobbes, o
homem é lobo do homem no estado de natureza.
E) Para Rousseau o contrato social legitima o governante como soberano; para
Hobbes o contrato social legitima o povo como soberano.
8
12- Leia o trecho:
“O grande e principal objetivo, portanto, da união dos homens em estados e de colocar-
se sob governo é a preservação da sua propriedade. E, para isso, no estado de natureza
há muitas coisas que não estão à altura”.
(John Locke, “Segundo Tratado Sobre o Governo”)
Para Locke, a propriedade privada trata-se de uma propriedade natural que, não
obstante, não pode ser fruída em segurança no estado de natureza. Diferentemente de
Hobbes, no entanto, o contrato social em Locke:
A) Nunca pode ser revogado.
B) Justifica a atribuição de um poder absoluto.
C) Pode ser revogado pelo povo.
D) Empresta aos súditos o direito à propriedade privada.
E) Tira os homens do estado de natureza mediante um contrato social.
13- No Iluminismo os valores da burguesia são destacados, provocando rupturas nas
formas de pensar consagradas pela tradição, favorecendo sua ascensão social e a
afirmação de suas ideologias, colocadas como guias da sabedoria para orientação dos
problemas existenciais e a compreensão dos fenômenos naturais e sociais. A principal
marca desse período foi um certo otimismo quanto ao poder e ao uso da razão na
reorganização da sociedade e no conhecimento da natureza.
São características do pensamento iluminista, EXCETO
a) o ideal da liberdade individual, da convivência e da felicidade
b) o culto da razão e da ciência são colocados como guias da sabedoria
c) os ideais burgueses são destacados, provocando rupturas na tradição,
d) o espírito crítico e a autonomia como caminho para a emancipação do homem.
e) a preocupação com as questões ambientais e de interesse coletivo.
14- “É somente à lei que os homens devem a justiça e a liberdade; é esse órgão salutar
da vontade de todos que restabelece no direito a igualdade natural entre os homens; é
essa voz celeste que dita a cada cidadão os preceitos da razão pública e o ensina a agir
de acordo com as máximas de seu próprio julgamento a não ficar em contradição
consigo mesmo.”
Rousseau. Da Economia Política. Vol. 1. Trad. de Lourdes Santos Machado.
Editora Globo- RJ - P. Alegre - S.P, 1962.
- De acordo com o texto, a lei REPRESENTA
9
a) os preceitos da razão na conduta humana.
b) a igualdade natural entre os homens.
c) a vontade geral, expressa pela razão pública
d) à constituição federal que deve ser seguida por todos.
e) a liberdade individual para regular e dispor de suas posses.
15- A passagem do estado de natureza à sociedade civil se dá por meio de um contrato
social, pelo qual os indivíduos renunciam à liberdade natural e à posse natural de bens,
riquezas e armas e concordam em transferir a um terceiro – o soberano – o poder para
criar e aplicar as leis, tornando-se autoridade política. O contrato social funda a
soberania.
Para Locke a principal função do Estado no Contrato Social SERIA
a) induzir os homens pelo medo e repressão, a honrar seus pactos, mantendo a paz.
b) instituir o poder fundado pelo uso da força.
c) destituir poderes legítimos sob a direção da vontade geral.
d) garantir a propriedade privada, fruto do trabalho humano, como direito natural.
e) instituir a política como arte modeladora dos interesses comuns.
16- O liberalismo é uma doutrina político-econômica que nasce paralela à dissolução da
ordem feudal e às novas necessidades sociais que surgem dessa transformação. Sobre
essa doutrina podemos AFIRMAR
a)fundamentava-se nas teorias racionalistas e empiristas do Iluminismo
b) representava a ideologia da sociedade capitalista burguesa em ascensão,
c) refletia a necessidade de expansão da política absolutista.
d) servia como princípio político e econômico da economia e da política medieval.
e) afirmava a liberdade humana dentro das limitações impostas pelos estados
absolutistas.
17- A partir do século XIX as contradições do liberalismo vão se configurando,
exigindo novos posicionamentos e fragmentando a sua influência no mundo ocidental.
Entre os fatores que contribuíram para essa crise, podemos citar EXCETO
a) a concentração da riqueza e prosperidade para uma parcela da sociedade.
b) as ideias propagadas pelas teorias socialistas e anarquistas.
c) a democracia edificada numa sociedade pautada pelos interesses comuns
d) as reivindicações e movimentos dos trabalhadores por uma ordem social mais
justa.
e) o utilitarismo, concebido como um critério geral de moralidade.
10
QUESTÕES ABERTAS/DISCURSIVAS
1- Problematizar uma teoria filosófica a partir de dados do contexto atual.
Assunto: Filosofia Moderna – Filosofia Política
Analise o quadro acima sobre o ponto de vista do Liberalismo
2- Analisar questões da vida cotidiana a partir de um conceito filosófico)
Assunto: Filosofia Moderna - Filosofia Política
“A passagem do estado de natureza para o estado civil determina ao homem uma
mudança muito notável, substituindo na sua conduta o instinto pela justiça e dando às
suas ações a moralidade que antes lhe faltava. É só então que, tomando a voz do dever o
lugar do impulso físico, e o direito o lugar do apetite, o homem, até aí levando em
consideração apenas a sua pessoa, vê-se forçado a agir baseando-se em outros princípios
e a consultar a razão antes de ouvir suas inclinações.”
ROUSSEAU. Contrato social. Livro I. Cap. VIII.
Nesse fragmento Rousseau sublinha as implicações da passagem do estado de natureza
para o estado civil.
Explique por que seria impossível para o homem sobreviver em um estado de natureza.
3- Reconhecer a arte como elemento de humanização do homem.
Assunto: Filosofia Moderna – Filosofia da Arte
Analise o poema “Metade” do cantor e compositor Oswaldo Montenegro
Metade
Que a força do medo que tenho
Não me impeça de ver o que anseio
11
Que a morte de tudo em que acredito
Não me tape os ouvidos e a boca
Porque metade de mim é o que eu grito
Mas a outra metade é silêncio.
Que a música que ouço ao longe
Seja linda ainda que tristeza
Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada
Mesmo que distante
Porque metade de mim é partida
Mas a outra metade é saudade. (...)
Que a arte nos aponte uma resposta
Mesmo que ela não saiba
E que ninguém a tente complicar
Porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
Porque metade de mim é platéia
E a outra metade é canção.
E que a minha loucura seja perdoada
Porque metade de mim é amor
E a outra metade também.
Para Oswaldo Montenegro, o artista é composto de duas metades. Uma metade se refere
à dimensão interna (silêncio, saudade, canção) enquanto a outra metade se refere à
dimensão externa (plateia, partida, grito). O único elemento que possibilita a união
dessas duas partes é o amor.
Em uma sociedade onde as pessoas vivem em função do trabalho e do lucro e quase não
tem tempo para olharem para si mesmas, explique qual seria a importância da arte.
4- Habilidade: Relacionar o ponto de vista do Iluminismo com os valores burgueses.
Assunto: Liberalismo
“O comércio só pode se desenvolver em uma sociedade onde as pessoas estejam livres
para realizar seus negócios. Pois sem indivíduos livres, recebendo salários, não pode
haver mercado comercial. A burguesia posicionou-se então, contra a escravidão da
pessoa humana.”
COTRIN, Gilberto; MIRNA, Fernandes. Fundamentos de Filosofia. São Paulo: Saraiva,
2010. p. 241.
Segundo o texto, os valores fundamentais defendidos pelos iluministas poderiam ser
relacionados com a atividade comercial, constituindo também valores burgueses.
Escreva um argumento mostrando de que forma, a liberdade defendida pelo iluminismo
é importante para o desenvolvimento do comércio.
5- Habilidade: Analisar a contradição inerente ao conceito de liberdade do capitalismo.
Assunto: Filosofia Moderna – Filosofia Política
12
Analise os quadrinhos a seguir.
Disponível em: uniaocomunistarevolucionaria.blogspot.com. Acesso em: 12 fev. 2013
O liberalismo marca registrada do capitalismo, passa por uma crise essencial. De acordo
com os quadrinhos, o exercício da liberdade aponta uma contradição no sistema liberal.
Explique essa contradição, relacionando-a ao contexto histórico brasileiro.
6- O homem natural é tudo para si mesmo: ele é a unidade numérica, o inteiro absoluto
que só tem relação com ele próprio ou com seu semelhante. O homem civil é apenas
uma unidade fracionária que depende do denominador cujo valor está em sua relação
com o inteiro, que é o corpo social. As boas instituições são aquelas que melhor sabem
desnaturar o homem, tirar-lhe sua existência absoluta para lhe dar uma relativa, e
transportar o eu para a unidade comum: de tal modo que cada particular não se creia
mais um, mas parte da unidade, e apenas seja sensível no todo.
J. Rousseau, Oeuvres Complètes. Pleiade, 1964. Fragmento.
Tomando como referência as ideias do texto, EXPLIQUE a diferença entre estado de
natureza e estado civil.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacinaAvaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacinaAcrópole - História & Educação
 
Atividades de História: Revolução Francesa
Atividades de História: Revolução FrancesaAtividades de História: Revolução Francesa
Atividades de História: Revolução FrancesaDoug Caesar
 
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAvaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)Atividades Diversas Cláudia
 
Iluminismo cruzadinhas 8º ano
Iluminismo cruzadinhas 8º anoIluminismo cruzadinhas 8º ano
Iluminismo cruzadinhas 8º anoThais Ribeiro
 
L ista de exercicios 8º ano abdamides
L ista de exercicios 8º ano abdamidesL ista de exercicios 8º ano abdamides
L ista de exercicios 8º ano abdamidesAbdamides Carvalho
 
Exercício 7º ano reformas protestantes
Exercício 7º ano reformas protestantesExercício 7º ano reformas protestantes
Exercício 7º ano reformas protestantesÓcio do Ofício
 
Atividade de História - Ditadura Militar no Brasil
Atividade de História - Ditadura Militar no BrasilAtividade de História - Ditadura Militar no Brasil
Atividade de História - Ditadura Militar no BrasilEdilene Ruth Pereira
 
Mapa mental sobre o Feudalismo, Grécia Antiga e Roma
Mapa mental sobre o   Feudalismo, Grécia Antiga e RomaMapa mental sobre o   Feudalismo, Grécia Antiga e Roma
Mapa mental sobre o Feudalismo, Grécia Antiga e RomaJéssica Frontelli
 
Cruzadinha de História (A ocupação humana na América)
Cruzadinha  de História  (A ocupação humana na América)Cruzadinha  de História  (A ocupação humana na América)
Cruzadinha de História (A ocupação humana na América)Mary Alvarenga
 

Mais procurados (20)

Atividades discursivas grécia antiga
Atividades discursivas grécia antigaAtividades discursivas grécia antiga
Atividades discursivas grécia antiga
 
Atividades Segunda Guerra Mundial
Atividades Segunda Guerra MundialAtividades Segunda Guerra Mundial
Atividades Segunda Guerra Mundial
 
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacinaAvaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
 
Atividades de História: Revolução Francesa
Atividades de História: Revolução FrancesaAtividades de História: Revolução Francesa
Atividades de História: Revolução Francesa
 
Questoes segunda guerra mundial
Questoes segunda guerra mundialQuestoes segunda guerra mundial
Questoes segunda guerra mundial
 
Atividades Revolução Francesa
Atividades   Revolução FrancesaAtividades   Revolução Francesa
Atividades Revolução Francesa
 
Exercicio revolução russa
Exercicio revolução russaExercicio revolução russa
Exercicio revolução russa
 
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAvaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
 
Prova de História 7º Ano - Renascimento Cultural
Prova de História 7º Ano  - Renascimento CulturalProva de História 7º Ano  - Renascimento Cultural
Prova de História 7º Ano - Renascimento Cultural
 
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
 
Iluminismo cruzadinhas 8º ano
Iluminismo cruzadinhas 8º anoIluminismo cruzadinhas 8º ano
Iluminismo cruzadinhas 8º ano
 
Revolução industrial cruzadinha
Revolução industrial cruzadinhaRevolução industrial cruzadinha
Revolução industrial cruzadinha
 
atividades sobre a Primeira Guerra Mundial
atividades sobre a Primeira Guerra Mundialatividades sobre a Primeira Guerra Mundial
atividades sobre a Primeira Guerra Mundial
 
L ista de exercicios 8º ano abdamides
L ista de exercicios 8º ano abdamidesL ista de exercicios 8º ano abdamides
L ista de exercicios 8º ano abdamides
 
Iluminismo 8° ano
Iluminismo 8° anoIluminismo 8° ano
Iluminismo 8° ano
 
Exercício 7º ano reformas protestantes
Exercício 7º ano reformas protestantesExercício 7º ano reformas protestantes
Exercício 7º ano reformas protestantes
 
Atividade de História - Ditadura Militar no Brasil
Atividade de História - Ditadura Militar no BrasilAtividade de História - Ditadura Militar no Brasil
Atividade de História - Ditadura Militar no Brasil
 
Mapa mental sobre o Feudalismo, Grécia Antiga e Roma
Mapa mental sobre o   Feudalismo, Grécia Antiga e RomaMapa mental sobre o   Feudalismo, Grécia Antiga e Roma
Mapa mental sobre o Feudalismo, Grécia Antiga e Roma
 
Egito antigo e atualidades 6º ano
Egito antigo e atualidades 6º anoEgito antigo e atualidades 6º ano
Egito antigo e atualidades 6º ano
 
Cruzadinha de História (A ocupação humana na América)
Cruzadinha  de História  (A ocupação humana na América)Cruzadinha  de História  (A ocupação humana na América)
Cruzadinha de História (A ocupação humana na América)
 

Destaque

96997139 prova-6-ano-a-origem-e-a-composicao-do-solo
96997139 prova-6-ano-a-origem-e-a-composicao-do-solo96997139 prova-6-ano-a-origem-e-a-composicao-do-solo
96997139 prova-6-ano-a-origem-e-a-composicao-do-solocristiana Leal
 
7ª ano Und 01 respostas p 30 e 31
7ª ano Und 01 respostas p 30 e 317ª ano Und 01 respostas p 30 e 31
7ª ano Und 01 respostas p 30 e 31SEMEC
 
8ª ano revisão unidade 4 tema 1 resp
8ª ano revisão unidade 4 tema 1 resp8ª ano revisão unidade 4 tema 1 resp
8ª ano revisão unidade 4 tema 1 respSEMEC
 
1 teste diagnóstico - mercantilismo, absolutismo, iluminismo e reforma
1   teste diagnóstico  - mercantilismo, absolutismo, iluminismo e reforma1   teste diagnóstico  - mercantilismo, absolutismo, iluminismo e reforma
1 teste diagnóstico - mercantilismo, absolutismo, iluminismo e reformaSandra Bolinhas
 
Revisão de história 5ºano
Revisão de história 5ºanoRevisão de história 5ºano
Revisão de história 5ºanoNadja Dócio
 
Correção da Ficha de avaliação 2
Correção da Ficha de avaliação 2   Correção da Ficha de avaliação 2
Correção da Ficha de avaliação 2 sofiasimao
 
2 teste historia romanos 5ano3
2 teste historia romanos 5ano32 teste historia romanos 5ano3
2 teste historia romanos 5ano3jaugf
 
Teste de história 7ºano
Teste de história 7ºanoTeste de história 7ºano
Teste de história 7ºanoJoão Couto
 
Correção da Ficha de Avaliação 2
Correção da Ficha de Avaliação 2Correção da Ficha de Avaliação 2
Correção da Ficha de Avaliação 2sofiasimao
 

Destaque (13)

Atividade historia 7 ano mercantilismo
Atividade historia 7 ano mercantilismoAtividade historia 7 ano mercantilismo
Atividade historia 7 ano mercantilismo
 
96997139 prova-6-ano-a-origem-e-a-composicao-do-solo
96997139 prova-6-ano-a-origem-e-a-composicao-do-solo96997139 prova-6-ano-a-origem-e-a-composicao-do-solo
96997139 prova-6-ano-a-origem-e-a-composicao-do-solo
 
Absolutismo e mercantilismo 7° ano
Absolutismo e mercantilismo 7° anoAbsolutismo e mercantilismo 7° ano
Absolutismo e mercantilismo 7° ano
 
7ª ano Und 01 respostas p 30 e 31
7ª ano Und 01 respostas p 30 e 317ª ano Und 01 respostas p 30 e 31
7ª ano Und 01 respostas p 30 e 31
 
8ª ano revisão unidade 4 tema 1 resp
8ª ano revisão unidade 4 tema 1 resp8ª ano revisão unidade 4 tema 1 resp
8ª ano revisão unidade 4 tema 1 resp
 
Resumo bom mercantilismo
Resumo bom mercantilismoResumo bom mercantilismo
Resumo bom mercantilismo
 
Exercicios iluminismo
Exercicios iluminismoExercicios iluminismo
Exercicios iluminismo
 
1 teste diagnóstico - mercantilismo, absolutismo, iluminismo e reforma
1   teste diagnóstico  - mercantilismo, absolutismo, iluminismo e reforma1   teste diagnóstico  - mercantilismo, absolutismo, iluminismo e reforma
1 teste diagnóstico - mercantilismo, absolutismo, iluminismo e reforma
 
Revisão de história 5ºano
Revisão de história 5ºanoRevisão de história 5ºano
Revisão de história 5ºano
 
Correção da Ficha de avaliação 2
Correção da Ficha de avaliação 2   Correção da Ficha de avaliação 2
Correção da Ficha de avaliação 2
 
2 teste historia romanos 5ano3
2 teste historia romanos 5ano32 teste historia romanos 5ano3
2 teste historia romanos 5ano3
 
Teste de história 7ºano
Teste de história 7ºanoTeste de história 7ºano
Teste de história 7ºano
 
Correção da Ficha de Avaliação 2
Correção da Ficha de Avaliação 2Correção da Ficha de Avaliação 2
Correção da Ficha de Avaliação 2
 

Semelhante a Atividade 2s-3 p-iluminismo-alunos

Politeia e virtude_as_origens_do_pensamento_republicano_classico
Politeia e virtude_as_origens_do_pensamento_republicano_classicoPoliteia e virtude_as_origens_do_pensamento_republicano_classico
Politeia e virtude_as_origens_do_pensamento_republicano_classicoMarinara Moreira
 
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1 PANTOJA.pptx
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1  PANTOJA.pptxSLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1  PANTOJA.pptx
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1 PANTOJA.pptxCristiane Pantoja
 
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1 PANTOJA.pptx
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1  PANTOJA.pptxSLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1  PANTOJA.pptx
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1 PANTOJA.pptxCristiane Pantoja
 
Recuperacao filosofia politica
Recuperacao filosofia politicaRecuperacao filosofia politica
Recuperacao filosofia politicaProjovem Urbano
 
Recuperacao filosofia helenica_e_medieval
Recuperacao filosofia helenica_e_medievalRecuperacao filosofia helenica_e_medieval
Recuperacao filosofia helenica_e_medievalProjovem Urbano
 
Lista-de-Exercício-2-História-8º-Ano.docx
Lista-de-Exercício-2-História-8º-Ano.docxLista-de-Exercício-2-História-8º-Ano.docx
Lista-de-Exercício-2-História-8º-Ano.docxwilsimar ribeiro
 
Avaliação sobre mito do segundo bimestre
Avaliação  sobre mito do  segundo bimestreAvaliação  sobre mito do  segundo bimestre
Avaliação sobre mito do segundo bimestreProf. Noe Assunção
 
Avaliação sobre mito- Prof. Noe Assunção
Avaliação  sobre mito- Prof. Noe AssunçãoAvaliação  sobre mito- Prof. Noe Assunção
Avaliação sobre mito- Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
AVALIAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE MITO - Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE MITO - Prof. Noe AssunçãoAVALIAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE MITO - Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE MITO - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Conceitos em Filosofia
Conceitos em FilosofiaConceitos em Filosofia
Conceitos em FilosofiaJorge Barbosa
 
SIMULADO FILOSOFIA E SOCIOLOGIA 3.docx
SIMULADO FILOSOFIA E SOCIOLOGIA 3.docxSIMULADO FILOSOFIA E SOCIOLOGIA 3.docx
SIMULADO FILOSOFIA E SOCIOLOGIA 3.docxCristiane Pantoja
 
QUESTÕES - FILOSOFIA - ENEM 2013
QUESTÕES - FILOSOFIA - ENEM 2013QUESTÕES - FILOSOFIA - ENEM 2013
QUESTÕES - FILOSOFIA - ENEM 2013Marta Caregnato
 
Atividades voltadas para os alunos do 2 em
Atividades voltadas para os alunos do 2 emAtividades voltadas para os alunos do 2 em
Atividades voltadas para os alunos do 2 emValdeavare
 
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...Prof. Noe Assunção
 
FILOSOFIA_3EM_AGO_CLENILSON.docx
FILOSOFIA_3EM_AGO_CLENILSON.docxFILOSOFIA_3EM_AGO_CLENILSON.docx
FILOSOFIA_3EM_AGO_CLENILSON.docxClenilsonCruzLima1
 
Iluminismo - Exercícios
Iluminismo - ExercíciosIluminismo - Exercícios
Iluminismo - ExercíciosLuiz Valentim
 
Prova filosofia 1º ano / I bimestre
Prova filosofia 1º ano /  I bimestreProva filosofia 1º ano /  I bimestre
Prova filosofia 1º ano / I bimestreMary Alvarenga
 

Semelhante a Atividade 2s-3 p-iluminismo-alunos (20)

Politeia e virtude_as_origens_do_pensamento_republicano_classico
Politeia e virtude_as_origens_do_pensamento_republicano_classicoPoliteia e virtude_as_origens_do_pensamento_republicano_classico
Politeia e virtude_as_origens_do_pensamento_republicano_classico
 
1 serie filosofia
1 serie filosofia1 serie filosofia
1 serie filosofia
 
2014 concurso da policia 2
2014 concurso da policia 22014 concurso da policia 2
2014 concurso da policia 2
 
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1 PANTOJA.pptx
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1  PANTOJA.pptxSLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1  PANTOJA.pptx
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1 PANTOJA.pptx
 
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1 PANTOJA.pptx
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1  PANTOJA.pptxSLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1  PANTOJA.pptx
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1 PANTOJA.pptx
 
Recuperacao filosofia politica
Recuperacao filosofia politicaRecuperacao filosofia politica
Recuperacao filosofia politica
 
Hist8 bq 00004
Hist8 bq 00004Hist8 bq 00004
Hist8 bq 00004
 
Recuperacao filosofia helenica_e_medieval
Recuperacao filosofia helenica_e_medievalRecuperacao filosofia helenica_e_medieval
Recuperacao filosofia helenica_e_medieval
 
Lista-de-Exercício-2-História-8º-Ano.docx
Lista-de-Exercício-2-História-8º-Ano.docxLista-de-Exercício-2-História-8º-Ano.docx
Lista-de-Exercício-2-História-8º-Ano.docx
 
Avaliação sobre mito do segundo bimestre
Avaliação  sobre mito do  segundo bimestreAvaliação  sobre mito do  segundo bimestre
Avaliação sobre mito do segundo bimestre
 
Avaliação sobre mito- Prof. Noe Assunção
Avaliação  sobre mito- Prof. Noe AssunçãoAvaliação  sobre mito- Prof. Noe Assunção
Avaliação sobre mito- Prof. Noe Assunção
 
AVALIAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE MITO - Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE MITO - Prof. Noe AssunçãoAVALIAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE MITO - Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE MITO - Prof. Noe Assunção
 
Conceitos em Filosofia
Conceitos em FilosofiaConceitos em Filosofia
Conceitos em Filosofia
 
SIMULADO FILOSOFIA E SOCIOLOGIA 3.docx
SIMULADO FILOSOFIA E SOCIOLOGIA 3.docxSIMULADO FILOSOFIA E SOCIOLOGIA 3.docx
SIMULADO FILOSOFIA E SOCIOLOGIA 3.docx
 
QUESTÕES - FILOSOFIA - ENEM 2013
QUESTÕES - FILOSOFIA - ENEM 2013QUESTÕES - FILOSOFIA - ENEM 2013
QUESTÕES - FILOSOFIA - ENEM 2013
 
Atividades voltadas para os alunos do 2 em
Atividades voltadas para os alunos do 2 emAtividades voltadas para os alunos do 2 em
Atividades voltadas para os alunos do 2 em
 
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
 
FILOSOFIA_3EM_AGO_CLENILSON.docx
FILOSOFIA_3EM_AGO_CLENILSON.docxFILOSOFIA_3EM_AGO_CLENILSON.docx
FILOSOFIA_3EM_AGO_CLENILSON.docx
 
Iluminismo - Exercícios
Iluminismo - ExercíciosIluminismo - Exercícios
Iluminismo - Exercícios
 
Prova filosofia 1º ano / I bimestre
Prova filosofia 1º ano /  I bimestreProva filosofia 1º ano /  I bimestre
Prova filosofia 1º ano / I bimestre
 

Último

Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalErikOliveira40
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfEversonFerreira20
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasnarayaskara215
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 

Último (20)

Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 

Atividade 2s-3 p-iluminismo-alunos

  • 1. ATIVIDADE FILOSOFIA Professor CÁSSIO Turma 22__ Data ____/____/2014 Aluno(a) Número Nota ILUMINISMO: QUESTÕES PARA ROTEIRO DE ESTUDO PARA AS AVALIAÇÕES DO 3º PERÍODO DE 2014 Habilidade: Identificar a razão pela qual o homem se insere na sociedade. Assunto: Jusnaturalismo e Contrato Social 1- “A única maneira pela qual uma pessoa qualquer renuncia à liberdade natural e se reveste dos laços da sociedade civil consiste em concordar com outras pessoas, em juntar-se e unir-se numa comunidade, para viverem com segurança, conforto e paz.” LOCKE, John. Segundo Tratado Sobre o Governo. São Paulo: Martin Claret, 2006, p. 71. Para John Locke, o homem abre mão da liberdade natural em função da A) valorização do bem comum para o fortalecimento da sociedade. B) possibilidade de aumentar seus lucros e seu poder de transação comercial. C) segurança, garantida pelo Estado e fruto do acordo que os homens fazem entre si. D) possibilidade do seu instinto, ultrapassar aquilo que limita sua liberdade. E) sensibilidade altruística, seu objetivo é ajudar o outro homem. 2- Habilidade: Identificar elementos em um texto que fazem alusão e criticam o período da Idade Média. Assunto: Liberalismo Analise os fragmentos do Estatuto do Homem, de Thiago de Melo. “Fica decretado que os homens estão livres do jugo da mentira. Nunca mais será preciso usar a couraça do silêncio nem a armadura de palavras. O homem se sentará à mesa com seu olhar limpo porque a verdade passará a ser servida antes da sobremesa. (...) Fica proibido o uso da palavra liberdade, a qual será suprimida dos dicionários e do pântano enganoso das bocas. A partir deste instante a liberdade será algo vivo e transparente como um fogo ou um rio, e a sua morada será sempre o coração do homem.” O liberalismo define-se pela saída do homem da tutela dos dogmas medievais e pela busca do esclarecimento racional, numa tentativa de superar A) a falta de organização econômica, social e política existente na época. B) a hierarquia social e econômica característica do período medieval. C) a imposição do catolicismo como opção religiosa única sobre a população. D) a denúncia pela sociedade, dos dogmas impostos à sociedade pela Igreja. E) o conformismo das pessoas diante da imposição de uma verdade absoluta.
  • 2. 2 3- Habilidade: Identificar as consequências do ideal iluminista para o ocidente. Assunto: Iluminismo Desde sempre o iluminismo, no sentido mais abrangente de um pensar que faz progressos, perseguiu o objetivo de livrar os homens do medo e de fazer deles senhores. Mas completamente iluminada, a terra resplandece sob o signo do infortúnio triunfal. O programa do iluminismo era o de livrar o mundo do feitiço. Sua pretensão, a de dissolver os mitos e anular a imaginação, por meio do saber [...]. Na escravização da criatura ou na capacidade de oposição voluntária aos senhores do mundo, o saber que é poder não conhece limites. Esse saber serve aos empreendimentos de qualquer um, sem distinção de origem, assim como, na fábrica e no campo de batalha, está a serviço de todos os fins da economia burguesa. HORKHEIMER e ADORNO. Conceito de Iluminismo. São Paulo: Abril Cultural p. 89. O termo iluminismo faz referência à capacidade da razão em dissipar com sua luz as trevas da ignorância referente à concepção de homem e de mundo medieval. Contudo, o excesso de razão, como quase todo excesso, tem efeitos indesejados. O excesso de luz prejudica a visão tanto quanto a cegueira. O texto faz uma crítica ao iluminismo, argumentado que sua atuação tinha como finalidade A) a adequação do conhecimento aos interesses burgueses em nome da emancipação humana. B) a capacidade da razão em livrar o homem da ignorância e do excesso de conhecimento científico. C) a escravidão imposta pela Europa aos países colonizados e a elitização do conhecimento. D) a falta de limites éticos para o conhecimento, subordinado à ideologia capitalista. E) o excesso de informação e o retorno às fontes da Idade Média como forma de conhecimento. 4- Habilidade: Interpretar a relação entre o conteúdo do texto com a ideia expressa na imagem. Assunto: Contrato Social Analise o gráfico feito a partir de uma pesquisa do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) sobre a confiança dos brasileiros em relação ao sistema de Segurança Pública. Em seguida, analise a imagem que ilustra a realidade exposta no gráfico. Confia muito Confia Confia pouco Não confia Centro-Oeste 4,30% 37,05% 34,20% 24,45% Nordeste 5,80% 24,10% 43,45% 26,70% Norte 4,45% 26,15% 47,35% 22,00% Sudeste 3,00% 21,80% 45,10% 30,05% Sul 3,40% 28,00% 43,95% 24,65%
  • 3. 3 O filósofo Thomas Hobbes imaginou como seria a vida do homem sem o poder do Estado. Sem a força de um poder coercitivo o homem obedeceria apenas aos seus próprios interesses pessoais, seu instinto de sobrevivência. Hobbes denomina esse contexto hipotético como estado de natureza, em que o homem viveria de forma insegura, pois estaria ameaçado por todos e seria, ao mesmo tempo, uma ameaça para todos. Analisando o gráfico e a imagem, tendo como premissa a concepção de Hobbes sobre a relação entre a ausência do Estado e o estado de natureza, infere-se que, no Brasil, essa relação está ligada à: A) insegurança como fator psicológico, generalizando o medo social. B) ineficiência do Estado em garantir os direitos básicos de cidadania. C) confiança das pessoas no Estado, verificado em todas as regiões brasileiras. D) aglomeração excessiva de pessoas e excessos no uso de álcool, no carnaval. E) ausência da repressão e uso da força pelo Estado, deixando as pessoas à sua própria sorte. 5- Habilidade: Identificar uma ideia filosófica nas ideias veiculadas em textos diversos. Assunto: Filosofia Moderna – Ética O constrangimento em fazer algo que está fora das convenções éticas, apontado na charge, é real até mesmo para quem escolhe, de forma deliberada, realizar uma infração como roubar, matar. A expressão simbólica “inquilino”, expressa por Mafalda, pode ser associada à ideia de: A) Apatia social. B) Cérebro humano. C) Consciência moral. D) Convenção social. E) Medo social.
  • 4. 4 6- Habilidade: Perceber as contradições do capitalismo neoliberal. Assunto: Filosofia Moderna – Filosofia Político Iracema (a virgem dos lábios de mel) era uma índia da tribo dos Tabajaras, personagem de um romance do mesmo nome, escrita por José de Alencar. Iracema é idealizada como a mulher pura, que guarda a condição de imaculada. A idealização dessa personagem pode ser comparada à concepção filosófica de A) Sartre, que afirma que o homem é condenado a ser livre. B) Hobbes, que demonstra que o homem é o lobo do homem. C) Heidegger, que defende que homem não é aquilo que é, mas aquilo que não é. D) Rousseau, que acredita que o homem nasce bom, mas a sociedade o corrompe. E) Confúcio, que afirma que o homem superior atribui a culpa a si próprio; o homem comum aos outros. 7- “Leviatã é um terrível monstro marinho citado na Bíblia, não havendo na Terra nenhum ser que a ele se compare em força, poder e sabedoria, curvando-se, então, todas as criaturas à sua imensidão. Com a escolha desse personagem bíblico, Hobbes pretende sublinhar o poder absoluto do Estado sobre os homens.” Para que o homem não se torne “o lobo do homem”, para que todos não se voltem contra todos, Hobbes propõe que os indivíduos deleguem ao Estado o poder de obrigar as pessoas a honrarem seus pactos e a manterem a paz, através da força e da coerção. Para Hobbes, a função do Estado é (A) defender o direito dos grupos privilegiados que o compõem. (B) ficar acima dos indivíduos, tornando-se indiferente aos seus pactos. (C) fazer com que os indivíduos se voltem uns contra os outros para que os mais fortes sobrevivam. (D) garantir a harmonia social através da violência legitimada. (E) manter o direito natural dos indivíduos em busca de uma sociedade autônoma.
  • 5. 5 8- Identificar, a partir de uma tipologia textual, elementos que estejam ligados à teoria liberal. Assunto: Filosofia Moderna – Filosofia Política Leia os trechos da música “Ouro de tolo”, do cantor e compositor Raul Seixas. Eu devia estar contente Porque eu tenho um emprego Sou um dito cidadão respeitável E ganho quatro mil cruzeiros Por mês... Eu devia agradecer ao Senhor Por ter tido sucesso Na vida como artista Eu devia estar feliz Porque consegui comprar Um Corcel 73... Eu devia estar alegre E satisfeito Por morar em Ipanema Depois de ter passado Fome por dois anos Aqui na Cidade Maravilhosa... (...) Eu devia estar feliz pelo Senhor Ter me concedido o domingo Prá ir com a família No Jardim Zoológico Dar pipoca aos macacos... (...) E você ainda acredita Que é um doutor Padre ou policial Que está contribuindo Com sua parte Para o nosso belo Quadro social... Eu que não me sento No trono de um apartamento Com a boca escancarada Cheia de dentes Esperando a morte chegar... (...) O liberalismo acredita na força do Estado para garantir a liberdade individual dos membros da sociedade. O liberalismo econômico acredita que a concorrência entre os indivíduos tem o poder de equalizar a sociedade e, consequentemente, trazer a felicidade para todos. Na música “Ouro de tolo”, podemos inferir que o autor (A) compartilha com as ideias do liberalismo pois afirma que as profissões devem contribuir para o “nosso belo quadro social”. (B) comunga das ideias liberais por acreditar que o trabalho pode nos proporcionar sucesso na vida após superar as dificuldades (C) comunica-se com as ideias do liberalismo porque acredita que a estabilidade da vida social acontece quando cada indivíduo assume sua liberdade. (D) contraria as ideias do liberalismo por defender que o homem pode tornar-se livre sem precisar preocupar-se com as convenções sociais. (E) diverge das ideias do liberalismo por considerar que a vida vai além das convenções e dos parâmetros pré-estabelecidos pela sociedade. 9- Perceber no texto a crítica feita pelo autor ao sistema liberal. Nível de dificuldade: Médio Assunto: Filosofia Moderna – Filosofia Política Faça a análise da música “homem primata”, interpretada pela banda Titãs.
  • 6. 6 Desde os primórdios Até hoje em dia O homem ainda faz O que o macaco fazia Eu não trabalhava Eu não sabia Que o homem criava E também destruía... Homem Primata Capitalismo Selvagem Oh! Oh! Oh!... Eu aprendi A vida é um jogo Cada um por si E Deus contra todos Você vai morrer E não vai pro céu É bom aprender A vida é cruel... Homem Primata Capitalismo Selvagem Oh! Oh! Oh!... Eu me perdi Na selva de pedra Eu me perdi Eu me perdi... O autor faz um anacronismo entre o passado primitivo e a condição atual da sociedade capitalista com o intuito de denunciar (A) a estagnação da sociedade, que continua com o mesmo modelo de economia do tempo Primitivo. (B) a evolução do homem, que criou uma economia em que todos repartem aquilo que tem. (C) a incoerência do homem, criador do sistema baseado na disputa selvagem pela sobrevivência. (D) o progresso da sociedade capitalista, que elimina as atitudes primitivas do homem (E) o regresso do homem à vida selvagem, cujo despojamento tecnológico tornou-se sua marca. 10- O Jusnaturalismo parte do princípio de que o homem, desde seu estado de natureza, possui direitos inatos, universais e inalienáveis. No estado civil ele deve abrir mão dos direitos naturais por meio de um pacto social que representa a vontade do conjunto dos indivíduos. A ideia de que o pacto social, institucionalizado nas leis, representa a vontade do conjunto dos indivíduos é contestada nesta charge. O pacto social pode beneficiar uma minoria e desagradar a maioria porque
  • 7. 7 (A) as leis ou as oportunidades podem ser criadas visando interesses particulares. (B) as leis ou oportunidades jamais poderão agradar a maioria. (C) as leis ou oportunidades são criadas para o interesse da maioria. (D) os homens têm dificuldade de abrir mão de seus direitos inatos e universais. (E) os homens têm dificuldade de seguir leis que regulem sua vontade natural. 11- Leia os textos de Jean Jacques Rousseau e Thomas Hobbes. Texto 1: “Suponhamos os homens chegando àquele ponto em que os obstáculos prejudiciais à sua conservação no estado de natureza sobrepujam, pela sua resistência, as forças que cada indivíduo dispõe para manter-se nesse estado. Então, esse estado primitivo já não pode subsistir, e o gênero humano, se não mudasse o modo de vida, pereceria. Ora, como os homens não podem engendrar novas forças, mas somente unir e orientar as já existentes, não têm eles outro meio de conservar-se senão formando, por agregação, um conjunto de forças, que possa sobrepujar a resistência, impelindo-as para um só móvel, levando-as a cooperar em concerto”. (Rousseau, “Do Contrato Social”) Texto 2: “A partir dessa igualdade de habilidade, surge a igualdade de esperança na atingência dos nossos fins. E, portanto, se quaisquer dois homens desejam a mesma coisa, de que, no entanto, não podem ambos gozar, eles se tornam inimigos e, no caminho rumo ao seu fim (que é, acima de tudo, a sua própria conservação e, às vezes, é somente o seu prazer), tentam destruir ou subjugar um ao outro. E a partir disso, pois, vem a acontecer que, onde um invasor não tem mais nada a temer do que o poder individual de um outro homem, se alguém planta, semeia, constrói ou possui um assento conveniente, pode-se provavelmente esperar que os outros venham preparados, com forças unidas, para despossá-lo e destituí-lo não apenas do fruto do seu trabalho, mas também da sua vida ou liberdade. E o invasor, por sua vez, encontra-se no mesmo perigo com relação a outros”. (Hobbes, “Leviatã”) Com base nos trechos acima, é correto afirmar, respectivamente: A) Para Rousseau, o contrato social evitaria a guerra de todos contra todos e, para Hobbes, todos os homens vivem em harmonia no estado de natureza. B) Para Rousseau o homem é, em seu estado natural, escravo de suas próprias necessidades; para Hobbes no estado natural ‘o homem é lobo do homem’. C) Para Rousseau o contrato social é fruto da opressão de poucos sobre muitos; para Hobbes, o contrato social é a legitimação da liberdade já encontrada no estado natural. D) Para Rousseau, o homem vive em harmonia no estado natural; para Hobbes, o homem é lobo do homem no estado de natureza. E) Para Rousseau o contrato social legitima o governante como soberano; para Hobbes o contrato social legitima o povo como soberano.
  • 8. 8 12- Leia o trecho: “O grande e principal objetivo, portanto, da união dos homens em estados e de colocar- se sob governo é a preservação da sua propriedade. E, para isso, no estado de natureza há muitas coisas que não estão à altura”. (John Locke, “Segundo Tratado Sobre o Governo”) Para Locke, a propriedade privada trata-se de uma propriedade natural que, não obstante, não pode ser fruída em segurança no estado de natureza. Diferentemente de Hobbes, no entanto, o contrato social em Locke: A) Nunca pode ser revogado. B) Justifica a atribuição de um poder absoluto. C) Pode ser revogado pelo povo. D) Empresta aos súditos o direito à propriedade privada. E) Tira os homens do estado de natureza mediante um contrato social. 13- No Iluminismo os valores da burguesia são destacados, provocando rupturas nas formas de pensar consagradas pela tradição, favorecendo sua ascensão social e a afirmação de suas ideologias, colocadas como guias da sabedoria para orientação dos problemas existenciais e a compreensão dos fenômenos naturais e sociais. A principal marca desse período foi um certo otimismo quanto ao poder e ao uso da razão na reorganização da sociedade e no conhecimento da natureza. São características do pensamento iluminista, EXCETO a) o ideal da liberdade individual, da convivência e da felicidade b) o culto da razão e da ciência são colocados como guias da sabedoria c) os ideais burgueses são destacados, provocando rupturas na tradição, d) o espírito crítico e a autonomia como caminho para a emancipação do homem. e) a preocupação com as questões ambientais e de interesse coletivo. 14- “É somente à lei que os homens devem a justiça e a liberdade; é esse órgão salutar da vontade de todos que restabelece no direito a igualdade natural entre os homens; é essa voz celeste que dita a cada cidadão os preceitos da razão pública e o ensina a agir de acordo com as máximas de seu próprio julgamento a não ficar em contradição consigo mesmo.” Rousseau. Da Economia Política. Vol. 1. Trad. de Lourdes Santos Machado. Editora Globo- RJ - P. Alegre - S.P, 1962. - De acordo com o texto, a lei REPRESENTA
  • 9. 9 a) os preceitos da razão na conduta humana. b) a igualdade natural entre os homens. c) a vontade geral, expressa pela razão pública d) à constituição federal que deve ser seguida por todos. e) a liberdade individual para regular e dispor de suas posses. 15- A passagem do estado de natureza à sociedade civil se dá por meio de um contrato social, pelo qual os indivíduos renunciam à liberdade natural e à posse natural de bens, riquezas e armas e concordam em transferir a um terceiro – o soberano – o poder para criar e aplicar as leis, tornando-se autoridade política. O contrato social funda a soberania. Para Locke a principal função do Estado no Contrato Social SERIA a) induzir os homens pelo medo e repressão, a honrar seus pactos, mantendo a paz. b) instituir o poder fundado pelo uso da força. c) destituir poderes legítimos sob a direção da vontade geral. d) garantir a propriedade privada, fruto do trabalho humano, como direito natural. e) instituir a política como arte modeladora dos interesses comuns. 16- O liberalismo é uma doutrina político-econômica que nasce paralela à dissolução da ordem feudal e às novas necessidades sociais que surgem dessa transformação. Sobre essa doutrina podemos AFIRMAR a)fundamentava-se nas teorias racionalistas e empiristas do Iluminismo b) representava a ideologia da sociedade capitalista burguesa em ascensão, c) refletia a necessidade de expansão da política absolutista. d) servia como princípio político e econômico da economia e da política medieval. e) afirmava a liberdade humana dentro das limitações impostas pelos estados absolutistas. 17- A partir do século XIX as contradições do liberalismo vão se configurando, exigindo novos posicionamentos e fragmentando a sua influência no mundo ocidental. Entre os fatores que contribuíram para essa crise, podemos citar EXCETO a) a concentração da riqueza e prosperidade para uma parcela da sociedade. b) as ideias propagadas pelas teorias socialistas e anarquistas. c) a democracia edificada numa sociedade pautada pelos interesses comuns d) as reivindicações e movimentos dos trabalhadores por uma ordem social mais justa. e) o utilitarismo, concebido como um critério geral de moralidade.
  • 10. 10 QUESTÕES ABERTAS/DISCURSIVAS 1- Problematizar uma teoria filosófica a partir de dados do contexto atual. Assunto: Filosofia Moderna – Filosofia Política Analise o quadro acima sobre o ponto de vista do Liberalismo 2- Analisar questões da vida cotidiana a partir de um conceito filosófico) Assunto: Filosofia Moderna - Filosofia Política “A passagem do estado de natureza para o estado civil determina ao homem uma mudança muito notável, substituindo na sua conduta o instinto pela justiça e dando às suas ações a moralidade que antes lhe faltava. É só então que, tomando a voz do dever o lugar do impulso físico, e o direito o lugar do apetite, o homem, até aí levando em consideração apenas a sua pessoa, vê-se forçado a agir baseando-se em outros princípios e a consultar a razão antes de ouvir suas inclinações.” ROUSSEAU. Contrato social. Livro I. Cap. VIII. Nesse fragmento Rousseau sublinha as implicações da passagem do estado de natureza para o estado civil. Explique por que seria impossível para o homem sobreviver em um estado de natureza. 3- Reconhecer a arte como elemento de humanização do homem. Assunto: Filosofia Moderna – Filosofia da Arte Analise o poema “Metade” do cantor e compositor Oswaldo Montenegro Metade Que a força do medo que tenho Não me impeça de ver o que anseio
  • 11. 11 Que a morte de tudo em que acredito Não me tape os ouvidos e a boca Porque metade de mim é o que eu grito Mas a outra metade é silêncio. Que a música que ouço ao longe Seja linda ainda que tristeza Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada Mesmo que distante Porque metade de mim é partida Mas a outra metade é saudade. (...) Que a arte nos aponte uma resposta Mesmo que ela não saiba E que ninguém a tente complicar Porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer Porque metade de mim é platéia E a outra metade é canção. E que a minha loucura seja perdoada Porque metade de mim é amor E a outra metade também. Para Oswaldo Montenegro, o artista é composto de duas metades. Uma metade se refere à dimensão interna (silêncio, saudade, canção) enquanto a outra metade se refere à dimensão externa (plateia, partida, grito). O único elemento que possibilita a união dessas duas partes é o amor. Em uma sociedade onde as pessoas vivem em função do trabalho e do lucro e quase não tem tempo para olharem para si mesmas, explique qual seria a importância da arte. 4- Habilidade: Relacionar o ponto de vista do Iluminismo com os valores burgueses. Assunto: Liberalismo “O comércio só pode se desenvolver em uma sociedade onde as pessoas estejam livres para realizar seus negócios. Pois sem indivíduos livres, recebendo salários, não pode haver mercado comercial. A burguesia posicionou-se então, contra a escravidão da pessoa humana.” COTRIN, Gilberto; MIRNA, Fernandes. Fundamentos de Filosofia. São Paulo: Saraiva, 2010. p. 241. Segundo o texto, os valores fundamentais defendidos pelos iluministas poderiam ser relacionados com a atividade comercial, constituindo também valores burgueses. Escreva um argumento mostrando de que forma, a liberdade defendida pelo iluminismo é importante para o desenvolvimento do comércio. 5- Habilidade: Analisar a contradição inerente ao conceito de liberdade do capitalismo. Assunto: Filosofia Moderna – Filosofia Política
  • 12. 12 Analise os quadrinhos a seguir. Disponível em: uniaocomunistarevolucionaria.blogspot.com. Acesso em: 12 fev. 2013 O liberalismo marca registrada do capitalismo, passa por uma crise essencial. De acordo com os quadrinhos, o exercício da liberdade aponta uma contradição no sistema liberal. Explique essa contradição, relacionando-a ao contexto histórico brasileiro. 6- O homem natural é tudo para si mesmo: ele é a unidade numérica, o inteiro absoluto que só tem relação com ele próprio ou com seu semelhante. O homem civil é apenas uma unidade fracionária que depende do denominador cujo valor está em sua relação com o inteiro, que é o corpo social. As boas instituições são aquelas que melhor sabem desnaturar o homem, tirar-lhe sua existência absoluta para lhe dar uma relativa, e transportar o eu para a unidade comum: de tal modo que cada particular não se creia mais um, mas parte da unidade, e apenas seja sensível no todo. J. Rousseau, Oeuvres Complètes. Pleiade, 1964. Fragmento. Tomando como referência as ideias do texto, EXPLIQUE a diferença entre estado de natureza e estado civil.