SlideShare uma empresa Scribd logo
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
ORIENTAÇÕES
O Slide aqui apresentado, tem como objetivo apresentar um
RESUMO do Livro estudo na Disciplina. Dessa forma:
1. Realize a leitura com total cuidado e oração.
2. Utilize a Bíblia, Dicionários e outras fontes teológicas para
acompanhamento das passagens mencionadas.
3. As imagens são meramente ilustrativas.
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
ORIENTAÇÕES
Procuramos ao máximo fazer um resumo de cada questão, pois
caso contrário a disciplina se tornaria muito extensa, razão pela
qual sugerimos que se há algum tópico que seja de interesse
expressivo do aluno, ele pesquise por conta própria, para
enriquecimento de sua própria cultura teológica.
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Livros Históricos
O que é história?
História é: Narração dos fatos notáveis
ocorridos na vida dos povos, em particular, e
da humanidade em geral. Conjunto de
conhecimentos adquiridos através da
tradição e/ou mediante documentos, acerca
da evolução da humanidade.
1
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Hermenêutica Histórica
Definição de Hermenêutica:
É a arte e a interpretação da linguagem.
Objetivos da Hermenêutica:
Relação entre: Autor - Leitor:
2
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Hermenêutica Histórica
O objetivo é tornar o autor contemporâneo
do leitor, aproximando-os à compreensão
da mesma época. O leitor deve
compreender o escritor na época em que o
texto foi escrito e não na época em que o
texto está sendo lido.
3
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Hermenêutica Histórica
Um segundo objetivo da hermenêutica e
esclarecer tudo que haja de obscuro.
Tornar o assunto compreensível para uma
posterior exposição - II Pedro 3:15 e 16.
4
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Hermenêutica Histórica
“Concordamos, também, que o pregador ou
professor está por demais inclinados a escavar
primeiro, e a olhar depois, e assim encobrir o
significado claro do texto, que freqüentemente está
na superfície. Seja dito logo de início, e repetido a
cada passo, que o alvo da boa interpretação não é a
originalidade, não se procura descobrir aquilo que
ninguém jamais viu” – Fee/Stuart, Entendes o que
lês? Página 13.
5
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Hermenêutica Histórica
A palavra hermenêutica deriva do termo
grego Hermeneutikos, por sua vez deriva de
um verbo “hermeneou” cujo significado é:
arte de interpretar os livros sagrados e os
textos antigos.
6
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Hermenêutica Histórica
De modo geral e mais abrangente, se fala da
teoria da interpretação de sinais e símbolos
de uma cultura e a arte de interpretar leis.
Ciência - Porque contém regras definidas,
organizadas.
Arte - Porque na hora de aplicar as regras há
necessidade de bom senso, sensibilidade.
7
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Hermenêutica Histórica
Há espaço para a criatividade no estudo da
Bíblia, porém, esta só deve ocorrer quando ela
é dirigida pelo Espírito Santo.
8
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Hermenêutica Histórica
O máximo cuidado é sugerido quando levamos
a imaginação a criar “verdades” sem base
bíblica e a expor estas mesmas como
“doutrina” quando na verdade não passa de
uma questão da imaginação e fruto muitas
vezes de uma dedução.
“Há uma diferença enorme entre interpretação
e aplicação”.
9
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Hermenêutica Histórica
Interpretação - Só é o significado pretendido
pelo autor, ou seja, por Deus. A
interpretação bíblica deverá extrair do texto
apenas o que o Deus pretendia dizer através
do autor humano, e não o que nós
pretendemos que o texto diga.
Aplicação - Podem ser várias, dependendo
da situação em que as pessoas se
encontram.
10
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Hermenêutica Histórica
Hermenêutica Bíblica - Geral e Especial
Geral - É aquela que trata as Escrituras como
um todo. Princípios gerais, básicos. Elabora os
princípios. Os princípios de estudos de
hermenêutica são a base para uma teologia
sadia e bíblica.
Especial - É aquela que trata de questões
particulares das Escrituras. Esta classe de
hermenêutica não pode elaborar princípios.
11
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Cânon
Não nos compete mais a pesquisa para
determinar os livros canônicos (inspirados), o
estudo da formação do Cânon é um estudo
de outra disciplina.
Existem muitos livros inspirados que não
foram incluídos no cânon bíblico pelo fato de
se tratarem de problemas específicos para
aquela região, igreja ou pessoa.
12
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Cânon
Exemplos: I Cor. 5:9 (uma Carta anterior a
esta que é considerada a primeira) --- Col.
4:16 (havia uma carta para os Laodicenses).
Obs: O profeta é inspirado no exercício de
sua função.
13
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Cânon
Crítica Textual: Ciência que estuda as possíveis
mudanças que ocorrem com o texto bíblico.
-Como foi escrito?
Crítica Histórica: É aquela que estuda os fatos
históricos envolvidos com o texto.
- Quem escreveu? Para quem escreveu?
- Em que circunstâncias? Relação da Hermenêutica
com outros campos do estudo bíblico.
14
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Cânon
15
CÂNON CRÍTICA TEXTUAL CRÍTICA
HISTÓRICA
EXEGESE -
BÍBLICA E -
SISTEMÁTICA
Vê se o texto é o
melhor em
grego, o mais
próximo ao
original
Quando foi
escrito
Porque foi
escrito
Quem foi o autor
Para quem
escreveu
Depois de
definir os
aspectos
históricos,
chegamos à
exegese. De
uma correta
exegese
depende a
minha
teologia.
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Cânon
Teologia:
Bíblica - Limita o estudo a um livro ou um
grupo de livros. Ela focaliza o livro em sí.
Focaliza o livro.
Sistemática - Pega um tema bíblico e nos
vamos para toda a Bíblia para ver o que se
fala sobre esse tema. Focaliza o tema.
16
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Cânon
Exemplo:
-O problema do sofrimento humano no livro
de Jó (Teologia Bíblica).
-O problema do sofrimento humano em toda
a Bíblia (Teologia Sistemática).
- Não fica limitada a situação de Jó apenas,
mas vemos tudo o que Deus mostrou sobre o
sofrimento humano.
17
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Cânon
-Conhecido:
-Deus só pode ser compreendido na medida
em que Ele se revela.
Nas Escrituras, nós temos uma revelação
necessária e não revelação absoluta, pois
Deus não nos revelou tudo, apenas o
necessário para a nossa salvação.
18
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Compreensão Bíblica
1o – Histórico
Estamos largamente separados da época dos
escritores bíblicos.
A Bíblia cobre um período de cerca de 1.500
anos.
Com o tempo, muita coisa se perde.
Quando compreendemos os fatos históricos, nos
podemos compreender melhor os fatos bíblicos.
19
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Compreensão Bíblica
2o – Cultural
Um dos mais difíceis a serem transpostos.
A cultura distinta dos povos bíblicos.
Nos apenas vemos aquilo que estamos
condicionados a ver.
O ideal é nos colocarmos em uma posição
neutra.
20
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Compreensão Bíblica
a) - Costumes
Gen. 15:2 - Foram achados documentos na
cidade enterrada de Nuzu (c. 2000 -
c.1500 a.C.), que mostraram que o costume
daquela época era adotar um filho quando
não se tinham filhos legítimos para herdar a
herança. Se, porém, o primogênito nascesse,
o adotado passaria para segundo plano.
21
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Compreensão Bíblica
Gên. 31:34 - Ídolos do lar (no hebr. -
Terafins), eram pequenos objetos que
serviam como documentos que
comprovavam a posse das terras e
propriedades. Raquel roubou a herança de
seu pai.
22
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Compreensão Bíblica
b) – Pensamento
A maneira oriental de pensar é totalmente
diferente da ocidental.
Silogismo - A análise de argumento formal
baseando-se na proposição de uma premícia
maior e de outra menor, as quais se
verdadeiras levam à conclusão de que
determinado fato é verdadeiro.
23
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Compreensão Bíblica
Silogismo é a estrutura do pensamento grego.
* Premícia maior: Toda virtude é louvável
* Premícia menor: Ora, a bondade é virtude.
* Conclusão: Logo, a bondade é louvável.
No Velho Testamento não existe “silogismo”.
No Velho Testamento a lógica baseia-se na
experiência humana e não no raciocínio
dedutivo.
24
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Compreensão Bíblica
3o - Lingüístico - (Hebraico, aramaico e grego)
Nas melhores traduções há problemas.
Idiomalismo: expressão específica de uma
língua, de um povo.
Falta de equivalência entre as palavras
traduzidas.
I Pedro 1:20 – Qual é verdadeiro significado da
palavra: (grego = epílucis) = iniciativa, impulso.
25
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Compreensão Bíblica
Nenhuma profecia da Escritura foi feita pelos
profetas ou de sua conta, mas iluminados
por Deus.
Produção da profecia e não interpretação.
26
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Conceito Bíblico de Inspiração
Defendemos o ponto de vista ortodoxa sobre a inspiração.
Inspiração Bíblica:
A Bíblia conquanto tenha mantido os estilos pessoais de expressão
e liberdade dos escritores humanos, é a palavra de Deus em suas
fontes originais, toda e totalmente inspirada por Deus mediante o
Espírito Santo, sem nenhuma diferença qualificativa na inspiração
de qualquer de seus livros, cuja autoridade é assim normativa para
a fé e a vida, para a doutrina e proclamação, para pensamento e
investigação.
27
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Conceito Bíblico de Inspiração
I Cor. 7:10 - “Digo eu, não o Senhor”.
Paulo faz uma distinção entre o que Cristo diz e o que
ele (Paulo), diz.
Ensino indireto por meio do Espírito Santo (Paulo era
apóstolo).
Não se trata de inspiração e sim, de uma posição:
Algo que havia sido dito por Jesus e algo que apenas
Paulo havia falado e não Jesus. Porém, é inspirado do
mesmo modo, pois provém de Deus.
28
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Conceito Bíblico de Inspiração
(1) A Unicidade da Bíblia
Somente a Bíblia apresenta uma dupla natureza:
1o - Sua origem divina.
2o - Sua dimensão humana.
Por causa de sua origem divina, a Bíblia é a
palavra de Deus (Aqui temos duas grandes posições em
relação ao significado de inspiração bíblica, uma
posição defende que a Bíblia contem a palavra de Deus,
enquanto que outra posição defende que a Bíblia é a
palavra de Deus).
29
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Conceito Bíblico de Inspiração
1 - Origem Divina
II Pedro. 1:20
Iniciativa, ímpeto, impulso;
II Pedro. 1:21
Vontade, desejo, intenção;
Os profetas bíblicos não tiveram desejo nem iniciativa
para escrever as Escrituras Sagradas.
30
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Conceito Bíblico de Inspiração
2 - Sua dimensão humana
a) Linguagem humana (Hebraico, Aramaico e
Grego, eram línguas usadas na época, não só pelo
povo de Deus, mas também por povos vizinhos).
b) Características peculiares (os profetas
tinham sua própria personalidade e peculiaridades
na forma de escrita, e isso foi vertido para seus
escritos).
31
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Valor dos Evangelhos
Os Evangelhos são livros históricos?
Jesus Cristo viveu realmente?
Disse tudo aquilo que foi escrito?
32
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Valor dos Evangelhos
Em primeiro lugar, dizemos que os Evangelhos, muito
mais do que narrativas de fatos históricos, eles são
baseados em fatos históricos, fundamentados no
fato histórico da vida e obra de Jesus Cristo. Não se
pode provar fato por fato, ou seja, com todas as
minúcias.
33
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Valor dos Evangelhos
Mas não se pode negar o valor histórico geral dos
fatos, por exemplo, que Cristo fez milagres. O modo
como os autores escrevem, os costumes, a cultura, as
palavras, a mentalidade, corresponde às das pessoas
que viviam naquela época.
34
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Valor dos Evangelhos
Finalmente, podemos dizer: os Evangelhos não são
livros históricos no sentido que se entende esta
palavra atualmente, mas seguramente são baseados
em acontecimentos históricos.
Alguns autores, além dos evangelistas, falaram de
Jesus. Flávius Josephus, fariseu, historiador
contemporâneo de Jesus, conta detalhes daquele
tempo.
35
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Valor dos Evangelhos
Embora com aspecto tendencioso para a ótica dos
fariseus, mas isto era mesmo de se esperar, isto é,
que ele não falasse mais de Jesus e de outros
movimentos messiânicos, é preciso se notar que em
vista da dominação dos romanos, ele foi cauteloso
para não assustá-los escrevendo sobre estes
movimentos considerados por eles 'subversivos'.
36
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Necessidade da Hermenêutica
Todo leitor é um intérprete. Mas ler não implica
necessariamente em entender. Quando não há
barreiras na compreensão de um texto, a
interpretação é automática e inconsciente. Mas isso
nem sempre ocorre.
37
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Necessidade da Hermenêutica
De conformidade com a doutrina reformada da
clareza ou perspicuidade das Escrituras, a Bíblia é
substancialmente, mas não completamente clara. As
verdades básicas necessárias à salvação, serviço e
vida cristã são evidentes em um ou outro texto, mas
nem todos os textos das Escrituras são igualmente
claros.
38
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Necessidade da Hermenêutica
Por ser um livro divino-humano, inspirado por Deus,
mas escrito por homens, admite-se que há
dificuldades de ordem espiritual e de ordem
humana para a compreensão das Escrituras. O
apóstolo Pedro reconheceu essa dificuldade com
relação aos escritos do apóstolo Paulo, dizendo que
neles ‘‘há certas coisas difíceis de entender... ’’ (2 Pe
3.16).
39
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Necessidade da Hermenêutica
A. Dificuldades de Ordem Espiritual
O aspecto espiritual envolvido na interpretação das
Escrituras é demonstrado claramente em passagens
bíblicas tais como 1 Coríntios 2.14 e 2 Coríntios 4.3-
6:
Ora, o homem natural não aceita as coisas do
Espírito de Deus, por que lhe são loucura; e não
pode entendê-las, porque elas se discernem
espiritualmente.
40
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Necessidade da Hermenêutica
B. Dificuldades Naturais
Deve-se observar, entretanto, que as Escrituras
também revelam, por ensino direto e por inúmeros
exemplos, que o coração do homem é mais
enganoso do que todas as coisas e
desesperadamente corrupto (Jr 17.9), não sendo,
portanto, totalmente confiável.
41
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Principais Correntes de Interpretação
As classificações normalmente pecam pelo
simplismo. É de fato difícil resumir e agrupar
adequadamente as diversas ênfases, tendências,
princípios e práticas de uma determinada área de
estudos, sem negligenciar peculiaridades
importantes. Com a hermenêutica não é diferente.
42
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Principais Correntes de Interpretação
Contudo, observando as diferentes ênfases,
tendências, princípios e práticas de interpretação
das Escrituras adotados no curso da história da
Igreja, pode-se perceber pelo menos três correntes
gerais nas quais as diversas escolas podem ser de
certo modo agrupadas:
43
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Principais Correntes de Interpretação
A. Corrente Espiritualista
Muitos grupos na história da interpretação bíblica se
caracterizaram por superenfatizar o caráter
espiritual (místico) das Escrituras, em detrimento do
seu caráter humano.
44
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Principais Correntes de Interpretação
1. A Hermenêutica Alegórica
Trata-se de um dos métodos de interpretação mais
antigos. Fortemente influenciados pelo platonismo e
pelo alegorismo judaico, os defensores desse
método de interpretação atribuíam diversos
sentidos ao texto das Escrituras, enfatizando o
sentido chamado de alegórico.
45
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Principais Correntes de Interpretação
2. A Hermenêutica Intuitiva
Os hermeneutas intuitivos caracterizam-se por
identificar a mensagem do texto com os
pensamentos que lhes vêm à mente ao lê-lo, sem
contudo dar a devida atenção à gramática, ao
contexto e às circunstâncias históricas, geográficas,
culturais, religiosas, etc.
46
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Principais Correntes de Interpretação
3. A Hermenêutica Existencialista
Há uma escola contemporânea de interpretação das
Escrituras que enfatiza excessivamente o
conhecimento subjetivo em detrimento do seu
sentido gramatical e histórico.
47
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Principais Correntes de Interpretação
B. Corrente Humanista
No extremo oposto da corrente espiritualista
encontra-se a corrente que se pode chamar de
humanista. Esta corrente caracteriza-se por dar
ênfase excessiva ao caráter humano das Escrituras e
por uma aversão ao seu caráter sobrenatural. A
ênfase dessa corrente está no método, na técnica,
nos aspectos literários ou históricos das Escrituras.
48
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Conclusão
A teologia e a praxis eclesiástica deformadas do
evangelicalismo moderno clamam por reforma;
clamam por um novo retorno às Escrituras.
49
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Conclusão
A corrente espiritualista de interpretação bíblica já
foi colocada na balança e achada em falta: as
hermenêuticas alegórica, intuitiva e existencialista,
por não darem a devida consideração ao caráter
humano das Escrituras, abrem espaço para todo tipo
de exesegese.
50
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Conclusão
O caráter fantasioso destas hermenêuticas acaba
desviando a atenção do leitor ou ouvinte do
verdadeiro sentido do texto bíblico (aquele que o
Espírito Santo intentou transmitir).
51
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Conclusão
Orare e labutare é o caminho. Não é um caminho
fácil nem mágico. Requer sinceridade e diligência.
Talvez não forneça interpretações esplêndidas nem
realce a criatividade, imaginação e genialidade do
pregador.
52
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Conclusão
Mas é o antigo e bom caminho aprovado com louvor
pela história. Ele deixa que a verdade de Deus opere
e que as Escrituras falem com poder e graça,
promovendo profundas reformas teológicas e
eclesiásticas.
53
FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL
DISCIPLINA: HERMENÊUTICA
Mensagem
“E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”.
João 8:32 - Bíblica
53
07

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Homilética I Itaporanga
Homilética I ItaporangaHomilética I Itaporanga
Homilética I Itaporanga
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Apostila de bibliologia
Apostila de bibliologiaApostila de bibliologia
Apostila de bibliologia
Antonio Rodrigues
 
Bibliologia
BibliologiaBibliologia
Bibliologia
Eriovaldo Santin
 
Aula 2 cânon bíblico
Aula 2   cânon bíblicoAula 2   cânon bíblico
Aula 2 cânon bíblico
npmscampos
 
Homilética
HomiléticaHomilética
Homilética
Moisés Sampaio
 
Os livros Apócrifos
Os livros ApócrifosOs livros Apócrifos
Os livros Apócrifos
Viva a Igreja
 
Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01
Erivelton Rodrigues Nunes
 
Bibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblicoBibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblico
RODRIGO FERREIRA
 
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Disciplina de Arqueologia Bíblica
Disciplina de Arqueologia BíblicaDisciplina de Arqueologia Bíblica
Disciplina de Arqueologia Bíblica
faculdadeteologica
 
Disciplina Administração Eclesiástica
Disciplina Administração EclesiásticaDisciplina Administração Eclesiástica
Disciplina Administração Eclesiástica
faculdadeteologica
 
Curso de hermeneutica 1 atualizado
Curso de hermeneutica 1 atualizadoCurso de hermeneutica 1 atualizado
Curso de hermeneutica 1 atualizado
JOSIAS MOURA DE MENEZES
 
HERMENÊUTICA
HERMENÊUTICAHERMENÊUTICA
HERMENÊUTICA
Filipe Rhuan
 
Disciplina de Hermenêutica
Disciplina de HermenêuticaDisciplina de Hermenêutica
Disciplina de Hermenêutica
faculdadeteologica
 
Aula 9 regras gerais da interpretação
Aula 9   regras gerais da interpretaçãoAula 9   regras gerais da interpretação
Aula 9 regras gerais da interpretação
Iago Rodrigues
 
Panorama do AT - Levítico
Panorama do AT - LevíticoPanorama do AT - Levítico
Panorama do AT - Levítico
Respirando Deus
 
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de FéLição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Éder Tomé
 
Pentateuco - Genesis - EPOS - Aula 1
Pentateuco - Genesis - EPOS - Aula 1Pentateuco - Genesis - EPOS - Aula 1
Pentateuco - Genesis - EPOS - Aula 1
Anderson Paola
 
A origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua HistóriaA origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua História
Robson Rocha
 
Disciplina de Teologia Pastoral
Disciplina de Teologia PastoralDisciplina de Teologia Pastoral
Disciplina de Teologia Pastoral
faculdadeteologica
 

Mais procurados (20)

Homilética I Itaporanga
Homilética I ItaporangaHomilética I Itaporanga
Homilética I Itaporanga
 
Apostila de bibliologia
Apostila de bibliologiaApostila de bibliologia
Apostila de bibliologia
 
Bibliologia
BibliologiaBibliologia
Bibliologia
 
Aula 2 cânon bíblico
Aula 2   cânon bíblicoAula 2   cânon bíblico
Aula 2 cânon bíblico
 
Homilética
HomiléticaHomilética
Homilética
 
Os livros Apócrifos
Os livros ApócrifosOs livros Apócrifos
Os livros Apócrifos
 
Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01
 
Bibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblicoBibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblico
 
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
 
Disciplina de Arqueologia Bíblica
Disciplina de Arqueologia BíblicaDisciplina de Arqueologia Bíblica
Disciplina de Arqueologia Bíblica
 
Disciplina Administração Eclesiástica
Disciplina Administração EclesiásticaDisciplina Administração Eclesiástica
Disciplina Administração Eclesiástica
 
Curso de hermeneutica 1 atualizado
Curso de hermeneutica 1 atualizadoCurso de hermeneutica 1 atualizado
Curso de hermeneutica 1 atualizado
 
HERMENÊUTICA
HERMENÊUTICAHERMENÊUTICA
HERMENÊUTICA
 
Disciplina de Hermenêutica
Disciplina de HermenêuticaDisciplina de Hermenêutica
Disciplina de Hermenêutica
 
Aula 9 regras gerais da interpretação
Aula 9   regras gerais da interpretaçãoAula 9   regras gerais da interpretação
Aula 9 regras gerais da interpretação
 
Panorama do AT - Levítico
Panorama do AT - LevíticoPanorama do AT - Levítico
Panorama do AT - Levítico
 
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de FéLição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
 
Pentateuco - Genesis - EPOS - Aula 1
Pentateuco - Genesis - EPOS - Aula 1Pentateuco - Genesis - EPOS - Aula 1
Pentateuco - Genesis - EPOS - Aula 1
 
A origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua HistóriaA origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua História
 
Disciplina de Teologia Pastoral
Disciplina de Teologia PastoralDisciplina de Teologia Pastoral
Disciplina de Teologia Pastoral
 

Destaque

02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas
faculdadeteologica
 
Disciplina de Liderança
Disciplina de LiderançaDisciplina de Liderança
Disciplina de Liderança
faculdadeteologica
 
Disciplina de Bibliologia
Disciplina de BibliologiaDisciplina de Bibliologia
Disciplina de Bibliologia
faculdadeteologica
 
Disciplina História do Cristianismo
Disciplina História do CristianismoDisciplina História do Cristianismo
Disciplina História do Cristianismo
faculdadeteologica
 
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo TestamentoDisciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
faculdadeteologica
 
Disciplina de Missiologia
Disciplina de MissiologiaDisciplina de Missiologia
Disciplina de Missiologia
faculdadeteologica
 
26
2626
17
1717
16 como ministrar cerimônias religiosas
16 como ministrar cerimônias religiosas16 como ministrar cerimônias religiosas
16 como ministrar cerimônias religiosas
CursosTeologicos
 
06 psicologia pastoral
06 psicologia pastoral06 psicologia pastoral
06 psicologia pastoral
CursosTeologicos
 
03 exege bíblica
03 exege bíblica03 exege bíblica
03 exege bíblica
CursosTeologicos
 
Disciplina de Homilética I
Disciplina de Homilética IDisciplina de Homilética I
Disciplina de Homilética I
faculdadeteologica
 
Disciplina de Oratória - Como Falar em Público
Disciplina de Oratória - Como Falar em PúblicoDisciplina de Oratória - Como Falar em Público
Disciplina de Oratória - Como Falar em Público
faculdadeteologica
 
Disciplina O Culto Bíblico
Disciplina O Culto BíblicoDisciplina O Culto Bíblico
Disciplina O Culto Bíblico
faculdadeteologica
 
Disciplina de Escatologia
Disciplina de EscatologiaDisciplina de Escatologia
Disciplina de Escatologia
faculdadeteologica
 
22
2222
20
2020
23
2323
24
2424
30
3030

Destaque (20)

02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas
 
Disciplina de Liderança
Disciplina de LiderançaDisciplina de Liderança
Disciplina de Liderança
 
Disciplina de Bibliologia
Disciplina de BibliologiaDisciplina de Bibliologia
Disciplina de Bibliologia
 
Disciplina História do Cristianismo
Disciplina História do CristianismoDisciplina História do Cristianismo
Disciplina História do Cristianismo
 
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo TestamentoDisciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
 
Disciplina de Missiologia
Disciplina de MissiologiaDisciplina de Missiologia
Disciplina de Missiologia
 
26
2626
26
 
17
1717
17
 
16 como ministrar cerimônias religiosas
16 como ministrar cerimônias religiosas16 como ministrar cerimônias religiosas
16 como ministrar cerimônias religiosas
 
06 psicologia pastoral
06 psicologia pastoral06 psicologia pastoral
06 psicologia pastoral
 
03 exege bíblica
03 exege bíblica03 exege bíblica
03 exege bíblica
 
Disciplina de Homilética I
Disciplina de Homilética IDisciplina de Homilética I
Disciplina de Homilética I
 
Disciplina de Oratória - Como Falar em Público
Disciplina de Oratória - Como Falar em PúblicoDisciplina de Oratória - Como Falar em Público
Disciplina de Oratória - Como Falar em Público
 
Disciplina O Culto Bíblico
Disciplina O Culto BíblicoDisciplina O Culto Bíblico
Disciplina O Culto Bíblico
 
Disciplina de Escatologia
Disciplina de EscatologiaDisciplina de Escatologia
Disciplina de Escatologia
 
22
2222
22
 
20
2020
20
 
23
2323
23
 
24
2424
24
 
30
3030
30
 

Semelhante a 07

Hermenêutica
Hermenêutica Hermenêutica
Hermenêutica
MINISTERIO IPCA.
 
03exegebblica-140513132332-phpapp02.pdf
03exegebblica-140513132332-phpapp02.pdf03exegebblica-140513132332-phpapp02.pdf
03exegebblica-140513132332-phpapp02.pdf
ssuser901b57
 
03exegebblica 140513132332-phpapp02
03exegebblica 140513132332-phpapp0203exegebblica 140513132332-phpapp02
03exegebblica 140513132332-phpapp02
Convenção Cimadeba
 
Lições Bíblicas CPAD 4º trimestre 2013 - Lição 1
Lições Bíblicas CPAD   4º trimestre 2013 - Lição 1Lições Bíblicas CPAD   4º trimestre 2013 - Lição 1
Lições Bíblicas CPAD 4º trimestre 2013 - Lição 1
Anderson Silva
 
HOMILÉTICA
HOMILÉTICA HOMILÉTICA
HOMILÉTICA
SamuelDourado13
 
Hermeneutica biblica
Hermeneutica biblicaHermeneutica biblica
Hermeneutica biblica
ArturAMF
 
Lição 01 (o valor dos bons conselhos)
Lição 01 (o valor dos bons conselhos)Lição 01 (o valor dos bons conselhos)
Lição 01 (o valor dos bons conselhos)
Antonio Filho
 
Métodos de Estudo Bíblico
Métodos de Estudo BíblicoMétodos de Estudo Bíblico
Métodos de Estudo Bíblico
Leialdo Pulz
 
Workshop basico hermeneutica bíblica
Workshop basico hermeneutica bíblicaWorkshop basico hermeneutica bíblica
Workshop basico hermeneutica bíblica
Fernando Lino
 
Exegese
ExegeseExegese
Como pregar doutrinas
Como pregar doutrinasComo pregar doutrinas
Como pregar doutrinas
Janilson Noca
 
ESCATOLOGIA AULA 2.ppt
ESCATOLOGIA  AULA 2.pptESCATOLOGIA  AULA 2.ppt
ESCATOLOGIA AULA 2.ppt
Reniery Almeida Chagas
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
Pastoral da Juventude
 
_Apostila_Modulo_424_Apostila_INTRODUÇÃO A TEOLOGIA.pdf
_Apostila_Modulo_424_Apostila_INTRODUÇÃO A TEOLOGIA.pdf_Apostila_Modulo_424_Apostila_INTRODUÇÃO A TEOLOGIA.pdf
_Apostila_Modulo_424_Apostila_INTRODUÇÃO A TEOLOGIA.pdf
ARTVALE
 
11
1111
Livro da Sabedoria Antigo Testamento
Livro da Sabedoria Antigo TestamentoLivro da Sabedoria Antigo Testamento
Livro da Sabedoria Antigo Testamento
Leandro Nazareth Souto
 
Hermenêutica Parte 2
Hermenêutica Parte 2Hermenêutica Parte 2
Hermenêutica Parte 2
Jovens Do Caminho
 
Como o pesquisador entende o sagrado; hierofania na escola. é possível falar ...
Como o pesquisador entende o sagrado; hierofania na escola. é possível falar ...Como o pesquisador entende o sagrado; hierofania na escola. é possível falar ...
Como o pesquisador entende o sagrado; hierofania na escola. é possível falar ...
sosreligiao
 
Métodos de Estudo Bíblico
Métodos de Estudo BíblicoMétodos de Estudo Bíblico
Métodos de Estudo Bíblico
Viva a Igreja
 
Lição 1 - O Valor dos Bons Conselhos
Lição 1 - O Valor dos Bons ConselhosLição 1 - O Valor dos Bons Conselhos
Lição 1 - O Valor dos Bons Conselhos
Natalino das Neves Neves
 

Semelhante a 07 (20)

Hermenêutica
Hermenêutica Hermenêutica
Hermenêutica
 
03exegebblica-140513132332-phpapp02.pdf
03exegebblica-140513132332-phpapp02.pdf03exegebblica-140513132332-phpapp02.pdf
03exegebblica-140513132332-phpapp02.pdf
 
03exegebblica 140513132332-phpapp02
03exegebblica 140513132332-phpapp0203exegebblica 140513132332-phpapp02
03exegebblica 140513132332-phpapp02
 
Lições Bíblicas CPAD 4º trimestre 2013 - Lição 1
Lições Bíblicas CPAD   4º trimestre 2013 - Lição 1Lições Bíblicas CPAD   4º trimestre 2013 - Lição 1
Lições Bíblicas CPAD 4º trimestre 2013 - Lição 1
 
HOMILÉTICA
HOMILÉTICA HOMILÉTICA
HOMILÉTICA
 
Hermeneutica biblica
Hermeneutica biblicaHermeneutica biblica
Hermeneutica biblica
 
Lição 01 (o valor dos bons conselhos)
Lição 01 (o valor dos bons conselhos)Lição 01 (o valor dos bons conselhos)
Lição 01 (o valor dos bons conselhos)
 
Métodos de Estudo Bíblico
Métodos de Estudo BíblicoMétodos de Estudo Bíblico
Métodos de Estudo Bíblico
 
Workshop basico hermeneutica bíblica
Workshop basico hermeneutica bíblicaWorkshop basico hermeneutica bíblica
Workshop basico hermeneutica bíblica
 
Exegese
ExegeseExegese
Exegese
 
Como pregar doutrinas
Como pregar doutrinasComo pregar doutrinas
Como pregar doutrinas
 
ESCATOLOGIA AULA 2.ppt
ESCATOLOGIA  AULA 2.pptESCATOLOGIA  AULA 2.ppt
ESCATOLOGIA AULA 2.ppt
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
 
_Apostila_Modulo_424_Apostila_INTRODUÇÃO A TEOLOGIA.pdf
_Apostila_Modulo_424_Apostila_INTRODUÇÃO A TEOLOGIA.pdf_Apostila_Modulo_424_Apostila_INTRODUÇÃO A TEOLOGIA.pdf
_Apostila_Modulo_424_Apostila_INTRODUÇÃO A TEOLOGIA.pdf
 
11
1111
11
 
Livro da Sabedoria Antigo Testamento
Livro da Sabedoria Antigo TestamentoLivro da Sabedoria Antigo Testamento
Livro da Sabedoria Antigo Testamento
 
Hermenêutica Parte 2
Hermenêutica Parte 2Hermenêutica Parte 2
Hermenêutica Parte 2
 
Como o pesquisador entende o sagrado; hierofania na escola. é possível falar ...
Como o pesquisador entende o sagrado; hierofania na escola. é possível falar ...Como o pesquisador entende o sagrado; hierofania na escola. é possível falar ...
Como o pesquisador entende o sagrado; hierofania na escola. é possível falar ...
 
Métodos de Estudo Bíblico
Métodos de Estudo BíblicoMétodos de Estudo Bíblico
Métodos de Estudo Bíblico
 
Lição 1 - O Valor dos Bons Conselhos
Lição 1 - O Valor dos Bons ConselhosLição 1 - O Valor dos Bons Conselhos
Lição 1 - O Valor dos Bons Conselhos
 

Mais de CursosTeologicos

36
3636
35
3535
34
3434
34
3434
33
3333
32
32 32
31
3131
31
31 31
29
2929
27
2727
28
28 28
25
2525
21
2121
19
1919
18
18 18
15
1515
14
1414
13
13 13
12
1212
10
1010

Mais de CursosTeologicos (20)

36
3636
36
 
35
3535
35
 
34
3434
34
 
34
3434
34
 
33
3333
33
 
32
32 32
32
 
31
3131
31
 
31
31 31
31
 
29
2929
29
 
27
2727
27
 
28
28 28
28
 
25
2525
25
 
21
2121
21
 
19
1919
19
 
18
18 18
18
 
15
1515
15
 
14
1414
14
 
13
13 13
13
 
12
1212
12
 
10
1010
10
 

Último

Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 

Último (20)

Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 

07

  • 1.
  • 2. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA ORIENTAÇÕES O Slide aqui apresentado, tem como objetivo apresentar um RESUMO do Livro estudo na Disciplina. Dessa forma: 1. Realize a leitura com total cuidado e oração. 2. Utilize a Bíblia, Dicionários e outras fontes teológicas para acompanhamento das passagens mencionadas. 3. As imagens são meramente ilustrativas.
  • 3. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA ORIENTAÇÕES Procuramos ao máximo fazer um resumo de cada questão, pois caso contrário a disciplina se tornaria muito extensa, razão pela qual sugerimos que se há algum tópico que seja de interesse expressivo do aluno, ele pesquise por conta própria, para enriquecimento de sua própria cultura teológica.
  • 4. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Livros Históricos O que é história? História é: Narração dos fatos notáveis ocorridos na vida dos povos, em particular, e da humanidade em geral. Conjunto de conhecimentos adquiridos através da tradição e/ou mediante documentos, acerca da evolução da humanidade. 1
  • 5. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Hermenêutica Histórica Definição de Hermenêutica: É a arte e a interpretação da linguagem. Objetivos da Hermenêutica: Relação entre: Autor - Leitor: 2
  • 6. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Hermenêutica Histórica O objetivo é tornar o autor contemporâneo do leitor, aproximando-os à compreensão da mesma época. O leitor deve compreender o escritor na época em que o texto foi escrito e não na época em que o texto está sendo lido. 3
  • 7. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Hermenêutica Histórica Um segundo objetivo da hermenêutica e esclarecer tudo que haja de obscuro. Tornar o assunto compreensível para uma posterior exposição - II Pedro 3:15 e 16. 4
  • 8. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Hermenêutica Histórica “Concordamos, também, que o pregador ou professor está por demais inclinados a escavar primeiro, e a olhar depois, e assim encobrir o significado claro do texto, que freqüentemente está na superfície. Seja dito logo de início, e repetido a cada passo, que o alvo da boa interpretação não é a originalidade, não se procura descobrir aquilo que ninguém jamais viu” – Fee/Stuart, Entendes o que lês? Página 13. 5
  • 9. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Hermenêutica Histórica A palavra hermenêutica deriva do termo grego Hermeneutikos, por sua vez deriva de um verbo “hermeneou” cujo significado é: arte de interpretar os livros sagrados e os textos antigos. 6
  • 10. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Hermenêutica Histórica De modo geral e mais abrangente, se fala da teoria da interpretação de sinais e símbolos de uma cultura e a arte de interpretar leis. Ciência - Porque contém regras definidas, organizadas. Arte - Porque na hora de aplicar as regras há necessidade de bom senso, sensibilidade. 7
  • 11. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Hermenêutica Histórica Há espaço para a criatividade no estudo da Bíblia, porém, esta só deve ocorrer quando ela é dirigida pelo Espírito Santo. 8
  • 12. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Hermenêutica Histórica O máximo cuidado é sugerido quando levamos a imaginação a criar “verdades” sem base bíblica e a expor estas mesmas como “doutrina” quando na verdade não passa de uma questão da imaginação e fruto muitas vezes de uma dedução. “Há uma diferença enorme entre interpretação e aplicação”. 9
  • 13. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Hermenêutica Histórica Interpretação - Só é o significado pretendido pelo autor, ou seja, por Deus. A interpretação bíblica deverá extrair do texto apenas o que o Deus pretendia dizer através do autor humano, e não o que nós pretendemos que o texto diga. Aplicação - Podem ser várias, dependendo da situação em que as pessoas se encontram. 10
  • 14. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Hermenêutica Histórica Hermenêutica Bíblica - Geral e Especial Geral - É aquela que trata as Escrituras como um todo. Princípios gerais, básicos. Elabora os princípios. Os princípios de estudos de hermenêutica são a base para uma teologia sadia e bíblica. Especial - É aquela que trata de questões particulares das Escrituras. Esta classe de hermenêutica não pode elaborar princípios. 11
  • 15. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Cânon Não nos compete mais a pesquisa para determinar os livros canônicos (inspirados), o estudo da formação do Cânon é um estudo de outra disciplina. Existem muitos livros inspirados que não foram incluídos no cânon bíblico pelo fato de se tratarem de problemas específicos para aquela região, igreja ou pessoa. 12
  • 16. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Cânon Exemplos: I Cor. 5:9 (uma Carta anterior a esta que é considerada a primeira) --- Col. 4:16 (havia uma carta para os Laodicenses). Obs: O profeta é inspirado no exercício de sua função. 13
  • 17. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Cânon Crítica Textual: Ciência que estuda as possíveis mudanças que ocorrem com o texto bíblico. -Como foi escrito? Crítica Histórica: É aquela que estuda os fatos históricos envolvidos com o texto. - Quem escreveu? Para quem escreveu? - Em que circunstâncias? Relação da Hermenêutica com outros campos do estudo bíblico. 14
  • 18. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Cânon 15 CÂNON CRÍTICA TEXTUAL CRÍTICA HISTÓRICA EXEGESE - BÍBLICA E - SISTEMÁTICA Vê se o texto é o melhor em grego, o mais próximo ao original Quando foi escrito Porque foi escrito Quem foi o autor Para quem escreveu Depois de definir os aspectos históricos, chegamos à exegese. De uma correta exegese depende a minha teologia.
  • 19. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Cânon Teologia: Bíblica - Limita o estudo a um livro ou um grupo de livros. Ela focaliza o livro em sí. Focaliza o livro. Sistemática - Pega um tema bíblico e nos vamos para toda a Bíblia para ver o que se fala sobre esse tema. Focaliza o tema. 16
  • 20. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Cânon Exemplo: -O problema do sofrimento humano no livro de Jó (Teologia Bíblica). -O problema do sofrimento humano em toda a Bíblia (Teologia Sistemática). - Não fica limitada a situação de Jó apenas, mas vemos tudo o que Deus mostrou sobre o sofrimento humano. 17
  • 21. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Cânon -Conhecido: -Deus só pode ser compreendido na medida em que Ele se revela. Nas Escrituras, nós temos uma revelação necessária e não revelação absoluta, pois Deus não nos revelou tudo, apenas o necessário para a nossa salvação. 18
  • 22. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Compreensão Bíblica 1o – Histórico Estamos largamente separados da época dos escritores bíblicos. A Bíblia cobre um período de cerca de 1.500 anos. Com o tempo, muita coisa se perde. Quando compreendemos os fatos históricos, nos podemos compreender melhor os fatos bíblicos. 19
  • 23. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Compreensão Bíblica 2o – Cultural Um dos mais difíceis a serem transpostos. A cultura distinta dos povos bíblicos. Nos apenas vemos aquilo que estamos condicionados a ver. O ideal é nos colocarmos em uma posição neutra. 20
  • 24. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Compreensão Bíblica a) - Costumes Gen. 15:2 - Foram achados documentos na cidade enterrada de Nuzu (c. 2000 - c.1500 a.C.), que mostraram que o costume daquela época era adotar um filho quando não se tinham filhos legítimos para herdar a herança. Se, porém, o primogênito nascesse, o adotado passaria para segundo plano. 21
  • 25. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Compreensão Bíblica Gên. 31:34 - Ídolos do lar (no hebr. - Terafins), eram pequenos objetos que serviam como documentos que comprovavam a posse das terras e propriedades. Raquel roubou a herança de seu pai. 22
  • 26. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Compreensão Bíblica b) – Pensamento A maneira oriental de pensar é totalmente diferente da ocidental. Silogismo - A análise de argumento formal baseando-se na proposição de uma premícia maior e de outra menor, as quais se verdadeiras levam à conclusão de que determinado fato é verdadeiro. 23
  • 27. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Compreensão Bíblica Silogismo é a estrutura do pensamento grego. * Premícia maior: Toda virtude é louvável * Premícia menor: Ora, a bondade é virtude. * Conclusão: Logo, a bondade é louvável. No Velho Testamento não existe “silogismo”. No Velho Testamento a lógica baseia-se na experiência humana e não no raciocínio dedutivo. 24
  • 28. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Compreensão Bíblica 3o - Lingüístico - (Hebraico, aramaico e grego) Nas melhores traduções há problemas. Idiomalismo: expressão específica de uma língua, de um povo. Falta de equivalência entre as palavras traduzidas. I Pedro 1:20 – Qual é verdadeiro significado da palavra: (grego = epílucis) = iniciativa, impulso. 25
  • 29. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Compreensão Bíblica Nenhuma profecia da Escritura foi feita pelos profetas ou de sua conta, mas iluminados por Deus. Produção da profecia e não interpretação. 26
  • 30. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Conceito Bíblico de Inspiração Defendemos o ponto de vista ortodoxa sobre a inspiração. Inspiração Bíblica: A Bíblia conquanto tenha mantido os estilos pessoais de expressão e liberdade dos escritores humanos, é a palavra de Deus em suas fontes originais, toda e totalmente inspirada por Deus mediante o Espírito Santo, sem nenhuma diferença qualificativa na inspiração de qualquer de seus livros, cuja autoridade é assim normativa para a fé e a vida, para a doutrina e proclamação, para pensamento e investigação. 27
  • 31. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Conceito Bíblico de Inspiração I Cor. 7:10 - “Digo eu, não o Senhor”. Paulo faz uma distinção entre o que Cristo diz e o que ele (Paulo), diz. Ensino indireto por meio do Espírito Santo (Paulo era apóstolo). Não se trata de inspiração e sim, de uma posição: Algo que havia sido dito por Jesus e algo que apenas Paulo havia falado e não Jesus. Porém, é inspirado do mesmo modo, pois provém de Deus. 28
  • 32. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Conceito Bíblico de Inspiração (1) A Unicidade da Bíblia Somente a Bíblia apresenta uma dupla natureza: 1o - Sua origem divina. 2o - Sua dimensão humana. Por causa de sua origem divina, a Bíblia é a palavra de Deus (Aqui temos duas grandes posições em relação ao significado de inspiração bíblica, uma posição defende que a Bíblia contem a palavra de Deus, enquanto que outra posição defende que a Bíblia é a palavra de Deus). 29
  • 33. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Conceito Bíblico de Inspiração 1 - Origem Divina II Pedro. 1:20 Iniciativa, ímpeto, impulso; II Pedro. 1:21 Vontade, desejo, intenção; Os profetas bíblicos não tiveram desejo nem iniciativa para escrever as Escrituras Sagradas. 30
  • 34. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Conceito Bíblico de Inspiração 2 - Sua dimensão humana a) Linguagem humana (Hebraico, Aramaico e Grego, eram línguas usadas na época, não só pelo povo de Deus, mas também por povos vizinhos). b) Características peculiares (os profetas tinham sua própria personalidade e peculiaridades na forma de escrita, e isso foi vertido para seus escritos). 31
  • 35. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Valor dos Evangelhos Os Evangelhos são livros históricos? Jesus Cristo viveu realmente? Disse tudo aquilo que foi escrito? 32
  • 36. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Valor dos Evangelhos Em primeiro lugar, dizemos que os Evangelhos, muito mais do que narrativas de fatos históricos, eles são baseados em fatos históricos, fundamentados no fato histórico da vida e obra de Jesus Cristo. Não se pode provar fato por fato, ou seja, com todas as minúcias. 33
  • 37. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Valor dos Evangelhos Mas não se pode negar o valor histórico geral dos fatos, por exemplo, que Cristo fez milagres. O modo como os autores escrevem, os costumes, a cultura, as palavras, a mentalidade, corresponde às das pessoas que viviam naquela época. 34
  • 38. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Valor dos Evangelhos Finalmente, podemos dizer: os Evangelhos não são livros históricos no sentido que se entende esta palavra atualmente, mas seguramente são baseados em acontecimentos históricos. Alguns autores, além dos evangelistas, falaram de Jesus. Flávius Josephus, fariseu, historiador contemporâneo de Jesus, conta detalhes daquele tempo. 35
  • 39. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Valor dos Evangelhos Embora com aspecto tendencioso para a ótica dos fariseus, mas isto era mesmo de se esperar, isto é, que ele não falasse mais de Jesus e de outros movimentos messiânicos, é preciso se notar que em vista da dominação dos romanos, ele foi cauteloso para não assustá-los escrevendo sobre estes movimentos considerados por eles 'subversivos'. 36
  • 40. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Necessidade da Hermenêutica Todo leitor é um intérprete. Mas ler não implica necessariamente em entender. Quando não há barreiras na compreensão de um texto, a interpretação é automática e inconsciente. Mas isso nem sempre ocorre. 37
  • 41. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Necessidade da Hermenêutica De conformidade com a doutrina reformada da clareza ou perspicuidade das Escrituras, a Bíblia é substancialmente, mas não completamente clara. As verdades básicas necessárias à salvação, serviço e vida cristã são evidentes em um ou outro texto, mas nem todos os textos das Escrituras são igualmente claros. 38
  • 42. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Necessidade da Hermenêutica Por ser um livro divino-humano, inspirado por Deus, mas escrito por homens, admite-se que há dificuldades de ordem espiritual e de ordem humana para a compreensão das Escrituras. O apóstolo Pedro reconheceu essa dificuldade com relação aos escritos do apóstolo Paulo, dizendo que neles ‘‘há certas coisas difíceis de entender... ’’ (2 Pe 3.16). 39
  • 43. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Necessidade da Hermenêutica A. Dificuldades de Ordem Espiritual O aspecto espiritual envolvido na interpretação das Escrituras é demonstrado claramente em passagens bíblicas tais como 1 Coríntios 2.14 e 2 Coríntios 4.3- 6: Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, por que lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. 40
  • 44. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Necessidade da Hermenêutica B. Dificuldades Naturais Deve-se observar, entretanto, que as Escrituras também revelam, por ensino direto e por inúmeros exemplos, que o coração do homem é mais enganoso do que todas as coisas e desesperadamente corrupto (Jr 17.9), não sendo, portanto, totalmente confiável. 41
  • 45. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Principais Correntes de Interpretação As classificações normalmente pecam pelo simplismo. É de fato difícil resumir e agrupar adequadamente as diversas ênfases, tendências, princípios e práticas de uma determinada área de estudos, sem negligenciar peculiaridades importantes. Com a hermenêutica não é diferente. 42
  • 46. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Principais Correntes de Interpretação Contudo, observando as diferentes ênfases, tendências, princípios e práticas de interpretação das Escrituras adotados no curso da história da Igreja, pode-se perceber pelo menos três correntes gerais nas quais as diversas escolas podem ser de certo modo agrupadas: 43
  • 47. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Principais Correntes de Interpretação A. Corrente Espiritualista Muitos grupos na história da interpretação bíblica se caracterizaram por superenfatizar o caráter espiritual (místico) das Escrituras, em detrimento do seu caráter humano. 44
  • 48. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Principais Correntes de Interpretação 1. A Hermenêutica Alegórica Trata-se de um dos métodos de interpretação mais antigos. Fortemente influenciados pelo platonismo e pelo alegorismo judaico, os defensores desse método de interpretação atribuíam diversos sentidos ao texto das Escrituras, enfatizando o sentido chamado de alegórico. 45
  • 49. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Principais Correntes de Interpretação 2. A Hermenêutica Intuitiva Os hermeneutas intuitivos caracterizam-se por identificar a mensagem do texto com os pensamentos que lhes vêm à mente ao lê-lo, sem contudo dar a devida atenção à gramática, ao contexto e às circunstâncias históricas, geográficas, culturais, religiosas, etc. 46
  • 50. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Principais Correntes de Interpretação 3. A Hermenêutica Existencialista Há uma escola contemporânea de interpretação das Escrituras que enfatiza excessivamente o conhecimento subjetivo em detrimento do seu sentido gramatical e histórico. 47
  • 51. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Principais Correntes de Interpretação B. Corrente Humanista No extremo oposto da corrente espiritualista encontra-se a corrente que se pode chamar de humanista. Esta corrente caracteriza-se por dar ênfase excessiva ao caráter humano das Escrituras e por uma aversão ao seu caráter sobrenatural. A ênfase dessa corrente está no método, na técnica, nos aspectos literários ou históricos das Escrituras. 48
  • 52. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Conclusão A teologia e a praxis eclesiástica deformadas do evangelicalismo moderno clamam por reforma; clamam por um novo retorno às Escrituras. 49
  • 53. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Conclusão A corrente espiritualista de interpretação bíblica já foi colocada na balança e achada em falta: as hermenêuticas alegórica, intuitiva e existencialista, por não darem a devida consideração ao caráter humano das Escrituras, abrem espaço para todo tipo de exesegese. 50
  • 54. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Conclusão O caráter fantasioso destas hermenêuticas acaba desviando a atenção do leitor ou ouvinte do verdadeiro sentido do texto bíblico (aquele que o Espírito Santo intentou transmitir). 51
  • 55. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Conclusão Orare e labutare é o caminho. Não é um caminho fácil nem mágico. Requer sinceridade e diligência. Talvez não forneça interpretações esplêndidas nem realce a criatividade, imaginação e genialidade do pregador. 52
  • 56. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Conclusão Mas é o antigo e bom caminho aprovado com louvor pela história. Ele deixa que a verdade de Deus opere e que as Escrituras falem com poder e graça, promovendo profundas reformas teológicas e eclesiásticas. 53
  • 57. FACULDADE E SEMINÁRIOS TEOLÓGICO NACIONAL DISCIPLINA: HERMENÊUTICA Mensagem “E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. João 8:32 - Bíblica 53