SlideShare uma empresa Scribd logo
Engenharia de Requisitos
Elicitação, detalhamento e documentação.
O que é um projeto de sucesso?
“Satisfaz seus clientes e patrocinadores com resultados
que atendem seus objetivos dentro das restrições de
tempo e custo, com produtos de qualidade, mantendo e
promovendo relações harmoniosas entre os envolvidos e
contribuindo pro aprendizado da organização.”
Daniel Garnier
“A parte mais difícil de construir um
sistema de software é decidir precisamente
o que construir. Nenhuma outra parte do
trabalho conceitual é tão difícil quanto
estabelecer os requisitos técnicos
detalhados… Nenhuma outra parte danifica
tanto o sistema resultante se for feita de
forma errada. Nenhuma outra parte é mais
difícil de retificar posteriormente.”
Frederick Brooks
Custo para se reparar um defeito
Requisitos
“Eu sei que você acredita que compreendeu o que eu
disse, mas não estou certo de que o que você ouviu era
realmente o que eu queria dizer!”
Identificando requisitos
 Requisito é a condição para se alcançar determinado fim
(Dicionário Houaiss)
 É a descrição dos serviços e das restrições de um
sistema (Somerville)
 Uma capacidade do software necessária ao usuário para
resolver um problema para atingir um objetivo (Dorfman)
Processo de requisitos do software
O processo de elicitação e análise de
requisitos
Técnicas para análise de requisitos
 Entrevista (reunião, call, estruturada ou não)
 Questionários (modelos padrão ou personalizados)
 Análise de formulários (automatização)
 Câmeras de vídeo (dia a dia do usuário)
 Cenários
 Cartões de estórias
 Árvores de decisão
 Prototipação
Classificação dos requisitos
 Funcionais
• Descrever a funcionalidade ou os serviços do sistema.
• Depende do tipo de software, possíveis usuários e o tipo de
sistema em que o software é usado.
• Requisitos funcionais dos usuários podem ser declarações de
alto nível a respeito do que o sistema deve fazer.
• Requisitos funcionais do sistema devem descrever
detalhadamente os serviços do sistema.
 Não Funcionais
Classificação dos requisitos
 Funcionais
 Não Funcionais
• Esses requisitos definem as propriedades e as restrições do
sistema por exemplo, confiabilidade, tempo de resposta e
ocupação de área.
• As restrições são capacidades de dispositivos de E/S, as
representações do sistema, etc.
• Os requisitos de processo também podem ser especificados
impondo um IDE particular, linguagem de programação ou
método de desenvolvimento.
• Os requisitos não-funcionais podem ser mais críticos do que os
requisitos funcionais. Se esses não forem atendidos, o sistema
pode ser inútil.
Classificação dos requisitos
 De usuário
 Declarações em linguagem
natural com diagramas dos
serviços que o sistema
deverá fornecer e suas
restrições operacionais.
Escrito para os clientes.
 De Sistema
 Um documento estruturado
estabelecendo descrições
detalhadas das funções do
sistema, serviços e restrições
operacionais. Define o que
deve ser implementado assim,
pode ser parte de um
contrato entre o cliente e o
empreiteiro.
Classificação dos requisitos
Classificação dos requisitos
 De usuário  De Sistema
Classificação dos requisitos
Características de bons requisitos
 Não ambíguo
 Verificável
 Determinístico
 Rastreável
 Correto
Não ambíguo
 Ambiguidade = incerteza por causa da obscuridade ou
indistinção
 Escrever para outra pessoa ler
 Problemas:
 Uso de pronomes
 “O sistema de RH deverá permitir somente cinco registros de
dependentes válidos e tipos de planos de saúde; ele deve incluir o
mais velho”
 Acrônimos e siglas
 Indeterminação
 “O sistema deverá fazer as correções no registro quando possível”
 Assumir conhecimento prévio
Características de bons requisitos
Verificável
 Pode ser testado completamente de modo razoável
(conforme a sua criticidade)
 Assegurar que
 Sistema funciona corretamente
 As exceções são tratadas de forma adequada
 Suporta vários conjuntos diferentes de dados
 Exemplo:
 “O sistema deve ser amigável”
Características de bons requisitos
Determinístico
 Precisa necessariamente ser determinável – todos os
caminhos devem ser previstos
 “O sistema deve enviar novos registros aos sistema
Financeiro a cada cinco minutos”
 E se não tiver novos registros neste período?
Características de bons requisitos
Rastreável
 De onde veio este requisito?
 No que ele vai se transformar (ou já se transformou) no
sistema?
 Caminho do requisitante à implementação em duas vias
 É muito importante quando
 Um requisito é alterado
 Um componente de software é alterado
 Se negocia prioridades (ou cortes)
Características de bons requisitos
Correto
 Consistência (um requisito não pode contradizer o outro)
 Deve ser assegurada a acuracidade e a correção no
texto do requisito
 Não enrolar
 Sentenças com começo, meio e fim
Características de bons requisitos
Atores no processo de requisitos
 Clientes e usuários
 Gerentes de negócios (áreas afetadas)
 Gerente e líderes do projeto
 Projetistas de software
 Testadores
Documentação de requisitos
 O documento de requisitos de software é a declaração
oficial do que é demandado dos desenvolvedores do
sistema.
 Deve incluir ambas, uma definição de requisitos do
usuário e uma especificação de requisitos do sistema.
 NÃO é um documento de projeto. Na medida do
possível, deve definir O QUE o sistema deve fazer ao
invés de COMO deve fazê-lo.
 Documento de especificação de requisitos: o que o
desenvolvedor precisa saber
 Lembrar: documento de visão, glossário e requisitos se
complementam
Documentação de requisitos
Documentação de requisitos
 Padronização da sintaxe
 Modelo de user histories
 Modelo em linguagem natural
 Modelo de casos de uso
Estrutura do documento de requisitos
Estrutura do documento de requisitos
Formas de escrever uma especificação
de requisitos de sistema
Usuários do documento de requisitos
Usuários do documento de requisitos
Validação dos requisitos
Revisão dos requisitos
 Rever metas e objetivos estabelecidos para o sistema
 Comparar requisitos metas o objetivos
 Descrever o ambiente operacional
 Examinar
 interfaces
 fluxo de informações
 funções
 Verificar omissões, imperfeições e inconsistências
 Documentar riscos
 Discutir sobre como o sistema será testado
Desafios da fase de requisitos
 Funcionários do cliente podem sentir-se
intimidados/substituídos pelos computadores
 Habilidade em negociação
 Pouco tempo para as discussões mais profundas
(essenciais)
 Flexibilidade e objetividade são essenciais
Gerenciamento de requisitos
 Gerenciamento de requisitos é o processo de gerenciar os
requisitos em constante mudança durante o processo de
engenharia de requisitos e desenvolvimento de sistemas.
 Após o sistemas começar a ser usado, surgem novos
requisitos.
 É preciso manter o controle das necessidades individuais e
manter ligações entre os requisitos dependentes para que
você possa avaliar o impacto das mudanças nos requisitos.
 É necessário estabelecer um processo formal para fazer
propostas de mudança e ligar essas aos requisitos de
sistema.
Mudanças nos requisitos
 O ambiente técnico e de negócios do sistema sempre muda após a
instalação.
 Um novo hardware pode ser introduzido, pode ser necessário para a interface
do sistema com outros sistemas, as prioridades do negócio podem mudar (com
as consequentes alterações no sistema de apoio necessário) e, podem ser que
o sistema deve, necessariamente, respeitar.
 As pessoas que pagam por um sistema e os usuários desse sistema
raramente são as mesmas pessoas.
 Clientes do sistema impõem requisitos devido a restrições orçamentais e
organizacionais. Esses podem entrar em conflito com os requisitos do usuário
final e, após a entrega, pode ser necessário adicionar novos recursos para
suporte ao usuário, caso o sistema seja para atender a seus objetivos.
 Sistemas de grande porte costumam ter uma comunidade de usuários
diversos, com muitos usuários tendo necessidades diferentes e
prioridades que podem ser conflitantes ou contraditórias.
 Os requisitos do sistema final são, inevitavelmente, um compromisso entre eles
e, a experiência mostra que, muitas vezes se descobre que o balanço de apoio
dado aos diferentes usuários precisa ser mudado.
Planejamento de gerenciamento de
requisitos
 Estabelece o nível de detalhamento necessário para o
gerenciamento de requisitos. Decisões do gerenciamento de
requisitos:
 Identificação de requisitos. Cada requisito deve ser identificado
exclusivamente para que ele possa ser comparado com outros
requisitos.
 Processo de gerenciamento de mudanças. Esse é o conjunto de
atividades que avaliam o impacto e o custo das mudanças. Esse
processo é discutido em mais detalhes na seção seguinte.
 Políticas de rastreabilidade. Essas políticas definem as relações
entre cada requisito e entre os requisitos e o projeto do sistema que
deve ser registrado.
 Ferramentas de suporte. As ferramentas de suporte que podem ser
usadas ​​variam desde sistemas especialistas, sistemas de
gerenciamento de requisitos até planilhas e sistemas de banco de
dados simples.
Gerenciamento de mundança de requisitos
 Decidir se uma mudança de requisitos deve ser aceita.
 Análise de problema e especificação de mudanças
 Durante essa fase, o problema ou a proposta de mudança é analisada
para verificar se é válida. O feedback dessa análise é devolvido para o
solicitante, que pode responder com uma proposta mais específica de
mudança dos requisitos, ou decidir retirar o pedido.
 Análise de mudanças e custos
 O efeito da mudança proposta é avaliado por meio de informações de
rastreabilidade e conhecimento geral dos requisitos do sistema. Uma
vez que essa análise é concluída, toma-se a decisão de prosseguir ou
não com a mudança de requisitos.
 Implementação de mudanças
 O documento de requisitos e, se necessário, o projeto e implementação do
sistema, são modificados. Idealmente, o documento deve ser organizado
de modo que as mudanças possam ser facilmente implementadas.
Gerenciamento de mudança de requisitos
AVISOS PAROQUIAIS
São avisos fixados nas portas de uma igreja, todos eles reais,
escritos com muito boa vontade e muito má redação.
AVISOS AOS PAROQUIANOS
Para todos os que tenham filhos e não o saibam, temos na
paróquia uma área especial para crianças.
AVISOS AOS PAROQUIANOS
Prezadas senhoras, não esqueçam a próxima venda para
beneficencia. É uma boa ocasião para se livrar das coisas
inúteis que há na sua casa. Tragam os seus maridos!
AVISOS AOS PAROQUIANOS
O mês de novembro finalizará com uma missa cantada por
todos os defuntos da paróquia.
Checklist
 Os requisitos:
 Estão corretos?
 São consistentes?
 Estão completos?
 São realistas?
 Descrevem algo necessário para o cliente?
 Podem ser verificados?
 Podem ser rastreados?
Relembrando
Pontos importantes
 Você pode usar uma variedade de técnicas para a elicitação
de requisitos, incluindo entrevistas, cenários, casos de uso e
etnografia.
 A validação dos requisitos é o processo de verificação da
validade, consistência, completude, realismo e verificabilidade
dos requisitos.
 Mudanças organizacionais e técnicas, e de negócios,
inevitavelmente levam a mudanças nos requisitos de um
sistema de software.
 O gerenciamento dos requisitos é o processo de
gerenciamento e controle dessas mudanças.
Engenharia de Requisitos
Elicitação, detalhamento e documentação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Especificação de Requisitos de Software
Especificação de Requisitos de SoftwareEspecificação de Requisitos de Software
Especificação de Requisitos de Software
Ralph Rassweiler
 
Documento de Requisitos v.2 - SCCI - Grupo ACCER
Documento de Requisitos v.2  - SCCI - Grupo ACCERDocumento de Requisitos v.2  - SCCI - Grupo ACCER
Documento de Requisitos v.2 - SCCI - Grupo ACCER
accer-scci
 
Aula Gestão de Projetos Escopo, Tempo e Custo
Aula Gestão de Projetos Escopo, Tempo e CustoAula Gestão de Projetos Escopo, Tempo e Custo
Aula Gestão de Projetos Escopo, Tempo e Custo
Rudson Kiyoshi Souza Carvalho
 
Herança em Banco de Dados Objeto-Relacional (BDOR)
Herança em Banco de Dados Objeto-Relacional (BDOR)Herança em Banco de Dados Objeto-Relacional (BDOR)
Herança em Banco de Dados Objeto-Relacional (BDOR)
Rafael Barbolo
 
Estrutura de Dados - Aula 01 - Apresentação
Estrutura de Dados - Aula 01 - ApresentaçãoEstrutura de Dados - Aula 01 - Apresentação
Estrutura de Dados - Aula 01 - Apresentação
Leinylson Fontinele
 
1 requisitos funcionais e não funcionais ok
1  requisitos funcionais e não funcionais ok1  requisitos funcionais e não funcionais ok
1 requisitos funcionais e não funcionais okMarcos Morais de Sousa
 
Exemplo de Plano de testes
Exemplo de Plano de testes Exemplo de Plano de testes
Exemplo de Plano de testes
Leandro Rodrigues
 
Arquitetura cliente servidor
Arquitetura cliente servidorArquitetura cliente servidor
Arquitetura cliente servidor
Marcia Abrahim
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Definição e classificação dos requisitos
Definição e classificação dos requisitosDefinição e classificação dos requisitos
Definição e classificação dos requisitos
ETEIT - Escola Técnica da Univale
 
Es capítulo 5 - modelagem de sistemas
Es   capítulo 5  - modelagem de sistemasEs   capítulo 5  - modelagem de sistemas
Es capítulo 5 - modelagem de sistemas
Felipe Oliveira
 
Escrevendo Estórias do Usuário Eficazes
Escrevendo Estórias do Usuário EficazesEscrevendo Estórias do Usuário Eficazes
Escrevendo Estórias do Usuário Eficazes
Rildo (@rildosan) Santos
 
BD I - Aula 04 A - Resumo MER e Mapeamento Relacional
BD I - Aula 04 A - Resumo MER e Mapeamento RelacionalBD I - Aula 04 A - Resumo MER e Mapeamento Relacional
BD I - Aula 04 A - Resumo MER e Mapeamento Relacional
Rodrigo Kiyoshi Saito
 
Introducao a Arquitetura de Software
Introducao a Arquitetura de SoftwareIntroducao a Arquitetura de Software
Introducao a Arquitetura de Software
UFPA
 
Validação e Testes de Software - MOD2
Validação e Testes de Software - MOD2Validação e Testes de Software - MOD2
Validação e Testes de Software - MOD2
Fernando Palma
 
Governança de TI
Governança de TIGovernança de TI
Governança de TI
HealthMinds Academy
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
Estêvão Bissoli Saleme
 
1.Introdução Banco de Dados
1.Introdução Banco de Dados1.Introdução Banco de Dados
1.Introdução Banco de Dados
vini_campos
 
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte IIAula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
Dalton Martins
 
Aula - Introdução a Engenharia de Software
Aula - Introdução a Engenharia de SoftwareAula - Introdução a Engenharia de Software
Aula - Introdução a Engenharia de Software
Cloves da Rocha
 

Mais procurados (20)

Especificação de Requisitos de Software
Especificação de Requisitos de SoftwareEspecificação de Requisitos de Software
Especificação de Requisitos de Software
 
Documento de Requisitos v.2 - SCCI - Grupo ACCER
Documento de Requisitos v.2  - SCCI - Grupo ACCERDocumento de Requisitos v.2  - SCCI - Grupo ACCER
Documento de Requisitos v.2 - SCCI - Grupo ACCER
 
Aula Gestão de Projetos Escopo, Tempo e Custo
Aula Gestão de Projetos Escopo, Tempo e CustoAula Gestão de Projetos Escopo, Tempo e Custo
Aula Gestão de Projetos Escopo, Tempo e Custo
 
Herança em Banco de Dados Objeto-Relacional (BDOR)
Herança em Banco de Dados Objeto-Relacional (BDOR)Herança em Banco de Dados Objeto-Relacional (BDOR)
Herança em Banco de Dados Objeto-Relacional (BDOR)
 
Estrutura de Dados - Aula 01 - Apresentação
Estrutura de Dados - Aula 01 - ApresentaçãoEstrutura de Dados - Aula 01 - Apresentação
Estrutura de Dados - Aula 01 - Apresentação
 
1 requisitos funcionais e não funcionais ok
1  requisitos funcionais e não funcionais ok1  requisitos funcionais e não funcionais ok
1 requisitos funcionais e não funcionais ok
 
Exemplo de Plano de testes
Exemplo de Plano de testes Exemplo de Plano de testes
Exemplo de Plano de testes
 
Arquitetura cliente servidor
Arquitetura cliente servidorArquitetura cliente servidor
Arquitetura cliente servidor
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Definição e classificação dos requisitos
Definição e classificação dos requisitosDefinição e classificação dos requisitos
Definição e classificação dos requisitos
 
Es capítulo 5 - modelagem de sistemas
Es   capítulo 5  - modelagem de sistemasEs   capítulo 5  - modelagem de sistemas
Es capítulo 5 - modelagem de sistemas
 
Escrevendo Estórias do Usuário Eficazes
Escrevendo Estórias do Usuário EficazesEscrevendo Estórias do Usuário Eficazes
Escrevendo Estórias do Usuário Eficazes
 
BD I - Aula 04 A - Resumo MER e Mapeamento Relacional
BD I - Aula 04 A - Resumo MER e Mapeamento RelacionalBD I - Aula 04 A - Resumo MER e Mapeamento Relacional
BD I - Aula 04 A - Resumo MER e Mapeamento Relacional
 
Introducao a Arquitetura de Software
Introducao a Arquitetura de SoftwareIntroducao a Arquitetura de Software
Introducao a Arquitetura de Software
 
Validação e Testes de Software - MOD2
Validação e Testes de Software - MOD2Validação e Testes de Software - MOD2
Validação e Testes de Software - MOD2
 
Governança de TI
Governança de TIGovernança de TI
Governança de TI
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
 
1.Introdução Banco de Dados
1.Introdução Banco de Dados1.Introdução Banco de Dados
1.Introdução Banco de Dados
 
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte IIAula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
 
Aula - Introdução a Engenharia de Software
Aula - Introdução a Engenharia de SoftwareAula - Introdução a Engenharia de Software
Aula - Introdução a Engenharia de Software
 

Destaque

Introduction To ReqPro
Introduction To ReqProIntroduction To ReqPro
Introduction To ReqPro
Leslie Munday
 
Técnicas de Elicitação de Requisitos
Técnicas de Elicitação de RequisitosTécnicas de Elicitação de Requisitos
Técnicas de Elicitação de Requisitos
Noaldo Sales
 
Engenharia de requisitos para metodos ageis dissertacao
Engenharia de requisitos para metodos ageis   dissertacaoEngenharia de requisitos para metodos ageis   dissertacao
Engenharia de requisitos para metodos ageis dissertacao
tsblackboy
 
Dojo de Requisitos
Dojo de RequisitosDojo de Requisitos
Dojo de Requisitos
Marcelo Neves
 
Artigo Transp Sw
Artigo Transp SwArtigo Transp Sw
Artigo Transp Sw
transparenciadesoftware
 
Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016
Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016
Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016
Carlos Giovani Rodrigues
 
Como hospedar seu site
Como hospedar seu siteComo hospedar seu site
Como hospedar seu site
William Silva
 
3 unidade eng economica
3 unidade eng economica3 unidade eng economica
3 unidade eng economica
Moises Souza
 
Smarts and Smarter
Smarts and SmarterSmarts and Smarter
Smarts and Smarter
Morgana Giorgia
 
Es capítulo 4 - engenharia de requisitos
Es   capítulo 4  - engenharia de requisitosEs   capítulo 4  - engenharia de requisitos
Es capítulo 4 - engenharia de requisitos
Felipe Oliveira
 
Relato Experiência Taxonomia SOLO
Relato Experiência Taxonomia SOLORelato Experiência Taxonomia SOLO
Relato Experiência Taxonomia SOLO
Camilo Almendra
 
Aula 02 - Engenharia de Requisitos
Aula 02 - Engenharia de RequisitosAula 02 - Engenharia de Requisitos
Aula 02 - Engenharia de Requisitos
Alberto Simões
 
Engenharia de requisitos introdução
Engenharia de requisitos   introduçãoEngenharia de requisitos   introdução
Engenharia de requisitos introdução
Silmar De Freitas
 
Resumo de Técnicas de elicitação de requisitos
Resumo de Técnicas de elicitação de requisitosResumo de Técnicas de elicitação de requisitos
Resumo de Técnicas de elicitação de requisitos
Alaide Pitombeira de Freitas, CSM
 
Engenharia de requisitos
Engenharia de requisitosEngenharia de requisitos
Engenharia de requisitos
Mailson Queiroz
 
Engenharia de Requisitos - Aula 2
Engenharia de Requisitos - Aula 2Engenharia de Requisitos - Aula 2
Engenharia de Requisitos - Aula 2
Tiago Barros
 
Gerência de Requisitos
Gerência de RequisitosGerência de Requisitos
Gerência de Requisitos
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Análise de Sistemas - Requisitos (Revisão e Requisitos Suplementares)
Análise de Sistemas - Requisitos (Revisão e Requisitos Suplementares)Análise de Sistemas - Requisitos (Revisão e Requisitos Suplementares)
Análise de Sistemas - Requisitos (Revisão e Requisitos Suplementares)
Rosanete Grassiani dos Santos
 
Principais Técnicas de Elicitação de Requisitos
Principais Técnicas de Elicitação de RequisitosPrincipais Técnicas de Elicitação de Requisitos
Principais Técnicas de Elicitação de Requisitos
Norton Guimarães
 
Técnicas de Elicitação de Requisitos e sua Aderência ao CMMi
Técnicas de Elicitação de Requisitos e sua Aderência ao CMMiTécnicas de Elicitação de Requisitos e sua Aderência ao CMMi
Técnicas de Elicitação de Requisitos e sua Aderência ao CMMi
Daniel Ferreira
 

Destaque (20)

Introduction To ReqPro
Introduction To ReqProIntroduction To ReqPro
Introduction To ReqPro
 
Técnicas de Elicitação de Requisitos
Técnicas de Elicitação de RequisitosTécnicas de Elicitação de Requisitos
Técnicas de Elicitação de Requisitos
 
Engenharia de requisitos para metodos ageis dissertacao
Engenharia de requisitos para metodos ageis   dissertacaoEngenharia de requisitos para metodos ageis   dissertacao
Engenharia de requisitos para metodos ageis dissertacao
 
Dojo de Requisitos
Dojo de RequisitosDojo de Requisitos
Dojo de Requisitos
 
Artigo Transp Sw
Artigo Transp SwArtigo Transp Sw
Artigo Transp Sw
 
Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016
Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016
Gerenciamento de requisitos - NeoTalks - 05.05.2016
 
Como hospedar seu site
Como hospedar seu siteComo hospedar seu site
Como hospedar seu site
 
3 unidade eng economica
3 unidade eng economica3 unidade eng economica
3 unidade eng economica
 
Smarts and Smarter
Smarts and SmarterSmarts and Smarter
Smarts and Smarter
 
Es capítulo 4 - engenharia de requisitos
Es   capítulo 4  - engenharia de requisitosEs   capítulo 4  - engenharia de requisitos
Es capítulo 4 - engenharia de requisitos
 
Relato Experiência Taxonomia SOLO
Relato Experiência Taxonomia SOLORelato Experiência Taxonomia SOLO
Relato Experiência Taxonomia SOLO
 
Aula 02 - Engenharia de Requisitos
Aula 02 - Engenharia de RequisitosAula 02 - Engenharia de Requisitos
Aula 02 - Engenharia de Requisitos
 
Engenharia de requisitos introdução
Engenharia de requisitos   introduçãoEngenharia de requisitos   introdução
Engenharia de requisitos introdução
 
Resumo de Técnicas de elicitação de requisitos
Resumo de Técnicas de elicitação de requisitosResumo de Técnicas de elicitação de requisitos
Resumo de Técnicas de elicitação de requisitos
 
Engenharia de requisitos
Engenharia de requisitosEngenharia de requisitos
Engenharia de requisitos
 
Engenharia de Requisitos - Aula 2
Engenharia de Requisitos - Aula 2Engenharia de Requisitos - Aula 2
Engenharia de Requisitos - Aula 2
 
Gerência de Requisitos
Gerência de RequisitosGerência de Requisitos
Gerência de Requisitos
 
Análise de Sistemas - Requisitos (Revisão e Requisitos Suplementares)
Análise de Sistemas - Requisitos (Revisão e Requisitos Suplementares)Análise de Sistemas - Requisitos (Revisão e Requisitos Suplementares)
Análise de Sistemas - Requisitos (Revisão e Requisitos Suplementares)
 
Principais Técnicas de Elicitação de Requisitos
Principais Técnicas de Elicitação de RequisitosPrincipais Técnicas de Elicitação de Requisitos
Principais Técnicas de Elicitação de Requisitos
 
Técnicas de Elicitação de Requisitos e sua Aderência ao CMMi
Técnicas de Elicitação de Requisitos e sua Aderência ao CMMiTécnicas de Elicitação de Requisitos e sua Aderência ao CMMi
Técnicas de Elicitação de Requisitos e sua Aderência ao CMMi
 

Semelhante a 06 Requisitos

ASPECTOS DA ENGENHARIA DE REQUISITOS
ASPECTOS DA ENGENHARIA DE REQUISITOSASPECTOS DA ENGENHARIA DE REQUISITOS
ASPECTOS DA ENGENHARIA DE REQUISITOS
Jaffer Veronezi
 
Analise sistemas 04
Analise sistemas 04Analise sistemas 04
Analise sistemas 04
Caroline Raquel Rodrigues
 
Princípios Fundamentais da Análise de Requisitos
Princípios Fundamentais da Análise de RequisitosPrincípios Fundamentais da Análise de Requisitos
Princípios Fundamentais da Análise de Requisitos
elliando dias
 
Análise de Sistemas Orientado a Objetos - 02
Análise de Sistemas Orientado a Objetos - 02Análise de Sistemas Orientado a Objetos - 02
Análise de Sistemas Orientado a Objetos - 02
Danielle Ballester, PMP,PSM,SFC,SDC,SMC,SPOC,SCT
 
Engenharia de software i 3 - processos de engenharia de requisitos
Engenharia de software i   3 - processos de engenharia de requisitosEngenharia de software i   3 - processos de engenharia de requisitos
Engenharia de software i 3 - processos de engenharia de requisitos
Willian Moreira Figueiredo de Souza
 
Engenharia de requisitos
Engenharia de requisitosEngenharia de requisitos
Engenharia de requisitos
Tamires Guedes
 
Analise de Requisitos
Analise de RequisitosAnalise de Requisitos
Analise de Requisitos
elliando dias
 
Analise de requisitos estudo para prova
Analise de requisitos estudo para provaAnalise de requisitos estudo para prova
Analise de requisitos estudo para prova
Leonardo Almeida
 
Os aspectos mais relevantes da Engenharia de Requisitos
Os aspectos mais relevantes da Engenharia de RequisitosOs aspectos mais relevantes da Engenharia de Requisitos
Os aspectos mais relevantes da Engenharia de Requisitos
José Vieira
 
Aula 03 - Verificação e Validação de Requisitos.pptx
Aula 03 - Verificação e Validação de Requisitos.pptxAula 03 - Verificação e Validação de Requisitos.pptx
Aula 03 - Verificação e Validação de Requisitos.pptx
LucianaRecartCardoso
 
Como especificar requisitos em metodologias ágeis?
Como especificar requisitos em metodologias ágeis?Como especificar requisitos em metodologias ágeis?
Como especificar requisitos em metodologias ágeis?
Priscilla Aguiar
 
Este trabalho trata
Este trabalho trataEste trabalho trata
Este trabalho trata
Roni Reis
 
Ap i unidade 3 - levantamento de requisitos
Ap i   unidade 3 - levantamento de requisitosAp i   unidade 3 - levantamento de requisitos
Ap i unidade 3 - levantamento de requisitos
Glauber Aquino
 
Ciclo de vida processo
Ciclo de vida processoCiclo de vida processo
Ciclo de vida processo
Patrícia Melo
 
Aula3 TEES UFS: Engenharia de Requisitos
Aula3 TEES UFS: Engenharia de RequisitosAula3 TEES UFS: Engenharia de Requisitos
Aula3 TEES UFS: Engenharia de Requisitos
Rogerio P C do Nascimento
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
Tiago Barros
 
04 - Reqxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxuisitos.ppt
04 - Reqxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxuisitos.ppt04 - Reqxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxuisitos.ppt
04 - Reqxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxuisitos.ppt
IedaRosanaKollingWie
 
Dicas Para Avaliar Um Erp
Dicas Para Avaliar Um ErpDicas Para Avaliar Um Erp
Dicas Para Avaliar Um Erp
Paulo Henrique Pinhão
 
Introdução Qualidade de Software
Introdução Qualidade de SoftwareIntrodução Qualidade de Software
Introdução Qualidade de Software
Wellington Oliveira
 
Aula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane FidelixAula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane Fidelix
Cris Fidelix
 

Semelhante a 06 Requisitos (20)

ASPECTOS DA ENGENHARIA DE REQUISITOS
ASPECTOS DA ENGENHARIA DE REQUISITOSASPECTOS DA ENGENHARIA DE REQUISITOS
ASPECTOS DA ENGENHARIA DE REQUISITOS
 
Analise sistemas 04
Analise sistemas 04Analise sistemas 04
Analise sistemas 04
 
Princípios Fundamentais da Análise de Requisitos
Princípios Fundamentais da Análise de RequisitosPrincípios Fundamentais da Análise de Requisitos
Princípios Fundamentais da Análise de Requisitos
 
Análise de Sistemas Orientado a Objetos - 02
Análise de Sistemas Orientado a Objetos - 02Análise de Sistemas Orientado a Objetos - 02
Análise de Sistemas Orientado a Objetos - 02
 
Engenharia de software i 3 - processos de engenharia de requisitos
Engenharia de software i   3 - processos de engenharia de requisitosEngenharia de software i   3 - processos de engenharia de requisitos
Engenharia de software i 3 - processos de engenharia de requisitos
 
Engenharia de requisitos
Engenharia de requisitosEngenharia de requisitos
Engenharia de requisitos
 
Analise de Requisitos
Analise de RequisitosAnalise de Requisitos
Analise de Requisitos
 
Analise de requisitos estudo para prova
Analise de requisitos estudo para provaAnalise de requisitos estudo para prova
Analise de requisitos estudo para prova
 
Os aspectos mais relevantes da Engenharia de Requisitos
Os aspectos mais relevantes da Engenharia de RequisitosOs aspectos mais relevantes da Engenharia de Requisitos
Os aspectos mais relevantes da Engenharia de Requisitos
 
Aula 03 - Verificação e Validação de Requisitos.pptx
Aula 03 - Verificação e Validação de Requisitos.pptxAula 03 - Verificação e Validação de Requisitos.pptx
Aula 03 - Verificação e Validação de Requisitos.pptx
 
Como especificar requisitos em metodologias ágeis?
Como especificar requisitos em metodologias ágeis?Como especificar requisitos em metodologias ágeis?
Como especificar requisitos em metodologias ágeis?
 
Este trabalho trata
Este trabalho trataEste trabalho trata
Este trabalho trata
 
Ap i unidade 3 - levantamento de requisitos
Ap i   unidade 3 - levantamento de requisitosAp i   unidade 3 - levantamento de requisitos
Ap i unidade 3 - levantamento de requisitos
 
Ciclo de vida processo
Ciclo de vida processoCiclo de vida processo
Ciclo de vida processo
 
Aula3 TEES UFS: Engenharia de Requisitos
Aula3 TEES UFS: Engenharia de RequisitosAula3 TEES UFS: Engenharia de Requisitos
Aula3 TEES UFS: Engenharia de Requisitos
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
 
04 - Reqxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxuisitos.ppt
04 - Reqxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxuisitos.ppt04 - Reqxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxuisitos.ppt
04 - Reqxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxuisitos.ppt
 
Dicas Para Avaliar Um Erp
Dicas Para Avaliar Um ErpDicas Para Avaliar Um Erp
Dicas Para Avaliar Um Erp
 
Introdução Qualidade de Software
Introdução Qualidade de SoftwareIntrodução Qualidade de Software
Introdução Qualidade de Software
 
Aula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane FidelixAula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Introdução Engenharia de requisitos - Prof.ª Cristiane Fidelix
 

Mais de Waldemar Roberti

07 Modelagem (Sommer)
07 Modelagem (Sommer)07 Modelagem (Sommer)
07 Modelagem (Sommer)
Waldemar Roberti
 
05 agile
05 agile05 agile
02 Introdução à engenharia de software - conceitos fundamentais
02 Introdução à engenharia de software - conceitos fundamentais02 Introdução à engenharia de software - conceitos fundamentais
02 Introdução à engenharia de software - conceitos fundamentais
Waldemar Roberti
 
03 Modelo de processo de software
03 Modelo de processo de software03 Modelo de processo de software
03 Modelo de processo de software
Waldemar Roberti
 
04 Unified process
04 Unified process04 Unified process
04 Unified process
Waldemar Roberti
 
01 Introdução - Contextualização Engenharia de Software
01 Introdução - Contextualização Engenharia de Software01 Introdução - Contextualização Engenharia de Software
01 Introdução - Contextualização Engenharia de Software
Waldemar Roberti
 
00 Apresentação
00 Apresentação00 Apresentação
00 Apresentação
Waldemar Roberti
 

Mais de Waldemar Roberti (7)

07 Modelagem (Sommer)
07 Modelagem (Sommer)07 Modelagem (Sommer)
07 Modelagem (Sommer)
 
05 agile
05 agile05 agile
05 agile
 
02 Introdução à engenharia de software - conceitos fundamentais
02 Introdução à engenharia de software - conceitos fundamentais02 Introdução à engenharia de software - conceitos fundamentais
02 Introdução à engenharia de software - conceitos fundamentais
 
03 Modelo de processo de software
03 Modelo de processo de software03 Modelo de processo de software
03 Modelo de processo de software
 
04 Unified process
04 Unified process04 Unified process
04 Unified process
 
01 Introdução - Contextualização Engenharia de Software
01 Introdução - Contextualização Engenharia de Software01 Introdução - Contextualização Engenharia de Software
01 Introdução - Contextualização Engenharia de Software
 
00 Apresentação
00 Apresentação00 Apresentação
00 Apresentação
 

Último

CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
davidreyes364666
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 

Último (20)

CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 

06 Requisitos

  • 1. Engenharia de Requisitos Elicitação, detalhamento e documentação.
  • 2. O que é um projeto de sucesso? “Satisfaz seus clientes e patrocinadores com resultados que atendem seus objetivos dentro das restrições de tempo e custo, com produtos de qualidade, mantendo e promovendo relações harmoniosas entre os envolvidos e contribuindo pro aprendizado da organização.” Daniel Garnier
  • 3. “A parte mais difícil de construir um sistema de software é decidir precisamente o que construir. Nenhuma outra parte do trabalho conceitual é tão difícil quanto estabelecer os requisitos técnicos detalhados… Nenhuma outra parte danifica tanto o sistema resultante se for feita de forma errada. Nenhuma outra parte é mais difícil de retificar posteriormente.” Frederick Brooks
  • 4. Custo para se reparar um defeito
  • 5. Requisitos “Eu sei que você acredita que compreendeu o que eu disse, mas não estou certo de que o que você ouviu era realmente o que eu queria dizer!”
  • 6. Identificando requisitos  Requisito é a condição para se alcançar determinado fim (Dicionário Houaiss)  É a descrição dos serviços e das restrições de um sistema (Somerville)  Uma capacidade do software necessária ao usuário para resolver um problema para atingir um objetivo (Dorfman)
  • 8. O processo de elicitação e análise de requisitos
  • 9. Técnicas para análise de requisitos  Entrevista (reunião, call, estruturada ou não)  Questionários (modelos padrão ou personalizados)  Análise de formulários (automatização)  Câmeras de vídeo (dia a dia do usuário)  Cenários  Cartões de estórias  Árvores de decisão  Prototipação
  • 10. Classificação dos requisitos  Funcionais • Descrever a funcionalidade ou os serviços do sistema. • Depende do tipo de software, possíveis usuários e o tipo de sistema em que o software é usado. • Requisitos funcionais dos usuários podem ser declarações de alto nível a respeito do que o sistema deve fazer. • Requisitos funcionais do sistema devem descrever detalhadamente os serviços do sistema.  Não Funcionais
  • 11. Classificação dos requisitos  Funcionais  Não Funcionais • Esses requisitos definem as propriedades e as restrições do sistema por exemplo, confiabilidade, tempo de resposta e ocupação de área. • As restrições são capacidades de dispositivos de E/S, as representações do sistema, etc. • Os requisitos de processo também podem ser especificados impondo um IDE particular, linguagem de programação ou método de desenvolvimento. • Os requisitos não-funcionais podem ser mais críticos do que os requisitos funcionais. Se esses não forem atendidos, o sistema pode ser inútil.
  • 12. Classificação dos requisitos  De usuário  Declarações em linguagem natural com diagramas dos serviços que o sistema deverá fornecer e suas restrições operacionais. Escrito para os clientes.  De Sistema  Um documento estruturado estabelecendo descrições detalhadas das funções do sistema, serviços e restrições operacionais. Define o que deve ser implementado assim, pode ser parte de um contrato entre o cliente e o empreiteiro.
  • 14. Classificação dos requisitos  De usuário  De Sistema
  • 16. Características de bons requisitos  Não ambíguo  Verificável  Determinístico  Rastreável  Correto
  • 17. Não ambíguo  Ambiguidade = incerteza por causa da obscuridade ou indistinção  Escrever para outra pessoa ler  Problemas:  Uso de pronomes  “O sistema de RH deverá permitir somente cinco registros de dependentes válidos e tipos de planos de saúde; ele deve incluir o mais velho”  Acrônimos e siglas  Indeterminação  “O sistema deverá fazer as correções no registro quando possível”  Assumir conhecimento prévio Características de bons requisitos
  • 18. Verificável  Pode ser testado completamente de modo razoável (conforme a sua criticidade)  Assegurar que  Sistema funciona corretamente  As exceções são tratadas de forma adequada  Suporta vários conjuntos diferentes de dados  Exemplo:  “O sistema deve ser amigável” Características de bons requisitos
  • 19. Determinístico  Precisa necessariamente ser determinável – todos os caminhos devem ser previstos  “O sistema deve enviar novos registros aos sistema Financeiro a cada cinco minutos”  E se não tiver novos registros neste período? Características de bons requisitos
  • 20. Rastreável  De onde veio este requisito?  No que ele vai se transformar (ou já se transformou) no sistema?  Caminho do requisitante à implementação em duas vias  É muito importante quando  Um requisito é alterado  Um componente de software é alterado  Se negocia prioridades (ou cortes) Características de bons requisitos
  • 21. Correto  Consistência (um requisito não pode contradizer o outro)  Deve ser assegurada a acuracidade e a correção no texto do requisito  Não enrolar  Sentenças com começo, meio e fim Características de bons requisitos
  • 22. Atores no processo de requisitos  Clientes e usuários  Gerentes de negócios (áreas afetadas)  Gerente e líderes do projeto  Projetistas de software  Testadores
  • 23. Documentação de requisitos  O documento de requisitos de software é a declaração oficial do que é demandado dos desenvolvedores do sistema.  Deve incluir ambas, uma definição de requisitos do usuário e uma especificação de requisitos do sistema.  NÃO é um documento de projeto. Na medida do possível, deve definir O QUE o sistema deve fazer ao invés de COMO deve fazê-lo.  Documento de especificação de requisitos: o que o desenvolvedor precisa saber  Lembrar: documento de visão, glossário e requisitos se complementam
  • 25. Documentação de requisitos  Padronização da sintaxe  Modelo de user histories  Modelo em linguagem natural  Modelo de casos de uso
  • 26. Estrutura do documento de requisitos
  • 27. Estrutura do documento de requisitos
  • 28. Formas de escrever uma especificação de requisitos de sistema
  • 29. Usuários do documento de requisitos
  • 30. Usuários do documento de requisitos
  • 32. Revisão dos requisitos  Rever metas e objetivos estabelecidos para o sistema  Comparar requisitos metas o objetivos  Descrever o ambiente operacional  Examinar  interfaces  fluxo de informações  funções  Verificar omissões, imperfeições e inconsistências  Documentar riscos  Discutir sobre como o sistema será testado
  • 33. Desafios da fase de requisitos  Funcionários do cliente podem sentir-se intimidados/substituídos pelos computadores  Habilidade em negociação  Pouco tempo para as discussões mais profundas (essenciais)  Flexibilidade e objetividade são essenciais
  • 34. Gerenciamento de requisitos  Gerenciamento de requisitos é o processo de gerenciar os requisitos em constante mudança durante o processo de engenharia de requisitos e desenvolvimento de sistemas.  Após o sistemas começar a ser usado, surgem novos requisitos.  É preciso manter o controle das necessidades individuais e manter ligações entre os requisitos dependentes para que você possa avaliar o impacto das mudanças nos requisitos.  É necessário estabelecer um processo formal para fazer propostas de mudança e ligar essas aos requisitos de sistema.
  • 35. Mudanças nos requisitos  O ambiente técnico e de negócios do sistema sempre muda após a instalação.  Um novo hardware pode ser introduzido, pode ser necessário para a interface do sistema com outros sistemas, as prioridades do negócio podem mudar (com as consequentes alterações no sistema de apoio necessário) e, podem ser que o sistema deve, necessariamente, respeitar.  As pessoas que pagam por um sistema e os usuários desse sistema raramente são as mesmas pessoas.  Clientes do sistema impõem requisitos devido a restrições orçamentais e organizacionais. Esses podem entrar em conflito com os requisitos do usuário final e, após a entrega, pode ser necessário adicionar novos recursos para suporte ao usuário, caso o sistema seja para atender a seus objetivos.  Sistemas de grande porte costumam ter uma comunidade de usuários diversos, com muitos usuários tendo necessidades diferentes e prioridades que podem ser conflitantes ou contraditórias.  Os requisitos do sistema final são, inevitavelmente, um compromisso entre eles e, a experiência mostra que, muitas vezes se descobre que o balanço de apoio dado aos diferentes usuários precisa ser mudado.
  • 36. Planejamento de gerenciamento de requisitos  Estabelece o nível de detalhamento necessário para o gerenciamento de requisitos. Decisões do gerenciamento de requisitos:  Identificação de requisitos. Cada requisito deve ser identificado exclusivamente para que ele possa ser comparado com outros requisitos.  Processo de gerenciamento de mudanças. Esse é o conjunto de atividades que avaliam o impacto e o custo das mudanças. Esse processo é discutido em mais detalhes na seção seguinte.  Políticas de rastreabilidade. Essas políticas definem as relações entre cada requisito e entre os requisitos e o projeto do sistema que deve ser registrado.  Ferramentas de suporte. As ferramentas de suporte que podem ser usadas ​​variam desde sistemas especialistas, sistemas de gerenciamento de requisitos até planilhas e sistemas de banco de dados simples.
  • 37. Gerenciamento de mundança de requisitos  Decidir se uma mudança de requisitos deve ser aceita.  Análise de problema e especificação de mudanças  Durante essa fase, o problema ou a proposta de mudança é analisada para verificar se é válida. O feedback dessa análise é devolvido para o solicitante, que pode responder com uma proposta mais específica de mudança dos requisitos, ou decidir retirar o pedido.  Análise de mudanças e custos  O efeito da mudança proposta é avaliado por meio de informações de rastreabilidade e conhecimento geral dos requisitos do sistema. Uma vez que essa análise é concluída, toma-se a decisão de prosseguir ou não com a mudança de requisitos.  Implementação de mudanças  O documento de requisitos e, se necessário, o projeto e implementação do sistema, são modificados. Idealmente, o documento deve ser organizado de modo que as mudanças possam ser facilmente implementadas.
  • 38. Gerenciamento de mudança de requisitos
  • 39. AVISOS PAROQUIAIS São avisos fixados nas portas de uma igreja, todos eles reais, escritos com muito boa vontade e muito má redação.
  • 40. AVISOS AOS PAROQUIANOS Para todos os que tenham filhos e não o saibam, temos na paróquia uma área especial para crianças.
  • 41. AVISOS AOS PAROQUIANOS Prezadas senhoras, não esqueçam a próxima venda para beneficencia. É uma boa ocasião para se livrar das coisas inúteis que há na sua casa. Tragam os seus maridos!
  • 42. AVISOS AOS PAROQUIANOS O mês de novembro finalizará com uma missa cantada por todos os defuntos da paróquia.
  • 43. Checklist  Os requisitos:  Estão corretos?  São consistentes?  Estão completos?  São realistas?  Descrevem algo necessário para o cliente?  Podem ser verificados?  Podem ser rastreados?
  • 45. Pontos importantes  Você pode usar uma variedade de técnicas para a elicitação de requisitos, incluindo entrevistas, cenários, casos de uso e etnografia.  A validação dos requisitos é o processo de verificação da validade, consistência, completude, realismo e verificabilidade dos requisitos.  Mudanças organizacionais e técnicas, e de negócios, inevitavelmente levam a mudanças nos requisitos de um sistema de software.  O gerenciamento dos requisitos é o processo de gerenciamento e controle dessas mudanças.
  • 46. Engenharia de Requisitos Elicitação, detalhamento e documentação.