Apresentação enec2009 (Castelo Branco)

294 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Turismo, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
294
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação enec2009 (Castelo Branco)

  1. 1. A EXPLORAÇÃO DO E- LAB NO ENSINO Sérgio C. Leal1,2 , João P. Leal1,3 , Horácio Fernandes4 1 Departamento de Química e Bioquímica, FCUL, Lisboa, Portugal 2 Escola Secundária Padre António Vieira, Lisboa, Portugal 3 Instituto de Tecnológico Nuclear, ITN, Sacavém, Portugal 4 Departamento de Física, IST, Lisboa, Portugal E-mail: sergioleal20@gmail.com 21 -09-09 1 XIII ENEC 2009 Laboratório virtual e-lab: plataforma de ensino das ciências Castelo Branco, 26 de Setembro de 2009
  2. 2. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino Importa questionar • Será vantajosa a implementação? • Quando implementar? • É motivador para os alunos? • É motivador para os professores? • Poderá servir de desafio? 2
  3. 3. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino Introdução • Diminuição da questionação ao longo do percurso académico. • Falta de gosto pela Ciência? • A situação anterior atenta: - Numa pedagogia transmissiva; - Abordagem descontextualizada. 21 -09-09 3
  4. 4. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino Introdução • Pilares da mistificação e desmotivação de alunos e professores para o ensino das ciências: - A não contextualização do ensino; - O facto de não tornar claro a alunos e professores a importância da Ciência no dia-a-dia; - Falta de formação de professores nas novas tecnologias; - A dificuldade de generalizar práticas laboratoriais nas nossas escolas. 21 -09-09 4
  5. 5. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino Objectivos • Inverter o estigma criado da dificuldade de disciplinas científicas, como a Física e a Química. • Promover a motivação, o interesse e o gosto pela aprendizagem da Ciência. • Através de dois canais: - Tecnologias de informação e comunicação (TIC); - Trabalho laboratorial (TL). 21 -09-09 5
  6. 6. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino Ensino da Física (exemplo) 21 -09-09 6  Teoria  Observação  Equipamento de medida  ....  Hands-on  Sensores + data-loggers  Simulações  ....  Experiências reais num ambiente virtual  e-learning  Partilha de dados  Participação remota  ...
  7. 7. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino Descrição • Crescimento generalizado na utilização do computador e da Internet pela comunidade escolar. • Plano Tecnológico da Educação (PTE). • Actualmente estudos confirmam a importância do recurso às novas tecnologias (TIC) no processo de ensino/aprendizagem (com moderação) de disciplinas científicas, numa vertente CTSA. 21 -09-09 7
  8. 8. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino Descrição • A plataforma de ensino e-lab preconiza todos os aspectos referenciados (TIC, TL e metodologia CTSA). • Laboratório virtual que permite a aquisição de dados reais, na sala de aula ou noutro local. • A segurança, o risco e o custo são salvaguardadas. 21 -09-09 8
  9. 9. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino Descrição • A formação de professores na plataforma e-lab será uma mais-valia indispensável para a correcta utilização deste recurso e pretende: - O conhecimento e a utilização da interface e-lab; - Ajudar o professor na planificação e preparação das Actividades Laboratoriais (ALs); - Testar, previamente, as ALs, promovendo auto- -aprendizagens; 21 -09-09 9
  10. 10. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino Descrição - Realizar ALs já testadas, minimizando erros de operação; - Conhecer e explorar materiais de apoio dispersos pela Internet; - Incentivar o estudo e a preparação, pelos alunos, das ALs; - Orientar o estudo dos alunos; - Apoiar, individualmente caso seja possível, alunos com dificuldades de aprendizagem. 21 -09-09 1 0
  11. 11. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino Enquadramento curricular • Na plataforma e-lab existem actualmente as seguintes ALs: – Aceleração da gravidade (g); – Variação da pressão em função do volume (PV); – Velocidade do som (Som); – Variação da pressão em função da profundidade (P Vs h); – Lançamento de dados (Dados); – Refracção (RFR). 21 -09-09 1 1
  12. 12. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino Matriz de enquadramento curricular 1 2
  13. 13. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino Conteúdo e-lab • Na plataforma e-lab estarão disponíveis: - Protocolos experimentais versão aluno; - Relatório orientado; - Miniquizz avaliativo; - Protocolos experimentais versão professor com resultados. 21 -09-09 1 3
  14. 14. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino Organização das ALs • Cada AL estará prevista para 2 tempos de 45 minutos para o 3º ciclo e 90+45 (aula laboratorial) para o ensino secundário. • Recurso necessário: PC com ligação à Internet. • Organização das ALs: - Questões prévias; - Objectivo; - Planeamento e execução da AL (protocolo); - Análise e discussão (relatório e miniquizz). 21 -09-09 1 4
  15. 15. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino Conclusão • O estudo de fenómenos naturais do que nos rodeia (Física) e das características e transformações dos materiais (Química) deveriam despertar interesse. • Urge a necessidade de mudar métodos de ensino, com recurso às novas tecnologias e trabalho laboratorial (que o e-lab proporciona). • O e-lab pretende contribuir para a formação contínua de professores de ciências (bastante reduzida). 21 -09-09 1 5
  16. 16. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino E agora? • Será vantajosa a implementação? PTE, utilização de PC e Internet • Quando implementar? Ensino básico? Ensino secundário? – Em ambos • É motivador para os alunos? Sim • É motivador para os professores? Sim • Poderá servir de desafio? Sem dúvida Permite ir para além do currículo… 21 -09-09 1 6
  17. 17. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino Objectivos da oficina prática Pretende-se que os docentes: i. Consigam utilizar expeditamente a plataforma do e-lab; ii. Tenham conhecimento das experiências disponíveis actualmente para o ensino pré-universitário; iii. Obtenham uma visão global do seu funcionamento e estrutura interna; iv. Dominem algumas ferramentas numéricas para a análise dos dados obtidos; v. Possam contribuir paraa melhoria da interface e propor novas experiências do seu interesse. 21 -09-09 1 7
  18. 18. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino e-lab: laboratórios remotamente controlados 21 -09-09 1 8 Anywhere Anytime
  19. 19. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino O laboratório 21 -09-09 1 9 Disponível 24x7  Controlo remoto sobre a Internet, Intranet ou Extranet:  Aquisição de dados e controlo em tempo real  n Aparatos Experimentais  m Utilizadores simultâneos  Repositório de dados  Gestão de utilizadores  Avaliação  Qualquer sistema operativo  Infra-estrutura escalável  Server Software “•REC – Multicast Server”
  20. 20. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino A interface “quase extinta” 20  Opções disponíveis:  Save, Print & Copy, eMail  “Waiting control”: lista de utilizadores, auto play & partilha de dados Audio & video Dados: Mostradores, Gráficos, Tabelas Configurador Chat & partilha de conhecimento Repositório de dadosProtocolo Experimental  Requisitos:  Qualquer SO  256 MB RAM  JRE 1.4.1  TCP/IP Protocol Stack
  21. 21. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino Suporte multimédia 21 -09-09 21 - Sítio electrónico e-escola (http://www.e-escola.pt) - Plataforma Moodle (eventualmente) - ?
  22. 22. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino Exploração da experiência Boyle-Mariotte 21 -09-09 22 - Entrar em http://preview.e-escola.pt - Inserir códigos - Escolher a experiência de Boyle-Mariotte - Aceder ao laboratório (será necessário instalar) - ... - Em http://elab.ist.eu acede directamente na plataforma “quase extinta”
  23. 23. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino Referências Leal, S. C. (2006) A química orgânica no ensino secundário: percepções e propostas. MsC. Thesis. Aveiro: Universidade de Aveiro. Ministério da Educação, Departamento do Ensino Básico. (2001). Programa de ciências físicas e naturais: Orientações curriculares para o 3.º ciclo. Lisboa: Autor. Leite, L. (2001). Contributos para uma utilização mais fundamentada do trabalho laboratorial no ensino das ciências. In DES (Ed.), Cadernos Didácticos das Ciências, 1, 78-97. Lisboa: ME, DES. 21 -09-09 23
  24. 24. 21 -09-09 A exploração do e-lab no ensino Referências Marques, M. (2004). Formação contínua de professores de ciências: Um contributo para uma melhor planificação e desenvolvimento. Porto: ASA Editores. Martins, A., Malaquias, I., Martins, D. R., Campos, A. C., Lopes, J. M., Fiúza, E. M., da Silva, M. M. F., Neves, M., & Soares, R. (2002). Livro branco da física e da química (1.ª ed.). Aveiro: Minerva Central. Paiva, J. (2007). O fascínio de ser professor. Lisboa: Texto Editores. SEPUP. Science Education for Public Understanding Program. Recuperado em 21 de Agosto de 2008, de http://www.lhs.berkeley.edu/SEPUP.21 -09-09 24

×