SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
1
Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS
Plano de Apoio Tutorial Específico
Introdução
De acordo com os Despachos Normativos n.º 1- F/2016 de 5 de abril, alínea g) do
artº32 e n.º 4-A/2016, de 16 de junho e artigo 12º do Despacho Normativo n.º 10-B/2018 a
implementação de tutorias visa o acompanhamento com vista à melhoria das aprendizagens e
ao desenvolvimento de competências pessoais e sociais dos alunos. O apoio tutorial específico
reporta-se a uma dinâmica colaborativa em que intervêm alunos, encarregados de educação,
docentes, educação especial/SAAF e outros elementos da comunidade educativa, com
diferentes graus de implicação, de forma a contribuir para a melhoria das aprendizagens e
para o desenvolvimento de competências pessoais e sociais dos alunos, atenuando, assim,
eventuais situações de insucesso, conflito e/ou abandono escolar.
Tendo em conta o contexto físico, cultural, social e escolar dos alunos que são propostos para
o Apoio Tutorial, alguns casos de difícil relacionamento interpessoal, desinteresse pelas
atividades escolares, falta de hábitos de trabalho, pouco sentido de responsabilidade,
desvalorização do papel da escola e baixas expetativas pessoais e profissionais, em termos
globais, o apoio tutorial específico visa diminuir os fatores de risco e incrementar os meios de
ajuda ao aluno nos domínios da aprendizagem e das condutas pessoal e social,
potencializando, assim, o sucesso escolar, o seu bem-estar e a sua integração/adaptação
harmoniosa na escola e na vida social e profissional futura.
Funcionamento Geral
Enquadramento Legal
O presente regulamento enquadra-se nas medidas de promoção do sucesso escolar
previstas pelo art.º 21.º do Dec. Lei n.º139/2012 e no apoio tutorial específico
regulado pelo Despacho Normativo n.º 4‐ A/2016, art.º 12º.
No ano letivo 2020/2021, o Apoio Tutorial Específico será alargado aos alunos do 2º e
3º Ciclos do Ensino Básico e do Ensino Secundário que não transitaram em 2019/2020.
Estes alunos terão direito a um tutor, a quem são atribuídas, sempre que possível, 4
horas semanais, acompanhando grupos de máximo de 10 alunos. Esta atuação
presume a realização de intervenção personalizada e continuada, a curto e médio
prazo, de forma a obter resultados satisfatórios até ao termo do ano letivo.
O acompanhamento dos alunos será realizado pelo professor tutor, em estreita ligação
com o respetivo Conselho de Turma, em articulação com o programa de mentorias.
2
Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS
A monitorização e avaliação do trabalho realizado no âmbito das tutorias é efetuado
pelo Conselho Pedagógico, devendo, para esse efeito, cada professor tutor proceder à
entrega de um relatório trimestral sobre as atividades desenvolvidas.
Conceitos
As tutorias consistem numa dinâmica colaborativa entre os diversos elementos da
comunidade escolar (alunos, professores e encarregados de educação), e com distintos
graus de implicação, no sentido de:
a) promover a resolução das dificuldades de aprendizagem dos alunos;
b) facilitar a integração dos alunos na escola e respetiva turma;
c) atenuar possíveis situações de conflito.
Princípios reguladores
A ação tutorial rege-se pelos seguintes princípios:
da implicação – estimular o envolvimento dos diversos agentes educativos (família,
comunidade e instituições que intervêm no processo educativo), com recurso à figura
do professor tutor, em parceria com o Diretor de Turma e com os Serviços de Apoio do
Agrupamento.
do co-protagonismo das partes – desempenhar um papel ativo e participativo do tutor
e tutorandos no desenvolvimento do processo.
da confiança – fomentar nos alunos um ambiente de confiança, no intuito de
incentivar a partilha e reflexão das suas dificuldades/problemas/conquistas.
da individualidade e confidencialidade – atender e respeitar as características
específicas de cada aluno, mantendo a sua confidencialidade, através de processos de
articulação entre o professor-tutor e os restantes agentes educativos.
da avaliação – o processo de ação tutorial deve ser avaliado continuamente e
sistematizado no final de cada período.
da capacitação – preparar os alunos para a sua própria auto-orientação e induzi-los,
de forma progressiva, a criarem uma atitude para a tomada de decisões fundamentais
e responsáveis sobre o presente e o futuro, quer na escola quer na vida social e
profissional.
3
Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS
Objetivos das tutorias
Objetivo geral
O objetivo geral das tutorias é promover a utilização de processos de autorregulação
dos alunos face às aprendizagens escolares no sentido de melhorar o seu desempenho
e competências pessoais, ou seja, promover o controlo de comportamentos no
decorrer de situações de aprendizagem de forma intencional e consciente. Nesse
sentido, de acordo com vários autores (Butler & Winne, 1995; Meltzer, 2007;
Puustinen & Pulkkinen, 2001;Winne, 1995; Zimmerman, 1989, 2001) estes processos
ocorrem através da definição ativa de objetivos, decisão sobre estratégias apropriadas,
planeamento do seu tempo, organização de materiais e informação, adoção de
abordagens flexíveis, monitorização da sua própria aprendizagem e fazer os ajustes
necessários em novas situações de aprendizagem.
Objetivos específicos
Os objetivos específicos das tutorias prendem-se com:
a) Atender a diferentes tipos de necessidades dos alunos que vão surgindo ao
longo do processo de escolaridade;
b) Facilitar a integração do aluno na comunidade educativa e contribuir para a
valorização da sua imagem perante si próprio e a comunidade escolar;
c) Favorecer a interação do aluno na turma e na escola;
d) Incentivar processos de sociabilidade;
e) Desenvolver competências de autorregulação do processo de aprendizagem.
Competências a desenvolver
O recurso a planos de tutorias pressupõe o desenvolvimento de competências por
parte do aluno, nomeadamente:
a) autoavaliação;
b) organização e transformação;
c) definição de objetivos e planeamento;
d) seleção de informação;
e) registo e monitorização;
4
Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS
f) estruturação do ambiente de aprendizagem;
g) competências pessoais;
h) treino e memorização;
i) averiguação e promoção de suporte social;
j) outras.
Plano de Ação Tutorial
As diretrizes gerais e os critérios de elaboração do Plano de Ação Tutorial (PAT) são
definidos pelo Conselho Pedagógico, no início do ano letivo.
Os professores-tutores procedem à sua elaboração, logo nos Conselhos de Turma
iniciais, bem como à sua divulgação e discussão em Conselho de Turma, devendo o
mesmo estar concluído, até à reunião intercalar do 1º Período.
O Coordenador dos Professores-Tutores, a designar de entre os professores tutores,
monitoriza a implementação, disponibilizando informação aos órgãos de gestão, no
final de cada um dos períodos.
O Plano de Ação Tutorial é um instrumento onde se clarificam:
- os critérios e procedimentos para a organização e funcionamento da Tutoria;
- as linhas de atuação que o tutor desenvolve com os alunos de cada grupo e
respetivas famílias;
- a equipa educativa implicada;
- as medidas para manter uma comunicação eficaz com as famílias, quer com vista ao
intercâmbio de informações sobre aspetos relevantes para melhorar o processo de
aprendizagem dos alunos, quer para orientá-los e promover a sua cooperação;
- as atividades a realizar semanalmente com o grupo de alunos e as previstas no
atendimento individual.
5
Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS
Procedimento e Plano de Ação Tutorial
De acordo com as necessidades da escola, compete ao diretor assegurar a criação de
grupos para apoio tutorial específico, cumprindo com o Despacho-Normativo n.º 4‐
A/2016, art.º 12º, identificando os alunos que apresentem duas ou mais retenções ao
longo do seu percurso escolar.
O Conselho ou Diretor de Turma, pode também propor alunos para apoio tutorial,
tendo em conta o perfil do aluno tutorado. Nessa proposta deverão ser enumerados,
de forma sucinta, as razões que fundamentam o pedido.
Cabe ao Diretor efetuar a gestão dos recursos humanos para aplicação da medida de
promoção do sucesso educativo, não obstante a primazia desta medida para os alunos
enquadráveis no nº 1 do artigo 12º citado.
O professo- tutor designado deverá então elaborar um Plano de Ação Tutorial (PAT),
para cada aluno, no prazo limite de 15 dias, onde devem estar definidos, de forma
simplificada:
a) Diagnóstico da situação do aluno;
b) Objetivos do PAT;
c) Intervenientes no PAT (equipa educativa, família, …);
d) Ações a desenvolver no âmbito do PAT;
e) Calendarização das ações;
f) Avaliação do PAT, a qual deverá incluir obrigatoriamente uma autoavaliação
do tutorado;
g) Outras informações que o tutor considere pertinentes.
O PAT poderá ser reformulado até à reunião do Conselho de Turma intercalar do 1º
Período.
A aplicação do PAT implica uma monitorização, acompanhamento e interação
permanente entre o professor-tutor e o Diretor de Turma.
Após a sua aprovação, o PAT será enviado ao grupo de tutoria e Diretor de Turma, pela
Direção do Agrupamento ou quem esta designar, que dará conhecimento ao Conselho
de Turma, pela forma que considerar mais expedita.
6
Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS
No final de cada período cada professor-tutor deverá elaborar um relatório sucinto do
acompanhamento e atividades realizadas com o aluno a ser remetido ao Conselho de
Turma.
No final do ano letivo deverá ser elaborado, pelo professor-tutor, um relatório global
da aplicação dos PAT, com o balanço final, o qual será remetido ao grupo de tutores e
Direção do Agrupamento.
Competências do grupo de tutores
Cabe ao responsável do grupo:
a) Divulgar, junto dos professores-tutores, toda a informação necessária ao
adequado desenvolvimento das suas competências;
b) Apoiar os professores tutores na elaboração dos PAT;
c) Monitorizar a aplicação dos PAT;
d) Apresentar à Direção uma avaliação final do trabalho desenvolvido.
Professor-Tutor
Perfil do professor-tutor
O professor-tutor consiste no profissional que conhecendo bem os Planos Curriculares
e as expetativas dos alunos e das suas famílias:
• promove as ações necessárias para concretizar os objetivos do plano tutorial
através do ajuste de posições e expetativas;
• está consciente da importância do perfil relacional, afetivo e comunicacional
para o exercício da função;
• compromete os alunos (disponibilidade para se tornar uma figura de
referência para o aluno);
• assume uma postura coerente, flexível e persistente;
• é capaz de negociar e mediar em diferentes situações e conflitos, trabalhar
em equipa e de proporcionar experiências enriquecedoras e gratificantes para os
alunos;
7
Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS
• tem facilidade em relacionar-se e promover pontes com os agentes da
comunidade educativa (incluindo alunos e respetivas famílias) através do Diretor de
Turma;
• é capaz de promover a participação dos alunos na definição de objetivos,
tornando-os mais responsáveis;
• fomenta um ensino participativo, de forma a desenvolver nos alunos o
sentimento de serem agentes da sua aprendizagem;
• cria um clima de interação em que os alunos se sintam livres para se
expressarem.
Funções do professor-tutor
O professor-tutor, de uma forma geral, é responsável por:
a) acompanhar o processo educativo de grupos específicos de alunos no
sentido do desenvolvimento de competências pessoais e sociais e de
acompanhamento no estudo dos alunos, de prevenção do abandono, indisciplina e
insucesso escolares;
b) desenvolver medidas de apoio aos alunos, mesmo que com eles não tenham
contacto letivo direto, designadamente o aconselhamento e a orientação no estudo e
nas tarefas escolares;
c) promover a articulação das atividades escolares dos alunos com outras
tarefas formativas, nomeadamente no âmbito da formação profissional e
profissionalizante.
Em termos específicos deverá:
1. Elaborar o Plano individual de Ação Tutorial;
2. Reunir nas horas atribuídas com os alunos que acompanha;
3. Acompanhar de forma individualizada o processo educativo de cada aluno do grupo
tutorial, de preferência ao longo do seu percurso escolar;
4. Facilitar a integração do aluno na turma e na escola fomentando a sua participação
nas diversas atividades;
5. Contribuir para o sucesso educativo e para a diminuição do abandono escolar,
conforme previsto no Projeto Educativo da Escola;
6. Aconselhar e orientar no estudo e nas tarefas escolares (ex. criação de hábitos de
estudo e de rotinas de trabalho);
8
Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS
7. Proporcionar ao aluno uma orientação educativa adequada a nível pessoal, escolar e
profissional, de acordo com as aptidões, necessidades e interesses que manifeste;
8. Promover um ambiente de aprendizagem que permita o desenvolvimento de
competências pessoais e sociais;
9. Envolver a família no processo educativo do aluno;
10. Transmitir aos docentes do Conselho de Turma, através do Diretor de Turma ou
diretamente, todas as informações sobre o aluno que lhes possam ser úteis no
exercício da função de docente;
11. Articular com os docentes do Conselho de Turma, através do Diretor de Turma ou
diretamente, para analisar as dificuldades e monitorizar o plano de ação;
12. Esclarecer os alunos sobre as suas possibilidades educativas e os percursos de
educação e formação disponíveis;
13. Esclarecer os alunos sobre o mundo laboral e os procedimentos de acesso ao
mesmo, promovendo atitudes de empreendedorismo;
14. Ensinar os alunos a expressarem-se, a definirem objetivos pessoais, a auto
avaliarem-se de forma realista e a serem capazes de valorizar e elogiar os outros;
15. Trabalhar de modo mais direto e personalizado com os alunos que manifestem um
baixo nível de auto estima ou dificuldade em atingirem os objetivos definidos;
16. Desenvolver a ação de tutoria, de forma articulada e cooperativa, com os
intervenientes no plano individual de ação tutorial (família, serviços especializados de
apoio educativo – Educação Especial, Serviço de Psicologia e Orientação e Serviço
Social);
17. Articular com o SAAF e os restantes tutores, na preparação de materiais e definição
de estratégias;
18. Elaborar relatórios de avaliação periódica da tutoria (um por período), a serem
entregues ao conselho de turma, e arquivamento no processo individual do aluno;
19. Elaborar o relatório global da sua ação tutorial (final de ano), a ser entregue ao
grupo de tutores e Direção.
O papel do Psicólogo Escolar
Conforme o Despacho Normativo n.º 4‐A/2016, art.º 12.º, o papel do Psicólogo Escolar
consiste em:
9
Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS
a) Prestar suporte técnico e metodológico ao programa;
b) Participar na monitorização e avaliação;
c) Colaborar na articulação com família e com as instâncias da comunidade;
d) Prestar apoio psicopedagógico a alunos;
e) Colaborar na formação.
O papel do Assistente Social
Decorrente das necessidades manifestadas aquando da elaboração do Contrato de
Autonomia do Agrupamento e da necessidade de uma Assistente Social, entende-se
que o seu papel, neste processo, consiste em:
a) Colaborar com os restantes docentes e técnicos implicados na tutoria,
prestando apoio técnico e metodológico;
b) Participar na monitorização e avaliação;
c) Colaborar na articulação com família e com as instâncias da comunidade;
d) Prestar apoio de cariz social a alunos;
e) Colaborar na formação.
Perfil do aluno tutorado
O tutorado é aquele aluno que apresenta um ou mais das seguintes problemáticas:
a) Absentismo/risco de abandono escolar;
b) Baixo rendimento escolar;
c) Falta de motivação;
d) Problemas de integração escolar;
e) Dificuldades de relacionamento com os diferentes membros da comunidade
escolar;
f) Dificuldades de comunicação;
g) Incumprimento de regras;
h) Problemas comportamentais;
10
Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS
i) Ambiente familiar desestruturado.
No ano letivo 2020/2021, o Apoio Tutorial Específico será alargado aos alunos dos 2º e
3º Ciclos do Ensino Básico e Ensino Secundário que não transitaram em 2019/2020. A
duração do acompanhamento tutorial ao aluno será determinada em função das
necessidades avaliadas pelo professor-tutor e pelo Conselho de Turma.
Funções dos tutorados:
Compete ao aluno acompanhado em tutoria:
a) Estar presente no local e hora combinada com o professor-tutor, para a
sessão de tutoria;
b) Participar nas sessões marcadas com o professor-tutor, contribuíndo para o
seu adequado desenvolvimento;
c) Realizar as tarefas propostas pelo tutor;
d) Cumprir eventuais acordos estabelecidos com o professor-tutor;
e) Contribuir para a elaboração do Plano de Ação Tutorial;
f) Nas situações de ausência, justificar a falta junto do professor-tutor, em
moldes similares aos utilizados para a justificação de faltas junto do Diretor de Turma.
Critérios de constituição dos grupos de apoio tutorial
Devem entender-se como critérios preferenciais, os seguintes:
a) ano ou ciclo de escolaridade;
b) tipos de dificuldades identificadas;
c) idade;
d) áreas de interesse
11
Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS
Documentos complementares
Para além do presente guião orientador, deve considerar-se, como documento
complementar ao mesmo, o seguinte documento:
a) Relatório de avaliação trimestral da ação tutorial.
Aprovado em Conselho Pedagógico a 31 de julho de 2020

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Regras do uso do dicionário
Regras do uso do dicionárioRegras do uso do dicionário
Regras do uso do dicionárioFilipa Guerreiro
 
Mapa conceitual do gênero notícia - 6º ano
Mapa conceitual do gênero notícia - 6º anoMapa conceitual do gênero notícia - 6º ano
Mapa conceitual do gênero notícia - 6º anoAnaMaria2404
 
Projeto reforço escolar
Projeto reforço escolarProjeto reforço escolar
Projeto reforço escolarCLEAN LOURENÇO
 
Arte - Lei Maria da Penha.pdf
Arte - Lei Maria da Penha.pdfArte - Lei Maria da Penha.pdf
Arte - Lei Maria da Penha.pdfMary Alvarenga
 
Avaliaçao 2 bimestre 5 ano - sobre Menino Maluquinho e Ziraldo -
Avaliaçao 2 bimestre 5 ano - sobre Menino Maluquinho e Ziraldo - Avaliaçao 2 bimestre 5 ano - sobre Menino Maluquinho e Ziraldo -
Avaliaçao 2 bimestre 5 ano - sobre Menino Maluquinho e Ziraldo - Renata Marani Dourado Marques
 
Proposta de atividade do conto terror oficia
Proposta de atividade do conto terror  oficiaProposta de atividade do conto terror  oficia
Proposta de atividade do conto terror oficiaJanete Garcia de Freitas
 
Livro o mundo da carochinha-fichas-de-matematica-2º-ano
Livro o mundo da carochinha-fichas-de-matematica-2º-anoLivro o mundo da carochinha-fichas-de-matematica-2º-ano
Livro o mundo da carochinha-fichas-de-matematica-2º-anoRosa Maria
 
Manual de 28 palavras
Manual de 28 palavrasManual de 28 palavras
Manual de 28 palavrassarafaleiro
 
Planejamento ii bimestre do 6º ano a e b.docx
Planejamento ii bimestre do 6º ano a e b.docxPlanejamento ii bimestre do 6º ano a e b.docx
Planejamento ii bimestre do 6º ano a e b.docxJosenito Silva Santana
 
Avaliação ciencias
Avaliação ciencias Avaliação ciencias
Avaliação ciencias Isa ...
 
III Atividade Avaliativa de História 4º e 5º ano pdf
III Atividade Avaliativa de História 4º e 5º ano pdfIII Atividade Avaliativa de História 4º e 5º ano pdf
III Atividade Avaliativa de História 4º e 5º ano pdfAndré Moraes
 
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...Isa ...
 
Acróstico - Dia Internacional da Mulher
Acróstico  - Dia Internacional da MulherAcróstico  - Dia Internacional da Mulher
Acróstico - Dia Internacional da MulherMary Alvarenga
 

Mais procurados (20)

Texto informativo 1
Texto informativo 1Texto informativo 1
Texto informativo 1
 
Dislexia atividades
Dislexia atividadesDislexia atividades
Dislexia atividades
 
Regras do uso do dicionário
Regras do uso do dicionárioRegras do uso do dicionário
Regras do uso do dicionário
 
Mapa conceitual do gênero notícia - 6º ano
Mapa conceitual do gênero notícia - 6º anoMapa conceitual do gênero notícia - 6º ano
Mapa conceitual do gênero notícia - 6º ano
 
Projeto reforço escolar
Projeto reforço escolarProjeto reforço escolar
Projeto reforço escolar
 
Arte - Lei Maria da Penha.pdf
Arte - Lei Maria da Penha.pdfArte - Lei Maria da Penha.pdf
Arte - Lei Maria da Penha.pdf
 
Avaliaçao 2 bimestre 5 ano - sobre Menino Maluquinho e Ziraldo -
Avaliaçao 2 bimestre 5 ano - sobre Menino Maluquinho e Ziraldo - Avaliaçao 2 bimestre 5 ano - sobre Menino Maluquinho e Ziraldo -
Avaliaçao 2 bimestre 5 ano - sobre Menino Maluquinho e Ziraldo -
 
Símbolos do Natal
Símbolos do NatalSímbolos do Natal
Símbolos do Natal
 
Proposta de atividade do conto terror oficia
Proposta de atividade do conto terror  oficiaProposta de atividade do conto terror  oficia
Proposta de atividade do conto terror oficia
 
Livro o mundo da carochinha-fichas-de-matematica-2º-ano
Livro o mundo da carochinha-fichas-de-matematica-2º-anoLivro o mundo da carochinha-fichas-de-matematica-2º-ano
Livro o mundo da carochinha-fichas-de-matematica-2º-ano
 
Manual de 28 palavras
Manual de 28 palavrasManual de 28 palavras
Manual de 28 palavras
 
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANOINTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
 
Texto " A amizade"
Texto " A amizade"Texto " A amizade"
Texto " A amizade"
 
Planejamento ii bimestre do 6º ano a e b.docx
Planejamento ii bimestre do 6º ano a e b.docxPlanejamento ii bimestre do 6º ano a e b.docx
Planejamento ii bimestre do 6º ano a e b.docx
 
Avaliação ciencias
Avaliação ciencias Avaliação ciencias
Avaliação ciencias
 
III Atividade Avaliativa de História 4º e 5º ano pdf
III Atividade Avaliativa de História 4º e 5º ano pdfIII Atividade Avaliativa de História 4º e 5º ano pdf
III Atividade Avaliativa de História 4º e 5º ano pdf
 
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...
 
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
Plano de ação pedagógica 2009   anandreiaPlano de ação pedagógica 2009   anandreia
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
 
Acróstico - Dia Internacional da Mulher
Acróstico  - Dia Internacional da MulherAcróstico  - Dia Internacional da Mulher
Acróstico - Dia Internacional da Mulher
 
Matriz de referência língua inglesa
Matriz de referência   língua inglesaMatriz de referência   língua inglesa
Matriz de referência língua inglesa
 

Semelhante a Apoio Tutorial Escolar

Síntese conselho de classe
Síntese conselho de classeSíntese conselho de classe
Síntese conselho de classevivianelima
 
Conselho de classe.pptx
Conselho de classe.pptxConselho de classe.pptx
Conselho de classe.pptxRAYSSAESTHER3
 
Regulação da Educação: medidas de combate ao insucesso escolar, Docente: Prof...
Regulação da Educação: medidas de combate ao insucesso escolar, Docente: Prof...Regulação da Educação: medidas de combate ao insucesso escolar, Docente: Prof...
Regulação da Educação: medidas de combate ao insucesso escolar, Docente: Prof...A. Rui Teixeira Santos
 
Medidas de combate ao insucesso escolar
Medidas de combate ao insucesso escolarMedidas de combate ao insucesso escolar
Medidas de combate ao insucesso escolarA. Rui Teixeira Santos
 
Regulamento Interno
Regulamento InternoRegulamento Interno
Regulamento Internob_ep
 
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docxCópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docxProfLeandrodosSantos
 
ROTEIRO - 8 Princípios Orientadores para a Implementação do Ensino a Distânci...
ROTEIRO - 8 Princípios Orientadores para a Implementação do Ensino a Distânci...ROTEIRO - 8 Princípios Orientadores para a Implementação do Ensino a Distânci...
ROTEIRO - 8 Princípios Orientadores para a Implementação do Ensino a Distânci...Carlos Ferreira
 
CADERNO DE TUTORIA.pdf
CADERNO DE TUTORIA.pdfCADERNO DE TUTORIA.pdf
CADERNO DE TUTORIA.pdfRubemXerfan1
 
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docxPrograma-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docxMaxLuisEspinosa
 
PPT_Orientação da diversificada 01.ppt
PPT_Orientação da diversificada 01.pptPPT_Orientação da diversificada 01.ppt
PPT_Orientação da diversificada 01.pptTati Borlote Varanda
 
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao PedagogicaAvaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao PedagogicaAgostinho NSilva
 
5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx
5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx
5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptxMatheusSimoesMasuoka1
 
Projecto curricular de turma uma perspectiva ...
Projecto curricular de turma   uma perspectiva ...Projecto curricular de turma   uma perspectiva ...
Projecto curricular de turma uma perspectiva ...Pedro França
 

Semelhante a Apoio Tutorial Escolar (20)

PlanodeacaodoCoordenador.pdf
PlanodeacaodoCoordenador.pdfPlanodeacaodoCoordenador.pdf
PlanodeacaodoCoordenador.pdf
 
3ciclo. (1)
3ciclo. (1)3ciclo. (1)
3ciclo. (1)
 
Síntese conselho de classe
Síntese conselho de classeSíntese conselho de classe
Síntese conselho de classe
 
Conselho de classe.pptx
Conselho de classe.pptxConselho de classe.pptx
Conselho de classe.pptx
 
Regulação da Educação: medidas de combate ao insucesso escolar, Docente: Prof...
Regulação da Educação: medidas de combate ao insucesso escolar, Docente: Prof...Regulação da Educação: medidas de combate ao insucesso escolar, Docente: Prof...
Regulação da Educação: medidas de combate ao insucesso escolar, Docente: Prof...
 
Medidas de combate ao insucesso escolar
Medidas de combate ao insucesso escolarMedidas de combate ao insucesso escolar
Medidas de combate ao insucesso escolar
 
Regulamento Interno
Regulamento InternoRegulamento Interno
Regulamento Interno
 
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docxCópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
 
TutorPDFonline
TutorPDFonlineTutorPDFonline
TutorPDFonline
 
ROTEIRO - 8 Princípios Orientadores para a Implementação do Ensino a Distânci...
ROTEIRO - 8 Princípios Orientadores para a Implementação do Ensino a Distânci...ROTEIRO - 8 Princípios Orientadores para a Implementação do Ensino a Distânci...
ROTEIRO - 8 Princípios Orientadores para a Implementação do Ensino a Distânci...
 
Proposta Pedagogica 2013
Proposta Pedagogica 2013Proposta Pedagogica 2013
Proposta Pedagogica 2013
 
CADERNO DE TUTORIA.pdf
CADERNO DE TUTORIA.pdfCADERNO DE TUTORIA.pdf
CADERNO DE TUTORIA.pdf
 
Conselho de classe
Conselho de classeConselho de classe
Conselho de classe
 
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docxPrograma-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
 
CARTILHA TUTORIA.pdf
CARTILHA TUTORIA.pdfCARTILHA TUTORIA.pdf
CARTILHA TUTORIA.pdf
 
PPT_Orientação da diversificada 01.ppt
PPT_Orientação da diversificada 01.pptPPT_Orientação da diversificada 01.ppt
PPT_Orientação da diversificada 01.ppt
 
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao PedagogicaAvaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
 
5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx
5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx
5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx
 
ROTEIRO 008 (1).pdf
ROTEIRO 008 (1).pdfROTEIRO 008 (1).pdf
ROTEIRO 008 (1).pdf
 
Projecto curricular de turma uma perspectiva ...
Projecto curricular de turma   uma perspectiva ...Projecto curricular de turma   uma perspectiva ...
Projecto curricular de turma uma perspectiva ...
 

Mais de Freiheit Ribeiro

cursos-reconhecidos-2022-02-03.pdf
cursos-reconhecidos-2022-02-03.pdfcursos-reconhecidos-2022-02-03.pdf
cursos-reconhecidos-2022-02-03.pdfFreiheit Ribeiro
 
37404565-Referencial-de-formacao-EFA-nivel-secundario.pdf
37404565-Referencial-de-formacao-EFA-nivel-secundario.pdf37404565-Referencial-de-formacao-EFA-nivel-secundario.pdf
37404565-Referencial-de-formacao-EFA-nivel-secundario.pdfFreiheit Ribeiro
 
Análise comparativa de duas teorias explicativas do conhecimento.docx
Análise comparativa de duas teorias explicativas do conhecimento.docxAnálise comparativa de duas teorias explicativas do conhecimento.docx
Análise comparativa de duas teorias explicativas do conhecimento.docxFreiheit Ribeiro
 
EXERCÍCIO DE AVALIAÇÃO SOBRE O DOCUMENTÁRIO DEUS CÉREBRO.docx
EXERCÍCIO DE AVALIAÇÃO SOBRE O DOCUMENTÁRIO DEUS CÉREBRO.docxEXERCÍCIO DE AVALIAÇÃO SOBRE O DOCUMENTÁRIO DEUS CÉREBRO.docx
EXERCÍCIO DE AVALIAÇÃO SOBRE O DOCUMENTÁRIO DEUS CÉREBRO.docxFreiheit Ribeiro
 
p211_senso_comum_ciencia.pptx
p211_senso_comum_ciencia.pptxp211_senso_comum_ciencia.pptx
p211_senso_comum_ciencia.pptxFreiheit Ribeiro
 
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptxLógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptxFreiheit Ribeiro
 
O que torna uma ação moralmente correta.pptx
O que torna uma ação moralmente correta.pptxO que torna uma ação moralmente correta.pptx
O que torna uma ação moralmente correta.pptxFreiheit Ribeiro
 
1.6.1.-roteiro_apoio-tutorial-especifico.pdf
1.6.1.-roteiro_apoio-tutorial-especifico.pdf1.6.1.-roteiro_apoio-tutorial-especifico.pdf
1.6.1.-roteiro_apoio-tutorial-especifico.pdfFreiheit Ribeiro
 
Uma das frases que se tornou num verdadeiro manifesto económico é aquela que ...
Uma das frases que se tornou num verdadeiro manifesto económico é aquela que ...Uma das frases que se tornou num verdadeiro manifesto económico é aquela que ...
Uma das frases que se tornou num verdadeiro manifesto económico é aquela que ...Freiheit Ribeiro
 

Mais de Freiheit Ribeiro (11)

cursos-reconhecidos-2022-02-03.pdf
cursos-reconhecidos-2022-02-03.pdfcursos-reconhecidos-2022-02-03.pdf
cursos-reconhecidos-2022-02-03.pdf
 
Conhecer-__vora.pdf
Conhecer-__vora.pdfConhecer-__vora.pdf
Conhecer-__vora.pdf
 
37404565-Referencial-de-formacao-EFA-nivel-secundario.pdf
37404565-Referencial-de-formacao-EFA-nivel-secundario.pdf37404565-Referencial-de-formacao-EFA-nivel-secundario.pdf
37404565-Referencial-de-formacao-EFA-nivel-secundario.pdf
 
Análise comparativa de duas teorias explicativas do conhecimento.docx
Análise comparativa de duas teorias explicativas do conhecimento.docxAnálise comparativa de duas teorias explicativas do conhecimento.docx
Análise comparativa de duas teorias explicativas do conhecimento.docx
 
EXERCÍCIO DE AVALIAÇÃO SOBRE O DOCUMENTÁRIO DEUS CÉREBRO.docx
EXERCÍCIO DE AVALIAÇÃO SOBRE O DOCUMENTÁRIO DEUS CÉREBRO.docxEXERCÍCIO DE AVALIAÇÃO SOBRE O DOCUMENTÁRIO DEUS CÉREBRO.docx
EXERCÍCIO DE AVALIAÇÃO SOBRE O DOCUMENTÁRIO DEUS CÉREBRO.docx
 
p211_senso_comum_ciencia.pptx
p211_senso_comum_ciencia.pptxp211_senso_comum_ciencia.pptx
p211_senso_comum_ciencia.pptx
 
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptxLógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
 
O que torna uma ação moralmente correta.pptx
O que torna uma ação moralmente correta.pptxO que torna uma ação moralmente correta.pptx
O que torna uma ação moralmente correta.pptx
 
1.6.1.-roteiro_apoio-tutorial-especifico.pdf
1.6.1.-roteiro_apoio-tutorial-especifico.pdf1.6.1.-roteiro_apoio-tutorial-especifico.pdf
1.6.1.-roteiro_apoio-tutorial-especifico.pdf
 
Uma das frases que se tornou num verdadeiro manifesto económico é aquela que ...
Uma das frases que se tornou num verdadeiro manifesto económico é aquela que ...Uma das frases que se tornou num verdadeiro manifesto económico é aquela que ...
Uma das frases que se tornou num verdadeiro manifesto económico é aquela que ...
 
PLAN_FIL_11.pdf
PLAN_FIL_11.pdfPLAN_FIL_11.pdf
PLAN_FIL_11.pdf
 

Último

Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 

Último (20)

Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 

Apoio Tutorial Escolar

  • 1. 1 Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS Plano de Apoio Tutorial Específico Introdução De acordo com os Despachos Normativos n.º 1- F/2016 de 5 de abril, alínea g) do artº32 e n.º 4-A/2016, de 16 de junho e artigo 12º do Despacho Normativo n.º 10-B/2018 a implementação de tutorias visa o acompanhamento com vista à melhoria das aprendizagens e ao desenvolvimento de competências pessoais e sociais dos alunos. O apoio tutorial específico reporta-se a uma dinâmica colaborativa em que intervêm alunos, encarregados de educação, docentes, educação especial/SAAF e outros elementos da comunidade educativa, com diferentes graus de implicação, de forma a contribuir para a melhoria das aprendizagens e para o desenvolvimento de competências pessoais e sociais dos alunos, atenuando, assim, eventuais situações de insucesso, conflito e/ou abandono escolar. Tendo em conta o contexto físico, cultural, social e escolar dos alunos que são propostos para o Apoio Tutorial, alguns casos de difícil relacionamento interpessoal, desinteresse pelas atividades escolares, falta de hábitos de trabalho, pouco sentido de responsabilidade, desvalorização do papel da escola e baixas expetativas pessoais e profissionais, em termos globais, o apoio tutorial específico visa diminuir os fatores de risco e incrementar os meios de ajuda ao aluno nos domínios da aprendizagem e das condutas pessoal e social, potencializando, assim, o sucesso escolar, o seu bem-estar e a sua integração/adaptação harmoniosa na escola e na vida social e profissional futura. Funcionamento Geral Enquadramento Legal O presente regulamento enquadra-se nas medidas de promoção do sucesso escolar previstas pelo art.º 21.º do Dec. Lei n.º139/2012 e no apoio tutorial específico regulado pelo Despacho Normativo n.º 4‐ A/2016, art.º 12º. No ano letivo 2020/2021, o Apoio Tutorial Específico será alargado aos alunos do 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico e do Ensino Secundário que não transitaram em 2019/2020. Estes alunos terão direito a um tutor, a quem são atribuídas, sempre que possível, 4 horas semanais, acompanhando grupos de máximo de 10 alunos. Esta atuação presume a realização de intervenção personalizada e continuada, a curto e médio prazo, de forma a obter resultados satisfatórios até ao termo do ano letivo. O acompanhamento dos alunos será realizado pelo professor tutor, em estreita ligação com o respetivo Conselho de Turma, em articulação com o programa de mentorias.
  • 2. 2 Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS A monitorização e avaliação do trabalho realizado no âmbito das tutorias é efetuado pelo Conselho Pedagógico, devendo, para esse efeito, cada professor tutor proceder à entrega de um relatório trimestral sobre as atividades desenvolvidas. Conceitos As tutorias consistem numa dinâmica colaborativa entre os diversos elementos da comunidade escolar (alunos, professores e encarregados de educação), e com distintos graus de implicação, no sentido de: a) promover a resolução das dificuldades de aprendizagem dos alunos; b) facilitar a integração dos alunos na escola e respetiva turma; c) atenuar possíveis situações de conflito. Princípios reguladores A ação tutorial rege-se pelos seguintes princípios: da implicação – estimular o envolvimento dos diversos agentes educativos (família, comunidade e instituições que intervêm no processo educativo), com recurso à figura do professor tutor, em parceria com o Diretor de Turma e com os Serviços de Apoio do Agrupamento. do co-protagonismo das partes – desempenhar um papel ativo e participativo do tutor e tutorandos no desenvolvimento do processo. da confiança – fomentar nos alunos um ambiente de confiança, no intuito de incentivar a partilha e reflexão das suas dificuldades/problemas/conquistas. da individualidade e confidencialidade – atender e respeitar as características específicas de cada aluno, mantendo a sua confidencialidade, através de processos de articulação entre o professor-tutor e os restantes agentes educativos. da avaliação – o processo de ação tutorial deve ser avaliado continuamente e sistematizado no final de cada período. da capacitação – preparar os alunos para a sua própria auto-orientação e induzi-los, de forma progressiva, a criarem uma atitude para a tomada de decisões fundamentais e responsáveis sobre o presente e o futuro, quer na escola quer na vida social e profissional.
  • 3. 3 Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS Objetivos das tutorias Objetivo geral O objetivo geral das tutorias é promover a utilização de processos de autorregulação dos alunos face às aprendizagens escolares no sentido de melhorar o seu desempenho e competências pessoais, ou seja, promover o controlo de comportamentos no decorrer de situações de aprendizagem de forma intencional e consciente. Nesse sentido, de acordo com vários autores (Butler & Winne, 1995; Meltzer, 2007; Puustinen & Pulkkinen, 2001;Winne, 1995; Zimmerman, 1989, 2001) estes processos ocorrem através da definição ativa de objetivos, decisão sobre estratégias apropriadas, planeamento do seu tempo, organização de materiais e informação, adoção de abordagens flexíveis, monitorização da sua própria aprendizagem e fazer os ajustes necessários em novas situações de aprendizagem. Objetivos específicos Os objetivos específicos das tutorias prendem-se com: a) Atender a diferentes tipos de necessidades dos alunos que vão surgindo ao longo do processo de escolaridade; b) Facilitar a integração do aluno na comunidade educativa e contribuir para a valorização da sua imagem perante si próprio e a comunidade escolar; c) Favorecer a interação do aluno na turma e na escola; d) Incentivar processos de sociabilidade; e) Desenvolver competências de autorregulação do processo de aprendizagem. Competências a desenvolver O recurso a planos de tutorias pressupõe o desenvolvimento de competências por parte do aluno, nomeadamente: a) autoavaliação; b) organização e transformação; c) definição de objetivos e planeamento; d) seleção de informação; e) registo e monitorização;
  • 4. 4 Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS f) estruturação do ambiente de aprendizagem; g) competências pessoais; h) treino e memorização; i) averiguação e promoção de suporte social; j) outras. Plano de Ação Tutorial As diretrizes gerais e os critérios de elaboração do Plano de Ação Tutorial (PAT) são definidos pelo Conselho Pedagógico, no início do ano letivo. Os professores-tutores procedem à sua elaboração, logo nos Conselhos de Turma iniciais, bem como à sua divulgação e discussão em Conselho de Turma, devendo o mesmo estar concluído, até à reunião intercalar do 1º Período. O Coordenador dos Professores-Tutores, a designar de entre os professores tutores, monitoriza a implementação, disponibilizando informação aos órgãos de gestão, no final de cada um dos períodos. O Plano de Ação Tutorial é um instrumento onde se clarificam: - os critérios e procedimentos para a organização e funcionamento da Tutoria; - as linhas de atuação que o tutor desenvolve com os alunos de cada grupo e respetivas famílias; - a equipa educativa implicada; - as medidas para manter uma comunicação eficaz com as famílias, quer com vista ao intercâmbio de informações sobre aspetos relevantes para melhorar o processo de aprendizagem dos alunos, quer para orientá-los e promover a sua cooperação; - as atividades a realizar semanalmente com o grupo de alunos e as previstas no atendimento individual.
  • 5. 5 Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS Procedimento e Plano de Ação Tutorial De acordo com as necessidades da escola, compete ao diretor assegurar a criação de grupos para apoio tutorial específico, cumprindo com o Despacho-Normativo n.º 4‐ A/2016, art.º 12º, identificando os alunos que apresentem duas ou mais retenções ao longo do seu percurso escolar. O Conselho ou Diretor de Turma, pode também propor alunos para apoio tutorial, tendo em conta o perfil do aluno tutorado. Nessa proposta deverão ser enumerados, de forma sucinta, as razões que fundamentam o pedido. Cabe ao Diretor efetuar a gestão dos recursos humanos para aplicação da medida de promoção do sucesso educativo, não obstante a primazia desta medida para os alunos enquadráveis no nº 1 do artigo 12º citado. O professo- tutor designado deverá então elaborar um Plano de Ação Tutorial (PAT), para cada aluno, no prazo limite de 15 dias, onde devem estar definidos, de forma simplificada: a) Diagnóstico da situação do aluno; b) Objetivos do PAT; c) Intervenientes no PAT (equipa educativa, família, …); d) Ações a desenvolver no âmbito do PAT; e) Calendarização das ações; f) Avaliação do PAT, a qual deverá incluir obrigatoriamente uma autoavaliação do tutorado; g) Outras informações que o tutor considere pertinentes. O PAT poderá ser reformulado até à reunião do Conselho de Turma intercalar do 1º Período. A aplicação do PAT implica uma monitorização, acompanhamento e interação permanente entre o professor-tutor e o Diretor de Turma. Após a sua aprovação, o PAT será enviado ao grupo de tutoria e Diretor de Turma, pela Direção do Agrupamento ou quem esta designar, que dará conhecimento ao Conselho de Turma, pela forma que considerar mais expedita.
  • 6. 6 Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS No final de cada período cada professor-tutor deverá elaborar um relatório sucinto do acompanhamento e atividades realizadas com o aluno a ser remetido ao Conselho de Turma. No final do ano letivo deverá ser elaborado, pelo professor-tutor, um relatório global da aplicação dos PAT, com o balanço final, o qual será remetido ao grupo de tutores e Direção do Agrupamento. Competências do grupo de tutores Cabe ao responsável do grupo: a) Divulgar, junto dos professores-tutores, toda a informação necessária ao adequado desenvolvimento das suas competências; b) Apoiar os professores tutores na elaboração dos PAT; c) Monitorizar a aplicação dos PAT; d) Apresentar à Direção uma avaliação final do trabalho desenvolvido. Professor-Tutor Perfil do professor-tutor O professor-tutor consiste no profissional que conhecendo bem os Planos Curriculares e as expetativas dos alunos e das suas famílias: • promove as ações necessárias para concretizar os objetivos do plano tutorial através do ajuste de posições e expetativas; • está consciente da importância do perfil relacional, afetivo e comunicacional para o exercício da função; • compromete os alunos (disponibilidade para se tornar uma figura de referência para o aluno); • assume uma postura coerente, flexível e persistente; • é capaz de negociar e mediar em diferentes situações e conflitos, trabalhar em equipa e de proporcionar experiências enriquecedoras e gratificantes para os alunos;
  • 7. 7 Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS • tem facilidade em relacionar-se e promover pontes com os agentes da comunidade educativa (incluindo alunos e respetivas famílias) através do Diretor de Turma; • é capaz de promover a participação dos alunos na definição de objetivos, tornando-os mais responsáveis; • fomenta um ensino participativo, de forma a desenvolver nos alunos o sentimento de serem agentes da sua aprendizagem; • cria um clima de interação em que os alunos se sintam livres para se expressarem. Funções do professor-tutor O professor-tutor, de uma forma geral, é responsável por: a) acompanhar o processo educativo de grupos específicos de alunos no sentido do desenvolvimento de competências pessoais e sociais e de acompanhamento no estudo dos alunos, de prevenção do abandono, indisciplina e insucesso escolares; b) desenvolver medidas de apoio aos alunos, mesmo que com eles não tenham contacto letivo direto, designadamente o aconselhamento e a orientação no estudo e nas tarefas escolares; c) promover a articulação das atividades escolares dos alunos com outras tarefas formativas, nomeadamente no âmbito da formação profissional e profissionalizante. Em termos específicos deverá: 1. Elaborar o Plano individual de Ação Tutorial; 2. Reunir nas horas atribuídas com os alunos que acompanha; 3. Acompanhar de forma individualizada o processo educativo de cada aluno do grupo tutorial, de preferência ao longo do seu percurso escolar; 4. Facilitar a integração do aluno na turma e na escola fomentando a sua participação nas diversas atividades; 5. Contribuir para o sucesso educativo e para a diminuição do abandono escolar, conforme previsto no Projeto Educativo da Escola; 6. Aconselhar e orientar no estudo e nas tarefas escolares (ex. criação de hábitos de estudo e de rotinas de trabalho);
  • 8. 8 Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS 7. Proporcionar ao aluno uma orientação educativa adequada a nível pessoal, escolar e profissional, de acordo com as aptidões, necessidades e interesses que manifeste; 8. Promover um ambiente de aprendizagem que permita o desenvolvimento de competências pessoais e sociais; 9. Envolver a família no processo educativo do aluno; 10. Transmitir aos docentes do Conselho de Turma, através do Diretor de Turma ou diretamente, todas as informações sobre o aluno que lhes possam ser úteis no exercício da função de docente; 11. Articular com os docentes do Conselho de Turma, através do Diretor de Turma ou diretamente, para analisar as dificuldades e monitorizar o plano de ação; 12. Esclarecer os alunos sobre as suas possibilidades educativas e os percursos de educação e formação disponíveis; 13. Esclarecer os alunos sobre o mundo laboral e os procedimentos de acesso ao mesmo, promovendo atitudes de empreendedorismo; 14. Ensinar os alunos a expressarem-se, a definirem objetivos pessoais, a auto avaliarem-se de forma realista e a serem capazes de valorizar e elogiar os outros; 15. Trabalhar de modo mais direto e personalizado com os alunos que manifestem um baixo nível de auto estima ou dificuldade em atingirem os objetivos definidos; 16. Desenvolver a ação de tutoria, de forma articulada e cooperativa, com os intervenientes no plano individual de ação tutorial (família, serviços especializados de apoio educativo – Educação Especial, Serviço de Psicologia e Orientação e Serviço Social); 17. Articular com o SAAF e os restantes tutores, na preparação de materiais e definição de estratégias; 18. Elaborar relatórios de avaliação periódica da tutoria (um por período), a serem entregues ao conselho de turma, e arquivamento no processo individual do aluno; 19. Elaborar o relatório global da sua ação tutorial (final de ano), a ser entregue ao grupo de tutores e Direção. O papel do Psicólogo Escolar Conforme o Despacho Normativo n.º 4‐A/2016, art.º 12.º, o papel do Psicólogo Escolar consiste em:
  • 9. 9 Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS a) Prestar suporte técnico e metodológico ao programa; b) Participar na monitorização e avaliação; c) Colaborar na articulação com família e com as instâncias da comunidade; d) Prestar apoio psicopedagógico a alunos; e) Colaborar na formação. O papel do Assistente Social Decorrente das necessidades manifestadas aquando da elaboração do Contrato de Autonomia do Agrupamento e da necessidade de uma Assistente Social, entende-se que o seu papel, neste processo, consiste em: a) Colaborar com os restantes docentes e técnicos implicados na tutoria, prestando apoio técnico e metodológico; b) Participar na monitorização e avaliação; c) Colaborar na articulação com família e com as instâncias da comunidade; d) Prestar apoio de cariz social a alunos; e) Colaborar na formação. Perfil do aluno tutorado O tutorado é aquele aluno que apresenta um ou mais das seguintes problemáticas: a) Absentismo/risco de abandono escolar; b) Baixo rendimento escolar; c) Falta de motivação; d) Problemas de integração escolar; e) Dificuldades de relacionamento com os diferentes membros da comunidade escolar; f) Dificuldades de comunicação; g) Incumprimento de regras; h) Problemas comportamentais;
  • 10. 10 Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS i) Ambiente familiar desestruturado. No ano letivo 2020/2021, o Apoio Tutorial Específico será alargado aos alunos dos 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico e Ensino Secundário que não transitaram em 2019/2020. A duração do acompanhamento tutorial ao aluno será determinada em função das necessidades avaliadas pelo professor-tutor e pelo Conselho de Turma. Funções dos tutorados: Compete ao aluno acompanhado em tutoria: a) Estar presente no local e hora combinada com o professor-tutor, para a sessão de tutoria; b) Participar nas sessões marcadas com o professor-tutor, contribuíndo para o seu adequado desenvolvimento; c) Realizar as tarefas propostas pelo tutor; d) Cumprir eventuais acordos estabelecidos com o professor-tutor; e) Contribuir para a elaboração do Plano de Ação Tutorial; f) Nas situações de ausência, justificar a falta junto do professor-tutor, em moldes similares aos utilizados para a justificação de faltas junto do Diretor de Turma. Critérios de constituição dos grupos de apoio tutorial Devem entender-se como critérios preferenciais, os seguintes: a) ano ou ciclo de escolaridade; b) tipos de dificuldades identificadas; c) idade; d) áreas de interesse
  • 11. 11 Apoio Tutorial | LINHAS ORIENTADORAS Documentos complementares Para além do presente guião orientador, deve considerar-se, como documento complementar ao mesmo, o seguinte documento: a) Relatório de avaliação trimestral da ação tutorial. Aprovado em Conselho Pedagógico a 31 de julho de 2020