SlideShare uma empresa Scribd logo
Gestão dos Resíduos
Gestão da Água
Ciências Naturais
3ºCiclo
Resíduos - São substâncias, produtos ou objetos que foram
utilizados ou consumidos e já não são necessários. Vulgarmente,
são designados por lixo.
2/8
Resíduos sólidos urbanos (RSU) - São os lixos domésticos ou
outros resíduos semelhantes, produzidos nas casas,
restaurantes, cafés, escritórios e outros estabelecimentos.
São, geralmente, constituídos por restos de alimentos,
embalagens, papéis, cartões, vidros, plásticos e metais.
3/8
Plásticos
9,9
%
1,9
%
Metais
Papel e cartão
13
%
28,9
%
Outros
Vidro
5,8
%
40,5
%
Matéria
orgânica
4/8
5/8
Resíduos industriais (RI) - São os lixos produzidos pela
indústria, resultantes da exploração, transformação e utilização
de recursos naturais.
6/8
Resíduos hospitalares (RH) - São os lixos produzidos pelos
hospitais, clínicas, centros de saúde e laboratórios, resultantes
do diagnóstico e tratamento de seres humanos ou animais.
7/8
Resíduos agrícolas - São os lixos resultantes das atividades
agrícolas, pecuárias e florestais.
8/8
Mais favorável Menos favorável
1.o 2.o 3.o 4.o 5.o
Redução Reutilização Reciclagem Valorização
energética
Eliminação
Gestão sustentável dos resíduos – Conjunto de regras e de
práticas de recolha, transporte, tratamento, valorização e
eliminação de resíduos, sendo estes encarados como recursos
com valor.
2/11
Para tratar, valorizar e eliminar os resíduos existem sistemas
multimunicipais que podem incluir estações de triagem, centros de
valorização orgânica (compostagem), centros de valorização
energética (incineração) e aterros sanitários .
3/11
Cada cidadão deve fazer uma separação seletiva dos resíduos
que produziu, não colocando no lixo comum, os papéis, os vidros,
os plásticos, os metais e as pilhas. Estes RSU podem ser
colocados para reciclar, no ecoponto ou no ecocentro.
Ecoponto Ecocentro
4/11
Reciclagem – Processo que se
baseia no aproveitamento de certos
materiais, que serão utilizados como
matérias-primas para produzir novos
produtos.
Embalagens de plástico, metal e
embalagens de cartão para
bebidas
Embalagens de vidro
Papel e cartão
5/11
6/11
Fossa de receção
Forno de incineração
Caldeira
Turbina Gerador
Filtro
Água
suja
Linha elétrica
Saída
de gases
Resíduos
para aterro
7/11
Se os resíduos não são recicláveis, procura-se a sua valorização energética.
Resíduos sólidos
Aquífero
Camada de drenagem
Gravilha
Revestimento plástico
Camada de argila
Controlo da
qualidade das águas
subterrâneas
Recolha
de biogás
Aproveitamento
energético
de biogás
Tratamento de águas
Recolha
de águas
9/11
Os aterros sanitários são espaços de deposição controlada de
resíduos, garantindo-se a proteção do solo, dos aquíferos
subterrâneos e a monitorização ambiental do seu funcionamento.
10/11
Ação
• Sensibilizar para reduzir a quantidade de sacos usados para
transportar compras dos hipermercados.
• Incentivar a reciclagem de vidro nas escolas e em cafés e
restaurantes.
• Promover a utilização de documentos em formato digital, em vez de
fotocópias, e reutilizar as folhas de papel.
• Organizar uma feira de trocas de objetos e roupas usadas.
• Organizar uma recolha de brinquedos usados para doação a creches
e jardins de infância.
11/11
CienTIC 8 Ciências Naturais - 8.o ano 2/8
Q4
É necessário um uso eficiente da água
porque:
a) é um recurso limitado;
b) é vital para a saúde dos ecossistemas
e para a qualidade de vida dos
cidadãos;
c) os desperdícios de água acarretam
custos elevados para o país.
CienTIC 8 Ciências Naturais - 8.o ano 3/8
Portugal possui um plano especial (PNUEA) para a utilização
sustentável da água, procurando-se garantir que os recursos
hídricos satisfaçam as necessidades das gerações futuras.
Q4
PNUEA – Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água
CienTIC 8 Ciências Naturais - 8.o ano 4/8
As atividades agrícolas, industriais e
urbanas originam águas poluídas, os
esgotos, que podem ser tratadas
numa estação de tratamento de
águas residuais (ETAR).
Q4
Águas residuais, dos
esgotos, atravessam
várias grades para
remoção de lixos sólidos.
Remoção de areias,
óleos e gorduras.
5/8
Oxigenação da água para
que os micróbios
decomponham a matéria
orgânica.
Remoção de partículas
sólidas e gorduras em
suspensão, obtendo-se
lamas.
6/8
Filtragem e desinfeção
da água com radiação
ultravioleta.
Saída das águas tratadas
para o ambiente.
7/8
Ação
• Reduzir o consumo de água nos banhos, autoclismos, lavagens e
regas, pois menos água gasta significa menos água poluída.
• Reutilizar a água sempre que possível e combater o desperdício.
• Diminuir a quantidade de detergentes utilizados e ter a certeza de
que são biodegradáveis.
• Não verter, para o esgoto ou para os cursos de água, óleos,
medicamentos, pesticidas ou produtos cujos efeitos no ambiente
desconheças.
• Não deitar lixo nas sanitas, o que, além de poluir a água, vai obrigar
a mais descargas do autoclismo, desperdiçando água potável e
aumentando o volume de esgotos para tratamento na ETAR.
8/8

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reuso da água
Reuso da águaReuso da água
Reuso da água
Patrícia Ventura
 
Manual para captacao de agua da chuva
Manual para captacao de agua da chuvaManual para captacao de agua da chuva
Manual para captacao de agua da chuva
FAIR PLAY AD / @VeronicaRRSouza
 
Manual para captação emergencial e uso doméstico de água da chuva
Manual para captação emergencial e uso doméstico de água da chuvaManual para captação emergencial e uso doméstico de água da chuva
Manual para captação emergencial e uso doméstico de água da chuva
Marlon Drygalla
 
Trabalho de quimica
Trabalho de quimicaTrabalho de quimica
Trabalho de quimica
Dayane Almeida
 
Os residuos e o seu tratamento
Os residuos e o seu tratamentoOs residuos e o seu tratamento
Os residuos e o seu tratamento
joanadesousaesilva
 
Reuso da agua
Reuso da aguaReuso da agua
Reuso da agua
Luana Barros
 
Aproveitando a água da chuva
Aproveitando a água da chuvaAproveitando a água da chuva
Aproveitando a água da chuva
vilmaacd
 
Tratamento De áGuas Residuais
Tratamento De áGuas ResiduaisTratamento De áGuas Residuais
Tratamento De áGuas Residuais
guest3c1e728
 
Resíduos
ResíduosResíduos
Resíduos
Tânia Reis
 
Gestão de resíduos e da água
Gestão de resíduos e da águaGestão de resíduos e da água
Gestão de resíduos e da água
Leonardo Alves
 
Resíduos area de projecto
Resíduos area de projectoResíduos area de projecto
Resíduos area de projecto
AnaRitaparrinha
 
Resíduos area de projecto
Resíduos area de projectoResíduos area de projecto
Resíduos area de projecto
AnaRitaparrinha
 
Tratamento de resíduos
Tratamento de resíduosTratamento de resíduos
Tratamento de resíduos
Maria Manuela Torres Paredes
 
Ppt 1 ResíDuos Aterro SanitáRio
Ppt 1   ResíDuos    Aterro SanitáRioPpt 1   ResíDuos    Aterro SanitáRio
Ppt 1 ResíDuos Aterro SanitáRio
Nuno Correia
 
Projeto de compostagem santa rita (grupo turma 2013.2)
Projeto de compostagem   santa rita (grupo turma 2013.2)Projeto de compostagem   santa rita (grupo turma 2013.2)
Projeto de compostagem santa rita (grupo turma 2013.2)
Camila Tavora
 
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
João Boos Boos
 
Armazenamento e tratamento de residuos sólidos parte1
Armazenamento e tratamento de residuos sólidos   parte1Armazenamento e tratamento de residuos sólidos   parte1
Armazenamento e tratamento de residuos sólidos parte1
Gilson Adao
 
Renova etar e reciclagem (francisco)
Renova   etar e reciclagem (francisco)Renova   etar e reciclagem (francisco)
Renova etar e reciclagem (francisco)
francisogam
 
Tratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básicoTratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básico
Luan Furtado
 
Protecção e conservação da natureza
Protecção e conservação da naturezaProtecção e conservação da natureza
Protecção e conservação da natureza
Cristina Vitória
 

Mais procurados (20)

Reuso da água
Reuso da águaReuso da água
Reuso da água
 
Manual para captacao de agua da chuva
Manual para captacao de agua da chuvaManual para captacao de agua da chuva
Manual para captacao de agua da chuva
 
Manual para captação emergencial e uso doméstico de água da chuva
Manual para captação emergencial e uso doméstico de água da chuvaManual para captação emergencial e uso doméstico de água da chuva
Manual para captação emergencial e uso doméstico de água da chuva
 
Trabalho de quimica
Trabalho de quimicaTrabalho de quimica
Trabalho de quimica
 
Os residuos e o seu tratamento
Os residuos e o seu tratamentoOs residuos e o seu tratamento
Os residuos e o seu tratamento
 
Reuso da agua
Reuso da aguaReuso da agua
Reuso da agua
 
Aproveitando a água da chuva
Aproveitando a água da chuvaAproveitando a água da chuva
Aproveitando a água da chuva
 
Tratamento De áGuas Residuais
Tratamento De áGuas ResiduaisTratamento De áGuas Residuais
Tratamento De áGuas Residuais
 
Resíduos
ResíduosResíduos
Resíduos
 
Gestão de resíduos e da água
Gestão de resíduos e da águaGestão de resíduos e da água
Gestão de resíduos e da água
 
Resíduos area de projecto
Resíduos area de projectoResíduos area de projecto
Resíduos area de projecto
 
Resíduos area de projecto
Resíduos area de projectoResíduos area de projecto
Resíduos area de projecto
 
Tratamento de resíduos
Tratamento de resíduosTratamento de resíduos
Tratamento de resíduos
 
Ppt 1 ResíDuos Aterro SanitáRio
Ppt 1   ResíDuos    Aterro SanitáRioPpt 1   ResíDuos    Aterro SanitáRio
Ppt 1 ResíDuos Aterro SanitáRio
 
Projeto de compostagem santa rita (grupo turma 2013.2)
Projeto de compostagem   santa rita (grupo turma 2013.2)Projeto de compostagem   santa rita (grupo turma 2013.2)
Projeto de compostagem santa rita (grupo turma 2013.2)
 
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
 
Armazenamento e tratamento de residuos sólidos parte1
Armazenamento e tratamento de residuos sólidos   parte1Armazenamento e tratamento de residuos sólidos   parte1
Armazenamento e tratamento de residuos sólidos parte1
 
Renova etar e reciclagem (francisco)
Renova   etar e reciclagem (francisco)Renova   etar e reciclagem (francisco)
Renova etar e reciclagem (francisco)
 
Tratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básicoTratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básico
 
Protecção e conservação da natureza
Protecção e conservação da naturezaProtecção e conservação da natureza
Protecção e conservação da natureza
 

Semelhante a 11 gestao residuos e agua1

DDSCOLETASELETIVA.pptx
DDSCOLETASELETIVA.pptxDDSCOLETASELETIVA.pptx
DDSCOLETASELETIVA.pptx
CarlosFigueiredo89171
 
DDSCOLETASELETIVA.pptx
DDSCOLETASELETIVA.pptxDDSCOLETASELETIVA.pptx
DDSCOLETASELETIVA.pptx
Carlos Demétrius Rolim Figueiredo
 
Como e porquê separar o lixo
Como e porquê separar o lixoComo e porquê separar o lixo
Como e porquê separar o lixo
Servix Prestadora de Serviços
 
ResíDuos SóLidos Urbanos Rsu Sm
ResíDuos SóLidos Urbanos  Rsu SmResíDuos SóLidos Urbanos  Rsu Sm
ResíDuos SóLidos Urbanos Rsu Sm
guest3c1e728
 
Coleta seletiva etss segurança do trabalho
Coleta seletiva etss segurança do trabalhoColeta seletiva etss segurança do trabalho
Coleta seletiva etss segurança do trabalho
TatianaDiniz21
 
Trabalho de Grupo sobre a Reciclagem
Trabalho de Grupo sobre a ReciclagemTrabalho de Grupo sobre a Reciclagem
Trabalho de Grupo sobre a Reciclagem
celiamagalhaes
 
Disposição e tratamentos de residuos sólidos
Disposição e tratamentos de residuos sólidos Disposição e tratamentos de residuos sólidos
Disposição e tratamentos de residuos sólidos
Luiz Carlos
 
Sq2010 mc3 1
Sq2010 mc3 1Sq2010 mc3 1
Sq2010 mc3 1
raphabmg
 
Projeto valores sustentabilidade
Projeto valores sustentabilidadeProjeto valores sustentabilidade
Projeto valores sustentabilidade
Delziene Jesus
 
Coleta seletiva
Coleta seletivaColeta seletiva
Coleta seletiva
girigau
 
Reciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidadeReciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidade
eercavalcanti
 
Reciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidadeReciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidade
eercavalcanti
 
Compostagem Doméstica com minhocas
Compostagem Doméstica com minhocasCompostagem Doméstica com minhocas
Compostagem Doméstica com minhocas
Alexandre Panerai
 
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZACN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
Luís Ferreira
 
B2 C Logistica Reversa
B2 C Logistica ReversaB2 C Logistica Reversa
B2 C Logistica Reversa
clubedalogistica4
 
B2 C Logistica Reversa
B2 C Logistica ReversaB2 C Logistica Reversa
B2 C Logistica Reversa
clubedalogistica4
 
Coletaseletiva
ColetaseletivaColetaseletiva
Coletaseletiva
8-anaclaudia
 
Ajude a reciclar
Ajude a reciclarAjude a reciclar
Ajude a reciclar
Suzy Santana
 
Um mundo sustentável 97
Um mundo sustentável 97Um mundo sustentável 97
Um mundo sustentável 97
Natália Previdente
 
Projeto Final Camila
Projeto Final CamilaProjeto Final Camila
Projeto Final Camila
milla028
 

Semelhante a 11 gestao residuos e agua1 (20)

DDSCOLETASELETIVA.pptx
DDSCOLETASELETIVA.pptxDDSCOLETASELETIVA.pptx
DDSCOLETASELETIVA.pptx
 
DDSCOLETASELETIVA.pptx
DDSCOLETASELETIVA.pptxDDSCOLETASELETIVA.pptx
DDSCOLETASELETIVA.pptx
 
Como e porquê separar o lixo
Como e porquê separar o lixoComo e porquê separar o lixo
Como e porquê separar o lixo
 
ResíDuos SóLidos Urbanos Rsu Sm
ResíDuos SóLidos Urbanos  Rsu SmResíDuos SóLidos Urbanos  Rsu Sm
ResíDuos SóLidos Urbanos Rsu Sm
 
Coleta seletiva etss segurança do trabalho
Coleta seletiva etss segurança do trabalhoColeta seletiva etss segurança do trabalho
Coleta seletiva etss segurança do trabalho
 
Trabalho de Grupo sobre a Reciclagem
Trabalho de Grupo sobre a ReciclagemTrabalho de Grupo sobre a Reciclagem
Trabalho de Grupo sobre a Reciclagem
 
Disposição e tratamentos de residuos sólidos
Disposição e tratamentos de residuos sólidos Disposição e tratamentos de residuos sólidos
Disposição e tratamentos de residuos sólidos
 
Sq2010 mc3 1
Sq2010 mc3 1Sq2010 mc3 1
Sq2010 mc3 1
 
Projeto valores sustentabilidade
Projeto valores sustentabilidadeProjeto valores sustentabilidade
Projeto valores sustentabilidade
 
Coleta seletiva
Coleta seletivaColeta seletiva
Coleta seletiva
 
Reciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidadeReciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidade
 
Reciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidadeReciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidade
 
Compostagem Doméstica com minhocas
Compostagem Doméstica com minhocasCompostagem Doméstica com minhocas
Compostagem Doméstica com minhocas
 
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZACN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
 
B2 C Logistica Reversa
B2 C Logistica ReversaB2 C Logistica Reversa
B2 C Logistica Reversa
 
B2 C Logistica Reversa
B2 C Logistica ReversaB2 C Logistica Reversa
B2 C Logistica Reversa
 
Coletaseletiva
ColetaseletivaColetaseletiva
Coletaseletiva
 
Ajude a reciclar
Ajude a reciclarAjude a reciclar
Ajude a reciclar
 
Um mundo sustentável 97
Um mundo sustentável 97Um mundo sustentável 97
Um mundo sustentável 97
 
Projeto Final Camila
Projeto Final CamilaProjeto Final Camila
Projeto Final Camila
 

Mais de ruiricardobg

13 urinario
13 urinario13 urinario
13 urinario
ruiricardobg
 
12 respiratorio
12 respiratorio12 respiratorio
12 respiratorio
ruiricardobg
 
11 sistema linfatico
11 sistema linfatico11 sistema linfatico
11 sistema linfatico
ruiricardobg
 
10 cardiovascular
10 cardiovascular10 cardiovascular
10 cardiovascular
ruiricardobg
 
08.3 sistema digestivo
08.3 sistema digestivo08.3 sistema digestivo
08.3 sistema digestivo
ruiricardobg
 
08.2 disturbios e alimentacao saudavel
08.2 disturbios e alimentacao saudavel08.2 disturbios e alimentacao saudavel
08.2 disturbios e alimentacao saudavel
ruiricardobg
 
08.1 alimentos e nutrientes
08.1 alimentos e nutrientes08.1 alimentos e nutrientes
08.1 alimentos e nutrientes
ruiricardobg
 
07 meio interno
07 meio interno07 meio interno
07 meio interno
ruiricardobg
 
09 sangue
09 sangue09 sangue
09 sangue
ruiricardobg
 
06 genetica1
06 genetica106 genetica1
06 genetica1
ruiricardobg
 
12 areas protegidas1
12 areas protegidas112 areas protegidas1
12 areas protegidas1
ruiricardobg
 
05 saude sit rep e contracecao
05 saude sit rep e contracecao05 saude sit rep e contracecao
05 saude sit rep e contracecao
ruiricardobg
 
04 fecundacao e gravidez
04 fecundacao e gravidez04 fecundacao e gravidez
04 fecundacao e gravidez
ruiricardobg
 
03 ciclos sexuais
03 ciclos sexuais03 ciclos sexuais
03 ciclos sexuais
ruiricardobg
 
10 recursos e utilizacao
10 recursos e utilizacao10 recursos e utilizacao
10 recursos e utilizacao
ruiricardobg
 
09 catastrofes1
09 catastrofes109 catastrofes1
09 catastrofes1
ruiricardobg
 
08 sucessoes ecologicas
08 sucessoes ecologicas08 sucessoes ecologicas
08 sucessoes ecologicas
ruiricardobg
 
07 materia e energia
07 materia e energia07 materia e energia
07 materia e energia
ruiricardobg
 
06 ecossistemas e fatores abioticos
06 ecossistemas e fatores abioticos06 ecossistemas e fatores abioticos
06 ecossistemas e fatores abioticos
ruiricardobg
 
02 reproducao mod1
02 reproducao mod102 reproducao mod1
02 reproducao mod1
ruiricardobg
 

Mais de ruiricardobg (20)

13 urinario
13 urinario13 urinario
13 urinario
 
12 respiratorio
12 respiratorio12 respiratorio
12 respiratorio
 
11 sistema linfatico
11 sistema linfatico11 sistema linfatico
11 sistema linfatico
 
10 cardiovascular
10 cardiovascular10 cardiovascular
10 cardiovascular
 
08.3 sistema digestivo
08.3 sistema digestivo08.3 sistema digestivo
08.3 sistema digestivo
 
08.2 disturbios e alimentacao saudavel
08.2 disturbios e alimentacao saudavel08.2 disturbios e alimentacao saudavel
08.2 disturbios e alimentacao saudavel
 
08.1 alimentos e nutrientes
08.1 alimentos e nutrientes08.1 alimentos e nutrientes
08.1 alimentos e nutrientes
 
07 meio interno
07 meio interno07 meio interno
07 meio interno
 
09 sangue
09 sangue09 sangue
09 sangue
 
06 genetica1
06 genetica106 genetica1
06 genetica1
 
12 areas protegidas1
12 areas protegidas112 areas protegidas1
12 areas protegidas1
 
05 saude sit rep e contracecao
05 saude sit rep e contracecao05 saude sit rep e contracecao
05 saude sit rep e contracecao
 
04 fecundacao e gravidez
04 fecundacao e gravidez04 fecundacao e gravidez
04 fecundacao e gravidez
 
03 ciclos sexuais
03 ciclos sexuais03 ciclos sexuais
03 ciclos sexuais
 
10 recursos e utilizacao
10 recursos e utilizacao10 recursos e utilizacao
10 recursos e utilizacao
 
09 catastrofes1
09 catastrofes109 catastrofes1
09 catastrofes1
 
08 sucessoes ecologicas
08 sucessoes ecologicas08 sucessoes ecologicas
08 sucessoes ecologicas
 
07 materia e energia
07 materia e energia07 materia e energia
07 materia e energia
 
06 ecossistemas e fatores abioticos
06 ecossistemas e fatores abioticos06 ecossistemas e fatores abioticos
06 ecossistemas e fatores abioticos
 
02 reproducao mod1
02 reproducao mod102 reproducao mod1
02 reproducao mod1
 

Último

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 

Último (20)

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 

11 gestao residuos e agua1

  • 1. Gestão dos Resíduos Gestão da Água Ciências Naturais 3ºCiclo
  • 2. Resíduos - São substâncias, produtos ou objetos que foram utilizados ou consumidos e já não são necessários. Vulgarmente, são designados por lixo. 2/8
  • 3. Resíduos sólidos urbanos (RSU) - São os lixos domésticos ou outros resíduos semelhantes, produzidos nas casas, restaurantes, cafés, escritórios e outros estabelecimentos. São, geralmente, constituídos por restos de alimentos, embalagens, papéis, cartões, vidros, plásticos e metais. 3/8
  • 5. 5/8
  • 6. Resíduos industriais (RI) - São os lixos produzidos pela indústria, resultantes da exploração, transformação e utilização de recursos naturais. 6/8
  • 7. Resíduos hospitalares (RH) - São os lixos produzidos pelos hospitais, clínicas, centros de saúde e laboratórios, resultantes do diagnóstico e tratamento de seres humanos ou animais. 7/8
  • 8. Resíduos agrícolas - São os lixos resultantes das atividades agrícolas, pecuárias e florestais. 8/8
  • 9. Mais favorável Menos favorável 1.o 2.o 3.o 4.o 5.o Redução Reutilização Reciclagem Valorização energética Eliminação Gestão sustentável dos resíduos – Conjunto de regras e de práticas de recolha, transporte, tratamento, valorização e eliminação de resíduos, sendo estes encarados como recursos com valor. 2/11
  • 10. Para tratar, valorizar e eliminar os resíduos existem sistemas multimunicipais que podem incluir estações de triagem, centros de valorização orgânica (compostagem), centros de valorização energética (incineração) e aterros sanitários . 3/11
  • 11. Cada cidadão deve fazer uma separação seletiva dos resíduos que produziu, não colocando no lixo comum, os papéis, os vidros, os plásticos, os metais e as pilhas. Estes RSU podem ser colocados para reciclar, no ecoponto ou no ecocentro. Ecoponto Ecocentro 4/11
  • 12. Reciclagem – Processo que se baseia no aproveitamento de certos materiais, que serão utilizados como matérias-primas para produzir novos produtos. Embalagens de plástico, metal e embalagens de cartão para bebidas Embalagens de vidro Papel e cartão 5/11
  • 13. 6/11
  • 14. Fossa de receção Forno de incineração Caldeira Turbina Gerador Filtro Água suja Linha elétrica Saída de gases Resíduos para aterro 7/11 Se os resíduos não são recicláveis, procura-se a sua valorização energética.
  • 15. Resíduos sólidos Aquífero Camada de drenagem Gravilha Revestimento plástico Camada de argila Controlo da qualidade das águas subterrâneas Recolha de biogás Aproveitamento energético de biogás Tratamento de águas Recolha de águas 9/11
  • 16. Os aterros sanitários são espaços de deposição controlada de resíduos, garantindo-se a proteção do solo, dos aquíferos subterrâneos e a monitorização ambiental do seu funcionamento. 10/11
  • 17. Ação • Sensibilizar para reduzir a quantidade de sacos usados para transportar compras dos hipermercados. • Incentivar a reciclagem de vidro nas escolas e em cafés e restaurantes. • Promover a utilização de documentos em formato digital, em vez de fotocópias, e reutilizar as folhas de papel. • Organizar uma feira de trocas de objetos e roupas usadas. • Organizar uma recolha de brinquedos usados para doação a creches e jardins de infância. 11/11
  • 18. CienTIC 8 Ciências Naturais - 8.o ano 2/8 Q4 É necessário um uso eficiente da água porque: a) é um recurso limitado; b) é vital para a saúde dos ecossistemas e para a qualidade de vida dos cidadãos; c) os desperdícios de água acarretam custos elevados para o país.
  • 19. CienTIC 8 Ciências Naturais - 8.o ano 3/8 Portugal possui um plano especial (PNUEA) para a utilização sustentável da água, procurando-se garantir que os recursos hídricos satisfaçam as necessidades das gerações futuras. Q4 PNUEA – Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água
  • 20. CienTIC 8 Ciências Naturais - 8.o ano 4/8 As atividades agrícolas, industriais e urbanas originam águas poluídas, os esgotos, que podem ser tratadas numa estação de tratamento de águas residuais (ETAR). Q4
  • 21. Águas residuais, dos esgotos, atravessam várias grades para remoção de lixos sólidos. Remoção de areias, óleos e gorduras. 5/8
  • 22. Oxigenação da água para que os micróbios decomponham a matéria orgânica. Remoção de partículas sólidas e gorduras em suspensão, obtendo-se lamas. 6/8
  • 23. Filtragem e desinfeção da água com radiação ultravioleta. Saída das águas tratadas para o ambiente. 7/8
  • 24. Ação • Reduzir o consumo de água nos banhos, autoclismos, lavagens e regas, pois menos água gasta significa menos água poluída. • Reutilizar a água sempre que possível e combater o desperdício. • Diminuir a quantidade de detergentes utilizados e ter a certeza de que são biodegradáveis. • Não verter, para o esgoto ou para os cursos de água, óleos, medicamentos, pesticidas ou produtos cujos efeitos no ambiente desconheças. • Não deitar lixo nas sanitas, o que, além de poluir a água, vai obrigar a mais descargas do autoclismo, desperdiçando água potável e aumentando o volume de esgotos para tratamento na ETAR. 8/8