SlideShare uma empresa Scribd logo
Ecossistemas
Conceito de espécie
Fatores abióticos
Ciências Naturais
3ºCiclo
(Factores abióticos ou ambientais) (Comunidade)
Ecossistema = Biótopo + Comunidade + Inter-relações
Conceitos importantes
- Indivíduo é a unidade de vida que se manifesta. É um representante de uma espécie.
- Espécie é o conjunto de indivíduos altamente semelhantes, que na natureza são capazes de se reproduzirem,
produzindo descendentes férteis.
- População é o conjunto de organismos de uma mesma espécie que habitam uma determinada área.
- Comunidade ou biocenose é o conjunto de espécies diferentes que sofrem interferência umas nas outras num
mesmo ecossistema.
- Biotópo constitui, de uma forma genérica, os fatores físicos e químicos essenciais para o bem-estar da comunidade
que compõe uma área geográfica.
- Ecossistema é o conjunto formado por todas as comunidades que vivem e interagem em determinada região e
pelos fatores abióticos que atuam sobre essas comunidades
- Habitat é, normalmente, usado em referência a uma ou mais espécies, no sentido de estabelecer os locais e as
condições ambientais onde essas populações habitam.
- Nicho Ecológico é o modo de vida de cada espécie no seu habitat. Representa o conjunto de atividades que a
espécie desempenha, incluindo relações alimentares, obtenção de abrigos e locais de reprodução. Dito de outra
forma: como, onde e à custa de quem a espécie se alimenta, para quem serve de alimento, quando, como e onde busca
abrigo, como e onde se reproduz.
Conceito biológico de espécie
O conceito mais aceite entre a comunidade cientifica é o conceito biológico que define a espécie em termos da
capacidade de reprodução entre indivíduos de diferentes populações.
Assim, uma espécie é constituída por grupos de populações naturais compostas de indivíduos que se reproduzem
entre si, produzindo descendência fértil e que estão reprodutivamente isolados de outros grupos semelhantes.
No exemplo:
antigamente consideradas espécies
distintas:
Lobo – Canis lupus
Cão – Canis familiaris
hoje em dia é consensual que o cão e o lobo
pertencem à mesma espécie; assim:
Lobo – Canis lupus
Cão – Canis lupus familiaris
As diferentes raças de cães foram
conseguidas por selecção artificial durante
a domesticação levada a cabo pelo Homem.
Significado da monenclatura:
Canis – género
Canis lupus – espécie
Canis lupus familiaris –subespécie
Questão: que se pode concluir sobre o cruzamento entre lobos e cães?
Hibridização na Natureza
Hibridização refere-se à descendência híbrida resultante do cruzamento entre dois animais ou plantas de espécies
diferentes.
Geralmente, o cruzamento entre duas espécies vegetais ou animais distintas é impossível pois os genes são incompatíveis.
Nos casos em que é produzida descendência, os denominados híbridos, estes são estéreis (salvo raras exceções…).
Ligre – híbrido entre um leão e um tigre fêmea Mula (fêmea) ou Macho (macho) – híbrido entre burro e égua
Tricale – híbrido entre trigo e centeio A Laranja é o resultado do cruzamento entre a cimboa e a tangerina
Distribuição global dos principais Ecossistemas/Biomas
Questão: qual é o ecossistema predominante na Península Ibérica? Quais as suas principais características?
Influência da Temperatura
Endotérmicos (têm a capacidade de manter a temperatura
corporal constante – animais de “sangue-quente”)
Aves e mamíferos
Conseguem sobreviver em temperaturas muito variáveis)
Poiquilotérmicos (temperatura corporal varia com a
temperatura ambiente – animais de “sangue-frio”)
Anfíbios e répteis
Não toleram grandes variações de temperatura, por
exemplo, os peixes)
Carpa – peixe de águas frias Guppys – peixe de águas quentes
Influência da Temperatura
Migrações – Andorinhas do ártico Hibernação – urso negro e urso polar
Influência da Água
De acordo com as necessidades específicas dos seres vivos relativamente à água, podemos classificá-los como:
Hidrófilos (aquáticos)
Higrófilos (elevadas necessidades de água; vivem em
locais húmidos)
Mesófilos (necessidades moderadas de água)
Xerófilos (elevada tolerância à falta de água; vivem em
ambientes secos)
Influência da Luz – Camuflagem
Durante o outono e no inverno, a pele da lebre-do-ártico é branca para evitar os predadores, camuflando-se na neve; na
primavera e no verão a pele fica acastanhada parecendo-se com o solo.
A raposa-do-ártico, predador natural da lebre, faz uso da mesma adaptação.
Influência da Luz – Fototropismo
Designação dada ao movimento ou crescimento dos seres vivos,
especialmente das plantas, com destaque para o girassol, em resposta a
estímulos luminosos.
Um facto curioso é que partes da
mesma planta apresentam
movimentos diferentes:
- os caules aproximam-se da fonte
luminosa e, portanto, têm
fototropismo positivo;
- já as raízes curvam-se em
direcção oposta à fonte luminosa,
apresentando fototropismo
negativo.
Abaixo: fototropismo negativo
evidenciado pelos morcegos.
Influência da Luz – Fotoperíodo
A resposta fisiológica dos organismos em relação à duração dos dias (período iluminado) e das noites (período escuro),
ou seja, à duração do período de luz de um determinado lugar.
Planta de dias longos Planta de dias curtos
Diapausa - Redução do crescimento e do
desenvolvimento de insectos e outros animais, que se
observa em determinadas estações do ano.
Pode ser desencadeada por um evento externo, como a
redução da duração dos dias durante o outono
Migrações – muitos movimento migratórios são
desencadeados pela duração do fotoperíodo.
Migração anual da andorinha.
Influência da Luz – Bioluminescência
Capacidade de produção de luz por alguns seres vivos.
O peixe-diabo negro (Melanocetus johnsonii) é uma
espécie de peixe encontrada em profundidades que
variam entre 100 e 2 mil metros. É capaz de atrair suas
presas com uma falsa isca, uma espécie de saliência
luminescente que se agita sobre a cabeça
O pirilampo possui órgãos bioluminescentes
localizados na parte inferior do abdómen, que servem
para atrair as fêmeas.
Influência do Solo
Plantas Halófitas (sendo essencialmente terrestres, estão
adaptadas a viverem no mar ou próximo dele, sendo
tolerantes à salinidade dos solos)
Cardo marítimo Estorno-das-dunas
pH dos solos - as hortênsias funcionam como indicadores
de pH, pois em solos ácidos suas flores ficam azuis, em
solos com pH próximo do neutro exibem coloração creme e
em solos alcalinos suas flores são cor de rosa.
Plantas de solos arenosos – nestes solos muito
permeáveis, a água e nutrientes desaparecem rapidamente
por infiltração; algumas plantas desenvolveram tubérculos
para armazenamento e longas raízes para procurar água.
Plantas carnívoras – como vivem em solos pobres
adaptaram-se a capturar pequenos animais, principalmente
insetos, que digerem e dos quais extraem sais minerais; na
imagem uma orvalhinha, uma planta carnívora de Portugal.
Exemplos de animais adaptados a viver no solo
Toupeira comum Escaravelho Minhocas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

6º ano cap 1 e cap 2 ecologia e ecossistemas
6º ano cap 1 e cap 2  ecologia e ecossistemas6º ano cap 1 e cap 2  ecologia e ecossistemas
6º ano cap 1 e cap 2 ecologia e ecossistemasISJ
 
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte1-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte1-cn8anoDinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte1-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte1-cn8anoLeonardo Alves
 
Níveis de organização ecológico população, comunidade, ecossistema e biosfera
Níveis de organização ecológico população, comunidade, ecossistema e biosferaNíveis de organização ecológico população, comunidade, ecossistema e biosfera
Níveis de organização ecológico população, comunidade, ecossistema e biosferaEverson Carabolante
 
Conceitos Básicos em Ecologia
Conceitos Básicos em EcologiaConceitos Básicos em Ecologia
Conceitos Básicos em EcologiaBio Sem Limites
 
Biogeografia aula 2 - padrões de biodoversidade
Biogeografia   aula 2 - padrões de biodoversidadeBiogeografia   aula 2 - padrões de biodoversidade
Biogeografia aula 2 - padrões de biodoversidadeKenia Diógenes
 
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisok
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisokAula 1 ecologia conceitos fundamentaisok
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisokluanarodriguessh
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasinessalgado
 
Fundamentos em Ecologia
Fundamentos em EcologiaFundamentos em Ecologia
Fundamentos em EcologiaEstude Mais
 
Apostila resumo ecologia
Apostila resumo   ecologiaApostila resumo   ecologia
Apostila resumo ecologiagrupev
 
Biosfera power point
Biosfera  power point Biosfera  power point
Biosfera power point margaridabt
 
Biosfera power point
Biosfera  power point Biosfera  power point
Biosfera power point margaridabt
 
Ciências C Barros 6.1
Ciências C Barros 6.1Ciências C Barros 6.1
Ciências C Barros 6.1bleckmouth
 
Aula de ecologia
Aula de ecologiaAula de ecologia
Aula de ecologiaIlsoflavio
 
Apostila de ecologia
Apostila de ecologiaApostila de ecologia
Apostila de ecologiaPaulo Lobo
 
Dinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos EcossistemasDinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos EcossistemasGabriela Bruno
 
Cn 8ºano -ecossistemas
Cn 8ºano -ecossistemasCn 8ºano -ecossistemas
Cn 8ºano -ecossistemas7f14_15
 

Mais procurados (20)

6º ano cap 1 e cap 2 ecologia e ecossistemas
6º ano cap 1 e cap 2  ecologia e ecossistemas6º ano cap 1 e cap 2  ecologia e ecossistemas
6º ano cap 1 e cap 2 ecologia e ecossistemas
 
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte1-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte1-cn8anoDinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte1-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte1-cn8ano
 
Níveis de organização ecológico população, comunidade, ecossistema e biosfera
Níveis de organização ecológico população, comunidade, ecossistema e biosferaNíveis de organização ecológico população, comunidade, ecossistema e biosfera
Níveis de organização ecológico população, comunidade, ecossistema e biosfera
 
Biosfera
BiosferaBiosfera
Biosfera
 
Conceitos Básicos em Ecologia
Conceitos Básicos em EcologiaConceitos Básicos em Ecologia
Conceitos Básicos em Ecologia
 
Biogeografia aula 2 - padrões de biodoversidade
Biogeografia   aula 2 - padrões de biodoversidadeBiogeografia   aula 2 - padrões de biodoversidade
Biogeografia aula 2 - padrões de biodoversidade
 
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisok
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisokAula 1 ecologia conceitos fundamentaisok
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisok
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemas
 
Fundamentos em Ecologia
Fundamentos em EcologiaFundamentos em Ecologia
Fundamentos em Ecologia
 
Apostila resumo ecologia
Apostila resumo   ecologiaApostila resumo   ecologia
Apostila resumo ecologia
 
Biosfera power point
Biosfera  power point Biosfera  power point
Biosfera power point
 
Hábitat e nicho
Hábitat e nichoHábitat e nicho
Hábitat e nicho
 
Biosfera power point
Biosfera  power point Biosfera  power point
Biosfera power point
 
Ciências C Barros 6.1
Ciências C Barros 6.1Ciências C Barros 6.1
Ciências C Barros 6.1
 
Biogeografia 1
Biogeografia 1Biogeografia 1
Biogeografia 1
 
Aula de ecologia
Aula de ecologiaAula de ecologia
Aula de ecologia
 
Apostila de ecologia
Apostila de ecologiaApostila de ecologia
Apostila de ecologia
 
Dinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos EcossistemasDinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos Ecossistemas
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Cn 8ºano -ecossistemas
Cn 8ºano -ecossistemasCn 8ºano -ecossistemas
Cn 8ºano -ecossistemas
 

Semelhante a 06 ecossistemas e fatores abioticos

1-Diversidade na biosfera_biologia e geologia.pptx
1-Diversidade na biosfera_biologia e geologia.pptx1-Diversidade na biosfera_biologia e geologia.pptx
1-Diversidade na biosfera_biologia e geologia.pptxpatriciapedroso82
 
03 biodiversidade ii
03 biodiversidade ii03 biodiversidade ii
03 biodiversidade iistique
 
Os NíVeis De OrganizaçãO Dos Seres Vivos
Os NíVeis De OrganizaçãO Dos Seres VivosOs NíVeis De OrganizaçãO Dos Seres Vivos
Os NíVeis De OrganizaçãO Dos Seres Vivoslilisouza
 
Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239Rigo Rodrigues
 
Apresentação de slide 7º ano
Apresentação de slide 7º anoApresentação de slide 7º ano
Apresentação de slide 7º anozelia49
 
A.Apres.Reino.Animal.Ppoint
A.Apres.Reino.Animal.PpointA.Apres.Reino.Animal.Ppoint
A.Apres.Reino.Animal.PpointAlbano Novaes
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasLeonardo Alves
 
Slide sobre fotores abioticos, bioticos e relacoes ecologicas
Slide sobre fotores abioticos, bioticos e relacoes ecologicasSlide sobre fotores abioticos, bioticos e relacoes ecologicas
Slide sobre fotores abioticos, bioticos e relacoes ecologicasGrazi! !!
 
Ecologia e sustentabilidade
Ecologia e sustentabilidadeEcologia e sustentabilidade
Ecologia e sustentabilidadeLuciara Andrade
 
ciencias
cienciasciencias
cienciaszacplay
 
Resumo ciencias
Resumo cienciasResumo ciencias
Resumo cienciaszacplay
 
Factores abioticos / Factores bioticos
Factores abioticos / Factores bioticos Factores abioticos / Factores bioticos
Factores abioticos / Factores bioticos isabelalexandrapinto
 
Factoresabioticosrelacoesbioticas8ano 110124141457-phpapp01(2)
Factoresabioticosrelacoesbioticas8ano 110124141457-phpapp01(2)Factoresabioticosrelacoesbioticas8ano 110124141457-phpapp01(2)
Factoresabioticosrelacoesbioticas8ano 110124141457-phpapp01(2)DG97
 

Semelhante a 06 ecossistemas e fatores abioticos (20)

1-Diversidade na biosfera_biologia e geologia.pptx
1-Diversidade na biosfera_biologia e geologia.pptx1-Diversidade na biosfera_biologia e geologia.pptx
1-Diversidade na biosfera_biologia e geologia.pptx
 
Resumos 8 ano
Resumos 8 anoResumos 8 ano
Resumos 8 ano
 
Ecossistema
EcossistemaEcossistema
Ecossistema
 
Ecossistema
EcossistemaEcossistema
Ecossistema
 
Ecossistema
EcossistemaEcossistema
Ecossistema
 
Ecologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicosEcologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicos
 
03 biodiversidade ii
03 biodiversidade ii03 biodiversidade ii
03 biodiversidade ii
 
Os NíVeis De OrganizaçãO Dos Seres Vivos
Os NíVeis De OrganizaçãO Dos Seres VivosOs NíVeis De OrganizaçãO Dos Seres Vivos
Os NíVeis De OrganizaçãO Dos Seres Vivos
 
Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239
 
1 ambientes
1 ambientes1 ambientes
1 ambientes
 
Apresentação de slide 7º ano
Apresentação de slide 7º anoApresentação de slide 7º ano
Apresentação de slide 7º ano
 
A.Apres.Reino.Animal.Ppoint
A.Apres.Reino.Animal.PpointA.Apres.Reino.Animal.Ppoint
A.Apres.Reino.Animal.Ppoint
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemas
 
Slide sobre fotores abioticos, bioticos e relacoes ecologicas
Slide sobre fotores abioticos, bioticos e relacoes ecologicasSlide sobre fotores abioticos, bioticos e relacoes ecologicas
Slide sobre fotores abioticos, bioticos e relacoes ecologicas
 
Ecologia e sustentabilidade
Ecologia e sustentabilidadeEcologia e sustentabilidade
Ecologia e sustentabilidade
 
ciencias
cienciasciencias
ciencias
 
Resumo ciencias
Resumo cienciasResumo ciencias
Resumo ciencias
 
Factores abioticos / Factores bioticos
Factores abioticos / Factores bioticos Factores abioticos / Factores bioticos
Factores abioticos / Factores bioticos
 
Factoresabioticosrelacoesbioticas8ano 110124141457-phpapp01(2)
Factoresabioticosrelacoesbioticas8ano 110124141457-phpapp01(2)Factoresabioticosrelacoesbioticas8ano 110124141457-phpapp01(2)
Factoresabioticosrelacoesbioticas8ano 110124141457-phpapp01(2)
 
Ciencias naturais 3
Ciencias naturais 3Ciencias naturais 3
Ciencias naturais 3
 

Mais de ruiricardobg

11 sistema linfatico
11 sistema linfatico11 sistema linfatico
11 sistema linfaticoruiricardobg
 
08.3 sistema digestivo
08.3 sistema digestivo08.3 sistema digestivo
08.3 sistema digestivoruiricardobg
 
08.2 disturbios e alimentacao saudavel
08.2 disturbios e alimentacao saudavel08.2 disturbios e alimentacao saudavel
08.2 disturbios e alimentacao saudavelruiricardobg
 
08.1 alimentos e nutrientes
08.1 alimentos e nutrientes08.1 alimentos e nutrientes
08.1 alimentos e nutrientesruiricardobg
 
12 areas protegidas1
12 areas protegidas112 areas protegidas1
12 areas protegidas1ruiricardobg
 
05 saude sit rep e contracecao
05 saude sit rep e contracecao05 saude sit rep e contracecao
05 saude sit rep e contracecaoruiricardobg
 
04 fecundacao e gravidez
04 fecundacao e gravidez04 fecundacao e gravidez
04 fecundacao e gravidezruiricardobg
 
11 gestao residuos e agua1
11 gestao residuos e agua111 gestao residuos e agua1
11 gestao residuos e agua1ruiricardobg
 
10 recursos e utilizacao
10 recursos e utilizacao10 recursos e utilizacao
10 recursos e utilizacaoruiricardobg
 
08 sucessoes ecologicas
08 sucessoes ecologicas08 sucessoes ecologicas
08 sucessoes ecologicasruiricardobg
 
07 materia e energia
07 materia e energia07 materia e energia
07 materia e energiaruiricardobg
 
02 reproducao mod1
02 reproducao mod102 reproducao mod1
02 reproducao mod1ruiricardobg
 

Mais de ruiricardobg (20)

13 urinario
13 urinario13 urinario
13 urinario
 
12 respiratorio
12 respiratorio12 respiratorio
12 respiratorio
 
11 sistema linfatico
11 sistema linfatico11 sistema linfatico
11 sistema linfatico
 
10 cardiovascular
10 cardiovascular10 cardiovascular
10 cardiovascular
 
08.3 sistema digestivo
08.3 sistema digestivo08.3 sistema digestivo
08.3 sistema digestivo
 
08.2 disturbios e alimentacao saudavel
08.2 disturbios e alimentacao saudavel08.2 disturbios e alimentacao saudavel
08.2 disturbios e alimentacao saudavel
 
08.1 alimentos e nutrientes
08.1 alimentos e nutrientes08.1 alimentos e nutrientes
08.1 alimentos e nutrientes
 
07 meio interno
07 meio interno07 meio interno
07 meio interno
 
09 sangue
09 sangue09 sangue
09 sangue
 
06 genetica1
06 genetica106 genetica1
06 genetica1
 
12 areas protegidas1
12 areas protegidas112 areas protegidas1
12 areas protegidas1
 
05 saude sit rep e contracecao
05 saude sit rep e contracecao05 saude sit rep e contracecao
05 saude sit rep e contracecao
 
04 fecundacao e gravidez
04 fecundacao e gravidez04 fecundacao e gravidez
04 fecundacao e gravidez
 
03 ciclos sexuais
03 ciclos sexuais03 ciclos sexuais
03 ciclos sexuais
 
11 gestao residuos e agua1
11 gestao residuos e agua111 gestao residuos e agua1
11 gestao residuos e agua1
 
10 recursos e utilizacao
10 recursos e utilizacao10 recursos e utilizacao
10 recursos e utilizacao
 
09 catastrofes1
09 catastrofes109 catastrofes1
09 catastrofes1
 
08 sucessoes ecologicas
08 sucessoes ecologicas08 sucessoes ecologicas
08 sucessoes ecologicas
 
07 materia e energia
07 materia e energia07 materia e energia
07 materia e energia
 
02 reproducao mod1
02 reproducao mod102 reproducao mod1
02 reproducao mod1
 

Último

Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergBrenda Fritz
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosbiancaborges0906
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 

Último (20)

Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 

06 ecossistemas e fatores abioticos

  • 1. Ecossistemas Conceito de espécie Fatores abióticos Ciências Naturais 3ºCiclo
  • 2. (Factores abióticos ou ambientais) (Comunidade) Ecossistema = Biótopo + Comunidade + Inter-relações
  • 3. Conceitos importantes - Indivíduo é a unidade de vida que se manifesta. É um representante de uma espécie. - Espécie é o conjunto de indivíduos altamente semelhantes, que na natureza são capazes de se reproduzirem, produzindo descendentes férteis. - População é o conjunto de organismos de uma mesma espécie que habitam uma determinada área. - Comunidade ou biocenose é o conjunto de espécies diferentes que sofrem interferência umas nas outras num mesmo ecossistema. - Biotópo constitui, de uma forma genérica, os fatores físicos e químicos essenciais para o bem-estar da comunidade que compõe uma área geográfica. - Ecossistema é o conjunto formado por todas as comunidades que vivem e interagem em determinada região e pelos fatores abióticos que atuam sobre essas comunidades - Habitat é, normalmente, usado em referência a uma ou mais espécies, no sentido de estabelecer os locais e as condições ambientais onde essas populações habitam. - Nicho Ecológico é o modo de vida de cada espécie no seu habitat. Representa o conjunto de atividades que a espécie desempenha, incluindo relações alimentares, obtenção de abrigos e locais de reprodução. Dito de outra forma: como, onde e à custa de quem a espécie se alimenta, para quem serve de alimento, quando, como e onde busca abrigo, como e onde se reproduz.
  • 4.
  • 5. Conceito biológico de espécie O conceito mais aceite entre a comunidade cientifica é o conceito biológico que define a espécie em termos da capacidade de reprodução entre indivíduos de diferentes populações. Assim, uma espécie é constituída por grupos de populações naturais compostas de indivíduos que se reproduzem entre si, produzindo descendência fértil e que estão reprodutivamente isolados de outros grupos semelhantes. No exemplo: antigamente consideradas espécies distintas: Lobo – Canis lupus Cão – Canis familiaris hoje em dia é consensual que o cão e o lobo pertencem à mesma espécie; assim: Lobo – Canis lupus Cão – Canis lupus familiaris As diferentes raças de cães foram conseguidas por selecção artificial durante a domesticação levada a cabo pelo Homem. Significado da monenclatura: Canis – género Canis lupus – espécie Canis lupus familiaris –subespécie Questão: que se pode concluir sobre o cruzamento entre lobos e cães?
  • 6. Hibridização na Natureza Hibridização refere-se à descendência híbrida resultante do cruzamento entre dois animais ou plantas de espécies diferentes. Geralmente, o cruzamento entre duas espécies vegetais ou animais distintas é impossível pois os genes são incompatíveis. Nos casos em que é produzida descendência, os denominados híbridos, estes são estéreis (salvo raras exceções…). Ligre – híbrido entre um leão e um tigre fêmea Mula (fêmea) ou Macho (macho) – híbrido entre burro e égua Tricale – híbrido entre trigo e centeio A Laranja é o resultado do cruzamento entre a cimboa e a tangerina
  • 7. Distribuição global dos principais Ecossistemas/Biomas Questão: qual é o ecossistema predominante na Península Ibérica? Quais as suas principais características?
  • 8. Influência da Temperatura Endotérmicos (têm a capacidade de manter a temperatura corporal constante – animais de “sangue-quente”) Aves e mamíferos Conseguem sobreviver em temperaturas muito variáveis) Poiquilotérmicos (temperatura corporal varia com a temperatura ambiente – animais de “sangue-frio”) Anfíbios e répteis Não toleram grandes variações de temperatura, por exemplo, os peixes) Carpa – peixe de águas frias Guppys – peixe de águas quentes
  • 9. Influência da Temperatura Migrações – Andorinhas do ártico Hibernação – urso negro e urso polar
  • 10. Influência da Água De acordo com as necessidades específicas dos seres vivos relativamente à água, podemos classificá-los como: Hidrófilos (aquáticos) Higrófilos (elevadas necessidades de água; vivem em locais húmidos) Mesófilos (necessidades moderadas de água) Xerófilos (elevada tolerância à falta de água; vivem em ambientes secos)
  • 11. Influência da Luz – Camuflagem Durante o outono e no inverno, a pele da lebre-do-ártico é branca para evitar os predadores, camuflando-se na neve; na primavera e no verão a pele fica acastanhada parecendo-se com o solo. A raposa-do-ártico, predador natural da lebre, faz uso da mesma adaptação.
  • 12. Influência da Luz – Fototropismo Designação dada ao movimento ou crescimento dos seres vivos, especialmente das plantas, com destaque para o girassol, em resposta a estímulos luminosos. Um facto curioso é que partes da mesma planta apresentam movimentos diferentes: - os caules aproximam-se da fonte luminosa e, portanto, têm fototropismo positivo; - já as raízes curvam-se em direcção oposta à fonte luminosa, apresentando fototropismo negativo. Abaixo: fototropismo negativo evidenciado pelos morcegos.
  • 13. Influência da Luz – Fotoperíodo A resposta fisiológica dos organismos em relação à duração dos dias (período iluminado) e das noites (período escuro), ou seja, à duração do período de luz de um determinado lugar. Planta de dias longos Planta de dias curtos Diapausa - Redução do crescimento e do desenvolvimento de insectos e outros animais, que se observa em determinadas estações do ano. Pode ser desencadeada por um evento externo, como a redução da duração dos dias durante o outono Migrações – muitos movimento migratórios são desencadeados pela duração do fotoperíodo. Migração anual da andorinha.
  • 14. Influência da Luz – Bioluminescência Capacidade de produção de luz por alguns seres vivos. O peixe-diabo negro (Melanocetus johnsonii) é uma espécie de peixe encontrada em profundidades que variam entre 100 e 2 mil metros. É capaz de atrair suas presas com uma falsa isca, uma espécie de saliência luminescente que se agita sobre a cabeça O pirilampo possui órgãos bioluminescentes localizados na parte inferior do abdómen, que servem para atrair as fêmeas.
  • 15. Influência do Solo Plantas Halófitas (sendo essencialmente terrestres, estão adaptadas a viverem no mar ou próximo dele, sendo tolerantes à salinidade dos solos) Cardo marítimo Estorno-das-dunas pH dos solos - as hortênsias funcionam como indicadores de pH, pois em solos ácidos suas flores ficam azuis, em solos com pH próximo do neutro exibem coloração creme e em solos alcalinos suas flores são cor de rosa. Plantas de solos arenosos – nestes solos muito permeáveis, a água e nutrientes desaparecem rapidamente por infiltração; algumas plantas desenvolveram tubérculos para armazenamento e longas raízes para procurar água. Plantas carnívoras – como vivem em solos pobres adaptaram-se a capturar pequenos animais, principalmente insetos, que digerem e dos quais extraem sais minerais; na imagem uma orvalhinha, uma planta carnívora de Portugal. Exemplos de animais adaptados a viver no solo Toupeira comum Escaravelho Minhocas