Disposição e tratamentos de residuos sólidos

902 visualizações

Publicada em

Disposição e tratamenyo de resíduos sólidos

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
902
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Disposição e tratamentos de residuos sólidos

  1. 1. Acadêmicos: Camila Welchi e Luiz Carlos Disciplina:Solos poluídos e contaminados Docente: Érica UNIAMÉRICA
  2. 2. INTRODUÇÃO  Resíduos sólidos faz parte do cotidiano do ser humano. Não se pode imaginar um modo de vida que não gere resíduos sólidos . Devido ao aumento da população humana, á concentração dessa população em centros urbanos, á forma de ao ritmo da ocupação desses espaços e ao modo de vida com base na produção e consumo cada vez mais rápidos de bens, os problemas causados por esses resíduos tendem a se tornar mais visíveis.  Os resíduos sólidos manejados inadequadamente oferecem alimento e abrigo para muitos vetores de doenças, além disso, decomposição dos resíduos e a formação de lixiviados podem levar a contaminação do solo e de águas subterrâneas com substância orgânicas, microorganismos patogênicos e inúmeros contaminantes químicos presentes nos diversos tipos de resíduos.  Atualmente, a visão da sociedade sobre a questão dos resíduos sólidos tem incorporado novos elementos, notando se avanços significativos na importância que se confere a questão. Conseqüentemente, cada vez mais espaço na mídia e nas discussões políticas é ocupado pelos problemas associados aos resíduos sólidos.
  3. 3. RESÍDUO – tudo que ainda pode ser parcialmente ou totalmente utilizado  Resíduos sólidos são materiais heterogêneos, (inertes, minerais e orgânicos) resultante das atividades humanas e da natureza, os quais podem parcialmente ou totalmente utilizados, gerando entre outros aspectos, proteção á saúde pública e economia dos recursos naturais.
  4. 4. Tipos de resíduos -- classificação  CLASSE 1 perigosos – Quando apresentar risco á saúde pública e ao meio ambiente. As características que conferem a periculosidade a um resíduo são: inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade, patogenidade. São exemplos de resíduos perigosos alguns resíduos industriais e resíduos de saúde.  CLASSE 2 inertes – Classifica os resíduos, sendo suas propriedades: combustibilidade, biodegradabilidade, solúveis em água.  CLASSE 3 não inertes – São aqueles submetidos a contato estático ou dinâmico com água destilada ou deionizada á temperatura ambiente e que, de forma representativa não tiveram nenhum de seus constituintes solubilizados á concentrações superiores aos padrões de potabilidade da água. Exemplo: tijolo, concreto, entre outros.
  5. 5. CLASSIFICAÇÃO QUANTO Á ORIGEM 1- Resíduo urbano: formado por resíduos sólidos em áreas urbanas, incluindo os resíduos domésticos, os efluentes industriais e domiciliares.  2- Resíduo domiciliar: formado pelos resíduos sólidos de atividades residenciais, contém muita quantidade de matéria orgânica, plástico, lata, vidro, entre outros.  3- Resíduo comercial: formado pelos resíduos sólidos das áreas comerciais composto por matéria orgânica, papéis, plástico de vários grupos, entre outros.  4- Resíduo público: formado por resíduos sólidos gerados da limpeza pública (areia, papéis, folhagem, poda de árvores, entre outros).  5- Resíduo especial: formado por resíduos geralmente industriais, merece tratamento, manipulação e transporte especial, são eles, pilhas, baterias, embalagens de agrotóxicos, embalagens de combustíveis, de medicamentos ou venenos.
  6. 6.  6- Resíduo industrial: os resíduos gerados pela indústria. Porém nem todos podem ser designados como resíduo industrial. Alguma indústria do meio urbano produzem resíduos semelhantes ao domésticos, exemplo disto são as padarias (panificação).  7- Resíduo de serviço de saúde: os serviços hospitalares,ambulatórias, farmácias, são geradores dos mais variados tipos de resíduos sépticos, resultados de curativos, aplicação de medicamentos que em contato com o meio ambiente ou misturados aos resíduos domésticos poderão ser patogênicos ou vetores de doenças, este tipo de resíduo deve sofrer pré tratamento ante de serem dispostos no meio ambiente.  8- Resíduo atômico: produto resultante da queima do combustível nuclear, composto de urânio enriquecido com isótopo atômico 235. A elevada radioatividade constitui um grave perigo á saúde da população, por isso deve ser destinado de maneira correto ao destino final dos rejeitos radiativos.
  7. 7.  9- Resíduo agrícola: esterco, fertilizantes, entre outros  10- Resíduo radioativo: resíduo toxico e venenoso formado por substâncias radioativas resultantes do funcionamento de reatores nucleares. Umas das alternativas para armazenar este resíduo seria colocá-lo em tambores ou recipiente de concreto impermeáveis, á prova de radiação, e enterrados em terrenos estáveis, no subsolo.  11- Resíduo tecnológico: televisores, rádios, computadores, celulares, aparelhos eletrônicos em geram, entre ouros.
  8. 8. Formas de destinação final dos resíduos  1- lixão: forma inadequada, indesejável e ilegal de dispor os resíduos sólidos urbanos gerados, causando prejuízo á saúde pública e ao meio ambiente. A disposição dos resíduos sem monitoramento torna se fonte extraordinária para proliferação de vetores e agentes oportunista como vírus e bactérias, que, certamente acarretarão danos á saúde pública e ao meio ambiente. Muitas vezes os resíduos são dispostos clandestinamente em locais imprevistos causando a poluição do ar, do solo, das águas superficiais e subterrâneas. A má disposição dos resíduos causa a produção de chorume que é um liquido escuro resultante da decomposição da matéria orgânica.
  9. 9.  2- Aterro controlado (um lixão melhorado): nesse método, os resíduos recebem diariamente a cobertura de uma camada de material inerte. Porem, essa cobertura é feita de forma aleatória, sem nenhum procedimento técnico não evitando os problemas de poluição gerados pelos resíduos sólidos, pois, não são levados em conta os mecanismos de formação de gases, líquidos e outros.  3-aterro sanitário: é uma técnica de disposição dos resíduos sólidos urbanos no solo, sem causar prejuízo ao meio ambiente e sem causar moléstias ou perigo á saúde publica, método este que utiliza princípios da engenharia para confinar os resíduos gerados na menor área possível, reduzindo seu volume ao mínimo praticável, com cobertura de solo, assim que depositado, com uma freqüência necessária pelo menos ao final de cada jornada, com tratamento dos líquidos oriundos da decomposição da massa.para não comprometer o meio ambiente, alguns cuidados devem ser tomadas em relação á escolha da área, implantação do projeto executivo na sua plenitude, operação e, principalmente, o monitoramento constante do aterro sanitário.
  10. 10. Sistema de gerenciamento de resíduos sólidos  Os princípios de sistemas de gerenciamento integrado de resíduos é baseado no que se domina de quatro “R”: redução, reutilização, reciclagem e recuperação. A disposição final em um aterro significa que o lixo ou frações dele é considerado inaproveitável. Conseqüentemente, um sistema integrado de gerenciamento apropriado deve minimizar os resíduos duplamente, ou seja, deve minimizar o volume de resíduos depositados em aterros, bem como a periculosidade dos mesmos. A redução na fonte objetiva diminuir a quantidade de resíduos sólidos gerados, enquanto as demais tecnologias de redução se aplicam ao resíduo efetivamente gerado.  A prevenção, em matéria de resíduo, deve permanecer como prioridade, seguida pelo reaproveitamento (considerando em suas três dimensões: reutilização, reciclagem e recuperação de energia) e, finalmente,a eliminação segura de resíduos (limitada aqueles para os quais não existir mais possibilidade de reaproveitamento).
  11. 11. 1- Redução: a redução de produção de resíduos na fonte geradora é estratégia preventiva e pode ser realizada somente com uma política especifica executada por meio de instrumentos regulatórios, econômicos e sociais, sendo que a maneira mais efetiva de atingir esse objetivo é evitar a sua geração. A redução de resíduos na fonte pressupõe a diminuição ou a eliminação da produção de resíduos na fabricas através de alterações do processo industrial, que pode ser do seguinte tipo:  Alterações da matéria prima utilizada;  Melhoramentos tecnológicos;  Alterações de procedimentos e praticas operacionais;  Redução das embalagens; 2- Reutilização: a reutilização é um método de gerenciamento de resíduos, baseado no emprego direto de um produto com a mesma finalidade para a qual foi originalmente concebido: um exemplo típico é a reutilização das garrafas de vidro. Reutilização é um método de controle útil na minimização da produção de residuos, mantendo os bens envolvidos com as suas características e funções originais.
  12. 12.  3- reciclagem: a reciclagem é um método de gerenciamento de resíduos baseado no reaproveitamento do material, considerando as suas características e composição, visando o mesmo ou um diferente uso para o qual foi originalmente concebido: um exemplo é a reciclagem de garrafas plásticas para produzir outras garrafas plásticas ou outros produtos. Em conseqüência, reciclagem é um método de reaproveitamento no qual é necessário levar se em conta uma provável perda de valor, mesmo que sensível,do produto original.podemos citar uma serie de vantagens decorrentes da reciclagem:  Minimização de resíduos para deposição final;  Aumento da flexibilidade dos aterros sanitários;  Melhoramento das condições de saúde;  Redução dos impactos ambientais;  Economia de energia e de recursos naturais;  Incentivos a parcerias (industrias, comércio, consumidores);
  13. 13. 4- Compostagem: a compostagem é uma forma de tratamento biológico da parcela orgânica do lixo, permitindo uma redução de volume dos resíduos e a transformação destes em compostos a ser utilizados na agricultura, como recondicionante do solo, Trata se de uma técnica importante em razão da decomposição do lixo urbano do Brasil. Pode enfrentar dificuldades de comercialização dos compostos em razão do comprometimento dos mesmos por contaminantes, tais como metais pesados existentes no lixo urbano. 5- incineração: este tratamento é baseado na combustão (queima) do lixo. É um processo que demanda custos bastantes elevados e a necessidade de um super e rigoroso controle da emissão de gases poluentes gerados pela combustão. Com o avanço da industrialização, a natureza dos resíduos mudou drasticamente. A produção em massa de produtos químicos e plásticos torna, hoje em dia, a eliminação do lixo por meio da incineração um processo complexo, de custo elevado e altamente poluidor.
  14. 14.  A incineração acaba gerando mais resíduos tóxicos tornando se um ameaça para o meio ambiente e a saúde humana. Os incineradores não resolvem os problemas dos materias tóxicos presente no lixo. Na verdade eles apenas convertem esses materiais tóxicos em outras formas, algumas das quais podem ser mais toxicas que os materiais originais. As emissões toxicas, que são liberadas mesmo pelos incineradores mais modernos (nenhum processo de incineração opera com 100% de eficácia), são constituídas por três tipos de poluentes altamente perigosos: os metias pesados, os produtos de combustão incompleta e as substancias químicas novas, formada durante o processo de incineração.  6-Recuperação: é um método de gerenciamento de resíduos baseado na transformação térmica, química, física ou biológica da matéria prima utilizada na fabricação do produto, para produzir material e/ou energia diretamente disponível para uso.  Exemplos:
  15. 15.  Reciclagem de resíduos plástico;  Produção de derivados de petróleo  Compostagem e a digestão anaeróbia  Produção de biogás; A recuperação pode ser classificada como recuperação de material ou energia. 7- Eliminação final: é o ultimo método de gerenciamento de resíduos e deve ser restrita somente ao lixo ou frações do mesmo, que não sejam reutilizáveis, recicláveis ou recuperáveis. A eliminação final pode ser realizada em aterros sanitários ou em incineradores, para a redução do volume.
  16. 16. Educação /sensibilização ambiental  São processos de mudanças e de formação de valores, bem como de preparo de exercícios da cidadania, constitui se em um conjunto de idéias prevalentes no sistema social atual, contrarias ás idéias de egoísmo e de individualismo, a favor da transformação social com ética, com justiça social e com democracia. É uma luta a favor, portanto, de novas idéias e de valores éticos, em que deve prevalecer a melhoria da qualidade de vida e sustentabilidade para todos.
  17. 17. conclusão  Conclui-se, assim, que os aterros são indispensáveis em um sistema de gerenciamento de resíduo, sendo ideal que somente os rejeitos dos processos de triagem, reciclagem, recuperação e incineração de energia sejam depositados nos mesmos.  Os aterros deviam, ainda, ser considerados como elementos novos no planejamento e projeto da paisagem, sendo mais do que meros locais de depósitos.  É o momento de se elaborar o planejamento da operacionalização do programa em relação á coleta seletiva e á educação ambiental.
  18. 18. referências  Gestão de resíduos sólidos no Brasil;LIMA, J.D  Saneamento, Saúde e ambiente;JR, Arlindo P.  http://homologa.ambiente.sp.gov.br/lixominimo/ger enciamento.asp  http://ecolnews.com.br/lixo.htm  www.pr.gov.br/sema  www.lixo.com.br  www.nuclear.radiologia.nom.br  www.mma.gov.br

×