SlideShare uma empresa Scribd logo

Semiologia dos Edemas

Semiologia do Edemas Disciplina de Semiologia da unilus

1 de 50
Baixar para ler offline
CLÍNICA MÉDICA I
 DEFINIÇÃO:
- É o excesso de líquido acumulado no espaço
intersticial ou no interior das próprias células
- Pode ocorrer em qualquer sítio do organismo
- edema cutâneo – infiltração no espaço
intersticial dos tecidos que constituem pele e
TCSC
- coleções líquidas em cavidades serosas –
fenômenos fisiopatológicos afins; denomina-se
derrame cavitário ou articular.
 Para que o edema ocorra deve haver uma
quebra nos mecanismos que controlam a
distribuição de líquido intersticial.
 Pode ser:
- localizada e envolver apenas fatores que
influenciam o fluxo de fluido capilar
- Secundária a alterações do controle de
volume do compartimento extracelular e do
liquido corporal total
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Anúncio

Recomendados

Exame físico do Tórax
Exame físico do TóraxExame físico do Tórax
Exame físico do Tóraxpauloalambert
 
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)Davyson Sampaio
 
Cópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxCópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxJucie Vasconcelos
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tórax Exame físico do tórax
Exame físico do tórax Paulo Alambert
 
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)Gustavo Oliveira
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apendicite aguda ufop
Apendicite aguda ufopApendicite aguda ufop
Apendicite aguda ufopkalinine
 
Exame fsico do abdome (Davyson Sampaio Braga)
Exame fsico do abdome (Davyson Sampaio Braga)Exame fsico do abdome (Davyson Sampaio Braga)
Exame fsico do abdome (Davyson Sampaio Braga)Davyson Sampaio
 
Semiologia 10 dermatologia - semiologia dermatológica pdf
Semiologia 10   dermatologia - semiologia dermatológica pdfSemiologia 10   dermatologia - semiologia dermatológica pdf
Semiologia 10 dermatologia - semiologia dermatológica pdfJucie Vasconcelos
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Alexandre Naime Barbosa
 
Exame físico do abdome l
Exame físico do abdome lExame físico do abdome l
Exame físico do abdome lpauloalambert
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologicoresenfe2013
 
Semiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome IISemiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome IIpauloalambert
 
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasPrincípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasCaio Gonçalves de Souza
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamneselacmuam
 
Anamnese neurológica
Anamnese neurológicaAnamnese neurológica
Anamnese neurológicapauloalambert
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínicojaninemagalhaes
 
Sindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudoSindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudopauloalambert
 
Tipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicosTipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicosArquivo-FClinico
 
Aula - semiologia do abdôme
Aula - semiologia do abdômeAula - semiologia do abdôme
Aula - semiologia do abdômedapab
 
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG
 
Lesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RNLesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RNLaped Ufrn
 

Mais procurados (20)

Apendicite aguda ufop
Apendicite aguda ufopApendicite aguda ufop
Apendicite aguda ufop
 
Exame fsico do abdome (Davyson Sampaio Braga)
Exame fsico do abdome (Davyson Sampaio Braga)Exame fsico do abdome (Davyson Sampaio Braga)
Exame fsico do abdome (Davyson Sampaio Braga)
 
Semiologia 10 dermatologia - semiologia dermatológica pdf
Semiologia 10   dermatologia - semiologia dermatológica pdfSemiologia 10   dermatologia - semiologia dermatológica pdf
Semiologia 10 dermatologia - semiologia dermatológica pdf
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
 
Exame físico do abdome l
Exame físico do abdome lExame físico do abdome l
Exame físico do abdome l
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Semiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome IISemiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome II
 
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasPrincípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
 
Edema - tipos e exemplos
Edema - tipos e exemplos Edema - tipos e exemplos
Edema - tipos e exemplos
 
Semiologia
SemiologiaSemiologia
Semiologia
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamnese
 
Anamnese neurológica
Anamnese neurológicaAnamnese neurológica
Anamnese neurológica
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
Sindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudoSindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudo
 
Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca
 
Tipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicosTipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicos
 
Aula - semiologia do abdôme
Aula - semiologia do abdômeAula - semiologia do abdôme
Aula - semiologia do abdôme
 
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
 
Lesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RNLesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RN
 

Semelhante a Semiologia dos Edemas

Semiologia do edema 2019
Semiologia do edema 2019Semiologia do edema 2019
Semiologia do edema 2019pauloalambert
 
Semiologia do edema 2018
Semiologia do edema 2018Semiologia do edema 2018
Semiologia do edema 2018pauloalambert
 
Semiologia dos edemas 2020
Semiologia dos edemas 2020Semiologia dos edemas 2020
Semiologia dos edemas 2020pauloalambert
 
Semiologia do edema 2017
Semiologia do edema 2017Semiologia do edema 2017
Semiologia do edema 2017pauloalambert
 
Introdução à dermatologia
Introdução à dermatologiaIntrodução à dermatologia
Introdução à dermatologiaKaren Von Kossel
 
úLceras vasculogênicas
úLceras vasculogênicasúLceras vasculogênicas
úLceras vasculogênicasUNIME
 

Semelhante a Semiologia dos Edemas (9)

Semiologia do edema 2019
Semiologia do edema 2019Semiologia do edema 2019
Semiologia do edema 2019
 
Semiologia do edema 2018
Semiologia do edema 2018Semiologia do edema 2018
Semiologia do edema 2018
 
Semiologia dos edemas 2020
Semiologia dos edemas 2020Semiologia dos edemas 2020
Semiologia dos edemas 2020
 
Semiologia do edema 2017
Semiologia do edema 2017Semiologia do edema 2017
Semiologia do edema 2017
 
Edema 2015
Edema 2015Edema 2015
Edema 2015
 
Edema 2012
Edema 2012Edema 2012
Edema 2012
 
Introdução à dermatologia
Introdução à dermatologiaIntrodução à dermatologia
Introdução à dermatologia
 
Aula 8 edema
Aula 8   edemaAula 8   edema
Aula 8 edema
 
úLceras vasculogênicas
úLceras vasculogênicasúLceras vasculogênicas
úLceras vasculogênicas
 

Mais de Paulo Alambert

Partes moles membros inferiores 19
Partes moles membros inferiores 19Partes moles membros inferiores 19
Partes moles membros inferiores 19Paulo Alambert
 
Dermatomiosite polimiosite 19
Dermatomiosite polimiosite 19Dermatomiosite polimiosite 19
Dermatomiosite polimiosite 19Paulo Alambert
 
Lupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso SistêmicoLupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso SistêmicoPaulo Alambert
 
Esclerose sistêmica.pdf renan
Esclerose sistêmica.pdf renanEsclerose sistêmica.pdf renan
Esclerose sistêmica.pdf renanPaulo Alambert
 
Lúpus Eritematoso Sistêmico
Lúpus Eritematoso SistêmicoLúpus Eritematoso Sistêmico
Lúpus Eritematoso SistêmicoPaulo Alambert
 
Dor nos membros Inferiores
Dor nos membros InferioresDor nos membros Inferiores
Dor nos membros InferioresPaulo Alambert
 
Dor em membros superiores
Dor em membros superioresDor em membros superiores
Dor em membros superioresPaulo Alambert
 
Lombociatalgia e cervicobraquialgia
Lombociatalgia e cervicobraquialgiaLombociatalgia e cervicobraquialgia
Lombociatalgia e cervicobraquialgiaPaulo Alambert
 
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário Paulo Alambert
 
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.Paulo Alambert
 

Mais de Paulo Alambert (20)

Osteoporose 2019
Osteoporose 2019Osteoporose 2019
Osteoporose 2019
 
Partes moles membros inferiores 19
Partes moles membros inferiores 19Partes moles membros inferiores 19
Partes moles membros inferiores 19
 
Dermatomiosite polimiosite 19
Dermatomiosite polimiosite 19Dermatomiosite polimiosite 19
Dermatomiosite polimiosite 19
 
Dtp18 video
Dtp18 videoDtp18 video
Dtp18 video
 
Dtp18 video
Dtp18 videoDtp18 video
Dtp18 video
 
Dtp17 sp
Dtp17 spDtp17 sp
Dtp17 sp
 
Lupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso SistêmicoLupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso Sistêmico
 
Gota.pdf19 re
Gota.pdf19 reGota.pdf19 re
Gota.pdf19 re
 
Esclerose sistêmica.pdf renan
Esclerose sistêmica.pdf renanEsclerose sistêmica.pdf renan
Esclerose sistêmica.pdf renan
 
Lúpus Eritematoso Sistêmico
Lúpus Eritematoso SistêmicoLúpus Eritematoso Sistêmico
Lúpus Eritematoso Sistêmico
 
Dor nos membros Inferiores
Dor nos membros InferioresDor nos membros Inferiores
Dor nos membros Inferiores
 
Dor em membros superiores
Dor em membros superioresDor em membros superiores
Dor em membros superiores
 
Gota
GotaGota
Gota
 
Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017
 
Lombociatalgia e cervicobraquialgia
Lombociatalgia e cervicobraquialgiaLombociatalgia e cervicobraquialgia
Lombociatalgia e cervicobraquialgia
 
Artrite reumatóide
Artrite reumatóideArtrite reumatóide
Artrite reumatóide
 
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
 
Fibromialgia
FibromialgiaFibromialgia
Fibromialgia
 
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
 
Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017
 

Último

amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfdaianebarbosaribeiro
 
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1MarciaFigueiredodeSo
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperaçãodouglasmeira456
 
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptSegurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptRodineiGoncalves
 
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...bibygmachadodesouza
 
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfNR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfMariadeFtimaUchoas
 

Último (6)

amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
 
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
 
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptSegurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
 
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
 
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfNR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
 

Semiologia dos Edemas

  • 2.  DEFINIÇÃO: - É o excesso de líquido acumulado no espaço intersticial ou no interior das próprias células - Pode ocorrer em qualquer sítio do organismo - edema cutâneo – infiltração no espaço intersticial dos tecidos que constituem pele e TCSC - coleções líquidas em cavidades serosas – fenômenos fisiopatológicos afins; denomina-se derrame cavitário ou articular.
  • 3.  Para que o edema ocorra deve haver uma quebra nos mecanismos que controlam a distribuição de líquido intersticial.  Pode ser: - localizada e envolver apenas fatores que influenciam o fluxo de fluido capilar - Secundária a alterações do controle de volume do compartimento extracelular e do liquido corporal total
  • 9.  LOCALIZAÇÃO  DURAÇÃO E EVOLUÇÃO (início, horário, fenômenos que acompanham...)  INTENSIDADE  CONSISTÊNCIA  TEMPERATURA DA PELE ADJACENTE  SENSIBILIDADE DA PELE ADJACENTE  OUTRAS ALTERAÇÕES DA PELE ADJACENTE
  • 10.  LOCALIZAÇÃO - Localizado – se restringe a um segmento - Generalizado  Locais mais comuns - Membros inferiores - Face (especialmente subpalpebral) - Região pré-sacral (principalmente acamados)
  • 13.  INTENSIDADE - Avaliar através de compressão firme e sustenta da polpa digital do polegar ou indicador, contra uma estrutura rígida subjacente (tíbia, sacro, ossos da face). - depressão local: fóvea, cacifo - Graduar em cruzes( +/ ++++) - Outras formas: a) Pesando o paciente diariamente b) Medindo-se o perímetro da região
  • 15.  CONSISTÊNCIA - conceituada como grau de resistência durante a compressão da região - avaliada pela mesma manobra anterior - EDEMA MOLE: facilmente depressível, representa edema de menor duração e tecido infiltrado de água - EDEMA DURO: maior resistência para se obter a fóvea, traduz existência de proliferação fibroblástica, de maior duração ou acompanhado de surtos inflamatórios repetidos (Linfedema)
  • 17.  ELASTICIDADE - Observando-se a volta da pele à posição primitiva após a compressão - ELÁSTICO: retorno imediato (edemas inflamatórios) - INELÁSTICO: demora a retornar (síndrome nefrótica, ICC)
  • 18.  TEMPERATURA DA PELE ADJACENTE usando dorso dos dedos ou costas das mãos, por comparação com área vizinha - TEMP. NORMAL : freqüentemente não se altera - QUENTE: edema inflamatório - FRIA: comprometimento da irrigação sanguínea da área
  • 19.  SENSIBILIDADE Também avaliado pela digitopressão - DOLOROSO: inflamatório - INDOLOR
  • 20.  OUTRAS ALTERAÇÕES DA PELE - COLORAÇÃO: - palidez: acompanha edemas com distúrbio de irrigação sanguínea - cianose: indica perturbação venosa localizada, mas pode ser parte de cianose central ou mista - vermelhidão: inflamatório
  • 22.  OUTRAS ALTERAÇÕES DA PELE -TEXTURA E ESPESSURA - Lisa e brilhante: edema recente e intenso - Pele espessa: edema de longa duração - Pele enrugada: qdo edema está sendo eliminado - OUTROS DISTÚRBIOS TRÓFICOS: atrofia, ulceração, hiperpigmentação
  • 25.  PRINCIPAIS CAUSAS:  SD NEFRÓTICA, SD NEFRÍTICA, PIELONEFRITE  ICC  CIRROSE HEPÁTICA  MIXEDEMA  ALERGIAS  VARIZES  TROMBOSE VENOSA  FLEBITE  LINFEDEMA
  • 26.  EDEMA RENAL - Engloba: Síndrome nefrítica, Síndrome Nefrótica e Pielonefrite - mecanismos fisiopatológicos diferentes, mas com características semiológicas comuns - edema generalizado (predominantemente facial – subpalpebral, matutino) - mole, inelástico, temperatura normal ou pouco reduzida -Sd nefrótica: + intenso, geralmente acompanhado de derrames cavitários, fisiopatologia por hiperaldosteronismo secundário e hipoproteinemia - Sd nefrítica: retenção de sódio e água por disbalanço glomerulotubular e aumento da permeabilidade capilar.
  • 30.  ICC - um dos sinais cardinais - generalizado, predominando em MMII -vespertino (gravitário – se acamado = pré-sacral) - varia de intensidade - mole, inelástico, indolor, pele adjacente pode estar lisa e brilhante - Decorre, sobretudo, pelo aumento de pressão hidrostática e retenção de sódio e água. Provável aumento de permeabilidade capilar associado (fator natriurético atrial)
  • 33.  CIRROSE HEPÁTICA - edema generalizado, quase sempre discreto - predomina em MMII, habitual ascite concomitante - mole, inelástico, indolor - hipoproteinemia (distúrbio no metabolismo protéico), hiperaldosteronismo secundário (responsável pela retenção de Na e H2O) e hipoalbuminemia
  • 36.  MIXEDEMA - Forma particular de edema na Hipofunção tireoideana - Há deposição de substâncias mucopolissacarídeas no espaço intersticial (aumento da pressão osmótica intersticial) com retenção hídrica secundária - pouco depressível, inelástico, não muito intenso, alterações tróficas do hipotireoidismo (pele seca e fria)
  • 38.  EDEMA ALÉRGICO - acompanha fenômenos angioneuróticos - por aumento de permeabilidade capilar (histaminas e cininas decorrentes da reação antígeno-anticorpo) - pode ser generalizado, mas costuma restringir- se a certas áreas (face) - instalação súbita e rápida (pele lisa e brilhante) - pode ser quente e avermelhado - mole e elástico
  • 40.  EDEMAS LOCALIZADOS - Varizes - Trombose venosa - Flebite - Linfedema
  • 41.  EDEMA VARICOSO -em MMII (pode preponderar em um membro) - pouco intenso - a princípio é mole, podendo tornar-se duro com o passar do tempo - inelástico - alteração de coloração da pele com cronificação (castanha ou mais escura) - pode tornar-se espessa e de textura mais grosseira
  • 43.  TROMBOSE VENOSA: - mole - intenso - pele pálida (flegmasia alba dolens) - em alguns casos cianótica (flegmasia alba cerulea) - por aumento da pressão hidrostática, seja por insuficiência das valvas das veias, seja por oclusão do vaso (mesmo mecanismo do edema varicoso)
  • 45.  FLEBITE - Decorre de componente inflamatório com aumento de permeabilidade capilar, insuficiência de valvas e oclusão de vaso (aumento da pressão hidrostática) - localizado, intensidade leve a mediana, elástico, doloroso - pele adjacente lisa, brilhante, vermelha e quente
  • 47.  LINFEDEMA - designação para edemas originados nas afecções de vasos linfáticos (obstrução) - localizado, duro, inelástico, indolor - com francas alterações de textura e espessura de pele (grossa e áspera) - avançado = elefantíase - pós-erisipela, filariose, pós-mastectomia