Antecedentes da produção do espaço brasileiro

668 visualizações

Publicada em

A construção do território brasileiro pré-cabraliano

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
668
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Antecedentes da produção do espaço brasileiro

  1. 1. Antecedentes da produção do espaço brasileiro Éderson Dias de Oliveira ADAS, M. e ADAS S. Panorama Geográfico do Brasil: contradições, impasses e desafios socioespaciais. Editora Moderna, São Paulo, 1998.
  2. 2. Antecedentes da produção do espaço brasileiro  Para entender as características principais da organização espacial do BR colônia é necessário uma visão histórica;  Espaço e tempo – organização econômica, administrativa, politica, religiosa e cultural;  O espaço geográfico é produzido e organizado segundo os interesses de alguns, e não de todos;  As relações de poder (política, econômica, religiosa e militar) sempre foram determinantes na produção e organização do espaço;
  3. 3. Produção do espaço geográfico no modo asiático • Vigorou durante a Antiguidade – Egito e Mesopotâmia; • Estado absoluto/onipresente – imperador ou déspota; • Este justamente com a classe privilegiada ditava boa parte das “regras” de apropriação, produção organização espacial; • Havia uma sujeição generalizada da sociedade ao Estado – sem propriedade privada e exploração da força de trabalho; • Produção do espaço geográfico realizada segundo o interesse de um pequeno grupo, Ex. as pirâmides;
  4. 4. Produção do espaço geográfico no modo escravista • Caracterizou as civilizações gregas e romanas antigas; • O espaço também foi definido com base nos interesses da classe dominante; • Porém nas relações sociais predominava a relação escravo- amo; • “a sociedade inteira interfere na sua produção, mas os objetos e as necessidades são os da classe dominante”, (Carlos, 1994);
  5. 5. Produção do espaço geográfico no modo feudal • Vigorou durante a Idade Média - Europa; • A posse da terra era fonte de riqueza e poder; • Os senhores feudais donos da terra, cobravam dos servos pelo uso de suas terras. • O espaço geográfico produzido expressava a divisão da sociedade feudal entre senhores e servos; • Aos senhores pertenciam - o castelo; as terras e o poder; • Aos servos pertenciam - o trabalho; a subordinação e a pobreza;
  6. 6. • O espaço geográfico do feudo era a expressão visível, das relações de dominação: vida isolada, autossuficiência e concentração de poder; • O clero também era outro agente que participava do processo de produção/organização do espaço - dono de vastas propriedades; • Portanto além das determinações econômicas, os aspectos culturais (religião, valores éticos e políticos) também participavam da produção do espaço; • Numa escala mais ampla situava os reinos, que estavam “divididos” como uma colcha de retalho, e por conseguinte o poder real;
  7. 7. • A partir do séc. XI, o feudalismo começou a enfrentar crises de produção; • O modo de produção feudal era um obstáculo a expansão comercial, pois mantinha os espaços geográficos desarticulados entre si; • A burguesia emergente juntamente com os reis, buscam derrubar a concentração do poder dos senhores feudais e da igreja; • Há um processo de concentração política, econômica e administrativa nas mãos do rei e de suas respectivas burguesias
  8. 8. O aparecimento dos Estados nacionais e do capitalismo e sua projeção sobre os espaços geográficos do Novo Mundo • Com a decadência do feudalismo entre os séc. XI e XV se consolida os Estados nacionais - absolutismo monárquico; • Há uma modificação no arranjo territorial europeu – os arquipélagos político- econômicos feudais deram lugar a territórios centralizados;
  9. 9. • Os servos buscam áreas novas para cultivo onde obtém excedente de produção e potencializam o comércio - há um renascimento comercial e urbano; • O modo de produção feudal passa a ser substituído pelo modo de produção capitalista – servos por assalariados; • O mercantilismo tornou-se aos poucos a doutrina econômica dos Estados nacionais – acúmulo divisas, metais e balança comercial positiva; • Todavia, o comércio europeu no séc. XV era monopolizado pelos árabes e italianos – Mar Mediterrâneo;
  10. 10. TRANSFORMAÇÕES FEUDALISMO CAPITALISMOSubsistência Lucro Mercados Progresso Econômico Circulação de riquezas
  11. 11. Trabalho Servil Trabalho Assalariado Manufaturas Burguesia Crédito Bancário Expansão Marítima Rev. Industrial Crescimento Comercial
  12. 12. Protecionismo Metalismo Controle do Estado Balança comercial favorável Monopolismo Colonialismo
  13. 13. História-geográfica do mundo Europeu  Até o início do séc. XV, o horizonte conhecido estava restrito à adjacência do mar Mediterrâneo;
  14. 14. A história do homem nos últimos séculos é, principalmente, a história da expansão da Europa ocidental que, ao se constituir em núcleo de um novo processo civilizatório, se lança sobre todos os povos em ondas sucessivas de violência, de cobiça e de opressão.
  15. 15. AS GRANDES NAVEGAÇÕES OU EXPANSÃO MARÍTIMA:  Definição: período em que as nações europeias iniciaram um processo de exploração e conquistas em novos territórios, que ampliou o mundo até então conhecido.  Quando: aproximadamente entre os séculos XV e XVI. • Transição - Idade Média para Idade Moderna
  16. 16. • Expansão mercantil europeia • Época das Grandes Navegações e Descobrimentos  Fatores da Transição • Econômicos (capitalismo) • Políticos (absolutismo) • Socioculturais (burguesia e renascimento) • Religiosos (reformas religiosas)
  17. 17. Razões que levaram à Expansão Marítima  Tentativa de romper o monopólio comercial de Veneza e Gênova - Mar Mediterrâneo – controlado por Italianos;  Expansão da fé cristã (justificativa);  Necessidade de Mercados Consumidores e Matéria-Prima - a produção artesanal nas cidades era alta e não encontrava consumidores na zona rural.  Retomada do lucrativo comércio com o Oriente;  Artigos de luxo e especiarias: seda, tapeçarias, objetos de marfim, joias, cravo, pimenta, canela, açúcar, noz-moscada e etc.
  18. 18. Rota das Especiarias no século XV
  19. 19.  Novas Rotas para as Índias - o “Oriente” controlado por árabes;  Norte da África – dominadas pelos mulçumanos;  Necessidade de metais preciosos - Metalismo e Cunhagem de moedas para incentivar o comércio - Busca por novas áreas mineradoras;  Tomada de Constantinopla pelos turco- otomanos em 1453. (queda do Império Romano Oriental);
  20. 20. ROTAS DAS ESPECIARIAS  As rotas mais conhecidas para buscar especiarias eram a rota por terra ou via Mar Mediterrâneo.  A rota por terra era dominada, geralmente, pelos árabes.  Além disso, o percurso era muito grande, o que desestimulava a burguesia.  Coube aos portugueses buscar uma rota alternativa - a escolha foi o Oceano Atlântico.
  21. 21. Planisfério de 1457, salienta-se a forma correta como a costa do Mediterrâneo está delineada, enquanto o restante foi construído de forma um pouco arbitrária.
  22. 22. Cartografia Planisfério T-O (século IX) Planisfério de Zona (séc. XII)
  23. 23. Planisfério Cantino - representa a África com bastante exatidão e é a mais antiga carta portuguesa que inclui um trecho de litoral brasileiro
  24. 24. Riscos (imaginários) de navegação  Navegar no Oceano Atlântico não era tarefa fácil.  Este oceano era conhecido como Mar Tenebroso, pois havia a ideia de que era habitado por monstros marinhos.  Além disso, alguns acreditavam na ideia – propagada nas escrituras bíblicas – da Terra Plana.  Assim, em determinado ponto da viagem, as embarcações seriam atacadas por monstros ou cairiam em abismos.  Além das crenças e superstições da época, os navegadores enfrentavam outras ameaças, como: fome, sede, doenças, tédio, tempestades e etc.  Desta forma, das embarcações que partiam, poucas retornavam.
  25. 25. • Naquela época, havia lendas que faziam crer que o mar estava cheio de monstros, capazes de engolir navios. • Ouvia-se dizer que o mar engolia os barcos, que havia monstros... • Para lá do cabo Bojador o Sol era tão quente que a água fervia...
  26. 26. Lendas Ligadas à navegação • Diz a lenda que o gigante, “Adamastor” habitava no Cabo das Tormentas e que se vingava dos navegadores que por ali tentavam passar. • Até ao final da Idade Média os conhecimentos geográficos eram poucos e estavam envolvidos em imensas lendas. • Acreditava-se que a Terra era um disco plano que pairava no espaço, circulando à sua volta os outros corpos celestes, como a Lua, o Sol e as estrelas visíveis no céu (Teoria Geocêntrica).
  27. 27. Fatores - Inovações Técnicas: (Bússola, Astrolábio, Pólvora, Caravela, Mapas)
  28. 28. bússola foi uma das invenções que impulsionou a Expansão Marítima. ssim como a bússola, o astrolábio ajudava nas navegações, e funcionava baseado à luz do Sol. Bússola
  29. 29. Quadrante Balestilha
  30. 30. Novos Territórios Especiarias Metais Preciosos Bússola Caravelas Novos Mercados Expansão do Cristianismo Pioneirismo português
  31. 31. Por que ? Quebrar Monopólio Italiano Novo Caminho para as Índias Necessidade de Merc. consumidor Matéria Prima
  32. 32. Fatores do pioneirismo de Portugal  Formação de Monarquia Nacional precoce (1385 - Revolução de Avis);  Centralização Política - poder nas mãos do rei (absoluto);  Apoio do grupo mercantil – desenvolvimento do comércio - Monarquia aliada à Burguesia;  Paz Interna - Ausência de guerras e estrangeiros (mulçumanos);  Posição Geográfica favorável – Atlântico - Mediterrâneo;  Contato com navegadores;
  33. 33. Localização Geográfica Portugal
  34. 34.  Príncipe infante D. Henrique (o navegador) criou a “Escola de Sagres” - Desenvolvimento da empresa náutica - tecnologias de navegação - Portugal = “meio do caminho” = vira centro comercial;  Igreja (expansão da fé);  Baixa produção Agrícola – pequeno território;  Reconquista = expulsão dos muçulmanos da Península Ibérica - contatos com muçulmanos, nórdicos e italianos;  1453 → queda de Constantinopla – Turcos Otomanos - urgência de uma nova rota para as Índias
  35. 35. Etapas da Expansão Portuguesa  1ª etapa (1415-1460) - é explorada a costa atlântica da África até o golfo da Guiné, dando acesso às especiarias.  2ª etapa (1460-1498)  Bartolomeu Dias descobre o cabo da Boa Esperança (1488) e Vasco da Gama atinge a Índia.  3ª etapa (1498-1600) - a partir da expedição de Cabral, os navegadores lusos foram cada vez mais longe: Groenlândia, Oceano Pacífico até a circunavegação da Terra;
  36. 36. Conquistas Portuguesas: ciclo oriental (périplo africano)  Ceuta (1415) - expedição militar - cidade onde convergiam mercadores mulçumanos - controle político militar do Estreito de Gibraltar;  Arquipélago da Madeira (1419) – cana, pecuária, escravos (capitanias);  Arquipélago do Açores (1431) – idem A. Madeira;  Cabo Bojador (1434);  Cabo Branco (1445) - Fundação da feitoria de Arguim;
  37. 37.  Arquipélago de Cabo Verde (1445) – idem A. Madeira;  Golfo Guiné e Cabo das Palmas (1452) e linha Equador (1471);  Rio Congo e Angola (1482) – feitorias S. Jorge da Mina, Luanda e Cabinda;  Cabo da Boa Esperança (1488) – contorno do litoral africano - Bartolomeu Dias (POR);  Calicute (1498) – Tentativas de Império Português no Oriente - (Vasco da Gama) Lucro 6.000% ROTADEVASCO DAGAMA
  38. 38. Conquistas Portuguesas – “Índias”  Brasil e Índias (1500) - Pedro Álvares Cabral “descobre o Brasil” e segue para as Índias - Tentativa de se fixar no oriente (Império)  Índias (1505 - 1515) - Afonso de Albuquerque (fundador do império Português nas Índias) - Conquistas militares portuguesas no Oriente  Ilha do Ceilão e Indonésia (ilha de Java)  Índias (Calicute, Goa, Damão e Diu)  Golfo Pérsico (Aden)  Acordos Comerciais (1517 e 1530)  China (Macau)  Japão
  39. 39.  Até 1530, Portugal esteve mais interessado em explorar as riquezas do Oriente.  Apenas quando esse comércio parou de gerar tantos lucros e a posse das terras americanas estava ameaçada, Portugal iniciou a colonização na América.
  40. 40. Império Português durante o reinado de D. João III (1521-1557) Extensão máxima do Império Português no século XVII
  41. 41. Disputa entre Portugal e Espanha pelas novas terras:  Para dividir as terras conquistadas (Novo Mundo), foram criados dois documentos:  Bula Intercoetera (1493): 100 léguas a partir de Cabo Verde. Terras ao ocidente pertenceriam a Espanha. Terras a oriente pertenceriam a Portugal (VIANNA, 1948).  Tratado de Tordesilhas (1494): 370 léguas a partir de Cabo Verde. Idem; Esse tratado substituiu o anterior.  Estes documentos foram questionados por outros países europeus que não participaram desta divisão.
  42. 42. O TRATADO DE TORDESILHAS:
  43. 43. Expansão Marítima Espanhola  A Espanha entrou atrasada em relação à Portugal na conquista dos mares, pois estava expulsando os mulçumanos de seu território, na chamada Reconquista.  Enquanto Portugal se lançava ao mar, os reinos de Castela e Aragão ainda lutavam contra os mouros.  1492 – Colombo chegou a América.  1519 – Fernão de Magalhães – primeira viagem em torno do mundo – circunavegação.
  44. 44. Espanha e Portugal - diferenças  Portugueses: fixavam- se no litoral das terras conquistadas.  Espanhóis: procuravam explorar o interior.  Assim, com o trabalho forçado da pop. nativa conseguiram explorar minas de ouro e prata para enriquecer a metrópole.
  45. 45. ESPANHA - 1492 → Tomada de Granada, conclusão da expulsão dos mouros → Cristóvão Colombo (Genovês) ( + Isabel de Castela) → “volta ao mundo” = Índias (3 navios, 90 homens) 12/outubro: chegam à ilha de San Salvador, nas Bahamas (“descoberta da América”)  Colombo é glorificado = péssima administração = é preso, morre sem dinheiro  Américo Vespúcio = navegador, cartógrafo, homem influente - dá o nome ao novo continente
  46. 46. Expansão Espanhola - atraso devido a expulsão dos árabes 1492 – América (Colombo) - São Domingo; Cuba, San Salvador 1504 – Américo Vespúcio 1508 – México (Pinzón) 1512 – Flórida (Ponce de Leon) 1513 - América Central - (Vasco N. Balboa) 1515 – Rio da Prata (João D. Solis) 1519 – México – Astecas - (H. Cortes) 1519-1522 – Circunavegação - (Fernão de Magalhães) 1531-1533 – Peru, Incas - (F. Pizarro) 1540 – Novo México - (Vasquez de Coronado) 1545 – Potosi (Bolívia)
  47. 47. Mapa dos Impérios Espanhol e Português conjuntos Vermelho - Império Espanhol / Azul - Império Português
  48. 48. Conquistas tardias...  No início do séc. XVI, a Espanha controlava quase toda a zona costeira das Américas, desde a Califórnia à Patagônia, no ocidente, e desde a Geórgia (EUA) à Argentina – com exceção do Brasil;  Apenas no séculos XVI, Inglaterra, Holanda e França começaram a financiar expedições ultramarinas, tornando-se também grandes metrópoles coloniais;  Questionamento ao domínio ibérico do T. de Tordesilhas (1494)  Defesa da teoria do uti possideti;  Esta pressão obrigou portugueses e espanhóis a aumentar o controle de “suas terras” através da colonização;
  49. 49. Consequências históricas e geográficas das navegações • Deslocamento do eixo econômico do Mar Mediterrâneo para o Oceano Atlântico; • Extermínio de populações e da cultura de vários povos. • Conflitos entre países por não aceitarem Tordesilhas; • Impérios Coloniais - (Portugal e Espanha); • Afluxo de Metais para a Europa; • Escravidão - índios e negros; • Revolução dos Preços;
  50. 50. • Consolidação do capitalismo comercial como novo modo de produção e de organização e produção do espaço geográfico; • Implantação do Capitalismo Comercial e posteriormente do Industrial; • Dinamização e ampliação do comércio em escala mundial; • Fortalecimento das monarquias europeias; • Antropocentrismo, Laicização e Ciências; • Desenvolvimento técnico e científico; • Difusão do Cristianismo;
  51. 51. • Incorporação dos novos territórios, ao mundo europeu e um novo modo de produção capitalista; • O comércio europeu conheceu uma grande expansão; • O novo modo de produção - capitalismo - teve um papel decisivo no processo de produção/organização dos espaços geográficos mundiais; • Colonialismo – mudança dos espaços geográficos africanos, asiáticos e americanos; • Há uma imposição do novo modo de produção, Ex. antes dos europeus, a terra era fonte de vida - cumpria funções sociais;
  52. 52. • Com a expansão comercial, a terra passou a ser vista como fonte de lucro; • Há um desestruturação dos sistemas produtivos das sociedades tradicionais; - agricultura de subsistência para agricultura comercial de exportação; • O mesmo ocorreu com o artesanato – o colonialismo e mercantilismo introduzem manufaturas, o que originou a dependência tecnológica; • O processo cultural de europeização do mundo, teve um peso muito grande na produção dos espaços geográficos;

×