SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
ESQUIZOFRENIA
      Leonardo Nunes de Castro Oliveira
               Acadêmico do 9º período
                       Medicina – UFT
     Palmas, 2012
HISTÓRIA




 Benedict Morel (1809-1873)   Emil Kraepelin (1856-1926)
     “démence précoce”             “dementia precox”




                                      Eugen Bleuler (1857-1939)
                                            “esquizofrenia”
O QUE É A ESQUIZOFRENIA??

     É um transtorno grave, heterogêneo, de
causa desconhecida, com sintomas psicóticos
que prejudicam significativamente o funciona-
mento social.

      Tem evolução crônica e prognóstico som-
brio. A consciência clara e a capacidade intelec-
tual estão normalmente mantidas, embora possa
ocorrer déficit cognitivo com a evolução do
quadro.
EPIDEMIOLOGIA

• Prevalência de 1%;

• Igualmente prevalente em

• Hipóteses virais... Influenza??;

• Parentes de 1º grau  Risco 10x maior;

• Uso de substâncias: tabagismo, maconha...
• Doença vista em todas as culturas e grupos
  socioeconômicos
      - Hipótese do declínio
      - Hipótese da causa social

• 75% dos esquizofrênicos graves não podem
  trabalhar;

• Esquizofrênicos ocupam 50% de todos os leitos
  de hospitais psiquiátricos e respondem por
  16% da população psiquiátrica.
ETIOLOGIA

NENHUM fator etiológico isolado é considerado
como causador!!

• Modelo do diátese-estresse
     - Fatores neurobiológicos
     - Fatores genéticos
     - Fatores psicossociais
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

• Quadro clínico polimorfo e heterogêneo;

• NÃO há sinal patognomônico!!!

• Sintomas podem mudar com a evolução da
  doença;

• Personalidade pré-mórbida;
• Sinais e sintomas

     - Aspecto geral

     - Afetividade

     - Sensopercepção

     - Pensamento

     - Linguagem
DIAGNÓSTICO

• O diagnóstico é feito a partir da observação e
  descrição do paciente;

• Não existe, até o momento, nenhum exame
  complementar que possa identificar a doença.
• Os quatro “As” de Bleuler
      - Associação, Afeto, Autismo e Ambivalência
• Critérios diagnósticos de Schneider (1887-1967)
Sintomas de 1ª ordem          Sintomas de 2ª ordem
-Percepção delirante                       -Outros transtornos da sensoper-
-Vozes que dialogam entre si                 cepção
-Vozes que comentam as atividades          -Perplexidade
do paciente                                -Alterações de humor depressivas
-Roubo de pensamento e outras                 ou maníacas
vivências de influência do                 -Vivências de empobrecimento
pensamento                                    afetivo
-Sonorização e difusão do pensamento        -Outros sintomas
-Todas as outras experiências envolvendo
volição, afeto e impulsos influenciados
• Sintomas negativos (tipo I) ou positivos (tipo II)
Tipo I
- Embotamento afetivo
- Retração social
- Empobrecimento da linguagem e do pensamento
- Diminuição da fluência verbal
- Diminuição da vontade (sem iniciativa)
- Autonegligência
- Lentificação psicomotora

Tipo II
- Alucinações auditivas
- Ideias delirantes paranoides
- Comportamento bizarro
- Agitação psicomotora
- Ideias bizarras, não necessariamente delirantes
- Produções linguísticas como neologismos
• Critérios diagnósticos DSM-IV-TR
• Critérios diagnósticos CID-10
CLASSIFICAÇÃO

Segundo o CID 10:
• Esquizofrenia Paranoide
• Esquizofrenia Hebefrênica
• Esquizofrenia Catatônica
• Esquizofrenia Indiferenciada
• Esquizofrenia Residual
• Esquizofrenia Simples
• Depressão pós-esquizofrênica
DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL

• Outros transtornos psicóticos;

• Transtornos do humor;

• Transtornos da personalidade;

• Quadros orgânicos com manifestação
  esquizofreniforme.
CURSO E PROGNÓSTICO

• Sintomas prodrômicos: ansiedade, depressão e
  perplexidade;

• Eventos desencadeantes:
  traumas, drogas, estresse;

• Exacerbações e remissões;

• 40 a 60% são muito comprometidos.
TRATAMENTO

• Associação de medicamentos + psicoterapia;

• Antipsicóticos ou neurolépticos
       - Típicos – Alta potência (haloperidol e
flufenazina)
       - Típicos – Baixa potência (clorpromazina e
levomepromazina)
       - Atípicos (risperidona, olanzapina, quetia-
pina, clozapina*)
NÃO ESQUECER...

• Tratamento de suporte  questões como famí-
  lia, trabalho, lazer, moradia;

• Internação
       - Medida extrema;
       - Menor duração possível;
       - Serve para proteção (e não exclusão) do
paciente, quando outros meios falharam.
CURIOSIDADES...
“As vozes assolam a minha mente
    Penetram mais e mais, murmurando ordens insanas
                Já não distingo a realidade
           Quero controlá-las, mas não consigo
            Ecoam no meu cérebro aterradoras
   Em delírio errôneo, o meu corpo alucinado se retrai
     Serão seres sobrenaturais, fantasmas, o demo…?
  Em delírio constante sou Deus, Jesus, Virgem Maria…
         Desarticulo-me no pensamento expressivo
          Misturam-se as palavras, sem coerência
    Transformando-se em pensamentos perturbadores
        Perturbando meu funcionamento intelectual
 Sinto na alma a deterioração prematura do meu cérebro
 Sinto-me perdida, percepciono tudo e nada percepciono
             Rio-me estupidamente, reagindo
À minha própria interpretação idiossincrásica da situação.
        E tu choras, olhas para mim e não entendes
          Eu continuo na minha insanidade mental
 Amarrada ao delírio, às alucinações e à inanição cognitiva
Sofro, desesperadamente, perco o contato com a realidade
    O todo é irreal, ilusório e penetra no meu cérebro
       Deixando-me louca, amarfanhada e perdida
    Já nem sei quem sou, ajude-me… compreende-me.”

                   Autor desconhecido
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais; 4ª
   ed. American Psychiatric Association, Porto Alegre, 2002;
2. Kaplan & Sadock; Compêndio de Psiquiatria; 9ª ed. Porto
   Alegre, 2007;
3. Associação Brasileira de Psiquiatria; www.abp.org.br;
   acessado em 23/04/2012 às 21h57min;
4. Revista Brasileira de Psiquiatria;
   http://www.scielo.br/scielo.php?pid=1516-
   4446&script=sci_serial; acessado em 23/04/2012 às
   22h45min


                                         OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
EsquizofreniaJulai1991
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAroldo Gavioli
 
Transtornos do pensamento: esquizofrenia
Transtornos do pensamento: esquizofreniaTranstornos do pensamento: esquizofrenia
Transtornos do pensamento: esquizofreniaAroldo Gavioli
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1Eduardo Gomes da Silva
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...Aroldo Gavioli
 
Transtorno de personalidade
Transtorno de personalidadeTranstorno de personalidade
Transtorno de personalidadeLuisa Sena
 
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1Lampsi
 
Psicopatologia – aula 01
Psicopatologia – aula 01Psicopatologia – aula 01
Psicopatologia – aula 01Rochelle Arruda
 
Programa de saúde mental no SUS
Programa de saúde mental no SUSPrograma de saúde mental no SUS
Programa de saúde mental no SUSPatrícia Prates
 

Mais procurados (20)

Psicoses
PsicosesPsicoses
Psicoses
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Transtorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolarTranstorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolar
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátrica
 
Transtornos do pensamento: esquizofrenia
Transtornos do pensamento: esquizofreniaTranstornos do pensamento: esquizofrenia
Transtornos do pensamento: esquizofrenia
 
Apresentação esquizofrenia
Apresentação esquizofreniaApresentação esquizofrenia
Apresentação esquizofrenia
 
Transtorno Bipolar
Transtorno BipolarTranstorno Bipolar
Transtorno Bipolar
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
 
A história da loucura
A história da loucuraA história da loucura
A história da loucura
 
TRANSTORNO BIPOLAR
TRANSTORNO BIPOLARTRANSTORNO BIPOLAR
TRANSTORNO BIPOLAR
 
Transtorno de personalidade
Transtorno de personalidadeTranstorno de personalidade
Transtorno de personalidade
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
 
Psicopatologia – aula 01
Psicopatologia – aula 01Psicopatologia – aula 01
Psicopatologia – aula 01
 
doenças mentais
doenças mentaisdoenças mentais
doenças mentais
 
Depressão
Depressão Depressão
Depressão
 
Programa de saúde mental no SUS
Programa de saúde mental no SUSPrograma de saúde mental no SUS
Programa de saúde mental no SUS
 

Destaque (20)

Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Esquizofrenia diapositivas
Esquizofrenia diapositivasEsquizofrenia diapositivas
Esquizofrenia diapositivas
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Trastornos afectivos 1
Trastornos afectivos 1Trastornos afectivos 1
Trastornos afectivos 1
 
Esquizofrenia. ppt
Esquizofrenia. ppt Esquizofrenia. ppt
Esquizofrenia. ppt
 
Saude mental 021
Saude mental 021Saude mental 021
Saude mental 021
 
sistema nervoso
sistema nervoso sistema nervoso
sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Doenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervosoDoenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervoso
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização
 
Doença mental
Doença mentalDoença mental
Doença mental
 
Doenças do foro psicologico(1)
Doenças do foro psicologico(1)Doenças do foro psicologico(1)
Doenças do foro psicologico(1)
 
Actividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º anoActividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º ano
 
Doenças Neurológicas
Doenças NeurológicasDoenças Neurológicas
Doenças Neurológicas
 
Doenças neurológicas
Doenças neurológicasDoenças neurológicas
Doenças neurológicas
 
Doenças neurodegenerativas
Doenças neurodegenerativasDoenças neurodegenerativas
Doenças neurodegenerativas
 
Doenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervoso Doenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervoso
 

Semelhante a Esquizofrênia - Leonardo Nunes

Semelhante a Esquizofrênia - Leonardo Nunes (20)

Apresentação de Esquizofrenia.pptx
Apresentação de  Esquizofrenia.pptxApresentação de  Esquizofrenia.pptx
Apresentação de Esquizofrenia.pptx
 
artigo esquizofrenia.pptx
artigo esquizofrenia.pptxartigo esquizofrenia.pptx
artigo esquizofrenia.pptx
 
PSICOSE.pptx
PSICOSE.pptxPSICOSE.pptx
PSICOSE.pptx
 
Aula 3 psicologia anormal
Aula 3   psicologia anormalAula 3   psicologia anormal
Aula 3 psicologia anormal
 
Esquizo
EsquizoEsquizo
Esquizo
 
Esquizofrenia - CETAM
Esquizofrenia - CETAMEsquizofrenia - CETAM
Esquizofrenia - CETAM
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 2
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 2[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 2
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 2
 
Esquizofrenia
Esquizofrenia  Esquizofrenia
Esquizofrenia
 
Depresao
DepresaoDepresao
Depresao
 
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo Vii
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo ViiCóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo Vii
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo Vii
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Depressão e demência no idoso 1
Depressão e demência no idoso 1Depressão e demência no idoso 1
Depressão e demência no idoso 1
 
Psicopatologia é Diagnóstico
Psicopatologia é DiagnósticoPsicopatologia é Diagnóstico
Psicopatologia é Diagnóstico
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptxSíndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
 
Slide de Transtorno Afetivo Bipolar Psiquiatra
Slide de Transtorno Afetivo Bipolar PsiquiatraSlide de Transtorno Afetivo Bipolar Psiquiatra
Slide de Transtorno Afetivo Bipolar Psiquiatra
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Esquizofrenia 1a
Esquizofrenia 1aEsquizofrenia 1a
Esquizofrenia 1a
 
Esquizofrenia e bipolaridade
Esquizofrenia e bipolaridadeEsquizofrenia e bipolaridade
Esquizofrenia e bipolaridade
 
Análise do filme "Número 23"
Análise do filme "Número 23"Análise do filme "Número 23"
Análise do filme "Número 23"
 

Mais de Liga Acadêmica de Neurociências da Universidade Federal do Tocantins (7)

Relação entre homicídio e transtornos mentais
Relação entre homicídio e transtornos mentaisRelação entre homicídio e transtornos mentais
Relação entre homicídio e transtornos mentais
 
Esquizofrenia e distorção da imagem corporal: considerações nosológicas
Esquizofrenia e distorção da imagem corporal: considerações nosológicasEsquizofrenia e distorção da imagem corporal: considerações nosológicas
Esquizofrenia e distorção da imagem corporal: considerações nosológicas
 
Consciência da doença na doença de Alzheimer: resultados preliminares de um e...
Consciência da doença na doença de Alzheimer: resultados preliminares de um e...Consciência da doença na doença de Alzheimer: resultados preliminares de um e...
Consciência da doença na doença de Alzheimer: resultados preliminares de um e...
 
Automutilação ocular: relato de seis casos de enucleação ocular
Automutilação ocular: relato de seis casos de enucleação ocularAutomutilação ocular: relato de seis casos de enucleação ocular
Automutilação ocular: relato de seis casos de enucleação ocular
 
A Evolução do Conceito de Esquizofrenia neste Século
A Evolução do Conceito de Esquizofrenia neste SéculoA Evolução do Conceito de Esquizofrenia neste Século
A Evolução do Conceito de Esquizofrenia neste Século
 
ANATOMIA MICROCIRÚRGICA DO HIPOCAMPO NA AMÍGDALO-HIPOCAMPECTOMIA SELETIVA SOB...
ANATOMIA MICROCIRÚRGICA DO HIPOCAMPO NA AMÍGDALO-HIPOCAMPECTOMIA SELETIVA SOB...ANATOMIA MICROCIRÚRGICA DO HIPOCAMPO NA AMÍGDALO-HIPOCAMPECTOMIA SELETIVA SOB...
ANATOMIA MICROCIRÚRGICA DO HIPOCAMPO NA AMÍGDALO-HIPOCAMPECTOMIA SELETIVA SOB...
 
O neurônio do Suicídio
O neurônio do SuicídioO neurônio do Suicídio
O neurônio do Suicídio
 

Último

Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfaulasgege
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 

Último (20)

Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 

Esquizofrênia - Leonardo Nunes

  • 1. ESQUIZOFRENIA Leonardo Nunes de Castro Oliveira Acadêmico do 9º período Medicina – UFT Palmas, 2012
  • 2. HISTÓRIA Benedict Morel (1809-1873) Emil Kraepelin (1856-1926) “démence précoce” “dementia precox” Eugen Bleuler (1857-1939) “esquizofrenia”
  • 3. O QUE É A ESQUIZOFRENIA?? É um transtorno grave, heterogêneo, de causa desconhecida, com sintomas psicóticos que prejudicam significativamente o funciona- mento social. Tem evolução crônica e prognóstico som- brio. A consciência clara e a capacidade intelec- tual estão normalmente mantidas, embora possa ocorrer déficit cognitivo com a evolução do quadro.
  • 4. EPIDEMIOLOGIA • Prevalência de 1%; • Igualmente prevalente em • Hipóteses virais... Influenza??; • Parentes de 1º grau  Risco 10x maior; • Uso de substâncias: tabagismo, maconha...
  • 5. • Doença vista em todas as culturas e grupos socioeconômicos - Hipótese do declínio - Hipótese da causa social • 75% dos esquizofrênicos graves não podem trabalhar; • Esquizofrênicos ocupam 50% de todos os leitos de hospitais psiquiátricos e respondem por 16% da população psiquiátrica.
  • 6. ETIOLOGIA NENHUM fator etiológico isolado é considerado como causador!! • Modelo do diátese-estresse - Fatores neurobiológicos - Fatores genéticos - Fatores psicossociais
  • 7. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS • Quadro clínico polimorfo e heterogêneo; • NÃO há sinal patognomônico!!! • Sintomas podem mudar com a evolução da doença; • Personalidade pré-mórbida;
  • 8. • Sinais e sintomas - Aspecto geral - Afetividade - Sensopercepção - Pensamento - Linguagem
  • 9. DIAGNÓSTICO • O diagnóstico é feito a partir da observação e descrição do paciente; • Não existe, até o momento, nenhum exame complementar que possa identificar a doença.
  • 10. • Os quatro “As” de Bleuler - Associação, Afeto, Autismo e Ambivalência • Critérios diagnósticos de Schneider (1887-1967) Sintomas de 1ª ordem Sintomas de 2ª ordem -Percepção delirante -Outros transtornos da sensoper- -Vozes que dialogam entre si cepção -Vozes que comentam as atividades -Perplexidade do paciente -Alterações de humor depressivas -Roubo de pensamento e outras ou maníacas vivências de influência do -Vivências de empobrecimento pensamento afetivo -Sonorização e difusão do pensamento -Outros sintomas -Todas as outras experiências envolvendo volição, afeto e impulsos influenciados
  • 11. • Sintomas negativos (tipo I) ou positivos (tipo II) Tipo I - Embotamento afetivo - Retração social - Empobrecimento da linguagem e do pensamento - Diminuição da fluência verbal - Diminuição da vontade (sem iniciativa) - Autonegligência - Lentificação psicomotora Tipo II - Alucinações auditivas - Ideias delirantes paranoides - Comportamento bizarro - Agitação psicomotora - Ideias bizarras, não necessariamente delirantes - Produções linguísticas como neologismos
  • 14. CLASSIFICAÇÃO Segundo o CID 10: • Esquizofrenia Paranoide • Esquizofrenia Hebefrênica • Esquizofrenia Catatônica • Esquizofrenia Indiferenciada • Esquizofrenia Residual • Esquizofrenia Simples • Depressão pós-esquizofrênica
  • 15. DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL • Outros transtornos psicóticos; • Transtornos do humor; • Transtornos da personalidade; • Quadros orgânicos com manifestação esquizofreniforme.
  • 16. CURSO E PROGNÓSTICO • Sintomas prodrômicos: ansiedade, depressão e perplexidade; • Eventos desencadeantes: traumas, drogas, estresse; • Exacerbações e remissões; • 40 a 60% são muito comprometidos.
  • 17. TRATAMENTO • Associação de medicamentos + psicoterapia; • Antipsicóticos ou neurolépticos - Típicos – Alta potência (haloperidol e flufenazina) - Típicos – Baixa potência (clorpromazina e levomepromazina) - Atípicos (risperidona, olanzapina, quetia- pina, clozapina*)
  • 18. NÃO ESQUECER... • Tratamento de suporte  questões como famí- lia, trabalho, lazer, moradia; • Internação - Medida extrema; - Menor duração possível; - Serve para proteção (e não exclusão) do paciente, quando outros meios falharam.
  • 20.
  • 21. “As vozes assolam a minha mente Penetram mais e mais, murmurando ordens insanas Já não distingo a realidade Quero controlá-las, mas não consigo Ecoam no meu cérebro aterradoras Em delírio errôneo, o meu corpo alucinado se retrai Serão seres sobrenaturais, fantasmas, o demo…? Em delírio constante sou Deus, Jesus, Virgem Maria… Desarticulo-me no pensamento expressivo Misturam-se as palavras, sem coerência Transformando-se em pensamentos perturbadores Perturbando meu funcionamento intelectual Sinto na alma a deterioração prematura do meu cérebro Sinto-me perdida, percepciono tudo e nada percepciono Rio-me estupidamente, reagindo À minha própria interpretação idiossincrásica da situação. E tu choras, olhas para mim e não entendes Eu continuo na minha insanidade mental Amarrada ao delírio, às alucinações e à inanição cognitiva Sofro, desesperadamente, perco o contato com a realidade O todo é irreal, ilusório e penetra no meu cérebro Deixando-me louca, amarfanhada e perdida Já nem sei quem sou, ajude-me… compreende-me.” Autor desconhecido
  • 22. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais; 4ª ed. American Psychiatric Association, Porto Alegre, 2002; 2. Kaplan & Sadock; Compêndio de Psiquiatria; 9ª ed. Porto Alegre, 2007; 3. Associação Brasileira de Psiquiatria; www.abp.org.br; acessado em 23/04/2012 às 21h57min; 4. Revista Brasileira de Psiquiatria; http://www.scielo.br/scielo.php?pid=1516- 4446&script=sci_serial; acessado em 23/04/2012 às 22h45min OBRIGADO!