SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Dr. Cicero Gomes de Figueiredo
 Estimativas de prevalência na população em 12
meses é de 6,6% e na vida de 16,2%.
 Afeta 340 milhões de pessoas em todo o
mundo.
 mulheres/ homens = 2:1 (diferença tem início na
adolescência).
 Início em qualquer idade, mas o período de
maior incidência é dos 25 aos 30 anos e de
prevalência dos 30 aos 44 anos.
 0,4 a 2,5% das crianças e adolescentes.
Transtorno mental caracterizado por alteração do
humor, da psicomotricidade, e do pensamento.
Depressão
Mais intensa
Mais duradoura
Não reage aos estímulos positivos
Prejuízo funcional
Piora com o tempo
Sem fator causal necessariamente
Lentificação psicomotora
Tristeza normal
Menos intensa
Menos duradoura
Reage a estímulos positivos
Prejuízo funcional limitado
Melhora com o tempo
Tem fator causal
Sem lentificação psicomotora
Ambientais?
Genéticas?
A herança genética pode ser responsável por 40% da
susceptibilidade para o surgimento do Transtorno Depressivo
 População geral: risco estimado de 5%
 Familiares em primeiro grau, de deprimidos o de bipolares:
risco estimado é 3 vezes maior
 Gêmeos
• Concordância: MZ 64% - DZ 24%
 Adotados
• Risco 8 vezes maior para filhos de deprimidos
• Risco 15 vezes maior para filhos de deprimidos suicidas
• Humor triste
• Retardo psicomotor
• Pensamento lentificado
• Apatia / falta de emoção, motivação ou entusiasmo.
• Hipobulia / Diminuição e/ou abolição da volição, da energia,
do sentimento de força, do vigor
• Hipoprosexia / Redução da concentração
• Diminuição da libido
• Variação circadiana – piora matinal
• Alteração de sono – insonia terminal
• Alteração de apetite
• Perda de interesse e prazer – anedonia
• Perda de energia / fadiga fácil
 Presença de psicose
 Ideação suicida
 Gravidade dos sintomas
 Cronicidade dos sintomas
 Presença de comorbidades
 Ausência de resposta a tratamentos prévios
 Depressão Maior
 Depressão Bipolar
 Transtorno de Ansiedade
 Esquizofrenia
 Transtorno Esquizoafetivo
 Alcoolismo e outras Dependências Químicas
 Demência
 Infecções (Mononucleose)
 Doenças crônicas osteoarticulares
 Alterações endocrinológicas - Hipotireoidismo
 Diabetes, Moléstia de Addison, Síndrome de Sheehan
 Síndrome da Fadiga Crônica
 Anemias
 Medicamentosas – antibióticos, anti-hipertensivos (reserpina)
1. Investigar e tratar co-morbidades Observando o risco de
suicídio;
2. Estabelecer vínculo e aliança terapêutica;
3. Avaliar a possibilidade de tratamento psicoterápico;
4. Escolher o antidepressivo mais apropriado;
5. Manter o tratamento por tempo adequado;
6. Informar ao paciente, enfaticamente, sobre os objetivos do
tratamento, evolução e prognóstico da doença, manutenção
do tratamento, risco de recaídas e o que mais for necessário
para sua cooperação
 Intervenções psicoterápicas
 Eletroconvulsoterapia
 Fototerapia
 Estimulação magnética intracraniana
 Estimulação vagal
 Farmacoterapia
 Terapia cognitivo-comportamental/TCC
 É uma linha de psicoterapia breve, que envolve um conjunto de
técnicas e estratégias terapêuticas com a finalidade de mudança de
padrões de pensamento.
 O paciente é encorajado a entender seus problemas para em seguida
identificar novas formas de enfrentá-los.
 Tem como princípio básico à proposição de que não é uma
situação que determina as emoções e comportamentos de
um indivíduo, mas sim suas cognições ou interpretações a
respeito dessa situação, as quais refletem formas
idiossincráticas de processar informação.
 Terapia Interpessoal – TIP
 É uma terapia de formato breve que foi desenvolvida para o
tratamento de pacientes ambulatoriais adultos, com
depressão. Tem como foco as relações sociais do indivíduo e
a condição atual destes relacionamentos. Os objetivos
principais são o alívio da sintomatologia e a melhora das
relações interpessoais. A sua eficácia já foi estabelecida em
vários estudos clínicos controlados e parece ser uma forma
de terapia simples, breve e eficaz.
 ELETROCONVULSOTERAPIA – ECT
 Tratamento de primeira linha para Episódios depressivos
graves :
 com sintomas psicóticos.
 com ideação suicida.
 resistentes aos Psicofármacos.
 Alternativa importante para casos sem boa resposta a
tratamentos anteriores.
 ELETROCONVULSOTERAPIA
 Contraindicações:
 processos expansivos intracerebrais
 Coagulopatias
 AVC ou IAM recentes
 ICC ou HAS descompensada
 Descolamento de retina, glaucoma
• Avaliar a eficácia
 Evidência clínica
 Resolução de sintomas emocionais e somáticos
• Mecanismo de ação
• Tolerabilidade
• Segurança
• Facilidade de admnistração
• Custo (direto e indireto)
• História pessoal e familiar de tratamento
• Comorbidades
 AMITRIPTILINA tryptanol 25mg/75mg
 IMIPRAMINA tofranil 10mg/25mg pamoato
75mg/150mg
 NORTRIPTILINA pamelor 10mg/25mg/50mg/75mg
 CLOMIPRAMINA anafranil 10mg/25mg/75mg
Inibidores Seletivos de Recaptação de Serotonina
 FLUOXETINA Prozac 20mg/gotas
 CITALOPRAM Cipramil 20mg
 ESCITALOPRAM Lexapro 10mg/20mg/gotas
 FLUVOXAMINA Luvox 100mg
 PAROXETINA Aropax 20mg
 SERTRALINA Zoloft 50mg/100mg
 TRAZODONA * Donarem 50/100mg - Retard
 Doses usuais
 Efeitos colaterais
 Sedação, confusão mental, dificuldade de coordenação
motora, náuseas, redução do apetite, insônia, diminuição da
libido,
Inibidores da Recaptação de Noradrenalina e
Serotonina
 VENLAFAXINA Efexor XR 37,5mg/75mg/150mg
 DESVENLAFAXINA Pristiq 50mg/100mg
 MILNACIPRANO Ixel 25mg/50mg
 DULOXETINA Cymbalta 30mg/60mg
 Doses usuais
 Efeitos colaterais
 Náuseas, tonturas, sonolência, hipertensão arterial, sudorese abundante,
tremores, diminuição da libido.
Inibidores da Recaptação de Noradrenalina e Dopamina
 BUPROPIONA Wellbutrin 150mg/300mg
 Wellbutrin XL 150mg/300mg
 Doses usuais
 Efeitos colaterais
 Insónia, tremor, ansiedade, enxaqueca, hipertensão arterial,
perda de peso, irritabilidade, hipersudação, ondas de calor,
sensação de calor no corpo.
CARBONATO DE LÍTIO
HORMÔNIO TIREÓIDIANO
NEUROLÉPTICO
PLAMIPEXOLE (AGONISTA DOPAMINÉRGICO - SIFROL)
 Psicoterapia
 Relacionamento médico-paciente
 Mudanças comportamentais
◦ Controle do álcool
◦ Exercícios físicos
◦ Administrar o estresse
◦ Convívio social
RECOMENDAÇÕES
 O tratamento deve continuar por pelo menos seis
meses após a remissão total dos sintomas, no
primeiro episódio.
 Manter por pelo menos dois anos se: episódio severo,
resistente ao tratamento, recorrente, idade acima de
65 anos.
 Dose de manutenção igual a dose da fase aguda.
 Gradual suspensão do antidepressivo, se for o caso.
 Continuar observação do paciente, treinar para
perceber recaídas.
 Ficar atento as co-morbidades.
Aula depressao cícero mais médicos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
Transtorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolarTranstorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolar
 
saude mental
saude mental saude mental
saude mental
 
Depressão
Depressão Depressão
Depressão
 
Transtorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolarTranstorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolar
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
Morte e luto
Morte e lutoMorte e luto
Morte e luto
 
Transtornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosTranstornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicos
 
Psicoses
PsicosesPsicoses
Psicoses
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
Depressão - Marcelly e Marcilene
Depressão -  Marcelly e MarcileneDepressão -  Marcelly e Marcilene
Depressão - Marcelly e Marcilene
 
Depressão palestra
Depressão   palestraDepressão   palestra
Depressão palestra
 
A Depressão
A DepressãoA Depressão
A Depressão
 
Transtorno de personalidade
Transtorno de personalidadeTranstorno de personalidade
Transtorno de personalidade
 
Psicopatologia do abuso de substâncias 1
Psicopatologia do abuso de substâncias 1Psicopatologia do abuso de substâncias 1
Psicopatologia do abuso de substâncias 1
 
Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização
 
2. aula psicopatologia ii ansiedade
2. aula psicopatologia ii   ansiedade2. aula psicopatologia ii   ansiedade
2. aula psicopatologia ii ansiedade
 
Depressão e Suicício
Depressão e SuicícioDepressão e Suicício
Depressão e Suicício
 
Trabalho sobre depressão
Trabalho sobre depressãoTrabalho sobre depressão
Trabalho sobre depressão
 

Destaque

Estratificação de risco cardiovascular
Estratificação de risco cardiovascularEstratificação de risco cardiovascular
Estratificação de risco cardiovascularTereza Paula
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016Maycon Silva
 
Vi diretrizes brasileiras de hipertensão 2010
Vi diretrizes brasileiras de hipertensão 2010Vi diretrizes brasileiras de hipertensão 2010
Vi diretrizes brasileiras de hipertensão 2010Arquivo-FClinico
 
Sistema circulatório sanguíneo (aula 3 maço)
Sistema circulatório sanguíneo (aula 3 maço)Sistema circulatório sanguíneo (aula 3 maço)
Sistema circulatório sanguíneo (aula 3 maço)Suzy Bastos
 
Workshop - Mudanças no Transporte Terrestre de Produtos Perigosos
Workshop - Mudanças no Transporte Terrestre de Produtos PerigososWorkshop - Mudanças no Transporte Terrestre de Produtos Perigosos
Workshop - Mudanças no Transporte Terrestre de Produtos PerigososCesar Torrieli
 
FRACTURAS DE PELVIS
FRACTURAS DE PELVISFRACTURAS DE PELVIS
FRACTURAS DE PELVISAndrei Lara
 
Treinamento de Combate Incêndio com Mangueiras
Treinamento de Combate Incêndio com MangueirasTreinamento de Combate Incêndio com Mangueiras
Treinamento de Combate Incêndio com MangueirasIZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Substâncias Perigosas
Substâncias PerigosasSubstâncias Perigosas
Substâncias Perigosasgoncalocef
 
Clinica medica cardio
Clinica medica cardioClinica medica cardio
Clinica medica cardioTereza Prado
 
Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmicaHipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmicaVirginia Boger
 
Fractura de pelvis y cadera
Fractura de pelvis y caderaFractura de pelvis y cadera
Fractura de pelvis y caderaGerardo Luna
 
MEDULA ESPINHAL JANDERSON SOARES
MEDULA ESPINHAL  JANDERSON SOARESMEDULA ESPINHAL  JANDERSON SOARES
MEDULA ESPINHAL JANDERSON SOARESJanderson Physios
 

Destaque (20)

Aula hipertensão
Aula hipertensãoAula hipertensão
Aula hipertensão
 
Estratificação de risco cardiovascular
Estratificação de risco cardiovascularEstratificação de risco cardiovascular
Estratificação de risco cardiovascular
 
Apresentação IC
Apresentação ICApresentação IC
Apresentação IC
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
 
Vi diretrizes brasileiras de hipertensão 2010
Vi diretrizes brasileiras de hipertensão 2010Vi diretrizes brasileiras de hipertensão 2010
Vi diretrizes brasileiras de hipertensão 2010
 
Mapa de risco quimico
Mapa de risco quimicoMapa de risco quimico
Mapa de risco quimico
 
Sistema circulatório sanguíneo (aula 3 maço)
Sistema circulatório sanguíneo (aula 3 maço)Sistema circulatório sanguíneo (aula 3 maço)
Sistema circulatório sanguíneo (aula 3 maço)
 
Workshop - Mudanças no Transporte Terrestre de Produtos Perigosos
Workshop - Mudanças no Transporte Terrestre de Produtos PerigososWorkshop - Mudanças no Transporte Terrestre de Produtos Perigosos
Workshop - Mudanças no Transporte Terrestre de Produtos Perigosos
 
Glp anp
Glp anpGlp anp
Glp anp
 
FRACTURAS DE PELVIS
FRACTURAS DE PELVISFRACTURAS DE PELVIS
FRACTURAS DE PELVIS
 
Trauma abdominal fechado internato
Trauma abdominal fechado  internatoTrauma abdominal fechado  internato
Trauma abdominal fechado internato
 
Treinamento de Combate Incêndio com Mangueiras
Treinamento de Combate Incêndio com MangueirasTreinamento de Combate Incêndio com Mangueiras
Treinamento de Combate Incêndio com Mangueiras
 
Trauma de torax
Trauma de toraxTrauma de torax
Trauma de torax
 
Acidentes domésticos e em pequenas instalações
Acidentes domésticos  e em pequenas instalaçõesAcidentes domésticos  e em pequenas instalações
Acidentes domésticos e em pequenas instalações
 
Substâncias Perigosas
Substâncias PerigosasSubstâncias Perigosas
Substâncias Perigosas
 
Clinica medica cardio
Clinica medica cardioClinica medica cardio
Clinica medica cardio
 
Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmicaHipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica
 
Fractura de pelvis y cadera
Fractura de pelvis y caderaFractura de pelvis y cadera
Fractura de pelvis y cadera
 
MEDULA ESPINHAL JANDERSON SOARES
MEDULA ESPINHAL  JANDERSON SOARESMEDULA ESPINHAL  JANDERSON SOARES
MEDULA ESPINHAL JANDERSON SOARES
 
Apresentação nr13-senai-rev.00
Apresentação nr13-senai-rev.00Apresentação nr13-senai-rev.00
Apresentação nr13-senai-rev.00
 

Semelhante a Aula depressao cícero mais médicos

[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3 antidepressivos
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3  antidepressivos[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3  antidepressivos
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3 antidepressivosMarcelo Zanotti da Silva
 
Fármacos usados na psiquiatria com interesse mesico
Fármacos usados na psiquiatria com interesse mesicoFármacos usados na psiquiatria com interesse mesico
Fármacos usados na psiquiatria com interesse mesicoBasilio4
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
EsquizofreniaJulai1991
 
Farmacologia 11 antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 11   antipsicóticos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 11   antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 11 antipsicóticos - med resumos (dez-2011)Jucie Vasconcelos
 
Farmacologia 10 antidepressivos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 10   antidepressivos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 10   antidepressivos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 10 antidepressivos - med resumos (dez-2011)Jucie Vasconcelos
 
Transtorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolarTranstorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolarRodolpho David
 
Palestra de PPDQ 2.pptx
Palestra de PPDQ 2.pptxPalestra de PPDQ 2.pptx
Palestra de PPDQ 2.pptxMarianaRM11
 
Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.
Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.
Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.MAIQUELE SANTANA
 
Terapia antidepressiva
Terapia antidepressivaTerapia antidepressiva
Terapia antidepressivaEloi Lago
 
Transtornos comportamentais em demências
Transtornos comportamentais em demênciasTranstornos comportamentais em demências
Transtornos comportamentais em demênciasRubens De Fraga Junior
 
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análiseOs usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análiseMiriam Gorender
 

Semelhante a Aula depressao cícero mais médicos (20)

Pg2017
Pg2017Pg2017
Pg2017
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3 antidepressivos
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3  antidepressivos[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3  antidepressivos
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3 antidepressivos
 
Fármacos usados na psiquiatria com interesse mesico
Fármacos usados na psiquiatria com interesse mesicoFármacos usados na psiquiatria com interesse mesico
Fármacos usados na psiquiatria com interesse mesico
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
 
Ansiolíticos
AnsiolíticosAnsiolíticos
Ansiolíticos
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Farmacologia 11 antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 11   antipsicóticos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 11   antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 11 antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
 
Farmacologia 10 antidepressivos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 10   antidepressivos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 10   antidepressivos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 10 antidepressivos - med resumos (dez-2011)
 
Transtorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolarTranstorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolar
 
Palestra de PPDQ 2.pptx
Palestra de PPDQ 2.pptxPalestra de PPDQ 2.pptx
Palestra de PPDQ 2.pptx
 
Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.
Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.
Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.
 
Depressão geriatria
Depressão geriatriaDepressão geriatria
Depressão geriatria
 
Terapia antidepressiva
Terapia antidepressivaTerapia antidepressiva
Terapia antidepressiva
 
Transtornos comportamentais em demências
Transtornos comportamentais em demênciasTranstornos comportamentais em demências
Transtornos comportamentais em demências
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análiseOs usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
 
ANSIEDADE.pptx
ANSIEDADE.pptxANSIEDADE.pptx
ANSIEDADE.pptx
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
Esquizofrenia 1a
Esquizofrenia 1aEsquizofrenia 1a
Esquizofrenia 1a
 

Último

Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfDanieldaSade
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosThaiseGerber2
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfDanieldaSade
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 

Último (11)

Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 

Aula depressao cícero mais médicos

  • 1. Dr. Cicero Gomes de Figueiredo
  • 2.  Estimativas de prevalência na população em 12 meses é de 6,6% e na vida de 16,2%.  Afeta 340 milhões de pessoas em todo o mundo.  mulheres/ homens = 2:1 (diferença tem início na adolescência).  Início em qualquer idade, mas o período de maior incidência é dos 25 aos 30 anos e de prevalência dos 30 aos 44 anos.  0,4 a 2,5% das crianças e adolescentes.
  • 3.
  • 4. Transtorno mental caracterizado por alteração do humor, da psicomotricidade, e do pensamento.
  • 5.
  • 6. Depressão Mais intensa Mais duradoura Não reage aos estímulos positivos Prejuízo funcional Piora com o tempo Sem fator causal necessariamente Lentificação psicomotora Tristeza normal Menos intensa Menos duradoura Reage a estímulos positivos Prejuízo funcional limitado Melhora com o tempo Tem fator causal Sem lentificação psicomotora
  • 8. A herança genética pode ser responsável por 40% da susceptibilidade para o surgimento do Transtorno Depressivo
  • 9.  População geral: risco estimado de 5%  Familiares em primeiro grau, de deprimidos o de bipolares: risco estimado é 3 vezes maior  Gêmeos • Concordância: MZ 64% - DZ 24%  Adotados • Risco 8 vezes maior para filhos de deprimidos • Risco 15 vezes maior para filhos de deprimidos suicidas
  • 10.
  • 11. • Humor triste • Retardo psicomotor • Pensamento lentificado • Apatia / falta de emoção, motivação ou entusiasmo. • Hipobulia / Diminuição e/ou abolição da volição, da energia, do sentimento de força, do vigor • Hipoprosexia / Redução da concentração • Diminuição da libido • Variação circadiana – piora matinal • Alteração de sono – insonia terminal • Alteração de apetite • Perda de interesse e prazer – anedonia • Perda de energia / fadiga fácil
  • 12.  Presença de psicose  Ideação suicida  Gravidade dos sintomas  Cronicidade dos sintomas  Presença de comorbidades  Ausência de resposta a tratamentos prévios
  • 13.  Depressão Maior  Depressão Bipolar  Transtorno de Ansiedade  Esquizofrenia  Transtorno Esquizoafetivo  Alcoolismo e outras Dependências Químicas  Demência  Infecções (Mononucleose)  Doenças crônicas osteoarticulares  Alterações endocrinológicas - Hipotireoidismo  Diabetes, Moléstia de Addison, Síndrome de Sheehan  Síndrome da Fadiga Crônica  Anemias  Medicamentosas – antibióticos, anti-hipertensivos (reserpina)
  • 14.
  • 15. 1. Investigar e tratar co-morbidades Observando o risco de suicídio; 2. Estabelecer vínculo e aliança terapêutica; 3. Avaliar a possibilidade de tratamento psicoterápico; 4. Escolher o antidepressivo mais apropriado; 5. Manter o tratamento por tempo adequado; 6. Informar ao paciente, enfaticamente, sobre os objetivos do tratamento, evolução e prognóstico da doença, manutenção do tratamento, risco de recaídas e o que mais for necessário para sua cooperação
  • 16.  Intervenções psicoterápicas  Eletroconvulsoterapia  Fototerapia  Estimulação magnética intracraniana  Estimulação vagal  Farmacoterapia
  • 17.  Terapia cognitivo-comportamental/TCC  É uma linha de psicoterapia breve, que envolve um conjunto de técnicas e estratégias terapêuticas com a finalidade de mudança de padrões de pensamento.  O paciente é encorajado a entender seus problemas para em seguida identificar novas formas de enfrentá-los.  Tem como princípio básico à proposição de que não é uma situação que determina as emoções e comportamentos de um indivíduo, mas sim suas cognições ou interpretações a respeito dessa situação, as quais refletem formas idiossincráticas de processar informação.
  • 18.  Terapia Interpessoal – TIP  É uma terapia de formato breve que foi desenvolvida para o tratamento de pacientes ambulatoriais adultos, com depressão. Tem como foco as relações sociais do indivíduo e a condição atual destes relacionamentos. Os objetivos principais são o alívio da sintomatologia e a melhora das relações interpessoais. A sua eficácia já foi estabelecida em vários estudos clínicos controlados e parece ser uma forma de terapia simples, breve e eficaz.
  • 19.  ELETROCONVULSOTERAPIA – ECT  Tratamento de primeira linha para Episódios depressivos graves :  com sintomas psicóticos.  com ideação suicida.  resistentes aos Psicofármacos.  Alternativa importante para casos sem boa resposta a tratamentos anteriores.
  • 20.  ELETROCONVULSOTERAPIA  Contraindicações:  processos expansivos intracerebrais  Coagulopatias  AVC ou IAM recentes  ICC ou HAS descompensada  Descolamento de retina, glaucoma
  • 21.
  • 22. • Avaliar a eficácia  Evidência clínica  Resolução de sintomas emocionais e somáticos • Mecanismo de ação • Tolerabilidade • Segurança • Facilidade de admnistração • Custo (direto e indireto) • História pessoal e familiar de tratamento • Comorbidades
  • 23.  AMITRIPTILINA tryptanol 25mg/75mg  IMIPRAMINA tofranil 10mg/25mg pamoato 75mg/150mg  NORTRIPTILINA pamelor 10mg/25mg/50mg/75mg  CLOMIPRAMINA anafranil 10mg/25mg/75mg
  • 24. Inibidores Seletivos de Recaptação de Serotonina  FLUOXETINA Prozac 20mg/gotas  CITALOPRAM Cipramil 20mg  ESCITALOPRAM Lexapro 10mg/20mg/gotas  FLUVOXAMINA Luvox 100mg  PAROXETINA Aropax 20mg  SERTRALINA Zoloft 50mg/100mg  TRAZODONA * Donarem 50/100mg - Retard  Doses usuais  Efeitos colaterais  Sedação, confusão mental, dificuldade de coordenação motora, náuseas, redução do apetite, insônia, diminuição da libido,
  • 25. Inibidores da Recaptação de Noradrenalina e Serotonina  VENLAFAXINA Efexor XR 37,5mg/75mg/150mg  DESVENLAFAXINA Pristiq 50mg/100mg  MILNACIPRANO Ixel 25mg/50mg  DULOXETINA Cymbalta 30mg/60mg  Doses usuais  Efeitos colaterais  Náuseas, tonturas, sonolência, hipertensão arterial, sudorese abundante, tremores, diminuição da libido.
  • 26. Inibidores da Recaptação de Noradrenalina e Dopamina  BUPROPIONA Wellbutrin 150mg/300mg  Wellbutrin XL 150mg/300mg  Doses usuais  Efeitos colaterais  Insónia, tremor, ansiedade, enxaqueca, hipertensão arterial, perda de peso, irritabilidade, hipersudação, ondas de calor, sensação de calor no corpo.
  • 27. CARBONATO DE LÍTIO HORMÔNIO TIREÓIDIANO NEUROLÉPTICO PLAMIPEXOLE (AGONISTA DOPAMINÉRGICO - SIFROL)
  • 28.  Psicoterapia  Relacionamento médico-paciente  Mudanças comportamentais ◦ Controle do álcool ◦ Exercícios físicos ◦ Administrar o estresse ◦ Convívio social
  • 29. RECOMENDAÇÕES  O tratamento deve continuar por pelo menos seis meses após a remissão total dos sintomas, no primeiro episódio.  Manter por pelo menos dois anos se: episódio severo, resistente ao tratamento, recorrente, idade acima de 65 anos.  Dose de manutenção igual a dose da fase aguda.  Gradual suspensão do antidepressivo, se for o caso.  Continuar observação do paciente, treinar para perceber recaídas.  Ficar atento as co-morbidades.