SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 69
Baixar para ler offline
PNAIC - 3º ENCONTRO
COM PROFESSORES
ALFABETIZADORES
O ÚLTIMO ANO DO CICLO
DE ALFABETIZAÇÃO:
CONSOLIDANDO OS
CONHECIMENTOS
3ºano
LEITURA DE DELEITE
ESCLARECIMENTOS SOBRE O
SISTEMA;
 
 Avaliação- Informar até que data que eles devem
avaliar este encontro, pois temos menos tempo
devido ao sistema simec.
 critérios para avaliação – o professor que faltar
meio período terá que ser avaliado com falta meio
período e ainda menor cumprimento das
atividades, portanto a nota ficará abaixo da
média e o professor perderá a bolsa do mês, dessa
forma não é vantagem faltar meio período.
 Retomar a questão das tarefas combinadas, pois
o não envio das mesmas pelo professor, implica
na redução da nota da avaliação,
TAREFA ( 2º ENCONTRO)
 Leitura do texto “Materiais Didáticos no Ciclo de
Alfabetização, da seção Compartilhando”, e fazer
um levantamento dos materiais descritos no
texto que estão na sua escola. (Listar os
materiais a serem usados nas turmas de 3 º Ano)
 Reler o texto 1 – Planejamento do ensino:
princípios didáticos e modos de organização do
trabalho pedagógico. Refletir sobre a questão:
“Considerando os 10 princípios didáticos
apresentados, como você avalia a sua prática?
INICIANDO A CONVERSA
Nesta unidade, discutiremos sobre a apropriação do Sistema de
Escrita Alfabética (SEA). Entendendo que o ano 3 é o final do ciclo
de alfabetização, o foco maior do ensino será o de garantir os
processos de consolidação da alfabetização no sentido de que a
criança, ao dominar o SEA, seja capaz de produzir e ler com
autonomia textos de gêneros distintos. Contudo, é fato que
algumas crianças ainda podem necessitar, nesse momento da
escolarização, de alguma intervenção mais sistemática para
avançar na apropriação do Sistema de Escrita Alfabética. Por essa
razão, ainda traremos algumas reflexões sobre este aspecto. Para
finalizar, abordaremos o planejamento de situações didáticas
destinadas à exploração de algumas regularidades da norma
ortográfica, a fim de levar o aluno a perceber, de forma consciente,
algumas relações regulares letra/som que já estão sendo
compreendidas/percebidas por ele, à medida que vai aprendendo a
usar as letras convencionalmente. Entretanto, não se pretende
esgotar a discussão sobre ortografia, até mesmo por
compreendermos que a aprendizagem desse conhecimento
acontece, progressivamente, ao longo do ensino fundamental.
OS OBJETIVOS DESTE CADERNO
SÃO:
 entender a concepção de alfabetização na perspectiva do
letramento, compreendendo que a aprendizagem da escrita
alfabética constitui um processo de compreensão de um
sistema de notação e não a aquisição de um código;
 analisar as contribuições da teoria da psicogênese da
escrita para compreensão do processo de apropriação do
Sistema de Escrita Alfabética;
 entender as relações entre consciência fonológica e
alfabetização, analisando e planejando atividades de
reflexão fonológica e gráfica de palavras, utilizando
materiais distribuídos pelo MEC;
 analisar diferentes alternativas didáticas para o ensino do
Sistema de Escrita Alfabética com uso de diferentes
materiais distribuídos pelo MEC, identificando os objetivos
a elas associados.
A CONSOLIDAÇÃO DAS
CORRESPONDÊNCIAS LETRA –
SOM NO ÚLTIMO ANO DO
CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
Unidade 03 – Ano 03
DE ACORDO COM OS DIREITOS DE
APRENDIZAGEM...
 Ao iniciar o Ano 3, os alunos já poderiam
ter compreendido o SEA e seu
funcionamento, neste sentido, o foco do
trabalho do Professor estaria voltado à
consolidação desse processo;
 Mas não é difícil encontrarmos situações
em que o Professor se depara com alunos
chegam ao ano 3 sem o domínio do SEA.
U3 – PÁG.06
É IMPORTANTE ...
 Desenvolver estratégias de trabalho que
possibilitem o avanço dessas crianças, a
fim de que, ao término do ano, estejam
pelo menos no nível Alfabético de escrita e
tenham aprendido muitas das
correspondências letra-som de nossa
língua.
U3 – Pág.07
O PROFESSOR PRECISA SER UM
FACILITADOR DO PROCESSO DE
AQUISIÇÃO DO SEA
 É importante que ele diagnostique o que a
criança já sabe sobre a escrita e que saiba
o que fazer para desenvolver uma
metodologia de ensino para propiciar o
avanço do pequeno aprendiz.
U3 – Pág. 07
AS CONCEPÇÕES DAS CRIANÇAS A
RESPEITO DO SISTEMA DE ESCRITA –
EMÍLIA FERREIRO
As primeiras escritas infantis aparecem do
ponto de vista gráfico como, linhas onduladas
ou quebradas (ziguezague), contínuas ou
fragmentadas ou então como uma série de
elementos discretos repetidos. A aparência
gráfica não é garantia de escrita, a menos que
se conheça as condições de produção.
 Do ponto de vista construtivo, a escrita
infantil segue uma linha de evolução
regular, através de diversos meios
culturais, de diversas situações educativas
e diversas línguas.
 Podem ser distinguidos três grandes
períodos no interior dos quais cabem
múltiplas subdivisões:
 distinção entre o modo de representação
icônico e não-icônico: diferenciação
entre marcas gráficas figurativas e não-
figurativas.
 a construção de formas de diferenciação
(controle progressivo das variações sobre
os eixos qualitativo e quantitativo)
 Eixo quantitativo - a criança estabelece
uma quantidade mínima de letras,
geralmente 3, que uma escrita deve ter
para que diga algo.
 Eixo qualitativo - a variação interna
necessária para que uma série de grafias
possa ser interpretada (se o escrito tem o
tempo todo a mesma letra, não se pode ler
ou seja, não é interpretável).
EXEMPLOS:

D I E L N - CADERNO
 H M F S O - LIVRO
 T D I C X - GIZ
HIPÓTESE PRÉ-SILÁBICA
 A criança ainda não compreende que
existe relação entre a escrita e a pauta
sonora, podendo usar letras, pseudoletras,
números, rabiscos e até mesmo desenhos
para escrever.Nesta hipótese, as crianças
começam a diferenciar letras de desenhos,
de números e demais símbolos, e elaboram
representações mentais próprias sobre a
escrita Alfabética.
EXEMPLOS:
U L M A H N M P BICICLETA
HIPÓTESE SILÁBICA
 A criança estabelece uma correspondência
entre a quantidade de letras utilizadas e a
quantidade de sílabas orais das palavras,
podendo usar letras com ou sem o valor
sonoro convencional.Mesmo quando ainda
não apresentam uma escrita silábica estrita,
usando rigorosamente uma letra para cada
sílaba, algumas crianças, apesar de não
anteciparem quantas letras irão usar ao
escrever, tentam ajustar com a pauta sonora
e realizam correspondências som- grafia no
início e final das palavras.
EXEMPLOS:
E A B R
BRI GA DEI RO
I A O
RI CAR DO
Os conflitos vão desestabilizando
progressivamente a hipótese
silábica, até que a criança tem
coragem suficiente para se
comprometer em um novo processo
de construção.
O período silábico-alfabético marca
a transição entre os esquemas prévios
em via de serem abandonados e os
esquemas futuros em vias de serem
construídos.
EXEMPLO:
B ONEA - BONECA
HIPÓTESE SILÁBICO -
ALFABÉTICA
A criança começa a perceber que
uma única letra não é suficiente
para registrar as sílabas e recorre,
simultaneamente, às hipótese
Silábica e Alfabética, isto é, ora usa
apenas uma letra para notar as
sílabas orais das palavras, ora
utiliza mais de uma letra,
estabelecendo relação entre fonema e
grafema.
E a partir daí descobre novos
problemas: quantitativo (não basta
uma letra por sílaba, não se pode
estabelecer nenhuma regularidade
duplicando a quantidade de letras).
Qualitativo:enfrentará problemas
ortográficos (a identidade de som não
garante identidade de letras, nem a
de letras a de sons).
HIPÓTESE ALFABÉTICA
 A criança compreende que se escreve com
base em uma correspondência entre sons
menores que as sílabas (fonemas) e
grafemas.Nesta hipótese, o aprendiz passa
a compreender que para som pronunciado
é necessário uma ou mais letras para
notá-lo, mesmo que inicialmente, ainda
não tenha se apropriado de muitíssimos
casos de regularidade e irregularidade da
norma Ortográfica.
EXEMPLOS:
BONECA
PASARO
BICIKETA
BIBLIOGRAFIA
Ferreiro, Emilia .”Reflexões sobre a
Alfabetização” .São Paulo: Cortez, 1981.
Ferreiro, Emilia & Teberosky, Ana. A psicogênese
da língua escrita.Porto Alegre: Artes Médicas,
1984
PRINCÍPIOS QUE NECESSITAM SER
COMPREENDIDOS/DOMINADOS PELA
CRIANÇA PARA QUE SE APROPRIEM DA
ESCRITA
1. Escreve-se com letras que não podem ser
inventadas, que têm um repertório finito e que
são diferentes de números e de outros símbolos.
2. As letras têm formatos fixos e pequenas
variações produzem mudanças em sua identidade
(p, q, b, d), embora uma letra assuma formatos
variados (P, p, P, p).
3. A ordem das letras no interior da palavra não
pode ser mudada.
4. Uma letra pode se repetir no interior de uma
palavra e em diferentes palavras, ao mesmo
tempo em que distintas palavras compartilham
as mesmas letras.
5.Nem todas as letras podem ocupar certas
posições no interior das palavras e nem todas as
letras podem vir juntas de quaisquer outras.
6. As letras notam ou substituem a pauta sonora
das palavras que pronunciamos e nunca levam em
conta as características físicas ou funcionais dos
referentes que substituem.
7. As letras notam segmentos sonoros menores que
as sílabas orais que pronunciamos.
8. As letras têm valores sonoros fixos, apesar de
muitas terem mais de um valor sonoro e certos
sons poderem ser notados com mais de uma letra.
9. Além de letras, na escrita de palavras, usam-se,
também, algumas marcas (acentos) que podem
modificar a tonicidade ou o som das letras ou
sílabas onde aparecem.
10. As sílabas podem variar quanto às combinações
entre consoantes e vogais (CV, CCV, CVV, CVC,
V, VC, VCC, CCVCC...), mas a estrutura
predominante no português é a sílaba CV
(consoante –vogal), e todas as sílabas do
português contêm, ao menos, uma vogal.
U3 – Pág.08
ANÁLISE DE ESCRITAS
Solicitar que ao analisar as escritas considerem:
 o eixo quantitativo;
 o eixo qualitativo;
 letras fora de ordem com valor sonoro;
 o que a criança nos informa ao escrever;
 se utiliza letras do próprio nome;
 identifique se existe regularidades presentes nessas
escritas.
 Qual é a hipótese de escrita dessa criança?
INFELIZMENTE...
 Em algumas salas de aula, o ensino das
relações som- grafia tem ficado em
segundo plano.Para alguns docentes,
existe uma questionável compreensão de
que ter momentos dedicados ao ensino
daqueles temas pode significar uma
abordagem tradicional de Alfabetização.
U3 - Pág. 08
Como as correspondências
letra – som podem ser
ensinadas de forma reflexiva
e prazerosa?
U3 – Pág 08
DESSE MODO, A CONCEPÇÃO
CONSTRUTIVISTA DE
ALFABETIZAÇÃO...
 Levou a uma mudança do foco da discussão
sobre a Alfabetização, antes reduzida a “como
ensinar”, para uma melhor compreensão da
construção do conhecimento pelo aluno e suas
implicações na prática educativa.A partir
dessa abordagem passou-se a questionar
sobre “o como fazer”, o “por que fazer” e
o “para que fazer”, levando –se em
consideração como o aluno processa o
conhecimento sobre o SEA e como o
Professor pode intervir nessa situação.
 U3 – Pág.09
ATIVIDADES FUNDAMENTAIS PARA QUE
OS ALUNOS AVANCEM NOS SEUS
CONHECIMENTOS SOBRE AS RELAÇÕES
SOM- GRAFIA:
1-Atividades envolvendo a
sistematização das correspondências
som- grafia.
2-Atividades envolvendo a consciência
fonológica.
3-Atividades para desenvolver a
fluência de leitura.
U3- Pág. 09
4-Atividades envolvendo leitura e
produção de texto.
5-Atividades para o ensino da norma
ortográfica.
U3 – Pág. 09
1- ATIVIDADES ENVOLVENDO A
SISTEMATIZAÇÃO DAS
CORRESPONDÊNCIAS SOM- GRAFIA
 Algumas atividades podem permitir aos alunos
pensarem nas letras e nos sons que estas notam,
sem que tais exercícios se voltem para as
questões da norma ortográfica, permitindo que o
aluno volte sua atenção para as similaridades e
diferenças nas relações letra/som, no momento da
escrita ou leitura das palavras, como por
exemplo, atividades que envolvem a escrita de
palavras que iniciam com uma determinada
letra ou sílaba.
U3 – Pág. 10
ATIVIDADES QUE PODEM AJUDAR OS
ALUNOS A PENSAREM NA SEQUÊNCIA DE
LETRAS QUE SERÃO UTILIZADAS:
 Cruzadinhas;
 Caça – palavras;
 Exploração da ordem Alfabética;
 Escrita de palavras com o uso do alfabeto móvel,
silabário e de textos que permitam a reflexão de
uma determinada letra ou sílaba (trava-lìnguas,
parlendas, cantigas);
 Jogos envolvendo leitura e escrita de palavras ex.
“Quem sou eu”.
U3 – Pág. 10
 Atividades de composição e decomposição
de palavras.
 Atividades de montagem de textos que
foram trabalhados em sala ( palavras,
frases).
 Escrita de palavras que possuam uma
determinada letra (adedonha, lista de
palavras).
U3 – Pág. 10
2- ATIVIDADES ENVOLVENDO A
CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA
 “a consciência fonológica é um conjunto de
habilidades metalinguísticas que permitem
refletir sobre os segmentos sonoros das palavras
em diferentes níveis:silábico, intra silábico e
fonêmico.
 As atividades auxiliam tanto os alunos que ainda
não compreenderam que existe relação entre a
escritas e a pauta sonora, como para os alunos
que já compreenderam o SEA, mas apresentam
dificuldades em estabelecer relação som grafia.
U3 – Pág. 11
 Jogos que desenvolvem a consciência
fonológica:Bingo dos Sons iniciais, Caça-
rimas, Dado Sonoro, Trinca Mágica.
 Atividades que trabalham diferentes habilidades
em diferentes níveis das palavras, como por
exemplo:identificar, adicionar, subtrair e
produzir unidades similares de diferentes
palavras.
U3- Pág. 12
 Atividades de exploração de textos que
trabalham o extrato sonoro da língua (cantigas
de roda, parlendas, trava- línguas, textos
poéticos) permitem aos alunos explorarem
palavras que apresentam sons parecidos, bem
como sobre algumas letras e seus valores
sonoros.
U3 – Pág.12
3- ATIVIDADES PARA
DESENVOLVER FLUÊNCIA DE
LEITURA
 Leitura livre ou em pequenos grupos com gêneros
diversos em que a Professora pode organizar um
Cantinho de Leitura, com variados textos
(disponibilizar um horário dentro da rotina).
 Escolher o livro e ler para os colegas em
pequenos ou no grande grupo,ouvir leitura pelo
professor, realizar pesquisas.
U3 – Pág. 14
 Recital de Poemas.
 Hora da Notícia ou da reportagem.
U3 – Pág. 15
4-ATIVIDADES ENVOLVENDO
LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO
 É importante destacarmos que a reflexão sobre o
SEA não pode estar distanciada das atividades
de leitura e produção de texto.Um bom recurso
didático para conciliar os diferentes eixos são as
“Obras complementares”.
U3- Pág. 15
 Sobre as letras do Alfabeto e reflexão sobre as
correspondências som/grafia (exs de obras:
Adedonha, Alfabeto de Histórias, ABC
doido, o Jogo das palavras.
 Reflexão sobre as semelhanças sonoras das
palavras a partir de textos que exploram rimas,
aliterações, repetições de palavras como a obra:
Bicho que te quero livre , Jogo da Parlenda
e Um sapo dentro do saco.
U3 – Pág. 16
 Sobre o vocabulário (formação de palavras,
reflexão sobre significados de palavras ou
expressões, ex. Falando pelos cotovelos, Zig, Zag
e As paredes têm ouvidos.
 Recursos linguísticos utilizados para a construção
da textualidade (onomatopéias, repetição de
frases e expressão ao longo do texto e presença de
textos cumulativos), como por ex. PLOC e
Choro e Choradeira: risos e risadas.
U3 – Pág. 16
SUGESTÃO DE LEITURA
Relato da Professora com o uso da
obra “O guarda-chuva do guarda”-
Leitura.
Pág. 17
VÍDEO EM DEBATE
 Alfabetização: apropriação do Sistema de Escrita
Alfabética - partes 1 e 2
(disponível em www.ufpe.br/ceel);
CAIXA DE JOGOS DE
ALFABETIZAÇÃO
 Bingo dos Sons Iniciais;
 Caça-rimas;
 Dado Sonoro;
 Trinca Mágica;
 Quem escreve sou eu
ALMOÇO
VÍDEO
 Coisas que eu sei- Dani Carlos
VÍDEO EM DEBATE
 Ortografia na sala de aula - partes 1 e 2
(disponível em www.ufpe.br/ceel)
ESTUDO
 Texto 2: O ensino da ortografia no 3º ano do 1º
ciclo –: o que devemos propor aos alunos no
“último” ano da alfabetização?
ANÁLISE DE ATIVIDADES DE
ORTOGRAFIA NO LIVRO DIDÁTICO.
 O que esta atividade ensina?
 Qual é o desafio que ela apresenta?
 É uma atividade que apresenta reflexão para os
alunos?
 Para qual aluno serve esta atividade?
TAREFA
 Analisar as atividades do livro didático utilizado na
sala de aula e adequar conforme as propostas
estudadas;
 Estudo do capítulo 03 do livro “Ortografia: Ensinar e
Aprender” – Artur Gomes de Morais.
 
 Próximo encontro: 31 de agosto de 2013

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sea sistema de escrita alfabética slide
Sea   sistema de escrita alfabética  slideSea   sistema de escrita alfabética  slide
Sea sistema de escrita alfabética slidetlfleite
 
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoSequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoShirley Lauria
 
Pnaic oficial encontro 5 Fabiana Esteves Duque de Caxias
Pnaic oficial encontro 5 Fabiana Esteves Duque de CaxiasPnaic oficial encontro 5 Fabiana Esteves Duque de Caxias
Pnaic oficial encontro 5 Fabiana Esteves Duque de CaxiasFabiana Esteves
 
Concepcoes de alfabetizacao e letramento
Concepcoes de alfabetizacao e letramentoConcepcoes de alfabetizacao e letramento
Concepcoes de alfabetizacao e letramentozetesousa
 
Hipóteses Alfabética.pptx
Hipóteses Alfabética.pptxHipóteses Alfabética.pptx
Hipóteses Alfabética.pptxEdileneBarbosa18
 
PNAIC - Ano 3 unidade 3
PNAIC - Ano 3 unidade 3PNAIC - Ano 3 unidade 3
PNAIC - Ano 3 unidade 3ElieneDias
 
Sondagem de hipótese de escrita
Sondagem de hipótese de escritaSondagem de hipótese de escrita
Sondagem de hipótese de escritaMaristela Couto
 
Sequencia didática trava lingua
Sequencia didática trava linguaSequencia didática trava lingua
Sequencia didática trava linguaMarisa Seara
 
Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial
Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial
Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial Alexsandro Menezes da Silva
 
Planejamento 1º ano - EM Padre Geraldo Montibeller
Planejamento 1º ano  - EM Padre Geraldo MontibellerPlanejamento 1º ano  - EM Padre Geraldo Montibeller
Planejamento 1º ano - EM Padre Geraldo MontibellerRafael Souza
 
Perfil da Turma
Perfil da TurmaPerfil da Turma
Perfil da Turmaadanyy
 
Planejamento Anual 2º ano.pdf
Planejamento Anual 2º ano.pdfPlanejamento Anual 2º ano.pdf
Planejamento Anual 2º ano.pdfJoiceArajo6
 
Niveis de escrita
Niveis de escritaNiveis de escrita
Niveis de escritadaianabsf
 
Libras alfabeto e outros
Libras  alfabeto e outrosLibras  alfabeto e outros
Libras alfabeto e outrosDinamizador10
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaDenise Oliveira
 
Projeto As Fábulas no Uca
Projeto As Fábulas no UcaProjeto As Fábulas no Uca
Projeto As Fábulas no UcaLúcia Maia
 

Mais procurados (20)

Sea sistema de escrita alfabética slide
Sea   sistema de escrita alfabética  slideSea   sistema de escrita alfabética  slide
Sea sistema de escrita alfabética slide
 
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoSequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
 
Pnaic oficial encontro 5 Fabiana Esteves Duque de Caxias
Pnaic oficial encontro 5 Fabiana Esteves Duque de CaxiasPnaic oficial encontro 5 Fabiana Esteves Duque de Caxias
Pnaic oficial encontro 5 Fabiana Esteves Duque de Caxias
 
Concepcoes de alfabetizacao e letramento
Concepcoes de alfabetizacao e letramentoConcepcoes de alfabetizacao e letramento
Concepcoes de alfabetizacao e letramento
 
Hipóteses Alfabética.pptx
Hipóteses Alfabética.pptxHipóteses Alfabética.pptx
Hipóteses Alfabética.pptx
 
PNAIC - Ano 3 unidade 3
PNAIC - Ano 3 unidade 3PNAIC - Ano 3 unidade 3
PNAIC - Ano 3 unidade 3
 
Sondagem de hipótese de escrita
Sondagem de hipótese de escritaSondagem de hipótese de escrita
Sondagem de hipótese de escrita
 
Psicogênese da língua escrita
Psicogênese da língua escrita Psicogênese da língua escrita
Psicogênese da língua escrita
 
Sequencia didática trava lingua
Sequencia didática trava linguaSequencia didática trava lingua
Sequencia didática trava lingua
 
Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial
Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial
Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial
 
Planejamento 1º ano - EM Padre Geraldo Montibeller
Planejamento 1º ano  - EM Padre Geraldo MontibellerPlanejamento 1º ano  - EM Padre Geraldo Montibeller
Planejamento 1º ano - EM Padre Geraldo Montibeller
 
Perfil da Turma
Perfil da TurmaPerfil da Turma
Perfil da Turma
 
Planejamento Anual 2º ano.pdf
Planejamento Anual 2º ano.pdfPlanejamento Anual 2º ano.pdf
Planejamento Anual 2º ano.pdf
 
Niveis de escrita
Niveis de escritaNiveis de escrita
Niveis de escrita
 
Revisão textual
Revisão textualRevisão textual
Revisão textual
 
Plano de maio
Plano de maio Plano de maio
Plano de maio
 
Bingo do nome jogo das frutas tapa certo
Bingo do nome jogo das frutas tapa certoBingo do nome jogo das frutas tapa certo
Bingo do nome jogo das frutas tapa certo
 
Libras alfabeto e outros
Libras  alfabeto e outrosLibras  alfabeto e outros
Libras alfabeto e outros
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
 
Projeto As Fábulas no Uca
Projeto As Fábulas no UcaProjeto As Fábulas no Uca
Projeto As Fábulas no Uca
 

Semelhante a Ensino da Alfabetização no 3o Ano

Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...Bete Feliciano
 
Slides unidade 3 texto 1
Slides unidade 3   texto 1Slides unidade 3   texto 1
Slides unidade 3 texto 1Lais Renata
 
PNAIC - Ano 1 unidade 3
PNAIC - Ano 1   unidade 3PNAIC - Ano 1   unidade 3
PNAIC - Ano 1 unidade 3ElieneDias
 
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?Mara Magalhaes
 
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2miesbella
 
Unidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita Alfabética
Unidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita AlfabéticaUnidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita Alfabética
Unidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita AlfabéticaElaine Cruz
 
10 principios- Sistema de Escrita Alfabética - Alfabetização.ppt
10 principios- Sistema de Escrita Alfabética - Alfabetização.ppt10 principios- Sistema de Escrita Alfabética - Alfabetização.ppt
10 principios- Sistema de Escrita Alfabética - Alfabetização.pptEtienePedrosa
 
Análise da escrita alfabética
Análise da escrita alfabéticaAnálise da escrita alfabética
Análise da escrita alfabéticaAnanda Lima
 
PNAIC - Unidade III texto 1
PNAIC - Unidade III   texto 1PNAIC - Unidade III   texto 1
PNAIC - Unidade III texto 1ElieneDias
 
Ditado para-sondagem-na-alfabetizacao
Ditado para-sondagem-na-alfabetizacaoDitado para-sondagem-na-alfabetizacao
Ditado para-sondagem-na-alfabetizacaoMarisa Galdi Lapa
 
Apresentação da iv formação sea luciana
Apresentação da iv formação   sea lucianaApresentação da iv formação   sea luciana
Apresentação da iv formação sea lucianaHeloiza Moura
 
Sétimo encontro do PNAIC -Quadro de rotina . Oitavo encontro A Aprendizagem ...
Sétimo encontro do PNAIC -Quadro de rotina . Oitavo encontro A  Aprendizagem ...Sétimo encontro do PNAIC -Quadro de rotina . Oitavo encontro A  Aprendizagem ...
Sétimo encontro do PNAIC -Quadro de rotina . Oitavo encontro A Aprendizagem ...Solange Goulart
 
A apropriação do sistema de escrita alfabético e consolidação do processo de ...
A apropriação do sistema de escrita alfabético e consolidação do processo de ...A apropriação do sistema de escrita alfabético e consolidação do processo de ...
A apropriação do sistema de escrita alfabético e consolidação do processo de ...Solange Goulart
 
Métodos de Alfabetização_Sandra Felício Roldão
Métodos de Alfabetização_Sandra Felício RoldãoMétodos de Alfabetização_Sandra Felício Roldão
Métodos de Alfabetização_Sandra Felício RoldãoSandra Roldão
 
Como funcionam os métodos de alfabetização
Como funcionam os métodos de alfabetizaçãoComo funcionam os métodos de alfabetização
Como funcionam os métodos de alfabetizaçãoRoxana Alhadas
 
PNAIC/LP-2013-CADERNOS
PNAIC/LP-2013-CADERNOSPNAIC/LP-2013-CADERNOS
PNAIC/LP-2013-CADERNOSGraça Sousa
 

Semelhante a Ensino da Alfabetização no 3o Ano (20)

Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
Unidade 3 ano 2 A compreensão do Sistema de Escrita Alfabética e a consolidaç...
 
Slides unidade 3 texto 1
Slides unidade 3   texto 1Slides unidade 3   texto 1
Slides unidade 3 texto 1
 
PNAIC - Ano 1 unidade 3
PNAIC - Ano 1   unidade 3PNAIC - Ano 1   unidade 3
PNAIC - Ano 1 unidade 3
 
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
Por que o alfabeto é um sistema notacional e não um código?
 
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
 
Unidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita Alfabética
Unidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita AlfabéticaUnidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita Alfabética
Unidade 3 - PNAIC - Sistema de Escrita Alfabética
 
Alfabetização
AlfabetizaçãoAlfabetização
Alfabetização
 
10 principios- Sistema de Escrita Alfabética - Alfabetização.ppt
10 principios- Sistema de Escrita Alfabética - Alfabetização.ppt10 principios- Sistema de Escrita Alfabética - Alfabetização.ppt
10 principios- Sistema de Escrita Alfabética - Alfabetização.ppt
 
Análise da escrita alfabética
Análise da escrita alfabéticaAnálise da escrita alfabética
Análise da escrita alfabética
 
unidade 1
unidade 1unidade 1
unidade 1
 
PNAIC - Unidade III texto 1
PNAIC - Unidade III   texto 1PNAIC - Unidade III   texto 1
PNAIC - Unidade III texto 1
 
Ditado para-sondagem-na-alfabetizacao
Ditado para-sondagem-na-alfabetizacaoDitado para-sondagem-na-alfabetizacao
Ditado para-sondagem-na-alfabetizacao
 
Apresentação da iv formação sea luciana
Apresentação da iv formação   sea lucianaApresentação da iv formação   sea luciana
Apresentação da iv formação sea luciana
 
Sétimo encontro do PNAIC -Quadro de rotina . Oitavo encontro A Aprendizagem ...
Sétimo encontro do PNAIC -Quadro de rotina . Oitavo encontro A  Aprendizagem ...Sétimo encontro do PNAIC -Quadro de rotina . Oitavo encontro A  Aprendizagem ...
Sétimo encontro do PNAIC -Quadro de rotina . Oitavo encontro A Aprendizagem ...
 
A apropriação do sistema de escrita alfabético e consolidação do processo de ...
A apropriação do sistema de escrita alfabético e consolidação do processo de ...A apropriação do sistema de escrita alfabético e consolidação do processo de ...
A apropriação do sistema de escrita alfabético e consolidação do processo de ...
 
Métodos de Alfabetização_Sandra Felício Roldão
Métodos de Alfabetização_Sandra Felício RoldãoMétodos de Alfabetização_Sandra Felício Roldão
Métodos de Alfabetização_Sandra Felício Roldão
 
UNIDADE 3, ENCONTRO 02
UNIDADE 3, ENCONTRO 02UNIDADE 3, ENCONTRO 02
UNIDADE 3, ENCONTRO 02
 
Como funcionam os métodos de alfabetização
Como funcionam os métodos de alfabetizaçãoComo funcionam os métodos de alfabetização
Como funcionam os métodos de alfabetização
 
PNAIC/LP-2013-CADERNOS
PNAIC/LP-2013-CADERNOSPNAIC/LP-2013-CADERNOS
PNAIC/LP-2013-CADERNOS
 
Ano 2 unidade_3_miolo
Ano 2 unidade_3_mioloAno 2 unidade_3_miolo
Ano 2 unidade_3_miolo
 

Mais de miesbella

1 encontro PA rio preto PNAIC 2015 (1)
1 encontro PA rio preto PNAIC  2015 (1)1 encontro PA rio preto PNAIC  2015 (1)
1 encontro PA rio preto PNAIC 2015 (1)miesbella
 
2º encontro pnaic 2014
2º encontro pnaic 20142º encontro pnaic 2014
2º encontro pnaic 2014miesbella
 
Caderno de apresentação
Caderno de apresentaçãoCaderno de apresentação
Caderno de apresentaçãomiesbella
 
1° encontro professores alfabetizadores
1° encontro  professores alfabetizadores1° encontro  professores alfabetizadores
1° encontro professores alfabetizadoresmiesbella
 
Generos 1 ano
Generos  1 anoGeneros  1 ano
Generos 1 anomiesbella
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuaismiesbella
 
Ppt 5º encontro ano 2
Ppt 5º encontro ano 2Ppt 5º encontro ano 2
Ppt 5º encontro ano 2miesbella
 
Generos apresentação1
Generos apresentação1Generos apresentação1
Generos apresentação1miesbella
 
Unidade 4 novo
Unidade 4  novoUnidade 4  novo
Unidade 4 novomiesbella
 
4º encontro pnaic
4º encontro pnaic4º encontro pnaic
4º encontro pnaicmiesbella
 
Que brincadeira é essa
Que brincadeira é essaQue brincadeira é essa
Que brincadeira é essamiesbella
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1miesbella
 
Livro o guarda chuva do guarda
Livro o guarda chuva do guardaLivro o guarda chuva do guarda
Livro o guarda chuva do guardamiesbella
 
Aprofundando o tema
Aprofundando o temaAprofundando o tema
Aprofundando o temamiesbella
 
Pnaic 2º encontro unidade 1 e 2 ano 2 - 2013-1
Pnaic 2º encontro unidade 1 e 2   ano 2 - 2013-1Pnaic 2º encontro unidade 1 e 2   ano 2 - 2013-1
Pnaic 2º encontro unidade 1 e 2 ano 2 - 2013-1miesbella
 
Ppt 3 ano 2 encontro pnaic
Ppt 3 ano   2 encontro pnaicPpt 3 ano   2 encontro pnaic
Ppt 3 ano 2 encontro pnaicmiesbella
 
Rotina 1 ano
Rotina 1 anoRotina 1 ano
Rotina 1 anomiesbella
 
Planejamento 1ºano
Planejamento 1ºanoPlanejamento 1ºano
Planejamento 1ºanomiesbella
 
1ª apresentação pnaic 08 06
1ª apresentação pnaic 08 061ª apresentação pnaic 08 06
1ª apresentação pnaic 08 06miesbella
 

Mais de miesbella (20)

1 encontro PA rio preto PNAIC 2015 (1)
1 encontro PA rio preto PNAIC  2015 (1)1 encontro PA rio preto PNAIC  2015 (1)
1 encontro PA rio preto PNAIC 2015 (1)
 
2º encontro pnaic 2014
2º encontro pnaic 20142º encontro pnaic 2014
2º encontro pnaic 2014
 
Portfólios
PortfóliosPortfólios
Portfólios
 
Caderno de apresentação
Caderno de apresentaçãoCaderno de apresentação
Caderno de apresentação
 
1° encontro professores alfabetizadores
1° encontro  professores alfabetizadores1° encontro  professores alfabetizadores
1° encontro professores alfabetizadores
 
Generos 1 ano
Generos  1 anoGeneros  1 ano
Generos 1 ano
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuais
 
Ppt 5º encontro ano 2
Ppt 5º encontro ano 2Ppt 5º encontro ano 2
Ppt 5º encontro ano 2
 
Generos apresentação1
Generos apresentação1Generos apresentação1
Generos apresentação1
 
Unidade 4 novo
Unidade 4  novoUnidade 4  novo
Unidade 4 novo
 
4º encontro pnaic
4º encontro pnaic4º encontro pnaic
4º encontro pnaic
 
Que brincadeira é essa
Que brincadeira é essaQue brincadeira é essa
Que brincadeira é essa
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Livro o guarda chuva do guarda
Livro o guarda chuva do guardaLivro o guarda chuva do guarda
Livro o guarda chuva do guarda
 
Aprofundando o tema
Aprofundando o temaAprofundando o tema
Aprofundando o tema
 
Pnaic 2º encontro unidade 1 e 2 ano 2 - 2013-1
Pnaic 2º encontro unidade 1 e 2   ano 2 - 2013-1Pnaic 2º encontro unidade 1 e 2   ano 2 - 2013-1
Pnaic 2º encontro unidade 1 e 2 ano 2 - 2013-1
 
Ppt 3 ano 2 encontro pnaic
Ppt 3 ano   2 encontro pnaicPpt 3 ano   2 encontro pnaic
Ppt 3 ano 2 encontro pnaic
 
Rotina 1 ano
Rotina 1 anoRotina 1 ano
Rotina 1 ano
 
Planejamento 1ºano
Planejamento 1ºanoPlanejamento 1ºano
Planejamento 1ºano
 
1ª apresentação pnaic 08 06
1ª apresentação pnaic 08 061ª apresentação pnaic 08 06
1ª apresentação pnaic 08 06
 

Ensino da Alfabetização no 3o Ano

  • 1. PNAIC - 3º ENCONTRO COM PROFESSORES ALFABETIZADORES O ÚLTIMO ANO DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO: CONSOLIDANDO OS CONHECIMENTOS 3ºano
  • 3. ESCLARECIMENTOS SOBRE O SISTEMA;    Avaliação- Informar até que data que eles devem avaliar este encontro, pois temos menos tempo devido ao sistema simec.  critérios para avaliação – o professor que faltar meio período terá que ser avaliado com falta meio período e ainda menor cumprimento das atividades, portanto a nota ficará abaixo da média e o professor perderá a bolsa do mês, dessa forma não é vantagem faltar meio período.  Retomar a questão das tarefas combinadas, pois o não envio das mesmas pelo professor, implica na redução da nota da avaliação,
  • 4. TAREFA ( 2º ENCONTRO)  Leitura do texto “Materiais Didáticos no Ciclo de Alfabetização, da seção Compartilhando”, e fazer um levantamento dos materiais descritos no texto que estão na sua escola. (Listar os materiais a serem usados nas turmas de 3 º Ano)  Reler o texto 1 – Planejamento do ensino: princípios didáticos e modos de organização do trabalho pedagógico. Refletir sobre a questão: “Considerando os 10 princípios didáticos apresentados, como você avalia a sua prática?
  • 5. INICIANDO A CONVERSA Nesta unidade, discutiremos sobre a apropriação do Sistema de Escrita Alfabética (SEA). Entendendo que o ano 3 é o final do ciclo de alfabetização, o foco maior do ensino será o de garantir os processos de consolidação da alfabetização no sentido de que a criança, ao dominar o SEA, seja capaz de produzir e ler com autonomia textos de gêneros distintos. Contudo, é fato que algumas crianças ainda podem necessitar, nesse momento da escolarização, de alguma intervenção mais sistemática para avançar na apropriação do Sistema de Escrita Alfabética. Por essa razão, ainda traremos algumas reflexões sobre este aspecto. Para finalizar, abordaremos o planejamento de situações didáticas destinadas à exploração de algumas regularidades da norma ortográfica, a fim de levar o aluno a perceber, de forma consciente, algumas relações regulares letra/som que já estão sendo compreendidas/percebidas por ele, à medida que vai aprendendo a usar as letras convencionalmente. Entretanto, não se pretende esgotar a discussão sobre ortografia, até mesmo por compreendermos que a aprendizagem desse conhecimento acontece, progressivamente, ao longo do ensino fundamental.
  • 6. OS OBJETIVOS DESTE CADERNO SÃO:  entender a concepção de alfabetização na perspectiva do letramento, compreendendo que a aprendizagem da escrita alfabética constitui um processo de compreensão de um sistema de notação e não a aquisição de um código;  analisar as contribuições da teoria da psicogênese da escrita para compreensão do processo de apropriação do Sistema de Escrita Alfabética;  entender as relações entre consciência fonológica e alfabetização, analisando e planejando atividades de reflexão fonológica e gráfica de palavras, utilizando materiais distribuídos pelo MEC;  analisar diferentes alternativas didáticas para o ensino do Sistema de Escrita Alfabética com uso de diferentes materiais distribuídos pelo MEC, identificando os objetivos a elas associados.
  • 7. A CONSOLIDAÇÃO DAS CORRESPONDÊNCIAS LETRA – SOM NO ÚLTIMO ANO DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO Unidade 03 – Ano 03
  • 8. DE ACORDO COM OS DIREITOS DE APRENDIZAGEM...  Ao iniciar o Ano 3, os alunos já poderiam ter compreendido o SEA e seu funcionamento, neste sentido, o foco do trabalho do Professor estaria voltado à consolidação desse processo;  Mas não é difícil encontrarmos situações em que o Professor se depara com alunos chegam ao ano 3 sem o domínio do SEA. U3 – PÁG.06
  • 9. É IMPORTANTE ...  Desenvolver estratégias de trabalho que possibilitem o avanço dessas crianças, a fim de que, ao término do ano, estejam pelo menos no nível Alfabético de escrita e tenham aprendido muitas das correspondências letra-som de nossa língua. U3 – Pág.07
  • 10. O PROFESSOR PRECISA SER UM FACILITADOR DO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DO SEA  É importante que ele diagnostique o que a criança já sabe sobre a escrita e que saiba o que fazer para desenvolver uma metodologia de ensino para propiciar o avanço do pequeno aprendiz. U3 – Pág. 07
  • 11. AS CONCEPÇÕES DAS CRIANÇAS A RESPEITO DO SISTEMA DE ESCRITA – EMÍLIA FERREIRO As primeiras escritas infantis aparecem do ponto de vista gráfico como, linhas onduladas ou quebradas (ziguezague), contínuas ou fragmentadas ou então como uma série de elementos discretos repetidos. A aparência gráfica não é garantia de escrita, a menos que se conheça as condições de produção.
  • 12.
  • 13.
  • 14.  Do ponto de vista construtivo, a escrita infantil segue uma linha de evolução regular, através de diversos meios culturais, de diversas situações educativas e diversas línguas.
  • 15.  Podem ser distinguidos três grandes períodos no interior dos quais cabem múltiplas subdivisões:  distinção entre o modo de representação icônico e não-icônico: diferenciação entre marcas gráficas figurativas e não- figurativas.
  • 16.  a construção de formas de diferenciação (controle progressivo das variações sobre os eixos qualitativo e quantitativo)  Eixo quantitativo - a criança estabelece uma quantidade mínima de letras, geralmente 3, que uma escrita deve ter para que diga algo.  Eixo qualitativo - a variação interna necessária para que uma série de grafias possa ser interpretada (se o escrito tem o tempo todo a mesma letra, não se pode ler ou seja, não é interpretável).
  • 17. EXEMPLOS:  D I E L N - CADERNO  H M F S O - LIVRO  T D I C X - GIZ
  • 18. HIPÓTESE PRÉ-SILÁBICA  A criança ainda não compreende que existe relação entre a escrita e a pauta sonora, podendo usar letras, pseudoletras, números, rabiscos e até mesmo desenhos para escrever.Nesta hipótese, as crianças começam a diferenciar letras de desenhos, de números e demais símbolos, e elaboram representações mentais próprias sobre a escrita Alfabética.
  • 19. EXEMPLOS: U L M A H N M P BICICLETA
  • 20. HIPÓTESE SILÁBICA  A criança estabelece uma correspondência entre a quantidade de letras utilizadas e a quantidade de sílabas orais das palavras, podendo usar letras com ou sem o valor sonoro convencional.Mesmo quando ainda não apresentam uma escrita silábica estrita, usando rigorosamente uma letra para cada sílaba, algumas crianças, apesar de não anteciparem quantas letras irão usar ao escrever, tentam ajustar com a pauta sonora e realizam correspondências som- grafia no início e final das palavras.
  • 21. EXEMPLOS: E A B R BRI GA DEI RO I A O RI CAR DO
  • 22. Os conflitos vão desestabilizando progressivamente a hipótese silábica, até que a criança tem coragem suficiente para se comprometer em um novo processo de construção.
  • 23. O período silábico-alfabético marca a transição entre os esquemas prévios em via de serem abandonados e os esquemas futuros em vias de serem construídos.
  • 25. HIPÓTESE SILÁBICO - ALFABÉTICA A criança começa a perceber que uma única letra não é suficiente para registrar as sílabas e recorre, simultaneamente, às hipótese Silábica e Alfabética, isto é, ora usa apenas uma letra para notar as sílabas orais das palavras, ora utiliza mais de uma letra, estabelecendo relação entre fonema e grafema.
  • 26. E a partir daí descobre novos problemas: quantitativo (não basta uma letra por sílaba, não se pode estabelecer nenhuma regularidade duplicando a quantidade de letras). Qualitativo:enfrentará problemas ortográficos (a identidade de som não garante identidade de letras, nem a de letras a de sons).
  • 27. HIPÓTESE ALFABÉTICA  A criança compreende que se escreve com base em uma correspondência entre sons menores que as sílabas (fonemas) e grafemas.Nesta hipótese, o aprendiz passa a compreender que para som pronunciado é necessário uma ou mais letras para notá-lo, mesmo que inicialmente, ainda não tenha se apropriado de muitíssimos casos de regularidade e irregularidade da norma Ortográfica.
  • 29. BIBLIOGRAFIA Ferreiro, Emilia .”Reflexões sobre a Alfabetização” .São Paulo: Cortez, 1981. Ferreiro, Emilia & Teberosky, Ana. A psicogênese da língua escrita.Porto Alegre: Artes Médicas, 1984
  • 30. PRINCÍPIOS QUE NECESSITAM SER COMPREENDIDOS/DOMINADOS PELA CRIANÇA PARA QUE SE APROPRIEM DA ESCRITA 1. Escreve-se com letras que não podem ser inventadas, que têm um repertório finito e que são diferentes de números e de outros símbolos. 2. As letras têm formatos fixos e pequenas variações produzem mudanças em sua identidade (p, q, b, d), embora uma letra assuma formatos variados (P, p, P, p).
  • 31. 3. A ordem das letras no interior da palavra não pode ser mudada. 4. Uma letra pode se repetir no interior de uma palavra e em diferentes palavras, ao mesmo tempo em que distintas palavras compartilham as mesmas letras. 5.Nem todas as letras podem ocupar certas posições no interior das palavras e nem todas as letras podem vir juntas de quaisquer outras.
  • 32. 6. As letras notam ou substituem a pauta sonora das palavras que pronunciamos e nunca levam em conta as características físicas ou funcionais dos referentes que substituem. 7. As letras notam segmentos sonoros menores que as sílabas orais que pronunciamos. 8. As letras têm valores sonoros fixos, apesar de muitas terem mais de um valor sonoro e certos sons poderem ser notados com mais de uma letra.
  • 33. 9. Além de letras, na escrita de palavras, usam-se, também, algumas marcas (acentos) que podem modificar a tonicidade ou o som das letras ou sílabas onde aparecem. 10. As sílabas podem variar quanto às combinações entre consoantes e vogais (CV, CCV, CVV, CVC, V, VC, VCC, CCVCC...), mas a estrutura predominante no português é a sílaba CV (consoante –vogal), e todas as sílabas do português contêm, ao menos, uma vogal. U3 – Pág.08
  • 34. ANÁLISE DE ESCRITAS Solicitar que ao analisar as escritas considerem:  o eixo quantitativo;  o eixo qualitativo;  letras fora de ordem com valor sonoro;  o que a criança nos informa ao escrever;  se utiliza letras do próprio nome;  identifique se existe regularidades presentes nessas escritas.  Qual é a hipótese de escrita dessa criança?
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45. INFELIZMENTE...  Em algumas salas de aula, o ensino das relações som- grafia tem ficado em segundo plano.Para alguns docentes, existe uma questionável compreensão de que ter momentos dedicados ao ensino daqueles temas pode significar uma abordagem tradicional de Alfabetização. U3 - Pág. 08
  • 46. Como as correspondências letra – som podem ser ensinadas de forma reflexiva e prazerosa? U3 – Pág 08
  • 47. DESSE MODO, A CONCEPÇÃO CONSTRUTIVISTA DE ALFABETIZAÇÃO...  Levou a uma mudança do foco da discussão sobre a Alfabetização, antes reduzida a “como ensinar”, para uma melhor compreensão da construção do conhecimento pelo aluno e suas implicações na prática educativa.A partir dessa abordagem passou-se a questionar sobre “o como fazer”, o “por que fazer” e o “para que fazer”, levando –se em consideração como o aluno processa o conhecimento sobre o SEA e como o Professor pode intervir nessa situação.  U3 – Pág.09
  • 48. ATIVIDADES FUNDAMENTAIS PARA QUE OS ALUNOS AVANCEM NOS SEUS CONHECIMENTOS SOBRE AS RELAÇÕES SOM- GRAFIA: 1-Atividades envolvendo a sistematização das correspondências som- grafia. 2-Atividades envolvendo a consciência fonológica. 3-Atividades para desenvolver a fluência de leitura. U3- Pág. 09
  • 49. 4-Atividades envolvendo leitura e produção de texto. 5-Atividades para o ensino da norma ortográfica. U3 – Pág. 09
  • 50. 1- ATIVIDADES ENVOLVENDO A SISTEMATIZAÇÃO DAS CORRESPONDÊNCIAS SOM- GRAFIA  Algumas atividades podem permitir aos alunos pensarem nas letras e nos sons que estas notam, sem que tais exercícios se voltem para as questões da norma ortográfica, permitindo que o aluno volte sua atenção para as similaridades e diferenças nas relações letra/som, no momento da escrita ou leitura das palavras, como por exemplo, atividades que envolvem a escrita de palavras que iniciam com uma determinada letra ou sílaba. U3 – Pág. 10
  • 51. ATIVIDADES QUE PODEM AJUDAR OS ALUNOS A PENSAREM NA SEQUÊNCIA DE LETRAS QUE SERÃO UTILIZADAS:  Cruzadinhas;  Caça – palavras;  Exploração da ordem Alfabética;  Escrita de palavras com o uso do alfabeto móvel, silabário e de textos que permitam a reflexão de uma determinada letra ou sílaba (trava-lìnguas, parlendas, cantigas);  Jogos envolvendo leitura e escrita de palavras ex. “Quem sou eu”. U3 – Pág. 10
  • 52.  Atividades de composição e decomposição de palavras.  Atividades de montagem de textos que foram trabalhados em sala ( palavras, frases).  Escrita de palavras que possuam uma determinada letra (adedonha, lista de palavras). U3 – Pág. 10
  • 53. 2- ATIVIDADES ENVOLVENDO A CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA  “a consciência fonológica é um conjunto de habilidades metalinguísticas que permitem refletir sobre os segmentos sonoros das palavras em diferentes níveis:silábico, intra silábico e fonêmico.  As atividades auxiliam tanto os alunos que ainda não compreenderam que existe relação entre a escritas e a pauta sonora, como para os alunos que já compreenderam o SEA, mas apresentam dificuldades em estabelecer relação som grafia. U3 – Pág. 11
  • 54.  Jogos que desenvolvem a consciência fonológica:Bingo dos Sons iniciais, Caça- rimas, Dado Sonoro, Trinca Mágica.  Atividades que trabalham diferentes habilidades em diferentes níveis das palavras, como por exemplo:identificar, adicionar, subtrair e produzir unidades similares de diferentes palavras. U3- Pág. 12
  • 55.  Atividades de exploração de textos que trabalham o extrato sonoro da língua (cantigas de roda, parlendas, trava- línguas, textos poéticos) permitem aos alunos explorarem palavras que apresentam sons parecidos, bem como sobre algumas letras e seus valores sonoros. U3 – Pág.12
  • 56. 3- ATIVIDADES PARA DESENVOLVER FLUÊNCIA DE LEITURA  Leitura livre ou em pequenos grupos com gêneros diversos em que a Professora pode organizar um Cantinho de Leitura, com variados textos (disponibilizar um horário dentro da rotina).  Escolher o livro e ler para os colegas em pequenos ou no grande grupo,ouvir leitura pelo professor, realizar pesquisas. U3 – Pág. 14
  • 57.  Recital de Poemas.  Hora da Notícia ou da reportagem. U3 – Pág. 15
  • 58. 4-ATIVIDADES ENVOLVENDO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO  É importante destacarmos que a reflexão sobre o SEA não pode estar distanciada das atividades de leitura e produção de texto.Um bom recurso didático para conciliar os diferentes eixos são as “Obras complementares”. U3- Pág. 15
  • 59.  Sobre as letras do Alfabeto e reflexão sobre as correspondências som/grafia (exs de obras: Adedonha, Alfabeto de Histórias, ABC doido, o Jogo das palavras.  Reflexão sobre as semelhanças sonoras das palavras a partir de textos que exploram rimas, aliterações, repetições de palavras como a obra: Bicho que te quero livre , Jogo da Parlenda e Um sapo dentro do saco. U3 – Pág. 16
  • 60.  Sobre o vocabulário (formação de palavras, reflexão sobre significados de palavras ou expressões, ex. Falando pelos cotovelos, Zig, Zag e As paredes têm ouvidos.  Recursos linguísticos utilizados para a construção da textualidade (onomatopéias, repetição de frases e expressão ao longo do texto e presença de textos cumulativos), como por ex. PLOC e Choro e Choradeira: risos e risadas. U3 – Pág. 16
  • 61. SUGESTÃO DE LEITURA Relato da Professora com o uso da obra “O guarda-chuva do guarda”- Leitura. Pág. 17
  • 62. VÍDEO EM DEBATE  Alfabetização: apropriação do Sistema de Escrita Alfabética - partes 1 e 2 (disponível em www.ufpe.br/ceel);
  • 63. CAIXA DE JOGOS DE ALFABETIZAÇÃO  Bingo dos Sons Iniciais;  Caça-rimas;  Dado Sonoro;  Trinca Mágica;  Quem escreve sou eu
  • 65. VÍDEO  Coisas que eu sei- Dani Carlos
  • 66. VÍDEO EM DEBATE  Ortografia na sala de aula - partes 1 e 2 (disponível em www.ufpe.br/ceel)
  • 67. ESTUDO  Texto 2: O ensino da ortografia no 3º ano do 1º ciclo –: o que devemos propor aos alunos no “último” ano da alfabetização?
  • 68. ANÁLISE DE ATIVIDADES DE ORTOGRAFIA NO LIVRO DIDÁTICO.  O que esta atividade ensina?  Qual é o desafio que ela apresenta?  É uma atividade que apresenta reflexão para os alunos?  Para qual aluno serve esta atividade?
  • 69. TAREFA  Analisar as atividades do livro didático utilizado na sala de aula e adequar conforme as propostas estudadas;  Estudo do capítulo 03 do livro “Ortografia: Ensinar e Aprender” – Artur Gomes de Morais.    Próximo encontro: 31 de agosto de 2013