Consciência fonêmica

2.684 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.684
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
190
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Consciência fonêmica

  1. 1. CONVERSANDO SOBRE... Angela Freire Refere-se ao conhecimento explícito das unidades abstratas que compõem as palavras faladas, como sílabas, rimas e fonemas isolados. Prefeitura Municipal de Salvador – PMS Secretaria Municipal da Educação – SMED Coordenadoria Regional da Educação – CRE ORLA Ter CONSCIÊCIA FONOLÓGIA implica saber e discriminar diferentes SONS e suas nuanças tais como: alto, baixo, grave, agudo, próximo, distante, suave, estridentes, esganiçado, sons dos animais, dos instrumentos, dos diferentes objetos (OLIVEIRA, 2008). TEMA: Consciência Fonêmica. EIXO CONCEITUAL: Consciência Fonológica. OBJETIVO: Refletir a importância da utilização da consciência fonológica e suas sub- habilidades nos processos de ensino e aprendizagem da leitura e da escrita, priorizando a consciência fonêmica, que é a base para a descoberta do princípio alfabético. é considerada como um conhecimento metalinguístico, decorrente da capacidade do ser humano de poder se debruçar sobre a linguagem de forma consciente, permitindo a reflexão sobre os sons da fala e sua organização na formação das palavras.
  2. 2. -2- CONSCIÊNCIA SILÁBICA As sub-habilidades da CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA CONSCIÊNCIA FONÊMICA CONSCIÊNCIA FONÊMICA Segundo Oliveira (2010), para o aluno para se alfabetizar, ele precisa superar três obstáculos: 1. Descobrir o princípio alfabético, isto é, descobrir o fato de que as palavras são formadas por fonêmas (diferentes sons menores do que a sílaba) e que os fonemas, por sua vez, são representados por grafemas (letras). 2. Aprender a decodificar, ou seja, aprender as relações entre fonêmas e os grafemas que os representam para extrair os sons das palavras escritas. 3. Descobrir o princípio ortográfico, ou seja, aprender as regras que regem a escrita das palavras. A CONSCIÊNCIA FONÊMICA refere-se aos sons que existem nas palavras. É a capacidade de identificar, utilizar, pensar e brincar com os sons das palavras (OLIVEIRA, 2008:91). A CONSCIÊNCIA SILÁBICA refere-se a capacidade de identificar, segmentar e discriminar as palavras em sílabas. As pesquisas sobre ALFABETIZAÇÃO revelam que a CONSCIÊNCIA FONÊMICA (OLIVEIRA, 2008:91): ⇒⇒⇒⇒ Aumenta a capacidade de as crianças lerem as palavras e compreenderem o que leem. ⇒⇒⇒⇒ Ajuda as crianças aprenderem a escrever as palavras de maneira mais correta (ortografia). A CONSCIÊNCIA FONÊMICA é a base para a descoberta do PRINCÍPIO ALFABÉTICO GRAFEMAS (letras) representam FONEMAS (valores sonoros da língua) este é o PRINCÍPIO ALFABÉTICO. Este, é a base, a razão de ser do SISTEMA ALFABÉTICO DE ESCRITA. Nesse sistema as LETRAS representam os FONEMAS da língua. Antes de aprender a LER as crianças precisam ter CONSCIÊNCIA de como os SONS funcionam nas PALAVRAS. Precisam compreender que as PALAVRAS são feitas de SONS, representados pelos FONEMAS (OLIVEIRA, 2008:91).
  3. 3. -3- De acordo com OLIVEIRA (2010:) ⇒⇒⇒⇒ O termo “CONSCIÊNCIA” é usado porque o aluno não tem consciência do som na palavra. Depois que a criança para de balbuciar e aprende a falar, ela presta atenção ao sentido da palavra, não a sua forma ou ao seu som. É por meio de brincadeiras de rimas, assonâncias e aliterações que ela toma consciência desses aspectos da palavra. ⇒⇒⇒⇒ O termo “FONÊMICA” refere-se aos fonemas. O fonema é a menor unidade sonora da língua. A CONSCIÊNCIA FONÊMICA refere-se à capacidade de identificar os segmentos som que formam uma palavra. Para se alfabetizar o aluno precisa identificar os segmentos de som que compõem uma sílaba e saber que há um “som” que é menor de que o “som” da sílaba, e é isso que a criança precisa descobrir (OLIVEIRA, 2010). LEMBRE-SE! ASSONÂNCIA é uma figura de linguagem que consiste em repetir sons de vogais ou vocábulos com consoantes ou vocábulos com consoantes iguais em um verso ou em uma frase. Ocorre assonância quando há repetição da mesma vogal ao longo de um verso ou poema. "Sou Ana, da cama da cana, fulana, bacana sou Ana de Amsterdam.” (Chico Buarque) ALITERAÇÃO ou ALITERAMENTO é uma figura de linguagem que consiste em repetir sons consonantais idênticos ou semelhantes, no início ou no meio de palavras próximas em um verso ou em uma frase, especialmente as sílabas tônicas, para intensificar o ritmo ou utilizar como efeito sonoro significativo. Em horas inda louras, lindas Clorindas e Belindas, brandas Brincam nos tempos das Berlindas As vindas vendo das varandas. RIMA é a identidade e/ou semelhança sonora existente entre a palavra final de um verso com a palavra final de outro verso na estrofe. É a repetição dos sons que soam igual, geralmente se encontra no final de um verso. Contudo pode verificar-se também o processo da rima entre o final do verso e palavras que se encontram no interior deste, (rima interna ou encadeada). E fico, pensativa, olhando o vago… Tomo a brandura plácida dum lago O meu rosto de monja de marfim… E as lágrimas que choro, branca e calma, Ninguém as vê brotar dentro da alma! Ninguém as vê cair dentro de mim! (extraído de “Lágrimas Ocultas”, de Florbela Espanca). FONTE: http://www.lusofoniapoetica.com/artigos/teoria-poetica/rima.html http://www.dicionarioinformal.com.br
  4. 4. -4- Uma PROFESSORA ALFABETIZADORA sabe que aluno possui CONSCIÊNCIA FONÊMICA quando ele é capaz de (OLIVEIRA, 2008): ⇒ Reconhecer palavras que começam com o mesmo SOM. Ex.: TERRA, TETO. ⇒ Isolar e dizer o primeiro ou último SOM de uma palavra. Ex.: CASA /k/ e /a/. ⇒ Combinar (sintetizar) o último som de uma palavra. Ex.: /l/a/t/a = LATA. ⇒ Decompor (analisar) uma palavra (som) em seus SONS mais elementares. Ex.: UPA u/p/a. O conhecimento da ESTRUTURA FONÊMICA da LÍNGUA é essencial para o trabalho de ALFABETIZAÇÃO (OLIVEIRA, 2008:93), posto que é isso que permite ao professor: ⇒ Decidir a ordem de ensino de SONS e LETRAS. ⇒ Identificar SONS mais difíceis e mais fácil de ensinar. ⇒ Decidir a ordem em que ensinar. ⇒ Prever onde os alunos terão mais dificuldade e a possível causa de confusão entre os sons. Todo aluno que se ALFABETIZA adquire o PRINCÍPIO ALFABÉTICO, ou seja, a idéia de que quando se MUDA uma LETRA de uma PALAVRA, MUDA-SE a pronúncia da PALAVRA. O QUE O ALUNO PRECISA APRENDER Segundo Oliveira (2010), para cada par FONEMA-GRAFEMA, o ALUNO precisa APRENDER: ⇒⇒⇒⇒ A identificar o FONEMA em diferentes posições na PALAVRA. ⇒⇒⇒⇒ A identificar o GRAFEMA (letras ou letras) que representa o FONEMA. ⇒⇒⇒⇒ A fazer ANÁLISE, ou seja, DECOMPOR uma palavra nos FONEMAS que a constituem, por exemplo, a palavra UAI é formada pelos fonemas /u/ /a/ /i/). EXEMPLO: Se havia LADO mudou para MAGO – SAPO. Se havia PÁ mudou para PÉ – PÓ. A mudança de LETRAS muda a forma de ESCREVER e de LER a PALAVRA. São os fonemas que fazem a DIFERENÇA para a criança DISTINGUIR uma palavra da outra • Quanto mais cedo o ALUNO adquire o PRINCÍPIO ALFABÉTICO, mais rapidamente ela irá se ALFABETIZAR. • Se o ALUNO não adquire a CONSCIÊNCIA FONÊMICA ele pode pensar que as PALAVRAS são como e DESENHOS, e passar a DECORAR PALAVRAS. Ou decorar SÍLABAS e compõe as PALAVRAS SILABANDO. • Somente a TOMADA de CONSCIÊNCIA sobre os FONEMAS permite adquirir o PRINCÍPIO ALFABÉTICO. O domínio do princípio permite o domínio do CÓDIGO ALFABÉTICO – que é a essência da alfabetização. (OLIVEIRA, 2010).
  5. 5. -5- ⇒⇒⇒⇒ A fazer SÍNTESE, ou seja, JUNTAR SONS para formar PALAVRAS. A SÍNTESE poder tanto ORAL (a partir de palavras ouvidas) quanto ESCRITA (a partir de leitura de palavras). FONEMAS, SONS E O SISTEMA DE ESCRITA O sistema de escrita da Língua Portuguesa é o SISTEMA ALFABÉTICO. O ALFABETO é composto de 26 letras Os FOMEMAS da Língua Portuguesa OS FONEMAS DA LÍNGUA PORTUGUESA VOGAIS ORAIS VOGAIS NASAIS CONSOANTES /a/ /ê/ /é/ /i/ /ô/ /ó/ /u/ /am/ /em/ /im/ /om/ /um/ /b/ /k/ /d/ /f/ /g/ /j/ /l/ /m/ /n/ /p/ /q/ R/ /s/ /t/ /v/ /ch/ /z/ /lh/ /nh/ As VOGAIS têm um som independente: a, é, ã, etc. As CONSOANTES são co-soantes, elas soam junto com outras letras, as VOGAIS REFERÊNCIA OLIVEIRA, João Batista Araújo e. ABC do Alfabetizador. Brasília: Instituto Alfa e Beto, 2008. __________.__________. Manual de Consciência Fonêmica. 10ª ed. Brasília: Instituto Alfa e Beto, 2010.

×