CEDUS - Abril 2009­

343 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

CEDUS - Abril 2009­

  1. 1. II Colóquio CEDUS - Centro de Estudos em “Design de Sistemas Virtuais Centrado no Usuário” 2009 Debate sobre o livro ’Design da Interação’, das autoras Jennifer Preece, Yvonne Rogers e Helen Sharp Participantes Profa. Dra. Sueli Mara P. Ferreira - ECA/USP Prof. Dr. Marcos Mucheroni - ECA/USP Profa. Dra. Maria Laura Martinez Prof. Guilhermo Reis - Consultor em Arquitetura da Informação Doutorando Antonio Marcos Amorim - ECA/USP Mestre Alexandre Barizon - ECA/USP Graduando Leonardo Assis - ECA/USP
  2. 2. Colóquio do CEDUS Centro de Estudos em “Design de Sistemas Virtuais Centrado no Usuário” Debate sobre o livro ’Design da Interação’,de autoria de Jennifer Preece, Yvonne Rogers e Helen Sharp • Pontos e questões do livro - O que é design de interação? (p. 28) Genericamente, é o “design de produtos interativos que fornecem suporte às atividades cotidianas das pessoas, seja no lar, no lazer e no trabalho”. (PREECE, ROGERS & SHARP, 2009). Para WINOGRAD, T. “...é o projeto de espaços para comunicação e interação humana” (1997) Se há pontos do design de interação a serem considerados sobre que escolhas gerais a fazer no desenvolvimento do protótipo de um novo sistema, temos uma questão inicial complicada: 1) Questão 1 - O que é prioridade nesta atividade: a) pensar no que pode ser proporcionado em experiências de qualidade aos usuários? b) Ouvir o que as pessoas querem e envolvê-las no design? b.1) Como envolvê-las no projeto de design? b.2) considerar no que as pessoas são boas ou não em relação a ferramenta e tarefas projetadas? b.3) todas simultaneamente, usando técnicas diferentes de aplicação? Questão 1b: O quanto há flexibilidade para um gerente inverter uma prioridade definida, dependendo dos projetos e clientes específicos em andamento? Porque isto raramente é alterado na prototipação de um sistema? Abril de 2009
  3. 3. Abril de 2009 • Pontos e questões do livro - O campo do IHC – Interação homem-computador, ou HCI em inglês, se preocupa classicamente com o “... design, a avaliação e a implementação de sistemas computacionais interativos para uso humano e com os estudos dos fenômenos que os rodeiam” - p. 28 (apud ACM SIGCHI, 1992, p. 6). - Surge nos anos 90 o “… campo interdisciplinar de trabalho cooperativo suportado por computador – ou CSCW em inglês, Computer supported cooperative work. – p. 29 (apud GREIF, I. Computer supported cooperative work: a book of readings. San Francisco: Morgan Kaufmann, 1988) - Maior desafio: desenvolver computadores que fossem acessíveis e utilizáveis por um grande número de pessoas e realizassem tarefas envolvendo a cognição humana. Colóquio do CEDUS Centro de Estudos em "Design de Sistemas Virtuais Centrado no Usuário" Debate sobre o livro ’Design da Interação’,de autoria de Jennifer Preece, Yvonne Rogers e Helen Sharp
  4. 4. Colóquio do CEDUS Centro de Estudos em "Design de Sistemas Virtuais Centrado no Usuário" Debate sobre o livro ’Design da Interação’,de autoria de Jennifer Preece, Yvonne Rogers e Helen Sharp • Pontos e questões do livro - “... Pessoas com formações diferentes apresentam perspectivas e maneiras de ver e falar sobre o mundo (vide figura 1.4 do livro). Algo que uma pessoa considere importante outras podem nem exergar” – p. 31 (idem apud KIM, S. Interdisciplinary cooperation. In: LAUREL, B. Art of human-computer interface design. Reading, MA: Addison-Wesley, 1990.) Questão 2: Como combinar motivação, entrosamento e ter produtividade na gerência de profissionais de diferentes áreas, em dose exata (psicólogos, bibliotecários, engenheiros, sociólogos, designers gráficas, arquitetos), de acordo com demanda crescente por produtos da empresa? Questão 2b: O que diferencia esta ação ao campo / mercado da educação – portais, bibliotecas virtuais (em universidades, bibliotecas, escolas), que incorporam lentamente o middleware – composição de distintos arterfatos interativos operando e conversando entre si – e bem combinados? • (a) Design de Interação  diferente  (b) Design de interface a) Todos os aspectos interativos de um produto b) design gráfico de interface -> mais desenvolvido geralmente Abril de 2009
  5. 5. • Pontos e questões do livro - Processo de interação envolve: a) identificar necessidades e estabelecer requisitos; b) desenvolver designs alternativos que preencham esses requisitos; c) construir versões alterativas dos designs, para teste e avaliação; d) avaliar o que está sendo construído durante o processo (p. 33) Questão 3: Se o último item (avaliação constante) é importante num design de interação, quando terminá-la e apresentá-la ao cliente? Existe um método ou estratégia de marketing mas eficaz a isto? Obs.: Normalmente, apresentamos 2 versões “prontas” ao cliente, e ele escolhe entre uma delas, mas pouco da interação em si é avaliada, ou as informações destes não são colhidas para reformular o projeto… - As autoras mais adiante definem o que é design interativo. Temos 2 metas classificadas: a) Metas de usabilidade ; e b) Metas decorrentes da experiência do usuário (p. 35) Colóquio do CEDUS Centro de Estudos em "Design de Sistemas Virtuais Centrado no Usuário" Debate sobre o livro ’Design da Interação’,de autoria de Jennifer Preece, Yvonne Rogers e Helen Sharp Abril de 2009
  6. 6. Abril de 2009 • Pontos e questões do livro - “A usabilidade é em geral considerada como o fator que assegura que os produtos são fáceis de usar, eficientes e agradáveis – da perspectiva do usuário” – p. 35 A usabilidade se divide em metas: a) eficiência b) eficácia; c) segurança no uso; d) é de boa utilidade; e) é fácil de aprender (learnability); f) é fácil de lembrar como se usa (memorability) Capacidade de memorização (p. 38) -> refere-se à facilidade de lembrar como utilizar um sistema, depois de já se ter aprendido como fazê-lo – algo importante para sistemas interativos que não são utilizados com muita frequência. Questão 4: Qual a técnica para medir o grau de memorability de um sistema? Quanto tempo deveria você deveria levar para aprender a utilizar o produto interativo? Colóquio do CEDUS Centro de Estudos em "Design de Sistemas Virtuais Centrado no Usuário" Debate sobre o livro ’Design da Interação’,de autoria de Jennifer Preece, Yvonne Rogers e Helen Sharp
  7. 7. Abril de 2009 • Pontos e questões do livro Metas decorrentes da Experiência do Usuário (p. 40): Além de enfocar a eficiência e produtividade no trabalho, há uma preocupação crescente com a criação de sistemas que sejam: -> satisfatórios -> divertidos -> agradáveis -> interessantes -> úteis -> motivadores -> esteticamente apreciáveis -> compensadores -> incentivadores da criatividade -> emocionalmente adequados -> permitirem oferecer o “cheiro da informação” Os aspectos descritos como contribuintes para algo prazeroso incluem: atenção, ritmo, jogo (o lúdico), interatividade, controle consciente e inconsciente, envolvimento e estilo da narrativa. Algumas combinações são incompatíveis, como ser essencialmente lúdico um sistema porém esteticamente desagradáveis ou desinteressantes. Questão 5: Numa organização de grande porte (universidade), ao projetarmos um sistema – ex.: portal institucional – como tornar este um sistema motivador? E também incentivador da criatividade ? Quase nunca vemos sistemas assim.. Colóquio do CEDUS Centro de Estudos em "Design de Sistemas Virtuais Centrado no Usuário" Debate sobre o livro ’Design da Interação’,de autoria de Jennifer Preece, Yvonne Rogers e Helen Sharp
  8. 8. Abril de 2009 • Pontos e questões do livro “Princípios gerais de usabilidade e design são destinados, mais especificamente, a auxiliar os designers a explicar e melhorar o projeto (…) todavia, não servem para especificar como realizar o design de uma interface real, mas servem como um conjunto de itens a serem lembrados, assegurando que certas coisas foram acrescentadas à interface” (idem, p. 42 apud THIMBLEBY, H. User interface design. Harlow, UK: Addison Wesley, 1990). Mais comuns: visibilidade, feedback, mapeamento, consistência, restrições e affordance. Todos estes bem descritos por NORMAN, D. The design of everday things. s.l: Basic Books, 1988. Visibilidade -> controles de um carro bem projetos com todas as funções; Feedback -> Ser auto- explicativo. Há vários tipos: táteis, áudio, verbal, visual e combinações destes. Affordance -> termo que se refere ao atributo de um objeto que permite às pessoas saber como utilizá-lo, ou “dar uma pista. Exemplo: um botão de um mouse convida-nos a pressioná-lo, pela forma como está fisicamente posicionado em sua concha de plástico. (NORMAN, 1988) Questão 6: Porque os sistemas muitas vezes não seguem sequer o princípio de feedback apontado por NORMAN ? Como tornar um bom sistema para bibliotecas dotado de feeback verbal e tátil ? Obs: Referências citadas apontam ainda para estudos dos anos 80 e 90. Porém há milhares de novos estudos, apenas seguimos o texto das autoras. Colóquio do CEDUS Centro de Estudos em "Design de Sistemas Virtuais Centrado no Usuário" Debate sobre o livro ’Design da Interação’,de autoria de Jennifer Preece, Yvonne Rogers e Helen Sharp
  9. 9. Abril de 2009 Referências ACM SIGCHI, 1992, p. 6 GREIF, I. Computer supported cooperative work: a book of readings. San Francisco: Morgan Kaufmann, 1988 LAUREL, B. Art of human-computer interface design. Reading, MA: Addison- Wesley, 1990. NORMAN, D. The design of everday things. s.l: Basic Books, 1988. THIMBLEBY, H. User interface design. Harlow, UK: Addison Wesley, 1990 WINOGRAD, T. From coputing machinery to introduction design. In: DENNING, P.; METCALFE, R. (eds.) Beyond calculation: the next fifty years of computing. Amsterdam: Springer-Verlag, 1997. p. 149-162. Colóquio do CEDUS Centro de Estudos em Design de Sistemas Virtuais Centrado no Usuário Debate sobre o livro ’Design da Interação’,de autoria de Jennifer Preece, Yvonne Rogers e Helen Sharp
  10. 10. Abril de 2009 Referências complementares WRIGHT, P. et al. Theory and method for experience centered design. Conference on Human Factors in Computing Systems. CHI '06 extended abstracts on Human factors in computing systems. Montréal, Québec, Canada. Workshops. pp. 1691- 1694 , 2006. McCARTHY, J.; WRIGHT, P. Technology as experience. New York, Interactions, vol. 11, n. 5, sept. oct. 2004 (special issue), p. 42-43. McCARTHY, J.; WRIGHT, P. Technology in place: dialogics of technology, place and self. Springer: Lecture Notes in Computer Science, sept. 2005, p. 914-16. Colóquio do CEDUS Centro de Estudos em Design de Sistemas Virtuais Centrado no Usuário Debate sobre o livro ’Design da Interação’,de autoria de Jennifer Preece, Yvonne Rogers e Helen Sharp

×