SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 65
ERGONOMIA
INFORMACIONAL E IHC
Interação Humano-Computador
Rosendy Jess Fernandez Galabo
rj@fgalabo.com
@zndgalabo
Ementa da discplina
5.5 Ergonomia e usabilidade de programas e
interação homem-computador
• 5.5.1 Usabilidade e utilidade de interfaces
• 5.5.2 Navegação em sistemas multimídia e
hipertexto
• 5.5.3 Projeto de telas
• 5.5.4 Compreensibilidade de signos
• 5.5.5 Legibilidade de textos eletrônicos
Bibliografia
1. BARBOSA, S.D.J.; SILVA,
B.S. Interação Humano-
Computador. Editora
Campus - Elsevier, 2010.
2. CYBIS, W. A.; BETIOL, A.
H.; FAUST, R . Ergonomia
e Usabilidade:
conhecimentos, métodos e
aplicações. 2. ed. São
Paulo: Novatec Editora,
2010. 422p.
3. KRUG, Steve. Não me faça
pensar. 2 ed. Rio de
Janeiro: Alta Books. 2011.
201p.
Bibliografia
4. KRUG, Steve. Simplificando
Coisas que Parecem
Complicadas. 1 ed. Rio de
Janeiro: Alta Books. 2010.
168p.
5. GARRETT, Jesse James. The
elements of user experience:
user-centered design for the
web. New York: News Riders,
2003.
6. NIELSEN, Jakob; LORANGER,
Hoa. Usabilidade na Web:
projetando websites com
qualidade. Rio de Janeiro:
Campus, 2007.
Bibliografia
4. PREECE, J.; ROGERS, Y.;
SHARP, H. Design de
interação: além da interação
homem-computador. Porto
Alegre: Bookman, 2005.
5. SANTA ROSA, José
Guilherme; MORAES,
Anamaria de. Avaliação e
projeto no design de
interfaces. 1. Ed. Teresópolis,
RJ: 2AB, 2008.
6. UNGER, R. CHANDLER, C. O
Guia para Projetar UX: A
Experiência do Usuário (UX)
para projetistas de
conteúdodigital, aplicações e
web sites. Rio de Janeiro: Alta
Books, 2009. 268p.
Origens da Interação Humano-
Computador
• Durante os anos 1960 e início dos 1970, pesquisadores
das ergonomia passaram a dar mais atenção a mapear o
processamento da informação e de habilidades
decisórias do usuário típico. (SANTA ROSA e
MORAES, 2008)
Origens da Interação Humano-
Computador
• Final dos anos 1970, o amplo projeto de ciência
cognitiva, que incorporou a psicologia cognitiva,
inteligência artificial, lingüística, antropologia
cognitiva e a filosofia da mente, havia se formado.
Parte do programa era articular as aplicações
sistemáticas e cientificamente informada a ser
conhecida como “engenharia cognitiva” (CARROLL,
2009)
Origens da Interação Humano-
Computador
• Até final de 1970 –
Profissionais da
tecnologia da
informação e
profissionais
dedicados
• Computação gráfica
surgiu na década de
1970.
Origens da Interação Humano-
Computador
• 1973 - Primeiro
computador pessoal,
Alto, desenvolvido no
Xerox Palo Alto
Research Center
(PARC) o primeiro
sistema comercial com
um editor de texto,
mouse, e interface
gráfica.
Origens da Interação Humano-
Computador
• Computação Pessoal
• Aplicações de
produtividade
• Editores de texto e
planilhas
• Jogos de computador
• Sistemas operacionais
Origens da Interação Humano-
Computador
• Meados de 1980
• A engenharia de fatores humanos, que desenvolveu muitas
técnicas para a análise empírica do sistema de interações
humanas em domínios chamados de controle, tais como aviação e
fabricação, passou a ver IHC como um domínio importante e
desafiador no qual os operadores humanos regularmente
exerciam maior resolução de descrição problemas.
(CARROLL, 2009)
Origens da Interação Humano-
Computador
• 1990
• Tim Berners-Lee desenvolve a World-Wide Web (WWW)
Origens da Interação Humano-
Computador
• 1993
• Lançamento do Mosaic, o primeiro browser amplamente utilizado.
O que é IHC?
• IHC é um campo de estudo interdisciplinar que tem
como objetivo geral entender como e por que as pessoas
utilizam (ou não utilizam) a tecnologia da informação.
(SANTA ROSA e MORAES, 2008).
HCI
Ergonomia
Psicologia
Social e Orga-
nizacional
Psicologia
Cognitiva
Ciência da
Computação
Inteligência
Artificial
Linguística Filosofia
Sociologia
Antropologia
Design
Engenharia
PREECE, 1993
IHC
O que é IHC?
• É a área da ergonomia que estuda formas de aumentar
a compatibilidade entre as características
comportamentais humanas e o processamento /
representação das informações através do
computador” (SCAPIN, 1993)
• Complementando... Rocha e Baranauskas (2003)
afirmam que:
• “HCI trata do design de sistemas computacionais que auxiliem
as pessoas de forma que possam executar suas atividades
produtivamente e com segurança”.
O que é IHC?
• IHC é a disciplina preocupada com o design,
avaliação e implementação de sistemas
computacionais interativos para uso humano e
com o estudo dos principais fenômenos ao redor
deles
Benefícios do IHC
• Aumentar a produtividade;
• Reduzir o número e a gravidade dos erros
cometidos pelos usuários;
• Reduzir o custo de treinamento;
• Reduzir o custo de suporte técnico;
• Aumentar as vendas e fidelidade do cliente;
Elementos envolvidos na interação
usuário-sistema
• Interface - é o meio pelo
qual o diálogo entre o
computador e o ser humano
é estabelecido. Este diálogo
acontece em harmonia,
quando fatores humanos
são considerados.
(PRESSMAN, 1995).
Elementos envolvidos na interação
usuário-sistema
• Interação Usuário-
Sistema – Pode ser
considerada como tudo o
que acontece quando uma
pessoa e um sistema
computacional se unem
para realizar tarefas,
visando um objetivo (Hix e
Hartson, 1993)
Elementos envolvidos na interação
usuário-sistema
• Affordance – conjunto das características de um objeto
capazes de revelar aos seus usuários as operações e
manipulações que eles podem fazer com ele (Norman,
1988)
Usabilidade
Usabilidade
Interação
Homem-Computador
Design de
Interfaces
Design
de Telas
Usabilidade
de Produto
Usabilidade
• Em IHC, comumente utiliza-se a usabilidade como um
dos critérios de qualidade de uso em sistemas interativos.
(BARBOSA e SILVA, 2010)
• No intuito de facilitar o acesso e a navegação dentro em
um website ou um sistema, estudos na área de Interação
Humano-Computador (IHC) são frequentemente
utilizados sob a forma de recomendações de usabilidade.
(SANTA ROSA e MORAES, 2008).
Usabilidade
• Nielsen (2003) define usabilidade como “uma medida da
qualidade da experiência do usuário ao interagir com
alguma coisa – seja um site na Internet, um aplicativo de
software tradicional, ou outro dispositivo que o usuário
possa operar de alguma forma”.
Usabilidade
• Um atributo de qualidade relacionado à facilidade do
uso de algo. Refere-se à rapidez com que os usuários
podem aprender a usar alguma coisa, a eficiência deles
ao usá-la, o quanto lembram daquilo, seu grau de
propensão a erros e o quanto gostam de utilizá-las. Se
as pessoas não utilizarem um recurso, ele pode muito
bem não existir. (NIELSEN e LORRANGER, 2007).
Usabilidade
• De acordo com a ISO 9241-11, a usabilidade é uma
medida na qual um produto pode ser usado por usuários
específicos para alcançar objetivos específicos com
eficácia, eficiência e satisfação em um contexto
específico de uso.
EFETIVIDADE
EFICIÊNCIA
SATISFAÇÃO
USABILIDADE
Usuários específicos
Tarefas específicas
Ambientes específicos
Critérios e princípios para o projeto de
interfaces
• Segundo Cybis et al. (2010), há uma configuração base
a partir da qual uma interface pode favorecer o
estabelecimento da usabilidade na relação usuário-
sistema. Essa configuração se faz respeitando critérios,
princípios ou heurísticas de usabilidade propostos por
diversos autores e instituições nas últimas décadas.
• Regras de Ouro (Ben Shneiderman)
• Princípios de diálogo (ISO 9241:10)
• Critérios ergonômicos (Bastien & Scapin)
• Heurísticas de usabilidade (Jakob Nielsen)
Critérios e princípios para o projeto de
interfaces
• Regras de ouro (Ben Shneiderman)
1. Perseguir a consistência;
2. Fornecer atalhos;
3. Fornecer feedback informativo;
4. Marcar o final dos diálogos;
5. Fornecer prevenção e manipulação simples de erros;
6. Permitir o cancelamento de ações;
7. Fornecer controle e iniciativa ao usuário;
8. Reduzir a carga de memória de trabalho.
Critérios e princípios para o projeto de
interfaces
• Princípios de diálogo (ISO 9241:10)
• Adaptação à tarefa;
• Autodescrição (feedback);
• Controle ao usuário;
• Conformidade às expectativas do usuário;
• Tolerância aos erros;
• Facilidade de individualização;
• Facilidade de aprendizagem
Critérios e princípios para o projeto de
interfaces
• Critérios ergonômicos (Bastien & Scapin)
• Adaptação à tarefa;
• Autodescrição (feedback);
• Controle ao usuário;
• Conformidade às expectativas do usuário;
• Tolerância aos erros;
• Facilidade de individualização;
• Facilidade de aprendizagem
Critérios e princípios para o projeto de
interfaces
• Critérios ergonômicos (Bastien & Scapin)
• Condução
• Carga de trabalho
• Controle explícito
• Adaptabilidade
• Gestão de erros
• Homogeneidade/consistência
• Compatibilidade
Critérios e princípios para o projeto de
interfaces
• Heurísticas de usabilidade (Nielsen e Molich)
• Visibilidade do estado do sistema;
• Mapeamento entre o sistema e o mundo real;
• Liberdade e controle ao usuário;
• Consistência e padrões;
• Prevenção de erros;
• Reconhecer em vez de relembrar;
• Flexibilidade e eficiência de uso;
• Design estético e minimalista;
• Suporte para o usuário reconhecer, diagnosticar e
recuperar erros;
• Ajuda e documentação
Heurísticas de usabilidade
• Visibilidade do estado do sistema;
• O sistema precisa manter os usuários informados sobre
tudo o que acontece por feedbacks em tempo adequado.
Deve-se informar aos usuários onde eles estão, de onde
veem e para onde vão enquanto navegam pelas telas do
sistema.
Heurísticas de usabilidade
• Mapeamento entre o sistema e o mundo real;
• Deve-se utilizar terminologia familiar ao usuário, e não
termos específicos de processamento de dados ou do
sistema em questão. As instruções devem aparecer de
forma lógica e natural, que faça sentido para o usuário
Heurísticas de usabilidade
• Liberdade e controle ao usuário;
• O sistema deve apresentar um certo grau de liberdade,
permitindo que o usuário possa fazer escolhas e sair de
situações inesperadas, como por exemplo, engano do
usuário ou erros do sistema.
Heurísticas de usabilidade
• Consistência e padrões;
• O sistema deve ser previsível. Padrões para terminologia,
cores, posicionamento e outros atributos de elementos
devem ser estabelecidos com coerência ao longo de toda
a interface gráfica do usuário.
• A consistência não é apenas uma questão de design de
tela, mas inclui considerações sobre a tarefa e a estrutura
de funcionalidade do sistema
Heurísticas de usabilidade
• Prevenção de erros;
• Melhor do que boas mensagens de erro é um projeto
cuidadoso que previne a ocorrência de problemas
Heurísticas de usabilidade
• Reconhecimento em vez de memorização
• Devem-se tornar visíveis objetos, ações e opções. O
usuário não deve ter que se lembrar de informações de
uma para outra parte do diálogo. Instruções para uso do
sistema devem estar visíveis e facilmente
recuperáveis quando necessário.
Heurísticas de usabilidade
• Flexibilidade e eficiência de uso
• Aceleradores de tarefa, como teclas de atalho,
comandos escritos por fala, podem não ser visualizados
pelos novatos, mas aumenta a velocidade de interação
entre os usuários experientes e o sistema. Isso faz com
que o sistema possa atender tanto aos usuários
experientes quanto aos novatos. É importante lembrar que
os usuários novatos de hoje tornar-se-ão experientes ao
longo do uso do sistema
Heurísticas de usabilidade
• Design estético e minimalista;
• Devem ser apresentadas apenas informações que o
usuário necessite, excluindo as irrelevantes ou
raramente necessárias, pois qualquer unidade de
informação extra no diálogo competirá com unidades
relevantes de informação e diminuirá sua visibilidade
relativa. As informações devem aparecer em uma ordem
natural de acordo com as expectativas do usuário.
Informações relacionadas devem estar agrupadas
graficamente.
Heurísticas de usabilidade
• Ajudar os usuários a reconhecer, diagnosticar e
recuperar ações erradas
• Mensagens de erro devem ser expressas em linguagem
clara (sem códigos), indicando precisamente o problema e
sugerindo construtivamente uma solução.
Heurísticas de usabilidade
• Help e documentação
• É necessário prover help e documentação. Essas
informações devem ser de fácil busca e acesso,
focalizadas na tarefa do usuário, organizadas como
passos concretos para realização da tarefa em questão e
não devem ser muito longas.
Referências bibliográficas
• ABNT- Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO 9241-11/1998 -
Requisitos Ergonômicos para Trabalho de Escritórios com Computadores:
Orientações sobre Usabilidade. Rio de Janeiro, ABNT, 2000.
• BARBOSA, S.D.J.; SILVA, B.S. Interacao Humano-Computador. Editora
Campus - Elsevier, 2010.
• Carroll, John M. (2009): Human Computer Interaction (HCI). In: Soegaard,
Mads and Dam, Rikke Friis (eds.). "Encyclopedia of Human-Computer
Interaction". Aarhus, Denmark: The Interaction-Design.org Foundation. Disponível
em: http://www.interaction-
design.org/encyclopedia/human_computer_interaction_hci.html
• CYBIS, W. A.; BETIOL, A. H.; FAUST, R . Ergonomia e Usabilidade:
conhecimentos, métodos e aplicações. 2. ed. São Paulo: Novatec Editora, 2010.
422p.
• GALABO, R. J. Avaliação da usabilidade de website da Universidade Federal
do Maranhão: percepção do corpo discente. 2011. 108f. Monografia
(Graduação em Desenho Industrial) – Universidade Federal do Maranhão.
• HIX, D. & HARTSON, H. Developing User Interfaces: Ensuring Usability
Through Product and Process. New York, NY: John Wiley & Sons, 1993.
Referências bibliográficas
• MORAES, A. Design e Avaliação de interfaces, Rio de Janeiro: iUsEr, 2002.
148p.
• NORMAN, D. A. Psychology of Everyday Things. Basic Books, 1988.
• PREECE, J.; ROGERS, Y.; SHARP, H. Design de interação: além da interação
homem-computador. Porto Alegre: Bookman, 2005.
• PRESSMAN, Roger S. Engenharia de Software. 3 ed. São Paulo: Makron
Books, 1995. p. 602-606.
• ROCHA, H. V.; BARANAUSKAS, M. C. C. Design e avaliação de Interfaces
Humano-Computador. Campinas, SP: NIED – UNICAMP, 2003.
• SANTA ROSA, José Guilherme; MORAES, Anamaria de. Avaliação e projeto no
design de interfaces. 1. Ed. Teresópolis, RJ: 2AB, 2008.
• UNGER, R. CHANDLER, C. O Guia para Projetar UX: A Experiência do Usuário
(UX) para projetistas de conteúdo digital, aplicações e web sites. Rio de Janeiro:
Alta Books, 2009. 268p.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Teste sobre IHC, usabilidade e affordance
Aula Teste sobre IHC, usabilidade e affordanceAula Teste sobre IHC, usabilidade e affordance
Aula Teste sobre IHC, usabilidade e affordance
Christopher Cerqueira
 
Aula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane FidelixAula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane Fidelix
Cris Fidelix
 
Prototipagem
PrototipagemPrototipagem
Prototipagem
jwainer
 

Mais procurados (20)

Interação Homem Computador Aula 02
Interação Homem Computador Aula 02Interação Homem Computador Aula 02
Interação Homem Computador Aula 02
 
Aula 2 - A área de IHC
Aula 2 - A área de IHCAula 2 - A área de IHC
Aula 2 - A área de IHC
 
Aula 10 Software - sistema operacional e aplicativos
Aula 10 Software - sistema operacional e aplicativosAula 10 Software - sistema operacional e aplicativos
Aula 10 Software - sistema operacional e aplicativos
 
Interface Homem Computador - Aula01- Introdução a IHC
Interface Homem Computador - Aula01- Introdução a IHCInterface Homem Computador - Aula01- Introdução a IHC
Interface Homem Computador - Aula01- Introdução a IHC
 
Introdução a experiência do usuário
Introdução a experiência do usuárioIntrodução a experiência do usuário
Introdução a experiência do usuário
 
sistemas operativos.ppt
sistemas operativos.pptsistemas operativos.ppt
sistemas operativos.ppt
 
Interação Humano-Computador (IHC)
Interação Humano-Computador (IHC)Interação Humano-Computador (IHC)
Interação Humano-Computador (IHC)
 
Visão geral do sistema operacional
Visão geral do sistema operacionalVisão geral do sistema operacional
Visão geral do sistema operacional
 
Aula Teste sobre IHC, usabilidade e affordance
Aula Teste sobre IHC, usabilidade e affordanceAula Teste sobre IHC, usabilidade e affordance
Aula Teste sobre IHC, usabilidade e affordance
 
Aula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane FidelixAula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane Fidelix
 
Interface Humano Computador
Interface Humano ComputadorInterface Humano Computador
Interface Humano Computador
 
IHC - Slide 2 - Usabilidade e Princípios de Design
IHC - Slide 2 - Usabilidade e Princípios de DesignIHC - Slide 2 - Usabilidade e Princípios de Design
IHC - Slide 2 - Usabilidade e Princípios de Design
 
Hardware e software
Hardware e softwareHardware e software
Hardware e software
 
Editores de texto
Editores de textoEditores de texto
Editores de texto
 
Ihc Aula7
Ihc Aula7Ihc Aula7
Ihc Aula7
 
Interface Homem Computador - Janaira Franca
Interface Homem Computador - Janaira FrancaInterface Homem Computador - Janaira Franca
Interface Homem Computador - Janaira Franca
 
IHC estilos interacao
IHC estilos interacaoIHC estilos interacao
IHC estilos interacao
 
Introdução à Informática
Introdução à InformáticaIntrodução à Informática
Introdução à Informática
 
Design de Interfaces para Dispositivos Móveis
Design de Interfaces para Dispositivos MóveisDesign de Interfaces para Dispositivos Móveis
Design de Interfaces para Dispositivos Móveis
 
Prototipagem
PrototipagemPrototipagem
Prototipagem
 

Destaque

Evolução da Computação
Evolução da ComputaçãoEvolução da Computação
Evolução da Computação
Juliana Cardoso
 
IHC - Questionario
IHC - QuestionarioIHC - Questionario
IHC - Questionario
Jonatas Melo
 
Ergonomia e Usabilidade AULA 3:
Ergonomia e Usabilidade AULA 3:Ergonomia e Usabilidade AULA 3:
Ergonomia e Usabilidade AULA 3:
Dra. Camila Hamdan
 
Usabilidade: as 10 heurísticas de Nielsen
Usabilidade: as 10 heurísticas de NielsenUsabilidade: as 10 heurísticas de Nielsen
Usabilidade: as 10 heurísticas de Nielsen
Tersis Zonato
 
História e evolução da informática
História e evolução da informáticaHistória e evolução da informática
História e evolução da informática
Fabiano Santos
 

Destaque (20)

Evolução da Computação
Evolução da ComputaçãoEvolução da Computação
Evolução da Computação
 
A Soberania de Deus
A Soberania de DeusA Soberania de Deus
A Soberania de Deus
 
IHC - Questionario
IHC - QuestionarioIHC - Questionario
IHC - Questionario
 
Diretrizes de Usabilidade: Como dispor os meios de relacionamento digitais?
Diretrizes de Usabilidade: Como dispor os meios de relacionamento digitais?Diretrizes de Usabilidade: Como dispor os meios de relacionamento digitais?
Diretrizes de Usabilidade: Como dispor os meios de relacionamento digitais?
 
Evolução dispositivos móveis e pc
Evolução dispositivos móveis e pcEvolução dispositivos móveis e pc
Evolução dispositivos móveis e pc
 
Evolução da informática
Evolução da informáticaEvolução da informática
Evolução da informática
 
Psicologia aplicada ao Design de Interação
Psicologia aplicada ao Design de InteraçãoPsicologia aplicada ao Design de Interação
Psicologia aplicada ao Design de Interação
 
Algoritmos - História e Evolução da Computação
Algoritmos - História e Evolução da ComputaçãoAlgoritmos - História e Evolução da Computação
Algoritmos - História e Evolução da Computação
 
Informatica Básica - Aula 01
Informatica Básica - Aula 01Informatica Básica - Aula 01
Informatica Básica - Aula 01
 
Usabilidade na web
Usabilidade na webUsabilidade na web
Usabilidade na web
 
Estratégia de Conteúdo para SEO - TchêSEO 2011
Estratégia de Conteúdo para SEO - TchêSEO 2011Estratégia de Conteúdo para SEO - TchêSEO 2011
Estratégia de Conteúdo para SEO - TchêSEO 2011
 
Usabilidade - Metas, Principios e Heuristicas
Usabilidade -  Metas, Principios e HeuristicasUsabilidade -  Metas, Principios e Heuristicas
Usabilidade - Metas, Principios e Heuristicas
 
Heurísticas de Jakob Nielsen
Heurísticas de Jakob NielsenHeurísticas de Jakob Nielsen
Heurísticas de Jakob Nielsen
 
Palestra - 113 Diretrizes de Nielsen para Homepages.
Palestra - 113 Diretrizes de Nielsen para Homepages.Palestra - 113 Diretrizes de Nielsen para Homepages.
Palestra - 113 Diretrizes de Nielsen para Homepages.
 
Ergonomia e Usabilidade AULA 3:
Ergonomia e Usabilidade AULA 3:Ergonomia e Usabilidade AULA 3:
Ergonomia e Usabilidade AULA 3:
 
Evolução da informática
Evolução da informáticaEvolução da informática
Evolução da informática
 
Usabilidade: as 10 heurísticas de Nielsen
Usabilidade: as 10 heurísticas de NielsenUsabilidade: as 10 heurísticas de Nielsen
Usabilidade: as 10 heurísticas de Nielsen
 
Computação Ubíqua e Pervasiva
Computação Ubíqua e PervasivaComputação Ubíqua e Pervasiva
Computação Ubíqua e Pervasiva
 
história da computação
história da computaçãohistória da computação
história da computação
 
História e evolução da informática
História e evolução da informáticaHistória e evolução da informática
História e evolução da informática
 

Semelhante a Interação Humano-Computador - História, Conceitos e Heurísticas de Nielsen

A importancia de IHC no desenvolvimento de software
A importancia de IHC no desenvolvimento de softwareA importancia de IHC no desenvolvimento de software
A importancia de IHC no desenvolvimento de software
Flavia Negrao
 
Seminario Lep Ibge Slideshare
Seminario Lep Ibge SlideshareSeminario Lep Ibge Slideshare
Seminario Lep Ibge Slideshare
guest5ccda
 

Semelhante a Interação Humano-Computador - História, Conceitos e Heurísticas de Nielsen (20)

Heurística, Principios e Usabilidade na web
Heurística, Principios e Usabilidade na webHeurística, Principios e Usabilidade na web
Heurística, Principios e Usabilidade na web
 
Aula 1. Introdução: Interface Homem-Máquina
Aula 1. Introdução: Interface Homem-MáquinaAula 1. Introdução: Interface Homem-Máquina
Aula 1. Introdução: Interface Homem-Máquina
 
Ergonomia e Usabilidade AULA 2: Conceitos, Engenharia de Usabilidade
Ergonomia e Usabilidade AULA 2: Conceitos, Engenharia de UsabilidadeErgonomia e Usabilidade AULA 2: Conceitos, Engenharia de Usabilidade
Ergonomia e Usabilidade AULA 2: Conceitos, Engenharia de Usabilidade
 
Palestra "Usabilidade: conceito, aplicações e testes" de Renato Rosa
Palestra "Usabilidade: conceito, aplicações e testes" de Renato RosaPalestra "Usabilidade: conceito, aplicações e testes" de Renato Rosa
Palestra "Usabilidade: conceito, aplicações e testes" de Renato Rosa
 
Design de interação
Design de interaçãoDesign de interação
Design de interação
 
USABILIDADE DA WEB MÓVEL
USABILIDADE DA WEB MÓVELUSABILIDADE DA WEB MÓVEL
USABILIDADE DA WEB MÓVEL
 
Graphic1
Graphic1Graphic1
Graphic1
 
Usabilidade com Paper Prototype
Usabilidade com Paper PrototypeUsabilidade com Paper Prototype
Usabilidade com Paper Prototype
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Da IHC ao UX: Uma história de ressignificação para o mercado / Webinar BR-CH...
Da IHC ao UX: Uma história de ressignificação  para o mercado / Webinar BR-CH...Da IHC ao UX: Uma história de ressignificação  para o mercado / Webinar BR-CH...
Da IHC ao UX: Uma história de ressignificação para o mercado / Webinar BR-CH...
 
Projeto e interface_com_usuário_resumo
Projeto e interface_com_usuário_resumoProjeto e interface_com_usuário_resumo
Projeto e interface_com_usuário_resumo
 
A importancia de IHC no desenvolvimento de software
A importancia de IHC no desenvolvimento de softwareA importancia de IHC no desenvolvimento de software
A importancia de IHC no desenvolvimento de software
 
Ergodesing e arquitetura de Informação
Ergodesing e arquitetura de InformaçãoErgodesing e arquitetura de Informação
Ergodesing e arquitetura de Informação
 
Aula 3 – A áera de IHC
Aula 3 – A áera de IHCAula 3 – A áera de IHC
Aula 3 – A áera de IHC
 
Seminario Lep Ibge Slideshare
Seminario Lep Ibge SlideshareSeminario Lep Ibge Slideshare
Seminario Lep Ibge Slideshare
 
Usabilidade: Palestra no auditório do IBGE
Usabilidade: Palestra no auditório do IBGEUsabilidade: Palestra no auditório do IBGE
Usabilidade: Palestra no auditório do IBGE
 
Palestra no auditório do IBGE - Arquitetura de Informação
Palestra no auditório do IBGE - Arquitetura de InformaçãoPalestra no auditório do IBGE - Arquitetura de Informação
Palestra no auditório do IBGE - Arquitetura de Informação
 
Novas formas de interação Homem-máquina
Novas formas de interação Homem-máquinaNovas formas de interação Homem-máquina
Novas formas de interação Homem-máquina
 
O Desafio da Usabilidade - Seminário de Metodologia do IBGE 2014
O Desafio da Usabilidade - Seminário de Metodologia do IBGE 2014O Desafio da Usabilidade - Seminário de Metodologia do IBGE 2014
O Desafio da Usabilidade - Seminário de Metodologia do IBGE 2014
 
Usabilidade na tv digital
Usabilidade na tv digitalUsabilidade na tv digital
Usabilidade na tv digital
 

Mais de Ros Galabo, PhD

Padrões de design de interação para aplicativos de comércio televisivo com fo...
Padrões de design de interação para aplicativos de comércio televisivo com fo...Padrões de design de interação para aplicativos de comércio televisivo com fo...
Padrões de design de interação para aplicativos de comércio televisivo com fo...
Ros Galabo, PhD
 

Mais de Ros Galabo, PhD (8)

Usabilidade na TV digital interativa
Usabilidade na TV digital interativaUsabilidade na TV digital interativa
Usabilidade na TV digital interativa
 
Padrões de design de interação para aplicativos de comércio televisivo com fo...
Padrões de design de interação para aplicativos de comércio televisivo com fo...Padrões de design de interação para aplicativos de comércio televisivo com fo...
Padrões de design de interação para aplicativos de comércio televisivo com fo...
 
Legibilidade de textos eletrônicos e Compreensibilidade de signos em IHC
Legibilidade de textos eletrônicos e Compreensibilidade de signos em IHCLegibilidade de textos eletrônicos e Compreensibilidade de signos em IHC
Legibilidade de textos eletrônicos e Compreensibilidade de signos em IHC
 
Mapas de site, Fluxos de Tarefa, Wireframe e Prototipagem
Mapas de site,  Fluxos de Tarefa,  Wireframe e PrototipagemMapas de site,  Fluxos de Tarefa,  Wireframe e Prototipagem
Mapas de site, Fluxos de Tarefa, Wireframe e Prototipagem
 
Perfil do usuário, Personas, Cenários, Storyboard em IHC
Perfil do usuário, Personas, Cenários, Storyboard em IHCPerfil do usuário, Personas, Cenários, Storyboard em IHC
Perfil do usuário, Personas, Cenários, Storyboard em IHC
 
IHC - Abordagem geral, processos ou metodologia
IHC - Abordagem geral, processos ou metodologiaIHC - Abordagem geral, processos ou metodologia
IHC - Abordagem geral, processos ou metodologia
 
Áreas compactas no cinema
Áreas compactas no cinemaÁreas compactas no cinema
Áreas compactas no cinema
 
Mobiliário gótico
Mobiliário góticoMobiliário gótico
Mobiliário gótico
 

Interação Humano-Computador - História, Conceitos e Heurísticas de Nielsen

  • 1. ERGONOMIA INFORMACIONAL E IHC Interação Humano-Computador Rosendy Jess Fernandez Galabo rj@fgalabo.com @zndgalabo
  • 2. Ementa da discplina 5.5 Ergonomia e usabilidade de programas e interação homem-computador • 5.5.1 Usabilidade e utilidade de interfaces • 5.5.2 Navegação em sistemas multimídia e hipertexto • 5.5.3 Projeto de telas • 5.5.4 Compreensibilidade de signos • 5.5.5 Legibilidade de textos eletrônicos
  • 3. Bibliografia 1. BARBOSA, S.D.J.; SILVA, B.S. Interação Humano- Computador. Editora Campus - Elsevier, 2010. 2. CYBIS, W. A.; BETIOL, A. H.; FAUST, R . Ergonomia e Usabilidade: conhecimentos, métodos e aplicações. 2. ed. São Paulo: Novatec Editora, 2010. 422p. 3. KRUG, Steve. Não me faça pensar. 2 ed. Rio de Janeiro: Alta Books. 2011. 201p.
  • 4. Bibliografia 4. KRUG, Steve. Simplificando Coisas que Parecem Complicadas. 1 ed. Rio de Janeiro: Alta Books. 2010. 168p. 5. GARRETT, Jesse James. The elements of user experience: user-centered design for the web. New York: News Riders, 2003. 6. NIELSEN, Jakob; LORANGER, Hoa. Usabilidade na Web: projetando websites com qualidade. Rio de Janeiro: Campus, 2007.
  • 5. Bibliografia 4. PREECE, J.; ROGERS, Y.; SHARP, H. Design de interação: além da interação homem-computador. Porto Alegre: Bookman, 2005. 5. SANTA ROSA, José Guilherme; MORAES, Anamaria de. Avaliação e projeto no design de interfaces. 1. Ed. Teresópolis, RJ: 2AB, 2008. 6. UNGER, R. CHANDLER, C. O Guia para Projetar UX: A Experiência do Usuário (UX) para projetistas de conteúdodigital, aplicações e web sites. Rio de Janeiro: Alta Books, 2009. 268p.
  • 6. Origens da Interação Humano- Computador • Durante os anos 1960 e início dos 1970, pesquisadores das ergonomia passaram a dar mais atenção a mapear o processamento da informação e de habilidades decisórias do usuário típico. (SANTA ROSA e MORAES, 2008)
  • 7. Origens da Interação Humano- Computador • Final dos anos 1970, o amplo projeto de ciência cognitiva, que incorporou a psicologia cognitiva, inteligência artificial, lingüística, antropologia cognitiva e a filosofia da mente, havia se formado. Parte do programa era articular as aplicações sistemáticas e cientificamente informada a ser conhecida como “engenharia cognitiva” (CARROLL, 2009)
  • 8. Origens da Interação Humano- Computador • Até final de 1970 – Profissionais da tecnologia da informação e profissionais dedicados • Computação gráfica surgiu na década de 1970.
  • 9. Origens da Interação Humano- Computador • 1973 - Primeiro computador pessoal, Alto, desenvolvido no Xerox Palo Alto Research Center (PARC) o primeiro sistema comercial com um editor de texto, mouse, e interface gráfica.
  • 10. Origens da Interação Humano- Computador • Computação Pessoal • Aplicações de produtividade • Editores de texto e planilhas • Jogos de computador • Sistemas operacionais
  • 11. Origens da Interação Humano- Computador • Meados de 1980 • A engenharia de fatores humanos, que desenvolveu muitas técnicas para a análise empírica do sistema de interações humanas em domínios chamados de controle, tais como aviação e fabricação, passou a ver IHC como um domínio importante e desafiador no qual os operadores humanos regularmente exerciam maior resolução de descrição problemas. (CARROLL, 2009)
  • 12. Origens da Interação Humano- Computador • 1990 • Tim Berners-Lee desenvolve a World-Wide Web (WWW)
  • 13. Origens da Interação Humano- Computador • 1993 • Lançamento do Mosaic, o primeiro browser amplamente utilizado.
  • 14. O que é IHC? • IHC é um campo de estudo interdisciplinar que tem como objetivo geral entender como e por que as pessoas utilizam (ou não utilizam) a tecnologia da informação. (SANTA ROSA e MORAES, 2008).
  • 15. HCI Ergonomia Psicologia Social e Orga- nizacional Psicologia Cognitiva Ciência da Computação Inteligência Artificial Linguística Filosofia Sociologia Antropologia Design Engenharia PREECE, 1993 IHC
  • 16. O que é IHC? • É a área da ergonomia que estuda formas de aumentar a compatibilidade entre as características comportamentais humanas e o processamento / representação das informações através do computador” (SCAPIN, 1993) • Complementando... Rocha e Baranauskas (2003) afirmam que: • “HCI trata do design de sistemas computacionais que auxiliem as pessoas de forma que possam executar suas atividades produtivamente e com segurança”.
  • 17. O que é IHC? • IHC é a disciplina preocupada com o design, avaliação e implementação de sistemas computacionais interativos para uso humano e com o estudo dos principais fenômenos ao redor deles
  • 18. Benefícios do IHC • Aumentar a produtividade; • Reduzir o número e a gravidade dos erros cometidos pelos usuários; • Reduzir o custo de treinamento; • Reduzir o custo de suporte técnico; • Aumentar as vendas e fidelidade do cliente;
  • 19. Elementos envolvidos na interação usuário-sistema • Interface - é o meio pelo qual o diálogo entre o computador e o ser humano é estabelecido. Este diálogo acontece em harmonia, quando fatores humanos são considerados. (PRESSMAN, 1995).
  • 20. Elementos envolvidos na interação usuário-sistema • Interação Usuário- Sistema – Pode ser considerada como tudo o que acontece quando uma pessoa e um sistema computacional se unem para realizar tarefas, visando um objetivo (Hix e Hartson, 1993)
  • 21. Elementos envolvidos na interação usuário-sistema • Affordance – conjunto das características de um objeto capazes de revelar aos seus usuários as operações e manipulações que eles podem fazer com ele (Norman, 1988)
  • 23. Usabilidade • Em IHC, comumente utiliza-se a usabilidade como um dos critérios de qualidade de uso em sistemas interativos. (BARBOSA e SILVA, 2010) • No intuito de facilitar o acesso e a navegação dentro em um website ou um sistema, estudos na área de Interação Humano-Computador (IHC) são frequentemente utilizados sob a forma de recomendações de usabilidade. (SANTA ROSA e MORAES, 2008).
  • 24. Usabilidade • Nielsen (2003) define usabilidade como “uma medida da qualidade da experiência do usuário ao interagir com alguma coisa – seja um site na Internet, um aplicativo de software tradicional, ou outro dispositivo que o usuário possa operar de alguma forma”.
  • 25. Usabilidade • Um atributo de qualidade relacionado à facilidade do uso de algo. Refere-se à rapidez com que os usuários podem aprender a usar alguma coisa, a eficiência deles ao usá-la, o quanto lembram daquilo, seu grau de propensão a erros e o quanto gostam de utilizá-las. Se as pessoas não utilizarem um recurso, ele pode muito bem não existir. (NIELSEN e LORRANGER, 2007).
  • 26. Usabilidade • De acordo com a ISO 9241-11, a usabilidade é uma medida na qual um produto pode ser usado por usuários específicos para alcançar objetivos específicos com eficácia, eficiência e satisfação em um contexto específico de uso. EFETIVIDADE EFICIÊNCIA SATISFAÇÃO USABILIDADE Usuários específicos Tarefas específicas Ambientes específicos
  • 27. Critérios e princípios para o projeto de interfaces • Segundo Cybis et al. (2010), há uma configuração base a partir da qual uma interface pode favorecer o estabelecimento da usabilidade na relação usuário- sistema. Essa configuração se faz respeitando critérios, princípios ou heurísticas de usabilidade propostos por diversos autores e instituições nas últimas décadas. • Regras de Ouro (Ben Shneiderman) • Princípios de diálogo (ISO 9241:10) • Critérios ergonômicos (Bastien & Scapin) • Heurísticas de usabilidade (Jakob Nielsen)
  • 28. Critérios e princípios para o projeto de interfaces • Regras de ouro (Ben Shneiderman) 1. Perseguir a consistência; 2. Fornecer atalhos; 3. Fornecer feedback informativo; 4. Marcar o final dos diálogos; 5. Fornecer prevenção e manipulação simples de erros; 6. Permitir o cancelamento de ações; 7. Fornecer controle e iniciativa ao usuário; 8. Reduzir a carga de memória de trabalho.
  • 29. Critérios e princípios para o projeto de interfaces • Princípios de diálogo (ISO 9241:10) • Adaptação à tarefa; • Autodescrição (feedback); • Controle ao usuário; • Conformidade às expectativas do usuário; • Tolerância aos erros; • Facilidade de individualização; • Facilidade de aprendizagem
  • 30. Critérios e princípios para o projeto de interfaces • Critérios ergonômicos (Bastien & Scapin) • Adaptação à tarefa; • Autodescrição (feedback); • Controle ao usuário; • Conformidade às expectativas do usuário; • Tolerância aos erros; • Facilidade de individualização; • Facilidade de aprendizagem
  • 31. Critérios e princípios para o projeto de interfaces • Critérios ergonômicos (Bastien & Scapin) • Condução • Carga de trabalho • Controle explícito • Adaptabilidade • Gestão de erros • Homogeneidade/consistência • Compatibilidade
  • 32. Critérios e princípios para o projeto de interfaces • Heurísticas de usabilidade (Nielsen e Molich) • Visibilidade do estado do sistema; • Mapeamento entre o sistema e o mundo real; • Liberdade e controle ao usuário; • Consistência e padrões; • Prevenção de erros; • Reconhecer em vez de relembrar; • Flexibilidade e eficiência de uso; • Design estético e minimalista; • Suporte para o usuário reconhecer, diagnosticar e recuperar erros; • Ajuda e documentação
  • 33. Heurísticas de usabilidade • Visibilidade do estado do sistema; • O sistema precisa manter os usuários informados sobre tudo o que acontece por feedbacks em tempo adequado. Deve-se informar aos usuários onde eles estão, de onde veem e para onde vão enquanto navegam pelas telas do sistema.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40. Heurísticas de usabilidade • Mapeamento entre o sistema e o mundo real; • Deve-se utilizar terminologia familiar ao usuário, e não termos específicos de processamento de dados ou do sistema em questão. As instruções devem aparecer de forma lógica e natural, que faça sentido para o usuário
  • 41.
  • 42. Heurísticas de usabilidade • Liberdade e controle ao usuário; • O sistema deve apresentar um certo grau de liberdade, permitindo que o usuário possa fazer escolhas e sair de situações inesperadas, como por exemplo, engano do usuário ou erros do sistema.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47. Heurísticas de usabilidade • Consistência e padrões; • O sistema deve ser previsível. Padrões para terminologia, cores, posicionamento e outros atributos de elementos devem ser estabelecidos com coerência ao longo de toda a interface gráfica do usuário. • A consistência não é apenas uma questão de design de tela, mas inclui considerações sobre a tarefa e a estrutura de funcionalidade do sistema
  • 48.
  • 49. Heurísticas de usabilidade • Prevenção de erros; • Melhor do que boas mensagens de erro é um projeto cuidadoso que previne a ocorrência de problemas
  • 50.
  • 51.
  • 52. Heurísticas de usabilidade • Reconhecimento em vez de memorização • Devem-se tornar visíveis objetos, ações e opções. O usuário não deve ter que se lembrar de informações de uma para outra parte do diálogo. Instruções para uso do sistema devem estar visíveis e facilmente recuperáveis quando necessário.
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56. Heurísticas de usabilidade • Flexibilidade e eficiência de uso • Aceleradores de tarefa, como teclas de atalho, comandos escritos por fala, podem não ser visualizados pelos novatos, mas aumenta a velocidade de interação entre os usuários experientes e o sistema. Isso faz com que o sistema possa atender tanto aos usuários experientes quanto aos novatos. É importante lembrar que os usuários novatos de hoje tornar-se-ão experientes ao longo do uso do sistema
  • 57.
  • 58. Heurísticas de usabilidade • Design estético e minimalista; • Devem ser apresentadas apenas informações que o usuário necessite, excluindo as irrelevantes ou raramente necessárias, pois qualquer unidade de informação extra no diálogo competirá com unidades relevantes de informação e diminuirá sua visibilidade relativa. As informações devem aparecer em uma ordem natural de acordo com as expectativas do usuário. Informações relacionadas devem estar agrupadas graficamente.
  • 59.
  • 60. Heurísticas de usabilidade • Ajudar os usuários a reconhecer, diagnosticar e recuperar ações erradas • Mensagens de erro devem ser expressas em linguagem clara (sem códigos), indicando precisamente o problema e sugerindo construtivamente uma solução.
  • 61.
  • 62. Heurísticas de usabilidade • Help e documentação • É necessário prover help e documentação. Essas informações devem ser de fácil busca e acesso, focalizadas na tarefa do usuário, organizadas como passos concretos para realização da tarefa em questão e não devem ser muito longas.
  • 63.
  • 64. Referências bibliográficas • ABNT- Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO 9241-11/1998 - Requisitos Ergonômicos para Trabalho de Escritórios com Computadores: Orientações sobre Usabilidade. Rio de Janeiro, ABNT, 2000. • BARBOSA, S.D.J.; SILVA, B.S. Interacao Humano-Computador. Editora Campus - Elsevier, 2010. • Carroll, John M. (2009): Human Computer Interaction (HCI). In: Soegaard, Mads and Dam, Rikke Friis (eds.). "Encyclopedia of Human-Computer Interaction". Aarhus, Denmark: The Interaction-Design.org Foundation. Disponível em: http://www.interaction- design.org/encyclopedia/human_computer_interaction_hci.html • CYBIS, W. A.; BETIOL, A. H.; FAUST, R . Ergonomia e Usabilidade: conhecimentos, métodos e aplicações. 2. ed. São Paulo: Novatec Editora, 2010. 422p. • GALABO, R. J. Avaliação da usabilidade de website da Universidade Federal do Maranhão: percepção do corpo discente. 2011. 108f. Monografia (Graduação em Desenho Industrial) – Universidade Federal do Maranhão. • HIX, D. & HARTSON, H. Developing User Interfaces: Ensuring Usability Through Product and Process. New York, NY: John Wiley & Sons, 1993.
  • 65. Referências bibliográficas • MORAES, A. Design e Avaliação de interfaces, Rio de Janeiro: iUsEr, 2002. 148p. • NORMAN, D. A. Psychology of Everyday Things. Basic Books, 1988. • PREECE, J.; ROGERS, Y.; SHARP, H. Design de interação: além da interação homem-computador. Porto Alegre: Bookman, 2005. • PRESSMAN, Roger S. Engenharia de Software. 3 ed. São Paulo: Makron Books, 1995. p. 602-606. • ROCHA, H. V.; BARANAUSKAS, M. C. C. Design e avaliação de Interfaces Humano-Computador. Campinas, SP: NIED – UNICAMP, 2003. • SANTA ROSA, José Guilherme; MORAES, Anamaria de. Avaliação e projeto no design de interfaces. 1. Ed. Teresópolis, RJ: 2AB, 2008. • UNGER, R. CHANDLER, C. O Guia para Projetar UX: A Experiência do Usuário (UX) para projetistas de conteúdo digital, aplicações e web sites. Rio de Janeiro: Alta Books, 2009. 268p.