SlideShare uma empresa Scribd logo
DAI GRATUITAMENTE O QUE
GRATUITAMENTE RECEBESTES
Cap. XXVI
Evangelho Segundo o Espiritismo
Digamos, antes de tudo, que a mediunidade é inerente a uma disposição orgânica, de que
qualquer homem pode ser dotado, como da de ver, de ouvir, de falar. Ora, nenhuma há de que o
homem, por efeito do seu livre-arbítrio, não possa abusar...
...A mediunidade é conferida sem distinção, a fim de que os Espíritos possam trazer a luz a
todas as camadas, a todas as classes da sociedade, ao pobre como ao rico; aos retos, para
os fortificar no bem, aos viciosos para os corrigir...
A mediunidade não implica necessariamente relações habituais com os Espíritos
superiores. É apenas uma aptidão para servir de instrumento...
O bom médium, pois, não é aquele que comunica facilmente, mas aquele que é
simpático aos bons Espíritos e somente deles tem assistência...
Não são os que gozam saúde que precisam de médico
ESE
Qual o médium que se poderia qualificar de perfeito?
Perfeito, ah! bem sabes que a perfeição não existe naTerra...
Dize, portanto, bom médium e já é muito, por isso que eles são raros.
Médium perfeito seria aquele contra o qual os maus Espíritos jamais ousassem,
uma tentativa de enganá-lo.
O melhor é aquele que, simpatizando somente com os bons Espíritos, tem sido o
menos enganado.
LM
Dom de curar
Preces pagas
Mercadores expulsos do templo
Mediunidade gratuita
Restituí a saúde aos doentes, ressuscitai os mortos, curai os leprosos,
expulsai os demônios. Dai gratuitamente o que gratuitamente haveis
recebido.
Com essa recomendação, prescreve que ninguém se faça pagar daquilo por
que nada pagou….Esse dom Deus lhes dera gratuitamente, para alívio dos
que sofrem e como meio de propagação da fé...
Dom de Curar
— É indispensável não esquecer que sois
acusado de feiticeiro.
— De que me acusam, nesse particular? —
interrogou o pregador do “Caminho”
— Eu próprio vos vi curar uma jovem muda,
num dia de sábado, e ignoro a natureza dos
sortilégios que utilizastes nesse feito.
— Não fui eu quem praticou esse ato de amor,
como, certamente, me ouvistes afirmar; foi o
Cristo, por intermédio de minha pobreza, que
nada tem de boa.
Ante o Sinédrio
Paulo e Estevão
Preces Pagas
“Precatai-vos dos escribas que se exibem a passear com
longas túnicas, que gostam de ser saudados nas praças
públicas e de ocupar os primeiros assentos nas sinagogas
e os primeiros lugares nos festins...”
A prece é ato de caridade, é um arroubo do coração.Cobrar
alguém que se dirija a Deus por outrem é transformar-se
em intermediário assalariado.
Deus não vende os benefícios que concede.... A razão, o
bom senso e a lógica dizem ser impossível que Deus, a
perfeição absoluta, delegue a criaturas imperfeitas o direito
de estabelecer preço para a sua justiça.
A Justiça de Deus é como o Sol: existe para todos, para o
pobre como para o rico.
Eles vieram em seguida a Jerusalém, e Jesus, entrando no templo, começou por
expulsar dali os que vendiam e compravam; derribou as mesas dos cambistas e os
bancos dos que vendiam pombos; e não permitiu que alguém transportasse qualquer
utensílio pelo templo.
Ao mesmo tempo os instruía, dizendo: “Não está escrito: ‘Minha casa será chamada
casa de oração por todas as nações?’ Entretanto, fizestes dela um covil de ladrões!”
Jesus expulsou do templo os mercadores. Condenou assim o tráfico das coisas santas sob
qualquer forma. Deus não vende a sua bênção, nem o seu perdão, nem a entrada no
Reino dos Céus. Não tem, pois, o homem, o direito de lhes estipular preço.
Mercadores expulsos do templo
Mediunidade gratuita
Os médiuns receberam de Deus um dom gratuito: o de
serem intérpretes dos Espíritos, para instrução dos
homens, para lhes mostrar o caminho do bem e
conduzi-los à fé, não para lhes vender palavras que não
lhes pertencem, a eles médiuns, visto que não são fruto
de suas concepções, nem de suas pesquisas, nem de
seus trabalhos pessoais.
Deus quer que a luz chegue a todos; não quer que o
mais pobre fique dela privado e possa dizer: não tenho
fé, porque não a pude pagar...
A mediunidade séria não pode ser e não o será nunca uma profissão... É que
se trata de uma faculdade essencialmente móvel, fugidia e mutável, com cuja
perenidade, pois, ninguém pode contar. Constituiria, portanto, para o
explorador, uma fonte absolutamente incerta de receitas...
Coisa diversa é o talento adquirido pelo estudo, pelo trabalho e que, por essa
razão mesma, representa uma propriedade da qual naturalmente lícito é, ao
seu possuidor, tirar partido.
Ela não existe sem o concurso dos Espíritos; faltando estes, já não há
mediunidade...
Explorar alguém a mediunidade é, conseguintemente, dispor de uma coisa
da qual não é realmente dono. Afirmar o contrário é enganar a quem paga.
Mediunidade gratuita
“...A vidência, a audição e a psicografia, que o Senhor me
concedera, por misericórdia, constituíam decisivos fatores de
êxito em nossas atividades... Entretanto, apesar das lições
maravilhosas de amor evangélico, inclinei me a transformar
minhas faculdades em fonte de renda material...
Não mais a escola da virtude, do amor fraternal, da edificação
superior, e sim a concorrência comercial, as ligações humanas
legais ou criminosas, os caprichos apaixonados, os casos de
policia e todo um cortejo de misérias da Humanidade, em suas
experiências menos dignas.
O Desastre de Acelino
Mensageiros
– Mas a morte chegou, meus amigos, e arrancou-me a fantasia – prosseguiu mais
grave . Desde o instante da grande transição, a ronda escura dos consulentes
criminosos, que me haviam precedido no túmulo, rodeou-me a reclamar palpites e
orientações de natureza inferior.
Queriam noticias de cúmplices encarnados, de resultados comerciais, de soluções
atinentes a ligações clandestinas. Gritei, chorei, implorei, mas estava algemado a
eles por sinistros elos mentais, em virtude da imprevidência na defesa do meu
próprio patrimônio espiritual.
O Desastre de Acelino
Mensageiros
O Beletrista
Devassando o Invisível
Vossa Exa. poderá assinar o seu próprio
nome, visto que não me importa
permanecer à margem... Ninguém
precisará saber que a obra foi
mediúnica... Poderá enriquecer, pois
alegra-me poder concorrer para a sua
abastança, porquanto estou informado
das dificuldades monetárias que a
afligem... Obterá um nome famoso na
literatura nacional e quiçá no
estrangeiro, glória, fortuna, admiração,
adoradores!...
"A Doutrina Espírita ensina aos médiuns, meu irmão,
que a fortuna de um intérprete do Invisível será a paz
da consciência, e que a sua glória estará no dever
cumprido, perante as leis de Deus, como na renúncia
ao mundo pelo amor ao Bem e àVerdade...
Eles não poderão visar jamais a quaisquer lucros
pecuniários, com a sua produção mediúnica...
porque, se assim procederem, estarão incorrendo em
penalidades graves perante a própria consciência e a
santidade do mandato que lhes foi confiado...
Dentro da Doutrina Espírita, somos reeducados no
desinteresse dos bens temporais. ...”
O Beletrista
Devassando o Invisível
Palestra Espírita_ Dai gratuitamente o que gratuitamente recebeste  out20

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
Marcos Accioly
 
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
Jorge Luiz dos Santos
 
Provas da existência deus
Provas da existência deusProvas da existência deus
Provas da existência deus
Denise Aguiar
 
Evangeliza - Infortúnios Ocultos
Evangeliza - Infortúnios OcultosEvangeliza - Infortúnios Ocultos
Evangeliza - Infortúnios Ocultos
Antonino Silva
 
Trabalhador espírita
Trabalhador espíritaTrabalhador espírita
Trabalhador espírita
Norberto Tomasini Jr
 
Desprendimento dos bens terrenos
Desprendimento dos bens terrenosDesprendimento dos bens terrenos
Desprendimento dos bens terrenos
Henrique Vieira
 
Ninguem pode ver_o_reino_de_deus-c_alves
Ninguem pode ver_o_reino_de_deus-c_alvesNinguem pode ver_o_reino_de_deus-c_alves
Ninguem pode ver_o_reino_de_deus-c_alves
Francisco Pereira
 
Roteiro 3 metodologia e critérios utilizados na codificação espírita
Roteiro 3   metodologia e critérios utilizados na codificação espíritaRoteiro 3   metodologia e critérios utilizados na codificação espírita
Roteiro 3 metodologia e critérios utilizados na codificação espírita
Bruno Cechinel Filho
 
O compromisso com a tarefa
O compromisso com a tarefaO compromisso com a tarefa
O compromisso com a tarefa
umecamaqua
 
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Izabel Cristina Fonseca
 
A prece
A prece A prece
A prece
Graça Maciel
 
Mediunidade gratuita
Mediunidade gratuitaMediunidade gratuita
Mediunidade gratuita
Ceile Maria Bernardo
 
Aula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursor
Aula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursorAula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursor
Aula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursor
JoyAlbanez
 
O homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioO homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafio
Graça Maciel
 
Finalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãOFinalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãO
Grupo Espírita Cristão
 
Desencarne na visão espírita
Desencarne na visão espíritaDesencarne na visão espírita
Desencarne na visão espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Jesus o medico das almas
Jesus  o medico das almasJesus  o medico das almas
Jesus o medico das almas
Claudio Macedo
 
Apresentação do Livro Os Mensageiros
Apresentação do Livro Os MensageirosApresentação do Livro Os Mensageiros
Apresentação do Livro Os Mensageiros
Patricia Farias
 
Palestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provasPalestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provas
Felipe Guedes
 
Existência de Deus
Existência de DeusExistência de Deus
Existência de Deus
Denise Aguiar
 

Mais procurados (20)

A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
 
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
 
Provas da existência deus
Provas da existência deusProvas da existência deus
Provas da existência deus
 
Evangeliza - Infortúnios Ocultos
Evangeliza - Infortúnios OcultosEvangeliza - Infortúnios Ocultos
Evangeliza - Infortúnios Ocultos
 
Trabalhador espírita
Trabalhador espíritaTrabalhador espírita
Trabalhador espírita
 
Desprendimento dos bens terrenos
Desprendimento dos bens terrenosDesprendimento dos bens terrenos
Desprendimento dos bens terrenos
 
Ninguem pode ver_o_reino_de_deus-c_alves
Ninguem pode ver_o_reino_de_deus-c_alvesNinguem pode ver_o_reino_de_deus-c_alves
Ninguem pode ver_o_reino_de_deus-c_alves
 
Roteiro 3 metodologia e critérios utilizados na codificação espírita
Roteiro 3   metodologia e critérios utilizados na codificação espíritaRoteiro 3   metodologia e critérios utilizados na codificação espírita
Roteiro 3 metodologia e critérios utilizados na codificação espírita
 
O compromisso com a tarefa
O compromisso com a tarefaO compromisso com a tarefa
O compromisso com a tarefa
 
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
 
A prece
A prece A prece
A prece
 
Mediunidade gratuita
Mediunidade gratuitaMediunidade gratuita
Mediunidade gratuita
 
Aula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursor
Aula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursorAula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursor
Aula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursor
 
O homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioO homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafio
 
Finalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãOFinalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãO
 
Desencarne na visão espírita
Desencarne na visão espíritaDesencarne na visão espírita
Desencarne na visão espírita
 
Jesus o medico das almas
Jesus  o medico das almasJesus  o medico das almas
Jesus o medico das almas
 
Apresentação do Livro Os Mensageiros
Apresentação do Livro Os MensageirosApresentação do Livro Os Mensageiros
Apresentação do Livro Os Mensageiros
 
Palestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provasPalestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provas
 
Existência de Deus
Existência de DeusExistência de Deus
Existência de Deus
 

Semelhante a Palestra Espírita_ Dai gratuitamente o que gratuitamente recebeste out20

Daí de graça o que de graça recebeste.pptx
Daí de graça o que de graça recebeste.pptxDaí de graça o que de graça recebeste.pptx
Daí de graça o que de graça recebeste.pptx
AnnaPaula5710
 
Espiritismo a Escola do mestre
Espiritismo a Escola do mestreEspiritismo a Escola do mestre
Espiritismo a Escola do mestre
Claudio Macedo
 
Mediunidade gratuita
Mediunidade gratuitaMediunidade gratuita
Mediunidade gratuita
Ceile Bernardo
 
Consultas espirituais - que cuidados devemos ter
Consultas  espirituais - que cuidados devemos terConsultas  espirituais - que cuidados devemos ter
Consultas espirituais - que cuidados devemos ter
Henrique Vieira
 
Cap21evangelho
Cap21evangelhoCap21evangelho
Cap21evangelho
Manoel Gamas
 
Boletim informativo jun2014
Boletim informativo jun2014Boletim informativo jun2014
Boletim informativo jun2014
fespiritacrista
 
O porque da vida leon denis
O porque da vida   leon denisO porque da vida   leon denis
O porque da vida leon denis
Claudia Ruzicki Kremer
 
A Biblia Satanica - Anton LaVey.pdf
A Biblia Satanica - Anton LaVey.pdfA Biblia Satanica - Anton LaVey.pdf
A Biblia Satanica - Anton LaVey.pdf
angelbase3
 
Allan kardec revista espirita 1864
Allan kardec revista espirita 1864Allan kardec revista espirita 1864
Allan kardec revista espirita 1864
Henrique Vieira
 
Mediunidade na Transição Planetária
Mediunidade na Transição PlanetáriaMediunidade na Transição Planetária
Mediunidade na Transição Planetária
jesussalveoshumildes
 
Roteiro 3 mediunidade com jesus
Roteiro 3   mediunidade com jesusRoteiro 3   mediunidade com jesus
Roteiro 3 mediunidade com jesus
Bruno Cechinel Filho
 
Julho 2014
Julho 2014Julho 2014
Julho 2014
Ume Maria
 
Obsessão por fascinação - parte 4
Obsessão por fascinação - parte 4Obsessão por fascinação - parte 4
Obsessão por fascinação - parte 4
Graça Maciel
 
O livro dos médiuns - Sistemas
O livro dos médiuns -  SistemasO livro dos médiuns -  Sistemas
O livro dos médiuns - Sistemas
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
Benevolência para com todos
Benevolência para com todosBenevolência para com todos
Benevolência para com todos
Helio Cruz
 
Dissidências
DissidênciasDissidências
Os Mensageiros - Cap 08 O Desatre de Adelino
Os Mensageiros - Cap 08 O Desatre de AdelinoOs Mensageiros - Cap 08 O Desatre de Adelino
Os Mensageiros - Cap 08 O Desatre de Adelino
Patricia Farias
 
Pratica do-Satanismo-Real
Pratica do-Satanismo-RealPratica do-Satanismo-Real
Pratica do-Satanismo-Real
RODRIGO ORION
 
Olimpadas De Pequim 2008 2
Olimpadas De Pequim   2008 2Olimpadas De Pequim   2008 2
Olimpadas De Pequim 2008 2
jmeirelles
 
Mistificações
MistificaçõesMistificações
Mistificações
igmateus
 

Semelhante a Palestra Espírita_ Dai gratuitamente o que gratuitamente recebeste out20 (20)

Daí de graça o que de graça recebeste.pptx
Daí de graça o que de graça recebeste.pptxDaí de graça o que de graça recebeste.pptx
Daí de graça o que de graça recebeste.pptx
 
Espiritismo a Escola do mestre
Espiritismo a Escola do mestreEspiritismo a Escola do mestre
Espiritismo a Escola do mestre
 
Mediunidade gratuita
Mediunidade gratuitaMediunidade gratuita
Mediunidade gratuita
 
Consultas espirituais - que cuidados devemos ter
Consultas  espirituais - que cuidados devemos terConsultas  espirituais - que cuidados devemos ter
Consultas espirituais - que cuidados devemos ter
 
Cap21evangelho
Cap21evangelhoCap21evangelho
Cap21evangelho
 
Boletim informativo jun2014
Boletim informativo jun2014Boletim informativo jun2014
Boletim informativo jun2014
 
O porque da vida leon denis
O porque da vida   leon denisO porque da vida   leon denis
O porque da vida leon denis
 
A Biblia Satanica - Anton LaVey.pdf
A Biblia Satanica - Anton LaVey.pdfA Biblia Satanica - Anton LaVey.pdf
A Biblia Satanica - Anton LaVey.pdf
 
Allan kardec revista espirita 1864
Allan kardec revista espirita 1864Allan kardec revista espirita 1864
Allan kardec revista espirita 1864
 
Mediunidade na Transição Planetária
Mediunidade na Transição PlanetáriaMediunidade na Transição Planetária
Mediunidade na Transição Planetária
 
Roteiro 3 mediunidade com jesus
Roteiro 3   mediunidade com jesusRoteiro 3   mediunidade com jesus
Roteiro 3 mediunidade com jesus
 
Julho 2014
Julho 2014Julho 2014
Julho 2014
 
Obsessão por fascinação - parte 4
Obsessão por fascinação - parte 4Obsessão por fascinação - parte 4
Obsessão por fascinação - parte 4
 
O livro dos médiuns - Sistemas
O livro dos médiuns -  SistemasO livro dos médiuns -  Sistemas
O livro dos médiuns - Sistemas
 
Benevolência para com todos
Benevolência para com todosBenevolência para com todos
Benevolência para com todos
 
Dissidências
DissidênciasDissidências
Dissidências
 
Os Mensageiros - Cap 08 O Desatre de Adelino
Os Mensageiros - Cap 08 O Desatre de AdelinoOs Mensageiros - Cap 08 O Desatre de Adelino
Os Mensageiros - Cap 08 O Desatre de Adelino
 
Pratica do-Satanismo-Real
Pratica do-Satanismo-RealPratica do-Satanismo-Real
Pratica do-Satanismo-Real
 
Olimpadas De Pequim 2008 2
Olimpadas De Pequim   2008 2Olimpadas De Pequim   2008 2
Olimpadas De Pequim 2008 2
 
Mistificações
MistificaçõesMistificações
Mistificações
 

Mais de manumino

Palestra Espírita - Jesus na terra
Palestra Espírita - Jesus na terra Palestra Espírita - Jesus na terra
Palestra Espírita - Jesus na terra
manumino
 
Palestra Espírita - Sede Perfeitos
Palestra Espírita - Sede Perfeitos  Palestra Espírita - Sede Perfeitos
Palestra Espírita - Sede Perfeitos
manumino
 
Palestra Espírita Deveres dos pais
Palestra Espírita Deveres dos paisPalestra Espírita Deveres dos pais
Palestra Espírita Deveres dos pais
manumino
 
Parabola dos talentos
Parabola dos talentosParabola dos talentos
Parabola dos talentos
manumino
 
Palestra Espírita _ Vontade
Palestra Espírita _ VontadePalestra Espírita _ Vontade
Palestra Espírita _ Vontade
manumino
 
Palestra Espirita _ O amor equilibra e a dor restaura
Palestra Espirita _ O amor equilibra e a dor restaura Palestra Espirita _ O amor equilibra e a dor restaura
Palestra Espirita _ O amor equilibra e a dor restaura
manumino
 
Palestra Espírita - livre-arbitrio e progresso
Palestra Espírita - livre-arbitrio e progressoPalestra Espírita - livre-arbitrio e progresso
Palestra Espírita - livre-arbitrio e progresso
manumino
 
Palestra Espirita - Lei do trabalho
Palestra Espirita - Lei do trabalhoPalestra Espirita - Lei do trabalho
Palestra Espirita - Lei do trabalho
manumino
 
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e AchareisPalestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
manumino
 
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
manumino
 
Palestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - PrecePalestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - Prece
manumino
 
Palestra espirita sobre protetor / guia espiritual
Palestra espirita sobre protetor / guia espiritualPalestra espirita sobre protetor / guia espiritual
Palestra espirita sobre protetor / guia espiritual
manumino
 

Mais de manumino (12)

Palestra Espírita - Jesus na terra
Palestra Espírita - Jesus na terra Palestra Espírita - Jesus na terra
Palestra Espírita - Jesus na terra
 
Palestra Espírita - Sede Perfeitos
Palestra Espírita - Sede Perfeitos  Palestra Espírita - Sede Perfeitos
Palestra Espírita - Sede Perfeitos
 
Palestra Espírita Deveres dos pais
Palestra Espírita Deveres dos paisPalestra Espírita Deveres dos pais
Palestra Espírita Deveres dos pais
 
Parabola dos talentos
Parabola dos talentosParabola dos talentos
Parabola dos talentos
 
Palestra Espírita _ Vontade
Palestra Espírita _ VontadePalestra Espírita _ Vontade
Palestra Espírita _ Vontade
 
Palestra Espirita _ O amor equilibra e a dor restaura
Palestra Espirita _ O amor equilibra e a dor restaura Palestra Espirita _ O amor equilibra e a dor restaura
Palestra Espirita _ O amor equilibra e a dor restaura
 
Palestra Espírita - livre-arbitrio e progresso
Palestra Espírita - livre-arbitrio e progressoPalestra Espírita - livre-arbitrio e progresso
Palestra Espírita - livre-arbitrio e progresso
 
Palestra Espirita - Lei do trabalho
Palestra Espirita - Lei do trabalhoPalestra Espirita - Lei do trabalho
Palestra Espirita - Lei do trabalho
 
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e AchareisPalestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
 
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
 
Palestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - PrecePalestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - Prece
 
Palestra espirita sobre protetor / guia espiritual
Palestra espirita sobre protetor / guia espiritualPalestra espirita sobre protetor / guia espiritual
Palestra espirita sobre protetor / guia espiritual
 

Último

9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 

Último (14)

9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 

Palestra Espírita_ Dai gratuitamente o que gratuitamente recebeste out20

  • 1. DAI GRATUITAMENTE O QUE GRATUITAMENTE RECEBESTES Cap. XXVI Evangelho Segundo o Espiritismo
  • 2. Digamos, antes de tudo, que a mediunidade é inerente a uma disposição orgânica, de que qualquer homem pode ser dotado, como da de ver, de ouvir, de falar. Ora, nenhuma há de que o homem, por efeito do seu livre-arbítrio, não possa abusar... ...A mediunidade é conferida sem distinção, a fim de que os Espíritos possam trazer a luz a todas as camadas, a todas as classes da sociedade, ao pobre como ao rico; aos retos, para os fortificar no bem, aos viciosos para os corrigir... A mediunidade não implica necessariamente relações habituais com os Espíritos superiores. É apenas uma aptidão para servir de instrumento... O bom médium, pois, não é aquele que comunica facilmente, mas aquele que é simpático aos bons Espíritos e somente deles tem assistência... Não são os que gozam saúde que precisam de médico ESE
  • 3. Qual o médium que se poderia qualificar de perfeito? Perfeito, ah! bem sabes que a perfeição não existe naTerra... Dize, portanto, bom médium e já é muito, por isso que eles são raros. Médium perfeito seria aquele contra o qual os maus Espíritos jamais ousassem, uma tentativa de enganá-lo. O melhor é aquele que, simpatizando somente com os bons Espíritos, tem sido o menos enganado. LM
  • 4. Dom de curar Preces pagas Mercadores expulsos do templo Mediunidade gratuita
  • 5. Restituí a saúde aos doentes, ressuscitai os mortos, curai os leprosos, expulsai os demônios. Dai gratuitamente o que gratuitamente haveis recebido. Com essa recomendação, prescreve que ninguém se faça pagar daquilo por que nada pagou….Esse dom Deus lhes dera gratuitamente, para alívio dos que sofrem e como meio de propagação da fé... Dom de Curar
  • 6. — É indispensável não esquecer que sois acusado de feiticeiro. — De que me acusam, nesse particular? — interrogou o pregador do “Caminho” — Eu próprio vos vi curar uma jovem muda, num dia de sábado, e ignoro a natureza dos sortilégios que utilizastes nesse feito. — Não fui eu quem praticou esse ato de amor, como, certamente, me ouvistes afirmar; foi o Cristo, por intermédio de minha pobreza, que nada tem de boa. Ante o Sinédrio Paulo e Estevão
  • 7. Preces Pagas “Precatai-vos dos escribas que se exibem a passear com longas túnicas, que gostam de ser saudados nas praças públicas e de ocupar os primeiros assentos nas sinagogas e os primeiros lugares nos festins...” A prece é ato de caridade, é um arroubo do coração.Cobrar alguém que se dirija a Deus por outrem é transformar-se em intermediário assalariado. Deus não vende os benefícios que concede.... A razão, o bom senso e a lógica dizem ser impossível que Deus, a perfeição absoluta, delegue a criaturas imperfeitas o direito de estabelecer preço para a sua justiça. A Justiça de Deus é como o Sol: existe para todos, para o pobre como para o rico.
  • 8. Eles vieram em seguida a Jerusalém, e Jesus, entrando no templo, começou por expulsar dali os que vendiam e compravam; derribou as mesas dos cambistas e os bancos dos que vendiam pombos; e não permitiu que alguém transportasse qualquer utensílio pelo templo. Ao mesmo tempo os instruía, dizendo: “Não está escrito: ‘Minha casa será chamada casa de oração por todas as nações?’ Entretanto, fizestes dela um covil de ladrões!” Jesus expulsou do templo os mercadores. Condenou assim o tráfico das coisas santas sob qualquer forma. Deus não vende a sua bênção, nem o seu perdão, nem a entrada no Reino dos Céus. Não tem, pois, o homem, o direito de lhes estipular preço. Mercadores expulsos do templo
  • 9. Mediunidade gratuita Os médiuns receberam de Deus um dom gratuito: o de serem intérpretes dos Espíritos, para instrução dos homens, para lhes mostrar o caminho do bem e conduzi-los à fé, não para lhes vender palavras que não lhes pertencem, a eles médiuns, visto que não são fruto de suas concepções, nem de suas pesquisas, nem de seus trabalhos pessoais. Deus quer que a luz chegue a todos; não quer que o mais pobre fique dela privado e possa dizer: não tenho fé, porque não a pude pagar...
  • 10. A mediunidade séria não pode ser e não o será nunca uma profissão... É que se trata de uma faculdade essencialmente móvel, fugidia e mutável, com cuja perenidade, pois, ninguém pode contar. Constituiria, portanto, para o explorador, uma fonte absolutamente incerta de receitas... Coisa diversa é o talento adquirido pelo estudo, pelo trabalho e que, por essa razão mesma, representa uma propriedade da qual naturalmente lícito é, ao seu possuidor, tirar partido. Ela não existe sem o concurso dos Espíritos; faltando estes, já não há mediunidade... Explorar alguém a mediunidade é, conseguintemente, dispor de uma coisa da qual não é realmente dono. Afirmar o contrário é enganar a quem paga. Mediunidade gratuita
  • 11. “...A vidência, a audição e a psicografia, que o Senhor me concedera, por misericórdia, constituíam decisivos fatores de êxito em nossas atividades... Entretanto, apesar das lições maravilhosas de amor evangélico, inclinei me a transformar minhas faculdades em fonte de renda material... Não mais a escola da virtude, do amor fraternal, da edificação superior, e sim a concorrência comercial, as ligações humanas legais ou criminosas, os caprichos apaixonados, os casos de policia e todo um cortejo de misérias da Humanidade, em suas experiências menos dignas. O Desastre de Acelino Mensageiros
  • 12. – Mas a morte chegou, meus amigos, e arrancou-me a fantasia – prosseguiu mais grave . Desde o instante da grande transição, a ronda escura dos consulentes criminosos, que me haviam precedido no túmulo, rodeou-me a reclamar palpites e orientações de natureza inferior. Queriam noticias de cúmplices encarnados, de resultados comerciais, de soluções atinentes a ligações clandestinas. Gritei, chorei, implorei, mas estava algemado a eles por sinistros elos mentais, em virtude da imprevidência na defesa do meu próprio patrimônio espiritual. O Desastre de Acelino Mensageiros
  • 13. O Beletrista Devassando o Invisível Vossa Exa. poderá assinar o seu próprio nome, visto que não me importa permanecer à margem... Ninguém precisará saber que a obra foi mediúnica... Poderá enriquecer, pois alegra-me poder concorrer para a sua abastança, porquanto estou informado das dificuldades monetárias que a afligem... Obterá um nome famoso na literatura nacional e quiçá no estrangeiro, glória, fortuna, admiração, adoradores!...
  • 14. "A Doutrina Espírita ensina aos médiuns, meu irmão, que a fortuna de um intérprete do Invisível será a paz da consciência, e que a sua glória estará no dever cumprido, perante as leis de Deus, como na renúncia ao mundo pelo amor ao Bem e àVerdade... Eles não poderão visar jamais a quaisquer lucros pecuniários, com a sua produção mediúnica... porque, se assim procederem, estarão incorrendo em penalidades graves perante a própria consciência e a santidade do mandato que lhes foi confiado... Dentro da Doutrina Espírita, somos reeducados no desinteresse dos bens temporais. ...” O Beletrista Devassando o Invisível

Notas do Editor

  1. Ainda outro inconveniente apresentam as preces pagas: é que aquele que as compra se julga, as mais das vezes, dispensado de orar ele próprio, porquanto se considera quite, desde que deu o seu dinheiro. Sabe-se que os Espíritos se sentem tocados pelo fervor de quem por eles se interessa...