SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
Tipos de texto
TEXTO DESCRITIVO
Um texto ou excerto descritivo constrói se à volta de uma‑
determinada realidade ou situação para a descrever, para
apresentar os seus diversos pormenores.
Podem descrever se pessoas ou personagens (com‑
características físicas e/ou psicológicas), lugares,
acontecimentos e todo o tipo de realidades ou objetos.
Muitas vezes, os excertos descritivos encontram se intercalados com‑
sequências narrativas, para se apresentarem as características
dos mais diversos elementos que vão surgindo no desenrolar
da ação – paisagens, casas, pessoas, animais, objetos, etc.
Algumas marcas textuais
– Verbos que indicam estados ou situações estáticas no
pretérito imperfeito do indicativo ou no presente do
indicativo;
– Abundância de adjetivos e outras expressões caracterizadoras;
– Recursos estilísticos como a adjetivação, a enumeração, a
comparação, a metáfora…
Porto Editora
– Utilização de vocabulário ligado ao domínio dos sentidos;
TEXTO NARRATIVO
 
Um texto narrativo, ou um excerto narrativo, caracteriza se por‑
apresentar os seguintes elementos:
a. Ação – acontecimentos narrados;
b. Narrador – entidade que conta a história, que apresenta a ação;
c. Tempo – momento em que decorre a ação;
e. Personagens – entidades que intervêm na ação narrada.
d. Espaço – lugar ou lugares onde se desenvolve a ação;
TEXTO NARRATIVO
Convém não confundir o autor do texto – um ser humano real que
escreveu a obra – com o narrador – uma entidade que existe apenas
dentro do texto como personagem, ou apenas como a “voz” que conta a
história.
NARRADOR
Considerando a sua participação na acção, o narrador pode ser:
Participante Não participante
TEXTO NARRATIVO
Participante Não participante
É uma das personagens do texto e
narra a história em que participa.
Não entra na ação do texto como
personagem. Narra uma história em
que não participa.
Verbos, pronomes
e determinantes de
1.ª pessoa.
Verbos, pronomes
e determinantes de
3.ª pessoa.
NARRADOR
PERSONAGE
M
Tendo em conta a importância que tem no
desenvolvimento da ação, uma personagem
pode ser:
PRINCIPAL SECUNDÁRIA
Personagem mais importante, em
torno da qual se desenrola a ação.
Personagem com menos
importância que participa no
desenvolvimento da ação.
Num texto narrativo, podem ainda aparecer personagens FIGURANTES, que
não têm intervenção direta na ação.
TEXTO NARRATIVO
Algumas marcas textuais
– Predominância de verbos no pretérito perfeito do indicativo;
– Abundância de expressões indicadoras de tempo e espaço.
TEXTO NARRATIVO
ALGUNS GÉNEROS
DE TEXTO NARRATIVO
FÁBULA
A fábula é um texto narrativo com as seguintes características:
– história quase sempre breve;
– escrito em verso ou em prosa;
– ação simples;
– poucas personagens que são muitas vezes animais;
– apresenta um ensinamento final – moral.
A fábula, apresentando os vícios ou virtudes dos seres humanos,
representados por animais, tem como intenção apresentar um
ensinamento, procurando exercer influência sobre o leitor/ouvinte.
LENDA
Com origem na tradição oral, a lenda é um texto narrativo em
que:
– um facto histórico aparece transfigurado ou transformado
pela imaginação popular;
– a ação é, muitas vezes, localizada no tempo e no espaço;
– a história contada apresenta sempre algo de maravilhoso ou
fantástico.
As lendas, contendo um fundo de verdade, propõem uma
explicação para a origem ou razão de um fenómeno, de um
facto, de um nome, etc.
CONTO
CONTO
POPULAR
O conto popular partilha as características essenciais do conto
literário, mas apresenta alguns traços particulares:
– tem origem no povo (popular);
– é fruto da transmissão oral, como a restante literatura
tradicional;
– as personagens são geralmente anónimas e
representativas de grupos;
– situa-se num tempo normalmente passado, indefinido, mas
com ensinamentos atuais.
BIOGRAFIA
Biografia é uma palavra de origem grega, constituída pelos
elementos bios – ‘vida’ – e grafia – ‘escrita’.
Enquanto texto, uma biografia é, portanto, a história da
vida de alguém.
AUTOBIOGRAFIA
Uma autobiografia é uma biografia escrita pela pessoa
ou entidade que a viveu (como o elemento auto- sugere). Por
isso, haverá neste tipo de texto a predominância do narrador
participante.
Pode ser um texto que relata aspetos reais ou imaginários,
dependendo de o narrador ser real ou imaginário.
Numa autobiografia ou texto autobiográfico surgem muitas
marcas da primeira pessoa (nos verbos, pronomes e
determinantes).
BIOBIBLIOGRAFIA
A palavra biobibliografia é formada a partir de três palavras
gregas:
– bios, que significa ‘vida’;
– biblos, que significa ‘livro’;
– grafia, que significa ‘escrita’.
É uma apresentação da vida e das obras de um autor.
Este tipo de texto inclui aspetos da vida do autor, como a
data de nascimento, a instrução adquirida, os cargos
desempenhados, os prémios recebidos, entre outros.
Uma biobibliografia pode incluir a referência a todos os trabalhos
do autor ou apenas aos considerados mais representativos e pode
ainda mencionar obras escritas sobre o autor.
DIÁRIO
O diário é um tipo de texto com características muito próprias:
– escrita localizada no tempo, com a referência à data;
– ordenação cronológica, isto é, apresentada pela ordem
temporal.
Num diário, registam se‑ vivências ou experiências
pessoais e a visão/opinião sobre os mais variados
acontecimentos.
NOTÍCIA
Outros textos…
A palavra notícia tem origem no verbo latino noscere, que significa
‘conhecer’. É um texto jornalístico oral ou escrito que apresenta,
normalmente, um carácter formal, curto, objetivo e
narrativo.
Uma notícia aborda, habitualmente, informação sobre:
– alguém ou algo que fez alguma coisa (quem?);
– um espaço (onde?);
– um tempo (quando?);
– as ações (o quê? como?);
– a finalidade (porquê?).
NOTÍCIA
ESTRUTURA
– Título (que pode apresentar um antetítulo, título e subtítulo).
– Lead (‘guia’ – primeiro parágrafo da notícia onde se apresenta
um resumo breve sobre os dados que se incluem na notícia e que
responde às questões “Quem?”, “O quê?”, “Onde?” e “Quando?”).
– Corpo da notícia (parágrafos seguintes, onde se desenvolve a
informação, respondendo eventualmente às perguntas “Porquê?” e
“Como?”).
REPORTAGEM
É um texto de imprensa de carácter informativo.
A reportagem amplia a notícia, apresentado as circunstâncias
e acrescentando pormenores.
Trata-se de um género jornalístico, oral ou escrito, que aborda um
tema interessante e atual.
Apresenta uma construção diversificada que pode misturar narração,
descrição, diálogos, exposição e argumentação. Procura transmitir
uma visão ampla dos factos e transportar o leitor/ouvinte para a cena dos
acontecimentos.
REPORTAGEM
ESTRUTURA
– Abertura ou síntese dos dados fundamentais da notícia.
– Apresentação dos factos e descrição de ambientes e
participantes, das suas atitudes e emoções.
– Síntese final.
TEXTO DE OPINIÃO
É um texto jornalístico cujo conteúdo pode ser muito variado.
Deve ser breve, claro na interpretação dos factos e
apresentar posições bem fundamentadas.
Os factos são apresentados e interpretados pelo
autor, que faz sobre eles um juízo de valor, de acordo com o seu
ponto de vista.
Na comunicação social, a opinião aparece em diversos tipos de
texto, como o artigo de opinião, que aborda os mais diversos
assuntos, da arte à divulgação científica.
TEXTO EXPOSITIVO
É um texto em que se apresentam e explicam
conceitos.
Este tipo de texto pode apresentar momentos de:
•Exposição – sucessão de informações com o objetivo de dar a
conhecer algo;
•Explicação – esclarecimento sobre o problema e a sua
resolução.
TEXTO EXPOSITIVO
Algumas marcas textuais
– Verbos com sentido expositivo e explicativo, como ser, ter,
consistir, haver, pertencer…, no presente, pretérito perfeito e
futuro do indicativo e na 3.ª pessoa;
– Conjunções e locuções que indicam causa e consequência;
– Vocabulário especializado.
TEXTO INSTRUCIONAL
Texto que tem o objetivo de controlar o comportamento
do(s) seu(s) destinatário(s). Os textos instrucionais podem…
… incitar à ação;
… impor regras;
… fornecer instruções sobre as etapas e os procedimentos
para alcançar um determinado objectivo.
Exemplos:
•Receitas (culinárias ou outras);
•Leis e demais normas de conduta;
•Instruções de montagem e utilização;
•Provérbios;
•Slôganes…
TEXTO INSTRUCIONAL
Algumas marcas textuais
– Verbos, em geral, de movimento que incitam à ação;
– Formas verbais no imperativo, infinitivo impessoal e futuro do
indicativo.
TEXTO CONVERSACIONAL
O texto conversacional é produzido por, pelo menos, dois
interlocutores que tomam a palavra à vez.
O texto conversacional manifesta-se, por exemplo, numa
conversa telefónica, nas interações quotidianas
orais, nos debates e nas entrevistas.
TEXTO CONVERSACIONAL
Algumas marcas textuais
– Formas verbais do modo indicativo e do imperativo;
– Presença da 1.ª e da 2.ª pessoas verbais e em pronomes e
determinantes;
– Modos de localização espacial que indicam proximidade (este,
aqui…) ou afastamento (esse, aquele, ali, acolá…);
– Formas de tratamento que mostram distância ou proximidade
entre os interlocutores.
TEXTO POÉTICO
O texto poético apresenta se, habitualmente, em verso e é‑
utilizado, sobretudo, para a expressão de sentimentos ou emoções
da entidade a que se chama sujeito poético ou eu
poético/lírico.
A cada uma das linhas de uma composição poética dá se o‑
nome de verso e a cada conjunto de versos, separado por um
espaço em branco, chama se‑ estrofe.
TEXTO POÉTICO
Estrofes
Tendo em conta o número de versos, as
estrofes têm diferentes designações:
Estrofe com
1 verso
2 versos
3 versos
4 versos
5 versos
6 versos
7 versos
8 versos
9 versos
10 versos
Mais de 10
versos
Monóstico
Dístico
Terceto
Quadra
Quintilha
Sétima
Oitava
Nona
Décima
Irregular
Sextilha
TEXTO POÉTICO
Sílabas métricas
O verso é constituído por um determinado número de sílabas,
percetíveis na leitura, que nem sempre coincidem com as sílabas
gramaticais das palavras que o integram. A contagem destas
sílabas métricas faz se‑ até à sílaba tónica da última palavra do
verso.
Ver as coisas mais além
Do que alcança a nossa vista!
Ver as coi sas mais a lém
Do que_al can ça_a no ssa vis
TEXTO POÉTICO
Rima
A rima é a correspondência de sons em lugares
determinados dos versos, normalmente no final. Os
versos rimam quando existe correspondência de sons a
partir da vogal da sílaba tónica da última palavra.
De acordo com as combinações, é possível classificar as rimas:
Rima emparelhada Quando os versos rimam seguidos, dois a
dois.
Rima cruzada Quando os versos rimam alternadamente.
Rima interpolada Quando dois versos que rimam são
separados por dois ou mais de rima
diferente.
Versos soltos ou
brancos
Versos que não rimam com nenhum outro.
TEXTO DRAMÁTICO
O texto dramático é, normalmente, escrito para ser
representado. A representação do texto dá origem a uma
realidade distinta a que se chama teatro.
No texto dramático podemos encontrar:
a. Ação – acontecimentos vividos pelas personagens;
b. Tempo – momento em que decorre a ação;
d. Personagens – entidades que se envolvem na ação.
c. Espaço – lugar ou lugares onde se desenvolve a ação;
TEXTO DRAMÁTICO
Num texto dramático é possível distinguir dois tipos de
discurso:
1. Discurso principal – as falas das personagens; é a
partir destas falas que percebemos o desenvolvimento dos
acontecimentos.
2. Discurso secundário – as didascálias ou indicações
cénicas (palavras do dramaturgo sobre as personagens, o
espaço/cenário, entre outros aspetos), que surgem em itálico
e/ou entre parênteses. Servem para orientar a representação
e a leitura do texto, mas não são ditas em voz alta.
TEXTO DRAMÁTICO
ESTRUTURA EXTERNA
Os textos dramáticos aparecem, muitas vezes, divididos em
cenas e atos.
As cenas são marcadas pela entrada ou saída de
personagens.
Os atos indicam mudança de cenário.
OUTROS TEXTOS
CARTA
É um texto escrito em que se estabelece a comunicação
com alguém de quem somos próximos e que está longe ou para a
resolução de situações que exigem um tratamento mais formal.
Em termos de estrutura, a carta deve integrar:
– Local e data;
– Saudação inicial (identificação da pessoa a quem se dirige a
carta);
– Introdução (apresentação breve do assunto da carta);
– Corpo da carta (desenvolvimento do assunto);
– Fórmula de despedida e assinatura.
A saudação deve estar de acordo com o
grau de confiança que se tem com o
destinatário.
Carta informal Carta formalQueridos pais,
Olá, Joana!
Caro António,
Meu caro amigo,
Exmo. Senhor,
Digníssimo Senhor,
A despedida tem de estar de acordo com a
saudação.
Carta informal Carta formal
Prezado amigo ,
Teu / Seu amigo dedicado,
Com a dedicação do amigo,
Um grande abraço ,
Beijos / Muitos beijinhos,
Os meus melhores cumprimentos,
Atentamente,
Atenciosamente,
________ ____
______________________________________________
_____________________________________________
______________________________________________
______________________________________________
______________________________________________
______________________________________________
______________________________________________
______________________________________________
__________________________________________
____________________
______________________________
Local e data
Saudação
Desenvolvimento
Introdução
Conclusão
Despedida
Assinatura
Post
scriptum
CONVITE
É uma carta que convida para um evento: festa,
aniversário, casamento…
Geralmente, o convite inclui as informações seguintes:
– Nome de quem convida;
– Corpo do convite (informação essencial);
– Local do evento;
– Data e hora do acontecimento.
AVISO
É um texto formal, através do qual se transmitem
informações diversas.
A linguagem deve ser objetiva para não haver dúvidas na
sua interpretação.
A sua estrutura deve incluir:
– o título – Aviso;
– o corpo do texto,
– local;
– data;
– assinatura.
ANÚNCIO
É um texto formal, curto e sintético. Destina-se a
divulgar alguma situação, algum acontecimento, algum produto
ou alguém.
O vocabulário (sobretudo nomes e adjetivos) deve ser
preciso e as frases, se existirem, devem ser curtas e com
pontuação cuidada.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa HeterónimosESVieira do Minho
 
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos Ricardo Amaral
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Camposguest3fc89a1
 
Dicotomia cidade campo
Dicotomia cidade campoDicotomia cidade campo
Dicotomia cidade campo1103sancho
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoDina Baptista
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaFernanda Monteiro
 
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Conventoguest304ad9
 
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisSíntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisCatarina Castro
 
Resumo do conto george
Resumo do conto georgeResumo do conto george
Resumo do conto georgeestado
 
O ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reisO ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reisnatttaas
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Lurdes Augusto
 

Mais procurados (20)

Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa Heterónimos
 
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
 
Valor modal.pptx
Valor modal.pptxValor modal.pptx
Valor modal.pptx
 
Dicotomia cidade campo
Dicotomia cidade campoDicotomia cidade campo
Dicotomia cidade campo
 
A métrica e a rima
A métrica e a rimaA métrica e a rima
A métrica e a rima
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação crítica
 
Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Convento
 
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisSíntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
 
Resumo do conto george
Resumo do conto georgeResumo do conto george
Resumo do conto george
 
Ano da morte
Ano da morteAno da morte
Ano da morte
 
O ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reisO ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reis
 
Deixis
DeixisDeixis
Deixis
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 

Semelhante a Tipos de texto

Tipos de texto.ppt 5º e 6º ano de escolaridade
Tipos de texto.ppt 5º e 6º ano de escolaridadeTipos de texto.ppt 5º e 6º ano de escolaridade
Tipos de texto.ppt 5º e 6º ano de escolaridadessusere05987
 
Tipologia e gênero textual
Tipologia e gênero textualTipologia e gênero textual
Tipologia e gênero textualAndriane Cursino
 
E book - gêneros textuais - com-pub
E book - gêneros textuais - com-pubE book - gêneros textuais - com-pub
E book - gêneros textuais - com-pubHilsa Mota
 
Aula 08 português.text.marked
Aula 08   português.text.markedAula 08   português.text.marked
Aula 08 português.text.markedHELIO ALVES
 
Aula 08 português.text.marked
Aula 08   português.text.markedAula 08   português.text.marked
Aula 08 português.text.markedHELIO ALVES
 
Tipos e Gêneros Textuais
Tipos e Gêneros TextuaisTipos e Gêneros Textuais
Tipos e Gêneros TextuaisNome Sobrenome
 
Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01Kelly Arduino
 
Resumo do que estudar para o cesp
Resumo do que estudar para o cespResumo do que estudar para o cesp
Resumo do que estudar para o cespMg Informaticarj
 
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃOTipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO Sônia Maciel Alves
 
Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01Jorge Ernandes
 
Gêneros e Tipos Textuais.pdf
Gêneros e Tipos Textuais.pdfGêneros e Tipos Textuais.pdf
Gêneros e Tipos Textuais.pdfJliaRamosVieira1
 

Semelhante a Tipos de texto (20)

Aguns tipos de textos
Aguns tipos de textosAguns tipos de textos
Aguns tipos de textos
 
Tipos de texto.ppt 5º e 6º ano de escolaridade
Tipos de texto.ppt 5º e 6º ano de escolaridadeTipos de texto.ppt 5º e 6º ano de escolaridade
Tipos de texto.ppt 5º e 6º ano de escolaridade
 
Ppt tipos texto[1]
Ppt tipos texto[1]Ppt tipos texto[1]
Ppt tipos texto[1]
 
Ppt tipos texto[1]
Ppt tipos texto[1]Ppt tipos texto[1]
Ppt tipos texto[1]
 
Aguns tipos de texto
Aguns tipos de textoAguns tipos de texto
Aguns tipos de texto
 
Tipologia e gênero textual
Tipologia e gênero textualTipologia e gênero textual
Tipologia e gênero textual
 
Trabalho de portugues
Trabalho de portuguesTrabalho de portugues
Trabalho de portugues
 
E book - gêneros textuais - com-pub
E book - gêneros textuais - com-pubE book - gêneros textuais - com-pub
E book - gêneros textuais - com-pub
 
Escrita e interação
Escrita e interaçãoEscrita e interação
Escrita e interação
 
Aula 08 português.text.marked
Aula 08   português.text.markedAula 08   português.text.marked
Aula 08 português.text.marked
 
Aula 08 português.text.marked
Aula 08   português.text.markedAula 08   português.text.marked
Aula 08 português.text.marked
 
Trabalho de portugues
Trabalho de portuguesTrabalho de portugues
Trabalho de portugues
 
Redação
RedaçãoRedação
Redação
 
Tipos e Gêneros Textuais
Tipos e Gêneros TextuaisTipos e Gêneros Textuais
Tipos e Gêneros Textuais
 
Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01
 
Resumo do que estudar para o cesp
Resumo do que estudar para o cespResumo do que estudar para o cesp
Resumo do que estudar para o cesp
 
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃOTipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
 
Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01
 
Tipos de texto
Tipos de textoTipos de texto
Tipos de texto
 
Gêneros e Tipos Textuais.pdf
Gêneros e Tipos Textuais.pdfGêneros e Tipos Textuais.pdf
Gêneros e Tipos Textuais.pdf
 

Mais de manuela016

Teste outubro- 6.º ano.pdf
Teste outubro- 6.º ano.pdfTeste outubro- 6.º ano.pdf
Teste outubro- 6.º ano.pdfmanuela016
 
Teste outubro- 5.º ano.pdf
Teste outubro- 5.º ano.pdfTeste outubro- 5.º ano.pdf
Teste outubro- 5.º ano.pdfmanuela016
 
Ficha formativa outubro
Ficha formativa outubroFicha formativa outubro
Ficha formativa outubromanuela016
 
Ficha formativa outubro
Ficha formativa outubroFicha formativa outubro
Ficha formativa outubromanuela016
 
Regulamento concurso Eco-turma
Regulamento concurso Eco-turmaRegulamento concurso Eco-turma
Regulamento concurso Eco-turmamanuela016
 
Pedro alecrim resumos.
Pedro alecrim   resumos.Pedro alecrim   resumos.
Pedro alecrim resumos.manuela016
 
Mensagens de natal
Mensagens de natalMensagens de natal
Mensagens de natalmanuela016
 
No dia de natal
No dia de natalNo dia de natal
No dia de natalmanuela016
 
Formative test 2
Formative test 2Formative test 2
Formative test 2manuela016
 
Ficha formativa de Português novembro / 2018
Ficha formativa de Português novembro / 2018Ficha formativa de Português novembro / 2018
Ficha formativa de Português novembro / 2018manuela016
 
Formative test correction November / 2018
Formative test correction  November / 2018Formative test correction  November / 2018
Formative test correction November / 2018manuela016
 
Formative test correction - November 2018
Formative test correction - November 2018Formative test correction - November 2018
Formative test correction - November 2018manuela016
 
Formative test november
Formative test novemberFormative test november
Formative test novembermanuela016
 
Ficha de trabalho discurso direto- indireto
Ficha de trabalho  discurso direto- indiretoFicha de trabalho  discurso direto- indireto
Ficha de trabalho discurso direto- indiretomanuela016
 
Teste formativo outubro
Teste formativo outubroTeste formativo outubro
Teste formativo outubromanuela016
 
Correction of the formative test
Correction of the formative testCorrection of the formative test
Correction of the formative testmanuela016
 
Formative test
Formative testFormative test
Formative testmanuela016
 
5ano portugues criterios
5ano portugues criterios5ano portugues criterios
5ano portugues criteriosmanuela016
 
5ano portugues
5ano portugues5ano portugues
5ano portuguesmanuela016
 
Formative test may 2018
Formative test may 2018Formative test may 2018
Formative test may 2018manuela016
 

Mais de manuela016 (20)

Teste outubro- 6.º ano.pdf
Teste outubro- 6.º ano.pdfTeste outubro- 6.º ano.pdf
Teste outubro- 6.º ano.pdf
 
Teste outubro- 5.º ano.pdf
Teste outubro- 5.º ano.pdfTeste outubro- 5.º ano.pdf
Teste outubro- 5.º ano.pdf
 
Ficha formativa outubro
Ficha formativa outubroFicha formativa outubro
Ficha formativa outubro
 
Ficha formativa outubro
Ficha formativa outubroFicha formativa outubro
Ficha formativa outubro
 
Regulamento concurso Eco-turma
Regulamento concurso Eco-turmaRegulamento concurso Eco-turma
Regulamento concurso Eco-turma
 
Pedro alecrim resumos.
Pedro alecrim   resumos.Pedro alecrim   resumos.
Pedro alecrim resumos.
 
Mensagens de natal
Mensagens de natalMensagens de natal
Mensagens de natal
 
No dia de natal
No dia de natalNo dia de natal
No dia de natal
 
Formative test 2
Formative test 2Formative test 2
Formative test 2
 
Ficha formativa de Português novembro / 2018
Ficha formativa de Português novembro / 2018Ficha formativa de Português novembro / 2018
Ficha formativa de Português novembro / 2018
 
Formative test correction November / 2018
Formative test correction  November / 2018Formative test correction  November / 2018
Formative test correction November / 2018
 
Formative test correction - November 2018
Formative test correction - November 2018Formative test correction - November 2018
Formative test correction - November 2018
 
Formative test november
Formative test novemberFormative test november
Formative test november
 
Ficha de trabalho discurso direto- indireto
Ficha de trabalho  discurso direto- indiretoFicha de trabalho  discurso direto- indireto
Ficha de trabalho discurso direto- indireto
 
Teste formativo outubro
Teste formativo outubroTeste formativo outubro
Teste formativo outubro
 
Correction of the formative test
Correction of the formative testCorrection of the formative test
Correction of the formative test
 
Formative test
Formative testFormative test
Formative test
 
5ano portugues criterios
5ano portugues criterios5ano portugues criterios
5ano portugues criterios
 
5ano portugues
5ano portugues5ano portugues
5ano portugues
 
Formative test may 2018
Formative test may 2018Formative test may 2018
Formative test may 2018
 

Último

Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 

Último (20)

Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 

Tipos de texto

  • 2. TEXTO DESCRITIVO Um texto ou excerto descritivo constrói se à volta de uma‑ determinada realidade ou situação para a descrever, para apresentar os seus diversos pormenores. Podem descrever se pessoas ou personagens (com‑ características físicas e/ou psicológicas), lugares, acontecimentos e todo o tipo de realidades ou objetos. Muitas vezes, os excertos descritivos encontram se intercalados com‑ sequências narrativas, para se apresentarem as características dos mais diversos elementos que vão surgindo no desenrolar da ação – paisagens, casas, pessoas, animais, objetos, etc.
  • 3. Algumas marcas textuais – Verbos que indicam estados ou situações estáticas no pretérito imperfeito do indicativo ou no presente do indicativo; – Abundância de adjetivos e outras expressões caracterizadoras; – Recursos estilísticos como a adjetivação, a enumeração, a comparação, a metáfora… Porto Editora – Utilização de vocabulário ligado ao domínio dos sentidos;
  • 4. TEXTO NARRATIVO   Um texto narrativo, ou um excerto narrativo, caracteriza se por‑ apresentar os seguintes elementos: a. Ação – acontecimentos narrados; b. Narrador – entidade que conta a história, que apresenta a ação; c. Tempo – momento em que decorre a ação; e. Personagens – entidades que intervêm na ação narrada. d. Espaço – lugar ou lugares onde se desenvolve a ação;
  • 5. TEXTO NARRATIVO Convém não confundir o autor do texto – um ser humano real que escreveu a obra – com o narrador – uma entidade que existe apenas dentro do texto como personagem, ou apenas como a “voz” que conta a história. NARRADOR Considerando a sua participação na acção, o narrador pode ser: Participante Não participante
  • 6. TEXTO NARRATIVO Participante Não participante É uma das personagens do texto e narra a história em que participa. Não entra na ação do texto como personagem. Narra uma história em que não participa. Verbos, pronomes e determinantes de 1.ª pessoa. Verbos, pronomes e determinantes de 3.ª pessoa. NARRADOR
  • 7. PERSONAGE M Tendo em conta a importância que tem no desenvolvimento da ação, uma personagem pode ser: PRINCIPAL SECUNDÁRIA Personagem mais importante, em torno da qual se desenrola a ação. Personagem com menos importância que participa no desenvolvimento da ação. Num texto narrativo, podem ainda aparecer personagens FIGURANTES, que não têm intervenção direta na ação. TEXTO NARRATIVO
  • 8. Algumas marcas textuais – Predominância de verbos no pretérito perfeito do indicativo; – Abundância de expressões indicadoras de tempo e espaço. TEXTO NARRATIVO
  • 10. FÁBULA A fábula é um texto narrativo com as seguintes características: – história quase sempre breve; – escrito em verso ou em prosa; – ação simples; – poucas personagens que são muitas vezes animais; – apresenta um ensinamento final – moral. A fábula, apresentando os vícios ou virtudes dos seres humanos, representados por animais, tem como intenção apresentar um ensinamento, procurando exercer influência sobre o leitor/ouvinte.
  • 11. LENDA Com origem na tradição oral, a lenda é um texto narrativo em que: – um facto histórico aparece transfigurado ou transformado pela imaginação popular; – a ação é, muitas vezes, localizada no tempo e no espaço; – a história contada apresenta sempre algo de maravilhoso ou fantástico. As lendas, contendo um fundo de verdade, propõem uma explicação para a origem ou razão de um fenómeno, de um facto, de um nome, etc.
  • 12. CONTO
  • 13. CONTO POPULAR O conto popular partilha as características essenciais do conto literário, mas apresenta alguns traços particulares: – tem origem no povo (popular); – é fruto da transmissão oral, como a restante literatura tradicional; – as personagens são geralmente anónimas e representativas de grupos; – situa-se num tempo normalmente passado, indefinido, mas com ensinamentos atuais.
  • 14. BIOGRAFIA Biografia é uma palavra de origem grega, constituída pelos elementos bios – ‘vida’ – e grafia – ‘escrita’. Enquanto texto, uma biografia é, portanto, a história da vida de alguém.
  • 15. AUTOBIOGRAFIA Uma autobiografia é uma biografia escrita pela pessoa ou entidade que a viveu (como o elemento auto- sugere). Por isso, haverá neste tipo de texto a predominância do narrador participante. Pode ser um texto que relata aspetos reais ou imaginários, dependendo de o narrador ser real ou imaginário. Numa autobiografia ou texto autobiográfico surgem muitas marcas da primeira pessoa (nos verbos, pronomes e determinantes).
  • 16. BIOBIBLIOGRAFIA A palavra biobibliografia é formada a partir de três palavras gregas: – bios, que significa ‘vida’; – biblos, que significa ‘livro’; – grafia, que significa ‘escrita’. É uma apresentação da vida e das obras de um autor. Este tipo de texto inclui aspetos da vida do autor, como a data de nascimento, a instrução adquirida, os cargos desempenhados, os prémios recebidos, entre outros. Uma biobibliografia pode incluir a referência a todos os trabalhos do autor ou apenas aos considerados mais representativos e pode ainda mencionar obras escritas sobre o autor.
  • 17. DIÁRIO O diário é um tipo de texto com características muito próprias: – escrita localizada no tempo, com a referência à data; – ordenação cronológica, isto é, apresentada pela ordem temporal. Num diário, registam se‑ vivências ou experiências pessoais e a visão/opinião sobre os mais variados acontecimentos.
  • 18. NOTÍCIA Outros textos… A palavra notícia tem origem no verbo latino noscere, que significa ‘conhecer’. É um texto jornalístico oral ou escrito que apresenta, normalmente, um carácter formal, curto, objetivo e narrativo. Uma notícia aborda, habitualmente, informação sobre: – alguém ou algo que fez alguma coisa (quem?); – um espaço (onde?); – um tempo (quando?); – as ações (o quê? como?); – a finalidade (porquê?).
  • 19. NOTÍCIA ESTRUTURA – Título (que pode apresentar um antetítulo, título e subtítulo). – Lead (‘guia’ – primeiro parágrafo da notícia onde se apresenta um resumo breve sobre os dados que se incluem na notícia e que responde às questões “Quem?”, “O quê?”, “Onde?” e “Quando?”). – Corpo da notícia (parágrafos seguintes, onde se desenvolve a informação, respondendo eventualmente às perguntas “Porquê?” e “Como?”).
  • 20. REPORTAGEM É um texto de imprensa de carácter informativo. A reportagem amplia a notícia, apresentado as circunstâncias e acrescentando pormenores. Trata-se de um género jornalístico, oral ou escrito, que aborda um tema interessante e atual. Apresenta uma construção diversificada que pode misturar narração, descrição, diálogos, exposição e argumentação. Procura transmitir uma visão ampla dos factos e transportar o leitor/ouvinte para a cena dos acontecimentos.
  • 21. REPORTAGEM ESTRUTURA – Abertura ou síntese dos dados fundamentais da notícia. – Apresentação dos factos e descrição de ambientes e participantes, das suas atitudes e emoções. – Síntese final.
  • 22. TEXTO DE OPINIÃO É um texto jornalístico cujo conteúdo pode ser muito variado. Deve ser breve, claro na interpretação dos factos e apresentar posições bem fundamentadas. Os factos são apresentados e interpretados pelo autor, que faz sobre eles um juízo de valor, de acordo com o seu ponto de vista. Na comunicação social, a opinião aparece em diversos tipos de texto, como o artigo de opinião, que aborda os mais diversos assuntos, da arte à divulgação científica.
  • 23. TEXTO EXPOSITIVO É um texto em que se apresentam e explicam conceitos. Este tipo de texto pode apresentar momentos de: •Exposição – sucessão de informações com o objetivo de dar a conhecer algo; •Explicação – esclarecimento sobre o problema e a sua resolução.
  • 24. TEXTO EXPOSITIVO Algumas marcas textuais – Verbos com sentido expositivo e explicativo, como ser, ter, consistir, haver, pertencer…, no presente, pretérito perfeito e futuro do indicativo e na 3.ª pessoa; – Conjunções e locuções que indicam causa e consequência; – Vocabulário especializado.
  • 25. TEXTO INSTRUCIONAL Texto que tem o objetivo de controlar o comportamento do(s) seu(s) destinatário(s). Os textos instrucionais podem… … incitar à ação; … impor regras; … fornecer instruções sobre as etapas e os procedimentos para alcançar um determinado objectivo. Exemplos: •Receitas (culinárias ou outras); •Leis e demais normas de conduta; •Instruções de montagem e utilização; •Provérbios; •Slôganes…
  • 26. TEXTO INSTRUCIONAL Algumas marcas textuais – Verbos, em geral, de movimento que incitam à ação; – Formas verbais no imperativo, infinitivo impessoal e futuro do indicativo.
  • 27. TEXTO CONVERSACIONAL O texto conversacional é produzido por, pelo menos, dois interlocutores que tomam a palavra à vez. O texto conversacional manifesta-se, por exemplo, numa conversa telefónica, nas interações quotidianas orais, nos debates e nas entrevistas.
  • 28. TEXTO CONVERSACIONAL Algumas marcas textuais – Formas verbais do modo indicativo e do imperativo; – Presença da 1.ª e da 2.ª pessoas verbais e em pronomes e determinantes; – Modos de localização espacial que indicam proximidade (este, aqui…) ou afastamento (esse, aquele, ali, acolá…); – Formas de tratamento que mostram distância ou proximidade entre os interlocutores.
  • 29. TEXTO POÉTICO O texto poético apresenta se, habitualmente, em verso e é‑ utilizado, sobretudo, para a expressão de sentimentos ou emoções da entidade a que se chama sujeito poético ou eu poético/lírico. A cada uma das linhas de uma composição poética dá se o‑ nome de verso e a cada conjunto de versos, separado por um espaço em branco, chama se‑ estrofe.
  • 30. TEXTO POÉTICO Estrofes Tendo em conta o número de versos, as estrofes têm diferentes designações: Estrofe com 1 verso 2 versos 3 versos 4 versos 5 versos 6 versos 7 versos 8 versos 9 versos 10 versos Mais de 10 versos Monóstico Dístico Terceto Quadra Quintilha Sétima Oitava Nona Décima Irregular Sextilha
  • 31. TEXTO POÉTICO Sílabas métricas O verso é constituído por um determinado número de sílabas, percetíveis na leitura, que nem sempre coincidem com as sílabas gramaticais das palavras que o integram. A contagem destas sílabas métricas faz se‑ até à sílaba tónica da última palavra do verso. Ver as coisas mais além Do que alcança a nossa vista! Ver as coi sas mais a lém Do que_al can ça_a no ssa vis
  • 32. TEXTO POÉTICO Rima A rima é a correspondência de sons em lugares determinados dos versos, normalmente no final. Os versos rimam quando existe correspondência de sons a partir da vogal da sílaba tónica da última palavra. De acordo com as combinações, é possível classificar as rimas: Rima emparelhada Quando os versos rimam seguidos, dois a dois. Rima cruzada Quando os versos rimam alternadamente. Rima interpolada Quando dois versos que rimam são separados por dois ou mais de rima diferente. Versos soltos ou brancos Versos que não rimam com nenhum outro.
  • 33. TEXTO DRAMÁTICO O texto dramático é, normalmente, escrito para ser representado. A representação do texto dá origem a uma realidade distinta a que se chama teatro. No texto dramático podemos encontrar: a. Ação – acontecimentos vividos pelas personagens; b. Tempo – momento em que decorre a ação; d. Personagens – entidades que se envolvem na ação. c. Espaço – lugar ou lugares onde se desenvolve a ação;
  • 34. TEXTO DRAMÁTICO Num texto dramático é possível distinguir dois tipos de discurso: 1. Discurso principal – as falas das personagens; é a partir destas falas que percebemos o desenvolvimento dos acontecimentos. 2. Discurso secundário – as didascálias ou indicações cénicas (palavras do dramaturgo sobre as personagens, o espaço/cenário, entre outros aspetos), que surgem em itálico e/ou entre parênteses. Servem para orientar a representação e a leitura do texto, mas não são ditas em voz alta.
  • 35. TEXTO DRAMÁTICO ESTRUTURA EXTERNA Os textos dramáticos aparecem, muitas vezes, divididos em cenas e atos. As cenas são marcadas pela entrada ou saída de personagens. Os atos indicam mudança de cenário.
  • 37. CARTA É um texto escrito em que se estabelece a comunicação com alguém de quem somos próximos e que está longe ou para a resolução de situações que exigem um tratamento mais formal. Em termos de estrutura, a carta deve integrar: – Local e data; – Saudação inicial (identificação da pessoa a quem se dirige a carta); – Introdução (apresentação breve do assunto da carta); – Corpo da carta (desenvolvimento do assunto); – Fórmula de despedida e assinatura.
  • 38. A saudação deve estar de acordo com o grau de confiança que se tem com o destinatário. Carta informal Carta formalQueridos pais, Olá, Joana! Caro António, Meu caro amigo, Exmo. Senhor, Digníssimo Senhor,
  • 39. A despedida tem de estar de acordo com a saudação. Carta informal Carta formal Prezado amigo , Teu / Seu amigo dedicado, Com a dedicação do amigo, Um grande abraço , Beijos / Muitos beijinhos, Os meus melhores cumprimentos, Atentamente, Atenciosamente,
  • 41. CONVITE É uma carta que convida para um evento: festa, aniversário, casamento… Geralmente, o convite inclui as informações seguintes: – Nome de quem convida; – Corpo do convite (informação essencial); – Local do evento; – Data e hora do acontecimento.
  • 42. AVISO É um texto formal, através do qual se transmitem informações diversas. A linguagem deve ser objetiva para não haver dúvidas na sua interpretação. A sua estrutura deve incluir: – o título – Aviso; – o corpo do texto, – local; – data; – assinatura.
  • 43. ANÚNCIO É um texto formal, curto e sintético. Destina-se a divulgar alguma situação, algum acontecimento, algum produto ou alguém. O vocabulário (sobretudo nomes e adjetivos) deve ser preciso e as frases, se existirem, devem ser curtas e com pontuação cuidada.