Aguns tipos de textos

750 visualizações

Publicada em

textos

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
750
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aguns tipos de textos

  1. 1. Tipos de texto
  2. 2. TEXTO DESCRITIVO Um texto ou excerto descritivo constrói se à volta de uma‑ determinada realidade ou situação para a descrever, para apresentar os seus diversos pormenores. Podem descrever se pessoas ou personagens (com‑ características físicas e/ou psicológicas), lugares, acontecimentos e todo o tipo de realidades ou objectos. Muitas vezes, os excertos descritivos encontram se intercalados com‑ sequências narrativas, para se apresentarem as características dos mais diversos elementos que vão surgindo no desenrolar da acção – paisagens, casas, pessoas, animais, objectos, etc. O retrato é um tipo de texto descritivo.
  3. 3. TEXTO DESCRITIVO Algumas marcas textuais – Verbos que indicam estados ou situações estáticas no pretérito imperfeito do indicativo ou no presente do indicativo; – Abundância de adjectivos e outras expressões caracterizadoras; – Recursos estilísticos como a adjectivação, a enumeração, a comparação, a metáfora… – Utilização de vocabulário ligado ao domínio dos sentidos;
  4. 4. TEXTO NARRATIVO   Um texto narrativo, ou um excerto narrativo, caracteriza se por‑ apresentar os seguintes elementos: a. acção – acontecimentos narrados; b. narrador – entidade que conta a história, que apresenta a acção; c. tempo – momento em que decorre a acção; e. personagens – entidades que intervêm na acção que é contada. d. espaço – lugar ou lugares onde se desenvolve a acção;
  5. 5. TEXTO NARRATIVO Convém não confundir o autor do texto – um ser humano real que escreveu a obra – com o narrador – uma entidade que existe apenas dentro do texto como personagem, ou apenas como a “voz” que conta a história. NARRADOR Considerando a sua participação na acção, o narrador pode ser: Participante Não participante
  6. 6. TEXTO NARRATIVO Participante Não participante É uma das personagens do texto e narra a história em que participa. Não entra na acção do texto como personagem. Narra uma história em que não participa. Verbos, pronomes e determinantes na 1.ª pessoa. Verbos, pronomes e determinantes na 3.ª pessoa. NARRADOR
  7. 7. PERSONAGE M Tendo em conta a importância que tem no desenvolvimento da acção, uma personagem pode ser: PRINCIPAL ou protagonista SECUNDÁRIA Personagem mais importante, em torno da qual se desenrola a acção. Personagem com menos importância que participa no desenvolvimento da acção. Num texto narrativo, podem ainda aparecer personagens FIGURANTES, que não têm intervenção direta na acção. TEXTO NARRATIVO
  8. 8. Algumas marcas textuais – Predominância de verbos que indicam acção, no pretérito perfeito do indicativo; – Abundância de expressões indicadoras de tempo e espaço (advérbios e locuções adverbiais quando é mais do que uma palavra.) TEXTO NARRATIVO
  9. 9. ALGUNS GÉNEROS DE TEXTO NARRATIVO
  10. 10. O CONTO O conto literário é um texto narrativo com as seguintes marcas específicas: – texto pouco extenso (curto e breve); – acção simples e com um encadeamento lógico das sequências ou momentos da história; – número reduzido de personagens, pouco caracterizadas; – tempo normalmente restrito (por exemplo um dia)
  11. 11. CONTO POPULAR O conto popular partilha as características essenciais do conto literário, mas apresenta alguns traços particulares: – tem origem no povo (na tradição popular de contar histórias oralmente); – é fruto da transmissão oral, como a restante literatura tradicional; – as personagens são geralmente anónimas e representativas de grupos; – situa-se num tempo normalmente passado, indefinido, mas com ensinamentos actuais.
  12. 12. DIÁRIO O diário é um tipo de texto com características muito próprias: – escrita localizada no tempo, com a referência à data; – ordenação cronológica dos factos, isto é, apresentados pela ordem temporal. Num diário, registam se‑ vivências ou experiências pessoais e a visão/opinião sobre os mais variados acontecimentos. Por isso é sempre escrito na 1.ª pessoa.
  13. 13. NOTÍCIA Outros textos… Textos jornalísticos A palavra notícia é um texto curto e objectivo. É um texto jornalístico oral ou escrito que apresenta, normalmente, um carácter formal e narrativo. Uma notícia aborda, habitualmente, informação sobre: – alguém ou algo que fez alguma coisa (quem?); – um espaço (onde?); – um tempo (quando?); – as ações (o quê? como?); – a finalidade (porquê?).
  14. 14. NOTÍCIA ESTRUTURA – Título (que pode apresentar um antetítulo, título e sub-título). – Lead (‘guia’ – primeiro parágrafo da notícia onde se apresenta um resumo breve sobre os dados que se incluem na notícia e que responde às questões “Quem?”, “O quê?”, “Onde?” e “Quando?”). – Corpo da notícia (parágrafos seguintes, onde se desenvolve a informação, respondendo eventualmente às perguntas “Porquê?” e “Como?”).
  15. 15. REPORTAGEM É um texto de imprensa de carácter informativo. A reportagem amplia ou aumenta a notícia, apresentado as circunstâncias e acrescentando pormenores. Trata-se de um género jornalístico, oral ou escrito, que aborda um tema interessante e actual, desenvolvido. Apresenta uma construção diversificada que pode misturar narração, descrição, diálogos, exposição e argumentação. Procura transmitir uma visão ampla dos factos e transportar o leitor/ouvinte para a cena dos acontecimentos. Contém testemunhos dados pelas pessoas que estavam no local do acontecimento.
  16. 16. REPORTAGEM ESTRUTURA – Abertura ou síntese dos dados fundamentais da notícia. – Apresentação dos factos e descrição de ambientes e participantes, das suas atitudes e emoções. – Síntese final.
  17. 17. TEXTO DE OPINIÃO É um texto jornalístico com conteúdo que pode ser muito variado. Deve ser breve, claro na interpretação dos factos e apresentar posições bem fundamentadas. Os factos são apresentados e interpretados pelo autor, que faz sobre eles um juízo de valor, de acordo com o seu ponto de vista. Na comunicação social, a opinião aparece em diversos tipos de texto, como o artigo de opinião, que aborda os mais diversos assuntos, desde a cultura, a arte à divulgação científica.
  18. 18. TEXTO POÉTICO O texto poético apresenta se, habitualmente, em verso e é‑ utilizado, sobretudo, para a expressão de sentimentos ou emoções da entidade a que se chama sujeito poético ou eu poético ou eu lírico. A cada uma das linhas de uma composição poética dá se o‑ nome de verso e a cada conjunto de versos, separado por um espaço em branco, chama se‑ estrofe.
  19. 19. TEXTO POÉTICO Estrofes Tendo em conta o número de versos, as estrofes têm diferentes designações: Estrofe com 1 verso 2 versos 3 versos 4 versos 5 versos 6 versos 7 versos 8 versos 9 versos 10 versos Mais de 10 versos Monóstico Dístico Terceto Quadra Quintilha Sétima Oitava Nona Décima Irregular Sextilha
  20. 20. TEXTO POÉTICO Sílabas métricas O verso é constituído por um determinado número de sílabas, percetíveis na leitura, que nem sempre coincidem com as sílabas gramaticais das palavras usadas. A contagem destas sílabas métricas faz se‑ até à sílaba tónica da última palavra do verso. Ver as coisas mais além Do que alcança a nossa vista! Ver as coi sas mais a lém Do que_al can ça_a no ssa vis
  21. 21. TEXTO POÉTICO Rima A rima é a correspondência de sons em lugares determinados dos versos, normalmente no final. Os versos rimam quando existe correspondência de sons a partir da vogal da sílaba tónica da última palavra. De acordo com as combinações, é possível classificar as rimas: Rima emparelhada Quando os versos rimam seguidos, dois a dois. Ex.: rima AA Rima cruzada Quando os versos rimam alternadamente. Ex.: ABAB Rima interpolada Quando dois versos que rimam são separados por dois ou mais de rima diferente. Ex.: ABCAVersos soltos ou brancos Versos que não rimam com nenhum outro.
  22. 22. TEXTO DRAMÁTICO O texto dramático é, normalmente, escrito para ser representado. A representação do texto dá origem a um espectáculo a que se chama teatro. No texto dramático podemos encontrar: a. Acção – acontecimentos vividos pelas personagens; b. Tempo – momento em que decorre a ação; d. Personagens – entidades que se envolvem na ação. Não existe um narrador, porque através do diálogo das personagens avança a acção. c. Espaço – lugar ou lugares onde se desenvolve a ação;
  23. 23. TEXTO DRAMÁTICO ESTRUTURA EXTERNA Os textos dramáticos são escritos, muitas vezes, divididos em cenas e actos. As cenas são marcadas pela entrada ou saída de personagens. Os actos indicam mudança de cenário.
  24. 24. OUTROS TEXTOS não literários
  25. 25. A CARTA É um texto escrito em que se estabelece a comunicação com alguém de quem somos próximos e que está longe ou para a resolução de situações que exigem um tratamento mais formal. Em termos de estrutura ou organização do texto, a carta deve conter: – Local e data; – Saudação inicial (identificação da pessoa a quem se dirige a carta); – Introdução (apresentação breve do assunto da carta); – Corpo da carta (desenvolvimento do assunto); – Fórmula de despedida e assinatura.
  26. 26. O CONVITE É um texto breve que convida para um evento: festa, aniversário, casamento… Geralmente, o convite inclui as informações seguintes: – Nome de quem convida; – Corpo do convite (informação essencial); – Local do evento; – Data e hora do acontecimento.
  27. 27. O AVISO É um texto formal, através do qual se transmitem informações diversas. A linguagem deve ser objectiva para não haver dúvidas na sua interpretação. A sua estrutura deve incluir: – o título – Aviso; – o corpo do texto, – local; – data; – assinatura.
  28. 28. O ANÚNCIO É um texto formal, curto e sintéctico. Destina-se a divulgar uma situação, um acontecimento, algum produto ou alguém. O vocabulário (usa sobretudo substantivos e adjectivos) deve ser preciso e as frases, se existirem, devem ser curtas e com pontuação cuidada.
  29. 29. O SUMÁRIO É uma forma de resumo dos pontos principais: -de um livro; -de um discurso; -de uma aula. É uma espécie de índice quando faz uma enumeração das divisões principais e dos artigos contidos numa revista ou livro, indicando a ordem por que surgem. Permite ao leitor ter uma ideia geral sobre o conteúdo da publicação.
  30. 30. O TEXTO APELATIVO / INSTRUCIONAL Texto que tem o objectivo de controlar o comportamento do(s) seu(s) destinatário(s). Os textos instrucionais podem… … incitar à acção; … impor regras; … fornecer instruções sobre as etapas e os procedimentos para alcançar um determinado objectivo. Exemplos: •Receitas (culinárias ou outras); •Leis e outras normas de conduta; •Instrucções de montagem e utilização; •Provérbios; •Slogans…
  31. 31. O TEXTO APELATIVO/ INSTRUCIONAL Algumas marcas textuais: – Verbos, em geral, de movimento que incitam à acção; – Formas verbais no imperativo, infinitivo impessoal e futuro do indicativo. (ex.: Faz ou Faça, Leve, Prove, Experimente, Compre, Poupar, …)
  32. 32. TEXTO PUBLICITÁRIO • Usa um conjunto de recursos e meios para tornar conhecida uma empresa, ou as suas marcas, para reforçar ou renovar a sua imagem, ou para divulgar produtos ou serviços, estimulando o interesse pela sua compra. • Os mais importantes meios de publicidade são a imprensa, a rádio, a televisão, o cinema, os cartazes e a Internet.
  33. 33. TEXTO PUBLICITÁRIO Fórmula AIDMA – Atenção (captar a atenção do público); – Interesse (despertar a simpatia pelo que é publicitado); – Desejo (desencadear a necessidade de ter ou de usufruir do que é anunciado); – Memorização (para facilitar a retenção da mensagem); – Acção (levar o destinatário a adquirir ou aderir ao que é publicitado).
  34. 34. TEXTO PUBLICITÁRIO Estrutura do texto publicitário – Título (apresenta o essencial da mensagem e procura atrair a atenção do destinatário); – Slogan (frase / expressão que define o produto ou a marca); – Corpo do texto (informa, argumenta, sintetiza e apela à ação); – Imagem (complementa e provoca a leitura do texto).
  35. 35. RESUMO 1. Leitura do texto completo . 2. Leitura selectiva – nesta fase devem ser sublinhadas as ideias essenciais. 3. Divisão do texto em partes. 4. Verificação do encadeamento entre as diferentes partes. 5. Selecção das ideias essenciais do texto que irão fazer parte do resumo. 6. Respeito pela ordem sequencial das ideias. 7. Manutenção dos tempos e modos verbais. Regras para a elaboração de um resumo
  36. 36. RESUMO 8. Reformulação do discurso sem dar opinião: - eliminar palavras / frases sobre ideias ou factos secundários; - conservar somente os números mais significativos; - eliminar marcas do estilo do autor. 9. Não citação de frases completas do texto. 10. Respeito pelo número de palavras exigido para um resumo (um quarto a um terço do texto original). 11. Correcção linguística. Regras para a elaboração de um resumo (continuação)

×