SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Colégio Cenecista Catanduvas – 2011 Varginha - Mg
•   Filo : Apicomplexa •  Classe : Sporozoea •  Ordem : Eucoccidiida •  Família : Plasmodiidae •  Gênero :  Plasmodium •  Espécies : > 100 espécies •  No homem :  P. falciparum   P. vivax   P. malariae   P. ovale
Mosquito 'Anopheles stephensi', vetor da malária A malária é causada por protozoários do gênero  Plasmodium  e cada uma de suas espécies determina aspectos clínicos diferentes para a enfermidade. No caso brasileiro, destacam-se três espécies do parasita: o  P.   falciparum , o  P. vivax  e o  P. malarie .   Tais parasitas são conhecidos como: pernilongo, mosquito prego e carapanã.
Ocorre pela inoculação das formas esporozoítas de  Plasmodium durante  a picada da fêmea do mosquito do gênero  Anopheles darlingi  (principal vetor da malária no Brasil) ou, mais raramente, por outro tipo de meio que coloque o sangue de uma pessoa infectada em contato com o de outra sadia, como: ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],hemácias células do fígado
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O outro causador da malária chama-se  P. malariae   e possui quadro clínico bem semelhante ao da malária causada pelo  P. vivax , apenas apresentando febre sempre baixa e com surgimento de três em três dias. A malária por  P. malariae  também tem recaídas a longo prazo, podendo ressurgir mesmo 30 ou 40 anos mais tarde.
Ao picar um animal ou o homem os mosquitos, de um modo geral, injetam uma pequena quantidade de saliva que serve basicamente como um anticoagulante. É nesta saliva que, caso o mosquito esteja infectado, podem se encontrar os esporozoítas. Após a inoculação das formas infectantes, pela picada de um mosquito contaminado, passa-se um breve período de cerca de 30 minutos em que os esporozoitas circulam livres pelo sangue. Neste curto período alguns deles são fagocitados, porém, vários deles podem alcançar o fígado e, no interior das células hepáticas, os plasmódios passam por uma primeira divisão assexuada. Decorridos alguns dias, tendo sido produzidos alguns milhares de novos parasitas, a célula do fígado se rompe e os plasmódios têm acesso ao sangue onde invadem os glóbulos vermelhos. Novamente, se multiplicam de forma assexuada, em ciclos variáveis (de 24 a 72 horas), cada parasita produzindo de 8 a 32 novos exemplares, em média e de acordo com a espécie envolvida. Depois de alguns ciclos (3 ou 4) surgem os sintomas da doença. Este intervalo que vai desde a picada infectante até o início dos sintomas é chamado  Período de Incubação  e dura em média 15 dias.
 
A transmissão da Malária está relacionada a fatores  biológicos (presença de alta densidade de mosquitos vetores, agente etiológico e população suscetível);  geográficos (altos índices de pluviosidade, amplitude da malha hídrica e a cobertura vegetal); ecológicos (desmatamentos, construção de hidroelétricas, estradas e de sistemas de irrigação, açudes); e sociais (presença de numerosos grupos populacionais, morando em habitações com ausência completa ou parcial de paredes laterais e trabalhando próximo  ou dentro das matas).
 
[object Object],[object Object],[object Object]
•  No Brasil, ocorrem anualmente 300 a 500 mil casos por ano •  P. vivax é a espécie prevalente no Brasil (aproximadamente 80% dos casos) •  A grande maioria dos casos ocorre na Amazônia (>99%) •  Estados com maior número de casos de malária: Pará e Amazonas. * no entanto, a letalidade da moléstia é baixa e não chega a 0,1% do número total de enfermos.
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Malária apresentação
Malária apresentaçãoMalária apresentação
Malária apresentação
 
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaAula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
 
Malária
MaláriaMalária
Malária
 
Plasmodium
PlasmodiumPlasmodium
Plasmodium
 
Malaria.
Malaria. Malaria.
Malaria.
 
Malaria aula
Malaria aulaMalaria aula
Malaria aula
 
Malária
MaláriaMalária
Malária
 
Aula n° 3 tripanossoma
Aula n° 3   tripanossomaAula n° 3   tripanossoma
Aula n° 3 tripanossoma
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
 
0 conceitos sobre parasitologia
0   conceitos sobre parasitologia0   conceitos sobre parasitologia
0 conceitos sobre parasitologia
 
Perguntas Malária
Perguntas MaláriaPerguntas Malária
Perguntas Malária
 
Aula DoençA De Chagas
 Aula DoençA De Chagas Aula DoençA De Chagas
Aula DoençA De Chagas
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Aula n° 5 plasmodium
Aula n° 5  plasmodiumAula n° 5  plasmodium
Aula n° 5 plasmodium
 
FEBRE AMARELA
FEBRE AMARELAFEBRE AMARELA
FEBRE AMARELA
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 

Semelhante a Malária: causas, sintomas e espécies de Plasmodium

Semelhante a Malária: causas, sintomas e espécies de Plasmodium (20)

A malária - por Marco A. M. Menezes
A malária - por Marco A. M. MenezesA malária - por Marco A. M. Menezes
A malária - por Marco A. M. Menezes
 
Apostila 1o ano malária
Apostila 1o ano   maláriaApostila 1o ano   malária
Apostila 1o ano malária
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Protozoários e o parasitismo
Protozoários e o parasitismoProtozoários e o parasitismo
Protozoários e o parasitismo
 
Malária
MaláriaMalária
Malária
 
Malaria
Malaria Malaria
Malaria
 
Teníase e malária
Teníase e maláriaTeníase e malária
Teníase e malária
 
Aula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
Aula de Parasitologia Médica sobre EsquistossomoseAula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
Aula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
 
Trabalho de ciências
Trabalho de ciênciasTrabalho de ciências
Trabalho de ciências
 
Trabalho de ciências
Trabalho de ciênciasTrabalho de ciências
Trabalho de ciências
 
Plasmodium e malária
Plasmodium e  malária Plasmodium e  malária
Plasmodium e malária
 
Resumo
 Resumo Resumo
Resumo
 
Trabalho esquistossomose
Trabalho esquistossomoseTrabalho esquistossomose
Trabalho esquistossomose
 
Seminário - Tema: Malária
Seminário - Tema: MaláriaSeminário - Tema: Malária
Seminário - Tema: Malária
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Chagas3
Chagas3Chagas3
Chagas3
 
Malária 3 c -
Malária  3 c -Malária  3 c -
Malária 3 c -
 
Chagas
ChagasChagas
Chagas
 
Leishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoLeishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completo
 

Mais de 3a2011

Principais regiões industriais no Brasil
Principais regiões industriais no BrasilPrincipais regiões industriais no Brasil
Principais regiões industriais no Brasil3a2011
 
Tecidos
TecidosTecidos
Tecidos3a2011
 
Citicercose
CiticercoseCiticercose
Citicercose3a2011
 
Ascaridíase
AscaridíaseAscaridíase
Ascaridíase3a2011
 
Teníase
 Teníase Teníase
Teníase3a2011
 
Festa 3° ano
Festa   3° anoFesta   3° ano
Festa 3° ano3a2011
 
Hormônios vegetais
Hormônios vegetaisHormônios vegetais
Hormônios vegetais3a2011
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose3a2011
 
Amarelão
AmarelãoAmarelão
Amarelão3a2011
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose 3a2011
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas3a2011
 

Mais de 3a2011 (11)

Principais regiões industriais no Brasil
Principais regiões industriais no BrasilPrincipais regiões industriais no Brasil
Principais regiões industriais no Brasil
 
Tecidos
TecidosTecidos
Tecidos
 
Citicercose
CiticercoseCiticercose
Citicercose
 
Ascaridíase
AscaridíaseAscaridíase
Ascaridíase
 
Teníase
 Teníase Teníase
Teníase
 
Festa 3° ano
Festa   3° anoFesta   3° ano
Festa 3° ano
 
Hormônios vegetais
Hormônios vegetaisHormônios vegetais
Hormônios vegetais
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Amarelão
AmarelãoAmarelão
Amarelão
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 

Malária: causas, sintomas e espécies de Plasmodium

  • 1. Colégio Cenecista Catanduvas – 2011 Varginha - Mg
  • 2. Filo : Apicomplexa • Classe : Sporozoea • Ordem : Eucoccidiida • Família : Plasmodiidae • Gênero : Plasmodium • Espécies : > 100 espécies • No homem : P. falciparum P. vivax P. malariae P. ovale
  • 3. Mosquito 'Anopheles stephensi', vetor da malária A malária é causada por protozoários do gênero Plasmodium e cada uma de suas espécies determina aspectos clínicos diferentes para a enfermidade. No caso brasileiro, destacam-se três espécies do parasita: o P. falciparum , o P. vivax e o P. malarie . Tais parasitas são conhecidos como: pernilongo, mosquito prego e carapanã.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9. O outro causador da malária chama-se P. malariae e possui quadro clínico bem semelhante ao da malária causada pelo P. vivax , apenas apresentando febre sempre baixa e com surgimento de três em três dias. A malária por P. malariae também tem recaídas a longo prazo, podendo ressurgir mesmo 30 ou 40 anos mais tarde.
  • 10. Ao picar um animal ou o homem os mosquitos, de um modo geral, injetam uma pequena quantidade de saliva que serve basicamente como um anticoagulante. É nesta saliva que, caso o mosquito esteja infectado, podem se encontrar os esporozoítas. Após a inoculação das formas infectantes, pela picada de um mosquito contaminado, passa-se um breve período de cerca de 30 minutos em que os esporozoitas circulam livres pelo sangue. Neste curto período alguns deles são fagocitados, porém, vários deles podem alcançar o fígado e, no interior das células hepáticas, os plasmódios passam por uma primeira divisão assexuada. Decorridos alguns dias, tendo sido produzidos alguns milhares de novos parasitas, a célula do fígado se rompe e os plasmódios têm acesso ao sangue onde invadem os glóbulos vermelhos. Novamente, se multiplicam de forma assexuada, em ciclos variáveis (de 24 a 72 horas), cada parasita produzindo de 8 a 32 novos exemplares, em média e de acordo com a espécie envolvida. Depois de alguns ciclos (3 ou 4) surgem os sintomas da doença. Este intervalo que vai desde a picada infectante até o início dos sintomas é chamado  Período de Incubação  e dura em média 15 dias.
  • 11.  
  • 12. A transmissão da Malária está relacionada a fatores  biológicos (presença de alta densidade de mosquitos vetores, agente etiológico e população suscetível);  geográficos (altos índices de pluviosidade, amplitude da malha hídrica e a cobertura vegetal); ecológicos (desmatamentos, construção de hidroelétricas, estradas e de sistemas de irrigação, açudes); e sociais (presença de numerosos grupos populacionais, morando em habitações com ausência completa ou parcial de paredes laterais e trabalhando próximo  ou dentro das matas).
  • 13.  
  • 14.
  • 15. • No Brasil, ocorrem anualmente 300 a 500 mil casos por ano • P. vivax é a espécie prevalente no Brasil (aproximadamente 80% dos casos) • A grande maioria dos casos ocorre na Amazônia (>99%) • Estados com maior número de casos de malária: Pará e Amazonas. * no entanto, a letalidade da moléstia é baixa e não chega a 0,1% do número total de enfermos.
  • 16.