Malaria

1.576 visualizações

Publicada em

Seminário de parasitose

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.576
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
59
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Malaria

  1. 1. Seminário tema: MALÁRIA ROSE VIEIRA THAIS ANDRADE THAYANA CAMPOS Professora: THAIS
  2. 2. CONCEITO É uma doença parasitária, sistêmica produzida por um protozoário do gênero Plasmodium, destacado-se três espécies: P. falciparum, P. vivax e P. malarie, caracterizada pela tríade: febre, calafrio e cefaléia.
  3. 3. EPIDEMIOLOGIA Dados de 1991: Endêmica em 90 países; 300 a 500 milhões de infectados por ano 1 a 2 milhões de óbitos anualmente + de 90% dos casos – África Tropical 40% da população mundial está exposta
  4. 4. Fonte: google.com.br
  5. 5. Vetor: Mosquito Anopheles fêmea também conhecido como mosquito prego ou carapanã. Reservatório: Humanos portadores de gametócitos
  6. 6. TRANSMISSÃO: fêmea do mosquito Anopheles Gametócitos Esporozoítos Corrente sanguínea de humanos - Plasmodium
  7. 7. QUADRO CLÍNICO fase sintomática inicial, caracterizada por mal- estar, cefaléia, cansaço, mialgia, náuseas e vômitos, geralmente precede a clássica febre da Malária; seguido por uma fase febril, com temperatura corpórea podendo atingir 41ºC ou mais, calafrios, sudorese profusa e fraqueza intensa; Em seguida, a febre assume um caráter intermitente e de periodicidade irregular (6 a 7 dias); De um modo geral, as formas brandas da doença são causadas pelo P.malariae e P. vivax e as formas clínicas mais graves são causadas pelo P. falciparum, que podem, se não tratados corretamente, evoluir para óbito.
  8. 8. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS PERÍODO DE INCUBAÇÃO: P. vivax: 8 a 31 dias – média 14d; P. falciparum: 7 a 14 dias – média 10d; P. malarie: 18 a 37 dias – média 30d. ALTERAÇÕES ORGANICAS: Icterícia; Hepatoesplenomegalia.
  9. 9. DIAGNÓSTICO Na fase inicial, a Malária confunde-se com outras doenças infecciosas (Febre tifóide, leptospirose, hepatite infecciosa). No período de febre intermitente, pode ser confundida com infecções urinárias, tuberculose miliar. O diagnóstico de certeza da infecção malárica só é possível pela demonstração do parasito ou de antígenos relacionados, no sangue periférico do paciente. Gota espessa é o exame mais utilizado no Brasil (exame parasitológico de sangue, visualização do parasito por meio da microscopia óptica)
  10. 10. TRATAMENTO O tratamento visa principalmente à interrupção da esquizogonia sanguínea, responsável pela patogenia e pelas manifestações clínicas da infecção; Além disso, a abordagem terapêutica de pacientes residentes em áreas endêmicas pode também visar à interrupção da transmissão; A decisão quanto ao tratamento deve ser precedida de informações sobre os seguintes aspectos: gravidade da doença; espécie de plasmódio; idade do paciente; história de infecções anteriores, de acordo com o Manual de Terapêutica da Malária (MS).
  11. 11. Infecções por Plasmodium vivax e Plasmodium malariae Cloroquina - Comprimidos 250mg; Primaquina - Comprimidos contendo 5,0mg e 15,0mg.
  12. 12. Infecções por Plasmodium falciparum Esquema com Artemeter + Lumefantrina (Coartem®) - Apresentação em comprimidos contendo uma combinação fixa de Artemeter 20mg e Lumefantrina 120mg; Esquema com Quinina + Doxiciclina - Em geral, tanto a apresentação oral, quanto a injetável da Quinina contêm 500mg do sal de Quinina, equivalendo a 325mg da base; Primaquina - Utilizada como medicamento gametocitocida do P. falciparum (bloqueador de transmissão).
  13. 13. BRASIL. Ministério da Saúde. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. – 7. ed. rev. – Brasília, 2008. Doenças infecciosas e parasitárias, Ricardo Veronesi, editora Guanabara Fontes

×