Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório

15.728 visualizações

Publicada em

Para mais Aprendizado.

Publicada em: Saúde e medicina
1 comentário
12 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.728
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
63
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
332
Comentários
1
Gostaram
12
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório

  1. 1. CUIDADOS DE ENFERMAGEM EM CIRURGIAS ORTOPÉDICAS
  2. 2. Cuidados de Enfermagem no pré operatório
  3. 3. Atender o paciente conforme suas necessidades psicológicas (esclarecimento de dúvidas
  4. 4. Avaliar o estado nutricional Observar e anotar a aceitação da dieta Manter o paciente em jejum, conforme rotina
  5. 5. Verificar sinais vitais Pesar o paciente Colher material para exames conforme solicitação médica Orientar higiene oral e corporal antes de encaminhar o paciente para o centro cirúrgico;
  6. 6. Trans operatório
  7. 7. Os cuidados de enfermagem não se restringem somente à prestação de cuidados diretos ao paciente. Para que o procedimento cirúrgico possa ocorrer, são necessárias certas condições que a enfermagem deve prover:
  8. 8. Material para anestesia e cirurgia ( Lap’s, soluções, pomadas, material para curativo, medicamentos, instrumental, etc. Testar equipamentos ( Monitores, pontos de O2, vácuo, etc. ); Verificar condições de limpeza da sala;
  9. 9. Posicionar equipamentos móveis ( suporte para soros, baldes para lixo, escadinha, suporte de hampers, etc. ); Observar segurança da sala como posicionamento de fios e chão molhado; Ajustar a temperatura da sala ( entre 21°C e 24°C );
  10. 10. Recepção no Centro Cirúrgico A atuação da enfermagem nesse período necessariamente requer que seus profissionais tenham conhecimento acerca de todos os eventos que acontecem durante o procedimento cirúrgico.
  11. 11. Realizar leitura do prontuário do paciente, certificando-se sobre os dados de identificação do paciente e sobre a cirurgia a que ele será submetido;
  12. 12. Observar se todos os cuidados pré-cirúrgicos relacionados ao procedimento foram devidamente realizados, como a administração de medicamentos do paciente. Verificar sinais vitais.
  13. 13. Colocar no paciente gorro e sapatilhas; as roupas de cama que o cobriam devem ser trocadas por roupas de cama do próprio centro cirúrgico; Manter uma recepção calma, tranqüila que traga segurança ao paciente; Observar o comportamento do paciente: confiança, ansiedade, melancolia, insegurança, agressividade, etc.
  14. 14. Transporte para a mesa de cirurgia Ao entrar no Centro Cirúrgico o profissional deve estar com a máscara devidamente posicionada na face. O paciente é transferido para amesa cirúrgica e posicionado de acordo com a intervenção cirúrgica a que será submetido.
  15. 15. Posicionar o paciente adequadamente para que ele possa aplicar o anestésico; Dar apoio ao paciente; Disponibilizar material e drogas anestésicas;
  16. 16. Humanização na Assistência de Enfermagem no Centro Cirúrgico Para uma boa assistência de enfermagem é necessário observar os aspectos humanos: Receber bem o paciente; Perguntar o nome do paciente; Olhar para o paciente; Dizer quem é e o que faz na equipe; Preservar a intimidade do paciente;
  17. 17. Assistência de Enfermagem no CRPA Permanecer na sala de CRPA até o paciente recuperar 50% a 75% dos sinais vitais; Avaliar sinais vitais de 15 em 15 minutos, depois de 30 em 30 minutos; Avaliar oxigenação, estimulando o movimento respiratório; Observar ocorrência de vômitos, lateralizar a cabeça; Limpar vias aéreas e aspirar se necessário;
  18. 18. Manter vigilância, manter curativo limpo e seco; Tomar medidas para aliviar a dor; Realizar balanço hídrico; Proporcionar conforto e segurança; Informar a família sobre o estado do paciente.
  19. 19. Cuidados no pós operatório
  20. 20. * Receber e transferir o paciente da maca para o leito com cuidado, observando sondas e soro etc. * Posicionar o paciente no leito, conforme o tipo de anestesia;
  21. 21. A equipe de Enfermagem deve ter uma perspectiva ampla sobre as sensações experimentadas e relatadas pelos pacientes com dor no pós-operatório porque permanece a maior parte do tempo da internação prestando assistência; entretanto, relatam insatisfação com o gerenciamento da sua dor pela Enfermagem.
  22. 22. * controle térmico; manutenção da função respiratória * observação do estado geral * verificação de anormalidades no curativo * observação do funcionamento de sondas, cateteres e drenos * controle dos sinais vitais * realização de mudança de decúbito
  23. 23. * Observar o estado de consciência (sonolência); * Avaliar drenagens e soroterapia; * Fazer medicações conforme prescrição; * Realizar movimentos dos membros superiores ou inferiores livres se possível; Controlar a diurese
  24. 24. Período pós-operatório No pós-operatório, a atençaõ fica direcionada especialmente ao exame físico, escala de dor, observação de sangramento e procedimentos como curativos, aparelho ortopédico, sinais de complicações, intervenções em relação à alimentação e eliminação..
  25. 25. Quanto à higienização, mudança de decúbito, sinais vitais e, cabeceira elevada
  26. 26. Assim, ressaltamos a importância de individualizar a assistência ao paciente ortopédico, atentando-se para não cair na sequência rotineira de cuidados gerais aos pacientes cirúrgicos.

×