SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
Móbile Integral J Teacher Training Course 2016	
	
	 	
1
Adapted from: Diretrizes para o Ensino de Língua Portuguesa na Móbile, de autoria de Luciana Tomiatto de Oliveira
Decidir e definir os objetivos de aprendizagem significa estruturar o processo educacional
de modo a oportunizar mudanças de pensamentos, ações e condutas. Essa estruturação é
resultado de um processo de planejamento que está diretamente relacionado à escolha da
metodologia a ser adotada, conteúdo, procedimentos, atividades, recursos disponíveis,
estratégias e instrumentos de avaliação.
É fundamental ter os objetivos de aprendizagem bem definidos, o que deve ser feito antes
do início do trabalho. Caso isso não ocorra, alguns deles podem não estar bem determinados e
outros podem ficar implícitos ao processo de aprendizagem, sendo, muitas vezes, (re)conhecidos
apenas pelo educador. Sabemos que é mais difícil, para os alunos, atingir o nível de
desenvolvimento cognitivo quando não possuem clareza do que deles é esperado durante e
após o processo de ensino.
Com o intuito de garantir a clareza de objetivos, a precisão dos enunciados a partir do que
se espera como resposta e uma unidade, entre professores e disciplinas, do que se compreende e
do que se espera de cada solicitação feita aos alunos, propomos um trabalho com os chamados
verbos de comando. Os verbos de comando trazem a ideia das habilidades (de pensamento e
de linguagem) a serem desenvolvidas. Quando colocados dentro de uma área específica do
conhecimento, transformam-se em descritores. Os alunos, ao se depararem com questões em que
são utilizados esses verbos, seguem alguns passos importantes no desenvolvimento das habilidades
cognitivas. São eles:
• Identificar as ações que precisam ser realizadas para responder a um determinado
comando;
• Mapear as ideias/conceitos que devem constar na resposta;
• Roteirizar a resposta;
• Autoavaliar a resposta a partir do comando solicitado.
Além do campo cognitivo, os verbos de comando têm importante função no
desenvolvimento dos aspectos linguístico-discursivos. Eles pressupõem estruturas-padrão de
respostas que, quando incorporadas, farão parte do inconsciente cognitivo do aluno, que será
acionado sempre que ele se encontrar em uma situação de comunicação que lhe proponha
essa necessidade. Na estruturação das respostas, serão trabalhados aspectos como o campo
lexical, os elementos coesivos e as vozes presentes no texto, entre outros. A possibilidade de
transitar entre diversos padrões de respostas associados a diferentes áreas do conhecimento,
fazendo escolhas adequadas ao uso, colabora com o desenvolvimento da versatilidade cognitiva
do aluno.
Uma definição clara dos processos mentais que um verbo de comando pressupõe, assim
como das estruturas de linguagem utilizadas para atendê-lo, garante, no trabalho em sala de
aula, uma explicitação dos objetivos dos enunciados, assegurando aos alunos a clareza do que
se espera na resposta.
Móbile Integral J Teacher Training Course 2016	
	
	 	
2
Ao ter clareza das solicitações de cada comando, o aluno passa a ter controle de todas
as operações mentais necessárias para se atingir o objetivo proposto, permitindo o
gerenciamento de sua atividade mental.
Os verbos de comando podem ser categorizados a partir de uma organização hierárquica
das habilidades a serem desenvolvidas. No nível básico estão as ações que tornam presente o
objeto do conhecimento para o sujeito (verbos como identificar, nomear, transcrever, citar). O
nível operacional é composto pelas ações e operações que pressupõem o estabelecimento de
relações com e entre os objetos (verbos como comparar, descrever, explicar, justificar). Já no nível
global estão as ações e operações mais complexas, que envolvem aplicação de conhecimentos
e resolução de problemas inéditos (relacionar, argumentar).
O uso dos verbos de comando em sala de aula é, também, uma importante ferramenta
para o trabalho metacognitivo. Definida como o processo de pensar sobre o próprio pensar e a
capacidade de antecipar, regular e avaliar a própria aprendizagem, a metacognição faz-se
cada vez mais presente na sala de aula e ajuda o aluno a compreender seus próprios processos
de aprendizagem, autoavaliar-se e desenvolver um mecanismo de autorregulação (mecanismo
que envolve o controle dos processos cognitivos, das emoções e do comportamento). O conceito
de metacognição está relacionado à consciência e ao automonitoramento do ato de aprender.
É a aprendizagem sobre o processo da aprendizagem ou a apropriação e domínio dos recursos
internos se relacionando com os objetos externos.
A tabela a seguir apresenta a definição de alguns dos verbos de comando mais utilizados
no ensino de Língua Portuguesa, no Ensino Fundamental, e alguns recursos linguísticos utilizados na
elaboração de respostas a esses verbos.
COMANDO DEFINIÇÃO
Identificar Reconhecer um elemento em meio a outros, com base em determinado
critério.
Nomear Atribuir nome a.
Transcrever Copiar palavras, ideias, texto em novo lugar, destacando-os por meio de
aspas.
Citar Fazer referência a.
Comparar Identificar uma ou mais características semelhantes e/ou diferentes por
meio da relação dos elementos comparados, segundo um ou mais
critérios. A quantidade de elementos comparados e a própria natureza
desses elementos, além de sua complexidade, determinarão a
progressão das comparações.
Expressões indicadoras de semelhanças e diferenças:
Semelhanças: como, assim como, bem como, quanto (tanto... quanto).
Diferenças: de um lado... de outro lado, por outro lado, em oposição, em
contraste, ao contrário, mas, porém, entretanto, no entanto, embora, ao
passo que, enquanto, já, que ou do que (depois de mais, menos, maior,
menor, melhor, pior).
Descrever Apresentar características de objetos, situações, fenômenos e processos,
obedecendo, quando necessário e/ou solicitado, à ordenação lógica.
Explicar Pressupõe uma exposição, um esclarecimento das etapas de um
processo. Para explicar o aluno precisa:
1.Identificar claramente qual é o alvo da explicação;
2.Eleger os fatos ou etapas necessárias para esclarecer um processo;
3.Construir uma ordenação ou uma rede de conexões em que as etapas
ou fatos estejam ligados logicamente (em geral, por relações de causa e
consequência).
Móbile Integral J Teacher Training Course 2016	
	
	 	
3
Expressões indicadoras de causa:
Substantivos: causa, motivo, razão, explicação, fonte, fundamento,
alicerce, o porquê.
Verbos: causar, gerar, originar, produzir, acarretar, motivar.
Conjunções: porque, pois, já que, visto que, uma vez que.
Preposições e locuções: por, por causa de, em vista de, graças a, por
motivo de, em virtude de, devido a.
Justificar Comprovar por meio de um conceito ou de elementos presentes no
texto/imagem. Fornecer as sustentações para a afirmação dada, sem
possibilidade de discordar. Para justificar, o aluno precisa:
1.Reconhecer a afirmação a ser justificada;
2.Selecionar dados válidos;
3.Estabelecer um encadeamento lógico que deixe claro o
desenvolvimento do raciocínio.
Expressões indicadoras de consequência:
Substantivos: consequência, efeitos, decorrência, resultado, repercussão,
produto, reflexo.
Verbos: resultar, decorrer, gerar, ser efeito de, ser resultado de.
Advérbios e locuções: consequentemente, em consequência, em
decorrência, em conclusão.
Conjunções: logo, portanto, pois (posposto ao verbo), então, assim, por
isso, por conseguinte, de modo que, em vista disso.
Relacionar Pressupõe a identificação de um ponto de contato entre as ideias
relacionadas e a explicitação dos elementos envolvidos na relação. Há
relações mais complexas que outras; logo, alguns enunciados podem ser
divididos em “a” e “b” e, em outros, a relação é dada em uma afirmação
e o que se pede é a explicação dessa relação.
Argumentar Legitimar (ou não) posições (polêmicas) por meio de informações, dados,
fatos, conceitos, exemplos etc. Para argumentar, o aluno deverá:
1.Estabelecer o ponto de vista a ser defendido;
2.Selecionar dados válidos ou deduções lógicas;
3.Articular os dados selecionados ao ponto de vista, estabelecendo um
encadeamento lógico que deixe claro o desenvolvimento do raciocínio.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Figuras de linguagem
Figuras de linguagem Figuras de linguagem
Figuras de linguagem Denise
 
O texto dissertativo argumentativo
O texto dissertativo argumentativoO texto dissertativo argumentativo
O texto dissertativo argumentativoValeria Rios
 
As relações de causa e consequência
As relações de causa e consequênciaAs relações de causa e consequência
As relações de causa e consequênciaFabricio Souza
 
Palestra Roteiro Cinema
Palestra Roteiro CinemaPalestra Roteiro Cinema
Palestra Roteiro CinemaDiego Moreau
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavrascolveromachado
 
Figuras de linguagem resumo
Figuras de linguagem resumoFiguras de linguagem resumo
Figuras de linguagem resumoElaine Blogger
 
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.Cláudia Heloísa
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAMarcelo Cordeiro Souza
 
Plano de aula dissertação
Plano de aula   dissertaçãoPlano de aula   dissertação
Plano de aula dissertaçãoportalredacao
 
Tipos e gêneros textuais
Tipos e gêneros textuaisTipos e gêneros textuais
Tipos e gêneros textuaisCynthia Funchal
 
Diferença entre tese e argumento
Diferença entre tese e argumentoDiferença entre tese e argumento
Diferença entre tese e argumentocristina resende
 
Conjunção
ConjunçãoConjunção
Conjunçãolaiiza
 
Filogénese e Ontogénese
Filogénese e OntogéneseFilogénese e Ontogénese
Filogénese e OntogéneseJorge Barbosa
 

Mais procurados (20)

Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagem Figuras de linguagem
Figuras de linguagem
 
O texto dissertativo argumentativo
O texto dissertativo argumentativoO texto dissertativo argumentativo
O texto dissertativo argumentativo
 
As relações de causa e consequência
As relações de causa e consequênciaAs relações de causa e consequência
As relações de causa e consequência
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Período composto por coordenação
Período composto por coordenaçãoPeríodo composto por coordenação
Período composto por coordenação
 
Palestra Roteiro Cinema
Palestra Roteiro CinemaPalestra Roteiro Cinema
Palestra Roteiro Cinema
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
 
Figuras de linguagem resumo
Figuras de linguagem resumoFiguras de linguagem resumo
Figuras de linguagem resumo
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
 
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
 
Freud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimentoFreud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimento
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Tipos de linguagem (verbal e não verbal)
Tipos de  linguagem (verbal e não verbal)Tipos de  linguagem (verbal e não verbal)
Tipos de linguagem (verbal e não verbal)
 
Plano de aula dissertação
Plano de aula   dissertaçãoPlano de aula   dissertação
Plano de aula dissertação
 
Tipos e gêneros textuais
Tipos e gêneros textuaisTipos e gêneros textuais
Tipos e gêneros textuais
 
Diferença entre tese e argumento
Diferença entre tese e argumentoDiferença entre tese e argumento
Diferença entre tese e argumento
 
Diferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opiniãoDiferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opinião
 
Conjunção
ConjunçãoConjunção
Conjunção
 
Filogénese e Ontogénese
Filogénese e OntogéneseFilogénese e Ontogénese
Filogénese e Ontogénese
 

Semelhante a Verbos de Comando em Português

[Módulo 5] Tema: Didática - Objetivos e Avaliação
[Módulo 5] Tema: Didática - Objetivos e Avaliação[Módulo 5] Tema: Didática - Objetivos e Avaliação
[Módulo 5] Tema: Didática - Objetivos e Avaliaçãotecnodocencia_ufc
 
COMO PRODUZIR MATERIAIS PARA O ENSINO DE LÍNGUAS
COMO PRODUZIR MATERIAIS PARA O ENSINO DE LÍNGUASCOMO PRODUZIR MATERIAIS PARA O ENSINO DE LÍNGUAS
COMO PRODUZIR MATERIAIS PARA O ENSINO DE LÍNGUASVinicius O Resiliente
 
COMO PRODUZIR MATERIAIS PARA O ENSINO DE LÍNGUAS
COMO PRODUZIR MATERIAIS PARA O ENSINO DE LÍNGUASCOMO PRODUZIR MATERIAIS PARA O ENSINO DE LÍNGUAS
COMO PRODUZIR MATERIAIS PARA O ENSINO DE LÍNGUASLeonardo Messias
 
Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02
Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02
Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02Jhosyrene Oliveira
 
Critérios para avaliação da produção de textos
Critérios para avaliação da produção de textosCritérios para avaliação da produção de textos
Critérios para avaliação da produção de textosRosemary Batista
 
A prática educativa zabala
A prática educativa zabalaA prática educativa zabala
A prática educativa zabalaSomos Cristo.
 
Camadas de transposição didática no ensino de língua materna
Camadas de transposição didática no ensino de língua maternaCamadas de transposição didática no ensino de língua materna
Camadas de transposição didática no ensino de língua maternaFabio Delano
 
Aprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoAprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoCristiane Lahdo
 
Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02
Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02
Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02Robson S
 
Rumo à diferenciação dos conteúdos escolares: o ensino e aprendizagem de conc...
Rumo à diferenciação dos conteúdos escolares: o ensino e aprendizagem de conc...Rumo à diferenciação dos conteúdos escolares: o ensino e aprendizagem de conc...
Rumo à diferenciação dos conteúdos escolares: o ensino e aprendizagem de conc...joao jose saraiva da fonseca
 
Formação Menino Jesus de Praga
Formação  Menino Jesus de PragaFormação  Menino Jesus de Praga
Formação Menino Jesus de Pragamarcelinorodrigues
 
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...Karlla Costa
 
Oficina planejamento eja
Oficina planejamento ejaOficina planejamento eja
Oficina planejamento ejaAna Vieira
 

Semelhante a Verbos de Comando em Português (20)

Saresp 2012 análise
Saresp 2012   análiseSaresp 2012   análise
Saresp 2012 análise
 
[Módulo 5] Tema: Didática - Objetivos e Avaliação
[Módulo 5] Tema: Didática - Objetivos e Avaliação[Módulo 5] Tema: Didática - Objetivos e Avaliação
[Módulo 5] Tema: Didática - Objetivos e Avaliação
 
COMO PRODUZIR MATERIAIS PARA O ENSINO DE LÍNGUAS
COMO PRODUZIR MATERIAIS PARA O ENSINO DE LÍNGUASCOMO PRODUZIR MATERIAIS PARA O ENSINO DE LÍNGUAS
COMO PRODUZIR MATERIAIS PARA O ENSINO DE LÍNGUAS
 
COMO PRODUZIR MATERIAIS PARA O ENSINO DE LÍNGUAS
COMO PRODUZIR MATERIAIS PARA O ENSINO DE LÍNGUASCOMO PRODUZIR MATERIAIS PARA O ENSINO DE LÍNGUAS
COMO PRODUZIR MATERIAIS PARA O ENSINO DE LÍNGUAS
 
Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02
Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02
Habilidadesecompetnciasparapolo 111128044333-phpapp02
 
Critérios para avaliação da produção de textos
Critérios para avaliação da produção de textosCritérios para avaliação da produção de textos
Critérios para avaliação da produção de textos
 
A prática educativa zabala
A prática educativa zabalaA prática educativa zabala
A prática educativa zabala
 
Camadas de transposição didática no ensino de língua materna
Camadas de transposição didática no ensino de língua maternaCamadas de transposição didática no ensino de língua materna
Camadas de transposição didática no ensino de língua materna
 
Aprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoAprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliação
 
Ensino medio
Ensino medioEnsino medio
Ensino medio
 
Tipos de avaliação
Tipos de avaliaçãoTipos de avaliação
Tipos de avaliação
 
Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02
Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02
Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02
 
DIDÁTICA GERAL.pptx
DIDÁTICA GERAL.pptxDIDÁTICA GERAL.pptx
DIDÁTICA GERAL.pptx
 
Rumo à diferenciação dos conteúdos escolares: o ensino e aprendizagem de conc...
Rumo à diferenciação dos conteúdos escolares: o ensino e aprendizagem de conc...Rumo à diferenciação dos conteúdos escolares: o ensino e aprendizagem de conc...
Rumo à diferenciação dos conteúdos escolares: o ensino e aprendizagem de conc...
 
A prática educativa
A prática educativaA prática educativa
A prática educativa
 
Metodologia educacao a distancia
Metodologia educacao a distanciaMetodologia educacao a distancia
Metodologia educacao a distancia
 
Pp Da Dri
Pp Da DriPp Da Dri
Pp Da Dri
 
Formação Menino Jesus de Praga
Formação  Menino Jesus de PragaFormação  Menino Jesus de Praga
Formação Menino Jesus de Praga
 
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
 
Oficina planejamento eja
Oficina planejamento ejaOficina planejamento eja
Oficina planejamento eja
 

Mais de Karina Fernandes (13)

Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Content Language Integrated Learning
Content Language Integrated LearningContent Language Integrated Learning
Content Language Integrated Learning
 
Personality idioms
Personality idiomsPersonality idioms
Personality idioms
 
Word Formation
Word FormationWord Formation
Word Formation
 
Figures of speech
Figures of speechFigures of speech
Figures of speech
 
Verb Patterns
Verb PatternsVerb Patterns
Verb Patterns
 
F3 assessment
F3 assessmentF3 assessment
F3 assessment
 
C6 assessment
C6 assessmentC6 assessment
C6 assessment
 
Sports and fitness
Sports and fitnessSports and fitness
Sports and fitness
 
Science fiction
Science fictionScience fiction
Science fiction
 
Technology idioms
Technology idiomsTechnology idioms
Technology idioms
 
Midnight in Paris Modernist References
Midnight in Paris Modernist ReferencesMidnight in Paris Modernist References
Midnight in Paris Modernist References
 
Romeo and juliet
Romeo and julietRomeo and juliet
Romeo and juliet
 

Último

VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 

Último (20)

VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 

Verbos de Comando em Português

  • 1. Móbile Integral J Teacher Training Course 2016 1 Adapted from: Diretrizes para o Ensino de Língua Portuguesa na Móbile, de autoria de Luciana Tomiatto de Oliveira Decidir e definir os objetivos de aprendizagem significa estruturar o processo educacional de modo a oportunizar mudanças de pensamentos, ações e condutas. Essa estruturação é resultado de um processo de planejamento que está diretamente relacionado à escolha da metodologia a ser adotada, conteúdo, procedimentos, atividades, recursos disponíveis, estratégias e instrumentos de avaliação. É fundamental ter os objetivos de aprendizagem bem definidos, o que deve ser feito antes do início do trabalho. Caso isso não ocorra, alguns deles podem não estar bem determinados e outros podem ficar implícitos ao processo de aprendizagem, sendo, muitas vezes, (re)conhecidos apenas pelo educador. Sabemos que é mais difícil, para os alunos, atingir o nível de desenvolvimento cognitivo quando não possuem clareza do que deles é esperado durante e após o processo de ensino. Com o intuito de garantir a clareza de objetivos, a precisão dos enunciados a partir do que se espera como resposta e uma unidade, entre professores e disciplinas, do que se compreende e do que se espera de cada solicitação feita aos alunos, propomos um trabalho com os chamados verbos de comando. Os verbos de comando trazem a ideia das habilidades (de pensamento e de linguagem) a serem desenvolvidas. Quando colocados dentro de uma área específica do conhecimento, transformam-se em descritores. Os alunos, ao se depararem com questões em que são utilizados esses verbos, seguem alguns passos importantes no desenvolvimento das habilidades cognitivas. São eles: • Identificar as ações que precisam ser realizadas para responder a um determinado comando; • Mapear as ideias/conceitos que devem constar na resposta; • Roteirizar a resposta; • Autoavaliar a resposta a partir do comando solicitado. Além do campo cognitivo, os verbos de comando têm importante função no desenvolvimento dos aspectos linguístico-discursivos. Eles pressupõem estruturas-padrão de respostas que, quando incorporadas, farão parte do inconsciente cognitivo do aluno, que será acionado sempre que ele se encontrar em uma situação de comunicação que lhe proponha essa necessidade. Na estruturação das respostas, serão trabalhados aspectos como o campo lexical, os elementos coesivos e as vozes presentes no texto, entre outros. A possibilidade de transitar entre diversos padrões de respostas associados a diferentes áreas do conhecimento, fazendo escolhas adequadas ao uso, colabora com o desenvolvimento da versatilidade cognitiva do aluno. Uma definição clara dos processos mentais que um verbo de comando pressupõe, assim como das estruturas de linguagem utilizadas para atendê-lo, garante, no trabalho em sala de aula, uma explicitação dos objetivos dos enunciados, assegurando aos alunos a clareza do que se espera na resposta.
  • 2. Móbile Integral J Teacher Training Course 2016 2 Ao ter clareza das solicitações de cada comando, o aluno passa a ter controle de todas as operações mentais necessárias para se atingir o objetivo proposto, permitindo o gerenciamento de sua atividade mental. Os verbos de comando podem ser categorizados a partir de uma organização hierárquica das habilidades a serem desenvolvidas. No nível básico estão as ações que tornam presente o objeto do conhecimento para o sujeito (verbos como identificar, nomear, transcrever, citar). O nível operacional é composto pelas ações e operações que pressupõem o estabelecimento de relações com e entre os objetos (verbos como comparar, descrever, explicar, justificar). Já no nível global estão as ações e operações mais complexas, que envolvem aplicação de conhecimentos e resolução de problemas inéditos (relacionar, argumentar). O uso dos verbos de comando em sala de aula é, também, uma importante ferramenta para o trabalho metacognitivo. Definida como o processo de pensar sobre o próprio pensar e a capacidade de antecipar, regular e avaliar a própria aprendizagem, a metacognição faz-se cada vez mais presente na sala de aula e ajuda o aluno a compreender seus próprios processos de aprendizagem, autoavaliar-se e desenvolver um mecanismo de autorregulação (mecanismo que envolve o controle dos processos cognitivos, das emoções e do comportamento). O conceito de metacognição está relacionado à consciência e ao automonitoramento do ato de aprender. É a aprendizagem sobre o processo da aprendizagem ou a apropriação e domínio dos recursos internos se relacionando com os objetos externos. A tabela a seguir apresenta a definição de alguns dos verbos de comando mais utilizados no ensino de Língua Portuguesa, no Ensino Fundamental, e alguns recursos linguísticos utilizados na elaboração de respostas a esses verbos. COMANDO DEFINIÇÃO Identificar Reconhecer um elemento em meio a outros, com base em determinado critério. Nomear Atribuir nome a. Transcrever Copiar palavras, ideias, texto em novo lugar, destacando-os por meio de aspas. Citar Fazer referência a. Comparar Identificar uma ou mais características semelhantes e/ou diferentes por meio da relação dos elementos comparados, segundo um ou mais critérios. A quantidade de elementos comparados e a própria natureza desses elementos, além de sua complexidade, determinarão a progressão das comparações. Expressões indicadoras de semelhanças e diferenças: Semelhanças: como, assim como, bem como, quanto (tanto... quanto). Diferenças: de um lado... de outro lado, por outro lado, em oposição, em contraste, ao contrário, mas, porém, entretanto, no entanto, embora, ao passo que, enquanto, já, que ou do que (depois de mais, menos, maior, menor, melhor, pior). Descrever Apresentar características de objetos, situações, fenômenos e processos, obedecendo, quando necessário e/ou solicitado, à ordenação lógica. Explicar Pressupõe uma exposição, um esclarecimento das etapas de um processo. Para explicar o aluno precisa: 1.Identificar claramente qual é o alvo da explicação; 2.Eleger os fatos ou etapas necessárias para esclarecer um processo; 3.Construir uma ordenação ou uma rede de conexões em que as etapas ou fatos estejam ligados logicamente (em geral, por relações de causa e consequência).
  • 3. Móbile Integral J Teacher Training Course 2016 3 Expressões indicadoras de causa: Substantivos: causa, motivo, razão, explicação, fonte, fundamento, alicerce, o porquê. Verbos: causar, gerar, originar, produzir, acarretar, motivar. Conjunções: porque, pois, já que, visto que, uma vez que. Preposições e locuções: por, por causa de, em vista de, graças a, por motivo de, em virtude de, devido a. Justificar Comprovar por meio de um conceito ou de elementos presentes no texto/imagem. Fornecer as sustentações para a afirmação dada, sem possibilidade de discordar. Para justificar, o aluno precisa: 1.Reconhecer a afirmação a ser justificada; 2.Selecionar dados válidos; 3.Estabelecer um encadeamento lógico que deixe claro o desenvolvimento do raciocínio. Expressões indicadoras de consequência: Substantivos: consequência, efeitos, decorrência, resultado, repercussão, produto, reflexo. Verbos: resultar, decorrer, gerar, ser efeito de, ser resultado de. Advérbios e locuções: consequentemente, em consequência, em decorrência, em conclusão. Conjunções: logo, portanto, pois (posposto ao verbo), então, assim, por isso, por conseguinte, de modo que, em vista disso. Relacionar Pressupõe a identificação de um ponto de contato entre as ideias relacionadas e a explicitação dos elementos envolvidos na relação. Há relações mais complexas que outras; logo, alguns enunciados podem ser divididos em “a” e “b” e, em outros, a relação é dada em uma afirmação e o que se pede é a explicação dessa relação. Argumentar Legitimar (ou não) posições (polêmicas) por meio de informações, dados, fatos, conceitos, exemplos etc. Para argumentar, o aluno deverá: 1.Estabelecer o ponto de vista a ser defendido; 2.Selecionar dados válidos ou deduções lógicas; 3.Articular os dados selecionados ao ponto de vista, estabelecendo um encadeamento lógico que deixe claro o desenvolvimento do raciocínio.