Critérios para avaliação da produção de textos

38.233 visualizações

Publicada em

Reunião com professoras coordenadoras na Secretaria Municipal da Educação de Marília - SP
2014

Publicada em: Educação
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
38.233
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18.913
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
228
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Critérios para avaliação da produção de textos

  1. 1. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE TEXTO COMO UNIDADE COMUNICATIVA REUNIÃO COM COORDENADORES SME - MARÍLIA
  2. 2. O documento apresentado visa orientar a análise dos textos produzidos pelos alunos do Ensino Fundamental: Ciclo – I – 3º ao 5º ano.
  3. 3. Observação: Os conhecimentos para mobilização do professor são baseados na Trama de Preparação do Professor, elaborada por Josette Jolibert.
  4. 4. Entendemos que o sentido fundamental da ação avaliativa é o movimento, a transformação. Os pesquisadores muitas vezes se satisfazem com a descoberta do mundo, mas a tarefa do avaliador é a de torná-lo melhor. O que implica num processo de interação educador e educando, num engajamento pessoal a que nenhum educador pode se furtar (...). HOFFMANN, Jussara M. L. Avaliação: mito e desafio - uma perspectiva construtivista. Porto Alegre: Educação e Realidade, 1991.
  5. 5. Para as análises considera-se o texto como unidade linguística concreta (perceptível pela visão e pela audição) que é tomada pelos usuários da língua (falante, escritor/ouvinte leitor), em uma situação de interação comunicativa específica, como uma unidade de sentido e preenchendo uma função comunicativa reconhecível e reconhecida, independentemente da sua extensão (KOCH e TRAVAGLIA, 1993).
  6. 6. O conhecimento das características do texto as ser produzido, permite ao leitor enquadrá-lo em um esquema.
  7. 7. Diante do exposto, a definoição dos critérios de correção dos textos pretendem auxiliar o professor na busca de indicações sobre os conhecimentos de seus alunos a fim de perceber se eles são capazes de:
  8. 8. Desenvolver o tema proposto a partir de um contexto de produção; a partir estudo de uma estrutura padrão, elaborar um texto de determinado gênero;
  9. 9. Construir o texto apresentando conhecimentos textuais e linguísticos – gramaticais e léxicos (palavras) – da norma padrão;
  10. 10. Considerar os elementos composicionais próprios do texto solicitado organizando-o de forma lógica articulada as partes e as ideias do texto;
  11. 11. Perceber se utilizam os recursos coesivos na busca de articulação dos fatos, argumentos, ações e opiniões selecionados para a construção de um texto sobre o tema proposto.
  12. 12. Dentre os objetivos das ações de avaliação e adequação dos textos dos alunos, esta a busca do domínio da norma padrão. Sabendo que esse domínio é progressivo, assim como também a construção dos conhecimentos sobre os mecanismos linguísticos necessários para a produção de um texto. Por isso, é importante levar em conta a adequação do conhecimento do aluno sobre esses aspectos à fase em que se encontra no processo educativo.
  13. 13. Buscar orientar o aluno de forma a utilizar a variante linguística adequada ao tipo de texto solicitado e ao contexto de produção. Levá-lo a conseguir apresentar uma seleção lexical adequada ao tema e ao tipo de texto solicitado e, também, capacitá-lo a escrever com adequação às normas gramaticais da variante solicitada.
  14. 14. O aluno pode recorrer à outra variante linguística (expressões/estruturas regionais, por exemplo) por uma necessidade justificada pelo contexto de produção. Nestes casos, não se trata de desconhecimento, mas de adequação à situação discursiva (Orientações para correção de texto Proposta Pedagógica do Estado de São Paulo).
  15. 15. Verificar o uso dos recursos de coesão. Nem sempre estes são empregados de forma adequada, como por exemplo, a repetição do pronome "ela" em: "Quando ela acordou ela já estava no reino encantado..." "...e ela até tinha garçom..."; "Ela ficou feliz..."; "Ela viu a cozinha...".
  16. 16. Porém, o aluno demonstra a preocupação na utilização da pontuação, embora ainda apareçam alguns equívocos, como se pode observar no emprego dos dois pontos numa tentativa de adequar esse recurso ao texto. Nestes casos, considerar a etapa de aprendizagem do aluno.
  17. 17. O professor deve ter como aspecto base um texto específico e suas características essenciais quanto ao tema, ao modo como foi composto - estrutura e o uso da língua. A análise se torna mais adequada à medida que se tenha maior clareza quanto aos aspectos do texto que estão sendo avaliados e estudados. A partir de então, ele deve refletir sobre a função de cada critério para avaliação de textos produzidos pelos alunos.
  18. 18. Dentre as ações para produção textual a fundamental é aquela que orienta o aluno para que ele possa selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista e construir o texto escrito posteriormente.
  19. 19. Elaborar proposta para solução de problemas de construção, por meio de atividades de sistematização, a fim de consolidar os conhecimentos sobre produção textual.
  20. 20. ITENS 1. TÍTULO 2. PROPOSTA 3. ESTRUTURA 4. COESÃO 5. COERÊNCIA 6. VOCABULÁRIO 7. PARAGRAFAÇÃO 8. ORTOGRAFIA 9. PONTUAÇÃO 10. APRESENTAÇÃO
  21. 21. CATEGORIA/DESCRITOR Excepcional Texto altamente imaginativo, demonstra pensamento crítico; seu desempenho vai além das exigências; criativo, revela profundidade e amplitude; mostra um estilo pessoal e um esforço significativo. Destacado Texto bem organizado e completo, com uma apresentação eficiente e nítida; demonstra bom entendimento, aplica o que aprendeu, estabelece claramente as relações; suas ideias são profundas e fundamentadas.
  22. 22. Adequado Texto que satisfaz exigências mínimas; inclui informação geral, mas carece de detalhes descritivos e de originalidade; só às vezes aplica suas aprendizagens. Inadequado Texto com informação insuficiente ou evidências pouco claras; desordenado e debilmente organizado, demonstra apenas um entendimento superficial; não revela aplicação de seus conhecimentos nem justifica suas formulações.
  23. 23. PAZ E BEM!

×