O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Resumo história da educação e da pedagogia

16.864 visualizações

Publicada em

Resumo história da educação e da pedagogia

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Resumo história da educação e da pedagogia

  1. 1. Históriada Educação Faculdade Zumbi dos Palmares 2013 – 1º Sem. Pedagogia Joyce Mourão Nome: Joyce Mourão 1º Semestre Pedagogia Professora: Elane História da Educação RESUMO FICHA BIBLIOGRÁFICA ARANHA, Maria Lucia de Arruda, História da Educação e da Pedagogia: Geral e Brasil. São Paulo/SP: Moderna 2006, pag. 162 a 347. FICHA DE RESUMO Mantinham-se nos países europeus a política absolutista e o mercantilismo no século XVII. O Brasil nesse período sofria o enrijecimento da política mercantilista, o modelo de economia da época era o agrário-exportador dependente, baseado na produção de cana de açúcar e emprego de mão de obra escrava e sofria ataques de inimigos estrangeiros. No interior do Brasil os bandeirantes continuavam com a expansão territorial, buscando metais preciosos e prendiam índios para mão de obra escrava, porém os jesuítas protegiam os índios. Muitos confrontos aconteceram entre os colonos e os jesuítas, até que os colonos passaram a trocar escravos índios por escravos africanos. Grandes eram os confrontos entre senhores de engenho de açúcar e negros. Um dos mais importantes núcleos de resistência foi o Quilombo dos Palmares (1630-1694), liderado na fase final por Zumbi e que chegou a abrigar de 20 a 30 mil escravos fugidos, na região do atual estado de Alagoas. Entre o século XVI e XVII o modelo de catequese dos índios alterava-se devido ao povoamento com organizações complexas, incluíam conversão religiosa, trabalho e a educação mantinha o ensino da escola conservadora, alheia a revolução intelectual, visava a formação humanística privilegiando o estudo do latim, dos clássicos e da religião, não faziam parte do currículo escolar as ciências físicas ou naturais, bom como as técnicas ou as artes. Durante o século XVIII houve uma alteração definitiva no panorama socioeconômico, em 1750 inicia-se o uso de máquinas a vapor nas fábricas, marcando o inicio da Revolução Industrial. Explodiram também as revoluções burguesas devido à oposição aos ideais liberais ao absolutismo e ao mercantilismo.
  2. 2. Históriada Educação Faculdade Zumbi dos Palmares 2013 – 1º Sem. Pedagogia Joyce Mourão Portugal em declínio se submete a tratados comerciais que resultaram em muitos danos para si e para a colônia em troca de proteção da Inglaterra. No Brasil, com os golpes da concorrência estrangeira o centro da economia deixa de ser a cana de açúcar e passa a ser as minas de ouro, o que fez mudar a estrutura social, aumentando a população da cidade, criando a burguesia, crescendo assim, o setor terciário. Em 1759 foi decretada a expulsão dos Jesuítas do Brasil, deixando apenas na Colônia Companhia 25 residências, 36 missões e 17 colégios e seminários Foi no século XVIII que surge o Iluminismo onde o individuo não se contenta mais em contemplar a natureza, mas passa querer conhecê-la para dominá-la, ou seja, passaram a ter interesse em assuntos extra-religiosos. Nesse período, que foi muito rico em reflexões pedagógicas, não se aceita atrelar a educação à religião e começa então a ser defendido uma educação livre e leiga, que seja obrigatória, gratuita e de responsabilidade do Estado, com orientações voltadas para a ciência, técnicas e ofícios. Foi de Kant, um dos mais importantes sistemas filosóficos desse século, onde ele acreditava que o conhecimento humano é a síntese dos conteúdos particulares dados pela experiência e da estrutura universal da razão. Ele defendia também que o aluno deve aprender a pensar por si mesmo. O século XIX representou o período da consolidação do poder dos burgueses, que lutavam contras as forças reacionárias da nobreza. A Europa presenciou a unificação da Alemanha e da Itália em 1870 e as colônias espanhola e portuguesa (Brasil) se tornam independentes. O Estado se esforçava para oferecer escolas gratuitas para os pobres, mas os ricos ainda buscavam as escolas tradicionais religiosas. Ampliou-se a rede escolar, não apenas em quantidades de escolas, mas na ampliação da escola elementar, da rede secundária e superior e a inserção da pré-escola. No século XIX o objetivo do educador era formar a consciência nacional e patriota do cidadão, dando maior ênfase à formação cívica, das tendências nacionalistas da época. Foi no século XIX que Comte inicia a corrente positivista, partindo do pressuposto de que a humanidade (e o próprio individuo na sua trajetória pessoal) passa por diversos estágios até alcançar o estado positivo, que se caracteriza pela maturidade do espírito humano. Esse momento se dá pelo avanço da ciência moderna, capaz de revolucionar a mundo com sua tecnologia moderna cada vez mais eficaz: “Saber é poder”. O socialismo também surge no século XIX a partir de movimentos das organizações dos trabalhadores para defender seus direitos, propunham meios para a emancipação das classes oprimidas. O socialismo causa grandes alterações nas concepções pedagógicas. Lutam pela nova educação Marx (1818-1883), Fourier (1772-1873) e Owem, buscando democratizar o ensino, a escola única, a valorização do pensar e do fazer, em que o saber esteja voltado para a transformação do mundo. Owem
  3. 3. Históriada Educação Faculdade Zumbi dos Palmares 2013 – 1º Sem. Pedagogia Joyce Mourão (1771-1858) se empenhou em preparar os filhos de operários. O anarquista Francisco Ferrer Guardia (1859-1909) fundou uma escola com biblioteca rica em livros focados na implantação das idéias literárias. Os principais pedagogos da época: Johann Heinrich Pestalozzi (1746-1827); Friedricj Froebel (1782-1852) e Johann F. Herbart (1776-1841) e mais no final do século, os filósofos Wilhelm Dithey (1833-1911) e Friedrich Nietzsche (1844- 1900). Em 1808 a família real se muda para o Brasil, e com a chegada de D. João VI houve algumas mudanças que de forma sugestiva, levavam em direção a Independência, embora tenha ficado nítida e direta a dependência brasileira ao governo britânico. Surge a necessidade de escolas superiores, e há também o incremento das atividades culturais que até então eram inexistentes ou proibidas. Dentre essas inovações culturais podemos citar: Imprensa Régia (1808), Biblioteca (1810), Jardim Botânico (1810), Museu Real (1818), Missão Cultural Francesa (1816). Apesar da Lei de 1827 que determinava a criação de escolas do ensino elementar em todas as cidades e escola de meninas nas cidades e vilas mais populosas, esse projeto fracassou. A elite educava seus filhos em casa, alguns grupos de pais se reuniam e contratavam professores para ministrarem aulas em conjunto para seus filhos, mas sempre sem vinculo com o Estado e para os demais segmentos da sociedade restavam poucas escolas para aprender ler, escrever e contar. No ensino secundário não havia vinculação entre os currículos, uma vez, que não existia sequer uma seqüência de um curso para outro. Aos poucos foram sendo criadas escolas para os filhos meninos de burgueses e depois para as filhas meninas da elite. Foi Leôncio de Carvalho que estabeleceu normas para o ensino primário, secundário e superior na reforma de 1879. As escolas de ensino superior eram precárias no inicio de sua formação, exclusiva para homens, o descaso pelo o preparo do mestre era reflexo de uma sociedade que não priorizava a educação, só depois de muitos anos é que as mulheres puderam cursar ensino superior e só por volta de 1883 encontraram- se 22 escolas funcionando em todo Brasil, preparando seus alunos para “saber se portar, o que ensinar e como ensinar”. No século XIX ainda não havia propriamente o que poderia se chamar de pedagogia brasileira, no entanto não se pode negar, que nas últimas três décadas tenha fermentado o debate sobre as questões metodológicas. Nesse período foram constituídas as conferências pedagógicas para difundir as idéias novas para os professores e para o público interessado. Todas essas idéias alimentaram por muito tempo as esperanças de transformação da sociedade por meio da educação universal. Em 1889 acontece a queda da monarquia começando a Primeira República que durou até 1930. Pela constituição de 1891 foi instaurado um governo representativo, federal e presencial, o federalismo deu lugar ao estado.
  4. 4. Históriada Educação Faculdade Zumbi dos Palmares 2013 – 1º Sem. Pedagogia Joyce Mourão No inicio do século XX acontecia lenta mudança do modelo agrário-exportador com a chegada da burguesia industrial urbana e a ampliação da oferta de ensino. Entre os anos de 1950-1980, o país se urbanizou e avançou em vários aspectos sociais e econômicos. Em 1955 foi fundado o ISEB – Instituto Superior de Estudo Brasileiro que contribui de forma generosa propondo que a cultura brasileira pudesse trabalhar de forma autônoma, rompendo a tradição colonial de transplante cultural, porém, durou apenas dez anos, até que foi extinto pelo golpe militar de 1964. O país se mantém defasado ainda em relação a outros países na área da educação, pois a população não recebeu até esse momento um ensino fundamental de qualidade. Quando os governos passam dar atenção à organização nacional de ensino, as reformas acontecem de forma tumultuada mantendo o dualismo escolar devido contradições e interesses. Passamos também pela a ditadura militar, período que durou vinte anos e obscureceu a vida cultural, silenciando os intelectuais e artistas e intimidou professores e alunos. Em 1961 é criada a LDB – Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Houve a Reforma universitária em 1968 e a Reforma do 1º e do 2º graus em 1971, onde podemos destacar a importância de continuar exigindo do Estado o cumprimento de suas obrigações. A nova Constituição de 1988 destaca pontos importantes como, por exemplo, gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais, acesso ao ensino obrigatório e gratuito como direito público subjetivo, valorização dos profissionais de ensino, entre outros. A partir da aprovação da Constituição foi elaborada a lei complementar para tratar das Diretrizes e Bases da Educação Nacional que foi publicada em 1996 sob o número 9.394. Mas ainda é necessário instaurar uma política educacional que destine as verbas públicas para o ensino público, com diretrizes educacionais coerentes e continuidade de implantação, evitando os desencontros das políticas governamentais, valorizar o professor para se manter ativo os profissionais de qualidade, instituir escola para todos priorizando a qualidade de ensino, com boas estruturas em bibliotecas, instalações adequadas e condições reais de reuniões educacionais e pedagógicas para que o profissional possa se preparar para seu trabalho diário que é instruir, ensinar e preparar outras pessoas.

×