Portal - Prof. Jorge: Orações Coordenadas

1.171 visualizações

Publicada em

Fechando com chave de ouro a série de orações do nosso portal, hoje a aula vem em formato novo: Slide. Preparamos um panorama sobre as orações coordenadas. O conteúdo é simples, direto e completo. Com esse formato esperamos que a leitura se torne mais dinâmica. Neste material você encontra as orações exemplificadas e algumas comparações entre subordinadas e coordenadas.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.171
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
214
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Portal - Prof. Jorge: Orações Coordenadas

  1. 1. Panorama e aprofundamento ORAÇÕES COORDENADAS
  2. 2. ADITIVAS   Leonor voltou-se e desfilou   Ele não me agradece, nem eu lhe dou tempo   Ela não só escreve muito bem, como também lê perfeitamente. Obs.: se o conectivo aditivo e representar outra semântica além da adição, pode ser que ele seja virgulado caso contrário, não. O conectivo e pode ser elíptico, chamamos de assíndeto Obs.: Se o conectivo nem iniciar uma oração, a semântica continua a mesma. Ex.: “No Brasil, nem a esquerda é direita.”
  3. 3. VALORES PARTICULARES DO e   Certas conjunções podem assumir variados matizes significativos de acordo com a relação que estabelece entre outros membros (palavras, orações) coordenados: a)Valor adversativo Tanto tenho aprendido e não sei nada. b) Indicar uma consequência Qualquer movimento, e será um homem morto
  4. 4. VALORES PARTICULARES DO e c) Finalidade Ia decorá-la e transmiti-la ao seu irmão. d) Enfático Você ignora que quem os cose sou eu, e muito eu. e) Iniciar frase de alta intensidade afetiva (valor de interjeição) Ele foi preso! E ninguém se comove para ajudá-lo.
  5. 5. ADVERSATIVAS   Liga dois termos acrescentando uma ideia de contraste: mas, porém, todavia, no entanto, entretanto:   Apetece cantar, mas ninguém canta.   Não havia muitas casas – nenhum edifício de apartamentos, porém, sobravam, grades.
  6. 6. VALORES PARTICULARES DO mas   O mas além de valores afetivos, pode também exprimir ideia de: a) restrição Continuou a conversa interrompida com a senhora gorda, que tinha muitos brilhantes, mas uma terrível falta de ouvido, porque não se pode ter tudo. b) Retificação Eram mãos nuas, quietas, essas mãos: serenas, modestas e avessas a qualquer exibicionismo. Mas não acanhadas, isso nunca.
  7. 7. VALORES PARTICULARES DO mas c)Atenuação ou compensação Vinha um pouco transtornado, mas dissimulava, afetando sossego e até alegria. Uma luz bruxuleante, mas teimosa continuava a brilhar. d) Adição Era bela, mas principalmente rara. Obs.: O MAS é usado para mudar a sequência de um assunto, geralmente com o intuito de retornar ao enunciado anterior que ficara suspenso. Normalmente, a ideia central do texto vem depois do mas.
  8. 8. ALTERNATIVA   Que ligam dois termos ou orações de sentido distinto, indicando que, ao cumprir-se um fato, o outro não se cumpre. São as conjunções: ou (repetida ou não) ora, quer, seja (repetidas).   Ora lia, ora fingia ler para impressionar os demais.   Obs.: Pode-se perceber uma certa semântica de oposição na relação:Todos achavam que ela lia, mas ela só fingia.
  9. 9. CONCLUSIVAS   Se ligam a oração anterior expressando a semântica de conclusão, consequência de um fato. Logo,portanto,por conseguinte.   Conheci, pois,Ari Ferreira, quando comecei a trabalhar em Clínica Médica.   Nas duas frases a experiência é a mesma. Na primeira não instrui, logo prejudica.
  10. 10. EXPLICATIVAS   A oração explicativa justifica a ideia contida na primeira oração coordenada.   Vamos comer, que estou morrendo de fome.   Dorme cá, pois quero mostrar-lhe as minhas fazendas.
  11. 11. DIFERENÇA ENTRE COORDENADA EXPLICATIVA E SUBORDINADA CAUSAL - Orações Coordenadas Explicativas: caracterizam-se por fornecer um motivo, explicando a oração anterior.  A criança devia estar doente, porque chorava muito. (O choro da criança não poderia ser a causa de sua doença.) - Orações Subordinadas Adverbiais Causais: exprimem a causa do fato.  Henrique está triste porque perdeu seu emprego. (A perda do emprego é a causa da tristeza de Henrique.) Note-se também  que há pausa (vírgula, na escrita) entre a oração explicativa e a precedente e que esta é, muitas vezes, imperativa, o que não acontece com a oração adverbial causal.

×