O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Clima Geral e Brasileiro para Ensino Médio

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
Clima E Climas Do Brasil   Aula
Clima E Climas Do Brasil Aula
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 66 Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Semelhante a Clima Geral e Brasileiro para Ensino Médio (20)

Anúncio

Mais de Artur Lara (20)

Mais recentes (20)

Anúncio

Clima Geral e Brasileiro para Ensino Médio

  1. 1. CLIMATOLOGIACLIMATOLOGIA Aplicada ao Ensino MédioAplicada ao Ensino Médio J. Artur LaraJ. Artur Lara
  2. 2. CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. OBS: A caracterização de um CLIMA exige no mínimo três décadas de acompanhamento meteorológico.
  3. 3. A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e a acompanha em seus movimentos. Sua espessura é variável mas, em média, pode-se considerá-la como sendo de 1 mil km de altura. É constituída por uma mistura de gases comumente chamados de ar), no qual vivemos e nos deslocamos. Ela é de importância vital para os seres humanos, animais e plantas. Sua ausência ou contaminação excessiva provocariam a extinção da vida terrestre. O ar é ainda responsável pela combustão, pelo equilíbrio e pela permanência da temperatura ideal para a vida humana, pela transmissão sonora e por outros efeitos. Sua composição varia com a altitude, pois os vários gases que entram em sua formação têm pesos diferentes. Essa diferença faz com que encontremos na atmosfera três camadas: troposfera, estratosfera e ionosfera.
  4. 4. TroposferaTroposfera Nome dado à camada inferior, justamente a que está em contato com as terras e as águas; é a mais pesada e recebe diretamente a irradiação do calor que se desprende da Terra. Sua espessura varia entre 12 km e 18 km, e o azoto (ou nitrogênio) predomina entre os gases, com 78% da sua composição. Além do oxigênio, com 21%, e dos gases raros, com 0,9%, essa camada está impregnada no anidrido carbônico, vapor d’água, resíduos vulcânicos e poeira em suspensão. Essa poeira, em contato com o solo, muitas vezes oriunda das atividades urbanas e industriais, pode atingir, em determinados locais, proporções elevadas, contaminando o ar atmosférico, tornando-se prejudicial às pessoas, aos animais e às plantas..
  5. 5. Estratosfera Nessa camada ocorre curioso fenô meno com a temperatura: percebe-se um progressivo aumento, com registros de até 50 oC, entre 30 e 55 km de altura; tal aquecimento é causado pela absorç ão de raios solares ultravioletas pela camada estratosférica de ozô nio. Como o ozô nio absorve a maior parte dos raios solares ultravioleta, essa radiaç ão letal não atinge a superfície, onde poderia afetar perigosamente a saúde.
  6. 6. Termosfera Tem início no final da mesosfera e vai até 500 km do solo. É a camada atmosférica mais extensa. É uma camada que atinge altas temperaturas, pois nela há oxigênio atômico, gás que absorve a energia solar em grande quantidade. As temperaturas na termosfera podem atingir os 1.000°C.
  7. 7. Exosfera É a camada que antecede o espaço sideral. Vai do final da termosfera até 800 km do solo. Nesta camada as partículas se desprendem da gravidade do planeta Terra. As temperaturas podem atingir 1.000°C. É formada basicamente por metade de gás hélio e metade de hidrogênio. Na exosfera ocorre o fenômeno da aurora boreal e também permanecem os satélites de transmissão de informações e também telescópios espaciais.
  8. 8. TEMPO O tempo é o estado físico (temporário) das condições atmosférica em um determinado momento e local . Isto é, a (é passageiro) influência do estado físico da atmosfera sobre a vida e as atividades do homem.
  9. 9. CLIMA É o nome que se dá às condições atmosféricas que costumam ocorrer num determinado lugar e durante um longo período (geralmente 30 anos).
  10. 10. O clima afeta diversos aspectos da vida: • Tipo de moradia e vestuário • Paisagem • Agricultura • Sensações pessoais e cultura
  11. 11. As escalas do estudo climático ou “tamanho” podem ser: • Local (e próxima ao solo) – microclima • Pequena região (um hectare a alguns km2 ), ex.: floresta, vale, praia e cidade – mesoclima • Grande área (um estado, uma região, um pais) – macroclima • Toda a Terra – clima global
  12. 12. 1. LATITUDE; 2. ALTITUDE; 3. MASSA DE AR; 4. CONTINENTALIDADE / MARITIMIDADE; 5. CORRENTES MARÍTIMAS. OBS: Está associada ao tempo de cada região ( pense da seguinte forma “Fatores influenciam o clima”) FATORES DO CLIMA
  13. 13. Exemplos: Distribuição de continentes e oceanos • Cadeias montanhosas (altitude) • Correntes oceânicas e temperatura da superfície mar • Intensidade da radiação solar e sua variação com a latitude • Tipo de superfície (ecossistemas)
  14. 14. 1. TEMPERATURA; 2. UMIDADE; 3. PRESSÃO ATMOSFÉRICA; 4. VENTOS; 5. CHUVAS. ELEMENTOS DO CLIMA OBS: Elementos pertencem e determinam o tipo de clima de uma região.
  15. 15. 1. TEMPERATURA – corresponde a quantidade de energia absorvida pela atmosfera após a propagação do calor absorvido pelo planeta nas porções sólidas e líquidas. OBS: A atmosfera não é aquecida pelos raios solares quando emitidos diretamente pelo sol e, sim, após reagirem com as superfícies sólidas e líquidas do planeta, ou seja a troposfera é aquecida pela irradiação. ELEMENTOS DO CLIMA
  16. 16. ELEMENTOS DO CLIMA 2. UMIDADE – corresponde a quantidade de vapor de água encontrada na troposfera em um determinado instante. Pode ser expressa { Valor absoluto (g/m3 ) Valor Relativo ( % ) OBS: A Umidade é relativa ao ponto de saturação de vapor de água na atmosfera, em média 4%. Chegando a esse número certamente teremos precipitação, ou seja, chuva. Portanto: 80% de umidade relativa, significa que a retenção de vapor na atmosfera é de 3.2% em termos absolutos.
  17. 17. ELEMENTOS DO CLIMA 3. PRESSÃO ATMOSFÉRICA – força provocada pelo PESO do ar. Pode variar { Altitude Latitude ALTITUDE OBS: Quanto maior a altitude, menor a pressão atmosférica; Quanto mais próxima do nível do mar, maior a pressão atmosférica.
  18. 18. ELEMENTOS DO CLIMA 4. VENTO (Massas de ar) 5. Áreas de Alta Pressão a baixa Pressão Deslocamento do ar Ar atmosférico em movimento.
  19. 19. As massas de ar são grandes porções de ar que apresentam condições internas de temperatura, pressão e umidade relativamente homogêneas, influenciadas pela região onde são formadas. O local de formação da massa de ar é denominado região de origem, é neste local que a massa de ar irá adquirir suas características de temperatura, pressão e umidade. Portanto, uma massa de ar que se forma sobre uma superfície gelada, como a Antártida, apresenta características típicas dessa região, ou seja, temperatura baixa, alta pressão e pouca umidade. Ao se deslocarem, as massas de ar vão aos poucos, perdendo as suas características de temperatura, pressão e umidade originadas no momento de sua formação. Esse deslocamento ocorre sempre no sentido das altas pressões para as baixas pressões.
  20. 20. TIPOS DE CLIMAS MUNDIAIS • Polares ou Glaciais • Temperados • Mediterrâneos • Tropicais • Equatoriais • Subtropicais • Áridos ou desérticos • Semi-áridos
  21. 21. Temperaturas médias globaisTemperaturas médias globais
  22. 22. VAPOR D’ÁGUA NA ATMOSFERAVAPOR D’ÁGUA NA ATMOSFERA
  23. 23. Conhecendo os padrões dos Climas Mundiais Os climas existentes nas diversas regiões da Terra são muito variados e apresentam muitas modificaç ões locais. Eles são, por sua vez, os responsáveis pelos diferentes tipos de solos, pelo regime dos rios e, principalmente, pela cobertura vegetal do globo. A totalidade dos mais variados climas do globo terrestre podem ser agrupados em seis grandes padrões climáticos ou famílias de climas. Por se desenvolverem em faixas, a partir do equador para os polos, podemos considerá-los como faixas climáticas.
  24. 24. Genericamente, podemos constatar a existência de três grandes zonas climáticas:
  25. 25. Zona quente ou intertropical Com temperaturas elevadas e regulares (média mensal superior a 18 oC, e pluviosidade sempre superior a 500 mm/ano). As regiões equatoriais apresentam elevadas precipitaç ões ao longo de todo o ano, porém na medida em que se afasta do Equador, apresenta-se uma estaç ão seca, com diminuiç ão das chuvas Zona fria (polares ou frios) As duas zonas polares se caracterizam pelo frio e pelo gelo. Mesmo no mês mais quente sua temperatura nunca ultrapassa 10 oC. Os invernos são longos e os verões, curtos Zonas intermediárias Apresentam maior diversidade. Há as regiões desérticas onde o clima é árido (ausência ou escassez de chuva), possui estações bem definidas e o clima é moderado, porém o inverno pode ser mais rigoroso.
  26. 26. TIPOS DE CLIMA
  27. 27. Polares ou glaciais: 1.Ocorrem em regiões de altas latitudes; 2. é o clima com as menores temperaturas do planeta: no inverno, ela permanece em torno de -30ºC e, no verão, a média é de 4ºC. está presente no extremo norte do Canadá, da Rússia e do Alasca, em parte da península Escandinava e na Antártica..
  28. 28. • Temperado: 1. Região entre os trópicos e os círculos polares; 2. Quatro estações do ano bem definidas; 3. ocorre uma grande disparidade de temperaturas entre inverno e verão, isso significa que no inverno as temperaturas são extremamente baixas até 0º e no verão as temperaturas são elevadíssimas. 4. Subdivide-se em: Temperado oceânico (pouca amplitude térmica) e Temperado continental (grande amplitude térmica)
  29. 29. • Mediterrâneo: 1. Apresentam verões quentes e secos e invernos amenos e chuvosos; 2. São bastante parecidos com os climas tropicais, porém, apresentam: • Menores índices pluviométricos; • Suas chuvas concentram-se no outono e no inverno. • Nesse restrito clima é possível perceber todas as estações do ano, apresenta verões quentes e invernos chuvosos.
  30. 30. Sul da Espanha
  31. 31. • Tropical: 1. São climas quentes durante todo o ano; 2. Apresenta apenas duas estações definidas durante todo o ano; 3. Verões quentes e chuvosos e invernos amenos e seco. 4. OBS: O clima tropical litorâneo, sofre a influência da maritimidade, apresenta verões quentes e úmidos e inverno chuvoso.
  32. 32. Goiânia - GO
  33. 33. • Equatorial: 1. Ocorrem na chamada zona tórrida do planeta, próximo ao equador; 2. Apresenta temperaturas elevadas e chuvas abundantes o ano inteiro; 3. Pequena amplitude térmica anual; 4. Grande concentração de umidade.
  34. 34. • Áridos ou desérticos: 1. Apresenta elevada amplitude térmica diária; 2. Os índices pluviométricos anuais são inferiores a 250mm
  35. 35. • Subtropical: 1. Característicos das médias latitudes; 2. Apresentam as quatros estações definidas; 3. Chuvas abundantes e bem distribuídas; 4. Verões quentes e invernos frios; 5. Elevada amplitude térmica anual.
  36. 36. CLIMA NO BRASIL • Três macro climas são encontrados no Brasil: 1. Equatorial Semi-árido 2. Tropical Altitude 3. Subtropical Litorâneo
  37. 37. CLIMA NO BRASIL • Com mais de 80% do seu território na zona inter- tropical, o Brasil apresenta três tipos de tropicalidade. 1. Tropical semi-árido, região nordeste porção continental. 1.1 Temperatura elevada durante todo o ano 1.2 Chuvas escassas e irregulares 2. Tropical de altitude, região centro-oeste e parte da região sudeste 2.1 Clima alternadamente úmido e seco 2.2 Invernos frios e seco e verões quentes e chuvosos 3. Tropical litorâneo, litoral do país, regiões nordeste e sudeste 3.1 Pequena amplitude térmica 3.2 verões quentes e úmidos e invernos quentes e chuvosos
  38. 38. Por que não chove no nordeste??? Na realidade, chove no sertão, como é chamada a região de clima semiárido e vegetação de caatinga (em amarelo no mapa). Porém a quantidade de água registrada é baixa, com distribuição irregular no ano. Conheça os responsáveis por essa característica.
  39. 39. 1. Fatores oceânicos Mesmo sob o Equador, a temperatura do mar nos litorais potiguar e cearense é mais baixa em relação às áreas adjacentes. Com baixa evaporação, há menos umidade presente. 2. Influência do relevo A serra da Borborema, que atravessa vários estados, impede a passagem das correntes atmosféricas úmidas que partem do oceano para o interior. Por isso chove mais no litoral. 3. Frentes polares As frentes polares - encontro de massas de ar diferentes - causam chuvas. Mas, como elas têm pouca força quando chegam ao Nordeste, predomina um quadro de estabilidade. 4. Fatores atmosféricos O Nordeste é uma área de alta pressão - com correntes de ar que transferem o calor para latitudes maiores -, situação que favorece a estabilidade do tempo e a ausência de chuvas.
  40. 40. CLIMATOLOGIA DINÂMICA DO BRASIL (principais sistemas meteorológicos e efeitos no clima: distribuição de precipitação e temperatura)
  41. 41. Temperaturas Máxima e Mínima
  42. 42. Chuva Acumulada eChuva Acumulada e Umidade Relativa do ArUmidade Relativa do Ar
  43. 43. Insolação Total Anual eInsolação Total Anual e Evaporação do PicheEvaporação do Piche
  44. 44. Vórtice ciclônico de altos níveis “DIPOLO do Atlântico” Variabilidade inter-anual Variabilidade intra-sazonal
  45. 45. Frentes Frias e indução de convecção tropical
  46. 46. Clima do Brasil Brasil → Dimensões continentais. Abrange diferentes zonas climáticas: Norte: Zona Intertropical; Sul: Zona temperada. Diferentes relevos e vegetações: clima continental, costeiro e de altitude. Sistemas influenciam no regime de precipitação: Norte → Chuvas convectivas; Nordeste (sertão) → Clima seco; Sul → Chuvas frontais.
  47. 47. Climas controlados por massas de ar Equatorial Úmido (Convrgência dos Alísios) Tropical (Inverno seco e verão úmido) Subtropical Úmido (Costas orientais e subtropicais, com predomínio da Massa Tropical Marítima) Fonte: Atlas Geográfico Escolar - Maria Elena Simielli/Mário De Biasi Tropical Semi-Árido (Seco → irregularidade das massas de ar). Litorâneo Úmido (Massa Tropical Marítima)
  48. 48. TIPOS DETIPOS DE CHUVASCHUVAS
  49. 49. Chuvas Orográficas   Também conhecidas como chuvas de relevo, ocorrem quando massas de ar com muita umidade atingem áreas com presença de montanhas ou outros tipos de elevação (serras, montes, escarpas, etc.). Neste caso, estas massas de ar “sobem” (ganham altitude), favorecendo a condensação e a consequente formação de chuvas.   Estas chuvas são comuns nas regiões de serras do mar do litoral sudeste do Brasil e também no agreste de Pernambuco.    
  50. 50. Chuvas de Convecção (instabilidade temporária) São muito comuns no verão em várias regiões do Brasil, ocorrendo principalmente no final da tarde. Ocorrem quando há intensa evaporação da água, provocada pelas altas temperaturas. Esta evaporação forma nuvens carregadas de umidade. Estas nuvens ganham altitude elevada, impulsionadas pelo movimento vertical do ar, onde ocorrem as precipitações (chuvas).    
  51. 51. Chuvas Frontais   Ocorrem quando há o encontro entre uma massa de ar quente com uma fria. Neste choque, a massa de ar fria e seca, que é mais densa, impulsiona para cima a massa de ar quente e úmida. Ao ganhar altitude, a umidade da massa de ar quente se condensa, formando assim a chuva. São, geralmente, de intensidade média e de duração superior as chuvas de convecção. São comuns no inverno nas regiões Sul e Sudeste do Brasil.  
  52. 52. FENOMENOS CLIMÁTICOS O El Niño é um fenômeno atmosférico oceânico causado pelo aquecimento anormal das águas do Pacífico nas proximidades da costa oeste do Peru e do Equador. Com isso, há um enfraquecimento dos ventos alísios na região e um maior acúmulo de águas superficiais mais quentes, que liberam uma massa de ar mais aquecida e interferem no clima de várias partes do mundo. No Brasil, por exemplo, a estiagem do Nordeste eleva-se e as chuvas do Centro-Oeste e Sudeste são mais intensas. O La Niña também é um fenômeno atmosférico oceânico que, assim como o El Niño, é cíclico, embora sua ocorrência seja menos frequente. Ocorre a partir do resfriamento anômalo das águas, fazendo com que outras resultantes climáticas ocorram, a maioria delas inversa aos efeitos do El Niño.

×