O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Jb news informativo nr. 2027

18 visualizações

Publicada em

.

Publicada em: Arte e fotografia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Jb news informativo nr. 2027

  1. 1. Nesta edição: Pesquisas – Arquivos e artigos próprios e de colaboradores e da Internet – Blogs - http:pt.wikipedia.org - Imagens: próprias, de colaboradores e www.google.com.br Os artigos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião deste informativo, sendo plena a responsabilidade de seus autores. Saudações, Prezado Irmão! Índice do JB News nr. 2.027 – Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Bloco 1 – Almanaque Bloco 2 – IrAilton Elisiário - Impeachment Bloco 3 – IrJoão Guilherme – Minha Bandeira tem história Bloco 4 - IrDiógenes de Sínope – Correntes Antimaçónicas; breve resumo Bloco 5 - IrLeonel Ricardo de Andrade - A Maçonaria espera que sejamos Maçons (do site O Ponto...) Bloco 6 - Ir Pedro Juk – Perguntas & Respostas – do Ir Claudio Rodrigues (Belo Horizonte) Bloco 7 - Destaques JB: Posse de dois novos membros na Academia Catarinense Maçônica de Letras
  2. 2. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 2/27 O Brasil tem histórias incríveis, que a maioria dos brasileiros cada vez conhece menos. Nossas bandeiras são muito mais do que simples panos coloridos. Têm significados e contam histórias que nos ajudam a entender o que somos e porque somos. Um povo sem memória não tem raízes e torna-se presa fácil dos demagogos e embusteiros. Bandeiras que Contam Histórias ganhou formato bem maior e tornou-se muito mais abrangente. Em 182 páginas a duas cores e 32 em policromia, desfilam, com suas histórias: • as bandeiras históricas que tremularam no Brasil e em Portugal (até 1822); • os símbolos das Forças Armadas e as e as insígnias de aviões e carros de combate; • as bandeiras e brasões de todos os estados brasileiros, em novíssimas ilustrações; • as bandeiras de todos os países lusófonos. Para completar, há ainda: • uma seção sobre a Bandeira Nacional, suas proporções e o modo correto de apresentá-la. • uma seção sobre a Heráldica, a ciência dos brasões, para ajudar a compreender melhor de onde vieram os fundamentos norteiam a criação das bandeiras desde a Idade Média. São centenas de ilustrações cuja preparação exigiu anos de pesquisa e trabalho intenso de ilustração, incluindo os brasões de cada um dos estados brasileiros, redesenhados com nitidez e correção. 1 – ALMANAQUE Hoje é o 110º dia do Calendário Gregoriano do ano de 2016– (Lua Quarto Crescente) Faltam 256 dias para terminar este ano bissexto Dia do Diplomata Se o Irmão não deseja receber mais o informativo ou alterou o seu endereço eletrônico, POR FAVOR, comunique-nos pelo mesmo e-mail que recebeu a presente mensagem, para evitar atropelos em nossas remesssas diárias. Obrigado. Colabore conosco para evitar problemas na emissão de nossas mala direta diária. LIVROS
  3. 3. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 3/27 Mas valeu todo este trabalho, porque descobrimos coisas incríveis. Por exemplo, você sabia... … que a Bandeira do Brasil foi a primeira a homenagear a mulher? … que a Bandeira Imperial foi criada por um francês e o Brasão da República, por um alemão? … que o Brasil pode ser chamado, com justiça, de país Templário? … que uma bandeira nacional brasileira já tremulou com uma estrela vermelha? … que o primeiro a segurar a primeira Bandeira Nacional Brasileira seria o maior responsável pela consolidação territorial do Brasil? Veja em www.artedaleitura.com  1233 - O Papa Gregório IX edita duas Bulas que marcam o início da Inquisição, instituição da Igreja Católica Romana que perseguiu, torturou e matou muitas pessoas, acusadas de serem hereges).  1792 - A França declara guerra a Áustria, começam as guerras revolucionárias francesas.  1902 - Pierre e Marie Curie anunciam o refino do cloreto de rádio, sem no entanto o purificarem até obter o elemento isolado (embora eles acreditassem tê-lo feito).  1910 - Fundação da Congregação Cristã no Brasil.  1963 - Início do Pan-Americano de São Paulo.  1968 - Pierre Elliott Trudeau toma posse como primeiro-ministro do Canadá.  1985 - Carlos Lopes estabelece a melhor marca mundial da Maratona fazendo 2h7m11s em Roterdão.  1999 - Massacre na Columbine High School: Eric Harris e Dylan Klebold abrem fogo dentro da escola. Quinze pessoas morrem e 23 ficam feridas. Após os tiroteios, ambos suicidam-se antes da SWAT entrar no colégio.  2005 - Alfredo Palacio assume a Presidência da República do Equador.  2010 - Explosão da plataforma Deepwater Horizon, causando 11 mortos e uma enorme maré negra. 1822 Ordem do dia desta data, do governador das Armas do Rio Grande, João Carlos de Saldanha, formalizou agradecimentos ao Regimento de Linha de Santa Catarina “pelos relevantes serviços que, pelo espaço de mais de doze anos, tem prestado à Província. Eventos históricos - (Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki) Aprofunde seu conhecimento clicando nas palavras sublinhadas Fatos históricos de santa Catarina
  4. 4. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 4/27 1845 Nasce, no Rio de Janeiro, José Maria da Silva Paranhos Jr. Barão de Rio Branco. 1849 Bula “Quibus quantisque malis”, do Papa Pio IX, condenando a Maçonaria. 1884 Bula “Humanum Genus” do Papa Leão IX, condenando a Maçonaria. 1898 Iniciado Octavio Kelly, futuro Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil no difícil período 1927-1933 e responsável por sua sobrevivência. 1900 Fundação da Loja Maçônica Antenor Ayres Viana no. 39 – Oriente de Santos Dumont MG – Obediência: G O M G – Federado à COMAB - Reunião: Terça-Feira – Rito: REAA. (Foto JB News, quando em visita àquele Templo) 1948 Fundação da Loja Maçônica Vinte De Abril Independente no. 40 – Oriente de Belo Horizonte MG – Obediência: G L M M G. Reunião: Segunda-Feira – Rito: REAA. Fatos maçônicos do dia (Fontes: “O Livro dos Dias” do Ir João Guilherme - 20ª edição e arquivo pessoal)
  5. 5. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 5/27 O Ir Ailton Elisiário é membro da Academia Paraibana de Letras Maçônicas. Publicação simultânea desta crônica às quartas-feiras no JB News, Jornal da Paraíba e Paraiabaonline. prof.elisiario@uol.com.br IMPEACHMENT A admissibilidade pela Câmara dos Deputados do “impeachment” da Presidente da República exige serena reflexão. Deixando de lado as atitudes apaixonadas dos correligionários e adversários, a gravidade do fato requer visão ponderada da questão. Não se trata de dar razão a um lado ou outro, mas sim, de apontar as razões para tanto. É fato inegável que melhorias das condições de vida da população brasileira foram realizadas pelo governo petista. Programas foram implantados, resultando na mudança de níveis sociais das classes menos favorecidas. Mas houve artificialidade nas políticas públicas, que redundaram em disparada da inflação, queda da produção, desvalorização da moeda, aumento do desemprego, crescimento desmedido da dívida pública e muitos outros efeitos negativos. Não conseguindo sustentar os preços mascarados pelos subsídios indevidos, não arrecadando suficientemente para honrar obrigações financeiras, não efetivando a redução necessária dos gastos públicos, entre outras fatores, o governo petista gerou a crise econômica atual. Na prática viciada de maquiar as contas públicas, enveredou pela decretação de créditos suplementares sem autorização do Congresso Nacional e pela realização de operação de crédito vedada por lei. Essa situação deixou clara a deterioração das contas públicas e o risco da insolvência financeira do país, detectada pelas agências de análise de risco que já enquadraram o Brasil em níveis muito baixos de indicação para investimentos. Não há que se falar em golpe e nem que a votação foi política. O “impeachment” resulta de ação política fundada em questão jurídica. Golpe haveria se não houvesse fundamento legal para isto, o que não é o caso. Os atos lesivos da presidente infringem a Constituição Federal e a Lei de Responsabilidade Fiscal. Veja-se: CF - Art. 85, VI: São crimes de responsabilidade os atos do Presidente da República que atentem contra a Constituição Federal e, especialmente, contra (...) a lei orçamentária; LRF - Art. 36: É proibida a operação de crédito entre uma instituição financeira estatal e o ente da Federação que a controle, na qualidade de beneficiário do empréstimo. O Tribunal de Contas da União ao desaprovar as contas da presidente tipificou o crime. Política e juridicamente o processo de “impeachment” tem guarida. Todavia, ideologicamente o país hoje se encontra dividido, como resultado da ideologia que orienta o governo. Isto explica o muro levantado perante o Congresso para separar os “vermelhos” dos “verde-amarelos”, quando há tempos já caiu o muro de Berlim. Por isto que a expressão “a minha bandeira não é vermelha” diz bem da reação do povo nas ruas pela defesa do estado democrático de direito. O “impeachment” está fazendo as pessoas se enfrentarem como em estado de guerra, mas é preciso que o nosso povo esteja unido, respeitando a nossa história. Dividir para governar não é a melhor política, como faz a presidente, daí o “impeachment” que produzirá novos rumos ao Brasil. 2 – Opinião - Impeachment Ailton Elisiário
  6. 6. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 6/27 O Irmão João Guilherme Ribeiro comparece mais uma vez no JB News, para descrever um pouco do que andou descobrindo na pesquisa que realizou para a sua obra “Bandeiras que contam Histórias” Ao final, acompanhe os slides de sua palestra proferida no último sábado em Poços de Caldas, no II Encontro da Família Maçônica. Minha Bandeira tem História Um livro do Irmão Harry Mendoza, Past Master da Loja Quattuor Coronati Nº 2076, tem um título interessante: Serendipity. Não há em português uma palavra que corresponda a esta. Segundo o Cambridge Dictionary, é o fato de encontrar algo interessante ou valioso por acaso. Uma pena, porque ela define exatamente a sensação que senti diversas vezes ao pesquisar nossa história para escrever Bandeiras que contam histórias. Sempre gostei de história. Até hoje não consigo entender como é possível encará-la como uma entediante sucessão de datas, fatos e nomes, como se fossem coisas desconectadas umas das outras, que só se consegue dominar pela decoreba e da qual logo se esquece. Que desperdício! Que oportunidade perdida de estabelecer as conexões que a tornam inteligível... Tudo começou quando preparei a edição de O Livro dos Dias para o ano de 2000. Para celebrar os quinhentos anos do descobrimento, resolvi falar das bandeiras históricas brasileiras. Claro, tive que pesquisar muito, recolhendo dados, datas e fatos das fontes mais diversas, verificando, comparando, tentando separar o joio do trigo para apresentar a informação e as ilustrações de forma correta. Vocês nem imaginam quanta tolice se diz por aí! A edição foi um sucesso. Um Irmão e amigo, José Carlos Meneghetti, diretor da Zit Editora, sugeriu que o texto fosse transformado em um livro. Ainda que modesto, a edição original de Bandeiras que contam histórias me trouxe grandes alegrias e muitas surpresas. Hoje, Bandeiras que contam histórias tem sua segunda edição, mais robusta, mais colorida, mais abrangente, incluindo também as bandeiras e os brasões dos estados brasileiros, que me custaram um ano e meio de trabalho para ilustrar. Mas não estou escrevendo este artigo para falar de mim, mas das coisas interessantes que descobri ao longo das pesquisas para escrever e ilustrar. Coisas que a grande maioria dos brasileiros ignora e, com isto, perdem a chance de serem mais brasileiros... A primeira bandeira a homenagear a mulher Um dia, recebi uma ligação de uma professora gaúcha. Indignada com o que escrevi no livro, ela queria saber de onde eu tirara aquela história de que as cores de nossa bandeira imperial tinham a ver com nosso primeiro casal imperial. Ela sempre soube que o verde vinha “das matas” e o 3 – Minha Bandeira tem História João Guilherme
  7. 7. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 7/27 amarelo, das “riquezas minerais”, ora! Tive que explicar, é claro. Foi o próprio D. Pedro que determinou nossas cores: “verde de primavera e amarello d'ouro”. Verde por que era a cor da casa de Bragança e amarelo que era a cor da casa dos Habsburgos, a qual pertencia a princesa Leopoldina. A tonalidade de “primavera” para o verde veio como analogia ao país que se criava. Muito romântico, não? Bem, e a tal história de verde “das matas” e do amarelo “das riquezas minerais”? Simples. Do dia 14 para o dia 15 de novembro, o “brasileiro dormiu em uma monarquia e acordou em uma república”. A República foi um golpe branco, palaciano, sem qualquer participação popular. Em 1917, a família imperial russa foi chacinada pelos bolcheviques. Mas não apenas esta não era nossa índole como, se os conspiradores tivessem tocado no velho imperador, teriam que encarar a ira do povo. Prova disso é que por mais de 20 anos o Brasil se viu às voltas com guerras civis. Então, exilou-se a Família Real. Ora, se não se matou o imperador, mate-se a memória! Foi assim que o verde deixou de ser Bragança para ser “das matas” e o amarelo deixou de ser Habsburgo para ser “das riquezas minerais”... Aliás, esse assassinato proposital da memória continuaria mesmo que o retorno do regime monárquico fosse proibido como cláusula pétrea nas constituições. Desvalorizar o passado e apagar a memória passou a ser uma atitude nacional. Os artistas da Semana da Arte Moderna, em 1922, não escracharam a arte existente para promoção da deles? Não menosprezaram Carlos Gomes como compositor italiano de segunda? E para quê? Para impor seu modelo. Exatamente o fenômeno que vemos agora, só que muito mais grave, mais insidiosa. Como explicar a passividade geral ante as distorções e mentiras facciosas que “adornam” a história atualmente ensinada nas escolas se não pelo costume que se arraigou de avilar e desprezar o passado? Mas uma coisa é certa: ao criar a Bandeira Imperial, o artista francês Jean-Baptiste Debret fez dela a primeira no mundo a homenagear a mulher. Realmente, nossa história tem muito a contar! Em aditamento a este interessante artigo do Irmão João Guilherme segue abaixo o link dos slides da palestra que o Irmão João Guilherme proferiu no último sábado (16) em Poços de Caldas, no II Encontro da Família Maçônica. Segundo JG “um evento extraordinário, reunindo Maçons de todos os quadrantes das Minas Gerais, um tributo ao Grande Oriente de Minas Gerais, que acaba de ser aceito na CMI. Confesso, foi um privilégio presenciar um evento tão abrangente, executado de modo tão minuciosamente eficiente! O GM Lázaro Emanuel deu um show de alegria, exuberância, capacidade e liderança. Que dias incríveis!” https://picasaweb.google.com/103634428674850958508/JoaoGuilhermePalestra?authkey=Gv 1sRgCPqStPOA1IfFywE
  8. 8. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 8/27 Diógenes de Sínope, M.'.M.'. Grande Oriente Lusitano Lisboa - Portugal Correntes Antimaçónicas: Breve Resumo Racional Se há assunto, ideia, matéria, teoria ou prática onde a Franco-Maçonaria se sente à vontade, por possuir armas e argumentos válidos, é precisamente no terreno dosContrários. É que desde a tradição Hermética à moderna Instrução, o Maçom é orientado para uma racionalidade espírito/material que o dota particularmente para analisar e colocar em prática a Construção Ideal, daí ter-me lembrado que valia a pena, embora resumidamente, percorrer os caminhos das Correntes Antimaçónicas que, quer queiramos ou não, tiveram uma preciosa influência no nosso percurso enquanto Ordem Universal. Parecem ter surgido no início do Séc. XVIII em paridade com o crescimento da Maçonaria dita Especulativa, e em várias regiões do globo, cada uma delas apresentando circunstâncias regionais e continentais. Esta dimensão internacional do que se considera oantimaçonismo primário é muito ambígua no sentido em que as suas formas e tendências se apresentaram sob a forma de ultrajes e vinganças com grande simplificação sendo a maior parte delas sem fundamento estruturado, coerente e apenas montadas em campanhas ignominiosas em que o plano escondido é um ataque político-social provocado pelo sentimento de perda do absolutismo, quer temporal quer espiritual da época ou, como diriam os psicanalistas, uma reacção afectiva de origem neurótica, ou seja, o principal factor não é apenas a mudança mas o medo dessa mudança, da distância crítica e da adaptação a novos ideais em que se sentem desenraizados. Por questão de metodologia abordaremos as origens destas correntes antimaçónicas em França, EUA, Roma Pontifica, Espanha e América Latina de um modo mais substancial que já vão tornar pesado este traçado e mais ligeiramente as que grassaram na Bélgica, Turquia, Inglaterra, Escandinávia, Rússia e tantas outras regiões. Iniciemos, então pelo que se passou em França. Sabe-se que na primeira metade do Séc. XVIII foram férteis os libelos, panfletos, sátiras e diatribes datando de 1738 a famosa bula de Clemente XII (In Eminenti) como consequência de toda esta contracorrente face a uma Ordem que 4 – Correntes Antimaçónicas: breve resumo Diógenes de Sínope
  9. 9. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 9/27 crescia a olhos vistos em toda a Europa, constando as objecções pontificas exclusivamente sobre algumas práticas dos Francos-maçons, a saber, o pluralismo religioso, filosofia e moral baseados no naturalismo e a estigmatização do segredo e o juramento maçónicos como uma autêntica perversão moral em direcção à heresia. Detenhamo-nos um pouco sobre o que, na realidade, se passou: à medida que proliferava a Maçonaria Especulativa em terras Gaulesas uma série de obras literárias surgiram com naturalidade a evocar, dissecar e revelar o que se passava nas Lojas e não de modo linear mas bastante fantasista. Imediatamente uma reacção contrária cresceu e as pseudo-revelações maçónicas entusiasmaram o público em geral sobre o que seriam aqueles segredos e juramentos, fizeram-no enganando (com proveito económico pois foram vendidos aos milhares) e tirando partido da ignorância dos profanos em relação à nova Ordem. Vale a pena mencionar uma dessa obras (Revélation des Mystéres des Franc-Maçons) em que o autor relata a história de uma mulher de um franco-maçom que se introduz clandestinamente numa sessão da Loja indo encontrar uma série de costumes ridiculamente inventados (as palavras de passe eram longitudo, latitudo ealtitudo e descrevendo os rituais como uma espécie de comunismo rousseísta), enfim, uma quantidade de disparates que vieram contribuir para que o público em geral ficasse com uma ideia completamente diferente do que eram os maçons. Por outro lado, as obras de revelação pura e verdadeira estavam impregnadas por um olhar filosófico, moral e simbólico onde pontificavam o naturalismo de Alembert e Diderot ou da filantropia desgarrada dos imperativos cristãos. Ora, estes princípios distanciados da igreja católica e da monarquia absoluta vão desencadear os principais fundamentos das correntes antimaçónicas que aqui se podem resumir: exclusividade da amizade entre irmãos, prática de uma moral estranha ao cristianismo, acusação de voluptuosidade nos ritos, objectivo do juramento e a exclusão das mulheres (curioso recordar um dos primeiros documentos de Do Ir.’. Uriot que explica o porquê desta exclusão baseando--se, precisamente, no facto de as poupar à calúnia do deboche que, pretensamente, era praticado nas Lojas durante os seus trabalhos). Terminando este resumo do que se passou em França podemos considerar que os antimaçónicos, além de seguirem o adágio popular que diz que tudo o que é secreto ésuspeito, também ignoravam o que escreveu o mesmo Ir.’. Uriot… se os responsáveis do Estado e da Igreja tivessem adquirido a sabedoria maçónica não haveria segredos nemexclusões, sendo o segredo uma espécie de cimento sagrado que une os maçons à maneira dos primeiros cristãos das catacumbas e a exclusão uma falsa questão porque os maçons praticam a igualdade e liberdade e aplicam à vida moral as regras da arquitectura… Vamos, agora, passar ao que se passou nos EUA começando por vos relatar como oaffair Morgan deu início ao chamado Partido Antimaçónico. Antes, convém lembrar o que Michel L. Brodsky escreveu: a franco-maçonaria é fenómeno social consistente numa sociedade estruturada na qual grupos fraternos, unidos por cerimónias iniciáticas e rituais, respondem a um ambiente específico pois as suas actividades estão de acordo com as inquietações das populações (onde recrutam os seus membros) e com as suasparticularidades económicas, sociais, culturais e religiosas. O Affair Morgan resume-se a uma contenda que aconteceu em Setembro de 1826 numa terra chamada Canandaiguano Estado de Nova Iorque e que consistiu numa queixa feita pelo V.’.M.’. da Loja local sobre um roubo de uma camisa e uma gravata efectuada por William Morgan. Levado o caso à justiça o pretenso infractor foi absolvido e não se sabendo porquê, o mesmo, desapareceu misteriosamente. Os seus vizinhos subentenderam que tinha sido assassinado às escondidas (a velha justiça da noite) pelos maçons queixosos. Esta situação desencadeou uma feroz rivalidade em que um lado e o outro se digladiaram com factos não comprovados e verdades misturadas com inverdades, de tal modo, que, e coincidindo com a crise económica e social no Estado de Nova Iorque, a florescente maçonaria da época começou a decair chegando ao ponto de
  10. 10. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 10/27 um quase desaparecimento. Curioso apontar que foram as mulheres (por não poderem participar nos trabalhos das Lojas) e os habitantes rurais (calvinistas e de fraco nível cultural tendo como único livro de leitura a Bíblia) os mais ferozes opositores, facto aproveitado pela Igreja Baptista (dominante) que se tornou na líder da ofensiva antimaçónica. Nesta ofensiva poder-se-ão distinguir 2 períodos tendo no 1º (aquando do desaparecimento de W. Morgan) havido uma pressão violenta da população que resultou em muitos abandonos das Lojas por parte dos maçons e no 2º um aproveitamento político em que se deu a génese do chamado Partido Antimaçónico alternativo aos dois tradicionalmente existentes. Decorreu isto entre os anos de 1828 e 1848 com a enfâse religiosa a ser nitidamente substituída por uma moral antimaçónica, muito retórica mas eficaz, remarcando que a maçonaria e os seus segredos visavam a subversão de todas as formas de governo e que a afinidade dos maçons com a sabedoria egípcia e judaica era antagónica à política dos Pais Fundadores da Nação. Um homem, de seu nome Thurlow Weed, destacou-se neste particular conseguindo ser nomeado, na Convenção do Estado de Nova Iorque, como delegado do Comité Central Antimaçónico que viria a ser o embrião do tal 3º Partido que passou mesmo a designar-se como Antimaçónico e se espalhou rapidamente pelos Estados vizinhos dando lugar à 1ª Convenção Nacional do referido Partido realizada em Filadélfia em Setembro de 1830. Os resultados foram desencorajadores pois nas eleições de 1832 só conseguiram eleger um Governador no Estado do Vermont, Estado sem peso nacional e de pequena dimensão. O que é certo, e em suma, é que a F-M sofreu um rude golpe (só recuperado depois da Guerra da Secessão) em que os ministros dos Cultos e os políticos fizeram questão de desinformar uma população pouco culta e muito crédula de que os maçons queriam repetir os banhos de sangue da Revolução Francesa ou as práticas satânicas mas, não se poderá escamotear, também, a incapacidade da F-M em conciliar as antigas tradições com a vaga religiosa em cuja ética os Norte-Americanos se reviam. Passemos, agora, à velha Itália e a sua Roma do Sumo Pontífice onde tudo se controlava sob o bom nome de Deus. Aqui, antimaçónico conjuga-se como excomunhão e logo muito cedo Papas e as suas coortes trataram de o evidenciar promulgando bulas, realizando encíclicas e criando outros éditos a confirmarem uma condenação espiritual total. São extensos e complexos os meandros com que se digladiaram maçons e antimaçons nesta bela Nação, e assim, impõem-se resumir o que, de facto, aconteceu. Podemos começar lembrando a Época em que a unificação da Itália correspondeu à perda do poder temporal dos Papas com Pio IX e Leão XIII a serem os primeiros a organizar, com ferocidade virulenta, a chamada Liga Antimaçónica (Encíclicas Qui Pluribus e Humanum Genus). A dita Liga foi proposta em 1885 pelo Belga Arthur Verhaegen ao Papa como consequência da laicização dos bens económicos e patrimoniais eclesiásticos insinuando que a F-M seria a testa de ferro dos revolucionários e do modernismo e, inteligente e paradoxalmente, aproveitou-se da luta nacionalista para se atirar aos maçons, considerados como a raiz do mal e comparando-os aos socialistas, comunistas e anarquistas com a diferença de que eram muito piores por serem seguidores do culto do naturalismo. Por outro lado, e baseados nas Encíclicas referidas, uma série de livros, panfletos, revistas e jornais deram à estampa desatando a construir um ódio sustentado na ignorância e, rapidamente, vários autores (o Padre Regnault como autor do Manual da Liga Antimaçónica merece referência) desencadearam uma campanha em que a condenação dos maçons (as leis civis e os costumes impediam que fossem mortos) se baseou em preconceitos pois os seus crimes não eram senão o desejo de imporem o progresso social através da igualdade e da
  11. 11. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 11/27 liberdade. Aquela campanha desenvolveu-se em 3 níveis: político, económico e cultural culminando todos numa dicotomização da sociedade italiana em que de um lado estavam os homens de bem (clérigos e realeza), e do outro, os do mal (maçons e republicanos). A igreja católica mobilizou todos os seus instrumentos e instituições conseguindo introduzir falsos conceitos (como o da maçonaria ter origem no judaísmo e com quem queriam formar uma espécie de Internacional Maçónica) indo ao encontro dos desejos de uma burguesia conservadora em relação às reformas sociais e impondo na consciência do cidadão comum a ideia que, de um lado estavam a Itália liberal e maçónica (logo satânica) e do outro todos os que apoiavam a igreja católica na demanda entre o arcaísmo e a modernização, ou seja, entre a retoma do poder temporal pelo Vaticano e os que procuravam as verdades baseados na razão, os que lutavam contra a guerra, os que estimulavam a educação das classes populares ou a emancipação da mulher e mesmo os que queriam desapegar a moral das superstições e vaidades, numa palavra, dos que queriam a laicização da vida social. Enfim, e concluindo, pode afirmar-se que a Liga Antimaçónica conseguiu, apenas, lançar a primeira pedra dos totalitarismos que surgiram no Séc. XX. Vamos passar ao resumo do que se passou em Espanha e na América Latina começando por vos apontar uma diferença marcante em relação às outras correntes antimaçónicas, a saber, tratou- se de um antimaçonismo institucional contrariamente ao antimaçonismo sociopolítico das outras correntes. Em Espanha tudo começou em 1738, data da primeira condenação do sumo Pontífice à maçonaria sob uma dupla orientação político-religiosa (o rei e o papa). O Monarca, servindo-se do Tribunal da Inquisição, publica uma série de Decretos-Reais a interditar a F-M, nomeia inquisidores-gerais, premeia a delação e a denúncia dos maçons e proíbe a divulgação da literatura maçónica. Depois do fim da Inquisição (1830) serão as pastorais dos bispos que recomendam a todo o clero que cumpram as leis reais juntando-se também a imprensa católica publicando meias- verdades (com a particularidade de só serem escritas as meias-mentiras). Um episódio fulcral foi o deputado Carlista (Vasquez de Mella) ter apresentado nas Cortes de Madrid uma proposta de Lei que considerava a F-M ilegal, traidora à pátria e obrigando os maçons a serem expulsos dos cargos públicos (para recordar que a 1ª interdição aos maçons datava de 1751 no reinado de Fernando VI). Entre este monarca e passando por Carlos III e IV, Fernando VII e Isabel II foram publicados dezenas e dezenas de decretos a interditar a F-M, ora, estes decretos reais levaram a que a polícia, governadores civis e comandantes das colónias tornassem institucional o antimaçonismo. Já no Séc. XIX foram os Carlistas a promoverem estas acções tendo sido substituídas, no Séc. XX pelos fascistas de Franco que agudizaram ainda mais a repressão tornando-a tão feroz que culminou com a criação do Tribunal da Repressão da Franco-Maçonaria no ano de 1940 e que ficou em actividade até 1965 (uma curiosidade é que pela acção desta repressão ficou em arquivo uma das maiores bases de dados dos trabalhos da lojas maçónicas que foram apreendidas pela polícia). Como consequência deste antimaçonismo institucional surgiu um ainda pior que foi o chamado antimaçonismo popular, ainda hoje grassando em terras espanholas, considerando os maçons como libertinos, ladrões e heréticos, e pior ainda, associando-os aos comunistas, separatistas, judeus, anarquistas e outros revolucionários. Trata-se, portanto de uma corrente antimaçónica, nos primeiros anos defensiva, ou seja, luta contra uma Ordem de características difíceis de compreender (o segredo e o juramento) e que no fim se tornou ofensiva engendrando-se uma autêntica guerra contra a F-M, à vez, jurídica e ideológica, e desde as bulas à introdução no Código de Direito Canónico e culminando com a expressividade nas Constituições, não só se excomungavam os maçons como também os puniam de acordo com a Lei, ou seja, fizeram do antimaçonismo a união entre a religião, pátria e harmonia social (vale a pena recordar que durante a Inquisição nenhum maçon foi condenado à
  12. 12. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 12/27 morte e à prisão mas em pleno Séc. XX foram muitos os banidos, os assassinados e os condenados a prisão perpétua). Na América Latina o antimaçonismo religioso e eclesiástico seguiu as pegadas da mãe Espanha tendo a componente política cessada com a independência das respectivas colónias mas não completamente pois só atenuou tendo o próprio Simão Bolívar, em 1828, assinado um decreto a proibir toda a associação secreta qualquer que fosse a sua denominação. Os casos particulares do México e Cuba merecem referência pois a F-M foi bem aceite a nível popular. Hoje, poder-se-á afirmar que as correntes antimaçónicas praticamente desapareceram neste subcontinente sul- americano pois, após ter sido legalizada, desenvolveu um trabalho social e filantrópico de enaltecer não esquecendo algumas questões, sobretudo a nível religioso e ideológico, que ensombram o verdadeiro papel da N.’.A.’.O.’., e se os famosos segredos e juramentos já pouco inquietam, o facto de a F-M ser oposta à igreja e associado ao judaísmo e correntes revolucionárias ainda permanece na mente daqueles que julgam estar a F-M por detrás da Independência das Américas. Não gostaria de terminar sem referir que em muitas regiões do Planeta estas correntes antimaçónicas grassaram de acordo com as características de cada Nação, e desde o affair Imianitoff na Bélgica (em que um falso médico, que foi o criador da medicina social e preventiva, foi acusado e condenado pelos seus ideais maçónicos) passando pela Turquia (onde se caracterizou pela catalogação do maçom como ateu e irreligioso) ou pela Escandinávia (onde o carácter cristão da F-M amenizou a polémica mas com uma oposição filosófica marcada e com a curiosidade de na Suécia ter sido o próprio Rei a defender a F-M aquando do antimaçonismo lançado pelos nazis da Alemanha) ou ainda pela Inglaterra (onde pode parecer paradoxal mas o antimaçonismo existiu quase sempre ligado a pessoas mas nunca estruturado ou generalizado e, nos tempos actuais por estar intimamente ligado ao chamadoEstablishment, ou seja, igreja, monarquia e partidos políticos, que estão em nítida decadência). Mesmo no Irão (onde a F-M é recente mas considerada como o catalisador da modernização tendo, inclusivamente, redigido a Constituição de 1905 que cessou a monarquia absoluta, mas não sem ser reprimida pela revolução de 1978) ou na Grécia, Rússia, Hungria e Alemanha muito haveria a relatar mas já vai longo o traçado e à guisa de conclusão podemos afirmar que as correntes antimaçónicas podem ser analisadas sob duas formas, desiguais pelas suas intenções: por um lado o fundamento doutrinal que visa limitar a influência da F-M na vida política, cultural ou social, e por outro, na sua versão mais radical, a anatemização pura e simples da Ordem Maçónica. Na minha opinião valeu a pena ter elaborado este Traçado pois ele incita-nos a uma reflexão profunda num momento onde a perda de determinados valores universais fazem com que medrem nacionalismos e xenofobias que outrora só as sociedades desprovidas de cultura democrática promoveram. E se desde os primórdios as correntes antimaçónicas se iniciaram pela zombaria, comparando maçons a filósofos e ateus, logo cresceram no seu antagonismo. As sociedades humanas, periodicamente, necessitam de catalisar as suas frustrações em bodes expiatórios (os judeus foram os primeiros e agora são os maçons) havendo, pois, que resumir, racionalmente, nos dois grandes inimigos naturais da F-M (ignorância e fanatismo) a solução do problema, vale dizer, procurar a Luz construindo-nos na virtude, tolerância, liberdade, igualdade, justiça e fraternidade.
  13. 13. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 13/27 (do site: O Ponto Dentro do Círculo) Seu espaço para estudos e pesquisas A Maçonaria espera que sejamos Maçons! Publicado em 21 de janeiro de 2016por Luiz Marcelo Viegas Ir Leonel Ricardo de Andrade Grão-Mestre ad Vitam – GLMMG Estimado Irmão, Ouso dizer-lhe que um Homem Iniciado só será verdadeiramente Maçom quando conhecer a si mesmo e, a partir de então ser capaz de compreender aqueles que o cercam, entendendo as suas tristezas, fraquezas e até faltas, mas, sobretudo, tendo a coragem de dizer-lhes o quão é necessário que a sinceridade e a lealdade prevaleçam sobre os interesses individuais de cada um. Um homem só será verdadeiramente Maçom quando, como disse Joseph Fort Newton, tiver mantido a fé em si mesmo, no seu semelhante, no seu Deus e, na sua mão uma “espada” contra o mal, no seu coração o “toque de uma canção”, feliz por viver, mas sem medo de morrer. Ou seja, buscando incessante e insistentemente a VERDADE sobre todas as coisas. Digo-lhe que enquanto Maçons precisamos buscar sempre uma maior aproximação, uma melhor estruturação e organização de nossa Ordem, em especial sob o PONTO DE VISTA SÓCIO – POLÍTICO e ADMINISTRATIVO, no sentido de termos de fato uma vivência plena da ESSÊNCIA Maçônica, sem vaidades e sem divisões em nossa UNIVERSALIDADE, para fazermos a diferença nas comunidades onde nossas Lojas estejam inseridas. Nesse sentido, meu Amado Irmão, a ESSÊNCIA Maçônica está na capacidade em que cada Iniciado tem em compreender e exercer os seus DEVERES, RESPONSABILIDADES e PAPÉIS perante todos os ENTES que o cercam. Mas, atente-se, pois para o DISCERNIMENTO necessário a essa CONSCIÊNCIA é preciso estudo e compreensão dos ensinamentos contidos na Simbologia e na prática da Ritualística Maçônica. Eis que, nesse mister, cabe à Loja não somente Iniciar o Homem, mas, sobretudo, instruí-lo e prepará-lo para uma nova etapa em sua vida. 5 – A Maçonaria espera que sejamos Maçons Leonel Ricardo de Andrade
  14. 14. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 14/27 Dito isso, é fundamental que as Lojas Maçônicas e seus Obreiros percebam um fato inquestionável: o de que a sociedade humana vem ao longo dos anos se envolvendo em inúmeras necessidades banais, criadas por mentes vaidosas e vazias, que perdeu de vista a sua realidade e as suas raízes, para uma assustadora e avassaladora inversão de valores éticos e morais, a ponto de afetar inclusive os valores de instituições consideradas até então “inquestionáveis”, tais como a própria família, a Maçonaria, entre outras. Você pode estar a perguntar: o quê a Maçonaria e eu temos a ver com isso? Ou nós nos adequamos à realidade de um mundo extraordinariamente dinâmico e espantosamente instável ou estaremos irremediavelmente condenados a desaparecer em poucos anos. Não pelo fechamento das portas de nossos Templos ou encerramentos de nossas atividades, mas, simplesmente, por falta de CREDIBILIDADE. Primeiro entre nós mesmos e depois perante a sociedade de um modo geral. Lembro-lhe de que a razão de nossa existência nunca foi, não é, e nunca será fundamentada na prática da filantropia, da caridade e da beneficência. Ou a Maçonaria, através das LOJAS MAÇÔNICAS, se empenha em transformar o Homem Maçom em um LÍDER capaz de promover mudanças profundas no ESTRATO SOCIAL ou seremos tão somente meros expectadores de uma história recheada de fatos negativos e deletérios aos reais interesses de cidadão e trabalhadores, a exemplo do que vem sendo escrito no Brasil de hoje por autoridades e políticos corruptos e sem princípios éticos e morais. É por isso e por muito mais que a nossa participação na sociedade deve estar ligada a todas as situações que interferem no desenvolvimento humano. Precisamos ter consciência do potencial universal e divino da Sublime Ordem Maçônica, pois nenhuma outra organização possui a estrutura humana que ela tem: quem abriga em seu seio tamanha diversidade de homens (etnias, crenças, profissões, etc.), na busca de um objetivo comum – a evolução da humanidade? Mas, na mesma medida em que possuímos uma estrutura invejável, adotamos uma postura acomodada e isenta de ações efetivas e concretas para melhorarmos os ambientes aos quais pertencemos e ou frequentamos. Por exemplo: É gritante a falta de instrução, conscientização e conhecimento do que vem a ser Maçonaria – REPITO: muitos ainda consideram-na filantrópica. “Arrepia-me tamanha ignorância”; As nossas Sessões Ordinárias duram em torno de 120 minutos e os períodos de estudos ou de instrução, quando utilizados, duram em torno de cinco a quinze minutos. É lamentável ver que muitos querem encurtar as Sessões, simplesmente para ampliar a “segundinha”, sempre regada com muita cerveja, cachaça e outros produtos não menos etílicos. Quando algum irmão mais interessado tenta apresentar um trabalho mais elaborado, a reclamação é certa, vai atrasar o andamento da sessão e, consequentemente a “segundinha” vai ficar prejudicada. Perguntas: como instruir-se em tempo tão exíguo? Como esgotar a discussão de um assunto interessante em tempo tão curto? Como a Diretoria de uma Loja pode propor uma ORDEM DO DIA que seja de fato produtiva e edificante? Aliás, o que temos discutido nas “ORDENS DO DIA” de nossas Reuniões? É grande o número Mestres Maçons que, ao atingirem essa condição, deixam de estudar, pois acham, coitados, que atingiram a plenitude maçônica e, pensando assim prejudicam muito o desenvolvimento de Aprendizes e Companheiros, razão fundamental de EXISTÊNCIA do próprio Mestre. Talvez seja este o maior problema interno de nossa Ordem – o excesso de
  15. 15. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 15/27 confiança daqueles que se vêem como ”líderes”, mas que não o são e tão somente se comportam como indivíduos vaidosos e cheios de presunção; Muitos, por desconhecimento de nossos PRINCÍPIOS mais elementares, param no tempo e não aceitam que se discuta dentro das Lojas assuntos de interesse geral, inclusive da Ordem, como as questões Políticas, Econômicas e Sociais. A nossa falta de posicionamento político contribuiu e tem contribuído para o estado de coisas que ora assistimos no país como um todo – onde o que prevalece é a FALTA DE ÉTICA, a CORRUPÇÃO e a IMPUNIDADE; Quantas vezes presenciamos impassíveis, o comportamento anti-maçônico de muitos Irmãos, verdadeiros “profanos de avental”, que querem fazer de seus defeitos e vícios, regras morais para os demais – é o resultado final da falta de estudo e de conhecimento dos Princípios elementares, que aliados à presunção do falso saber “entronizam” os FALSOS LÍDERES acerca dos quais já fiz menção acima; A tudo isso se soma a um verdadeiro desrespeito às tradições históricas da Ordem, onde candidatos são indicados sem os menores critérios e ou cuidados, permitindo que indivíduos sem princípios utilizem a Maçonaria, unicamente para a conquista de benefícios pessoais e ou profissionais – isto já nos enfraqueceu demais. Veja só: sob o pretexto de sermos em pequeno número, se comparados a outras organizações, alguns defendem e promovem abertamente a iniciação indiscriminada de profanos, propiciando assim, o acesso aos nossos Templos, Ritos e Rituais, à pessoas que em nada engrandecerão nossas colunas. Sem contar a enormidade de publicações indevidas sobre a ordem em revistas, livros de qualidade duvidosa, Internet, entre outros. Como se isso fosse fundamental para estarmos mais próximos da sociedade, tal qual fazem e agem certas seitas religiosas – há anos venho alertando sobre este estado de coisas. Já fui inclusive taxado de preconceituoso e antidemocrático, por não aceitar a iniciação de pessoas “oportunistas”. Até quando seremos coniventes com Irmãos se lamentando sobre o que a Maçonaria fez ou está fazendo por eles, quando em verdade deveriam analisar sobre o que poderiam eles fazer pela Maçonaria? Já que é dever de todo Maçom conhecer e saber quais são os objetivos da Sublime Ordem a qual pertence, devendo se comprometer com a plena realização e concretização dos mesmos, sempre atento aos seus atos e hábitos diários, pois são eles que constroem ou destroem o desenrolar de suas vidas, seja no mundo profano, seja no mundo maçônico. O Maçom deve ter consciência de que, antes de ser um homem que se envolve em relações simplesmente materiais, é um elemento que se colocou à disposição do equilíbrio entre todas as coisas e criaturas, e, consequentemente pela evolução da sociedade humana e de tudo que a cerca. Por esse motivo me dirijo novamente a você, no sentido de pedir-lhe: nunca deixe de discutir os rumos de nossa Sublime Ordem junto aos irmãos de vossa Loja, pois existem em nossas bases homens que podem e devem contribuir para o engrandecimento da Maçonaria Universal, despertando a vontade e a necessidade de muito trabalho para que as nossas marcas sejam deixadas pelo caminho, e que o amanhã seja melhor do que o hoje e do que o ontem. Um Tríplice e Fraternal Abraço, Leonel
  16. 16. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 16/27 Este Bloco é produzido pelo Irmão Pedro Juk, às segundas, quartas e sextas-feiras Proposta e óbolo Em 18.09.2015 o Respeitável Irmão Cláudio Rodrigues, sem declinar o nome da Loja, REAA, GLMMG, Oriente de Belo Horizonte, formula a seguinte questão: claudiorodrix33@gmail.com Sobre a mão direita no Tronco de Solidariedade, objeto deste Informativo (JB NEWS, 1.814) o que fazemos em MG, com a mão esquerda. A mão direita o fazemos quando da Proposta e Informações. Por favor, Mano Juk dê sua - Professoral - respeitada e abalizada opinião. Considerações: - Mano Cláudio, mesmo que a situação seja adversa aos verdadeiros costumes, saliento que o Ritual deve ser rigorosamente cumprido. Quanto à mão que vai à bolsa, tradicionalmente, seja ela destinada para as propostas ou para a caridade faz-se o gesto sempre com a mão direita (com a mesma mão que executa a pena simbólica pelo Sinal). Infelizmente alguns tratadistas abeirados pelas suas próprias opiniões inseriram ao longo dos tempos na Maçonaria opiniões oriundas dos seus costumes pessoais, tal como aqueles que justificam ser a mão esquerda propícia para a caridade por ser ela coincidente com lado do coração – eu particularmente penso que essa justificativa é capenga e não se coaduna com a razão. Penso assim até porque a coleta do óbolo nos moldes como praticamos no REAA é oriunda da Maçonaria Francesa que é filha espiritual do Século das Luzes, o que a fez deixar que os credos pessoais respeitosamente ficassem restritos ao de foro íntimo de cada um. Assim, em Maçonaria essa atitude que corresponde à mão do coração não pode ser tomada como justificativa, sobretudo pelo respeito à coletividade maçônica que deve sempre estar distante de opiniões individuais ou de grupos particulares. Infelizmente isso nem sempre é observado em alguns rituais das Obediências brasileiras, daí o aparecimento dessas distinções de costumes na prática de um mesmo Rito aqui no Brasil. Por fim eu gostaria de salientar que essas considerações não têm qualquer intuito de desrespeitar um ritual legalmente aprovado. A opinião aqui emitida tem apenas o propósito de colaborar com o esclarecimento. T.F.A. - PEDRO JUK – Nov/2015 jukirm@hotmail.com – 6 – Perguntas & Respostas Pedro Juk Não esqueça: envie sua pergunta identificada pelo nome completo, Loja, Oriente, Rito e Potência.
  17. 17. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 17/27 (as letras em vermelho significam que a Loja completou ou está completando aniversário) GLSC - http://www.mrglsc.org.br GOSC https://www.gosc.org.br Data Nome Oriente 07.04.1997 Expedicionário Nilson Vasco Gondin Florianópolis 12.04.1997 Lara Ribas Florianópolis 21.04.1979 Colunas do Imbé Imbituba 26.04.1979 Duque de Caxias Florianópolis 28.04.1990 Luz do Vale Rio do Sul 28.04.2008 Consensio Içara Data Nome da Loja Oriente 02.04.2013 Sol do Oriente nr. 107 Balneário do Rincão 05.04.1983 Acácia Negra nr. 35 Mafra 08.04.2015 São Miguel da Terra Firme nr. 110 Biguaçú 09.04.1952 Fraternidade Tubaronense nr. 09 Tubarão 14.04.1956 Mozart nr. 08 Joinville 14.04.2014 Amadeus Mozart nr. 108 Joinville 15.04.2007 Acácia Riosulense nr. 95 Rio do Sul 18.04.1997 Padre Roma nr. 16 São José 21.04.1982 Inconfidência de Concórdia nr. 27 Concórdia 24.04.2001 Liberdade e Harmonia nr. 81 Florianópolis Lojas Aniversariantes de Santa Catarina Mês de abril 7 – Destaques (Resenha Final)
  18. 18. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 18/27 GOB/SC – http://www.gob-sc.org.br/gobsc Data Nome Oriente 02.04.1860 Regeneração Catarinense - 0138 Florianópolis 03.04.1998 Pedra Da Fraternidade - 3149 Itapoá 04.04.1974 Hermann Blumenau - 1896 Blumenau 12.04.1973 Plácido O De Oliveira 2385 Rio do Sul 19.04.1996 Universo Da Arte Real - 2947 Penha 23.04.2012 Ética E Justiça Florianópolis 24.04.1995 Estrela Da Harmonia -2868 Criciúma 25.04.2003 Laelia Purpurata - 3496 Camboriú 28.04.2003 Harmonia E Fraternidade -3490 Florianópolis
  19. 19. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 19/27 Novos Empossados na Academia Catarinense Maçônica de Letras Mesa diretoria dos trabalhos: Irmão Salésio G.Mestre Adjunto do GOB, Ir. Edy Luft, Presidente da Academia Maçônica de Letras e Ir. Paulo Velloso, VM da Loja Alvortada da Sabedoria. Empossados Irmãos José Baltazar e Marcos de Oliveira
  20. 20. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 20/27 A Academia Catarinense Maçônica de Letras realizou na noite desta segunda-feira (18), Sessão Solene Pública de posse de mais dois novos acadêmicos. A sessão foi realizada nas dependências do Templo da Fundação Arte Real, (FAR) sob a presidência do Irmão e Confrade Edy Genovez Luft. A abertura dos trabalhos esteve a cargo do Irmão Paulo Velloso, Venerável Mestre da Loja professor Mâncio da Costa que em seguida transferiu a condução da cerimônia para o Presidente Luft. Foram empossados os irmãos José Baltazar Salgueirinho Osório de Andrade Guerra (Loja Simbólica “Universitária Álcio Antunes”, N. 3.778), na Cadeira N. 39, cujo Patrono é o pranteado Irmão Sérgio Boppré, e Marcos de Oliveira, (Loja “Alvorada da Sabedoria”, N. 4.285), na Cadeira N. 32, cujo Patrono é o pranteado Irmão Brasilicio Celestino de Oliveira. Estiveram presentes irmãos e confrades da Academia, das Lojas Professor Mâncio da Costa, Alvorada da Sabedoria e Alcio Nunes, além de irmãos de outras lojas e Potências maçônicas, convidados, amigos e parentes dos empossados. O Grande Oriente do Brasil esteve representado pelo Poderoso Irmão Altair Salésio, Grão-Mestre Adjunto. IRMÃO MARCOS DE OLIVEIRA E O PANEGÍRICO EM LOUVOR DE BRASILIO CELESTINO DE OLIVEIRA JUNIOR “Inicio minha fala para saudar nosso Presidente, o Acadêmico Edy Genovez Luft e o Venerável Mestre Paulo Roberto Velloso, da Benemérita Augusta e Respeitável Loja Simbólica “Professor Mâncio da Costa”, nº 1977, nossos anfitriões, e em seus nomes, estender os cumprimentos a todos os acadêmicos presentes, maçons independente de Obediências ou Ritos, distintas famílias, autoridades civis e militares, minhas senhoras e meus senhores.
  21. 21. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 21/27 Primeiramente registro meu agradecimento pela confiança depositada pelos generosos Irmãos que aprovaram minha indicação para integrar a Academia Catarinense Maçônica de Letras, na qualidade de seu mais novo acadêmico. De forma especial, agradeço ainda à minha família. Aos meus pais, Walmor (em memória) e Paula. À Marisol, minha mulher, e aos meus filhos, Isabella e João Gabriel, por toda a compreensão, apoio e pela continuada paciência. À vocês meu eterno amor! Minha gratidão aos Irmãos da Augusta e Respeitável Loja Simbólica “Alvorada da Sabedoria”, nº 4285, pelo incondicional apoio e constantes ensinamentos, bem como ao confrade Coronel PM RR Roberto Rodrigues de Menezes, Presidente da Academia de Letras dos Militares Estaduais, a qual tenho orgulho de pertencer como membro fundador, ocupando a cadeira 11, que tem como patrono o Cel PM RR Ruy Stockler de Souza. Feitos os devidos agradecimentos, valho-me da oportunidade para traçar um breve comentário inicial sobre a Academia Catarinense Maçônica de Letras, fundada em 21 de abril de 1989, por doze visionários, todos obreiros da Centenária Loja Maçônica Regeneração Catarinense, nº 138, fundada em 1859, filiada ao Grande Oriente do Brasil, Santa Catarina. Destaco que a expressão “academia” remonta a famosa “Academia de Platão”, escola fundada pelo célebre filósofo grego que pretendia alcançar a sabedoria através do debate promovido pela dialética socrática ao contrário da tradicional escola de Isócrates onde o conhecimento consistia na mera repetição do saber. Neste viés cito Schopennhauer que em seu livro “A arte de escrever” afirmou: “Pois é apenas por meio da combinação ampla do que se sabe, e da comparação de cada verdade com todas as outras, que uma pessoa se apropria de seu próprio saber e então o domina”. Portanto, o saber não está na ciência alheia, que se absorve, mas, principalmente, como disse Rui Barbosa, “nas ideias próprias, que se geram dos conhecimentos absorvidos, mediante a transmutação, por que passam, no espírito daqueles que os assimila.” Neste momento, passo a discorrer brevemente sobre o Acadêmico Enyr José Cecconi, antigo ocupante da cadeira 32 desta Academia e que recentemente (16 de janeiro de 2016) passou para o Oriente Eterno, com 86 anos de idade. Enyr José Cecconi, jornalista, advogado e maçom, nasceu na cidade de Passo Fundo, RS, em 01 de janeiro de 1930. Filho de Guerino Cecconi e Elvira Meneguzzo Cecconi, casou-se com a Sra. Natalina Bombassaro Cecconi e teve dois filhos, Paulo Roberto Cecconi e Márcia Regina Cecconi Beduschi. Aposentou-se como Procurador do Estado de Santa Catarina. Nosso saudoso acadêmico Enyr José Cecconi, foi iniciado em 02 de dezembro de 1980, nesta Benemérita Augusta e Respeitável Loja Simbólica “Professor Mâncio da Costa”. Elevado em 1981, foi exaltado no mesmo ano. Mestre instalado em 1995, na ARLS Palmeira da Paz, nº 2121, do Oriente de Blumenau, SC, atuou como Chanceler, Orador e Venerável da Loja, no período de 1991 à 1997. Progrediu por todos os graus filosóficos, alcançando o grau 33 em 1999, no Mui Poderoso Consistório de Príncipes do Real Segredo, nº 7, do Oriente de Florianópolis. Foi diplomado e recebeu a Medalha do Mérito Maçônico Catarinense, a Medalha de Benemérito da Maçonaria Catarinense e era ativo membro desta Academia. Prezados Irmãos e Confrades, dedicarei agora atenção ao Patrono da cadeira de número 32, desta renomada Academia Catarinense Maçônica de Letras, o Irmão Brasilio Celestino de Oliveira Junior. Nascido na cidade de Rio Negro, Paraná, em 10 de março de 1912. Filho de Brasilio Celestino e de Maria José Celestino de Oliveira, casou-se com a Sra. Iracema de Oliveira e foi um dos primeiros advogados a aportar na então Cruzeiro do Sul, atual município de Joaçaba. Ali atuou em conjunto com o Dr. Antonio Nunes Varella e o Dr. Gaspar Coutinho, elevando o nome da advocacia naquela região do meio oeste catarinense, às margens do Rio do Peixe. Faleceu de forma precoce em 06 de julho de 1976, aos 64 anos de idade, devido a problemas cardíacos agravados pelo tabagismo. Na vida profana exerceu vários cargos relevantes, com destaque para as funções de Delegado Regional e de Promotor nomeado, mas acabou sendo exonerado do cargo por não enquadrar-se na orientação ditatorial vivenciada pelo país à época.
  22. 22. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 22/27 Uma de suas principais atuações foi junto ao jornalismo, sendo diretor e sócio proprietário da Emissora Rádio Sociedade Catarinense (rádio pioneira no meio oeste catarinense, que atendia pelo prefixo ZYC-7) e do Jornal Semanário Cruzeiro do Sul, onde sempre defendeu os interesses maiores da região. Na rádio fez amizade com os irmãos Adolfo e Walter Zigelli e conheceu também nosso Ir. Enyr José Cecconi, recentemente falecido e antigo acadêmico ocupante da cadeira 32, quando o mesmo iniciava suas atividades como jornalista naquela mesma emissora de rádio. Com a morte do Sr. Guilherme Zigelli, pai dos irmãos Adolfo, Walter e da irmã Gertrudes, Brasilio passou a atuar como uma espécie de tutor dos irmãos Zigelli, mudando-se para Florianópolis em 1956, onde acabaram trabalhando juntos (Adolfo foi Chefe de Gabinete na Secretaria do Interior e Walter trabalhou no Gabinete do Governador Jorge Lacerda). Atuou na política, como “udenista” ou seja, defensor da União Democrática Nacional (UDN), partido político fundado em 07 de abril de 1945, que representava uma orientação mais conservadora, de forte oposição ao populismo de Getúlio Vargas. Destaca-se sua atuação como Secretário do Interior e Justiça, no Governo de Jorge Lacerda1 . Em 1966, juntamente com Cid Pedroso, o Irmão Brasilio, egresso da ex-UDN, lançou-se candidato ao Senado pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido político brasileiro que abrigou os opositores do Regime Militar de 1964 ante o poderio governista da Aliança Renovadora Nacional (ARENA), mas ambos foram derrotados. Depois disso, foi suplente de Senador, na chapa junto com Irineu Bornhausen2 , no período de 1959 a 1967, tendo por diversas vezes, assumido o cargo e dignificado o Estado de Santa Catarina. Durante as pesquisas, descobrimos que Brasilio Celestino de Oliveira Junior emprestou seu nome para dois logradouros nas cidades de Mafra, em Santa Catarina, e em Rio Negro, Paraná, sua cidade natal. Descobrimos também uma lei de nº 822, datada de 01 de dezembro de 1976, na qual o Prefeito de Joaçaba, Raul Furlan, homenageou nosso Irmão Brasílio, colocando seu nome numa praça, a Praça Brasilio Celestino de Oliveira, a qual localiza-se em frente da antiga Estação Rodoviária Municipal. Nosso Irmão Brasilio Celestino de Oliveira Junior iniciou sua jornada na vida maçônica em 06 de junho de 1940, ao ingressar como aprendiz maçom, na Loja Cruzeiro do Sul, de Joaçaba, SC. Foi Mestre Maçom em 27 de julho de 1940. Alcançou o mais alto Grau na Ordem, destacando-se por ocupar vários cargos na administração de sua Oficina, onde atuou como Orador em sete administrações, no período de 1957 à 1976, e Hospitaleiro, no período de 1962 e 1963. Foi Delegado do 5° Distrito Maçônico com Sede no Oriente de Joaçaba, SC, e fundador de uma Loja de Aperfeiçoamento, também em Joaçaba, a qual leva o seu nome. Foi grande representante da Grande Loja do Amazonas, Acre, Rondônia e Rio Branco, onde atuou como Grande Orador de 1956 à 1959 e 2° Grande Vigilante de 1959 à 1962. De acordo com um relato deixado por seu colega jornalista e admirador, o acadêmico Enyr José Cecconi: Brasilio Celestino de Oliveira Junior marcou sua trajetória com espírito de humanidade, bondade espontânea e praticou sempre a caridade. Nunca deixou de atender a quem quer que fosse - rico ou pobre - demonstrando uma postura humanizada, de alguém que tem a alma impregnada de sabedoria e bondade. Em rápidas palavras, este é Brasilio Celestino de Oliveira Junior, mui digno patrono da cadeira 32 da Academia Catarinense Maçônica de Letras. Finalizo minhas palavras, cumprimentando o Irmão José Baltazar Salgueirinho Osório de Andrade Guerra, da Augusta e Respeitável Loja Simbólica “Universitária Álcio Antunes”, nº 3778, novo ocupante da Cadeira nº 39, cujo Patrono é o pranteado Irmão Sérgio Boppré. Ressalto por fim que o futuro desta Academia dependerá agora da atuação dedicada e comprometida de cada um de seus membros instalados, e também da ajuda e do apoio das demais academias, portanto conclamo a todos ao estudo, a produção literária e ao debate das ideias.
  23. 23. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 23/27 Acredito que o que nos alimenta para existir e sonhar um futuro melhor é aquilo que o educador Paulo Freire chamava de a busca por construir o “inédito viável”, ou seja, aquilo que ainda não é, mas pode vir a ser. Como disse François Rabelais, na sua obra prima Gargantua e Pantagruel, “Conheço muitos que não puderam quando deviam, porque não quiseram quando podiam”. Se queremos e podemos, então também devemos sonhar e transformar nossos sonhos em realidade! Sonhar então não é mais delirar, sonhar é desejar e procurar alcançar o objetivo que oferecerá honra e paz de espírito ao sonhador. Muito obrigado pela oportunidade, parabéns a todos e vida longa a Academia Catarinense Maçônica de Letras de Santa Catarina. 1 Jorge Lacerda (1914-1958), médico e advogado, foi um político brasileiro, filho de imigrantes gregos. Foi Governador de Santa Catarina (de 1956 a 1958) e Deputado Federal por duas vezes. Morreu em um acidente aéreo aos 43 anos idade. No mesmo desastre também faleceram Nereu Ramos e Leoberto Leal. 2 Irineu Bornhausen (1896-1974) foi um político brasileiro, que exerceu as funções de Vereador e Prefeito da cidade de Itajaí, Governador de Santa Catarina (de 1951 a 1956), Deputado Federal por Santa Catarina (de 1959 a 1963) e Senador da República (de 1959 a 1967). Homenagens ao JB News: Na mesma sessão, o JB News foi homenageado pela Loja Professor Mâncio da Costa (GOB/SC) e pela própria Academia Maçônica de Letras, pela passagem de sua sua edição nr. 2000. O JB News foi homenageado pela Loja professor Mâncio da Costa com Diploma de Mérito Maçônico e um estojo com Malhete e suporte, entregues pelo Irmão Paulo Velloso VM e Ir. Valmor Backes Grão-Mestre de Honra do GOB/SC.
  24. 24. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 24/27 Coube ao Irmão José Carlos Pacheco, ex Grão-Mestre do GOSC e atual Secretário Geral da Academia Catarinense Maçônica de Letras, de fazer entrega em nome desta, do Diploma respectivo. Acesse o link e acompanhe alguns dos registros fotográficos da Sessão Magna de Posse: https://picasaweb.google.com/103634428674850958508/AcademiaCatarinenseMaconicaDeLe tras1804016?authkey=Gv1sRgCLSSsO2-9bPU3AE
  25. 25. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 25/27 Na tarde desta última segunda-feira, o Irmão Borbinha. Nosso correspondente, não perdeu a oportunidade de registrar a reunião da de Avaliação do GOB Santa Catarina, realizada em sua sede, com respeitável equipe sob o comando do Eminente Grão-Mestre Adalberto Aluízio Eyng e Poderoso Grão-Mestre Adjunto Irmão Salésio.
  26. 26. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 26/27 Os vídeos são pesquisados ou repassados, em sua maioria, por irmãos colaboradores do JB News. 1 – Caso você tenha perdido 7 Ótimos Motivos Para Você Tomar Banho Frio! Exibir Conteúdo 2 – Aviação – Grupo de Caça na Itália: Aviação - GUA-Grupo de Caça na Itália-.mp4 3 – Aviação: Aviação 560ª remessa.pps 4 – Pinturas da Idade Média: Pinturas da idade média.pps 5 – O castelo das Mulheres: O castelo das mulheres.pps 6 – Catedral de Notre Dame: Catedral de Notre-Dame_Paris.pps 7 – Filme do dia: (Meu Filho meu Mundo) – dublado Quando nasceu, Raun era um saudável e feliz bebê. Com o passar dos meses, seus pais começam a observar que havia alguma coisa estranha com ele, sempre com um ar ausente. Um dia vem a confirmação do que suspeitavam, Raun tinha autismo. Decidem então penetrar no mundo da criança, acreditando que somente o milagre do amor poderia salvá-lo. https://www.youtube.com/watch?v=AYra_5668lE
  27. 27. JB News – Informativo nr. 2.027– Florianópolis (SC) – quarta-feira, 20 de abril de 2016 Pág. 27/27 Praia dos Naufragados – Ponta do Sul da Ilha – Florianópolis (foto JB News)

×