SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
ALGUNS FATORES DE RISCO PARA O SUICÍDIO: 1 - TRANSTORNOS MENTAIS: ,[object Object]
 Transtornos mentais e de comportamento decorrentes do uso de substâncias psicoativas (Ex: Alcoolismo);
 Transtornos de personalidade(principalmente Borderline, Narcisista e Antissocial);
 Esquizofrenia;
 Transtornos de ansiedade;
 Associações potencializam riscos (Ex:alcoolismo + depressão),[object Object]
3)PSICOLÓGICOS Perdas recentes; Perdas de figuras parentais na infância; Dinâmica familiar conturbada; Datas importantes; Reações de aniversário; Personalidade com traços significativos de impulsividade, agressividade, humor lábil. 4) CONDIÇÕES CLÍNICAS INCAPACITANTES Doenças orgânicas incapacitantes; Dor crônica; Lesões desfigurantes perenes; Epilepsia; Neoplasias malignas; AIDS.
ATENÇÃO: OS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO PARA O SUICÍDIO SÃO: 1)História de tentativa de suicídio; 2)Transtorno mental
[object Object],[object Object]
EXISTEM TRÊS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DO ESTADO EM QUE SE ENCONTRA A MAIORIA DAS PESSOAS SOB RISCO DE SUICÍDIO: 1. AMBIVALÊNCIA -  Muitas pessoas em risco de suicídio estão com problemas em suas vidas  e ficam nesta luta interna entre o desejo de viver e de acabar com a dor psíquica. Se for dado apoio emocional e o desejo de viver aumentar, o risco de suicídio diminuirá. 2- IMPULSIVIDADE -  O suicídio pode ser também  um ato impulsivo , podendo este ser transitório e durar alguns minutos ou horas. Normalmente é desencadeado por eventos negativos do dia-a-dia . Acalmando tal crise e ganhando tempo, o bombeiro pode ajudar a diminuir o risco suicida. 3 – RIGIDEZ/CONSTRIÇÃO -  Os pensamentos, os sentimentos e as ações estão constritos , quer dizer, constantemente pensam sobre suicídio como única solução e não são capazes de perceber outra maneira de sair do problema. Pensam de forma rígida e drástica:”O único caminho é a morte”; “ Não  há mais nada o que fazer”. Parecida com esta visão é a “visão em túnel” , que representa  o estreitamento  das opções  disponíveis .               A maioria das pessoas com idéias de morte comunica seus pensamentos e suas intenções suicidas.
FASE DE PREPARO PARA O ATENDIMENTO A UMA VÍTIMA COM TENDÊNCIAS SUICÍDAS: O preparo para este tipo de socorro deve iniciar já quando do recebimento do chamado. Atente para as seguintes regras para chegar já pronto ao local de ocorrência:     Levando em consideração as aptidões individuais, divida a equipe de socorro da seguinte forma em:         1) Negociador -  Aquele socorrista que estiver mais apto a conversar com a vítima. A sua substituição deve ser evitada ao máximo, pois este tende a conquistar a confiança da vítima.  2) Equipe de Intervenção Imediata – Os que dominarem melhor as técnicas de intervenção( Salto do Predador; Pulo do Aranha, Rapel etc), devem escolher a técnica mais adequada à ocasião,bem como se preparar para executá-la no melhor momento,se assim a ocasião exigir. Lembrando que em caso de vítimas que ameaçam se jogar de uma ponte, essa equipe tem que ter pelo menos um componente, devidamente equipado, às margens do rio para um possível Salvamento Aquático.
FASE DE PREPARO PARA O ATENDIMENTO A UMA VÍTIMA COM TENDÊNCIAS SUICÍDAS: À medida que for se aproximando do local da ocorrência, o motorista deve desligar a luz rotativa e a sirene para não assustar a vítima. Lembrando que estamos tratando de uma pessoa numa situação de extrema confusão mental e, às vezes, até apresentando um quadro psicótico. Não raro, estas vítimas pensam que estamos nos aproximando para punir ou mesmo para prendê-la, e,  para evitar isso, numa espécie de “vingança”, acabam precipitando a sua morte.  Nunca perder a vítima de vista, estar sempre atento aos seus passos. Por isso, a posição correta para se estacionar a viatura é antes da vítima, nunca após. Evite aproximar demais a viatura e evite aproximações bruscas. Isole imediatamente o local. Se for uma ponte, interdite-a imediatamente. Afaste os curiosos.
ANAMNESE      O negociador deve, sempre que possível, realizar uma rápida anamnese interrogando algum amigo ou parente se a vítima já tentou suicídio antes; se tem algum distúrbio psiquiátrico/psicológico conhecido; se toma algum medicamento controlado; se o tem tomado regularmente; se tem ido ao psiquiatra/psicólogo ou outra informação que julgar necessária. Porém esta anamnese deve ser realizada o mais rápido possível, podendo ser feita por outro membro da guarnição e depois informado ao negociador, que pode sempre que confirmá-las quando da abordagem à vítima.
COMO ABORDAR A VÍTIMA?             Avalie qual a melhor forma e a melhor hora para afastar objetos que estejam ao alcance da pessoa e que possam ser usados numa possível agressão ou suicídio.            “Como você se sente ultimamente?” “ Existem muitos problemas na sua vida?” “ O que tem tentado fazer para resolvê-los”. Em geral, estas perguntas abrem espaço para as pessoas falarem de si mesmas e de como estão lidando com as dificuldades.              A   partir daí, se a pessoa demonstra estar cansada de viver, parece estar querendo fugir, acha a morte atraente, ou quando o socorrista suspeita de que exista a possibilidade de um comportamento suicida, os seguintes aspectos necessitam ser avaliados: ESTADO MENTAL ATUAL - Parece estar sob efeito de alguma substância? Apresenta discurso incoerente, porém com pensamentos sobre morte ou suicidio? PLANO SUICIDA ATUAL – Quão preparada a pessoa está, que grau de planejamento e quão cedo o ato está para ser realizado. Sistema de apoio social da pessoa( família, amigos etc.).            Ao contrário da crença popular, falar a respeito de suicídio não inocula a ideia na cabeça das pessoas. Elas ficarão muito agradecidas e aliviadas de poder falar abertamente sobre o assunto e as questões que estão a atormentando.
COMO ABORDAR A VÍTIMA?       A maioria das pessoas acredita que não é fácil perguntar para o outro sobre ideação suicida e não se sente preparada para lidar com isso. Será mais fácil se você chegar ao tópico gradualmente .       Procure saber se a pessoa tem um plano definido para se matar, se tem meios para fazê-lo esse planeja fazê-lo prontamente.       Desde o início tente estabelecer um vínculo que garanta  a confiança e a colaboração da vítima, pois este pode ser um  momento em que ele se encontra enfraquecido, hostil e nem sempre está disposta a colaborar. Respeite a sua condição emocional e a situação de vida que a levou a pensar sobre suicídio, sem julgamento moral, em atitude de acolhimento.       Algumas questões úteis são: ,[object Object]
Você sente que ninguém se preocupa com você?      Trabalhar  sobre os sentimentos suicidas. Quanto mais abertamente a pessoa fala sobre perda, isolamento e desvalorização, menos confusas suas emoções se tornam. Quando essa confusão emocional cede, a pessoa pode se tornar reflexiva. Esse processo de reflexão é crucial, ninguém se não o próprio indivíduo pode revogar a decisão de morrer e tomar a decisão de viver.
COMO ABORDAR A VÍTIMA?              Focalize nos aspectos positivos  da pessoa, fazendo-a falar sobre como problemas anteriores foram resolvidos sem recorrer ao suicídio. É uma forma de motivá-la e ao mesmo tempo recuperar a confiança em si mesma.             O profissional de emergência deve focalizar na ambivalência sentida pelo indivíduo em risco  de suicídio entre viver e morrer, até que gradualmente o desejo de viver se fortalece.             Tente explorar as várias alternativas ao suicídio, até aquelas que podem não ser soluções ideais, na esperança de que a pessoa vá considerar ao menos uma delas.             Faça um contrato, negocie, aqui é o momento para usar a força do vínculo existente entre você e a vítima. Extraia uma promessa sincera do indivíduo de que ele(a) não vá cometer suicídio:         sem que se comunique com você;        por um período específico.              O objetivo é ganhar tempo até que a equipe consiga montar um plano de intervenção.              Negocie com sinceridade, explique e peça aval da vítima para todas as medidas a serem tomadas.              Tente conseguir permissão da vítima para recrutar quem possa ajudá-la, em geral alguém de sua confiança e depois entre em contato com essa pessoa.               Mesmo que a permissão não seja dada, tente localizar alguém que seria particularmente compreensivo com o indivíduo. Procure, dentro do possível preservar o sigilo da vítima.
         COMO SE COMUNICAR                                       COMO NÃO SE COMUNICAR           Ouvir atentamente, com calma. Entender os sentimentos da pessoa(empatia). Dar mensagens não verbais de aceitação e respeito. Expressar respeito pelas opiniões e pelos valores da pessoa. Conversar honestamente e com autenticidade. Mostrar sua preocupação, seu cuidado e sua afeição. Focalizar nos sentimentos da pessoa. Perguntar sobre tentativas anteriores. Interromper muito frequentemente. Ficar chocado ou muito emocionado. Dizer que está ocupado. Fazer o problema parecer trivial. Tratar a vítima de maneira que possa colocá-la numa posição de inferioridade. Dizer simplesmente que tudo vai ficar bem. Fazer perguntas indiscretas. Emitir julgamentos(Certo X Errado), tentar doutrinar. Desafiar a pessoa a continuar em frente. Dar falsas garantias. Jurar segredo.
        A SEGUIR, APRESENTAM-SE, REGRAS GERAIS PARA MANEJO CLÍNICO  DOS INDIVÍDUOS COM TRANSTORNO DE PERSONALIDADE, MAIS VOLTADAS PARA SITUAÇÃO DE CRISE E IMINÊNCIA DE INCORREREM EM TENTATIVA DE SUICÍDIO:  ,[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transtornos de personalidade - neuropsicologia
Transtornos de personalidade - neuropsicologia Transtornos de personalidade - neuropsicologia
Transtornos de personalidade - neuropsicologia amamikoi
 
Transtorno de personalidade borderline
Transtorno de personalidade borderlineTranstorno de personalidade borderline
Transtorno de personalidade borderlineedugiannotti
 
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIASUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIARafael Almeida
 
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELOAESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELODaniel de Melo
 
Transtorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade BorderlineTranstorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade BorderlineNilson Dias Castelano
 
Ciulla Clínica Psiquiátrica - Risco de Suicídio Entre Idosos
Ciulla Clínica Psiquiátrica - Risco de Suicídio Entre IdososCiulla Clínica Psiquiátrica - Risco de Suicídio Entre Idosos
Ciulla Clínica Psiquiátrica - Risco de Suicídio Entre Idososclinicaciulla
 
Suicídiocompatibilidade
SuicídiocompatibilidadeSuicídiocompatibilidade
SuicídiocompatibilidadeRenata Semann
 
02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídioGraça Martins
 
Transtorno de personalidade histriônica
Transtorno de personalidade histriônicaTranstorno de personalidade histriônica
Transtorno de personalidade histriônicaMaria Clara Teixeira
 
3 consideracoes finais pequena sem avaliacoes dos risco de suicidio
3 consideracoes  finais  pequena sem avaliacoes dos risco de suicidio3 consideracoes  finais  pequena sem avaliacoes dos risco de suicidio
3 consideracoes finais pequena sem avaliacoes dos risco de suicidioventofrio
 
Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social
Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social
Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social Laura Marcht
 
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevençãoSuicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevençãoWashington Costa
 
2 prevencao de suicidio com efeitos
2 prevencao de suicidio com efeitos2 prevencao de suicidio com efeitos
2 prevencao de suicidio com efeitosventofrio
 
Slides para apresentação de seminário integrado
Slides para apresentação de seminário integradoSlides para apresentação de seminário integrado
Slides para apresentação de seminário integradoCristina Silva
 

Mais procurados (20)

Transtornos de personalidade - neuropsicologia
Transtornos de personalidade - neuropsicologia Transtornos de personalidade - neuropsicologia
Transtornos de personalidade - neuropsicologia
 
Memórias de um suicida
Memórias de um suicidaMemórias de um suicida
Memórias de um suicida
 
Risco de suicídio
Risco de suicídio Risco de suicídio
Risco de suicídio
 
Transtorno de personalidade borderline
Transtorno de personalidade borderlineTranstorno de personalidade borderline
Transtorno de personalidade borderline
 
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIASUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
 
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELOAESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
 
Transtorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade BorderlineTranstorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade Borderline
 
Suicídio
SuicídioSuicídio
Suicídio
 
Ciulla Clínica Psiquiátrica - Risco de Suicídio Entre Idosos
Ciulla Clínica Psiquiátrica - Risco de Suicídio Entre IdososCiulla Clínica Psiquiátrica - Risco de Suicídio Entre Idosos
Ciulla Clínica Psiquiátrica - Risco de Suicídio Entre Idosos
 
Suicídiocompatibilidade
SuicídiocompatibilidadeSuicídiocompatibilidade
Suicídiocompatibilidade
 
02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio
 
Comportamentos de Risco e Condutas Suicidárias em Adolescentes
Comportamentos de Risco e Condutas Suicidárias em AdolescentesComportamentos de Risco e Condutas Suicidárias em Adolescentes
Comportamentos de Risco e Condutas Suicidárias em Adolescentes
 
Automutilação.
Automutilação.Automutilação.
Automutilação.
 
Transtorno de personalidade histriônica
Transtorno de personalidade histriônicaTranstorno de personalidade histriônica
Transtorno de personalidade histriônica
 
3 consideracoes finais pequena sem avaliacoes dos risco de suicidio
3 consideracoes  finais  pequena sem avaliacoes dos risco de suicidio3 consideracoes  finais  pequena sem avaliacoes dos risco de suicidio
3 consideracoes finais pequena sem avaliacoes dos risco de suicidio
 
Não se mate você não morre
Não se mate você não morreNão se mate você não morre
Não se mate você não morre
 
Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social
Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social
Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social
 
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevençãoSuicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
 
2 prevencao de suicidio com efeitos
2 prevencao de suicidio com efeitos2 prevencao de suicidio com efeitos
2 prevencao de suicidio com efeitos
 
Slides para apresentação de seminário integrado
Slides para apresentação de seminário integradoSlides para apresentação de seminário integrado
Slides para apresentação de seminário integrado
 

Semelhante a Salvamento de suicida

Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalAlinebrauna Brauna
 
Perguntas e respostas sobre suicídio
Perguntas e respostas sobre suicídioPerguntas e respostas sobre suicídio
Perguntas e respostas sobre suicídioMANOELJOSEDEARAUJONE
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalAlinebrauna Brauna
 
Abordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdfAbordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdfJooPauloBTom
 
Aula 7.Suicídio e Luto.pptx
Aula 7.Suicídio e Luto.pptxAula 7.Suicídio e Luto.pptx
Aula 7.Suicídio e Luto.pptxIaraFarias10
 
Falando abertamente sobre suicidio
Falando abertamente sobre suicidioFalando abertamente sobre suicidio
Falando abertamente sobre suicidioRobson Peixoto
 
Guia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdf
Guia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdfGuia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdf
Guia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdfTelma Lima
 
AUTOMUTILAÇÃO.pptx
AUTOMUTILAÇÃO.pptxAUTOMUTILAÇÃO.pptx
AUTOMUTILAÇÃO.pptxjosefaveloso1
 
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERPRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERRafael Almeida
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxTelma Lima
 
Guia prevencao suicidio
Guia prevencao suicidioGuia prevencao suicidio
Guia prevencao suicidioDenise Pacheco
 
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxPREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxHugo Silva
 
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxMariaClaraFernandes25
 

Semelhante a Salvamento de suicida (20)

Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
 
Suicídio: Atenção na Prevenção
Suicídio: Atenção na Prevenção   Suicídio: Atenção na Prevenção
Suicídio: Atenção na Prevenção
 
Perguntas e respostas sobre suicídio
Perguntas e respostas sobre suicídioPerguntas e respostas sobre suicídio
Perguntas e respostas sobre suicídio
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
 
Abordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdfAbordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdf
 
Crise e Suicídio
Crise e SuicídioCrise e Suicídio
Crise e Suicídio
 
Aula 7.Suicídio e Luto.pptx
Aula 7.Suicídio e Luto.pptxAula 7.Suicídio e Luto.pptx
Aula 7.Suicídio e Luto.pptx
 
Falando abertamente sobre suicidio
Falando abertamente sobre suicidioFalando abertamente sobre suicidio
Falando abertamente sobre suicidio
 
Guia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdf
Guia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdfGuia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdf
Guia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdf
 
setembro amarelo Dr Celiomar.pptx
setembro amarelo Dr Celiomar.pptxsetembro amarelo Dr Celiomar.pptx
setembro amarelo Dr Celiomar.pptx
 
AUTOMUTILAÇÃO.pptx
AUTOMUTILAÇÃO.pptxAUTOMUTILAÇÃO.pptx
AUTOMUTILAÇÃO.pptx
 
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERPRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
 
2011 suicidio
2011 suicidio2011 suicidio
2011 suicidio
 
Guia prevencao suicidio
Guia prevencao suicidioGuia prevencao suicidio
Guia prevencao suicidio
 
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxPREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
 
Atenção ao suicídio setembro 2016
Atenção ao suicídio setembro 2016 Atenção ao suicídio setembro 2016
Atenção ao suicídio setembro 2016
 
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
 
Revista Grito de Alerta -Tema Suicídio.
Revista Grito de Alerta -Tema Suicídio.Revista Grito de Alerta -Tema Suicídio.
Revista Grito de Alerta -Tema Suicídio.
 
Capelania perdas e luto
Capelania   perdas e lutoCapelania   perdas e luto
Capelania perdas e luto
 

Salvamento de suicida

  • 1.
  • 2. Transtornos mentais e de comportamento decorrentes do uso de substâncias psicoativas (Ex: Alcoolismo);
  • 3. Transtornos de personalidade(principalmente Borderline, Narcisista e Antissocial);
  • 5. Transtornos de ansiedade;
  • 6.
  • 7. 3)PSICOLÓGICOS Perdas recentes; Perdas de figuras parentais na infância; Dinâmica familiar conturbada; Datas importantes; Reações de aniversário; Personalidade com traços significativos de impulsividade, agressividade, humor lábil. 4) CONDIÇÕES CLÍNICAS INCAPACITANTES Doenças orgânicas incapacitantes; Dor crônica; Lesões desfigurantes perenes; Epilepsia; Neoplasias malignas; AIDS.
  • 8. ATENÇÃO: OS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO PARA O SUICÍDIO SÃO: 1)História de tentativa de suicídio; 2)Transtorno mental
  • 9.
  • 10. EXISTEM TRÊS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DO ESTADO EM QUE SE ENCONTRA A MAIORIA DAS PESSOAS SOB RISCO DE SUICÍDIO: 1. AMBIVALÊNCIA - Muitas pessoas em risco de suicídio estão com problemas em suas vidas e ficam nesta luta interna entre o desejo de viver e de acabar com a dor psíquica. Se for dado apoio emocional e o desejo de viver aumentar, o risco de suicídio diminuirá. 2- IMPULSIVIDADE - O suicídio pode ser também um ato impulsivo , podendo este ser transitório e durar alguns minutos ou horas. Normalmente é desencadeado por eventos negativos do dia-a-dia . Acalmando tal crise e ganhando tempo, o bombeiro pode ajudar a diminuir o risco suicida. 3 – RIGIDEZ/CONSTRIÇÃO - Os pensamentos, os sentimentos e as ações estão constritos , quer dizer, constantemente pensam sobre suicídio como única solução e não são capazes de perceber outra maneira de sair do problema. Pensam de forma rígida e drástica:”O único caminho é a morte”; “ Não há mais nada o que fazer”. Parecida com esta visão é a “visão em túnel” , que representa o estreitamento das opções disponíveis . A maioria das pessoas com idéias de morte comunica seus pensamentos e suas intenções suicidas.
  • 11. FASE DE PREPARO PARA O ATENDIMENTO A UMA VÍTIMA COM TENDÊNCIAS SUICÍDAS: O preparo para este tipo de socorro deve iniciar já quando do recebimento do chamado. Atente para as seguintes regras para chegar já pronto ao local de ocorrência: Levando em consideração as aptidões individuais, divida a equipe de socorro da seguinte forma em: 1) Negociador - Aquele socorrista que estiver mais apto a conversar com a vítima. A sua substituição deve ser evitada ao máximo, pois este tende a conquistar a confiança da vítima. 2) Equipe de Intervenção Imediata – Os que dominarem melhor as técnicas de intervenção( Salto do Predador; Pulo do Aranha, Rapel etc), devem escolher a técnica mais adequada à ocasião,bem como se preparar para executá-la no melhor momento,se assim a ocasião exigir. Lembrando que em caso de vítimas que ameaçam se jogar de uma ponte, essa equipe tem que ter pelo menos um componente, devidamente equipado, às margens do rio para um possível Salvamento Aquático.
  • 12. FASE DE PREPARO PARA O ATENDIMENTO A UMA VÍTIMA COM TENDÊNCIAS SUICÍDAS: À medida que for se aproximando do local da ocorrência, o motorista deve desligar a luz rotativa e a sirene para não assustar a vítima. Lembrando que estamos tratando de uma pessoa numa situação de extrema confusão mental e, às vezes, até apresentando um quadro psicótico. Não raro, estas vítimas pensam que estamos nos aproximando para punir ou mesmo para prendê-la, e, para evitar isso, numa espécie de “vingança”, acabam precipitando a sua morte. Nunca perder a vítima de vista, estar sempre atento aos seus passos. Por isso, a posição correta para se estacionar a viatura é antes da vítima, nunca após. Evite aproximar demais a viatura e evite aproximações bruscas. Isole imediatamente o local. Se for uma ponte, interdite-a imediatamente. Afaste os curiosos.
  • 13. ANAMNESE O negociador deve, sempre que possível, realizar uma rápida anamnese interrogando algum amigo ou parente se a vítima já tentou suicídio antes; se tem algum distúrbio psiquiátrico/psicológico conhecido; se toma algum medicamento controlado; se o tem tomado regularmente; se tem ido ao psiquiatra/psicólogo ou outra informação que julgar necessária. Porém esta anamnese deve ser realizada o mais rápido possível, podendo ser feita por outro membro da guarnição e depois informado ao negociador, que pode sempre que confirmá-las quando da abordagem à vítima.
  • 14. COMO ABORDAR A VÍTIMA? Avalie qual a melhor forma e a melhor hora para afastar objetos que estejam ao alcance da pessoa e que possam ser usados numa possível agressão ou suicídio. “Como você se sente ultimamente?” “ Existem muitos problemas na sua vida?” “ O que tem tentado fazer para resolvê-los”. Em geral, estas perguntas abrem espaço para as pessoas falarem de si mesmas e de como estão lidando com as dificuldades. A partir daí, se a pessoa demonstra estar cansada de viver, parece estar querendo fugir, acha a morte atraente, ou quando o socorrista suspeita de que exista a possibilidade de um comportamento suicida, os seguintes aspectos necessitam ser avaliados: ESTADO MENTAL ATUAL - Parece estar sob efeito de alguma substância? Apresenta discurso incoerente, porém com pensamentos sobre morte ou suicidio? PLANO SUICIDA ATUAL – Quão preparada a pessoa está, que grau de planejamento e quão cedo o ato está para ser realizado. Sistema de apoio social da pessoa( família, amigos etc.). Ao contrário da crença popular, falar a respeito de suicídio não inocula a ideia na cabeça das pessoas. Elas ficarão muito agradecidas e aliviadas de poder falar abertamente sobre o assunto e as questões que estão a atormentando.
  • 15.
  • 16. Você sente que ninguém se preocupa com você? Trabalhar sobre os sentimentos suicidas. Quanto mais abertamente a pessoa fala sobre perda, isolamento e desvalorização, menos confusas suas emoções se tornam. Quando essa confusão emocional cede, a pessoa pode se tornar reflexiva. Esse processo de reflexão é crucial, ninguém se não o próprio indivíduo pode revogar a decisão de morrer e tomar a decisão de viver.
  • 17. COMO ABORDAR A VÍTIMA? Focalize nos aspectos positivos da pessoa, fazendo-a falar sobre como problemas anteriores foram resolvidos sem recorrer ao suicídio. É uma forma de motivá-la e ao mesmo tempo recuperar a confiança em si mesma. O profissional de emergência deve focalizar na ambivalência sentida pelo indivíduo em risco de suicídio entre viver e morrer, até que gradualmente o desejo de viver se fortalece. Tente explorar as várias alternativas ao suicídio, até aquelas que podem não ser soluções ideais, na esperança de que a pessoa vá considerar ao menos uma delas. Faça um contrato, negocie, aqui é o momento para usar a força do vínculo existente entre você e a vítima. Extraia uma promessa sincera do indivíduo de que ele(a) não vá cometer suicídio: sem que se comunique com você; por um período específico. O objetivo é ganhar tempo até que a equipe consiga montar um plano de intervenção. Negocie com sinceridade, explique e peça aval da vítima para todas as medidas a serem tomadas. Tente conseguir permissão da vítima para recrutar quem possa ajudá-la, em geral alguém de sua confiança e depois entre em contato com essa pessoa. Mesmo que a permissão não seja dada, tente localizar alguém que seria particularmente compreensivo com o indivíduo. Procure, dentro do possível preservar o sigilo da vítima.
  • 18. COMO SE COMUNICAR COMO NÃO SE COMUNICAR Ouvir atentamente, com calma. Entender os sentimentos da pessoa(empatia). Dar mensagens não verbais de aceitação e respeito. Expressar respeito pelas opiniões e pelos valores da pessoa. Conversar honestamente e com autenticidade. Mostrar sua preocupação, seu cuidado e sua afeição. Focalizar nos sentimentos da pessoa. Perguntar sobre tentativas anteriores. Interromper muito frequentemente. Ficar chocado ou muito emocionado. Dizer que está ocupado. Fazer o problema parecer trivial. Tratar a vítima de maneira que possa colocá-la numa posição de inferioridade. Dizer simplesmente que tudo vai ficar bem. Fazer perguntas indiscretas. Emitir julgamentos(Certo X Errado), tentar doutrinar. Desafiar a pessoa a continuar em frente. Dar falsas garantias. Jurar segredo.
  • 19.
  • 20. Mesmo sabendo que o comportamento suicida envolve motivações conscientes e inconscientes, iniciar a abordagem pelos fatores desencadeantes trazidos pelo paciente.
  • 21. Distorções cognitivas devem ser mostradas e trabalhadas, como por exemplo, estreitamento de repertório, desesperança, pensamentos tipo tudo ou nada e visão dos obstáculos como intransponíveis.
  • 22. Fortalecer a sensação subjetiva de “pertença” do indivíduo, em termos de grupos, comunidades, instituições.
  • 23. Devem-se reforçar os vínculos saudáveis do paciente.
  • 24.
  • 25. IDÉIAS SOBRE O SUICÍDIO QUE LEVAM AO ERRO: “ Se eu falar/perguntar sobre suicídio, poderei induzir a vítima a isso.” “ Ele está ameaçando suicídio apenas para me manipular.” “Quem quer se matar, se mata mesmo e não avisa.” “ O suicídio é um ato de covardia (ou coragem).” “ No lugar dele, eu também me mataria.” “ Depressão só dá em quem tem fraqueza de caráter.”
  • 26. Esteja consciente! Para ajudar uma pessoa é melhor estar inteiro, consciente. Nem sempre isso é fácil, mas é necessário. A consciência de si diminui a vulnerabilidade diante das situações limites.A equação é a seguinte: poderei ajudar melhor outra pessoa se eu mesmo sei me ajudar. Auto-estima não é algo que se tem ou não tem. Ela pode ser desenvolvida.
  • 27. FONTE: MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE MENTAL www.saude.gov.br