Pedagogia[1]..

6.435 visualizações

Publicada em

sintese sobre a pedagogia critica de Peter MacLaren

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.435
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
78
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
215
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pedagogia[1]..

  1. 1. PEDAGOGIA CRÍTICA Uma breve introdução a partir de Peter Mclaren
  2. 2. As raízes: Teoria Crítica <ul><li>A Pedagogia Crítica tem origem no que os filósofos chamaram de Teoria Crítica , um movimento intelectual que teve início na Alemanha, em Frankfurt, em 1924. </li></ul><ul><li>O primeiro grupo de filósofos da Teoria Crítica contou com Max Horkheimer, T. Adorno e Herbert Marcuse. </li></ul>
  3. 3. Principais teses da Teoria Crítica <ul><li>A tese principal desse movimento pode ser resumida em quatro críticas: </li></ul><ul><li>Crítica à sociedade burguesa : buscavam, a partir de pressupostos marxistas, mudar as estruturas da sociedade moderna capitalista, mas sem o uso da violência. Defendiam a construção de uma sociedade justa, de superação da pobreza. </li></ul><ul><li>Crítica ao marxismo : contra o dogmatismo marxista. Rejeita qualquer sociedade totalitária. Rejeitam idéias como ditadura do proletariado , superestrutura econômica como centro de qualquer sociedade. </li></ul><ul><li>Esses teóricos mantêm o socialismo como único modelo capaz de superar as injustiças do capitalismo. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Crítica à filosofia tradicional : essa crítica estava voltada, sobretudo, à metafísica, à teologia e à religião. Compreendidas como ideologias da sociedade burguesa. </li></ul><ul><li>Crítica à razão : a sonho iluminista de conceber a razão como sinônimo de progresso é posto em xeque, inicia-se uma forte desconfiança à ciência moderna e à filosofia tradicional. Para Horkheimer a razão kantiana ao invés de levar a humanidade a solucionar os seus problemas em vista da emancipação humana, acabou afundou a humanidade na alienação, na repressão e na dominação. </li></ul>
  5. 5. A Pedagogia Crítica <ul><li>Com base nesses referenciais teóricos, é desenvolvida a pedagogia crítica. Ela buscou, assim como tentara Dewey, aproximar a vida da escola. </li></ul><ul><li>Contudo a vida que é levada para dentro da escola é aquela carregada de contradições, com base econômica e com conflitos de classe, cheia de relações de poder, seja por conta da questão econômica, mas também de gênero ou étnica. Uma vida que carrega ideologias e, a partir delas, determina-lhe o sentido e o mundo da educação. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Apesar de a pedagogia crítica não se constituir num conjunto homogêneo de idéias, é possível identificar um sentido ou objeto comum: o de fortalecer aqueles(as) sem poder e transformar desigualdades e injustiças existentes (McLAREN, 1997, p. 192). </li></ul>
  7. 7. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DA PEDAGOGIA CRÍTICA <ul><li>A escola e o processo de aprendizagem são analisados considerando-se os contextos históricos, os vínculos e relações com a sociedade mais ampla, os interesses políticos, econômicos, etc. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>A escola se organiza como espaço de negação de dominação e não como simples instrumento para reproduzir a estrutura social vigente; </li></ul>
  9. 9. <ul><li>O processo de aprendizagem não se manifesta e se desenvolve apenas nas instituições formais, as escolas – a sociedade também educa; </li></ul>
  10. 10. <ul><li>A escolarização constitui um empreendimento de caráter eminentemente político e cultural e as escolas são concebidas enquanto locus de disputa política cultural. </li></ul>
  11. 11. <ul><ul><li>Faz uma opção explícita em favor das camadas economicamente desfavorecidas; </li></ul></ul>
  12. 12. <ul><li>A aprendizagem se constitui em uma ato de conhecimento a partir da realidade concreta, isto é, da situação real vivida pelo aluno, num processo de compreensão, reflexão e crítica, como instrumento para interferir e modificar a realidade; </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Essa aprendizagem deve ser significativa, supondo em primeiro lugar, a verificação dos conhecimentos prévios do aluno, para em seguida, ampliar, reorganizar a sistematizar o conhecimento. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>As escolas são compreendidas como espaços em que se reproduzem e se legitimam as desigualdades sociais, de raça e gênero, mas também se constituem como espaços de contra-hegemonia. </li></ul>
  15. 15. <ul><li>A Pedagogia Crítica enfatiza que a reprodução destas desigualdades também se dá através do currículo oculto , isto é, as “ conseqüências não intencionais do processo de escolarização ” (MCLAREN, 1997: 216) </li></ul>
  16. 16. <ul><li>Afirma, portanto, que a idéia de que a escolarização promove mobilidade social é um mito amparado no darwinismo social e na ideologia meritocrática da classe média. </li></ul>
  17. 17. <ul><li>Isto significa reconhecer que a escolarização se apóia na transmissão de um determinado tipo de conhecimento legitimado pela cultura dominante, o que não apenas dificulta como desconsidera e desvaloriza os valores e habilidades dos estudantes economicamente desfavorecidos. </li></ul>
  18. 18. <ul><li>Trata-se, assim, de valorizar o capital cultural dos estudantes, seus conhecimentos e experiências – o educador crítico reconhece a necessidade de conferir poder aos estudantes. </li></ul>
  19. 19. <ul><li>Nesta pedagogia a história é uma possibilidade a ser construída e isto exige o resgate da esperança utópica. </li></ul>
  20. 20. <ul><li>Trata-se de uma pedagogia que advoga uma política cultural que leve em consideração as dimensões raciais, de gênero e classe, na qual os professores atuem como intelectuais públicos transformadores , isto é, indivíduos que assumem os riscos de uma práxis voltada para a democracia e justiça social, que procuram se amparar em princípios éticos, solidários e na busca da coerência entre discurso e ação. </li></ul>
  21. 21. Em síntese: <ul><li>Apesar de não termos ainda uma de finição conclusiva acerca do nosso objeto de estudo, é importante alertar para o fato de que “a pedagogia crítica </li></ul><ul><li>não constitui um conjunto homogêneo de idéias. É mais correto dizer que os teóricos críticos estão unidos em seus objetivos: fortalecer aqueles sem poder e transformar desigualdades e injustiças sociais existentes. </li></ul>
  22. 22. Categorias fundamentais: <ul><li>Para o texto que iremos trabalhar (sobre Pedagogia Crítica) é preciso perguntar sobre o significado , a crítica e o sentido (para a vida) das seguintes categorias: </li></ul><ul><li>Cultura </li></ul><ul><li>Pensamento dialético </li></ul><ul><li>Construção social do conhecimento </li></ul><ul><li>Cultura Dominante </li></ul><ul><li>Cultura Subordinada </li></ul><ul><li>Subcultura </li></ul><ul><li>Hegemonia cultural </li></ul><ul><li>Ideologia </li></ul><ul><li>Currículo Oculto </li></ul><ul><li>Reprodução Social </li></ul><ul><li>Capital Cultural </li></ul>
  23. 23. MUITO OBRIGADO E BOM TRABALHO !

×