SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
PESQUISA ETNOGRÁFICA
Mestrandas: Graciane Torres Azevedo
Raquel Pinheiro Matiola
Prof.ª Dra. Chris Rover Schardosim
Prof.ª Dra. Sônia Regina de Souza Fernandes
Prof.ª Dra. Idorlene da Silva Hoepers
Prof.º Dr. Alexandre Vanzuita
Principais Características
 Primordialmente de caráter qualitativa (SOUZA e BARROSO, 2008, p. 151).
 .Preocupa-se com uma análise holística. (MATTOS, 2011).
 A utilização de técnicas e procedimentos não segue padrões rígidos ou pré-determinados. (MATTOS, 2011).
* Em André (1995):
 Desenvolvida por Antropólogos e Sociólogos → estudo da cultura e da sociedade.
 Caracteriza-se fundamentalmente por um contato direto do pesquisador com a situação pesquisada.
 Consiste em um estudo profundo e exaustivo sobre o contexto e o comportamento das pessoas.
 Envolve um trabalho de campo. O pesquisador aproxima-se de pessoas, situações, locais, eventos, mantendo com
eles um contato direto e prolongado. Observação-participante (observação direta e por um determinado tempo).
 O pesquisador é o instrumento principal na coleta e análise de dados. Deve tentar apreender e retratar essa visão
pessoal dos participantes.
 Visa a descoberta de novos conceitos, novas relações, novas formas de entendimento da realidade.
 Educação (início da década de 70) →foco nos processos educativos (ensino e aprendizagem).
 “Para ser caracterizado como um tipo etnográfico em educação, é preciso fazer uso das técnicas associadas à
etnografia: observação participante; entrevista intensiva e análise de documentos”.
 Ênfase no processo e não no resultado final.
Pressupostos filosóficos e epistemológicos
Em Sousa e Barroso (2008, p. 151): Fenomenologia, Interacionismo simbólico e Sociologia.
 Fenomenologia (Husserl): “O mundo do sujeito, as suas experiências cotidianas e os significados
atribuídos às mesmas são, portanto, os núcleos de atenção na fenomenologia” (ANDRÉ, 1995).
 Interacionismo simbólico (mais se destaca): George Mead é um dos precursores dessa linha de
pensamento. “O self é a visão de si mesma que cada pessoa vai criando a partir da interação com os
outros. É, nesse sentido, uma construção social, pois o conceito que cada um vai criando sobre si
mesmo depende de como ele interpreta as ações e os gestos que lhe são dirigidos pelos outros”
(ANDRÉ, 1995). No Brasil temos Goulart e Bregunci 1990; Haguette 1987.
 Sociologia: Etnometodologia dentro da corrente da sociologia (seu principal representante Arold
Garfinkel). “É o estudo de como os indivíduos compreendem e estruturam o seu dia a dia, isto é,
procura descobrir “os métodos” que as pessoas usam no seu dia a dia para entender e construir a
realidade que as cerca” (ANDRÉ, 1995).
 Hermenêutica - Gadamer: Interpretação do outro, compreender o outro pelo ponto de vista dele.
Dilthey - a interpretação dos significados num contexto real. (ANDRÉ, 1995).
Tipos de problema
- Relacionados principalmente aos problemas e questões sociais.
- “O problema é redescoberto no campo e, assim, o etnógrafo deve evitar
definições rígidas, atitudes inflexíveis e apriorística de hipótese, pois, ao
mergulhar na situação, o problema inicial da pesquisa deverá ser revisto e
aprimorado”. (LIMA et. al., 1996, p.25)
Fonte da imagem: https://cute766.info/investigacion-etnografica/
Tipos de questões a responder
 A pergunta deve ser socialmente relevante.
 As perguntas que geralmente são feitas nesse tipo de pesquisa são as seguintes:
 O que caracteriza esse fenômeno?
 O que está acontecendo nesse momento?
 Como tem evoluído?
(ANDRÉ, 1995)
Fonte: https://www.brasilcultura.com.br/menu-de-
navegacao/antropologia/antropologia-e-seus-significados/
Considerações sobre os
fundamentos teóricos
 De acordo com Lüdke e André (2020, apud WILSON, 1977), “a pesquisa etnográfica fundamenta-
se em dois conjuntos de hipóteses sobre o comportamento humano:
 a hipótese naturalista-ecológica, que afirma ser o comportamento humano significativamente
influenciado pelo contexto em que se situa, daí a necessidade de estudar o indivíduo em seu
ambiente natural;
 a hipótese qualitativo-fenomenológica, que determina ser quase impossível entender o
comportamento humano sem tentar entender o quadro referencial dentro do qual os
indivíduos interpretam seus pensamentos, sentimentos e ações. Desta forma, o pesquisador
deve exercer o papel subjetivo de participante e o papel objetivo de observador, a fim de
compreender e explicar o comportamento humano.
Aspectos metodológicos relativos à coleta de
dados
 “Por meio da observação participante que se busca entender a realidade local, utilizar-se-á uma
metodologia que envolve registro de campo (diário de campo), as histórias de vida, entrevistas,
análises de documentos, fotografias, gravações”. (ANDRÉ, 1995)
 “Permite que se modifique as técnicas de coleta, se necessário, revendo as questões que orientam
a pesquisa, localizando novos sujeitos, revendo toda a metodologia ainda durante o desenrolar do
trabalho”.
 Lüdke e André (2020, apud WILSON, 1977) afirmam que os tipos de dados relevantes são: forma
e conteúdo da interação verbal dos participantes; forma e conteúdo da interação verbal com o
pesquisador; comportamento não verbal; padrões de ação e não-ação; traços, registros de arquivos
e documentos. (ANDRÉ, 1995)
Aspectos metodológicos relativos à análise de
dados
 Os dados são mediados pelo instrumento humano, o pesquisador.
 Análises indutivas; microanálise etnográfica; análise de contexto; análise de discurso; análise
sociolinguística; análise documental; análise histórica; análise representacional; análise cultural;
análise hermenêutica e análise crítica. (MATTOS, 2011, p. 31)
 “As decisões sobre como analisar e apresentar os dados também não podem ser predeterminadas,
a não ser em linhas bem gerais. É com base na forma como a pesquisa vai se desenvolvendo e em
decorrência dela que essas decisões vão ficando mais claras”. (ANDRÉ, 1995)
 “Os dados são considerados sempre inacabados. O observador não pretende comprovar teorias
nem fazer “grandes” generalizações. O que busca, sim, é descrever a situação, compreendê-la,
revelar os seus múltiplos significados, deixando que o leitor decida se as interpretações podem ou
não ser generalizáveis, com base em sua sustentação teórica e sua plausibilidade”. (ANDRÉ,
1995)
Aspectos metodológicos relativos à redação do
relatório
 Descrição densa e minuciosa dos dados coletados.
 “O relatório etnográfico apresenta uma grande quantidade de dados primários, que permitem,
além de descrições precisas da situação estudada, ilustrar a perspectiva dos participantes, isto é, a
sua maneira de ver o mundo e as suas próprias ações”. (LIMA et. al., 1996, p.25)
 Para Sousa e Barroso (2008, p. 152);
 Criteriosamente planejado;
 Os textos não podem ser tão rústicos;
 Não podem ser superficiais e nem muito
formais;
Fonte: https://www.timetoast.com/timelines/linea-de-tiempo-evolucion-de-la-etnografia
Referências:
ANDRÉ, Marli Eliza D. A. Etnografia da Prática Escolar. Prática Pedagógica. Ed. Papirus, 1995.
LIMA, C. M. G. de; DUPAS, G.; OLIVEIRA, I. de; KAKEHASHI, S. Pesquisa etnográfica: iniciando sua compreensão.
Rev. latino-am.enfermagem, Ribeirão Preto, v. 4, n. 1, p. 21-30, jan. 1996.
LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. Ed. Rio de Janeiro: EPU, 2020.
MATTOS, Carmem Lúcia Guimarães de. A abordagem etnográfica na investigação científica. In: MATTOS, CLG., and
CASTRO, PA. (orgs.) Etnografia e educação: conceitos e usos. Campina Grande: EDUEPB, 2011. pp. 49-83.
SOUSA, Leilane Barbosa de; BARROSO, Maria Grasiela Teixeira. Pesquisa Etnográfica: Evolução e contribuição para a
enfermagem. Esc. Anna Nery Revista Enfermagem, p. 150 - 155, 2008.
Referência complementar:
MATTOS, Carmem Lúcia Guimarães de; CASTRO, Paula Almeida de (orgs). Etnografia e Educação: conceitos e usos.
Campina Grande: EDUEPB, 2011.
Fontes das imagens:
https://profes.com.br/anabella.gallardo.berg/blog/el-metodo-etnografico-segun-malinowski
https://www.brasilcultura.com.br/menu-de-navegacao/antropologia/antropologia-e-seus-significados/
https://cute766.info/investigacion-etnografica/
https://www.timetoast.com/timelines/linea-de-tiempo-evolucion-de-la-etnografia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenha
Virginia Fortes
 
Modelo de ficha de leitura
Modelo de ficha de leituraModelo de ficha de leitura
Modelo de ficha de leitura
Sérgio Lagoa
 
O jogo da ética
O jogo da éticaO jogo da ética
O jogo da ética
Chrys Souza
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
vamcris
 

Mais procurados (20)

Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
 
Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenha
 
Tardif o trabalho docente resumido (1)
Tardif   o trabalho docente resumido (1)Tardif   o trabalho docente resumido (1)
Tardif o trabalho docente resumido (1)
 
Introdução à pesquisa científica
Introdução à pesquisa científicaIntrodução à pesquisa científica
Introdução à pesquisa científica
 
Tipos de Pesquisa e Métodos Científicos
Tipos de Pesquisa e Métodos CientíficosTipos de Pesquisa e Métodos Científicos
Tipos de Pesquisa e Métodos Científicos
 
Slides para a qualificação
Slides para a qualificaçãoSlides para a qualificação
Slides para a qualificação
 
Métodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisaMétodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisa
 
Pesquisa De Campo
Pesquisa De CampoPesquisa De Campo
Pesquisa De Campo
 
Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenha
 
tendências pedagógicas, (Papel da Escola / Conteúdos /Métodos/ Professor x a...
tendências pedagógicas, (Papel da Escola	/ Conteúdos	/Métodos/	Professor x  a...tendências pedagógicas, (Papel da Escola	/ Conteúdos	/Métodos/	Professor x  a...
tendências pedagógicas, (Papel da Escola / Conteúdos /Métodos/ Professor x a...
 
Introdução à Metodologia
Introdução à MetodologiaIntrodução à Metodologia
Introdução à Metodologia
 
Modelo de ficha de leitura
Modelo de ficha de leituraModelo de ficha de leitura
Modelo de ficha de leitura
 
O jogo da ética
O jogo da éticaO jogo da ética
O jogo da ética
 
3 - As Etapas da Pesquisa cientifica.pdf
3 - As Etapas da Pesquisa cientifica.pdf3 - As Etapas da Pesquisa cientifica.pdf
3 - As Etapas da Pesquisa cientifica.pdf
 
Projeto Formação Continuada
Projeto Formação ContinuadaProjeto Formação Continuada
Projeto Formação Continuada
 
Metodologias ativas
Metodologias ativas Metodologias ativas
Metodologias ativas
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
 
Aula o que é pesquisa
Aula o que é pesquisaAula o que é pesquisa
Aula o que é pesquisa
 
Ética na pesquisa
Ética na pesquisaÉtica na pesquisa
Ética na pesquisa
 
TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.
TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.
TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.
 

Semelhante a Pesquisa Etnográfica

um_apanhado_teorico_conceitual_sobre_a_pesquisa_qualitativa_tipos_tecnicas_e_...
um_apanhado_teorico_conceitual_sobre_a_pesquisa_qualitativa_tipos_tecnicas_e_...um_apanhado_teorico_conceitual_sobre_a_pesquisa_qualitativa_tipos_tecnicas_e_...
um_apanhado_teorico_conceitual_sobre_a_pesquisa_qualitativa_tipos_tecnicas_e_...
LilianeAmaral11
 
Seminário – método qualitativo
Seminário – método qualitativoSeminário – método qualitativo
Seminário – método qualitativo
Procambiental
 
Oficina florianopolis prof fatima batalha
Oficina florianopolis   prof fatima batalhaOficina florianopolis   prof fatima batalha
Oficina florianopolis prof fatima batalha
Deyse Queiros Santos
 
Apropriação de espaço - psi ambiental
Apropriação de espaço - psi ambientalApropriação de espaço - psi ambiental
Apropriação de espaço - psi ambiental
Luiza Farias
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
Isac Soares
 

Semelhante a Pesquisa Etnográfica (20)

um_apanhado_teorico_conceitual_sobre_a_pesquisa_qualitativa_tipos_tecnicas_e_...
um_apanhado_teorico_conceitual_sobre_a_pesquisa_qualitativa_tipos_tecnicas_e_...um_apanhado_teorico_conceitual_sobre_a_pesquisa_qualitativa_tipos_tecnicas_e_...
um_apanhado_teorico_conceitual_sobre_a_pesquisa_qualitativa_tipos_tecnicas_e_...
 
Tipos de pesquisa.pptx
Tipos de pesquisa.pptxTipos de pesquisa.pptx
Tipos de pesquisa.pptx
 
Etnografia antrologia e serviço social
Etnografia antrologia e serviço socialEtnografia antrologia e serviço social
Etnografia antrologia e serviço social
 
History of the Qualitative Research
History of the Qualitative ResearchHistory of the Qualitative Research
History of the Qualitative Research
 
Seminário – método qualitativo
Seminário – método qualitativoSeminário – método qualitativo
Seminário – método qualitativo
 
Técnicas etnográficas - Social Analytics Summit - Débora Zanini
Técnicas etnográficas - Social Analytics Summit - Débora ZaniniTécnicas etnográficas - Social Analytics Summit - Débora Zanini
Técnicas etnográficas - Social Analytics Summit - Débora Zanini
 
PRÁTICAS INFORMACIONAIS: desafios teóricos e empíricos de pesquisa
PRÁTICAS INFORMACIONAIS: desafios teóricos e empíricos de pesquisaPRÁTICAS INFORMACIONAIS: desafios teóricos e empíricos de pesquisa
PRÁTICAS INFORMACIONAIS: desafios teóricos e empíricos de pesquisa
 
Oficina florianopolis prof fatima batalha
Oficina florianopolis   prof fatima batalhaOficina florianopolis   prof fatima batalha
Oficina florianopolis prof fatima batalha
 
Etnometodologia parte II - COULON
Etnometodologia parte II - COULONEtnometodologia parte II - COULON
Etnometodologia parte II - COULON
 
Pesquisa Qualitativa.pdf
Pesquisa Qualitativa.pdfPesquisa Qualitativa.pdf
Pesquisa Qualitativa.pdf
 
Etnografia e Observação
Etnografia e ObservaçãoEtnografia e Observação
Etnografia e Observação
 
Pesquisa Em EducaçãO
Pesquisa Em EducaçãOPesquisa Em EducaçãO
Pesquisa Em EducaçãO
 
ENCONTRO NEPSE -Bronfenbrenner (1917 2005 )
ENCONTRO NEPSE -Bronfenbrenner (1917   2005 )ENCONTRO NEPSE -Bronfenbrenner (1917   2005 )
ENCONTRO NEPSE -Bronfenbrenner (1917 2005 )
 
Pesquisa Qualitativa: origens
Pesquisa Qualitativa: origensPesquisa Qualitativa: origens
Pesquisa Qualitativa: origens
 
Pesquisa Qualitativa - origens
Pesquisa Qualitativa - origensPesquisa Qualitativa - origens
Pesquisa Qualitativa - origens
 
Apropriação de espaço - psi ambiental
Apropriação de espaço - psi ambientalApropriação de espaço - psi ambiental
Apropriação de espaço - psi ambiental
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
 
Os desafios da pesquisa etnografica no marketing
Os desafios da pesquisa etnografica no marketingOs desafios da pesquisa etnografica no marketing
Os desafios da pesquisa etnografica no marketing
 
Elaboracao pesquisaqualitativa- MATERIAL MUITO BEM ELABORADO, PARABÉNS A PROF...
Elaboracao pesquisaqualitativa- MATERIAL MUITO BEM ELABORADO, PARABÉNS A PROF...Elaboracao pesquisaqualitativa- MATERIAL MUITO BEM ELABORADO, PARABÉNS A PROF...
Elaboracao pesquisaqualitativa- MATERIAL MUITO BEM ELABORADO, PARABÉNS A PROF...
 
Mulheres e o ativismo digital
Mulheres e o ativismo digitalMulheres e o ativismo digital
Mulheres e o ativismo digital
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 

Pesquisa Etnográfica

  • 1. PESQUISA ETNOGRÁFICA Mestrandas: Graciane Torres Azevedo Raquel Pinheiro Matiola Prof.ª Dra. Chris Rover Schardosim Prof.ª Dra. Sônia Regina de Souza Fernandes Prof.ª Dra. Idorlene da Silva Hoepers Prof.º Dr. Alexandre Vanzuita
  • 2. Principais Características  Primordialmente de caráter qualitativa (SOUZA e BARROSO, 2008, p. 151).  .Preocupa-se com uma análise holística. (MATTOS, 2011).  A utilização de técnicas e procedimentos não segue padrões rígidos ou pré-determinados. (MATTOS, 2011). * Em André (1995):  Desenvolvida por Antropólogos e Sociólogos → estudo da cultura e da sociedade.  Caracteriza-se fundamentalmente por um contato direto do pesquisador com a situação pesquisada.  Consiste em um estudo profundo e exaustivo sobre o contexto e o comportamento das pessoas.  Envolve um trabalho de campo. O pesquisador aproxima-se de pessoas, situações, locais, eventos, mantendo com eles um contato direto e prolongado. Observação-participante (observação direta e por um determinado tempo).  O pesquisador é o instrumento principal na coleta e análise de dados. Deve tentar apreender e retratar essa visão pessoal dos participantes.  Visa a descoberta de novos conceitos, novas relações, novas formas de entendimento da realidade.  Educação (início da década de 70) →foco nos processos educativos (ensino e aprendizagem).  “Para ser caracterizado como um tipo etnográfico em educação, é preciso fazer uso das técnicas associadas à etnografia: observação participante; entrevista intensiva e análise de documentos”.  Ênfase no processo e não no resultado final.
  • 3. Pressupostos filosóficos e epistemológicos Em Sousa e Barroso (2008, p. 151): Fenomenologia, Interacionismo simbólico e Sociologia.  Fenomenologia (Husserl): “O mundo do sujeito, as suas experiências cotidianas e os significados atribuídos às mesmas são, portanto, os núcleos de atenção na fenomenologia” (ANDRÉ, 1995).  Interacionismo simbólico (mais se destaca): George Mead é um dos precursores dessa linha de pensamento. “O self é a visão de si mesma que cada pessoa vai criando a partir da interação com os outros. É, nesse sentido, uma construção social, pois o conceito que cada um vai criando sobre si mesmo depende de como ele interpreta as ações e os gestos que lhe são dirigidos pelos outros” (ANDRÉ, 1995). No Brasil temos Goulart e Bregunci 1990; Haguette 1987.  Sociologia: Etnometodologia dentro da corrente da sociologia (seu principal representante Arold Garfinkel). “É o estudo de como os indivíduos compreendem e estruturam o seu dia a dia, isto é, procura descobrir “os métodos” que as pessoas usam no seu dia a dia para entender e construir a realidade que as cerca” (ANDRÉ, 1995).  Hermenêutica - Gadamer: Interpretação do outro, compreender o outro pelo ponto de vista dele. Dilthey - a interpretação dos significados num contexto real. (ANDRÉ, 1995).
  • 4. Tipos de problema - Relacionados principalmente aos problemas e questões sociais. - “O problema é redescoberto no campo e, assim, o etnógrafo deve evitar definições rígidas, atitudes inflexíveis e apriorística de hipótese, pois, ao mergulhar na situação, o problema inicial da pesquisa deverá ser revisto e aprimorado”. (LIMA et. al., 1996, p.25) Fonte da imagem: https://cute766.info/investigacion-etnografica/
  • 5. Tipos de questões a responder  A pergunta deve ser socialmente relevante.  As perguntas que geralmente são feitas nesse tipo de pesquisa são as seguintes:  O que caracteriza esse fenômeno?  O que está acontecendo nesse momento?  Como tem evoluído? (ANDRÉ, 1995) Fonte: https://www.brasilcultura.com.br/menu-de- navegacao/antropologia/antropologia-e-seus-significados/
  • 6. Considerações sobre os fundamentos teóricos  De acordo com Lüdke e André (2020, apud WILSON, 1977), “a pesquisa etnográfica fundamenta- se em dois conjuntos de hipóteses sobre o comportamento humano:  a hipótese naturalista-ecológica, que afirma ser o comportamento humano significativamente influenciado pelo contexto em que se situa, daí a necessidade de estudar o indivíduo em seu ambiente natural;  a hipótese qualitativo-fenomenológica, que determina ser quase impossível entender o comportamento humano sem tentar entender o quadro referencial dentro do qual os indivíduos interpretam seus pensamentos, sentimentos e ações. Desta forma, o pesquisador deve exercer o papel subjetivo de participante e o papel objetivo de observador, a fim de compreender e explicar o comportamento humano.
  • 7. Aspectos metodológicos relativos à coleta de dados  “Por meio da observação participante que se busca entender a realidade local, utilizar-se-á uma metodologia que envolve registro de campo (diário de campo), as histórias de vida, entrevistas, análises de documentos, fotografias, gravações”. (ANDRÉ, 1995)  “Permite que se modifique as técnicas de coleta, se necessário, revendo as questões que orientam a pesquisa, localizando novos sujeitos, revendo toda a metodologia ainda durante o desenrolar do trabalho”.  Lüdke e André (2020, apud WILSON, 1977) afirmam que os tipos de dados relevantes são: forma e conteúdo da interação verbal dos participantes; forma e conteúdo da interação verbal com o pesquisador; comportamento não verbal; padrões de ação e não-ação; traços, registros de arquivos e documentos. (ANDRÉ, 1995)
  • 8. Aspectos metodológicos relativos à análise de dados  Os dados são mediados pelo instrumento humano, o pesquisador.  Análises indutivas; microanálise etnográfica; análise de contexto; análise de discurso; análise sociolinguística; análise documental; análise histórica; análise representacional; análise cultural; análise hermenêutica e análise crítica. (MATTOS, 2011, p. 31)  “As decisões sobre como analisar e apresentar os dados também não podem ser predeterminadas, a não ser em linhas bem gerais. É com base na forma como a pesquisa vai se desenvolvendo e em decorrência dela que essas decisões vão ficando mais claras”. (ANDRÉ, 1995)  “Os dados são considerados sempre inacabados. O observador não pretende comprovar teorias nem fazer “grandes” generalizações. O que busca, sim, é descrever a situação, compreendê-la, revelar os seus múltiplos significados, deixando que o leitor decida se as interpretações podem ou não ser generalizáveis, com base em sua sustentação teórica e sua plausibilidade”. (ANDRÉ, 1995)
  • 9. Aspectos metodológicos relativos à redação do relatório  Descrição densa e minuciosa dos dados coletados.  “O relatório etnográfico apresenta uma grande quantidade de dados primários, que permitem, além de descrições precisas da situação estudada, ilustrar a perspectiva dos participantes, isto é, a sua maneira de ver o mundo e as suas próprias ações”. (LIMA et. al., 1996, p.25)  Para Sousa e Barroso (2008, p. 152);  Criteriosamente planejado;  Os textos não podem ser tão rústicos;  Não podem ser superficiais e nem muito formais; Fonte: https://www.timetoast.com/timelines/linea-de-tiempo-evolucion-de-la-etnografia
  • 10. Referências: ANDRÉ, Marli Eliza D. A. Etnografia da Prática Escolar. Prática Pedagógica. Ed. Papirus, 1995. LIMA, C. M. G. de; DUPAS, G.; OLIVEIRA, I. de; KAKEHASHI, S. Pesquisa etnográfica: iniciando sua compreensão. Rev. latino-am.enfermagem, Ribeirão Preto, v. 4, n. 1, p. 21-30, jan. 1996. LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. Ed. Rio de Janeiro: EPU, 2020. MATTOS, Carmem Lúcia Guimarães de. A abordagem etnográfica na investigação científica. In: MATTOS, CLG., and CASTRO, PA. (orgs.) Etnografia e educação: conceitos e usos. Campina Grande: EDUEPB, 2011. pp. 49-83. SOUSA, Leilane Barbosa de; BARROSO, Maria Grasiela Teixeira. Pesquisa Etnográfica: Evolução e contribuição para a enfermagem. Esc. Anna Nery Revista Enfermagem, p. 150 - 155, 2008. Referência complementar: MATTOS, Carmem Lúcia Guimarães de; CASTRO, Paula Almeida de (orgs). Etnografia e Educação: conceitos e usos. Campina Grande: EDUEPB, 2011. Fontes das imagens: https://profes.com.br/anabella.gallardo.berg/blog/el-metodo-etnografico-segun-malinowski https://www.brasilcultura.com.br/menu-de-navegacao/antropologia/antropologia-e-seus-significados/ https://cute766.info/investigacion-etnografica/ https://www.timetoast.com/timelines/linea-de-tiempo-evolucion-de-la-etnografia