SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
COULON, A.
Etnomedologia
Parte II
Raquel Salcedo Gomes
Linguagem e Interação - PPGLA
06/06/2012
Capítulo V
Questão de Método
Relembrando:
a etnometodologia é a ciência dos
etnométodos, isto é, o estudo de
como as pessoas constroem os
sentidos de suas ações, daquilo que
garfinkel denomina “raciocínio
sociológico prático”.
1. A postura de “indiferença
etnometodológica”
“Os estudos etnometodológicos sobre as
estruturas formais se destinam ao estudo de
fenômenos como, por exemplo, suas descrições
pelos membros, quaisquer que sejam, abstendo-
se de todo juízo sobre a sua pertinência, seu
valor, sua importância, sua necessidade, sua
“praticalidade”, seu sucesso ou consequência.
Damos a esse modo de proceder o nome de
“indiferença metodológica”. (...) A nossa
indiferença se refere sobretudo ao conjunto
do raciocínio sociológico prático, e esse
raciocínio implica inevitavelmente para nós,
sejam quais forem as suas formas, o domínio da
linguagem natural.(...)” (Garfinkel e SAcks Apud Coulon, p. 82)
2. A provocação
experimental (p. 82,83)
Trust (Confiança) - necessidade de uma
ordem moral como garantia para o bom êxito
das interações;
Breaching (desarrumação) - rupturas
experimentais em jogos de sociedade para
mostrar o pano-de-fundo moral das
atividades comuns;
Crítica aos métodos da sociologia
tradicional, especialmente os quantitativos
3. A contribuição
metodológica de Cicourel
1964, Method and Measurement in Sociology: (p. 83,84,85)
O sociólogo deve esclarecer, primeiramente, a
linguagem que utiliza;
A pesquisa exige uma teoria da instrumentação e uma
teoria dos dados, de modo a distingui-los;
Os fatos da ação social devem ser clarificados antes de
impor-lhes postulados de medida inadequados;
A imposição de procedimentos numéricos exteriores
tanto ao mundo social observável descrito como às
conceitualizações baseadas nessas descrições é
equivocada;
Os sociólogos não atribuem suficiente importância ao
estudo das variáveis subjetivas que contribuem para o
caráter contingente da vida cotidiana;
4. Etnometodologia, etnografia
constitutiva e sociologia qualitativa
Como não produziram uma tecnologia original,
os etnometodólogos usam instrumentos de
pesquisa que tomam emprestados da
etnografia.
A) A etnografia constitutiva (Hugh Mehan);
B) O tracking (Don Zimmerman);
A) etnografia constitutiva
Hipótese interacionista - as estruturas sociais são
construções sociais;
Estudo das atividades estruturantes que constroem
os fatos sociais objetivos;
Disponibilidade dos dados consultáveis;
Exaustividade do tratamento dos dados; convergência
entre pesquisadores e participantes sobre a visão
dos acontecimentos; Análise interacional;
Reconhecimento do caráter contextual de todo fato
social;
Abandono das “hipóteses-de-antes-da-ida-ao-campo”;
Descrição - descrever o que os membros fazem,
mostrando os meios que utilizam para organizar sua
vida social em comum;
b) tracking (espreita)
“seguir a pista de alguém, caminhar seguindo os
vestígios de alguém.”(Zimmerman apud Coulon, p. 89)
Para se situar como um indivíduo da coletividade, o
pesquisador precisa considerar suas próprias
implicações na estratégia de pesquisa;
Deve compartilhar com os membros uma linguagem
comum, para evitar erros de interpretação; Situar as
descrições dos membros em seu contexto e
considerar seus relatos como instruções de
pesquisa;
Deve ter uma estratégia de ingresso e aplicar um
dispositivo de observação e pesquisa, descrevendo os
acontecimentos repetitivos e as atividades que
constituem as rotinas dos grupos estudados;
A etnometodologia é uma
doutrina construtivista que
defende que o segredo da
aglutinação social não reside
nas estatísticas produzidas por
peritos, mas que se desvela, ao
contrário, pela análise dos
etnométodos, isto é, dos
procedimentos que os membros
de uma forma social usam para
produzir e reconhecer seu
mundo, para torná-lo familiar,
aglutinando-o. (p. 92)
Capítulo VI
O trabalho de campo
“Todas as teses defendidas na corrente
etnometodológica têm como objeto um
problema social e como demarche a abordagem
qualitativa de campo, segundo procedimentos
geralmente tomados de empréstimo à
etnografia. (...) para cada domínio estudado, os
etnometodólogos põem ênfase nas atividades
interacionais que constituem os fatos sociais.
Os fatos sociais não são coisas, mas
realizações práticas (...)” (p. 93)
educação, sistema judiciário, práticas médicas,
processos organizacionais, pesquisa científica
1. A educação
A) As interações na sala de aula - a aula é uma
organização social, decorrente de uma ordem
instituída. É o trabalho de interação entre
professores e alunos que produz esta organização.
Um aluno competente será aquele capaz de
sintetizar entre o conteúdo acadêmico e as formas
interacionais necessárias para realizar uma
tarefa.
B) Os testes e os exames - A interpretação das
questões de um teste varia entre os aplicadores e
os respondentes. Tratar os resultados de testes
como objetivos dissimula o modo como o aluno
elabora suas respostas, o que é fundamental para
compreender seu raciocínio. A discrepância na
interpretação mascara o conhecimento do aluno.
1. A educação
C) Os orientadores escolares - Cicourel e Kitsuse
mostraram como decisões arbitrárias, com base no
racismo e em preconceitos sócio-econômicos ligados
às suas representações, podiam ser tomadas pelos
orientadores a propósito da passagem para o ensino
superior (seleção social).
D) A profissão de estudante - Para tornar-se
membro, um estudante faz uso de práticas de
filiação a fim de se agregar ao novo grupo,
mostrando-se competente quando consegue
categorizar o mundo da mesma forma que a
comunidade universitária.
2. A delinquência Juvenil
A delinquência juvenil, enquanto fenômeno
social, constitui o objeto de uma construção
social.
As ações dos jovens são documentadas por
policiais, juízes e até pesquisadores e
usadas como evidência para caracterizar
atividades ou comportamentos como ilegais,
perigosos ou suspeitos.
Os futuros comportamentos desses jovens
serão interpretados em função desse
rótulo, confirmando o diagnóstico inicial.
3. A vida de laboratório
A abordagem etnometodológica renova a
problemática da sociologia da ciência.
As descobertas científicas são feitas no
decorrer de uma ordem série de observações
historicizadas, feitas em tempo real e em
uma ordem precisa.
O trabalho científico é objeto de uma
construção localizada; A ciência é uma ação
prática.
Essas práticas são “naturalizadas” no
discurso científico.
4. A burocracia
Teoria moderna da burocracia - Max Weber: a
Administração Pública estabelece sua
função em cima de provas objetivas;
Mas o que confere a uma folha de papel
validade oficial?
Há uma constante negociação para julgar a
validade dos despachos, um efeito recíproco
entre as rotinas e os obstáculos. O caráter
“evidente” de um documento depende da
representação de mundo feita entre o
funcionário e o cliente.
Capítulo VI
Críticas e convergências
O caráter radical da etnometodologia não
poderia deixar de lhe atrair a hostilidade da
sociologia estabelecida.
Guerra! - 1968, J.S. Coleman: American
Sociological Review aos Studies. Ápice -
1975, Lewis Coser, Associação Americana de
Sociologia.
1. Um ataque violento
Coser, Congresso de 1975 da AAS: “duas
tendências põem em perigo a Sociologia
americana: a análise quantitativa e a
etnometodologia.” (p. 116)
acusações: a etnometodologia é linguística
demais, psicológica demais, descreve demais
a partir dos sujeitos pesquisados, não é
objetiva, encerra os sujeitos em seu
universo de significações privado, é sectária
e ocupa-se de problemas por demais triviais,
“que excluem os domínios que a sociologia
costuma explorar desde Augusto Comte.” (p.119)
2. Um contra-senso
Réplica de Zimmerman no ano seguinte:
Coser não apresenta nenhuma razão séria para
fazer crer que a sociologia americana esteja em
crise;
É leviano ao afirmar que os objetos da
etnometodologia são trivialidades: “Não cabe a
uma autoridade incerta legislar sobre aquilo que
convém estudar no mundo social.” (p. 121)
Coser não compreendeu a etnometodologia -
redução etnometodológica - “insinua-se que a
etnometodologia aborda essas descrições como se
constituíssem a própria realidade social, isto é
um contra-senso, (...) são traços constitutivos
dos quadros em que são produzidas”.
3. Uma seita?
“A etnometodologia é um movimento intelectual que,
como os outros, nasce na obscuridade e acaba sendo
conhecido por um público mais amplo.”(p. 122)
“A despeito do pretendo esoterismo de sua linguagem,
ela produziu, no decorrer destes últimos anos, diversas
compilações que lhe asseguraram a difusão dos
trabalhos.” (p. 122)
“Nas ciências sociais, a verdade não é revelada, mas
argumentada.” (p. 123)
Ignorar o “mundo real”? (p. 123)
“A etnometodologia, através da análise das atividades
humanas, procura estudar os fenômenos sociais
incorporados em nossos discursos e em nossas ações.” (p.
124)
Desnudar as práticas que estruturam a vida cotidiana -
pela revelação dessas estruturas sociais, os atores
podem decidir mudá-las. (p. 124)
4. Tentativa de síntese
Pierre Bourdieu, 1986, conferência na UC San Diego
- “A ciência social oscila entre duas posições
aparentemente inconciliáveis, o objetivismo e o
subjetivismo” (constructivist structuralism,
structuralist constructivism).
“(...) de um lado, as estruturas objetivas que o
sociólogo constrói no momento objetivista,
descartando as representações subjetivas dos
agentes, são o fundamento das representações
subjetivas e elas constituem as leis estruturais que
pesam sobre as interações; mas, de outro lado, essas
representações devem também ser levadas em conta,
caso se queira compreender em particular as lutas
cotidianas, individuais ou coletivas, que visam
transformar ou conservar essas estruturas.” (Bourdieu apud
coulon, p. 126)
5. Marxismo e
etnometodologia
Tentativas de aproximação (Mehan e Wood,
Zimmerman, Chua, Castoriadis)
etnometodologia - prática de desmistificação e
desobjetivação das categorias reificadas da “atitude
natural”
Marx e Garfinkel - construção permanente da
sociedade por si mesma; esquecimento dessa
construção
Crítica de Sartre ao “Fetichismo da totalidade” de
Kurt Lewin
Castoriadis - sociedade instituinte X sociedade
instituída
Queré - “trabalho de instituição”
Conclusão
“A realidade objetiva dos fatos sociais,
enquanto toda a sociedade é produzida
localmente, naturalmente organizada e
reflexivamente descritível, é uma realização
contínua e prática, enquanto esta realidade
objetiva é em toda parte, sempre, apenas, exata
e inteiramente o trabalho dos membros,
constitui o fenômeno fundamental da
sociologia”. (Garfinkel apud coulon, p. 130)
“... a realidade objetiva dos fatos sociais é o
princípio fundamental da sociologia.”
durkheim apud coulon, p. 129

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)e neto
 
O processo de desnaturalização da realidade
O processo de desnaturalização da realidadeO processo de desnaturalização da realidade
O processo de desnaturalização da realidadeJosé Luiz Costa
 
Karl marx e as classes sociais
Karl marx e as classes sociaisKarl marx e as classes sociais
Karl marx e as classes sociaisItalo Colares
 
Didática uma retrospectiva histórica - Neidson Rodrigues
Didática uma retrospectiva histórica - Neidson RodriguesDidática uma retrospectiva histórica - Neidson Rodrigues
Didática uma retrospectiva histórica - Neidson RodriguesPoliana Tavares
 
TEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICA
TEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICATEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICA
TEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICAjlpaesjr
 
Documento de Identidade - Teorias do Currículo
Documento de Identidade - Teorias do CurrículoDocumento de Identidade - Teorias do Currículo
Documento de Identidade - Teorias do CurrículoRenata Aquino
 
Etnografia e Observação
Etnografia e ObservaçãoEtnografia e Observação
Etnografia e ObservaçãoGe Homrich
 
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)Israel serique
 
O método das ciências humanas
O método das ciências humanasO método das ciências humanas
O método das ciências humanasAlan
 
Quadro dos clássicos da sociologia
Quadro dos clássicos da sociologiaQuadro dos clássicos da sociologia
Quadro dos clássicos da sociologiaroberto mosca junior
 
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou BehaviorismoComportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou BehaviorismoErica Nascimento
 

Mais procurados (20)

Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
 
Aula 9c Estudos Culturais - Stuart Hall
Aula 9c Estudos Culturais - Stuart HallAula 9c Estudos Culturais - Stuart Hall
Aula 9c Estudos Culturais - Stuart Hall
 
O processo de desnaturalização da realidade
O processo de desnaturalização da realidadeO processo de desnaturalização da realidade
O processo de desnaturalização da realidade
 
Conceito e origem da antropologia
Conceito e origem da antropologiaConceito e origem da antropologia
Conceito e origem da antropologia
 
Epistemologia introdução
Epistemologia   introduçãoEpistemologia   introdução
Epistemologia introdução
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
Max weber 1º ano
Max weber 1º anoMax weber 1º ano
Max weber 1º ano
 
Karl marx e as classes sociais
Karl marx e as classes sociaisKarl marx e as classes sociais
Karl marx e as classes sociais
 
Didática uma retrospectiva histórica - Neidson Rodrigues
Didática uma retrospectiva histórica - Neidson RodriguesDidática uma retrospectiva histórica - Neidson Rodrigues
Didática uma retrospectiva histórica - Neidson Rodrigues
 
TEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICA
TEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICATEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICA
TEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICA
 
Emile durkheim
Emile durkheimEmile durkheim
Emile durkheim
 
Documento de Identidade - Teorias do Currículo
Documento de Identidade - Teorias do CurrículoDocumento de Identidade - Teorias do Currículo
Documento de Identidade - Teorias do Currículo
 
Auguste comte
Auguste comteAuguste comte
Auguste comte
 
Karl marx
 Karl marx Karl marx
Karl marx
 
Etnografia e Observação
Etnografia e ObservaçãoEtnografia e Observação
Etnografia e Observação
 
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
 
O método das ciências humanas
O método das ciências humanasO método das ciências humanas
O método das ciências humanas
 
Quadro dos clássicos da sociologia
Quadro dos clássicos da sociologiaQuadro dos clássicos da sociologia
Quadro dos clássicos da sociologia
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou BehaviorismoComportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou Behaviorismo
 

Semelhante a Etnometodologia parte II - COULON

Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)Edenilson Morais
 
Fichamento O Que é Sociologia
Fichamento   O Que é SociologiaFichamento   O Que é Sociologia
Fichamento O Que é SociologiaWladimir Crippa
 
Planejamento de ensino e aprendizagem 2 ano
Planejamento de ensino e aprendizagem 2 anoPlanejamento de ensino e aprendizagem 2 ano
Planejamento de ensino e aprendizagem 2 anoDany Pereira
 
Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012
Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012
Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012ozgauche
 
SOCIOLOGIA 1ANO - Imaginação Sociológica
SOCIOLOGIA 1ANO - Imaginação SociológicaSOCIOLOGIA 1ANO - Imaginação Sociológica
SOCIOLOGIA 1ANO - Imaginação SociológicaMiriamGoulart5
 
Seminário saad a vida dos objetos final
Seminário saad a vida dos objetos   finalSeminário saad a vida dos objetos   final
Seminário saad a vida dos objetos finalMargot Pavan
 
Via da Complexidade
Via da ComplexidadeVia da Complexidade
Via da ComplexidadeLucila Pesce
 
Métodos de Investigação e Escrita Científica
Métodos de Investigação e Escrita CientíficaMétodos de Investigação e Escrita Científica
Métodos de Investigação e Escrita Científicaviviprof
 
Sociologia: antecedentes e positivismo
Sociologia: antecedentes e positivismoSociologia: antecedentes e positivismo
Sociologia: antecedentes e positivismorichard_romancini
 
Unidade I Aula:Bases para uma Sociologia Urbana
Unidade I  Aula:Bases para uma Sociologia UrbanaUnidade I  Aula:Bases para uma Sociologia Urbana
Unidade I Aula:Bases para uma Sociologia UrbanaCleide Magáli dos Santos
 
O PAPEL DA SOCIOLOGIA SEGUNDO DURKHEIM E WEBER.docx
O PAPEL DA SOCIOLOGIA SEGUNDO DURKHEIM E WEBER.docxO PAPEL DA SOCIOLOGIA SEGUNDO DURKHEIM E WEBER.docx
O PAPEL DA SOCIOLOGIA SEGUNDO DURKHEIM E WEBER.docxRaquelSantanafonseca
 
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologiaA ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologiaFernando Alcoforado
 
O movimento do construcionismo social
O movimento do construcionismo socialO movimento do construcionismo social
O movimento do construcionismo socialLuiz Algarra
 
O objeto da sociologia e a objetividade do
O objeto da sociologia e a objetividade doO objeto da sociologia e a objetividade do
O objeto da sociologia e a objetividade doDavi Islabao
 
Teorias da Comunicação-Etnometodologias-10ago07
Teorias da Comunicação-Etnometodologias-10ago07Teorias da Comunicação-Etnometodologias-10ago07
Teorias da Comunicação-Etnometodologias-10ago07Omec
 

Semelhante a Etnometodologia parte II - COULON (20)

Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
 
Revista sociologia
Revista sociologiaRevista sociologia
Revista sociologia
 
Fichamento O Que é Sociologia
Fichamento   O Que é SociologiaFichamento   O Que é Sociologia
Fichamento O Que é Sociologia
 
Planejamento de ensino e aprendizagem 2 ano
Planejamento de ensino e aprendizagem 2 anoPlanejamento de ensino e aprendizagem 2 ano
Planejamento de ensino e aprendizagem 2 ano
 
Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012
Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012
Antropologia e educação I - Aula 23/03/2012
 
SOCIOLOGIA 1ANO - Imaginação Sociológica
SOCIOLOGIA 1ANO - Imaginação SociológicaSOCIOLOGIA 1ANO - Imaginação Sociológica
SOCIOLOGIA 1ANO - Imaginação Sociológica
 
Seminário saad a vida dos objetos final
Seminário saad a vida dos objetos   finalSeminário saad a vida dos objetos   final
Seminário saad a vida dos objetos final
 
Via da Complexidade
Via da ComplexidadeVia da Complexidade
Via da Complexidade
 
Met. Cientifica
Met. CientificaMet. Cientifica
Met. Cientifica
 
Métodos de Investigação e Escrita Científica
Métodos de Investigação e Escrita CientíficaMétodos de Investigação e Escrita Científica
Métodos de Investigação e Escrita Científica
 
Aula1arquivoalunos
Aula1arquivoalunosAula1arquivoalunos
Aula1arquivoalunos
 
Miec
MiecMiec
Miec
 
Apostila sociologia - eja fácil
Apostila sociologia - eja fácilApostila sociologia - eja fácil
Apostila sociologia - eja fácil
 
Sociologia: antecedentes e positivismo
Sociologia: antecedentes e positivismoSociologia: antecedentes e positivismo
Sociologia: antecedentes e positivismo
 
Unidade I Aula:Bases para uma Sociologia Urbana
Unidade I  Aula:Bases para uma Sociologia UrbanaUnidade I  Aula:Bases para uma Sociologia Urbana
Unidade I Aula:Bases para uma Sociologia Urbana
 
O PAPEL DA SOCIOLOGIA SEGUNDO DURKHEIM E WEBER.docx
O PAPEL DA SOCIOLOGIA SEGUNDO DURKHEIM E WEBER.docxO PAPEL DA SOCIOLOGIA SEGUNDO DURKHEIM E WEBER.docx
O PAPEL DA SOCIOLOGIA SEGUNDO DURKHEIM E WEBER.docx
 
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologiaA ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
 
O movimento do construcionismo social
O movimento do construcionismo socialO movimento do construcionismo social
O movimento do construcionismo social
 
O objeto da sociologia e a objetividade do
O objeto da sociologia e a objetividade doO objeto da sociologia e a objetividade do
O objeto da sociologia e a objetividade do
 
Teorias da Comunicação-Etnometodologias-10ago07
Teorias da Comunicação-Etnometodologias-10ago07Teorias da Comunicação-Etnometodologias-10ago07
Teorias da Comunicação-Etnometodologias-10ago07
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoRaquel Salcedo Gomes
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Raquel Salcedo Gomes
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaRaquel Salcedo Gomes
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?Raquel Salcedo Gomes
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoRaquel Salcedo Gomes
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasRaquel Salcedo Gomes
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Raquel Salcedo Gomes
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Raquel Salcedo Gomes
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisRaquel Salcedo Gomes
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasRaquel Salcedo Gomes
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesRaquel Salcedo Gomes
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes (20)

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da cultura
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemia
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cognição
 
Cognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagemCognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagem
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
 
Educação na cultura digital
Educação na cultura digitalEducação na cultura digital
Educação na cultura digital
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
 
O que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre LévyO que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre Lévy
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitais
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidências
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and Challenges
 
Bergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha teseBergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha tese
 
Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)
 

Etnometodologia parte II - COULON

  • 1. COULON, A. Etnomedologia Parte II Raquel Salcedo Gomes Linguagem e Interação - PPGLA 06/06/2012
  • 2. Capítulo V Questão de Método Relembrando: a etnometodologia é a ciência dos etnométodos, isto é, o estudo de como as pessoas constroem os sentidos de suas ações, daquilo que garfinkel denomina “raciocínio sociológico prático”.
  • 3. 1. A postura de “indiferença etnometodológica” “Os estudos etnometodológicos sobre as estruturas formais se destinam ao estudo de fenômenos como, por exemplo, suas descrições pelos membros, quaisquer que sejam, abstendo- se de todo juízo sobre a sua pertinência, seu valor, sua importância, sua necessidade, sua “praticalidade”, seu sucesso ou consequência. Damos a esse modo de proceder o nome de “indiferença metodológica”. (...) A nossa indiferença se refere sobretudo ao conjunto do raciocínio sociológico prático, e esse raciocínio implica inevitavelmente para nós, sejam quais forem as suas formas, o domínio da linguagem natural.(...)” (Garfinkel e SAcks Apud Coulon, p. 82)
  • 4. 2. A provocação experimental (p. 82,83) Trust (Confiança) - necessidade de uma ordem moral como garantia para o bom êxito das interações; Breaching (desarrumação) - rupturas experimentais em jogos de sociedade para mostrar o pano-de-fundo moral das atividades comuns; Crítica aos métodos da sociologia tradicional, especialmente os quantitativos
  • 5. 3. A contribuição metodológica de Cicourel 1964, Method and Measurement in Sociology: (p. 83,84,85) O sociólogo deve esclarecer, primeiramente, a linguagem que utiliza; A pesquisa exige uma teoria da instrumentação e uma teoria dos dados, de modo a distingui-los; Os fatos da ação social devem ser clarificados antes de impor-lhes postulados de medida inadequados; A imposição de procedimentos numéricos exteriores tanto ao mundo social observável descrito como às conceitualizações baseadas nessas descrições é equivocada; Os sociólogos não atribuem suficiente importância ao estudo das variáveis subjetivas que contribuem para o caráter contingente da vida cotidiana;
  • 6. 4. Etnometodologia, etnografia constitutiva e sociologia qualitativa Como não produziram uma tecnologia original, os etnometodólogos usam instrumentos de pesquisa que tomam emprestados da etnografia. A) A etnografia constitutiva (Hugh Mehan); B) O tracking (Don Zimmerman);
  • 7. A) etnografia constitutiva Hipótese interacionista - as estruturas sociais são construções sociais; Estudo das atividades estruturantes que constroem os fatos sociais objetivos; Disponibilidade dos dados consultáveis; Exaustividade do tratamento dos dados; convergência entre pesquisadores e participantes sobre a visão dos acontecimentos; Análise interacional; Reconhecimento do caráter contextual de todo fato social; Abandono das “hipóteses-de-antes-da-ida-ao-campo”; Descrição - descrever o que os membros fazem, mostrando os meios que utilizam para organizar sua vida social em comum;
  • 8. b) tracking (espreita) “seguir a pista de alguém, caminhar seguindo os vestígios de alguém.”(Zimmerman apud Coulon, p. 89) Para se situar como um indivíduo da coletividade, o pesquisador precisa considerar suas próprias implicações na estratégia de pesquisa; Deve compartilhar com os membros uma linguagem comum, para evitar erros de interpretação; Situar as descrições dos membros em seu contexto e considerar seus relatos como instruções de pesquisa; Deve ter uma estratégia de ingresso e aplicar um dispositivo de observação e pesquisa, descrevendo os acontecimentos repetitivos e as atividades que constituem as rotinas dos grupos estudados;
  • 9. A etnometodologia é uma doutrina construtivista que defende que o segredo da aglutinação social não reside nas estatísticas produzidas por peritos, mas que se desvela, ao contrário, pela análise dos etnométodos, isto é, dos procedimentos que os membros de uma forma social usam para produzir e reconhecer seu mundo, para torná-lo familiar, aglutinando-o. (p. 92)
  • 10. Capítulo VI O trabalho de campo “Todas as teses defendidas na corrente etnometodológica têm como objeto um problema social e como demarche a abordagem qualitativa de campo, segundo procedimentos geralmente tomados de empréstimo à etnografia. (...) para cada domínio estudado, os etnometodólogos põem ênfase nas atividades interacionais que constituem os fatos sociais. Os fatos sociais não são coisas, mas realizações práticas (...)” (p. 93) educação, sistema judiciário, práticas médicas, processos organizacionais, pesquisa científica
  • 11. 1. A educação A) As interações na sala de aula - a aula é uma organização social, decorrente de uma ordem instituída. É o trabalho de interação entre professores e alunos que produz esta organização. Um aluno competente será aquele capaz de sintetizar entre o conteúdo acadêmico e as formas interacionais necessárias para realizar uma tarefa. B) Os testes e os exames - A interpretação das questões de um teste varia entre os aplicadores e os respondentes. Tratar os resultados de testes como objetivos dissimula o modo como o aluno elabora suas respostas, o que é fundamental para compreender seu raciocínio. A discrepância na interpretação mascara o conhecimento do aluno.
  • 12. 1. A educação C) Os orientadores escolares - Cicourel e Kitsuse mostraram como decisões arbitrárias, com base no racismo e em preconceitos sócio-econômicos ligados às suas representações, podiam ser tomadas pelos orientadores a propósito da passagem para o ensino superior (seleção social). D) A profissão de estudante - Para tornar-se membro, um estudante faz uso de práticas de filiação a fim de se agregar ao novo grupo, mostrando-se competente quando consegue categorizar o mundo da mesma forma que a comunidade universitária.
  • 13. 2. A delinquência Juvenil A delinquência juvenil, enquanto fenômeno social, constitui o objeto de uma construção social. As ações dos jovens são documentadas por policiais, juízes e até pesquisadores e usadas como evidência para caracterizar atividades ou comportamentos como ilegais, perigosos ou suspeitos. Os futuros comportamentos desses jovens serão interpretados em função desse rótulo, confirmando o diagnóstico inicial.
  • 14. 3. A vida de laboratório A abordagem etnometodológica renova a problemática da sociologia da ciência. As descobertas científicas são feitas no decorrer de uma ordem série de observações historicizadas, feitas em tempo real e em uma ordem precisa. O trabalho científico é objeto de uma construção localizada; A ciência é uma ação prática. Essas práticas são “naturalizadas” no discurso científico.
  • 15. 4. A burocracia Teoria moderna da burocracia - Max Weber: a Administração Pública estabelece sua função em cima de provas objetivas; Mas o que confere a uma folha de papel validade oficial? Há uma constante negociação para julgar a validade dos despachos, um efeito recíproco entre as rotinas e os obstáculos. O caráter “evidente” de um documento depende da representação de mundo feita entre o funcionário e o cliente.
  • 16. Capítulo VI Críticas e convergências O caráter radical da etnometodologia não poderia deixar de lhe atrair a hostilidade da sociologia estabelecida. Guerra! - 1968, J.S. Coleman: American Sociological Review aos Studies. Ápice - 1975, Lewis Coser, Associação Americana de Sociologia.
  • 17. 1. Um ataque violento Coser, Congresso de 1975 da AAS: “duas tendências põem em perigo a Sociologia americana: a análise quantitativa e a etnometodologia.” (p. 116) acusações: a etnometodologia é linguística demais, psicológica demais, descreve demais a partir dos sujeitos pesquisados, não é objetiva, encerra os sujeitos em seu universo de significações privado, é sectária e ocupa-se de problemas por demais triviais, “que excluem os domínios que a sociologia costuma explorar desde Augusto Comte.” (p.119)
  • 18. 2. Um contra-senso Réplica de Zimmerman no ano seguinte: Coser não apresenta nenhuma razão séria para fazer crer que a sociologia americana esteja em crise; É leviano ao afirmar que os objetos da etnometodologia são trivialidades: “Não cabe a uma autoridade incerta legislar sobre aquilo que convém estudar no mundo social.” (p. 121) Coser não compreendeu a etnometodologia - redução etnometodológica - “insinua-se que a etnometodologia aborda essas descrições como se constituíssem a própria realidade social, isto é um contra-senso, (...) são traços constitutivos dos quadros em que são produzidas”.
  • 19. 3. Uma seita? “A etnometodologia é um movimento intelectual que, como os outros, nasce na obscuridade e acaba sendo conhecido por um público mais amplo.”(p. 122) “A despeito do pretendo esoterismo de sua linguagem, ela produziu, no decorrer destes últimos anos, diversas compilações que lhe asseguraram a difusão dos trabalhos.” (p. 122) “Nas ciências sociais, a verdade não é revelada, mas argumentada.” (p. 123) Ignorar o “mundo real”? (p. 123) “A etnometodologia, através da análise das atividades humanas, procura estudar os fenômenos sociais incorporados em nossos discursos e em nossas ações.” (p. 124) Desnudar as práticas que estruturam a vida cotidiana - pela revelação dessas estruturas sociais, os atores podem decidir mudá-las. (p. 124)
  • 20. 4. Tentativa de síntese Pierre Bourdieu, 1986, conferência na UC San Diego - “A ciência social oscila entre duas posições aparentemente inconciliáveis, o objetivismo e o subjetivismo” (constructivist structuralism, structuralist constructivism). “(...) de um lado, as estruturas objetivas que o sociólogo constrói no momento objetivista, descartando as representações subjetivas dos agentes, são o fundamento das representações subjetivas e elas constituem as leis estruturais que pesam sobre as interações; mas, de outro lado, essas representações devem também ser levadas em conta, caso se queira compreender em particular as lutas cotidianas, individuais ou coletivas, que visam transformar ou conservar essas estruturas.” (Bourdieu apud coulon, p. 126)
  • 21. 5. Marxismo e etnometodologia Tentativas de aproximação (Mehan e Wood, Zimmerman, Chua, Castoriadis) etnometodologia - prática de desmistificação e desobjetivação das categorias reificadas da “atitude natural” Marx e Garfinkel - construção permanente da sociedade por si mesma; esquecimento dessa construção Crítica de Sartre ao “Fetichismo da totalidade” de Kurt Lewin Castoriadis - sociedade instituinte X sociedade instituída Queré - “trabalho de instituição”
  • 22. Conclusão “A realidade objetiva dos fatos sociais, enquanto toda a sociedade é produzida localmente, naturalmente organizada e reflexivamente descritível, é uma realização contínua e prática, enquanto esta realidade objetiva é em toda parte, sempre, apenas, exata e inteiramente o trabalho dos membros, constitui o fenômeno fundamental da sociologia”. (Garfinkel apud coulon, p. 130) “... a realidade objetiva dos fatos sociais é o princípio fundamental da sociologia.” durkheim apud coulon, p. 129