O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
PAPEL DO PEDAGOGO FRENTE AO CONSELHO DE CLASSE
Dianete Maria Ragazzan Hoffmann1.
Maria Lídia Sica Zsymanski2.
INTRODUÇÃO
A...
Antes de relatar a experiência em desenvolvimento desta etapa do projeto destaca-se
o papel do pedagogo no encaminhamento ...
A organização da prática pode se subdividir em momentos distintos: Pré-Conselhos,
Conselhos de Classe e Pós-Conselhos de C...
informações e dados coletados a serem analisados no Conselho de Classe (PARANÁ, 2007,
p. 28)”.
Entre as atribuições do Con...
os professores da instituição para (re)pensar sobre a avaliação escolar: da concepção às
práticas avaliativas.
Para este m...
escritos...
Pd10 – É um processo contínuo para verificação
do
processo
de
ensino-aprendizagem,
considerando professor, alu...
Fonte: Secretaria do Colégio, 2007.
Neste gráfico - 1 do Ensino Fundamental – Séries Finais apresentam-se os
indicadores d...
Considerando que o coletivo da escola tem consciência das problemáticas
educacionais e no PPP desta instituição já contemp...
estudantes estar na escola e na sala de aula para de fato haver a apropriação dos
conhecimentos desenvolvidos pelos profes...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

41 dianete m. r. hoffmann

343 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

41 dianete m. r. hoffmann

  1. 1. PAPEL DO PEDAGOGO FRENTE AO CONSELHO DE CLASSE Dianete Maria Ragazzan Hoffmann1. Maria Lídia Sica Zsymanski2. INTRODUÇÃO A finalidade deste artigo é apresentar o relato de experiência nos encaminhamentos realizados do projeto “Ação do PDE no Programa de Superação” o qual compreende um conjunto de ações em desenvolvimento, numa das escolas da Rede Pública Estadual, situada num bairro de periferia do município de Toledo – Paraná. Este projeto tem como pressuposto metodológico a pesquisa participante com ênfase na intervenção, ou seja, definição da problemática indicada pelo diagnóstico preliminar realizado na escola e decisão em conjunto com pesquisador e pesquisados das questões a ser trabalhadas. A partir do acordo firmado com a equipe diretiva e pedagógica decidiu-se numa proposta de ações voltadas à reflexão das práticas avaliativas do processo de ensinoaprendizagem e a função do pedagogo. Estas reflexões visam especificamente fortalecer o trabalho do pedagogo no cotidiano da escola, as quais estão estreitamente ligadas à organização do Conselho de Classe. Para atender tais especificidades delimitou-se como objeto específico realizar algumas reflexões sobre a função e atribuições do Conselho de Classe e sua implementação, considerando o que e a escola vem realizando e ações já contempladas no PPP e plano de ação da equipe pedagógica. A seguir descrevem-se as ações, análises e discussões desenvolvidas sobre o papel do pedagogo frente ao Conselho de Classe, com destaque acerca de sua função, respectivas atribuições e forma de organização deste órgão colegiado que faz parte da gestão de uma escola democrática. Destacam-se também as reflexões realizadas até o momento, deste projeto, cujas atividades desenvolvidas envolveram o coletivo de profissionais da escola tendo como pressuposto a análise das práticas avaliativas do processo de ensino-aprendizagem e o pedagogo frente aos encaminhamentos deste processo. 1 Pedagogo e o Conselho de Classe: das intenções às ações 1 Pedagoga da Rede Pública Estadual-NRE/Toledo/Paraná. Professora Titulada do Programa de Desenvolvimento Educacional – PDE/SEED/SETI/IES – PR; Professora Mestre em Educação Brasileira – UFU/MG. Membro do Grupo de Pesquisa: Educação, Cultura e Cidadania – UNIOESTE/Toledo- PR. dianete.ragazzan@gmail.com. 2 Professora Orientadora do PDE/UNIOESTE-Cascavel/PR; Doutora em Psicologia - USP e Pós- Doutora em Psicologia do Desenvolvimento Humano-UNICAMP/SP. Docente na UNIOESTE/Cascavel – PR. szymanski_@hotmail.com.
  2. 2. Antes de relatar a experiência em desenvolvimento desta etapa do projeto destaca-se o papel do pedagogo no encaminhamento das ações frente ao Conselho de Classe. É pertinente enfatizar a ampliação deste profissional na escola e sobre o objeto de seu trabalho. A ampliação e inserção do pedagogo com formação é recente nas escolas da rede pública estadual e nesta escola, em especial, sua presença há a três anos. A equipe desta escola é composta por duas pessoas em cada turno de funcionamento e somente uma faz parte do quadro efetivo do magistério, as demais não têm estabilidade e a cada ano trocam de escola. Esta mobilidade dificulta a consolidação de um trabalho mais efetivo da prática pedagógica sob a responsabilidade do pedagogo, porém mesmo com esta deficiência há uma preocupação do trabalho neste sentido. Atualmente defende-se o pedagogo, aquele profissional responsável na organização da prática pedagógica. Uma das especificidades, entre tantas, é o encaminhamento do Conselho de Classe, o qual visa: assessorar o professor na identificação e no planejamento de ações teórico-metodológicas no atendimento às dificuldades de aprendizagem; planejar com o coletivo da escola, sob sua coordenação, à intervenção aos problemas levantados em Conselho de Classe; levantar e informar ao coletivo de profissionais da escola e à comunidade, os dados do aproveitamento escolar, sobre os aspectos qualitativos bem como os quantitativos do processo de ensino-aprendizagem (P.P.P. 2007). Assim dentre o conjunto destas especificidades o objeto de trabalho do pedagogo é o acompanhamento do processo de ensino-aprendizagem através da prática do Conselho de Classe. O Conselho de Classe numa perspectiva da gestão democrática integra como uma das instâncias colegiadas. Esta instância também é denominada como órgão colegiado, a qual é constituída pela comunidade escolar envolvida (equipe diretiva, pedagógica, professores, alunos e pais). A especificidade deste órgão colegiado é a mobilização dos princípios de ordem consultiva e deliberativa no desenvolvimento das atividades do processo de ensinoaprendizagem de qualidade em detrimento das práticas avaliativas de exclusão e de reprovação. Desta maneira a especificidade do trabalho do pedagogo enquanto objeto de trabalho pressupõe: organizar e coordenar os Conselhos de Classe de forma a garantir um processo coletivo de reflexão-ação sobre o trabalho pedagógico no decorrer do ano letivo; avaliar o trabalho pedagógico desenvolvido pelos profissionais da escola e da comunidade; acompanhar e assessorar o professor na seleção de procedimentos de avaliação do aproveitamento da aprendizagem adequando-os aos objetivos educacionais previstos em sua Proposta Curricular.
  3. 3. A organização da prática pode se subdividir em momentos distintos: Pré-Conselhos, Conselhos de Classe e Pós-Conselhos de Classe com ações especificas de cada momento, de forma a garantir um processo coletivo de reflexão-ação sobre o trabalho pedagógico desenvolvido no estabelecimento de ensino. Estas ações, portanto, constituem-se em desafios que a escola busca avançar e consolidar com um trabalho do pedagogo das intenções às ações. A seguir apresenta-se o que é um Conselho de Classe e respectivas atribuições visando superar a visão fragmentada deste órgão colegiado que ainda predomina em sua prática em apontar a responsabilidade ao aluno das causas do não domínio do conhecimento. É necessário, portanto, concebê-lo como uma possibilidade de tornar-se um instrumento a favor da aprendizagem. 1.1 Conselho de Classe: função e atribuições Para conceituar o Conselho de Classe verificou-se no levantamento preliminar da realidade escolar mediante a observação e análise do PPP(2007) que a escola tem em seu marco conceitual uma visão deste órgão colegiado. Então cabe considerar que referente ao Conselho de Classe este se constitui num órgão colegiado e integra as ações do sistema de avaliação escolar o qual é regulamentado a partir de uma concepção de avaliação definida com apoio na legislação educacional e da opção teórica contemplada. Pode-se afirmar, portanto que o Conselho de Classe constitui-se numa perspectiva transformadora em um “recurso de ação pedagógica que busca a melhoria da escola como um todo, do desempenho do professor, devendo contribuir para o desenvolvimento do aluno nos aspectos pessoal, social, e educacional” (PPP, 2007, p. 57). Significa concebê-lo como instrumento determinante para o diagnóstico, reflexão e intervenções diante das problemáticas constatadas no decorrer do processo de ensino-aprendizagem, haja vista o espaço considerado como uma “instância de reflexão coletiva na organização do trabalho escolar” (PPP, 2007, p, 57). O Caderno de apoio para elaboração do regimento escolar (PARANÁ, 2007) elaborado pela equipe da SEED aponta a finalidade e atribuições ao Conselho de Classe. A finalidade da reunião do Conselho de Classe é “após analisar as informações e dados apresentados, é a de intervir em tempo hábil no processo ensino e aprendizagem, oportunizando ao aluno formas diferenciadas de apropriar-se dos conteúdos curriculares estabelecidos (PARANÁ, 2007, p. 28)”. Sobre a organização desta reunião o referido documento destaca que: “é da responsabilidade da equipe pedagógica organizar as
  4. 4. informações e dados coletados a serem analisados no Conselho de Classe (PARANÁ, 2007, p. 28)”. Entre as atribuições do Conselho de Classe contempladas no Caderno de apoio para elaboração do regimento escolar propõe as seguintes: Analisar as informações sobre os conteúdos curriculares, encaminhamentos metodológicos e práticas avaliativas que se referem ao processo ensino e aprendizagem; propor procedimentos e formas diferenciadas de ensino e de estudos para a melhoria do processo ensino e aprendizagem; estabelecer mecanismos de recuperação de estudos, concomitantes ao processo de aprendizagem, que atendam às reais necessidades dos alunos, em consonância com a Proposta Pedagógica Curricular da escola; acompanhar o processo de avaliação de cada turma, devendo debater e analisar os dados qualitativos e quantitativos do processo ensino e aprendizagem; atuar com co-responsabilidade na decisão sobre a possibilidade de avanço do aluno para série/etapa subseqüente ou retenção, após a apuração dos resultados finais, levando-se em consideração o desenvolvimento integral do aluno (PARANÁ, 2007, p. 29). O Conselho de Classe concebido como um espaço instituído e instituinte, no coletivo da instituição pressupõem assegurar um espaço para a reflexão dos problemas referentes ao ensino e aprendizagem e os devidos encaminhamentos. Isso implica em articular uma concepção de avaliação para análise das práticas avaliativas. Aí é adequado utilizar-se da perspectiva da avaliação que considera como “... uma estratégia que assegure seu caráter diagnóstico e prognóstico” (MARTINS, p.54) tendo, pois, como objeto o desenvolvimento cognitivo dos alunos. No encaminhamento das práticas da avaliação pressupõe em atender os elementos da dimensão histórica, que se revelam numa perspectiva cotidiana e cumulativa. Neste sentido, na seqüência das discussões e reflexões, destacam-se alguns aspectos desenvolvidos neste projeto visando atender a perspectiva de um Conselho de Classe como espaço de reflexão tendo como pressuposto de análise das práticas avaliativas. 1.2 Conselho de Classe: criação de espaço de reflexão acerca das práticas avaliativas A importância do pedagogo frente ao Conselho de Classe já ressaltado tem como responsabilidade essencial de seu objeto de trabalho na organização escolar qualificar as práticas avaliativas do processo de ensino-aprendizagem. A partir das ações definidas, nesta etapa do projeto, mediante o acordo e aprovação da equipe diretiva e pedagógica em fortalecer as ações pertinentes a este órgão colegiado, do Conselho de Classe, em realizar a análise das práticas avaliativas descreve-se entre outras ações desenvolvidas. Neste momento organizou-se um espaço de discussões e reflexões com
  5. 5. os professores da instituição para (re)pensar sobre a avaliação escolar: da concepção às práticas avaliativas. Para este momento iniciou-se a análise com o grupo de profissionais da escola (equipe diretiva, pedagógica e os professores) propondo a reflexão a respeito de sua concepção de avaliação e como articulam tal concepção às práticas avaliativas. Esta reflexão inicial foi proposta para os Professores realizarem em duplas3. Em algumas das falas selecionadas apresentadas a seguir são assim representas, pelas duplas, quando indagadas sobre qual a concepção de avaliação e como articulam às práticas avaliativas em suas disciplinas: Concepção de avaliação: Articulação às Práticas avaliativas: Pd1 - A avaliação é um processo em que o professor deve diagnosticar o conhecimento que o aluno traz e seu desempenho, apropriação do conhecimento adquirido na escola, para posterior intervenção. Pd1 – Através de um texto, vocabulário, leitura, capacidade de interpretar, argumentação, interação, produção, jogos, prova, trabalho em grupos, etc. Pd2 –[...] é uma via de mão dupla onde a nota do meu aluno tem que servir para que no mínimo eu repense a minha prática. Pd2 – Todo o trabalho produzido pelo meu aluno tem que ser o resultado da minha ação na transmissão do conhecimento elaborado cientificamente, retomando sempre a recuperação dos conteúdos e não da nota do aluno. Já que se pode sonhar com uma escola sem nota, mas nunca sem avaliação, uma vez que esta é que subsidia nossas ações. Pd3 - A avaliação é a verificação daquilo que eu Pd3 – [...] aplicar algumas perguntas para saber ensinei, se o aluno aprendeu e que conteúdo que se o aluno aprendeu ou não, para posteriormente deverei retomar novamente. poder dar continuidade nos próximos conteúdos; trabalho em grupos, seminários. Pd4 - Para medir o nível de aproveitamento da Pd4 – através da participação do aluno, durante disciplina, pelos alunos. as aulas, trabalhos em grupos. Seminários, discussão em grupo e as provas. Pd5 - É o processo de compreensão e aprendizagem do aluno diante do conhecimento proposto e de novos conhecimentos adquiridos e desenvolvidos. Pd5 – Através dos trabalhos realizados diariamente, valorizando experiências de vida do aluno e valorizando tudo que o aluno traz em sala de aula. Pd8 – Verificação da aprendizagem realizada Pd8 – Observando a participação do aluno em pelo educando. sala de aula das atividades propostas (escrita, oralidade). Observando a produção textual escrita, provas(leituras, inferências). Pd9 - Avaliar se o aluno aprendeu num todo Pd9 – Participação, individual e coletiva; valorizando o conhecimento de mundo do aluno. avaliações diversificadas como: trabalhos orais e 3 Para identificar as falas das Duplas de Professores optou-se pela sigla Pd (nº) seguida de numeração: Ex.: Pd1, Pd2, Pd3 e assim sucessivamente.
  6. 6. escritos... Pd10 – É um processo contínuo para verificação do processo de ensino-aprendizagem, considerando professor, aluno e estágio de desenvolvimento. A partir daí poder atuar no processo na busca da superação das dificuldades encontradas. Pd10 – Por meio de observações diárias, registros, oportunizando variadas maneiras para que o aluno possa apropriar-se do conhecimento e demonstrá-lo nas atividades diárias, exercícios, pesquisas, trabalhos coletivos, avaliações teóricas orais. Pd11 – Diagnóstica Pd11 – Verificação da metodologia quais serão as formas de abordagem do conteúdo; prever formas de trabalho que valorize o que o aluno traz como bagagem; trabalhos individuais, coletivos, etc. Pd13 - É utilizada como critério para saber se Pd13 – Textos escritos, orais, trabalhos nossos objetivos foram alcançados e quando é o individuais e grupos, auto-avaliação, pesquisas. momento de fazer a retomada do conteúdo não assimilado (verificação da aprendizagem). Pd14 – Diagnosticar o processo de ensino e de Pd14 – Através de diferentes meios para verificar aprendizagem; avaliar a ação do professor e dos a apropriação de novos conhecimentos: alunos. participação, argumentações, dúvidas, presença, avaliações. Mediante estas idéias representadas buscou-se para a análise a concepção de avaliação contemplada na proposta do PPP da escola e assim comparar com suas idéias. Não é objeto aprofundar esta análise, mas a concepção de avaliação que o professor concebe e como articulam em suas práticas avaliativas. Desta reflexão verificou-se que os professores, na sua maioria, concebem uma avaliação diagnóstica, contínua e cumulativa, mas ainda se verifica a ausência de práticas consistentes frente ao número significativo de alunos reprovados e questionados sobre esta problemática. É evidente que outros determinantes sócio-históricoeconômico-cultural influenciam a não-aprendizagem, entretanto a avaliação numa perspectiva de uma avaliação que considere o percurso dos sujeitos e sua realidade ainda não é elemento central e os professores reconhecem a necessidade de retomar tal perspectiva. Com estas reflexões sobre a concepção, práticas avaliativas e da concepção assegurada no PPP propôs-se ao grupo envolvido a análise da realidade escolar para a problematização ENSINO FUNDAMENTAL - SÉRIES FINAIS frente às demandas a respeito da evasão e da repetência da instituição. Para esta reflexão apresentaram-se as representações gráficas sobre os indicadores educacionais do 100% aproveitamento escolar demonstrados numa série histórica de 2000 a 2006. 80% GRÁFICO 1 - INDICADORES EDUCACIONAIS – SÉRIE HISTÓRICA: 2000 – 2006. 60% 40% 20% 0% 2000 2001 AP 2002 2003 REP 2004 2005 AB 2006
  7. 7. Fonte: Secretaria do Colégio, 2007. Neste gráfico - 1 do Ensino Fundamental – Séries Finais apresentam-se os indicadores de aprovação, reprovação e do abandono escolar. O número de alunos aprovados vem significativamente diminuindo na medida em que os anos avançam e no ano de 2006 os dados apresentam um índice menor em comparação aos demais. Apresenta um número percentual menor que 60%.Verifica-se que a reprovação aumenta na medida em que os anos passam a partir do ano de 2000. Os dados mostram um aumento do número de alunos que abandonam a escola. No gráfico a seguir demonstram-se os indicadores do Ensino Médio numa série histórica dos anos de 2000 a 2006, com as informações referentes à aprovação, reprovação e do abandono dos estudantes matriculados nesta instituição. GRÁFICO 2 - INDICADORES EDUCACIONAIS – SÉRIE HISTÓRICA: 2000 – 2006. ENSINO MÉDIO 100% 80% 60% 40% 20% 0% 2000 2001 AP 2002 2003 REP 2004 2005 2006 AB Fonte: Secretaria do Colégio, 2007. Na demonstração do gráfico 2 verifica-se que o aproveitamento escolar de 2000 a 2006 sobre a aprovação permanece num índice em torno de 60% com exceção de 2002 e de 2004, cujos números estão um pouco acima dos 70%, muito próximos destes, respectivamente. A reprovação também é significativa neste nível de ensino, haja vista que os índices prevalecem próximos de 20% ou um pouco menos deste número. Os números do abandono no Ensino Médio são maiores que a reprovação e segundo os argumentos, justificam-se por que o Ensino Médio funciona no período noturno e a maioria dos estudantes são trabalhadores. Constitui-se, portanto numa problemática que necessita de uma atenção para além da função da escola.
  8. 8. Considerando que o coletivo da escola tem consciência das problemáticas educacionais e no PPP desta instituição já contempla como uma das metas de trabalho a qual reflete tais preocupações. A seguir transcreve-se a meta em questão: Diante de tantas reprovações e desistências há uma urgente necessidade de oferecer melhores condições de aprendizagem para que as crianças e os jovens que freqüentam a escola pública possam exercer sua cidadania. Isso exige da escola a compreensão de que o ponto de partida para o processo de ensino-aprendizagem é a realidade do educando. A partir desse diagnóstico, por meio da relação que os professores estabelecem com o conhecimento e com os alunos, nas múltiplas situações de aprendizagem, devem-se criar condições para o educando vencer obstáculos e ampliar sua leitura de mundo. Nela, os educandos irão descobrir a paixão pelo conhecimento, pelo aprender, bem como entender que o conhecimento é uma produção humana que resulta do trabalho da coletividade que é historicamente construído (PPP, 2007, p. 33). Ressaltou referente à sistematização das metas do PPP para a reflexão do grupo que a teorização das demandas representa o ponto de partida para as mudanças. Estas, por sua vez, se concretizam na medida em que as ações a ser desencadeadas exigem uma articulação da teoria e prática. E são fundamentais quando concebidas como ‘práxis’ e compreendida “como atividade humana, (a qual) pressupõe a idealização consciente por parte do sujeito que se propõe a interferir, a transformar a realidade. [...] necessita conhecer essa realidade e negála, negar significa transformar em outra realidade” (AZZI, 1999, p.46). Portanto, a reprovação e o abandono, presentes no cotidiano da escola, requer mais do que uma prática consciente diante dos problemas com vistas à transformação da realidade, requer a organização do trabalho docente, a contribuição do trabalho do pedagogo e as possibilidades diante de um plano de ação consciente, o qual já vem demarcando uma direção, ou seja, concretizar o pensado em ações como exemplo previsto em seus objetivos gerais da escola, integrado ao PPP: “desenvolver ações coletivas no sentido de superação dos problemas; acompanhar o processo de ensino-aprendizagem atuando junto ao corpo docente, alunos e pais no sentido de analisar os resultados da aprendizagem com vistas à melhoria” (PPP, 2007, p.16). Outro ponto a considerar e ressaltado anteriormente é a necessidade da coerência do processo avaliativo a partir de uma concepção de avaliação articulado as práticas que expressam uma avaliação de forma contínua e cumulativa no cotidiano. Nesta perspectiva exige mais do que ter o domínio de uma concepção de avaliação, mas que se compreenda o processo de ensinar e do aprender dos estudantes. O essencial é a necessidade da articulação da concepção de avaliação com a definição dos critérios de avaliação, dos instrumentos de avaliação adequados aos objetivos propostos. Da necessidade de assegurar as condições para efetivação do processo de ensino-aprendizagem, ou seja, os
  9. 9. estudantes estar na escola e na sala de aula para de fato haver a apropriação dos conhecimentos desenvolvidos pelos professores comprometidos com a função da escola. Deste modo a ação do pedagogo está centrada em acompanhar todo o percurso do processo de avaliação de cada turma, devendo debater e analisar os dados qualitativos e quantitativos do processo ensino e aprendizagem. E ainda as possibilidades de atuação com ações do Conselho de Classe, antes, durante e depois de cada período do ano escolar com instrumentos apropriados para o registro das especificidades diagnosticadas e as demandas para prognosticar as intervenções pedagógicas decididas pelo colegiado. Considerações finais Para finalizar este relato do projeto em desenvolvimento nesta instituição considerase fundamental para uma prática efetiva da avaliação escolar e o pedagogo frente a este trabalho: a clareza da concepção de avaliação assegurada no Projeto Político-Pedagógico da escola e as possibilidades de sua articulação, previstas em seu plano de ação; redimensionamento do conteúdo da avaliação das práticas avaliativas do trabalho docente; alteração da postura diante dos resultados da avaliação; e ainda indica-se o trabalho na conscientização da comunidade educativa sobre o compromisso com o processo de ensinoaprendizagem. Afinal a função do pedagogo é estar à frente da organização e de sua implementação do Conselho de Classe tendo a avaliação como objeto central de análise e de reflexão com o coletivo da comunidade escolar diante das questões diagnosticadas no decorrer do processo, do prognóstico com a indicação das intervenções para a melhoria e da qualidade do ensino. Referências FRANCO, Maria Amélia Santoro. Pedagogia como ciência da educação. Campinas, SP: Papirus, 2003. (Coleção: Entre nós professores). MARTINS, João Batista. Avaliação escolar: uma perspectiva sócio-histórica. Revista Psicologia, PUC – SP, n. 11, p. 37-61, nov. 2000. PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Superintendência da Educação. Coordenação de Gestão Escolar. Caderno de apoio para elaboração do regimento escolar / Secretaria de Estado da Educação. Superintendência da Educação. Coordenação de Gestão Escolar. – Curitiba : SEED – Pr., 2007. - 124 p. Projeto Político-Pegagógico. 2007. (PPP da Escola do Projeto em desenvolvimento)

×