SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
AVALIAÇÃO DE PORTUGUES – 8º ANO –MAIO
PROVA 2
EU, ESCULTOR DE MIM
Cristina Costa
É bem provável que vocês já tenham ouvido
alguém dizer que todos os bebês se parecem entre si,
que todos eles têm a mesma “carinha”. E, embora isso
não seja de todo verdade, somos obrigados a
reconhecer que os bebês só diferem mesmo uns dos
outros para seus familiares. E quando crescem, com
quem é que se parecem? Com seus pais, certamente. É
isso que geralmente estamos pensando quando
perscrutamos curiosos o rosto dos filhos de nossos
amigos, em busca de um olhar, de um sorriso
conhecido e herdado. Ansiamos reconhecer neles as
feições pelas quais temos afeto.
E assim, de “cara de nenê” a “cara do papai”,
passamos nossa infância até o limiar da adolescência.
O que acontece então? Há uma grande revolução, uma
grande ruptura. Nosso corpo começa a modificar-se
violentamente e por todos os lados: pelos aparecem
nos lugares mais impróprios, nos mais escondidos e até
em plena cara. Os suores começam a deixar seu aroma
forte e inconfundível, revelando nosso excesso
exercícios e medo. Braços e pernas alongam-se
desmesuradamente, a voz se modifica, os órgãos
sexuais despontam indisfarçadamente e o corpo se
insinua.Sim, se insinua no sentido original do verbo:
introduzir no seio ou fazer entrar no coração. O corpo
se delineia, como uma paisagem que emerge do
projeto de um pintor. [...]
Podemos dizer que nosso corpo sai do
anonimato em que sempre esteve e começa a adquirir
um perfil, no qual certamente reconhecemos heranças,
mas que também começa a revelar particularidades. É
um jeito especial de andar, é uma risada mais
espontânea e aberta, é um bumbum que arrebita, é
um peito que se alarga como de remador. E se é
verdade que às vezes as pernas são mais grossas do
que desejá- vamos ou o nariz parece que não vai mais
parar de crescer, é inegável também que o nosso corpo
vai ficando, finalmente, cada vez mais parecido com
nós mesmos.
As surpresas se sucedem: os músculos se
tornam mais fortes, as pernas começa a ficar
torneadas, impossível não reparar. A presença do
corpo se torna tão intensa que nos espantamos atè
mesmo quando, casualmente, passamos diante de um
espelho ou de uma vidraça. A nova imagem
surpreende: é ao mesmo tempo tão nova e tão nossa.
E por mais que queiramos disfarçar, sob roupa
larga e uma postura meio desleixada, é esse corpo que
chama a atenção de todos, constante assunto de
rodinhas e de comentários dos tios. “Como ela
cresceu!”, “Nossa, já de barba”, “ela já menstruou,
asseguro!
E assim esse corpo vai assumindo cada vez mais
importância, como fonte de prazer, de transformação e
de identidade. Começamos por ele a nos tornar nós
mesmos, a termos feições e trejeitos. Fazemos dele,
então, nossa forma de expressão – não só porque ele
nos parece tão plástico, tão flexível, como por centro
de tanta atenção. Assim, exageramos na risada, na
cabeça erguida, no requebro.
E logo percebemos que podemos tomar
partido desse corpo ainda em formação, podemos
modelá-lo, exibi-lo, realçá-lo. Podemos expressar
nossas emoções e nossas idéias, criar um tipo, nos
individualizar. Tatuagens, malhação, brincos, dietas,
máscaras fazem parte desse trabalho de escultor a que
se dedica todo adolescente.
Passamos horas tentando entendê-lo, controlá-
lo, explorá-lo. Procuramos conhecer seus defeitos e
suas manhas, de maneira a torná-lo nosso grande
aliado. E esse corpo se torna nossa passagem secreta
para o mundo adulto: ele nos diferencia nos abre
espaço, nos fazem vistos e notados e até desajeitados.
É ele que atesta, contra qualquer disposição em
contrário, à distância que já existe entre nós e a
infância que ficou para trás. E nessa vida nova, na qual
penetramos sem passado, sem história, sem sucesso,
sem currículo, é sem dúvida nenhuma essa nossa
imagem, essa nossa presença que podemos exibir ao
mundo.
Só mais tarde, quando já tivermos
amadurecido por dentro e por fora, quando tivermos
conquistado outras formas de expressão e identidade
em que pudermos exibir outras particularidades que
nos distingue, esse corpo passará a ter menor
importância. Não deixará nunca, entretanto, de ser o
texto no qual se inscreve a nossa história e a forma na
qual se insinua a nossa individualidade.
QUESTÃO 01:
Conforme leitura do texto, podemos indicar que o
tema central de que o mesmo trata está relacionado:
(A) As transformações da adolescência;
(B) As transformações da vida adulta;
(C) Ao gosto excessivo por musculação;
(D) Aos conflitos familiares.
QUESTÃO 02:
A quem se refere o pronome vocês utilizado pela
autora no início do texto ao se dirigir ao interlocutor?
(A) Aos pais e professores;
(B) Aos pais e aos adolescentes;
(C) Aos filhos adolescentes;
(D) Aos pais adolescentes.
QUESTÃO 03:
Sempre que falamos ou escrevemos, levamos em
conta quem somos e quem é nosso interlocutor.
Considerando o conteúdo do texto e o perfil do público
a que ele se destina, podemos identificar, qual a
finalidade do mesmo?
(A) Orientar os adolescentes sobre o amor,
somente;
(B) Orientar os pais adolescentes sobre os
relacionamentos afetivos, somente;
(C) Orientar pais e filhos sobre as transformações
que ocorrem na adolescência;
(D) Orientar os pais sobre a vivência das crianças.
QUESTÃO 04:
Quanto ao estudo dos termos essenciais das orações,
assinale a alternativa que apresenta a indicação da
predicação verbal incorreta.
(A) O gerente visou o chegue – verbo transitivo
direto;
(B) Isto não procede – verbo intransitivo;
(C) O prefeito anda preocupado – verbo de ligação;
(D) O prefeito anda pelas ruas da cidade – verbo de
ligação.
QUESTÃO 05:
A respeito dos estudos a cerca dos tipos de sujeitos
predicados, indique qual é o núcleo e o tipo do
predicado desta oração:
A verdade é que ninguém estudou.
(A) Ninguém estudou / predicado verbal;
(B) Que ninguém estudou / predicado nominal;
(C) A verdade / predicado verbo-nominal;
(D) Ninguém / sujeito indeterminado.
QUESTÃO 06:
Literatura de Cordel é uma modalidade impressa de
poesia, que surgiu no século XVI, na Europa. Quais
características podemos citar para exemplificar esta
literatura?
_____________________________________________
_____________________________________________
_____________________________________________
QUESTÃO 07:
Os gêneros textuais são definidos pela natureza
linguística de sua composição. São observados
aspectos lexicais, sintáticos, tempos verbais, relações
lógicas. Como podemos caracterizar e diferenciar os
gêneros Biografia e Autobiografia?
_____________________________________________
_____________________________________________
_____________________________________________
_____________________________________________
QUESTÃO 08:
Que mensagem o autor da charge abaixo quer
transmitir quando utiliza este efeito de humor?
_____________________________________________
_____________________________________________
_____________________________________________
QUESTÃO 09:
Quanto ao uso dos tipos de porquês, preencha
corretamente as lacunas no enunciado abaixo:
Vocês não comeram tudo? ____________________?
Andar cinco quilômetros, _______________________? Não
Vá fazer intrigas ____________________ prejudicará a
você mesmo!
QUESTÃO 10:
A Sintaxe é a parte da gramática que estuda a
disposição das palavras na frase e a das frases no
discurso, bem como a relação lógica das frases entre si,
sendo assim, indique, no enunciado abaixo, os termos
essenciais desta oração.
O presidente da Academia Brasileira de Letras e os
escritores jovens e adultos lançaram um concurso de
microcontos.
_____________________________________________
_____________________________________________
_______________________________________
“A coisa mais indispensável a um homem é
reconhecer o uso que deve fazer do seu próprio
conhecimento.” – Platão
Bons estudos e boa avaliação!
Prof. Edson Alves

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise do poema os sapos, de manuel bandeira
Análise do poema os sapos, de manuel bandeiraAnálise do poema os sapos, de manuel bandeira
Análise do poema os sapos, de manuel bandeirama.no.el.ne.ves
 
Discurso de Formatura
Discurso de FormaturaDiscurso de Formatura
Discurso de FormaturaJuliana Gulka
 
Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)
Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)
Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)Pedro Henrique
 
Plano de Ampliação e Recomposição da Aprendizagem
Plano de Ampliação e Recomposição da AprendizagemPlano de Ampliação e Recomposição da Aprendizagem
Plano de Ampliação e Recomposição da AprendizagemGoisBemnoEnem
 
Proposta de redação Preconceito
Proposta de redação PreconceitoProposta de redação Preconceito
Proposta de redação PreconceitoProfFernandaBraga
 
A arte na pré história 6º ano
A arte na pré história 6º anoA arte na pré história 6º ano
A arte na pré história 6º anojosivaldopassos
 
Percy jacksoneo ladraoderaios
Percy jacksoneo ladraoderaiosPercy jacksoneo ladraoderaios
Percy jacksoneo ladraoderaiosJuliana Tolêdo
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC (EM13LGG101)
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC  (EM13LGG101) LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC  (EM13LGG101)
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC (EM13LGG101) GoisBemnoEnem
 
97753484 atividade-de-artes-expressionismo
97753484 atividade-de-artes-expressionismo97753484 atividade-de-artes-expressionismo
97753484 atividade-de-artes-expressionismoPedro Alcantara
 
Texto instrucional
Texto instrucionalTexto instrucional
Texto instrucionalAna Carlão
 
Prova 1.ª elementos do teatro a
Prova 1.ª elementos do teatro   aProva 1.ª elementos do teatro   a
Prova 1.ª elementos do teatro aDenise Compasso
 
Modelo de memorial_descritivo UNEB
Modelo de memorial_descritivo UNEBModelo de memorial_descritivo UNEB
Modelo de memorial_descritivo UNEBCadu Chaves
 
Autobiografia: proposta de produção textual
Autobiografia: proposta de produção textualAutobiografia: proposta de produção textual
Autobiografia: proposta de produção textualMaria Cecilia Silva
 

Mais procurados (20)

Análise do poema os sapos, de manuel bandeira
Análise do poema os sapos, de manuel bandeiraAnálise do poema os sapos, de manuel bandeira
Análise do poema os sapos, de manuel bandeira
 
Discurso de Formatura
Discurso de FormaturaDiscurso de Formatura
Discurso de Formatura
 
Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)
Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)
Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)
 
Prova de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 anoProva de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 ano
 
Plano de Ampliação e Recomposição da Aprendizagem
Plano de Ampliação e Recomposição da AprendizagemPlano de Ampliação e Recomposição da Aprendizagem
Plano de Ampliação e Recomposição da Aprendizagem
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Proposta de redação Preconceito
Proposta de redação PreconceitoProposta de redação Preconceito
Proposta de redação Preconceito
 
A arte na pré história 6º ano
A arte na pré história 6º anoA arte na pré história 6º ano
A arte na pré história 6º ano
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 
Completar texto narrativo
Completar texto narrativoCompletar texto narrativo
Completar texto narrativo
 
Percy jacksoneo ladraoderaios
Percy jacksoneo ladraoderaiosPercy jacksoneo ladraoderaios
Percy jacksoneo ladraoderaios
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC (EM13LGG101)
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC  (EM13LGG101) LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC  (EM13LGG101)
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC (EM13LGG101)
 
Tipos de sujeito e predicado- exercícios
Tipos de sujeito e predicado-   exercícios Tipos de sujeito e predicado-   exercícios
Tipos de sujeito e predicado- exercícios
 
97753484 atividade-de-artes-expressionismo
97753484 atividade-de-artes-expressionismo97753484 atividade-de-artes-expressionismo
97753484 atividade-de-artes-expressionismo
 
Texto instrucional
Texto instrucionalTexto instrucional
Texto instrucional
 
Prova 1.ª elementos do teatro a
Prova 1.ª elementos do teatro   aProva 1.ª elementos do teatro   a
Prova 1.ª elementos do teatro a
 
Apresentação Van Gogh
Apresentação Van GoghApresentação Van Gogh
Apresentação Van Gogh
 
Modelo de memorial_descritivo UNEB
Modelo de memorial_descritivo UNEBModelo de memorial_descritivo UNEB
Modelo de memorial_descritivo UNEB
 
Danças brasileiras
Danças brasileirasDanças brasileiras
Danças brasileiras
 
Autobiografia: proposta de produção textual
Autobiografia: proposta de produção textualAutobiografia: proposta de produção textual
Autobiografia: proposta de produção textual
 

Destaque

Exercícios pronomes com gabarito
Exercícios pronomes com gabaritoExercícios pronomes com gabarito
Exercícios pronomes com gabaritoProfFernandaBraga
 
Lista de exercícios recuperação 8 ano português
Lista de exercícios recuperação 8 ano portuguêsLista de exercícios recuperação 8 ano português
Lista de exercícios recuperação 8 ano portuguêsledaesteves
 
Pta 8º mourão[1] - cópia
Pta 8º  mourão[1] - cópiaPta 8º  mourão[1] - cópia
Pta 8º mourão[1] - cópiaVanda Marques
 
Ficha de avaliação março
Ficha de avaliação   marçoFicha de avaliação   março
Ficha de avaliação marçoLuis Martins
 
Slides orações subordinadas substantivas
Slides orações subordinadas substantivasSlides orações subordinadas substantivas
Slides orações subordinadas substantivasPedro Henrique
 

Destaque (9)

Textos dos alunos
Textos dos alunosTextos dos alunos
Textos dos alunos
 
Ynari
YnariYnari
Ynari
 
Ficha de leitura5
Ficha de leitura5Ficha de leitura5
Ficha de leitura5
 
Exercícios pronomes com gabarito
Exercícios pronomes com gabaritoExercícios pronomes com gabarito
Exercícios pronomes com gabarito
 
Lista de exercícios recuperação 8 ano português
Lista de exercícios recuperação 8 ano portuguêsLista de exercícios recuperação 8 ano português
Lista de exercícios recuperação 8 ano português
 
O Diário de Anne frank
O Diário de Anne frankO Diário de Anne frank
O Diário de Anne frank
 
Pta 8º mourão[1] - cópia
Pta 8º  mourão[1] - cópiaPta 8º  mourão[1] - cópia
Pta 8º mourão[1] - cópia
 
Ficha de avaliação março
Ficha de avaliação   marçoFicha de avaliação   março
Ficha de avaliação março
 
Slides orações subordinadas substantivas
Slides orações subordinadas substantivasSlides orações subordinadas substantivas
Slides orações subordinadas substantivas
 

Semelhante a Av de português maio - prova 2- 8º

Modulo 4 pibid
Modulo 4 pibidModulo 4 pibid
Modulo 4 pibidstuff5678
 
DES|CONFINAR - Joaquim Colôa
DES|CONFINAR - Joaquim ColôaDES|CONFINAR - Joaquim Colôa
DES|CONFINAR - Joaquim ColôaJoaquim Colôa
 
Familia um rol de expectativas
Familia   um rol de expectativas Familia   um rol de expectativas
Familia um rol de expectativas Rubens de Mello
 
Adolescentes versus obsolescentes
Adolescentes versus obsolescentesAdolescentes versus obsolescentes
Adolescentes versus obsolescentesLuiz Algarra
 
Juventude Pioneira | Ano v - Edição Especial 2016 - Janeiro
Juventude Pioneira | Ano v - Edição Especial 2016 - JaneiroJuventude Pioneira | Ano v - Edição Especial 2016 - Janeiro
Juventude Pioneira | Ano v - Edição Especial 2016 - Janeirojumap_pioneira
 
Clínica da adolescencia
Clínica da adolescenciaClínica da adolescencia
Clínica da adolescenciaDaniela Marques
 
Citylinker Autenticidade
Citylinker AutenticidadeCitylinker Autenticidade
Citylinker AutenticidadeCity
 
58 escrever e reescrever a história da nossa vida
58 escrever e reescrever a história da nossa vida58 escrever e reescrever a história da nossa vida
58 escrever e reescrever a história da nossa vidaAntonio SSantos
 
Roteiros de discussão 2015.1
Roteiros de discussão   2015.1Roteiros de discussão   2015.1
Roteiros de discussão 2015.1Renally Arruda
 
Autismo unidade de ensino estruturado... um serviço não um lugar
Autismo   unidade de ensino estruturado... um serviço não um lugarAutismo   unidade de ensino estruturado... um serviço não um lugar
Autismo unidade de ensino estruturado... um serviço não um lugarJoaquim Colôa
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilprof.aldemir2010
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilprof.aldemir2010
 

Semelhante a Av de português maio - prova 2- 8º (20)

MÓDULO IV
MÓDULO IVMÓDULO IV
MÓDULO IV
 
Modulo 4 pibid
Modulo 4 pibidModulo 4 pibid
Modulo 4 pibid
 
Caderno de atividades
Caderno de atividadesCaderno de atividades
Caderno de atividades
 
Ma 6ano ul1_v3n-line
Ma 6ano ul1_v3n-lineMa 6ano ul1_v3n-line
Ma 6ano ul1_v3n-line
 
DES|CONFINAR - Joaquim Colôa
DES|CONFINAR - Joaquim ColôaDES|CONFINAR - Joaquim Colôa
DES|CONFINAR - Joaquim Colôa
 
Des.confinar
Des.confinarDes.confinar
Des.confinar
 
Familia um rol de expectativas
Familia   um rol de expectativas Familia   um rol de expectativas
Familia um rol de expectativas
 
Adolescentes versus obsolescentes
Adolescentes versus obsolescentesAdolescentes versus obsolescentes
Adolescentes versus obsolescentes
 
Juventude Pioneira | Ano v - Edição Especial 2016 - Janeiro
Juventude Pioneira | Ano v - Edição Especial 2016 - JaneiroJuventude Pioneira | Ano v - Edição Especial 2016 - Janeiro
Juventude Pioneira | Ano v - Edição Especial 2016 - Janeiro
 
Dizjornal124
Dizjornal124Dizjornal124
Dizjornal124
 
Clínica da adolescencia
Clínica da adolescenciaClínica da adolescencia
Clínica da adolescencia
 
Desvendando-os-Segredos.pdf
Desvendando-os-Segredos.pdfDesvendando-os-Segredos.pdf
Desvendando-os-Segredos.pdf
 
Citylinker Autenticidade
Citylinker AutenticidadeCitylinker Autenticidade
Citylinker Autenticidade
 
58 escrever e reescrever a história da nossa vida
58 escrever e reescrever a história da nossa vida58 escrever e reescrever a história da nossa vida
58 escrever e reescrever a história da nossa vida
 
Roteiros de discussão 2015.1
Roteiros de discussão   2015.1Roteiros de discussão   2015.1
Roteiros de discussão 2015.1
 
57
5757
57
 
Autismo unidade de ensino estruturado... um serviço não um lugar
Autismo   unidade de ensino estruturado... um serviço não um lugarAutismo   unidade de ensino estruturado... um serviço não um lugar
Autismo unidade de ensino estruturado... um serviço não um lugar
 
CuraPaulaAlves_oTempo.pdf
CuraPaulaAlves_oTempo.pdfCuraPaulaAlves_oTempo.pdf
CuraPaulaAlves_oTempo.pdf
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenil
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenil
 

Mais de Edson Alves

Gênero editorial
Gênero editorialGênero editorial
Gênero editorialEdson Alves
 
Artigo de opnião
Artigo de opniãoArtigo de opnião
Artigo de opniãoEdson Alves
 
Ortografia c ç s ss x
Ortografia c ç s ss xOrtografia c ç s ss x
Ortografia c ç s ss xEdson Alves
 
Orientações de redação
Orientações de redaçãoOrientações de redação
Orientações de redaçãoEdson Alves
 
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02Edson Alves
 
Cronicas 1208643843442340-8
Cronicas 1208643843442340-8Cronicas 1208643843442340-8
Cronicas 1208643843442340-8Edson Alves
 
Concordância nominal
Concordância nominalConcordância nominal
Concordância nominalEdson Alves
 
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02Edson Alves
 
Aposto e vocativo
Aposto e vocativoAposto e vocativo
Aposto e vocativoEdson Alves
 
Figuras de sintaxe
Figuras de sintaxeFiguras de sintaxe
Figuras de sintaxeEdson Alves
 
Complemento nominal
Complemento nominalComplemento nominal
Complemento nominalEdson Alves
 
Adjetivos pátrios
Adjetivos pátriosAdjetivos pátrios
Adjetivos pátriosEdson Alves
 

Mais de Edson Alves (20)

Gênero editorial
Gênero editorialGênero editorial
Gênero editorial
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Regência
RegênciaRegência
Regência
 
Concordância
ConcordânciaConcordância
Concordância
 
Uso da vírgula
Uso da vírgulaUso da vírgula
Uso da vírgula
 
Artigo de opnião
Artigo de opniãoArtigo de opnião
Artigo de opnião
 
Concordância
ConcordânciaConcordância
Concordância
 
Ortografia c ç s ss x
Ortografia c ç s ss xOrtografia c ç s ss x
Ortografia c ç s ss x
 
Orientações de redação
Orientações de redaçãoOrientações de redação
Orientações de redação
 
Morfologia
MorfologiaMorfologia
Morfologia
 
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
 
Cronicas 1208643843442340-8
Cronicas 1208643843442340-8Cronicas 1208643843442340-8
Cronicas 1208643843442340-8
 
Concordância nominal
Concordância nominalConcordância nominal
Concordância nominal
 
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
 
Aposto e vocativo
Aposto e vocativoAposto e vocativo
Aposto e vocativo
 
Figuras de sintaxe
Figuras de sintaxeFiguras de sintaxe
Figuras de sintaxe
 
Vozes verbais
Vozes verbaisVozes verbais
Vozes verbais
 
Complemento nominal
Complemento nominalComplemento nominal
Complemento nominal
 
Adjetivos pátrios
Adjetivos pátriosAdjetivos pátrios
Adjetivos pátrios
 

Último

LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxrenatacolbeich1
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 

Último (20)

LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 

Av de português maio - prova 2- 8º

  • 1. AVALIAÇÃO DE PORTUGUES – 8º ANO –MAIO PROVA 2 EU, ESCULTOR DE MIM Cristina Costa É bem provável que vocês já tenham ouvido alguém dizer que todos os bebês se parecem entre si, que todos eles têm a mesma “carinha”. E, embora isso não seja de todo verdade, somos obrigados a reconhecer que os bebês só diferem mesmo uns dos outros para seus familiares. E quando crescem, com quem é que se parecem? Com seus pais, certamente. É isso que geralmente estamos pensando quando perscrutamos curiosos o rosto dos filhos de nossos amigos, em busca de um olhar, de um sorriso conhecido e herdado. Ansiamos reconhecer neles as feições pelas quais temos afeto. E assim, de “cara de nenê” a “cara do papai”, passamos nossa infância até o limiar da adolescência. O que acontece então? Há uma grande revolução, uma grande ruptura. Nosso corpo começa a modificar-se violentamente e por todos os lados: pelos aparecem nos lugares mais impróprios, nos mais escondidos e até em plena cara. Os suores começam a deixar seu aroma forte e inconfundível, revelando nosso excesso exercícios e medo. Braços e pernas alongam-se desmesuradamente, a voz se modifica, os órgãos sexuais despontam indisfarçadamente e o corpo se insinua.Sim, se insinua no sentido original do verbo: introduzir no seio ou fazer entrar no coração. O corpo se delineia, como uma paisagem que emerge do projeto de um pintor. [...] Podemos dizer que nosso corpo sai do anonimato em que sempre esteve e começa a adquirir um perfil, no qual certamente reconhecemos heranças, mas que também começa a revelar particularidades. É um jeito especial de andar, é uma risada mais espontânea e aberta, é um bumbum que arrebita, é um peito que se alarga como de remador. E se é verdade que às vezes as pernas são mais grossas do que desejá- vamos ou o nariz parece que não vai mais parar de crescer, é inegável também que o nosso corpo vai ficando, finalmente, cada vez mais parecido com nós mesmos. As surpresas se sucedem: os músculos se tornam mais fortes, as pernas começa a ficar torneadas, impossível não reparar. A presença do corpo se torna tão intensa que nos espantamos atè mesmo quando, casualmente, passamos diante de um espelho ou de uma vidraça. A nova imagem surpreende: é ao mesmo tempo tão nova e tão nossa. E por mais que queiramos disfarçar, sob roupa larga e uma postura meio desleixada, é esse corpo que chama a atenção de todos, constante assunto de rodinhas e de comentários dos tios. “Como ela cresceu!”, “Nossa, já de barba”, “ela já menstruou, asseguro! E assim esse corpo vai assumindo cada vez mais importância, como fonte de prazer, de transformação e de identidade. Começamos por ele a nos tornar nós mesmos, a termos feições e trejeitos. Fazemos dele, então, nossa forma de expressão – não só porque ele nos parece tão plástico, tão flexível, como por centro de tanta atenção. Assim, exageramos na risada, na cabeça erguida, no requebro. E logo percebemos que podemos tomar partido desse corpo ainda em formação, podemos modelá-lo, exibi-lo, realçá-lo. Podemos expressar nossas emoções e nossas idéias, criar um tipo, nos individualizar. Tatuagens, malhação, brincos, dietas, máscaras fazem parte desse trabalho de escultor a que se dedica todo adolescente. Passamos horas tentando entendê-lo, controlá- lo, explorá-lo. Procuramos conhecer seus defeitos e suas manhas, de maneira a torná-lo nosso grande aliado. E esse corpo se torna nossa passagem secreta para o mundo adulto: ele nos diferencia nos abre espaço, nos fazem vistos e notados e até desajeitados. É ele que atesta, contra qualquer disposição em contrário, à distância que já existe entre nós e a infância que ficou para trás. E nessa vida nova, na qual penetramos sem passado, sem história, sem sucesso, sem currículo, é sem dúvida nenhuma essa nossa imagem, essa nossa presença que podemos exibir ao mundo. Só mais tarde, quando já tivermos amadurecido por dentro e por fora, quando tivermos conquistado outras formas de expressão e identidade em que pudermos exibir outras particularidades que nos distingue, esse corpo passará a ter menor importância. Não deixará nunca, entretanto, de ser o texto no qual se inscreve a nossa história e a forma na qual se insinua a nossa individualidade. QUESTÃO 01: Conforme leitura do texto, podemos indicar que o tema central de que o mesmo trata está relacionado: (A) As transformações da adolescência; (B) As transformações da vida adulta; (C) Ao gosto excessivo por musculação; (D) Aos conflitos familiares. QUESTÃO 02: A quem se refere o pronome vocês utilizado pela autora no início do texto ao se dirigir ao interlocutor? (A) Aos pais e professores;
  • 2. (B) Aos pais e aos adolescentes; (C) Aos filhos adolescentes; (D) Aos pais adolescentes. QUESTÃO 03: Sempre que falamos ou escrevemos, levamos em conta quem somos e quem é nosso interlocutor. Considerando o conteúdo do texto e o perfil do público a que ele se destina, podemos identificar, qual a finalidade do mesmo? (A) Orientar os adolescentes sobre o amor, somente; (B) Orientar os pais adolescentes sobre os relacionamentos afetivos, somente; (C) Orientar pais e filhos sobre as transformações que ocorrem na adolescência; (D) Orientar os pais sobre a vivência das crianças. QUESTÃO 04: Quanto ao estudo dos termos essenciais das orações, assinale a alternativa que apresenta a indicação da predicação verbal incorreta. (A) O gerente visou o chegue – verbo transitivo direto; (B) Isto não procede – verbo intransitivo; (C) O prefeito anda preocupado – verbo de ligação; (D) O prefeito anda pelas ruas da cidade – verbo de ligação. QUESTÃO 05: A respeito dos estudos a cerca dos tipos de sujeitos predicados, indique qual é o núcleo e o tipo do predicado desta oração: A verdade é que ninguém estudou. (A) Ninguém estudou / predicado verbal; (B) Que ninguém estudou / predicado nominal; (C) A verdade / predicado verbo-nominal; (D) Ninguém / sujeito indeterminado. QUESTÃO 06: Literatura de Cordel é uma modalidade impressa de poesia, que surgiu no século XVI, na Europa. Quais características podemos citar para exemplificar esta literatura? _____________________________________________ _____________________________________________ _____________________________________________ QUESTÃO 07: Os gêneros textuais são definidos pela natureza linguística de sua composição. São observados aspectos lexicais, sintáticos, tempos verbais, relações lógicas. Como podemos caracterizar e diferenciar os gêneros Biografia e Autobiografia? _____________________________________________ _____________________________________________ _____________________________________________ _____________________________________________ QUESTÃO 08: Que mensagem o autor da charge abaixo quer transmitir quando utiliza este efeito de humor? _____________________________________________ _____________________________________________ _____________________________________________ QUESTÃO 09: Quanto ao uso dos tipos de porquês, preencha corretamente as lacunas no enunciado abaixo: Vocês não comeram tudo? ____________________? Andar cinco quilômetros, _______________________? Não Vá fazer intrigas ____________________ prejudicará a você mesmo! QUESTÃO 10: A Sintaxe é a parte da gramática que estuda a disposição das palavras na frase e a das frases no discurso, bem como a relação lógica das frases entre si, sendo assim, indique, no enunciado abaixo, os termos essenciais desta oração. O presidente da Academia Brasileira de Letras e os escritores jovens e adultos lançaram um concurso de microcontos. _____________________________________________ _____________________________________________ _______________________________________ “A coisa mais indispensável a um homem é reconhecer o uso que deve fazer do seu próprio conhecimento.” – Platão Bons estudos e boa avaliação! Prof. Edson Alves