A importância da avaliação da aprendizagem como prática reflexiva no ensino fundamental

10.660 visualizações

Publicada em

Este artigo tem como objetivo principal, o aprimoramento do estudo sobre o conhecimento de como avaliar, quando avaliar e o que avaliar, no processo ensino aprendizagem do Ensino Fundamental, como forma de incentivar, renovar e ao mesmo tempo fazer uma reflexão e uma auto-avaliação com um novo olhar, refletindo sobre a prática avaliativa e a prática educativa, o que precisará mudar ou modificar para assim contribuir pára o bom desenvolvimento da aprendizagem e ao mesmo tempo o educador entender que o momento avaliativo necessita ser acolhedor para que ambos educador e educando vejam os pontos positivos e os negativos no que o educando aprendeu e no que o educador ensinou, para que os mesmos tenham condições de se auto-avaliarem, o primeiro em que precisa melhorar na sua aprendizagem, e o segundo no que se refere a sua metodologia de ensino, se atingiu o objetivo, se necessita ser replanejada, assim depois desse processo, pode se chegar a uma avaliação de qualidade tão desejada pela maioria dos que fazem a educação, portanto a avaliação do ensino aprendizagem será bem sucedida quando a mesma passa a ser refletida, repensada e aperfeiçoada no seu planejar, só assim teremos um bom desenvolvimento por parte de nossos dos nossos educandos. A metodologia utilizada para a realização deste artigo ocorreu através de pesquisas bibliográficas de vários autores que tratam do tema apresentado e leituras de outras fontes que muito contribuíram para a realização do mesmo.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.660
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
75
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A importância da avaliação da aprendizagem como prática reflexiva no ensino fundamental

  1. 1. Revista Ciências da Educação 1 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA REFLEXIVA NO ENSINO FUNDAMENTAL Vera Lúcia Reis Pacheco ¹ André Luiz Coelho Chaves 2 RESUMO Este artigo tem como objetivo principal, o aprimoramento do estudo sobre o conhecimento de como avaliar, quando avaliar e o que avaliar, no processo ensino aprendizagem do Ensino Fundamental, como forma de incentivar, renovar e ao mesmo tempo fazer uma reflexão e uma auto-avaliação com um novo olhar, refletindo sobre a prática avaliativa e a prática educativa, o que precisará mudar ou modificar para assim contribuir pára o bom desenvolvimento da aprendizagem e ao mesmo tempo o educador entender que o momento avaliativo necessita ser acolhedor para que ambos educador e educando vejam os pontos positivos e os negativos no que o educando aprendeu e no que o educador ensinou, para que os mesmos tenham condições de se auto-avaliarem, o primeiro em que precisa melhorar na sua aprendizagem, e o segundo no que se refere a sua metodologia de ensino, se atingiu o objetivo, se necessita ser replanejada, assim depois desse processo, pode se chegar a uma avaliação de qualidade tão desejada pela maioria dos que fazem a educação, portanto a avaliação do ensino aprendizagem será bem sucedida quando a mesma passa a ser refletida, repensada e aperfeiçoada no seu planejar, só assim teremos um bom desenvolvimento por parte de nossos dos nossos educandos. A metodologia utilizada para a realização deste artigo ocorreu através de pesquisas bibliográficas de vários autores que tratam do tema apresentado e leituras de outras fontes que muito contribuíram para a realização do mesmo. PALAVRAS CHAVE: Ensino. Aprendizagem. Avaliação. Reflexão. RESUMEN Este trabajo tiene como objetivo principal la mejora del estudio sobre el conocimiento de la forma de evaluar, evaluar y cuándo evaluar el proceso de aprendizaje de la escuela primaria como una manera de alentar, renovar y al mismo tiempo hacer una reflexión y la autoevaluación con una nueva mirada, la reflexión sobre la práctica de evaluación y la práctica educativa, que deben cambiar o modificar con el fin de contribuir al desarrollo adecuado de aprendizaje, mientras que el maestro a entender que el tiempo de evaluación tiene que ser bienvenida tanto para el profesor y el estudiante busque lo positivo y lo negativo en lo que el estudiante aprendió y señala que el profesor enseña, para que sean capaces de auto - evaluar, el primero de lo que se necesita mejorar en su aprendizaje, y el segundo en cuanto a su metodología de educación, se alcanza la meta, es necesario que ser rediseñado, así que después de este proceso, se puede obtener una evaluación de la calidad según lo deseado por la mayoría de los cuales son la educación, por lo tanto, la evaluación de la enseñanza y el aprendizaje tendrá éxito cuando se convierte reflejada, refinado y repensado en su plan, sólo por lo que tenemos un buen desarrollo de nuestro de nuestros estudiantes. La metodología utilizada para la realización de este artículo se produjo a través de búsquedas en la literatura de varios autores que se ocupan de las lecturas de emisión presentado y de otras fuentes que han contribuido en gran medida a su realización.
  2. 2. Revista Ciências da Educação 2 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 PALABRAS CLAVE: Educación. Aprender. Revisar. Reflexión. __________________________________________________________________________ __ ¹Graduada em pedagogia pela Universidade Luterana do Brasil-ULBRA e especializando-se em Gestão Educacional e Coordenação pelo CESAMA. E-mail: verareys- 2011@hotmail.com.br. 2 Mestrando em Ciências da Educação pela UNASUR-PY; Bel. em Teologia pelo CESUMAR-PR; Psicopedagogo pelo CESAMA-AL; Pedagogo pela UNOPAR- PR. E-mail: professorandrechaves@gmail.com.
  3. 3. Revista Ciências da Educação 3 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 1. INTRODUÇÃO Nos dias atuais o educador se ver envolvido em questionamentos relacionados a sua prática educativa, um desses diz respeito a avaliação, um tema que envolve uma certa polemica nas escolas e vem exigindo que se reflita sobre o mesmo para que se tenha um entendimento do que se quer avaliar, como e quando avaliar na aprendizagem do ensino fundamental e de como, além dos instrumentos utilizados na realização da avaliação. Diante da importância do tema, surgiu a necessidade de abordar o tema em pauta, tendo como objetivo promover um estudo e uma análise crítica e construtiva sobre avaliação da aprendizagem e também ao mesmo tempo contribuir para uma reflexão acerca de como desenvolver esse processo que tem sido um grande desafio para a educação brasileira. Assim, deve-se levar em consideração todos os problemas enfrentados na maneira como avaliam crianças nas salas de aula. Por isso torna-se imprescindível construir um conceito de avaliação que atenda as perspectivas de educador e educando. A hipótese que se pode pensar é que conhecer este processo caminha-se para um conhecimento de novos métodos para resultados significativos e conscientes que respeitem princípios mais interativos com relação ao processo de avaliação. A avaliação não deve ser utilizada para indicar o educando mais inteligente, por alcançar melhores notas nos trabalhos, tornando se um instrumento de exclusão e não de inclusão, como pode ocorrer, pois em vez de impulsionar o educando que tem as suas dificuldades a superá-las, pode o destimular. Portanto, foi neste sentido que este artigo foi realizado, para defender uma metodologia que veja com outro olhar a maneira de avaliar e que a mesma corresponda à realidade da escola, aluno e do educador, sendo desenvolvida de forma processual, contínua e diagnóstica. A metodologia utilizada no sentido de compreender melhor o processo de avaliação, ocorreu através da pesquisa bibliográfica, de análise de obras de vários
  4. 4. Revista Ciências da Educação 4 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 autores que tratam do tema. O trabalho apresenta algumas reflexões sobre um novo olhar para avaliar, por entender que é preciso ter uma visão que alcance de fato o que se deseja com o ato da avaliação, para que o mesmo não se torne apenas um meio de se medir a capacidade de aprendizagem do educando. Abordamos também o planejar para avaliar, pois sabemos que para se ter bons resultados nas ações realizadas são necessários se fazer um planejamento que contemple todo 4
  5. 5. Revista Ciências da Educação 5 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 o contexto envolvido. Procuramos conhecer os princípios norteadores para se mudar a prática avaliativa e por fim a avaliação da aprendizagem como prática educativa. Com estudo esperamos contribuir para que os educadores reflitam sobre a importância da avaliação para o desenvolvimento cognitivo, social e afetivo dos educando e que tem um papel muito importante neste processo.
  6. 6. Revista Ciências da Educação 6 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 5
  7. 7. Revista Ciências da Educação 7 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 2. UM NOVO OLHAR PARA O AVALIAR A avaliação da aprendizagem quase sempre é encarada como um momento de dificuldade e ansiedade para educadores e educandos, com a avaliação vem a prova escrita, os trabalhos em grupos ou individuais e dom elas as notas, colocando os avaliados em uma situação classificatória, passando os conceitos de instrumentos para avaliar a ser instrumento disciplinar, sendo esse ainda o principal instrumento de avaliação utilizado pela maioria das escolas. Conforme Hoffan (1993) “A avaliação tradicional, onde a prova é a base para medir o conhecimento dos educando, na maioria das vezes serve de instrumentos de punição onde educadores usam para vingar-se do mau comportamento de seus educandos”. Esse tipo de avaliação não ajuda em nada o educando. Por isso ao falarmos de avaliação da aprendizagem se faz necessário entender o que é avaliar, quando a mesma tem que acontecer, o que avaliar e quem é o avaliado. Avaliar, para o senso comum, parece como sinônimo de medida, de atribuição de um valor em forma de nota ou conceito. Porém, nós, educadores, temos o compromisso de ir além do senso comum e não confundir avaliar com medir. A avaliação é uma atividade orientada para o futuro. Avalia-se para tentar manter ou melhorar nossa atuação futura. Essa é a base da distinção entre medir e avaliar. Medir refere-se ao presente e ao passado e visa obter informações a respeito do progresso efetuado pelos estudantes. Avaliar refere-se à reflexão sobre as informações obtidas com vistas a planejar o futuro (BRASIL, 2008, pg. 19). Avaliar significa manter uma atenção constante para garantir a melhor opção de ação. Avaliar é investigar as ações que estão sendo realizadas e sobre elas refletir para poder replanejá-las e reorganizá-las sempre que necessário, de acordo com os objetivos propostos, para assim, a avaliação se tornar um processo de reflexão-ação-reflexão diretamente relacionado com um comportamento desejado, planejado e consciente. Desta forma a avaliação deve ser contínua e periodicamente, tendo caráter
  8. 8. Revista Ciências da Educação 8 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 diagnóstico e formativo. Pode se tratar de um processo indissociável da prática pedagógica, pelo qual se pretende analisar o nível de conhecimento e as dificuldades dos educandos. A avaliação deve ocorrer a cada momento e orientar cada etapa do processo. 6
  9. 9. Revista Ciências da Educação 9 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 Para Hoffman (1993), “a avaliação é uma forma de conhecer/investigar o movimento das crianças e a partir desta investigação, pensar formas de intervenção que possa favorecer o desenvolvimento e a ampliação dos conhecimentos da criança. Entendemos então que sua função é, pois diagnosticar, visando a autonomia moral e intelectual. Avaliar é importante para ter a visão dos conhecimentos adquiridos e também das habilidades, porém não se deve esquecer, que a criança aprende construindo e reformulando hipóteses, seus erros são na verdade acertos na direção do conhecimento. Portanto é importante observar que a escolha de como avaliar deve ser feita de forma criteriosa e com objetividade. 3. PLANEJAR PARA AVALIAR Avaliação deve integrar todo um planejamento, ter objetivos claros e não como simples verificador de conhecimentos dos alunos, mas como uma oportunidade de, com base em informações coletadas em vários momentos do processo de trabalho, fazer novas e diferenciadas intervenções, ajustes ou modificações de planos. De fato, a avaliação é ima fonte de informações não só para o professor, mas também para o educando que precisa ser informado quanto a seu próprio processo de aprendizagem. Outro aspecto essencial no que se refere ao planejamento é a definição dos critérios que serão usados como referência para se preparar os instrumentos adequados para atingir os objetivos propostos na avaliação e no trabalho realizado no dia-a-dia escolar, e para por em prática o planejamento o mesmo terá que se adequar as características da classe, [e importante que educador faça uma avaliação diagnóstica. Principalmente porque, como ressalta Oliveira (2012, p. 02), “quando se percebe a importância do planejamento, se valoriza os objetivos, existindo então, a grande probabilidade para que a distância entre o que „falamos‟ e as nossas
  10. 10. Revista Ciências da Educação 10 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 “ações” diminuam, havendo uma maior coerência. entre o dizer e o fazer dos educadores”, o que é fundamental. A autora acima referenciada relata ainda que dentre os objetivos do Planejamento estão: A definição de metas que devem ser claras, simples e precisas; 7
  11. 11. Revista Ciências da Educação 11 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 Dar uma visão global e detalhada do ensino a ser desenvolvido; Previsão dos conteúdos; a estruturação dos planos de ação; E a intenção das formas de avaliação (OLIVEIRA, 2012, pg. 03). Uma questão importante também que se deve levar em consideração diz respeito ao conhecimento que o aluno traz consigo, as informações que eles já possuem, assim como as suas habilidades em relação aos conteúdos, o que o educador deve dar oportunidade para que o mesmo faça uma auto-avaliação para despertar nele a capacidade de análise e interpretação do que conseguiu aprender e assim contribuir para a construção de sua autonomia. 4. PRINCIPIOS NORTEADORES PARA MUDAR A PRÁTICA AVALIATIVA Para falar de mudanças sobre avaliação da aprendizagem e antes de se optar por novos métodos e conseqüentemente alterar a prática de como avaliar, fundamental pensar no papel social que exerce a escola e no papel da profissão do educador. Para tanto se faz necessário pensar alguns princípios que orientem o educador para uma avaliação feita a partir de um olhar observador para a aprendizagem d do educando, na valorização das experiências vividas na sala de aula, na sua autonomia e na auto-avaliação. Assim, para haver mudança tem que existir a reflexão acerca dos princípios que regem a ação pedagógica que dará base para a construção de um projeto pedagógico e para os processos de avaliação que ali esteja inserido. Segundo Fusari (1998, p. 44 apud OLIVEIRA, 2012, p. 03): Na prática docente atual, o planejamento tem-se reduzido à atividade em que o professor preenche e entrega à secretaria da escola um formulário. Este é previamente padronizado e diagramado em colunas, onde o docente redige os seus “objetivos gerais”, “objetivos específicos”, “conteúdos”, “estratégias” e “avaliação”. [...] É preciso esclarecer que o planejamento não é isto. Ele deve ser concebido, assumido e vivenciado no cotidiano da prática social docente, como um processo de reflexão.
  12. 12. Revista Ciências da Educação 12 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 Esta reflexão deve estar envolvida pela pesquisa e pela avaliação buscando o entendimento dos problemas para que se tenha um conhecimento acerca da totalidade, do todo. Com isso haverá o embasamento do pensar e do agir do educador. 8
  13. 13. Revista Ciências da Educação 13 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 A transparência e a legitimidade de princípios poderão orientar para uma prática coerente e própria de uma escola democrática, compromissada com o crescimento e a valorização dos alunos e de seus educadores. 5. A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA EDUCATIVA Faz-se importante afirmar que na prática educativa, a avaliação não [e um instrumento para medir o quanto o aluno aprendeu e nem é uma forma de julgar, reprovar ou aprovar uma criança. Dependendo das formas de organizar a avaliação pode acontecer a motivação ou desmotivação dos educandos, podem ser importantes alavancas para superar obstáculos ou se tornar mais um obstáculo a ser superado e podem também ajudá-los a estudar e a entender bem as suas limitações e potencialidades ou simplesmente, desinteressá-los. A avaliação pode e deve ter um papel relevante no desenvolvimento de aprendizagens complexas, no desenvolvimento moral e no desenvolvimento socioafetivo dos educados. A avaliação pode segregar ou pode integrar. Pode melhorar a autoestima dos educandos, pode piorá-la ou, em casos extremos, pode mesmo destruí-lo. Pode orientar o percurso escolar dos educandos ou pode afastá-los de qualquer percurso (FERNANDES, 2007, pg. 40). Diante da sua importância a avaliação precisa ser mediadora e acolhedora para assim acompanhar a criança em todos os momentos e para contribuir com seu avanço rumo à ampliação de seu conhecimento, de si e do mundo, contribuindo para a sua interação e socialização. No acompanhamento do desenvolvimento do educando o educador pode rever e aprimorar o seu trabalho, pois quando a avaliação é bem planejada tem todos ganham inclusive o próprio sistema educacional, porque como explica Fernandes (2007, p. 40): Orienta os estudantes acerca dos saberes, das capacidades e das atitudes que eles têm de desenvolver;
  14. 14. Revista Ciências da Educação 14 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 Influencia sua motivação e percepção do que é importante aprender; Estrutura a forma como os alunos estudam e o tempo que dedicam ao trabalho acadêmico; 9
  15. 15. Revista Ciências da Educação 15 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 Melhora e consolida as aprendizagens; Promove o desenvolvimento dos processos de análise, síntese e reflexão crítica; Desenvolve os processos metagognitivos, o autocontrole e a auto- regulação. Desta forma quando se avalia a criança conseqüentemente estaremos reavaliando nossa ação pedagógica e a escola na qual estamos inseridos. Portanto avaliar é o movimento de pensar tudo que envolve nossa prática e ao mesmo tempo buscando caminhos para tornar a prática educativa mais coerente e mais contextualizada. Conforme Hoffman (2000, p. 15), devemos entender a avaliação como uma prática que procura averiguar, buscar, pesquisar e não sentenciativa, julgadora, mediadora e não constantiva, pois como relata o autor, não são os julgamentos que explicam a avaliação, as afirmações inquestionáveis sobre o que a criança e ou não é capaz de fazer. Assim, não se deve avaliar os educandos para classificá-las, dizendo o que sabem ou o que não sabem fazer, mostrando suas capacidades e dizendo onde erraram, mas sim valorizar a sua aprendizagem e ajudando para que as limitações sejam superadas e que o educando perceba que tem capacidade para tal. Consequentemente a avaliação é essencial à educação enquanto concebida com reflexão sobre a ação. A avaliação subsidia o professor com elementos para uma reflexão contínua sobre a sua prática, sobre a criação de novos instrumentos de trabalho e de retomada de aspectos que devem ser revistos, ajudados ou reconhecidos como adequados para o processo de aprendizagem individual ou de todo o grupo. Para o educando, é instrumento de tomada de consciência de suas conquistas, dificuldades e possibilidades para reorganização de seu investimento na tarefa de aprender (PCN, 1997, pg. 81). Assim sendo para a escola, será possível dá prioridades e determinar quais ações aducacionais demandam um maior apoio e uma maior atenção, sempre pensando estratégias para qualificar o ensino e a aprendizagem.
  16. 16. Revista Ciências da Educação 16 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 Realizar a avaliação nessa perspectiva em toda essa dimensão se faz necessário que a mesma ocorra durante todo o processo de ensino aprendizagem, em que o processo também aprecia uma observação dos avanços e da qualidade da aprendizagem que os alunos irão alcançar no final de um período de trabalho. 10
  17. 17. Revista Ciências da Educação 17 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 6. O PROFESSOR E AS FORMAS DE AVALIAÇÃO Na avaliação existem varias formas e métodos que são usadas pelos educadores. A avaliação tradicional privilegia o caráter classificatório e comparativo o educador ensina, o aluno presta atenção e faz a prova, se foi bem, aprendeu e se foi mal, azar. É preciso seguir com o currículo, já a proposta da avaliação construtiva a mesma vem para considerar e procurar superar as instabilidades e os altos e baixos dos alunos, através de uma ação dialógica, mais criticas e participativa. Segundo Souza (1993), “quando o educando participa da avaliação, ele passa a acreditar no seu potencial de ser humano”. Assim o significado maior da educação, passa a ser a promoção de um ser humano, autodeterminado, capaz. Fica claro que para o educando ter sucesso na realização do seu trabalho precisa sempre reavaliar sua maneira de avaliar, onde como ressalta Fernandes (2007, pg. 21): Entender e realizar uma prática avaliativa ao longo do processo é pautar o planejamento dessa avaliação, bem como construir seus instrumentos, partindo das interações que vão se construindo no interior da sala de aula com os estudantes e suas possibilidades de entendimentos dos conteúdos que estão sendo trabalhados. A autora afirma ainda que a avaliação tem como foco fornecer informações acerca das ações de aprendizagem, não devendo ser realizada apenas ao final do processo, pois poderá não alcançar seu objetivo. Essa perspectiva pode ser chamada de avaliação formativa. Essa avaliação está relacionada à atenção que o educador dá aos processos e às aprendizagens dos educandos. Sua avaliação não é para dar uma nota, pois de acordo com avaliação formativa a nota é apenas uma conseqüência do processo e não o seu fim. Nesta lógica o educador tem a compreensão de que a avaliação é importante para dar seguimento ao desenvolvimento da aprendizagem, fazendo parte do dia a dia das atividades, das práticas realizadas nas salas de aulas. Desta forma, baseado em Fernandes (2007, pg. 22), pode-se dizer que avaliação formativa é aquela que orienta os estudantes para a realização de seus trabalhos e de suas aprendizagens, ajudando-os a localizar suas dificuldades e suas potencialidades,
  18. 18. Revista Ciências da Educação 18 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 redirecionando-os em seus percursos. A avaliação formativa, assim, favorece os processos de auto-avaliação, prática ainda não incorporada de maneira formal em nossas escolas. 11
  19. 19. Revista Ciências da Educação 19 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 É interessante também nos referirmos a avaliação classificatória, nesta avaliação educador deve fazer o papel de problematizador, ou seja, problematizar as situações fazendo com que o próprio aluno construa seu aprendizado sobre o tema trabalhado, buscando assim, igualdade entre educador e educando, para assim aprenderem e trocarem experiências e aprendizagens no processo educativo, uma vez que “ não há educador tão sábio que nada possa aprender, nem educando tão ignorante que nada possa ensinar” (BECKER, 19997, pg. 147). Esse acontecimento vem confirmar a influência do educandor no processo de ensino aprendizagem no que tem a ensinar ao outro, por isso a avaliação é um elo entre a sociedade, a escola e os educandos. Enfim, avaliar faz parte da ação pedagógica, que trás reflexão sobre o processo de aprendizagem e de redimensionar o planejamento do professor, que precisa refletir sobre a relação existente entre as propostas didáticas planejadas e a aprendizagem conquistada por seu educando. CONSIDERAÇÕES FINAIS Como podemos perceber através do estudo realizado, que a avaliação traz toda uma complexidade para a prática pedagógica e provoca alguns questionamentos quanto a sua conceituação, mas o que fica claro é que a mesma tem que ser realizada de forma a contribuir para o aprendizado do educando. É também um processo que, que implica uma reflexão sobre a prática do educador, que deve estar sempre voltada para alcançar o bom desenvolvimento da aprendizagem de seus educandos. Para isso é fundamental que o educador tenha um novo olhar para avaliar e que a faça levando em consideração alguns critérios, fazendo um bom planejamento, para que não se torne apenas um ato de medir e deve ter cuidado nos instrumentos utilizados, para que os mesmo de fato possam colaborar para o desenvolvimento do ensino-aprendizagem. Um fato importante a ser lembrado é que não se deve levar em conta um
  20. 20. Revista Ciências da Educação 20 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 único meio para se avaliar, é relevante buscar novos caminhos, novos instrumentos, sempre com o objetivo de melhorar a qualidade do ensino aprendizagem e para que de fato isso aconteça, a avaliação deve ser assumida para saber a capacidade do educando e sim servir para que o 12
  21. 21. Revista Ciências da Educação 21 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 mesmo tenha condições de crescer, tendo um bom desenvolvimento do seu potencial no seu processo ensino aprendizagem. Desta forma a avaliação só cumprirá a sua função se houver por parte do professor um repensar e um constante recriar, onde o mesmo avalie também a sua prática pedagógica, no sentido de ter o entendimento que a avaliação deve servir como uma mola propulsora da aprendizagem do educando, impulsionando-o a superar limitações e a buscar cada dia mais evoluir. Citando o grande educador Paulo Freire (2006, p. 45), é preciso que a educação esteja - em seu conteúdo, em seus programas e em seus métodos adaptada ao fim que se persegue: permitir ao homem chegar a ser sujeito, construir- se como pessoa, transformar o mundo, estabelecer com os outros homens relações de reciprocidade, fazer a cultura e a história [...] uma educação que liberte, que não adapte, domestique ou subjugue. E o educador, juntamente com a família tem um papel fundamental neste processo e precisa assumir essa responsabilidade, buscando sempre melhorar a sua prática, tendo a consciência que se forma um sujeito que será um cidadão dentro de uma sociedade cada vez mais competitiva e exigente, por isso tem que se educar visando a inclusão do mesmo de forma que possa cumprir com o sue papel de cidadão, consciente dos seus deveres e direitos, sendo capaz de escrever a sua própria história.
  22. 22. Revista Ciências da Educação 22 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 13
  23. 23. Revista Ciências da Educação 23 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 REFERENCIAS BECKER, F. O caminho da aprendizagem. 2, Ed. Rio de Janeiro, 1997, p. 147. BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais- PCN. 1997, p. 81. FREIRE, P. & SHOR, Ira. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. 11 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006. FUSARI, J. C. A construção do projeto de ensino e a avaliação. Série idéias. São Paulo: FDE, 1998 FERNANDES, Cláudia de Oliveira. Indagações sobre currículo: currículo e avaliação [Cláudia de Oliveira Fernandes, Luiz Carlos de Freitas] ; organização do documento Jeanete Beauchamp, Sandra Denise Pagel, Aricélia Ribeiro do Nascimento. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.44 p.: il. HAYDT. RC. Avaliação no processo ensino-aprendizagem. São Paulo. Ed. Ática. 2000. HOFFMAN, J. A avaliação na pré-escola. Um olhar reflexivo sobre a criança. Porto Alegre. Editora Mediação. 2000. HOFFMAN, JÁ Avaliação mediadora: uma prática em construção da pré- escola. A Universidade. 14 ed. Mediação, Porto Alegre, 1993. OLIVEIRA, Kamille Khristiny Meneses de. Refletir, planejar e avaliar na formação docente. 2012.
  24. 24. Revista Ciências da Educação 24 Maceió, ano I, vol. 02, n. 01, Abr./Jun. 2014 14

×