A avaliação da aprendizagem como processo construtivo do

8.862 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
3 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.862
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
290
Comentários
1
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A avaliação da aprendizagem como processo construtivo do

  1. 1. Curso: AVA no contexto da aprendizagem e avaliação<br />A avaliação da aprendizagem como processo construtivo do aluno autor<br />Patrícia Fonseca<br />Junho /2011<br />Campo Grande - MS<br />
  2. 2. Atualmente muito se discute sobre as medidas cabíveis para melhorar a aprendizagem dos alunos, a fim de torna - lá de fato eficaz e significativa. Para alcançar essa meta, já se mexeu no tempo de permanência desses alunos na escola, ofereceram recursos financeiros as famílias mais carentes, reestruturaram as “grades curriculares”. Mas os dados obtidos recentemente por meio das avaliações externas continuam indicando que a aprendizagem está cada vez menor e conseqüentemente, a qualidade do ensino está cada vez mais baixa. Questionamos????<br />Será que os órgãos responsáveis pela educação desses alunos não estão utilizando estratégias equivocadas? <br /> Será que não seria mais eficaz auxiliar o educador através de capacitações a compreender que está na hora de buscar novas estratégias metodológicas, novas formas de ministrar aulas e principalmente ajudá-lo a mudar sua concepção de avaliação?<br />Será que ao invés de aumentar o quantitativo de aula, não deveríamos investir na qualidade dessas aulas?<br />
  3. 3. Para que essa ruptura de paradigmas seja possível é primordial que o educador deixe de enxergar a avaliação como um processo meramente classificatório e passe a percebê-la como um processo contínuo em busca de soluções que levem ao pleno desenvolvimento do aluno autor, culminando na aprendizagem real, que servirá não só a sua vida acadêmica como também a sua vida sócio-econômica-cultural.<br />APROVADO<br />
  4. 4. Segundo Hoffmann (2005):<br /> <br />“Métodos e instrumentos de avaliação estão fundamentados em valores morais, concepções de educação, de sociedade, de sujeito. São essas as concepções que regem o fazer avaliativo e que lhe dão sentido. É preciso, então, pensar primeiro em como os educadores pensam a avaliação antes de mudar metodologias, instrumentos de testagem e formas de registro.”<br />
  5. 5. Compreendemos que na visão desse educador essa mudança do processo avaliativo classificatório para a avaliação mediadora é totalmente complexo e para alguns até mesmo impossível. Todavia é necessário que o educador compreenda que essa mudança é gradativa e só se iniciará através da transformação das aulas instrucionista, em aulas voltadas a pesquisa, onde a construção do saber é realizado através do processo contínuo de questionamentos e reconstrução do conhecimento. Pois conforme Piaget (1977 apud Hoffmann 2005) “a concepção de aprendizagem pressupõe desequilíbrio, conflito, reflexão e resolução de problemas.”<br />
  6. 6. Levando assim o processo avaliativo a tornar-se algo contínuo e gradativo, onde se faz necessário que aprendam a interpretar e compreender através da observação de todas as atividades realizadas em sala, como está o processo de aprendizagem do aluno, buscando através do tempo de reflexão, que segundo Hoffmann (2005) “é referente ao conjunto de idéias, sentimentos e possibilidades de ações futuras que afloram quando o professor para e pensa sobre como os alunos estão se manifestando em relação às tarefas e situações de aprendizagem propostas”, analisar de que forma o cenário educacional, as relações afetivas e as dinâmicas de aprendizagem podem estar influenciando ou não na sua aprendizagem.<br />
  7. 7. Dessa maneira obteremos ao longo desse processo formativo ao invés de um educador instrucionista, adepto da avaliação classificatória, um novo educador/avaliador que tem em mente a concepção de que está avaliando alunos com tempos e maneiras diferentes de aprendizagem e por isso o processo avaliativo também deve ser pautado em tempos e maneiras diferenciadas de avaliação. Passando a avaliação a ser um meio para averiguar está aprendizagem e não o fim. <br />
  8. 8. Pois conforme Hofmann (2005): <br /> “A aprendizagem é muito mais ampla do que o "aprender que". O aprender envolve o desenvolvimento, o interesse e a curiosidade do aluno, a sua autoria como pesquisador, como escritor, como leitor. Envolve o seu desenvolvimento pleno. É preciso perceber a aprendizagem nessas múltiplas dimensões. Não posso somar essas múltiplas dimensões - atribuir pontos por participação, por tarefas, pelo interesse do aluno”.<br />
  9. 9. Constatamos primeiramente que é mais eficaz, investir na formação de educadores/avaliadores cuja intenção seja conforme Hofmann (2005) “conhecer, compreender, acolher, os alunos em suas diferenças e estratégias próprias de aprendizagem para planejar e ajustar as ações pedagógicas favorecedoras a cada um e ao grupo como um todo”. Ao invés de continuar a investir apenas em “quantidade de aula”, que continuarão à formar alunos copistas incapazes de construir seu próprio conhecimento, não conseguindo assim chegar a ser o “cavaleiro da sua própria história”.<br />
  10. 10. Posteriormente faz-se necessário que a equipe pedagógica de cada instituição escolar, não só o educador, conheça a sua comunidade escolar e tenham bem claro quais são os princípios que norteiam os seus fazeres pedagógicos.<br />
  11. 11. Portanto para se obter a tão almejada melhora da aprendizagem dos alunos, faz-se necessário também realizar um processo avaliativo do sistema educacional brasileiro, a fim de diagnosticar as reais necessidades envolvidas. Sem se esquecer que não é só o aluno que faz parte desse processo. Existe o educador, que também necessita de incentivo, formação entre outras necessidades para desenvolver com eficácia o seu papel nesse processo.<br />
  12. 12. Referências Bibliográficas<br /> <br />HOFFMANN, Jussara. Práticas avaliativas e aprendizagem significativa: em diferentes áreas do currículo / Organizadores Janssen Felipe da Silva, Jussara Hoffmann, Maria Teresa Esteban – Porto Alegre: Mediação, 2003.<br /> <br /> HOFFMANN, Jussara. O jogo do contrário em avaliação / Jussara Hoffmann. – Porto Alegre: Mediação, 2005.<br /> <br />LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem componente do ato pedagógico / Cipriano Carlos Luckesi – 1 ed. São Paulo : Cortez, 2011.<br />

×