Geografia da Europa - Geografia Humana - Artes - Arquitetura

1.008 visualizações

Publicada em

Conjunto de dispositivos utilizados para o acompanhamento pedagógico da Unidade Curricular «Geografia da Europa» integrada no Programa de Estudos 2012/2013 da Dalian University of Foreign Languages com a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.008
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Geografia da Europa - Geografia Humana - Artes - Arquitetura

  1. 1. Programa de Estudos 2012/2013 Geografia daDalian University of Foreign Languages Europa Carlos Medeiros
  2. 2. GEOGRAFIA DA EUROPA trodução ao conceito de Europa  Marcos históricos Geografia física  Orografia e hidrografia  Climatologia | Vegetação  Solos Geografia humana  Demografia  Línguas | Etnias e religiões  Atividades económicas  Artes  Música  Dança  Pintura  Escultura  Arquitetura  Literatura  Teatro  Cinema Geografia política  Os países da Europa União Europeia – a nova aventura da Europa  Objetivos e valores da construção europeia | Os pais fundadores e os marcos históricos  As instituições europeias | As políticas comuns2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 2
  3. 3. GEOGRAFIA DA EUROPA As sete artes liberais englobam, desde a Idade Média, dois grupos de disciplinas: o trivium e o quadrivium.  O trivium concentra o estudo do textoAs Sete Artes Liberais, figura do Hortus deliciarum de literário por meio de 3 ferramentas de linguagem pertinentes à mente:  lógica (ou dialéctica);  gramática e;  retórica.Saraiva von Landsberg (século XII)  O quadrivium engloba o ensino do método científico através de 4 ferramentas relacionadas à matéria e à quantidade:  aritmética (a teoria do número);  música (a aplicação da teoria do número);  geometria (a teoria do espaço) ;  astronomia (a aplicação da teoria do espaço). 2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 3
  4. 4. GEOGRAFIA DA EUROPAO conceito das Belas Artes, tal como foi explanado por Charles Batteaux(1713-80), em Les Beaux Arts réduits à un même príncipe (1746), reporta-se àPintura, Escultura, Música, e Poesia, inserindo a Arquitectura, juntamentecom a Eloquência, no conjunto de artes que combinam beleza e utilidade. Noentanto, sensivelmente na mesma época, na Enciclopédia de Diderot eDAlembert (1717-83), a Arquitectura encontra-se incluída entre as Belas-Artes, para além da Pintura, Escultura, Poesia e Música, já enunciadas porBatteaux. (…)O Cinema considerado a 7ª arte, desde o Manifesto das Sete Artes deRicciotto Canudo (1911) - onde se incluem a Música, a Dança, a Pintura, aEscultura, o Teatro, e a Literatura - continuava a reivindicar o seu estatutoartístico ao longo do século XX. Rodrigues, Ana – Artes Visuais in Dicionário Crítico : Arte. URL: http://www.arte-coa.pt/index.php?Language=pt&Page=Saberes&SubPage=ComunicacaoELinguagemArte&Menu 2=ArteImagemETecnica&Slide=108&Filtro=1082012/2013 FCSH/UNL - DUFL 4
  5. 5. GEOGRAFIA DA EUROPA Artes:  Música  Dança  Pintura  Escultura  Arquitetura  Literatura  Teatro  Cinema2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 5
  6. 6. GEOGRAFIA DA EUROPA Arquitetura (Do latim architectūra-, «idem») 1. arte da construção que trata simultaneamente os aspetos funcionais, construtivos e estéticos dos edifícios e construções 2. método ou estilo de construção que caracteriza uma civilização, uma época, etc. 3. conjunto das obras arquitetónicas realizadas num dado período 4. conjunto de princípios e regras que são a base de uma instituição ou uma atividade 5. SOCIOLOGIA organização dos espaços que exprimem e induzem a realização plural das relações humanas 6. série de elementos que compõem um todo; estrutura 7. FIGURADO plano, projeto 8. INFORMÁTICA estrutura geral e organização lógica de funcionamento de um computador; http://www.infopedia.pt/lingua-portuguesa/arquitectura2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 6
  7. 7. ARQUITETURACLÁSSICAA arquitectura clássica refere-se à arquitetura da Antiguidade Clássica,especificamente à arquitectura grega e de algum modo a nela inspirada ebaseada, como a arquitectura romana e a do Renascimento.(…) definições de Summerson: «um edifício clássico é aquele cujos elementos decorativos derivam direta ou indiretamente do vocabulário arquitetónico do mundo antigo – o mundo clássico» (Grécia e Roma). «busca pela harmonia inteligível entre as partes. Essa harmonia seria representada através da construção de partes proporcionais entre si, ou seja, que as proporções dessas partes do edifício sejam funções aritméticas e que estejam relacionadas entre si.» http://pt.wikipedia.org/wiki/Arquitetura_cl%C3%A1ssica2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 7
  8. 8. ARQUITETURA Clássica Parténon (Acrópole) em Atenas, Grécia2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 8
  9. 9. ARQUITETURA Clássica Coliseu ou Anfiteatro Flaviano em Roma, Itália2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 9
  10. 10. ARQUITETURA Clássica Ponte do Gard em França2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 10
  11. 11. ARQUITETURA NeoclássicaIgreja da Madalena em Paris, França (inaugurada em 1842) 2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 11
  12. 12. ARQUITETURAROMÂNICAEstilo arquitetónico que surge na Europa no século X e evoluiu para o estilogótico no fim do século XII. Caracteriza-se por construções austeras e robustas,com paredes grossas e minúsculas janelas, cuja principal função era resistir aataques de exércitos inimigos.A Catedral de Santiago de Compostela (posteriormente reconstruída em 1705)é o mais acabado monumento peninsular da nova arquitetura românica,obedecendo ao padrão dos templos de peregrinação, como São Saturnino deToulouse. O alçado do alta nave de Santiago inscreve os arcos redondos, oandor do trifório, e colunas adossadas à parede, donde arrancam os arcostorais da sua abóbada de berço. http://pt.wikipedia.org/wiki/Arquitetura_rom%C3%A2nica2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 12
  13. 13. ARQUITETURA Românica Catedral de Santiago de Compostela, Espanha2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 13
  14. 14. ARQUITETURA Românica Abadia de Cluny em Borgonha, França2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 14
  15. 15. ARQUITETURA Românica Sé de Lisboa, Portugal2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 15
  16. 16. ARQUITETURA Românica Catedral de Pisa, Itália2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 16
  17. 17. ARQUITETURAGÓTICAEstilo arquitetónico que é a evolução da arquitetura românica e precede aarquitetura renascentista. Foi desenvolvido na França em pleno períodomedieval, onde originalmente se chamava ”Obra Francesa”. Com o gótico, aarquitetura ocidental atingiu um dos pontos culminantes da arquitetura pura. As abóbadas cada vez mais elevadas e maiores, não se apoiavam em muros e paredes compactas e sim sobre pilastras ou feixes de colunas. Uma série de suportes que eram constituídos por arcobotantes e contrafortes possuíam a função de equilibrar de modo externo o peso excessivo das abóbadas. Desta forma, imensas paredes espessas foram excluídas dos edifícios de género gótico e foram substituídas por vitrais e rosáceas que iluminavam o ambiente interno.O estilo gótico ficou marcado em muitas catedrais europeias, entre elas a deNotre-Dame, Chartres, Colónia e Amiens, a maioria classificada pela UNESCO. http://pt.wikipedia.org/wiki/Arquitectura_g%C3%B3tica2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 17
  18. 18. ARQUITETURA Gótica Catedral de Notre-Dame em Paris, França2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 18
  19. 19. ARQUITETURA Gótica Catedral de Amiens, França2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 19
  20. 20. ARQUITETURA Gótica Catedral de Colónia, Alemanha2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 20
  21. 21. ARQUITETURA Gótica Catedral de Bourges, França2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 21
  22. 22. ARQUITETURARENASCIMENTOMovimento cultural que se desenvolveu em países da Europa Central e Ocidental comoa Itália nos séculos XIV a XVI e que veio a irradiar e a ter fundas repercussões na culturade praticamente todos os países do continente europeu. O movimento renascentista começa por ser uma contestação da ideologia dominante durante o milénio medieval: à civilização cristã contrapõe-se uma ideologia antropocêntrica, revelando um desiderato de fazer renascer a Antiguidade greco-latina, que, na interpretação então prevalecente, se caracterizara precisamente por colocar o homem no centro do Universo e representava um ideal de civilização natural.(…) a arquitetura se deixa influenciar pelos cânones greco-latinos, cujas formas evolumes são integrados nas novas construções (as colunas, por exemplo), tentando-se acriação de uma nova estética, onde tem lugar primacial a grandiosidade dos edifícios. Asgrandes obras arquitetónicas são acompanhadas por uma profusão de esculturas, ondese privilegia a figura humana, reproduzida de modo assumidamente realista. Renascimento. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2012. [Consult. 2012-11-20]. Disponível na www: <URL: http://www.infopedia.pt/$renascimento>2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 22
  23. 23. ARQUITETURA RenascimentoBasílica de São Pedro na Cidade do Vaticano em Roma, Itália 2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 23
  24. 24. ARQUITETURA RenascimentoCatedral de Santa Maria das Flores em Florença, Itália2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 24
  25. 25. ARQUITETURA Renascimento Mosteiro dos Jerónimos em Lisboa, Portugal2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 25
  26. 26. ARQUITETURABARROCOBarroco é o nome dado ao estilo artístico que floresceu entre o final do século XVI emeados do século XVIII, inicialmente na Itália, difundindo-se em seguida pelos paísescatólicos da Europa e da América, antes de atingir as áreas protestantes e o Oriente.Considerado como o estilo correspondente ao absolutismo e à Contra-Reforma,distingue-se pelo esplendor exuberante.De certo modo o Barroco foi uma continuação natural do Renascimento, porque ambosos movimentos compartilharam de um profundo interesse pela arte da Antiguidadeclássica, embora interpretando de forma diferente. Enquanto no Renascimento as qualidades de moderação, economia formal, austeridade, equilíbrio e harmonia eram as mais buscadas, o tratamento barroco de temas idênticos mostrava maior dinamismo, contrastes mais fortes, maior dramaticidade, exuberância e realismo e uma tendência ao decorativo, além de manifestar uma tensão entre o gosto pela materialidade opulenta e as demandas de uma vida espiritual (…) http://pt.wikipedia.org/wiki/Barroco2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 26
  27. 27. ARQUITETURA Barroco Catedral de S. Paulo em Londres, Inglaterra2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 27
  28. 28. ARQUITETURA Barroco Convento de Mafra, Portugal2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 28
  29. 29. ARQUITETURA Barroco Palácio de Versalhes em Paris, França2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 29
  30. 30. ARQUITETURA BARROCO Casa de Ópera da Marquesa em Bayreuth, Alemanha2012/2013 UNL-FCSH 30
  31. 31. ARQUITETURAMODERNAArquitetura moderna é uma designação genérica para o conjunto de movimentos eescolas arquitetónicos que vieram a caracterizar a arquitetura produzida durante grandeparte do século XX (especialmente os períodos entre as décadas de 10 e 50), inserida nocontexto artístico e cultural do Modernismo.Não há um ideário moderno único. As suas características podem ser encontradas emorigens diversas como a Bauhaus, na Alemanha, em Le Corbusier, na França, em FrankLloyd Wright nos Estados Unidos ou nos construtivistas russos alguns ligados à escolaVuthemas, entre muitos outros.Estas fontes tão diversas encontraram no CIAM (Congresso Internacional de ArquiteturaModerna) um instrumento de convergência, produzindo um ideário aparentementehomogéneo mas que estabelece alguns pontos comuns. Alguns historiadores daarquitetura, por sua vez, traçam a génese histórica do moderno numa série demovimentos ocorridos em meados do séc. XIX, como o movimento Arts & Crafts. http://pt.wikipedia.org/wiki/Arquitetura_moderna2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 31
  32. 32. ARQUITETURA Moderna Villa Savoye em Poissy, França2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 32
  33. 33. ARQUITETURA Moderna Edifício Bauhaus em Dessau, Alemanha2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 33
  34. 34. ARQUITETURA Moderna Torre Eiffel em Paris, França2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 34
  35. 35. ARQUITETURAPÓS-MODERNAA arquitetura pós-moderna é um termo genérico para designar uma série de novaspropostas arquitetónicas cujo objetivo foi o de estabelecer a crítica à arquiteturamoderna, entre os anos 60 e os anos 90. O auge acontece na década de 1980 emfiguras como Robert Venturi, Philip Johnson e Michael Graves nos Estados Unidos, AldoRossi na Itália, e na Inglaterra James Stirling e Michael Wilford, entre outros.Estes arquitetos utilizaram uma série de estratégias para estabelecer a crítica domodernismo. Entre estas estratégias a principal foi a reavaliação do papel da história,reabilitada na composição arquitetónica, principalmente como meio de provocação ecrítica à austeridade do modernismo. Outros arquitetos adotaram padrões deornamento e formas de composição antigas. A cidade histórica foi reestudada em buscada reabilitação da escala humana no urbanismo por Rob Krier, entre outros. Outrastendências podem ser associadas aos pós-modernos, como o interesse pela culturapopular e a atenção para o contexto de inserção do projeto. http://pt.wikipedia.org/wiki/Arquitetura_p%C3%B3s-moderna2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 35
  36. 36. ARQUITETURA Pós-moderna Onda em Vejle, Dinamarca2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 36
  37. 37. ARQUITETURA Pós-moderna Museu de Estugarda, Alemanha2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 37
  38. 38. ARQUITETURA Pós-moderna Museu Guggenheim em Bilbau, Espanha2012/2013 FCSH/UNL - DUFL 38

×