Moda Romana

44.400 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
11 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
44.400
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
525
Comentários
0
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Moda Romana

  1. 1. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Têxtil Disciplina: TEX0171 – Moda Turma: 01 Docente: Michele Cerqueira Feitor Aluno: Thiago Medeiros de Menezes Matrícula: 200618407 MODA: ROMA ANTIGA Natal-RN, 2 de outubro de 2008
  2. 2. CONTEÚDO HISTÓRIA E INTRODUÇÃO........................................................................................................................... 3 A MODA ................................................................................................................................................................ 3 TOGA ..................................................................................................................................................................... 3 STOLA ................................................................................................................................................................... 5 TÚNICAS .............................................................................................................................................................. 5 SAIOTES E CALÇAS .......................................................................................................................................... 5 BARBAS E PENTEADOS ................................................................................................................................. 5 CALÇADOS........................................................................................................................................................... 6 SOBRE A CABEÇA ............................................................................................................................................. 7 JÓIAS ...................................................................................................................................................................... 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS .............................................................................................................................. 7 REFERÊNCIAS ................................................................................................................................................... 8
  3. 3. HISTÓRIA E INTRODUÇÃO De 700 a.C. ao século V d.C. consta como o período da história da Roma Antiga. Durante esse período, Roma atravessou três fases que modificaram significativamente sua sociedade e, conseqüentemente, influenciaram a moda. Essas três fases foram: Monarquia República Império Como na sociedade egípcia e grega, a moda em Roma também foi desenvolvida sobre um conceito de hierarquia de status, associada a funções e estatutos. Aos poucos, a moda romana foi assumindo um caráter cada vez mais ligado ao luxo, sendo influenciada por aspectos como os conflitos com os povos bárbaros e o desenvolvimento do Cristianismo. A MODA Ao se tratar de moda, muitas pessoas enganam-se ao pensar que os romanos utilizavam apenas togas, ou pior, pensar que elas eram apenas lençóis enrolados sobre o corpo. É notável que a toga e a stola foram os principais itens da moda romana, no entanto, outros elementos importantes complementaram ou substituíram a toga em Roma. Entre eles, destacam-se túnicas, saiotes, calças, penteados, barbas, calçados, chapéus e jóias. TOGA A toga e a túnica são influências do período monárquico no qual os etruscos governaram Roma. As roupas etruscas eram geralmente costuradas e drapeadas, refletindo a ligação da Etrúria com Creta e a Ásia Menor. FIGURA 1: TOGA ETRUSCA. A toga etrusca era feita com um semicírculo ou retângulo de pano, formando uma capa se retangular; já a toga romana era mais volumosa, chegando a atingir 6m de
  4. 4. comprimento por 2m de largura em uma única peça de algodão, exigindo uma habilidade considerável para drapeá-la em volta do corpo ou até mesmo alguém que ajudasse a fazê- lo. Devido ao seu tamanho, a toga impedia qualquer atividade mais vigorosa e era um traje essencialmente para as classes privilegiadas como os senadores. FIGURA 2: TOGA ROMANA. Do ponto de vista social, a toga era a marca distinta de um romano e apenas homens considerados cidadãos (livres e nascidos em Roma) podiam utilizá-la, sendo proibida para as mulheres de respeito, que deveriam usar a stola. Mulheres que usassem toga eram consideradas desonrosas: meretrizes ou divorciadas por motivo de adultério. As togas diferenciavam-se conforme a função social e a idade de quem as vestiam: TOGA VIRILIS era um toga lisa de lã branca, usada pelos homens adultos romanos; TOGA PRAETEXTA era uma toga branca que apresentava uma banda larga de cor púrpura, usada por meninos nascidos livres até atingir a puberdade; TOGA CANDIDA era envergada pelos candidatos a cargos públicos cuja cor branca era realçada através de calcário; TOGA PICTA de cor púrpura e decorada com fios de ouro, usada pelos triunfadores e, posteriormente, pelo imperador; TOGA SORDIDA usada pelos pobres; TOGA PULLA era preta ou marrom, usada em situação de luto ou como forma de protesto contra atos do governo; TOGA TRABEA era totalmente púrpura ou ornamentada com riscas horizontais de cor púrpura, usada pelos áugures e sacerdotes durante os rituais, além disso, representava-se os deuses utilizando esta toga. Por volta de 100 d.C., a toga começou a diminuir de tamanho, passando para um pallium1, usado por ambos os sexos, e depois a um mero pedaço de tecido, a estola. Espécie de xale de 152,4cm a 274,32cm. 1
  5. 5. STOLA A tradicional vestimenta da mulher romana era a stola, um vestido longo e plissado, com ou sem mangas, sustentado nos ombros por alças arrematadas por fíbulas. A stola possuía algumas variedades de cores como amarelo, azul, branco realçado e vermelho, sendo normalmente feitas de lã, algodão ou seda. Em público, a mulher deveria cobrir a cabeça com um pallium, colocando-o sobre a stola. Usavam-se ainda faixas abaixo do busto e em torno da stola com a intenção de modelar a silhueta e realçar a aparência da região. A stola foi marcante no cotidiano romano, tanto que estátuas usando essa indumentária foram encontradas, datando desde a República até o fim do Império. TÚNICAS Durante o Império, o saiote foi substituído pela túnica (equivalente ao quíton grego). A túnica era feita com dois pedaços de tecido, geralmente de linho, costurados, vestida pela cabeça e presa por um cinto. Seu comprimento variava entre 66,04cm a mais de 101,6cm, chegando aos joelhos, exceto em ocasiões especiais (casamentos), quando atingiam o chão. Era usada sob a toga pelas classes superiores. Soldados e trabalhadores apenas utilizavam a túnica. Algumas variações da túnica romana: TUNICA DALMATICA era a túnica com mangas; TUNICA PALMATA era totalmente bordada; TUNICA SUBACULA é um tipo de túnica íntima, usada em conjundo com a exteriodum; TUNICA EXTERIODUM usada sobre a subacula; TUNICA CARACALLA era uma exteriodum maior, chegava aos tornozelos, adotada por quase todos em 200 d.C.. SAIOTES E CALÇAS Os saiotes de linho foram utilizados até o Império e as calças curtas e compridas foram gradualmente sendo utilizadas, começando pelos soldados romanos, por influência dos povos bárbaros. BARBAS E PENTEADOS Na Monarquia, os romanos usavam barba, mas, a partir do século II a.C., começaram a raspá-las, tornando-se um costume até a época do Imperador Adriano que novamente introduziu as barbas.
  6. 6. Além das barbas, era costume ter cabelos curtos e louros. Normalmente, as pessoas de cabelos escuros recorriam a descolorantes. As mulheres romanas adotaram inúmeros penteados, consistindo em cachos emoldurando o rosto ou mechas arrumadas em coque chamado tutulus. Utilizavam-se também fitas ou tiaras de prata ou ouro ornamentadas com gemas ou camafeus. Perucas também eram bastante utilizadas. CALÇADOS Os calçados romanos eram extremamente simples, resumindo-se a uma sandália, denominada carbatina, feita de uma só peça de couro não tingindo cobrindo o contorno do pé e presa por tiras de couro. A carbatina era usada por quase todos, exceto pelos escravos. Além dela, as mulheres romanas também utilizavam o soccus, uma espécie de chinelo usado dentro de casa e que podia ter várias cores e ser guarnecido com pedras preciosas. Em dias de mau tempo, botas de origem gaulesa, chamadas gallicae, eram utilizadas. FIGURA 3: CARBATINA. Outros tipos de calçados usados pelos romanos: BAXA era uma sandália leve usada por intelectuais; CALIGA era uma sandália usada pelos soldados; COTHURNUS e CREPIDA eram usadas pelos atores; PERO era um tipo de bota dos camponeses; PHAECASIUM uma espécie de sapato branco usado pelos sacerdotes; OBSTRIGILIUM era a sandália feminina; SCULPONAE era um tipo de tamanco; SOLEA era um chinelo simples.
  7. 7. SOBRE A CABEÇA Em geral, os romanos deixavam a cabeça descoberta, mas às vezes utilizavam um tipo de chapéu de feltro de várias formas: o sem aba conhecido como pileus e o com aba larga, a causia. Havia ainda o cuculus, uma espécie de capuz, presa à capa ou usado como peça separada. Vale salientar que esses acessórios eram utilizados apenas por pessoas do sexo masculino. Devido ao clima quente e ao não uso de chapéus, as mulheres recorriam a um guarda-sol geralmente feito de penas de pássaros. FIGURA 4: PILEUS. JÓIAS As mulheres mais ricas usavam uma quantidade significativa de jóias que iam desde fíbulas de ouro a gemas incrustadas em vestidos ou calçados. Elas também faziam uso de pulseiras, tornozeleiras, colares, pingentes e brincos. Dentre as matérias-prima favoritas estavam as pérolas, o ouro, a prata, o marfim e as pedras preciosas como ametista e esmeralda. Anéis e braceletes eram usados tanto por homens e como por mulheres. CONSIDERAÇÕES FINAIS Em suma, a moda em Roma foi por muito tempo um mecanismo normatizado de identificação do status do cidadão tão importante que infringir suas regras era crime. Um senador romano que não fosse vestido com a toga corretamente ao Senado poderia ser preso por exemplo. Todavia, essa realidade foi adquirindo outros aspectos, voltados para o luxo e a vaidade, definindo um conceito de moda mais próximo do atual.
  8. 8. REFERÊNCIAS LAVER, James. A roupa e a moda: uma história concisa. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1989. ALLEN, Alexander et al. Dictionary of Greek and Roman antiquities. 2. ed. Londres, 1848. DE LIMA, Laura Ferrazza. Em Roma se vista como os romanos. 22 set. 2007. Disponível em http://bolinhas.com/historia.bolinhas?chave=7. Acesso em 21 ago. 2008. GUERRA, Rita. Roma: de pequeno povo a império. 16 jan. 2008. Disponível em http://evolucaodamoda-apr.blogspot.com/2008/01/roma.html. Acesso em 21 ago. 2008. CLOTHING IN Ancient Rome.28 set. 2008.Disponível em http://en.wikipedia.org/wiki/Clothing_in_ancient_Rome. Acesso em 29 set. 2008. CIVILIAN CLOTHING. 1 jan. 2001. Disponível em www.legionxxiv.org/civilianclothing/. Acesso em 28 set. 2008. INDUMENTARIA ROMA Antigua. 16 jul. 2008. Disponível em http://es.wikipedia.org/wiki/Indumentaria_(Roma_antigua). Acesso em 28 set. 2008. ROME CLOTHING: women. Ago. 2003. Disponível em http://www.vroma.org/~bmcmanus/clothing2.html. Acesso em 28 set. 2008. TOGA. 1 set. 2008. Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Toga. Acesso em 21 ago. 2008.

×