SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 45
(753 a. C – 476 d. C.)
ESTILO ROMANO
(CIVILIZADO)
ESTILO ESTRANGEIRO
(BÁRBARO)
 Os romanos seriam descendentes do herói
troiano Eneias (descrito na obra Eneida, do
poeta Virgílio).
 Fundação mitológica da cidade de Roma pelos
irmãos Rômulo e Remo no monte Palatino.
 Civilização originária pela contribuição de
diversos povos como: etruscos, úmbrios,
latinos, sabinos, samnitas e gregos.
O herói Enéias da Guerra de Tróia chega na Península Itálica.
Seu filho Ascânio funda a cidade de Alba Longa
400 anos depois, o 12º rei de Alba Longa, Numitor é deposto
por seu irmão Amúlio.
Amúlio prende a filha de Numitor, Reia Silvia, e manda jogar
ao rio Tibre seus dois filhos, Rômulo e Remo.
Rômulo e Remo sobrevivem e são encontrados por uma loba,
que os amamenta. Tempos depois, são criados por um pastor
de ovelhas, Fáustulo.
Depois de crescidos, Rômulo e Remo descobrem a sua origem
e retornam para Alba Longa, conseguem se vingar de Amúlio,
e decidem fundar uma nova cidade. Por causa de
desentendimentos, sobre onde seria a nova cidade e o seu
nome, Rômulo acaba matando Remo. Rômulo funda a cidade
de Roma.
 Desenvolveu-se na parte central da Península
Itálica, em meio a terras férteis e minas.
 A leste estava protegida pelos montes Apeninos e
ao norte pelos Alpes.
 Era banhada pelo rio Tibre e muito próxima do
litoral do mar Tirreno.
 Passou por um processo expansionista, criando um
império que se estendeu por vastas regiões da
Europa, África e Ásia.
• Descendentes das famílias mais ricas da região (gens).
• Grupo de homens livres que possuíam poder político.Patrícios
• Homens livres despossuídos de propriedades ou
riquezas.
• Não tinham direitos políticos, e viviam ligados aos
patrícios.
Clientes
• Homens livres, mas sem privilégios e nem direitos
políticos.
• Com o passar da história romana conquistaram alguns
direitos.
Plebeus
 Eram tratados com grande crueldade por alguns, ou
com certa benevolência por outros.
 Eram utilizados no serviço público, nos templos, como
porteiros, como cozinheiros, como preceptores, como
médicos, como empregados, como gladiadores etc.
 Formas de se tornar um escravo:
 Nascia-se escravo.
 Prisioneiros de guerras.
 Escravidão por dívida.
 Foi um escravo gladiador de origem trácia, líder da
mais célebre revolta de escravos na Roma Antiga,
conhecida como "Terceira Guerra Servil", "Guerra
dos Escravos" ou "Guerra dos Gladiadores".
Espártaco liderou, durante a revolta, um exército
rebelde que contou com quase 100 mil ex-escravos.
 A base do poder em Roma era a propriedade fundiária.
 Com o crescimento da cidade de Roma, o comércio foi
impulsionado e da plebe começou a se desenvolver
grupos de comerciantes e artesãos.
 A partir daí, a riqueza econômica também passou a
representar o poder.
 As cabanas de pastores deram lugar as casas de pedra,
ruas e praças foram pavimentadas e novos e belos
templos foram construídos.
 Discovery na Escola - Roma Antiga: Ascensão ao Poder
https://www.youtube.com/watch?v=Z5ag8UaRbEE
 Inicialmente estava ligada intimamente à família. O
patriarca (pater familias) era o sacerdote e os cultos
ocorriam em casa.
DEUSES DOMÉSTICOS
- Vesta: deusa e espírito do fogo sagrado do
lar.
- Penates: deus responsável por garantir a
despensa sempre bem abastecida.
- Lares: deus guardião da casa.
 A religião expandiu-se com a união das várias famílias,
fundamentando a base da organização de vida romana
e do Estado Moderno.
 A crescente expansão do domínio romano colocou-os
em contato com aspectos religiosos de outros povos.
 Muitos deuses foram apropriados dos gregos, com
nomes latinizados.
 Características:
 Politeísta e Antropomórfica
 Realizavam oferendas aos deuses na forma de
alimentos e sacrifícios de animais.
 Os deuses eram sempre consultados antes de
tomarem decisões.
 Harúspices: sacerdotes que prediziam o futuro
através das entranhas das vítimas de sacrificadas.
 Augúres: sacerdotes que prediziam o futuro através
do voo e do canto das aves.
Panteão de Agripa – Roma, Itália (27 a. C)
 Existia tolerância religiosa dentro do Império Romano,
mas após o aparecimento de Jesus Cristo e de seus
seguidores, o cristianismo passou a representar uma
ameaça.
 Inicialmente, os cristãos eram perseguidos, e medidas
foram tomadas para identificá-los e puni-los.
 Posteriormente os romanos mudaram o seu
tratamento aos cristãos:
 Édito de Tolerância (311 d.C.): permissão para praticar a
religião cristã.
 Édito de Milão (313 d.C.): concessão de liberdade
religiosa.
 O imperador Constantino se converteu ao
cristianismo.
 No ano de 380 d.C., o cristianismo foi declarado
religião oficial do Império Romano, pelo imperador
Teodósio, e os ritos e festas pagãs (politeístas) foram
proibidos.
 Esperava-se que a religião mantivesse a unidade do
Império Romano, o que não aconteceu.
 Monarquia: o poder era concentrada nas mãos de um
rei, que era considerado uma escolha divina, e até
mesmo um descendente de um deus.
 Os reis eram escolhidos entre patriarcas patrícios, que
tinham seu poder baseado em suas propriedades
fundiárias.
 A forma de transmissão do poder real não era
hereditária, mas sim eletiva por uma Assembleia
composta por senadores (patriarcas).
 Com o crescimento comercial e enriquecimento dos
comerciantes romanos, os patrícios tiveram seus
poderes diminuídos, e consequentemente também a
monarquia foi abolida.
 Res + Publicae (coisa do povo): o poder executivo foi
dividido nas mãos de várias pessoas.
 Senado (Senatus – Conselho de Anciãos): composto
pelos patriarcas, mantendo a autoridade dos pais
fundadores.
 Patrícios eram eleitos para cargos curtos
(magistraturas) de geralmente um ano.
 Cônsules: comandavam o exército e presidiam o Senado.
 Pretores: responsáveis pela justiça.
 Edis: manutenção dos edifícios públicos e dos serviços
públicos (ex.: abastecimento de água).
 Questores: cuidavam das finanças.
 Censores: cuidavam da quantidade populacional, cobravam
impostos e mantinham os bons costumes.
 Ditadores: governavam apenas em situações emergenciais,
anulavam as outras magistraturas.
 Assembleia formada por magistrados plebeus.
 Os tribunos da plebe tinham o direito de veto sobre
questões definidas no Senado, que interferiam na vida
da plebe.
 Elaboração e publicação de um código de leis escritas,
para que todos tivessem a consciência de seus direitos.
 Ampliação dos direitos públicos para os plebeus.
 Fim da escravidão por dívidas.
Foram
importantes
tribunos da
plebe, e
tentaram
implantar uma
reforma
agrária, mas
sem sucesso.
 As vitórias militares e a expansão territorial
possibilitaram a formação de um grupo de generais
muito poderosos e desejosos de aumentar seu poder.
 Júlio César, após diversas conquistas militares, ganhou
grande popularidade, mas também despertou forte
oposição.
 Júlio César se tornou ditador da República romana e
tentou se tornar perpétuo, mas acabou assassinado
pelo Senado.
 Após a morte de Júlio César, seu sobrinho Otávio
Augusto conquistou o poder, derrotando seus
adversários e se tornando o primeiro Imperador de
Roma, com poderes ilimitados.
 Pax Romana (28 a 180 d.C.): período de relativa paz e
tranquilidade em Roma.
 Grande expansão territorial do Império Romano.
 TIBÉRIO (14 a 37 d.C.): durante seu reinado Jesus Cristo foi
crucificado.
 CALÍGULA (37 a 41 d.C.): de natureza extravagante e cruel,
envolveu-se em diversos escândalos sexuais.
 NERO (54 a 68 d.C.): tirano, mandou assassinar a própria
mãe, perseguiu e executou vários cristãos, foi acusado de
ter incendiado a cidade de Roma.
 VESPASIANO (69 a 79 d.C.): lutou contra judeus e iniciou
a construção do Coliseu de Roma
 ADRIANO (117 a 138 d.C): grande admirador da cultura
grega construiu o Templo de Vênus e Roma.
 MARCO AURÉLIO (161 a 180 d.C): grande imperador
muito culto, dedicou-se à filosofia.
 Diversos problemas a partir do século III: estagnação
econômica, instabilidade política, e ineficácia do
exército para garantir as conquistas territoriais.
 Gradual abandono da mão de obra escrava.
 Ameaças de invasões dos povos bárbaros.
 Transferência da sede do Império Romano para a
cidade de Bizâncio (Constantinopla) pelo imperador
Constantino.
 Divisão do Império Romano em dois, após a morte do
imperador Teodósio: Império Romano do Oriente e
Império Romano do Ocidente.
 Com a intensificação das invasões dos povos bárbaros,
a porção Ocidental do Império passou a declinar,
enquanto a parte Oriental prosperava militarmente e
economicamente.
 Em 476 d. C, o último imperador romano do Ocidente,
Rômulo Augusto, foi deposto pelo bárbaro Odoacro
(rei da tribo germânica dos hérulos).
 O Império Romano do Oriente continuou existindo
por mais vários séculos, mas passou por várias
mudanças passando a ser chamado de Império
Bizantino.
 Diversidade cultural possibilitada pela grande
extensão do território romano.
 Literatura, religião, arquitetura e esculturas
apropriadas dos gregos.
 Hábitos alimentares luxuosos e exóticos. Entretanto,
uma mesa farta era privilégio para poucos.
 Convivium: banquetes para homens e mulheres, para
comer, beber, conversar e se divertir.
 Termas: banhos públicos, espaços de higiene pessoal,
convivência e sociabilidade.
 Espetáculos (ludi) eram feitos pelos magistrados para
agradar a plebe.
 Ludi Circensis: aconteciam nos circos (anfiteatros com
arquibancadas. Ex: lutas de gladiadores, combates
navais, corridas de carros, bigas e quadrigas.
 Ludi Scaenici: apresentações teatrais.
 Política do “pão e circo”: o governo garantia ao povo
romano uma espécie de anestésico social, eliminando a
sensibilidade de grande parcela da população que vivia
em condições deploráveis.
 Modo de vida: carpe diem, tempus fugit (colha o dia, o
tempo foge).
 Palavras e expressões: et coetera (etc. = assim por
diante).
 Direito romano: legislação e instituições criadas pelos
romanos, que até hoje servem de base para muitos
países.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Grécia_Antiga.ppt
Grécia_Antiga.pptGrécia_Antiga.ppt
Grécia_Antiga.ppt
PedroIgor76
 
Slide revolução francesa
Slide revolução francesaSlide revolução francesa
Slide revolução francesa
Isabel Aguiar
 

Mais procurados (20)

A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
 
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
 
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º AnoOs Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
 
Grécia_Antiga.ppt
Grécia_Antiga.pptGrécia_Antiga.ppt
Grécia_Antiga.ppt
 
Romanos monarquia e república
Romanos   monarquia e repúblicaRomanos   monarquia e república
Romanos monarquia e república
 
Idade moderna
Idade modernaIdade moderna
Idade moderna
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
 
Roma: Monarquia/ República/ Império
Roma: Monarquia/ República/ ImpérioRoma: Monarquia/ República/ Império
Roma: Monarquia/ República/ Império
 
ROMA ANTIGA
ROMA ANTIGAROMA ANTIGA
ROMA ANTIGA
 
Napoleão Bonaparte
Napoleão BonaparteNapoleão Bonaparte
Napoleão Bonaparte
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Primeira guerra mundial.ppt
Primeira guerra mundial.pptPrimeira guerra mundial.ppt
Primeira guerra mundial.ppt
 
Slide revolução francesa
Slide revolução francesaSlide revolução francesa
Slide revolução francesa
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
 
Sociedade feudal
Sociedade feudalSociedade feudal
Sociedade feudal
 
Grécia antiga - período homérico
Grécia antiga - período homéricoGrécia antiga - período homérico
Grécia antiga - período homérico
 
A grécia antiga
A grécia antigaA grécia antiga
A grécia antiga
 

Destaque

O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império Romano
HCA_10I
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
eb23ja
 

Destaque (20)

A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
 
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
 
Banquete grego
Banquete gregoBanquete grego
Banquete grego
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império Romano
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
 
Árabes
ÁrabesÁrabes
Árabes
 
Joaquim José da Silva Xavier
Joaquim José da Silva XavierJoaquim José da Silva Xavier
Joaquim José da Silva Xavier
 
A Guerra Fria
A Guerra FriaA Guerra Fria
A Guerra Fria
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
Banquete grego
Banquete gregoBanquete grego
Banquete grego
 
A República Brasileira
A República BrasileiraA República Brasileira
A República Brasileira
 
A ditadura militar
A ditadura militarA ditadura militar
A ditadura militar
 
Os fenícios
Os feníciosOs fenícios
Os fenícios
 
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
 
A Era Vargas
A Era VargasA Era Vargas
A Era Vargas
 
A Revolução Cubana
A Revolução CubanaA Revolução Cubana
A Revolução Cubana
 
Civilização Romana (1)
Civilização Romana  (1)Civilização Romana  (1)
Civilização Romana (1)
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império Romano
 

Semelhante a A Civilização Romana

Roma das origens à república
Roma   das origens à repúblicaRoma   das origens à república
Roma das origens à república
macariojr
 
A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)
historiajovem2011
 
Roma prof. andre teixeira
Roma prof. andre teixeiraRoma prof. andre teixeira
Roma prof. andre teixeira
Tâmara Almeida
 
Civilização romana (Economia, Política e Sociedade).ppt
Civilização romana (Economia, Política e Sociedade).pptCivilização romana (Economia, Política e Sociedade).ppt
Civilização romana (Economia, Política e Sociedade).ppt
JuniorMadruga2
 
roma-090501132521-phpapp02.pdf
roma-090501132521-phpapp02.pdfroma-090501132521-phpapp02.pdf
roma-090501132521-phpapp02.pdf
Elizeu filho
 

Semelhante a A Civilização Romana (20)

Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de RomaCapítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
 
Roma antiga 2
Roma antiga 2Roma antiga 2
Roma antiga 2
 
Roma das origens à república
Roma   das origens à repúblicaRoma   das origens à república
Roma das origens à república
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Civilização romana (Economia, Política e Sociedade) - pto.ppt
Civilização romana (Economia, Política e Sociedade) - pto.pptCivilização romana (Economia, Política e Sociedade) - pto.ppt
Civilização romana (Economia, Política e Sociedade) - pto.ppt
 
gastronomia
gastronomiagastronomia
gastronomia
 
ROMA ANTIGA
ROMA ANTIGAROMA ANTIGA
ROMA ANTIGA
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)
 
Roma prof. andre teixeira
Roma prof. andre teixeiraRoma prof. andre teixeira
Roma prof. andre teixeira
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Módulo 2 contextualização
Módulo 2   contextualizaçãoMódulo 2   contextualização
Módulo 2 contextualização
 
Roma 2020
Roma 2020Roma 2020
Roma 2020
 
Roma 2020
Roma 2020Roma 2020
Roma 2020
 
Civilização romana (Economia, Política e Sociedade).ppt
Civilização romana (Economia, Política e Sociedade).pptCivilização romana (Economia, Política e Sociedade).ppt
Civilização romana (Economia, Política e Sociedade).ppt
 
1 a civilizacao-romana
1 a civilizacao-romana1 a civilizacao-romana
1 a civilizacao-romana
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
roma-090501132521-phpapp02.pdf
roma-090501132521-phpapp02.pdfroma-090501132521-phpapp02.pdf
roma-090501132521-phpapp02.pdf
 
Roma 090501132521-phpapp02
Roma 090501132521-phpapp02Roma 090501132521-phpapp02
Roma 090501132521-phpapp02
 

Mais de Gilmar Rodrigues

Populismo e Ditaduras na América Latina
Populismo e Ditaduras na América LatinaPopulismo e Ditaduras na América Latina
Populismo e Ditaduras na América Latina
Gilmar Rodrigues
 

Mais de Gilmar Rodrigues (20)

Biografia - D. Pedro II
Biografia - D. Pedro IIBiografia - D. Pedro II
Biografia - D. Pedro II
 
A Revolução Industrial
A Revolução IndustrialA Revolução Industrial
A Revolução Industrial
 
A Revolução Francesa
A Revolução FrancesaA Revolução Francesa
A Revolução Francesa
 
A Sociedade Mineradora
A Sociedade MineradoraA Sociedade Mineradora
A Sociedade Mineradora
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 
Período Joanino e Primeiro Reinado
Período Joanino e Primeiro ReinadoPeríodo Joanino e Primeiro Reinado
Período Joanino e Primeiro Reinado
 
A 2ª guerra mundial
A 2ª guerra mundialA 2ª guerra mundial
A 2ª guerra mundial
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Descolonização Africana e Asiática
Descolonização Africana e AsiáticaDescolonização Africana e Asiática
Descolonização Africana e Asiática
 
O período democrático ou populista
O período democrático ou populistaO período democrático ou populista
O período democrático ou populista
 
A Era Vargas
A Era VargasA Era Vargas
A Era Vargas
 
A 2ª Guerra Mundial 9º ano
A 2ª Guerra Mundial   9º anoA 2ª Guerra Mundial   9º ano
A 2ª Guerra Mundial 9º ano
 
O Segundo Reinado
O Segundo ReinadoO Segundo Reinado
O Segundo Reinado
 
Populismo e Ditaduras na América Latina
Populismo e Ditaduras na América LatinaPopulismo e Ditaduras na América Latina
Populismo e Ditaduras na América Latina
 
A Grande Guerra
A Grande GuerraA Grande Guerra
A Grande Guerra
 
O que é história?
O que é história?O que é história?
O que é história?
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
A Estratificação Social
A Estratificação SocialA Estratificação Social
A Estratificação Social
 
A Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias NacionaisA Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias Nacionais
 

Último

Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 

A Civilização Romana

  • 1. (753 a. C – 476 d. C.)
  • 2.
  • 4.
  • 5.  Os romanos seriam descendentes do herói troiano Eneias (descrito na obra Eneida, do poeta Virgílio).  Fundação mitológica da cidade de Roma pelos irmãos Rômulo e Remo no monte Palatino.  Civilização originária pela contribuição de diversos povos como: etruscos, úmbrios, latinos, sabinos, samnitas e gregos.
  • 6. O herói Enéias da Guerra de Tróia chega na Península Itálica. Seu filho Ascânio funda a cidade de Alba Longa 400 anos depois, o 12º rei de Alba Longa, Numitor é deposto por seu irmão Amúlio. Amúlio prende a filha de Numitor, Reia Silvia, e manda jogar ao rio Tibre seus dois filhos, Rômulo e Remo. Rômulo e Remo sobrevivem e são encontrados por uma loba, que os amamenta. Tempos depois, são criados por um pastor de ovelhas, Fáustulo.
  • 7. Depois de crescidos, Rômulo e Remo descobrem a sua origem e retornam para Alba Longa, conseguem se vingar de Amúlio, e decidem fundar uma nova cidade. Por causa de desentendimentos, sobre onde seria a nova cidade e o seu nome, Rômulo acaba matando Remo. Rômulo funda a cidade de Roma.
  • 8.  Desenvolveu-se na parte central da Península Itálica, em meio a terras férteis e minas.  A leste estava protegida pelos montes Apeninos e ao norte pelos Alpes.  Era banhada pelo rio Tibre e muito próxima do litoral do mar Tirreno.  Passou por um processo expansionista, criando um império que se estendeu por vastas regiões da Europa, África e Ásia.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12. • Descendentes das famílias mais ricas da região (gens). • Grupo de homens livres que possuíam poder político.Patrícios • Homens livres despossuídos de propriedades ou riquezas. • Não tinham direitos políticos, e viviam ligados aos patrícios. Clientes • Homens livres, mas sem privilégios e nem direitos políticos. • Com o passar da história romana conquistaram alguns direitos. Plebeus
  • 13.  Eram tratados com grande crueldade por alguns, ou com certa benevolência por outros.  Eram utilizados no serviço público, nos templos, como porteiros, como cozinheiros, como preceptores, como médicos, como empregados, como gladiadores etc.  Formas de se tornar um escravo:  Nascia-se escravo.  Prisioneiros de guerras.  Escravidão por dívida.
  • 14.  Foi um escravo gladiador de origem trácia, líder da mais célebre revolta de escravos na Roma Antiga, conhecida como "Terceira Guerra Servil", "Guerra dos Escravos" ou "Guerra dos Gladiadores". Espártaco liderou, durante a revolta, um exército rebelde que contou com quase 100 mil ex-escravos.
  • 15.  A base do poder em Roma era a propriedade fundiária.  Com o crescimento da cidade de Roma, o comércio foi impulsionado e da plebe começou a se desenvolver grupos de comerciantes e artesãos.  A partir daí, a riqueza econômica também passou a representar o poder.  As cabanas de pastores deram lugar as casas de pedra, ruas e praças foram pavimentadas e novos e belos templos foram construídos.
  • 16.  Discovery na Escola - Roma Antiga: Ascensão ao Poder https://www.youtube.com/watch?v=Z5ag8UaRbEE
  • 17.  Inicialmente estava ligada intimamente à família. O patriarca (pater familias) era o sacerdote e os cultos ocorriam em casa. DEUSES DOMÉSTICOS - Vesta: deusa e espírito do fogo sagrado do lar. - Penates: deus responsável por garantir a despensa sempre bem abastecida. - Lares: deus guardião da casa.
  • 18.  A religião expandiu-se com a união das várias famílias, fundamentando a base da organização de vida romana e do Estado Moderno.  A crescente expansão do domínio romano colocou-os em contato com aspectos religiosos de outros povos.  Muitos deuses foram apropriados dos gregos, com nomes latinizados.
  • 19.
  • 20.  Características:  Politeísta e Antropomórfica  Realizavam oferendas aos deuses na forma de alimentos e sacrifícios de animais.  Os deuses eram sempre consultados antes de tomarem decisões.  Harúspices: sacerdotes que prediziam o futuro através das entranhas das vítimas de sacrificadas.  Augúres: sacerdotes que prediziam o futuro através do voo e do canto das aves.
  • 21. Panteão de Agripa – Roma, Itália (27 a. C)
  • 22.  Existia tolerância religiosa dentro do Império Romano, mas após o aparecimento de Jesus Cristo e de seus seguidores, o cristianismo passou a representar uma ameaça.  Inicialmente, os cristãos eram perseguidos, e medidas foram tomadas para identificá-los e puni-los.  Posteriormente os romanos mudaram o seu tratamento aos cristãos:  Édito de Tolerância (311 d.C.): permissão para praticar a religião cristã.  Édito de Milão (313 d.C.): concessão de liberdade religiosa.
  • 23.  O imperador Constantino se converteu ao cristianismo.  No ano de 380 d.C., o cristianismo foi declarado religião oficial do Império Romano, pelo imperador Teodósio, e os ritos e festas pagãs (politeístas) foram proibidos.  Esperava-se que a religião mantivesse a unidade do Império Romano, o que não aconteceu.
  • 24.
  • 25.  Monarquia: o poder era concentrada nas mãos de um rei, que era considerado uma escolha divina, e até mesmo um descendente de um deus.  Os reis eram escolhidos entre patriarcas patrícios, que tinham seu poder baseado em suas propriedades fundiárias.  A forma de transmissão do poder real não era hereditária, mas sim eletiva por uma Assembleia composta por senadores (patriarcas).  Com o crescimento comercial e enriquecimento dos comerciantes romanos, os patrícios tiveram seus poderes diminuídos, e consequentemente também a monarquia foi abolida.
  • 26.  Res + Publicae (coisa do povo): o poder executivo foi dividido nas mãos de várias pessoas.  Senado (Senatus – Conselho de Anciãos): composto pelos patriarcas, mantendo a autoridade dos pais fundadores.  Patrícios eram eleitos para cargos curtos (magistraturas) de geralmente um ano.  Cônsules: comandavam o exército e presidiam o Senado.  Pretores: responsáveis pela justiça.  Edis: manutenção dos edifícios públicos e dos serviços públicos (ex.: abastecimento de água).  Questores: cuidavam das finanças.  Censores: cuidavam da quantidade populacional, cobravam impostos e mantinham os bons costumes.  Ditadores: governavam apenas em situações emergenciais, anulavam as outras magistraturas.
  • 27.
  • 28.
  • 29.  Assembleia formada por magistrados plebeus.  Os tribunos da plebe tinham o direito de veto sobre questões definidas no Senado, que interferiam na vida da plebe.  Elaboração e publicação de um código de leis escritas, para que todos tivessem a consciência de seus direitos.  Ampliação dos direitos públicos para os plebeus.  Fim da escravidão por dívidas.
  • 30. Foram importantes tribunos da plebe, e tentaram implantar uma reforma agrária, mas sem sucesso.
  • 31.
  • 32.  As vitórias militares e a expansão territorial possibilitaram a formação de um grupo de generais muito poderosos e desejosos de aumentar seu poder.  Júlio César, após diversas conquistas militares, ganhou grande popularidade, mas também despertou forte oposição.  Júlio César se tornou ditador da República romana e tentou se tornar perpétuo, mas acabou assassinado pelo Senado.
  • 33.  Após a morte de Júlio César, seu sobrinho Otávio Augusto conquistou o poder, derrotando seus adversários e se tornando o primeiro Imperador de Roma, com poderes ilimitados.  Pax Romana (28 a 180 d.C.): período de relativa paz e tranquilidade em Roma.  Grande expansão territorial do Império Romano.
  • 34.  TIBÉRIO (14 a 37 d.C.): durante seu reinado Jesus Cristo foi crucificado.  CALÍGULA (37 a 41 d.C.): de natureza extravagante e cruel, envolveu-se em diversos escândalos sexuais.  NERO (54 a 68 d.C.): tirano, mandou assassinar a própria mãe, perseguiu e executou vários cristãos, foi acusado de ter incendiado a cidade de Roma.  VESPASIANO (69 a 79 d.C.): lutou contra judeus e iniciou a construção do Coliseu de Roma  ADRIANO (117 a 138 d.C): grande admirador da cultura grega construiu o Templo de Vênus e Roma.  MARCO AURÉLIO (161 a 180 d.C): grande imperador muito culto, dedicou-se à filosofia.
  • 35.
  • 36.  Diversos problemas a partir do século III: estagnação econômica, instabilidade política, e ineficácia do exército para garantir as conquistas territoriais.  Gradual abandono da mão de obra escrava.  Ameaças de invasões dos povos bárbaros.  Transferência da sede do Império Romano para a cidade de Bizâncio (Constantinopla) pelo imperador Constantino.  Divisão do Império Romano em dois, após a morte do imperador Teodósio: Império Romano do Oriente e Império Romano do Ocidente.
  • 37.
  • 38.  Com a intensificação das invasões dos povos bárbaros, a porção Ocidental do Império passou a declinar, enquanto a parte Oriental prosperava militarmente e economicamente.  Em 476 d. C, o último imperador romano do Ocidente, Rômulo Augusto, foi deposto pelo bárbaro Odoacro (rei da tribo germânica dos hérulos).  O Império Romano do Oriente continuou existindo por mais vários séculos, mas passou por várias mudanças passando a ser chamado de Império Bizantino.
  • 39.
  • 40.  Diversidade cultural possibilitada pela grande extensão do território romano.  Literatura, religião, arquitetura e esculturas apropriadas dos gregos.  Hábitos alimentares luxuosos e exóticos. Entretanto, uma mesa farta era privilégio para poucos.  Convivium: banquetes para homens e mulheres, para comer, beber, conversar e se divertir.  Termas: banhos públicos, espaços de higiene pessoal, convivência e sociabilidade.
  • 41.
  • 42.
  • 43.  Espetáculos (ludi) eram feitos pelos magistrados para agradar a plebe.  Ludi Circensis: aconteciam nos circos (anfiteatros com arquibancadas. Ex: lutas de gladiadores, combates navais, corridas de carros, bigas e quadrigas.  Ludi Scaenici: apresentações teatrais.
  • 44.  Política do “pão e circo”: o governo garantia ao povo romano uma espécie de anestésico social, eliminando a sensibilidade de grande parcela da população que vivia em condições deploráveis.
  • 45.  Modo de vida: carpe diem, tempus fugit (colha o dia, o tempo foge).  Palavras e expressões: et coetera (etc. = assim por diante).  Direito romano: legislação e instituições criadas pelos romanos, que até hoje servem de base para muitos países.