SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
O Egito Antigo
Alunas:6º Ano
Letícia Oliveira
Cristina Rada
Sofia Laura Bonfim
Professora: Taiana
Localização do Egito
O Egito situa-se no nordeste
da África.Limita-se ao norte
com o Mar Mediterrâneo,ao
sul com o Sudão,a oeste com
a Líbia,a leste com o Mar
Vermelho e a nordeste com
Israel.
O clima e o solo egípcio
(Margens do Rio Nilo)
Clima:árido,devido à
influência do deserto do
Saara
Solo:fértil,próximo às
margens do Rio Nilo
(figura ao lado)
“Egito,uma dádiva do Nilo”
O Nilo é um dos mais extensos rios do
mundo.Nasce no coração da África,
percorre cerca de 6700 km e desemboca
(num delta)no mar Mediterrâneo.
Para os egípcios,o Nilo era considerado
um deus(Hapi).
Viajar de barco pelo Nilo
era o caminho mais fácil
para chegar a lugares
distantes e atravessar
desertos e montanhas
A economia no Egito antigo
Na história econômica
do Egito predominou o
modo de produção
asiático.Nesse modo de
produção,o Estado(faraó)
era o dono de todas as
terras,por isso controlava
e organizava o trabalho
agrícola da sociedade.
A servidão coletiva
A maior parte do povo egípcio
vivia num regime de servidão
coletiva.Eram obrigados a
sustentar o faraó e a elite
dominante pagando tributos
em forma de bens e trabalho.
Ou seja:entregavam aos
dirigentes boa parcela do que
produziam.
A agricultura no Egito Antigo
Destacava-se o
cultivo do trigo
(para fazer pão),
da cevada(para
fabricar cerveja),
do linho(usado
na confecção de
roupas) e do papiro.
A pecuária egípcia
Os egípcios criavam
bois,asnos,carneiros,
cabras,porcos e aves.
Começaram a criar
cavalos a partir da
invasão hicsa(povo
asiático).A carne era
um alimento de luxo.
A sociedade no Egito
(sem mobilidade social)
Faraó:concentra todos os poderes
administrativos,militares e religiosos
Nobres:os administradores das pro-
víncias ou comandantes do exército.
Escribas:eram os funcionários da
administração do Estado.Funções:co-
brança de impostos,fiscalização,
organização de leis
Artesãos:barbeiros,ourives,tecelãos.
Felás:camponeses.
Escravos:prisioneiros de guerra.
Periodização da História
Política egípcia
Durante três mil anos,o Egito passou por períodos de
grande brilho,decadência e muitas oscilações políticas.
A história egípcia costuma ser divida em:
-Antigo Império
-Médio Império
-Novo Império
•Período pré-dinástico(5000-3200 a.C)
•Período dinástico(3200-1085 a.C)
O período pré-dinástico
Fase que antecedeu a formação da primeira
dinastia egípcia.A sociedade estava dividida
em várias comunidades chamadas nomos.
3500-os nomos se uniram formando o alto e
o baixo Egito;
3200-Menés(rei do Alto Egito)unificou os
dois reinos e tornou-se o primeiro faraó.
O faraó usava
uma coroa dupla
para indicar
que era rei do
Alto e do Baixo
Egito.
Período dinástico-Antigo Império
(3200 a.C – 2300 a.C)
A capital do Antigo Império foi,primeiro a cidade de
Tínis e,depois a cidade de Mênfis.Queóps,Quéfren e
Miquerinos(faraós da IV dinastia) foram os responsáveis
pela construção das mais famosas pirâmides do Egito
O antigo império foi marcado por rebeliões,motivadas
pelo descontentamento popular com os impostos.
2300 a.C-devido as lutas sociais,o faraó perdeu o poder
para os nobres.
Período dinástico-Médio Império
(2100 a.C – 1750 a.C)
A autoridade do faraó foi restaurada com o apoio da no-
breza da cidade de Tebas.Durante o Médio Império,o
Egito atingiu a estabilidade política,crescimento
econômico e florescimento cultural,isso determinou a
conquista militar da Núbia(região onde havia ouro).
1750 a.C-O Egito foi invadido pelos hicsos(povo
militarmente superior)que ficaram 170 anos.
Período dinástico-Novo Império
(1580 a.C – 580 a.C)
Com a expulsão dos hicsos iniciou-se
uma grande expansão militar no Egito.
Utilizando-se das técnicas aprendidas
com os hicsos,os egípcios invadiram
Jerusalém,Damasco,Assur e Babilônia
(imperialismo).Porém,a partir do séc.
XII a.C o Egito foi sucessivamente
invadido pelos assírios,persas,mace-
dônios e em 30 a.C pelos romanos.
A História recente do Egito
Do final do séc. XVIII ao séc. XX,o Egito foi dominado
pelos franceses,turcos e ingleses,até que em 1922 a
Inglaterra reconheceu-o como Estado livre,independente
e soberano.
A cultura no Egito Antigo
Tópicos a serem estudados:
-A escrita
-Ciência
-Artes e Arquitetura
-Religião,mitologia e mumificação
A escrita
A primeira escrita egípcia
foi uma escrita sagrada
conhecida como hieróglifa
usada por escribas e
sacerdotes.
No processo de
simplificação da
escrita,os egípcios
criaram mais
duas escritas:
•Demótica(popular)
•Hierática(religiosa)
A pedra da Roseta
A escrita egípcia permaneceu
um verdadeiro mistério até
o séc. XIX.O francês Jean-
François Champollion em 1821
iniciou um estudo intensivo da
Pedra de Roseta que o levaria a
descobrir toda a escrita egípcia.
A Pedra de Roseta é um bloco de
basalto encontrado no forte de
Roseta e foi levada á França
quando Napoleão voltou de sua
expedição militar no Egito
A ciência no Egito Antigo
Os egípcios alcançaram diversos progressos científicos,
tendo em vista resolver problemas práticos e concretos.
•Química(do egípcio kemi):a manipulação de substâncias
como arsênio,cobre,petróleo,sal e outros surgiu no Egito,
originando vários remédios.
•Matemática:desenvolveram um sistema de notação
numérica e contagem direcionada ao comércio.
•Astronomia:os astros orientavam a navegação e a
agricultura no Egito.Por isso foram feitos mapas dos céus
A Arte egípcia
As artes estavam voltadas para a glorificação dos deuses
e faraós.
A arquitetura
Na arquitetura,os
egípcios construí-
ram grandes obras:
pirâmides,mastabas
(túmulos em forma
de trapézio) e
hipogeus(túmulos
subterrâneos)
A construção das pirâmides
Na região de Gizé encontram-se as mais belas e bem
construídas pirâmides,isto é,as pirâmides de Queóps,
Quéfren e Miquerinos.Na construção dessas pirâmides
foram utilizados inúmeros blocos de pedra calcária.
Calcula-se que a pirâmide de Queóps emprega 2 milhões
de blocos de pedra(que eram arrastados por grupos de
escravos ou rolos de madeira por baixo dos blocos).
A religião egípcia
A religião influenciou
poderosamente os diversos
setores da vida política,social e
cultural do Egito.Dava-se mais
atenção aos deuses e mortos
que aos vivos.Enquanto os
templos eram construídos de
pedras duras e caras,as
casas dos civis eram feitas de
tijolo cru extremamente
frágeis e de pouca durabilidade.
A mitologia politeísta
Os egípcios eram politeístas,isto
é,adoravam diversos deuses em
cerimônias patrocinadas pelo
Estado(culto oficial)em que se
destacou a adoração à Amon-Rá,
e em cerimônias populares(culto
popular)em que predominava a
adoração à Osíris,Ísis e Hórus.
Deuses da mitologia egípcia
Ísis Osíris Hórus Hathor Anúbis
Maet
Áton Ámon Néftis Tot
Características da religião no
Egito
Além de politeísta,a religião egípcia era:
Antropomórfica
Zoomórfica
Antropozoomórfica
A vida após a morte
Os egípcios acreditavam na vida após a morte.Diziam que
os mortos seriam julgados no Tribunal de Osíris e
retornariam a seus corpos se fossem absolvidos.Mas para
que isso acontecesse era preciso que seus corpos
permanecessem conservados.Nasce aí a técnica da mumi-
ficação.
A técnica de mumificação
Os egípcios foram verdadeiros mestres na prática de
mumificação do corpo humano.Primeiramente preocupa-
vam-se com a decomposição dos corpos(que eram
esvaziados e desidratados com um sal especial).Em
seguida havia o embalsamamento(retirada das vísceras e
separação delas em 4 receptáculos.)Depois de embalsa-
mado,o corpo era envolvido com faixas de tecido de linho.
Após a mumificação,os corpos eram guardados em sarcó-
fagos.Somente as camadas ricas eram mumificadas
Os rituais da mumificação
A mumificação e os rituais funerários obedeciam regras rígidas,
estabelecidas pelo próprio Anúbis e duravam 70 dias.
Após a retirada dos órgãos internos, os embalsamadores colocavam as
vísceras em vasos sagrados chamados "Vasos Canopos", cada um sob a
proteção de um dos quatro filhos de Hórus.
O coração era lacrado no próprio
corpo.
Os Egípcios o consideravam como o
órgão tanto da inteligência como do
sentimento e portanto, seria
indispensável na hora do juízo.
Somente à alguém com um coração tão
leve quanto a pluma da verdade, o
deus Osiris permitia a entrada para a
vida eterna.
Os Egípcios não davam nenhuma
importância ao cérebro. Após
extraí-lo através das narinas do
morto, os embalsamadores o
jogavam fora.
Depois de secar o cadáver com
sal de natrão, eles o lavavam e
besuntavam com resinas
conservadoras e aromáticas.
Finalmente, envolviam o corpo
em centenas de metros de tiras
de linho, entre essas tiras eram
colocados diversos amuletos que
protegiam o morto contra
inimigos e demônios do mundo
subterrâneo.
Antes de a múmia ser colocada
no túmulo, um sacerdote
funerário celebrava a cerimônia
da abertura dos olhos e da boca,
a fim de devolver á vida todos os
sentidos do morto.
Tumba
Arqueólogos da
Universidade de Mênfis
descobriram uma tumba
intacta com cinco múmias no
Vale dos Reis, perto da
cidade de Luxor no sul do
Egito.
A identidade das múmias
ainda não foi estabelecida.
A cidade de Turim, na
Região de Piemonte, na
Itália, possui o maior
Museu Egípcio fora do
Egito.
A Polícia italiana
conseguiu dar um rosto à
múmia vendada que, há
séculos, é abrigada
dentro de um sarcófago,
no Museu da cidade. A
múmia é de Harua I, filho
de Nesamondiaemaniut e
de Ireru, que viveu a
3000 anos atrás
Rosto para as múmias
Reconstituição de Tutancâmon
Uma equipe de cientistas conseguiu fazer uma reconstituição
das feições de um dos faraós mais famosos do antigo
Egito, Tutancâmon. Três grupos de peritos - franceses,
egípcios e americanos - reconstruiram modelos separados
mas semelhantes de como seria o rosto do faraó usando
radiografias.
Os modelos do menino-rei, morto 3.300 anos atrás, revelaram
um jovem com bochechas rechonchudas e um queixo
arredondado. 
Os modelos têm uma semelhança surpreendente com a
máscara que cobriu a face mumificada de Tutancâmon
quando seus despojos foram encontrados pelo arqueólogo
britânico Howard Carter em 1922, e outras imagens
antigas.
As versões francesa e americana também traziam nariz e
queixo de formato semelhante, mas a equipe egípcia
chegou a um nariz mais pronunciado, de acordo com o
arqueólogo. As imagens de tomografia computadorizada -
as primeiras obtidas de uma múmia egípcia - foram
obtidas em janeiro passado. Elas sugerem que o rei não
era muito robusto, mas um homem saudável de 19 anos,
quando morreu, provavelmente vítima de complicações
resultantes de uma fratura na perna e não de assassinato,
como se suspeitava.
Quando foram feitas radiografias
do corpo, em 1968, um
fragmento de osso foi
encontrado em seu crânio
levando a especulações de que
ele havia sido morto com um
golpe.
Pouco se sabe sobre os dez anos de
reinado de Tutancâmon depois
que ele sucedeu Akhenaten, que
abandonara os velhos deuses do
Egito em favor do monoteísmo.
Alguns historiadores dizem que ele
teria sido morto por tentar
trazer de volta o politeísmo.
Outros acreditam que ele foi
assassinado por Ay, o segundo
em comando, e que acabou
sucedendo o jovem faraó.
O Papiro
Muito da História
do Egito nos foi
transmitido pelos
rolos de papiro
encontrados nos
túmulos dos nobres
e faraós.
Foram os egípcios
que, por volta de
2200 antes de
Cristo, inventaram
o papiro, espécie de
pergaminho e
antepassado do
papel.
Papiro é uma planta aquática
existente no delta do Nilo. Seu
talo em forma piramidal chega a
ter de 5 a 6 metros de
comprimento. Era considerada
sagrada porque sua flor, formada
por finas hastes verdes, lembra os
raios do Sol, divindade máxima
desse povo.
O miolo do talo era transformado
em papiros e a casca, bem
resistente depois de seca,
utilizada na confecção de cestos,
camas e até barcos.
Para se fazer o papiro, corta-se o
miolo do talo - que é esbranquiçado
e poroso - em finas lâminas.
Depois de secas em um
pano, são mergulhadas em
água com vinagre onde
permanecem por seis dias
para eliminar o açúcar.
Novamente secas, as
lâminas são dispostas em
fileiras horizontais e
verticais, umas sobre as
outras.
Esse material é colocado entre dois pedaços de tecido
de algodão e vai para uma prensa por seis dias. Com o
peso, as finas lâminas se misturam e formam um
pedaço de papel amarelado, pronto para ser usado.
Algumas curiosidades do antigo
Egito
Tanto mulher ou homem egípcios usavam maquiagem, acreditavam que a
tinta tinha poder de cura .
 Piolhos eram problema sério, muitas pessoas da classe rica resolvia o
problema raspando o cabelo e usando perucas. Meninos até 12 anos com
exceção de pequenos tufos deixados no centro da cabeça.
As crianças começavam a usar roupas somente a partir dos 5 anos, devido o
clima quente e seco e adultos roupas leves e finas. Os homens vestiam
apenas saiotes e as mulheres vestidos simples ou túnicas.
Os egípcios usavam pão mofados para tratar de infecções.
Os antigos egípcios acreditavam que a terra era plana e redonda
semelhante a uma pizza e que o Nilo, fluía desde o centro do mundo.
O faraó Pepi II, para impedir que as moscas pousassem nele, mantinha
sempre por perto escravo nus, cujo corpos eram besuntados com mel.
Ramsés II, teve 8 esposas oficiais e cerca de 100 concubinas. Ele morreu
aos 90 anos de idade, no ano 1212 antes de Cristo.
• A Múmia do Faraó Ramsés II precisou ser levada a Paris, onde
foi tratada como uma infestação de fungos, nesta ocasião, foi
providenciado um passaporte que constava sua ocupação: “Rei
falecido”.
• Os construtores das pirâmides não foram escravos e sim
assalariados descobertas arqueológicas comprovam.
•Um faraó nunca deixava seu cabelo ser visto. Ele sempre usava
uma coroa ou um toucado chamado nemes. O mais famoso seja o
que está na mascara mortuária de Tutancâmon.
Gostamos muito de fazer este trabalho, ficamos
sabendo mais sobre a civilização egípcia e esperamos
que vocês também a percebam de uma forma mais
simples e resumida e que fiquem com uma pequena
noção do tema.
Para nós a civilização egípcia fala-nos da sua cultura
e de vários inventos como: a invenção de um
calendário com 365 dias, as pirâmides e os outros
monumentos que nos fascinaram e outras coisas
muito interessantes que descobrimos.
Conclusão
Fim !!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persasAjudar Pessoas
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Nefer19
 
Introdução à história
Introdução à históriaIntrodução à história
Introdução à históriaPaulo Alexandre
 
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)Nefer19
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)Nefer19
 
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e PersasDaniel Alves Bronstrup
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizaçõesDaniel Alves Bronstrup
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaMarcos Oliveira
 
Os incas
Os incasOs incas
Os incasedna2
 
1° ano - E.M. - Introdução à história
1° ano - E.M. - Introdução à história1° ano - E.M. - Introdução à história
1° ano - E.M. - Introdução à históriaDaniel Alves Bronstrup
 
Aula Mesopotâmia e Egito
Aula Mesopotâmia e EgitoAula Mesopotâmia e Egito
Aula Mesopotâmia e EgitoEmerson Mathias
 
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilRogerio Alves
 
Romanos monarquia e república
Romanos   monarquia e repúblicaRomanos   monarquia e república
Romanos monarquia e repúblicaFatima Freitas
 

Mais procurados (20)

6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
 
Introdução à história
Introdução à históriaIntrodução à história
Introdução à história
 
Egito slide
Egito slideEgito slide
Egito slide
 
Resumo grécia antiga
Resumo  grécia antigaResumo  grécia antiga
Resumo grécia antiga
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
 
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
 
Pré História
Pré   História Pré   História
Pré História
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
 
Os incas
Os incasOs incas
Os incas
 
1° ano - E.M. - Introdução à história
1° ano - E.M. - Introdução à história1° ano - E.M. - Introdução à história
1° ano - E.M. - Introdução à história
 
Aula Mesopotâmia e Egito
Aula Mesopotâmia e EgitoAula Mesopotâmia e Egito
Aula Mesopotâmia e Egito
 
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasil
 
Fenicios
FeniciosFenicios
Fenicios
 
Romanos monarquia e república
Romanos   monarquia e repúblicaRomanos   monarquia e república
Romanos monarquia e república
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
 

Destaque

INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA Isabel Aguiar
 
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILIsabel Aguiar
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALIsabel Aguiar
 
O REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IO REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IIsabel Aguiar
 
Rebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blogRebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blogIsabel Aguiar
 
A EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXA EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXIsabel Aguiar
 
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOQUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOIsabel Aguiar
 
Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro Isabel Aguiar
 
SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889Isabel Aguiar
 
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870Isabel Aguiar
 
Historia 6º ano - Egito
Historia 6º ano - EgitoHistoria 6º ano - Egito
Historia 6º ano - EgitoFábio Paiva
 
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIIsabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAIsabel Aguiar
 
Egito antigo escola com audio
Egito antigo   escola com audioEgito antigo   escola com audio
Egito antigo escola com audioLeticia Ribeiro
 
Egito Antigo - 6ºAno Colégio Piaget
Egito Antigo - 6ºAno Colégio PiagetEgito Antigo - 6ºAno Colégio Piaget
Egito Antigo - 6ºAno Colégio PiagetLeticia Ribeiro
 
A Civilizacao Egipcia Geografia
A Civilizacao Egipcia GeografiaA Civilizacao Egipcia Geografia
A Civilizacao Egipcia GeografiaSílvia Mendonça
 

Destaque (20)

INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
 
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
 
O REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IO REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO I
 
Rebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blogRebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blog
 
A EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXA EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIX
 
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOQUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
 
Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
 
SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889
 
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
 
Historia 6º ano - Egito
Historia 6º ano - EgitoHistoria 6º ano - Egito
Historia 6º ano - Egito
 
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
 
Egito antigo escola com audio
Egito antigo   escola com audioEgito antigo   escola com audio
Egito antigo escola com audio
 
Arquitetura Egipcia
Arquitetura EgipciaArquitetura Egipcia
Arquitetura Egipcia
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 
Egito Antigo - 6ºAno Colégio Piaget
Egito Antigo - 6ºAno Colégio PiagetEgito Antigo - 6ºAno Colégio Piaget
Egito Antigo - 6ºAno Colégio Piaget
 
A Civilizacao Egipcia Geografia
A Civilizacao Egipcia GeografiaA Civilizacao Egipcia Geografia
A Civilizacao Egipcia Geografia
 

Semelhante a Egito antigo - Colégio Piaget - 6º Ano

Semelhante a Egito antigo - Colégio Piaget - 6º Ano (20)

Oegitoantigo 110105200139-phpapp01
Oegitoantigo 110105200139-phpapp01Oegitoantigo 110105200139-phpapp01
Oegitoantigo 110105200139-phpapp01
 
Oegitoantigo 110105200139-phpapp01
Oegitoantigo 110105200139-phpapp01Oegitoantigo 110105200139-phpapp01
Oegitoantigo 110105200139-phpapp01
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
O EGITO ANTIGO
O EGITO ANTIGOO EGITO ANTIGO
O EGITO ANTIGO
 
O egito antigo.
O egito antigo.O egito antigo.
O egito antigo.
 
O egito antigo.
O egito antigo.O egito antigo.
O egito antigo.
 
Resumo egito antigo
Resumo   egito antigoResumo   egito antigo
Resumo egito antigo
 
Antiguidade na africa
Antiguidade na africaAntiguidade na africa
Antiguidade na africa
 
Egito antigo2016
Egito antigo2016Egito antigo2016
Egito antigo2016
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Egitoslide 130223211954-phpapp01
Egitoslide 130223211954-phpapp01Egitoslide 130223211954-phpapp01
Egitoslide 130223211954-phpapp01
 
Visita de Estudo ao Antigo Egipto
Visita de Estudo ao Antigo EgiptoVisita de Estudo ao Antigo Egipto
Visita de Estudo ao Antigo Egipto
 
A antiga civilização Egpcia
A antiga civilização EgpciaA antiga civilização Egpcia
A antiga civilização Egpcia
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
ARTE EGÍPCIA
ARTE EGÍPCIAARTE EGÍPCIA
ARTE EGÍPCIA
 
A antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípciaA antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípcia
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 

Último

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docCarolineWaitman
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 

Último (20)

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 

Egito antigo - Colégio Piaget - 6º Ano

  • 1. O Egito Antigo Alunas:6º Ano Letícia Oliveira Cristina Rada Sofia Laura Bonfim Professora: Taiana
  • 2. Localização do Egito O Egito situa-se no nordeste da África.Limita-se ao norte com o Mar Mediterrâneo,ao sul com o Sudão,a oeste com a Líbia,a leste com o Mar Vermelho e a nordeste com Israel.
  • 3. O clima e o solo egípcio (Margens do Rio Nilo) Clima:árido,devido à influência do deserto do Saara Solo:fértil,próximo às margens do Rio Nilo (figura ao lado)
  • 4. “Egito,uma dádiva do Nilo” O Nilo é um dos mais extensos rios do mundo.Nasce no coração da África, percorre cerca de 6700 km e desemboca (num delta)no mar Mediterrâneo. Para os egípcios,o Nilo era considerado um deus(Hapi). Viajar de barco pelo Nilo era o caminho mais fácil para chegar a lugares distantes e atravessar desertos e montanhas
  • 5. A economia no Egito antigo Na história econômica do Egito predominou o modo de produção asiático.Nesse modo de produção,o Estado(faraó) era o dono de todas as terras,por isso controlava e organizava o trabalho agrícola da sociedade.
  • 6. A servidão coletiva A maior parte do povo egípcio vivia num regime de servidão coletiva.Eram obrigados a sustentar o faraó e a elite dominante pagando tributos em forma de bens e trabalho. Ou seja:entregavam aos dirigentes boa parcela do que produziam.
  • 7. A agricultura no Egito Antigo Destacava-se o cultivo do trigo (para fazer pão), da cevada(para fabricar cerveja), do linho(usado na confecção de roupas) e do papiro.
  • 8. A pecuária egípcia Os egípcios criavam bois,asnos,carneiros, cabras,porcos e aves. Começaram a criar cavalos a partir da invasão hicsa(povo asiático).A carne era um alimento de luxo.
  • 9. A sociedade no Egito (sem mobilidade social) Faraó:concentra todos os poderes administrativos,militares e religiosos Nobres:os administradores das pro- víncias ou comandantes do exército. Escribas:eram os funcionários da administração do Estado.Funções:co- brança de impostos,fiscalização, organização de leis Artesãos:barbeiros,ourives,tecelãos. Felás:camponeses. Escravos:prisioneiros de guerra.
  • 10. Periodização da História Política egípcia Durante três mil anos,o Egito passou por períodos de grande brilho,decadência e muitas oscilações políticas. A história egípcia costuma ser divida em: -Antigo Império -Médio Império -Novo Império •Período pré-dinástico(5000-3200 a.C) •Período dinástico(3200-1085 a.C)
  • 11. O período pré-dinástico Fase que antecedeu a formação da primeira dinastia egípcia.A sociedade estava dividida em várias comunidades chamadas nomos. 3500-os nomos se uniram formando o alto e o baixo Egito; 3200-Menés(rei do Alto Egito)unificou os dois reinos e tornou-se o primeiro faraó. O faraó usava uma coroa dupla para indicar que era rei do Alto e do Baixo Egito.
  • 12. Período dinástico-Antigo Império (3200 a.C – 2300 a.C) A capital do Antigo Império foi,primeiro a cidade de Tínis e,depois a cidade de Mênfis.Queóps,Quéfren e Miquerinos(faraós da IV dinastia) foram os responsáveis pela construção das mais famosas pirâmides do Egito O antigo império foi marcado por rebeliões,motivadas pelo descontentamento popular com os impostos. 2300 a.C-devido as lutas sociais,o faraó perdeu o poder para os nobres.
  • 13. Período dinástico-Médio Império (2100 a.C – 1750 a.C) A autoridade do faraó foi restaurada com o apoio da no- breza da cidade de Tebas.Durante o Médio Império,o Egito atingiu a estabilidade política,crescimento econômico e florescimento cultural,isso determinou a conquista militar da Núbia(região onde havia ouro). 1750 a.C-O Egito foi invadido pelos hicsos(povo militarmente superior)que ficaram 170 anos.
  • 14. Período dinástico-Novo Império (1580 a.C – 580 a.C) Com a expulsão dos hicsos iniciou-se uma grande expansão militar no Egito. Utilizando-se das técnicas aprendidas com os hicsos,os egípcios invadiram Jerusalém,Damasco,Assur e Babilônia (imperialismo).Porém,a partir do séc. XII a.C o Egito foi sucessivamente invadido pelos assírios,persas,mace- dônios e em 30 a.C pelos romanos.
  • 15. A História recente do Egito Do final do séc. XVIII ao séc. XX,o Egito foi dominado pelos franceses,turcos e ingleses,até que em 1922 a Inglaterra reconheceu-o como Estado livre,independente e soberano.
  • 16. A cultura no Egito Antigo Tópicos a serem estudados: -A escrita -Ciência -Artes e Arquitetura -Religião,mitologia e mumificação
  • 17. A escrita A primeira escrita egípcia foi uma escrita sagrada conhecida como hieróglifa usada por escribas e sacerdotes. No processo de simplificação da escrita,os egípcios criaram mais duas escritas: •Demótica(popular) •Hierática(religiosa)
  • 18. A pedra da Roseta A escrita egípcia permaneceu um verdadeiro mistério até o séc. XIX.O francês Jean- François Champollion em 1821 iniciou um estudo intensivo da Pedra de Roseta que o levaria a descobrir toda a escrita egípcia. A Pedra de Roseta é um bloco de basalto encontrado no forte de Roseta e foi levada á França quando Napoleão voltou de sua expedição militar no Egito
  • 19. A ciência no Egito Antigo Os egípcios alcançaram diversos progressos científicos, tendo em vista resolver problemas práticos e concretos. •Química(do egípcio kemi):a manipulação de substâncias como arsênio,cobre,petróleo,sal e outros surgiu no Egito, originando vários remédios. •Matemática:desenvolveram um sistema de notação numérica e contagem direcionada ao comércio. •Astronomia:os astros orientavam a navegação e a agricultura no Egito.Por isso foram feitos mapas dos céus
  • 20. A Arte egípcia As artes estavam voltadas para a glorificação dos deuses e faraós.
  • 21. A arquitetura Na arquitetura,os egípcios construí- ram grandes obras: pirâmides,mastabas (túmulos em forma de trapézio) e hipogeus(túmulos subterrâneos)
  • 22. A construção das pirâmides Na região de Gizé encontram-se as mais belas e bem construídas pirâmides,isto é,as pirâmides de Queóps, Quéfren e Miquerinos.Na construção dessas pirâmides foram utilizados inúmeros blocos de pedra calcária. Calcula-se que a pirâmide de Queóps emprega 2 milhões de blocos de pedra(que eram arrastados por grupos de escravos ou rolos de madeira por baixo dos blocos).
  • 23. A religião egípcia A religião influenciou poderosamente os diversos setores da vida política,social e cultural do Egito.Dava-se mais atenção aos deuses e mortos que aos vivos.Enquanto os templos eram construídos de pedras duras e caras,as casas dos civis eram feitas de tijolo cru extremamente frágeis e de pouca durabilidade.
  • 24. A mitologia politeísta Os egípcios eram politeístas,isto é,adoravam diversos deuses em cerimônias patrocinadas pelo Estado(culto oficial)em que se destacou a adoração à Amon-Rá, e em cerimônias populares(culto popular)em que predominava a adoração à Osíris,Ísis e Hórus.
  • 25. Deuses da mitologia egípcia Ísis Osíris Hórus Hathor Anúbis Maet Áton Ámon Néftis Tot
  • 26. Características da religião no Egito Além de politeísta,a religião egípcia era: Antropomórfica Zoomórfica Antropozoomórfica
  • 27. A vida após a morte Os egípcios acreditavam na vida após a morte.Diziam que os mortos seriam julgados no Tribunal de Osíris e retornariam a seus corpos se fossem absolvidos.Mas para que isso acontecesse era preciso que seus corpos permanecessem conservados.Nasce aí a técnica da mumi- ficação.
  • 28. A técnica de mumificação Os egípcios foram verdadeiros mestres na prática de mumificação do corpo humano.Primeiramente preocupa- vam-se com a decomposição dos corpos(que eram esvaziados e desidratados com um sal especial).Em seguida havia o embalsamamento(retirada das vísceras e separação delas em 4 receptáculos.)Depois de embalsa- mado,o corpo era envolvido com faixas de tecido de linho. Após a mumificação,os corpos eram guardados em sarcó- fagos.Somente as camadas ricas eram mumificadas
  • 29. Os rituais da mumificação A mumificação e os rituais funerários obedeciam regras rígidas, estabelecidas pelo próprio Anúbis e duravam 70 dias. Após a retirada dos órgãos internos, os embalsamadores colocavam as vísceras em vasos sagrados chamados "Vasos Canopos", cada um sob a proteção de um dos quatro filhos de Hórus. O coração era lacrado no próprio corpo. Os Egípcios o consideravam como o órgão tanto da inteligência como do sentimento e portanto, seria indispensável na hora do juízo. Somente à alguém com um coração tão leve quanto a pluma da verdade, o deus Osiris permitia a entrada para a vida eterna.
  • 30. Os Egípcios não davam nenhuma importância ao cérebro. Após extraí-lo através das narinas do morto, os embalsamadores o jogavam fora. Depois de secar o cadáver com sal de natrão, eles o lavavam e besuntavam com resinas conservadoras e aromáticas. Finalmente, envolviam o corpo em centenas de metros de tiras de linho, entre essas tiras eram colocados diversos amuletos que protegiam o morto contra inimigos e demônios do mundo subterrâneo. Antes de a múmia ser colocada no túmulo, um sacerdote funerário celebrava a cerimônia da abertura dos olhos e da boca, a fim de devolver á vida todos os sentidos do morto.
  • 31. Tumba Arqueólogos da Universidade de Mênfis descobriram uma tumba intacta com cinco múmias no Vale dos Reis, perto da cidade de Luxor no sul do Egito. A identidade das múmias ainda não foi estabelecida.
  • 32. A cidade de Turim, na Região de Piemonte, na Itália, possui o maior Museu Egípcio fora do Egito. A Polícia italiana conseguiu dar um rosto à múmia vendada que, há séculos, é abrigada dentro de um sarcófago, no Museu da cidade. A múmia é de Harua I, filho de Nesamondiaemaniut e de Ireru, que viveu a 3000 anos atrás Rosto para as múmias
  • 33. Reconstituição de Tutancâmon Uma equipe de cientistas conseguiu fazer uma reconstituição das feições de um dos faraós mais famosos do antigo Egito, Tutancâmon. Três grupos de peritos - franceses, egípcios e americanos - reconstruiram modelos separados mas semelhantes de como seria o rosto do faraó usando radiografias. Os modelos do menino-rei, morto 3.300 anos atrás, revelaram um jovem com bochechas rechonchudas e um queixo arredondado.  Os modelos têm uma semelhança surpreendente com a máscara que cobriu a face mumificada de Tutancâmon quando seus despojos foram encontrados pelo arqueólogo britânico Howard Carter em 1922, e outras imagens antigas. As versões francesa e americana também traziam nariz e queixo de formato semelhante, mas a equipe egípcia chegou a um nariz mais pronunciado, de acordo com o arqueólogo. As imagens de tomografia computadorizada - as primeiras obtidas de uma múmia egípcia - foram obtidas em janeiro passado. Elas sugerem que o rei não era muito robusto, mas um homem saudável de 19 anos, quando morreu, provavelmente vítima de complicações resultantes de uma fratura na perna e não de assassinato, como se suspeitava.
  • 34. Quando foram feitas radiografias do corpo, em 1968, um fragmento de osso foi encontrado em seu crânio levando a especulações de que ele havia sido morto com um golpe. Pouco se sabe sobre os dez anos de reinado de Tutancâmon depois que ele sucedeu Akhenaten, que abandonara os velhos deuses do Egito em favor do monoteísmo. Alguns historiadores dizem que ele teria sido morto por tentar trazer de volta o politeísmo. Outros acreditam que ele foi assassinado por Ay, o segundo em comando, e que acabou sucedendo o jovem faraó.
  • 35. O Papiro Muito da História do Egito nos foi transmitido pelos rolos de papiro encontrados nos túmulos dos nobres e faraós. Foram os egípcios que, por volta de 2200 antes de Cristo, inventaram o papiro, espécie de pergaminho e antepassado do papel.
  • 36. Papiro é uma planta aquática existente no delta do Nilo. Seu talo em forma piramidal chega a ter de 5 a 6 metros de comprimento. Era considerada sagrada porque sua flor, formada por finas hastes verdes, lembra os raios do Sol, divindade máxima desse povo. O miolo do talo era transformado em papiros e a casca, bem resistente depois de seca, utilizada na confecção de cestos, camas e até barcos. Para se fazer o papiro, corta-se o miolo do talo - que é esbranquiçado e poroso - em finas lâminas.
  • 37. Depois de secas em um pano, são mergulhadas em água com vinagre onde permanecem por seis dias para eliminar o açúcar. Novamente secas, as lâminas são dispostas em fileiras horizontais e verticais, umas sobre as outras. Esse material é colocado entre dois pedaços de tecido de algodão e vai para uma prensa por seis dias. Com o peso, as finas lâminas se misturam e formam um pedaço de papel amarelado, pronto para ser usado.
  • 38. Algumas curiosidades do antigo Egito Tanto mulher ou homem egípcios usavam maquiagem, acreditavam que a tinta tinha poder de cura .  Piolhos eram problema sério, muitas pessoas da classe rica resolvia o problema raspando o cabelo e usando perucas. Meninos até 12 anos com exceção de pequenos tufos deixados no centro da cabeça. As crianças começavam a usar roupas somente a partir dos 5 anos, devido o clima quente e seco e adultos roupas leves e finas. Os homens vestiam apenas saiotes e as mulheres vestidos simples ou túnicas. Os egípcios usavam pão mofados para tratar de infecções. Os antigos egípcios acreditavam que a terra era plana e redonda semelhante a uma pizza e que o Nilo, fluía desde o centro do mundo. O faraó Pepi II, para impedir que as moscas pousassem nele, mantinha sempre por perto escravo nus, cujo corpos eram besuntados com mel. Ramsés II, teve 8 esposas oficiais e cerca de 100 concubinas. Ele morreu aos 90 anos de idade, no ano 1212 antes de Cristo.
  • 39. • A Múmia do Faraó Ramsés II precisou ser levada a Paris, onde foi tratada como uma infestação de fungos, nesta ocasião, foi providenciado um passaporte que constava sua ocupação: “Rei falecido”. • Os construtores das pirâmides não foram escravos e sim assalariados descobertas arqueológicas comprovam. •Um faraó nunca deixava seu cabelo ser visto. Ele sempre usava uma coroa ou um toucado chamado nemes. O mais famoso seja o que está na mascara mortuária de Tutancâmon.
  • 40. Gostamos muito de fazer este trabalho, ficamos sabendo mais sobre a civilização egípcia e esperamos que vocês também a percebam de uma forma mais simples e resumida e que fiquem com uma pequena noção do tema. Para nós a civilização egípcia fala-nos da sua cultura e de vários inventos como: a invenção de um calendário com 365 dias, as pirâmides e os outros monumentos que nos fascinaram e outras coisas muito interessantes que descobrimos. Conclusão