SlideShare uma empresa Scribd logo
PASTEJO ROTACIONADO 1: PONTOS CRÍTICOS NA IMPLANTAÇÃO
Augusto Zonta
Zootecnista, Ms, PqC do Polo Regional da Alta Paulista/APTA
zonta@apta.sp.gov.br
Márcia Cristina de Mello Zonta
Zootecnista, Ms, Técnica do Polo Regional da Alta Paulista/APTA
marciazonta@apta.sp.gov.br
Na pecuária moderna constantemente adotamos novas tecnologias e cada uma delas nos
oferecem vantagens e desafios. Debater se o sistema de pastejo rotacionado é melhor que
o pastejo contínuo é perda de energia. O que realmente faz sentido é discutir se
determinada tecnologia é adequada para minha realidade e se tenho condições de conduzi-
la corretamente pelo tempo necessário.
Entre as vantagens do sistema de pastejo rotacionado podemos citar o melhor
aproveitamento do pasto, consumo mais uniforme e menor gasto energético do animal para
a busca de alimento de qualidade. As pesquisas mostram que esta tecnologia proporciona
melhores ganhos por área e menores ganhos por animal. Isto ocorre devido ao menor poder
de seleção do animal.
Em regiões onde o custo da terra é alto esta característica torna-se interessante. Os
maiores desafios desta técnica são os custos com cercas para a divisão da área e a
capacitação do produtor para entender, observar e ajustar as variações no sistema ao longo
do ano.
É imprescindível o acompanhamento de um profissional nos dois primeiros anos da
implantação do sistema. No início, recomenda-se um ritmo menos intenso e introdução
parcial do rebanho neste novo sistema.
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013
Aspectos gerais
Em um sistema de pastejo rotacionado a área da pastagem é dividida em piquetes que são
utilizados durante um certo intervalo de tempo que chamamos de período de ocupação. Ao
fim deste período o piquete ficará em descanso com a transferência dos animais para o
piquete seguinte. Observa-se um pastejo mais uniforme quando os piquetes são
retangulares.
Para reduzir os custos de implantação, as novas divisões devem ser planejadas de forma a
aproveitar as cercas e divisões já existentes e o acesso por um corredor a uma área coletiva
única com sombra, água e sal mineral. Nesta área os animais irão descansar e ruminar.
Recomenda-se que a área de descanso fique estrategicamente localizada de forma que o
piquete mais distante não exceda a 500m. O tamanho da área de descanso deve ser
adequada para abrigar todos os animais do sistema e não prejudicar a vegetação de
cobertura do solo. Evitando-se assim a produção de lama no local em épocas de chuva, o
que causaria prejuízos sanitários e produtivos.
Conforme a categoria animal a ser trabalhada, o espaço individual varia de 15 a 30 m2
para
cada animal. Visando evitar quebra de cercas e facilitar a manobra das máquinas por
ocasião da adubação ou outros processos, o corredor de acesso à área de descanso deve
ser de 10m de largura e as entradas com 5m no mínimo.
Duas opções de croqui exemplificando os piquetes e área de descanso.
Os cochos de sal mineral devem fornecer 5 cm linear por animal e 10 cm por animal para o
cocho de água. O sal mineral deverá estar sempre disponível e soltinho. Esta verificação
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013
deve ser feita diariamente aproveitando a ocasião para observar a condição dos animais e
da pastagem.
Quanto ao cocho de água devemos prestar atenção ao volume de água do reservatório e a
vazão para o rápido preenchimento após o consumo. A limpeza dos cochos é algo que o
produtor não dá a devida atenção, mas é de grande importância. Se não há água disponível
e de qualidade os animais não bebem, não há consumo de alimento e consequentemente
não há ganho de peso.
No verão o consumo de água por animal varia entre 30 a 50 litros por dia conforme a
categoria. Para exemplificar: Com 50 animais no sistema, o consumo total médio seria de
2.000 litros por dia. A vazão de entrada deverá repor 50% do consumo diário em 2 a 3
horas. Ou seja 1.000 litros.
Recomenda-se que o valor de consumo diário seja multiplicado por 3 (6.000 litros para os 50
animais), pois desta forma, se houver algum problema na entrada de água, bomba ou
tubulação, o produtor terá 3 dias para resolver o problema. Este prazo é muito útil
principalmente se o problema ocorrer no final de semana.
Número de piquetes
O número de divisões depende principalmente das características da gramínea
predominante na área. No caso de novas áreas dependerá da gramínea escolhida. A
fisiologia, ciclo, hábito de crescimento, facilidade de propagação, velocidade de rebrota,
resposta a adubação e adequação às condições climáticas da região são algumas
informações que precisam ser levadas em consideração na escolha.
Por exemplo, se o sistema for instalado em áreas com gramíneas de hábito cespitoso, como
no caso do gênero Panicum (Colonião, Mombaça, Tanzânia), haverá um maior número de
piquetes e um menor número dos dias de ocupação, em comparação com as gramíneas de
crescimento prostrado, no caso as braquiárias.
Isto ocorre porque as plantas cespitosas sofrem mais com as desfolhas, principalmente as
rebrotas, uma vez que são de fácil apreensão pelos bovinos. Por este motivo, precisam de
maior número de dias de descanso. Já com as prostradas ocorre o inverso.
Observe a fórmula:
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013
Número de piquetes = (Dias de descanso / Dias de ocupação) + 1
 Quanto maior o período de ocupação menor será o número de piquetes.
 Quanto menor o período de ocupação maior o desafio.
 Quanto maior o período de descanso maior será o número de piquetes.
 Maior número de piquetes implica em maior custo com estrutura.
Conclui-se que é de grande importância encontrar o equilíbrio entre o nivel de desafio, ou
seja, a intensidade do sistema e o custo de implantação deste. Intensidade do sistema
implica em grande remoção de material vegetal, maior nível ou frequência de adubação,
menor área por animal, maiores perdas por acamamento, dependendo da categoria maior
disputa, exige melhor controle de cerca e melhor mão de obra.
De forma geral utiliza-se 25, 30 ou 35 dias de descanso e 1, 3 ou 5 dias de ocupação. Estes
intervalos atendem a maioria das gramíneas normalmente utilizadas. Recomenda-se
período de ocupação de 1 dia apenas para os experientes. Não é recomendado períodos de
ocupação maiores que 5 dias pois desta forma os animais passariam a comer a rebrota.
Esta situação não é desejável. Alguns trabalhos apontam também que neste caso ocorre
uma maior infestação por helmintos.
Observe a tabela:
Período
de
descanso
(dias)
Período de
ocupação
(dias)
Número de
piquetes
1 26
25 3 9
5 6
1 31
30 3 11
5 7
1 36
35 3 13
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013
5 8
Cercas
A utilização de cerca elétrica para as divisões internas da área é a escolha mais comum,
uma vez que apresenta custo por quilometro inferior ao da cerca de arame farpado
tradicional. Porém, nesta hora o produtor fica tentado a economizar no eletrificador, painel
fotovoltaico, baterias, isoladores e outras peças. Não vale a pena.
Trabalhe com peças de qualidade e consulte um profissional para a construção das cercas,
proteção contra raios e adequado aterramento. A cerca elétrica funciona desde que
instalada adequadamente e não haja vazamentos de corrente devido a peças ruins ou falta
de roçada do capim nas linhas de condução.
Considerações finais
O correto dimensionamento do sistema é um ponto importante para a redução de custos
com estrutura e um relacionamento harmônico com a fisiologia da gramínea disponível. A
escolha do tipo de cerca utilizada depende do capital disponível na fase de implantação e a
orientação de um profissional para a construção de cercas elétricas é uma questão de
segurança e economia.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Cristian Carla de Campos
 
Dimensionamento de silos
Dimensionamento de silosDimensionamento de silos
Dimensionamento de silos
Aurielle Medeiros
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Rural Pecuária
 
Colheita e Armazenamento: Milho
Colheita e Armazenamento: MilhoColheita e Armazenamento: Milho
Colheita e Armazenamento: Milho
Geagra UFG
 
Tecnologia de Aplicação
Tecnologia de AplicaçãoTecnologia de Aplicação
Tecnologia de Aplicação
Geagra UFG
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Lucas Camilo
 
Recria de bezerros de corte
Recria de bezerros de corteRecria de bezerros de corte
Recria de bezerros de corte
Allen Ferreira
 
Rafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - FenaçãoRafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique Reis
 
Aula instalacoes aves
Aula instalacoes avesAula instalacoes aves
Aula instalacoes aves
nice1961
 
Margarete malasen
Margarete malasenMargarete malasen
Margarete malasen
Agricultura Sao Paulo
 
Apostila produção de bovinos
Apostila   produção de bovinosApostila   produção de bovinos
Apostila produção de bovinos
Cutrim Junior
 
Manual de Confinamento de Bovinos de Corte da Guabi
Manual de Confinamento de Bovinos de Corte da GuabiManual de Confinamento de Bovinos de Corte da Guabi
Manual de Confinamento de Bovinos de Corte da Guabi
Sérgio Amaral
 
[Palestra] Fernanda Altieri Ferreira: Aditivos na nutrição de bovinos confina...
[Palestra] Fernanda Altieri Ferreira: Aditivos na nutrição de bovinos confina...[Palestra] Fernanda Altieri Ferreira: Aditivos na nutrição de bovinos confina...
[Palestra] Fernanda Altieri Ferreira: Aditivos na nutrição de bovinos confina...
AgroTalento
 
Instalações de aves
Instalações de avesInstalações de aves
Instalações de aves
Layane Ribeiro Mascarenhas
 
Cultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeiraCultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeira
Josimar Oliveira
 
Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)
Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)
Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)
Paola Brutti
 
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e EquinosRaças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Renata Lara
 
Gado corte
Gado corteGado corte
Residuos da suinocultura
Residuos da suinoculturaResiduos da suinocultura
Residuos da suinocultura
Caroline Alvares
 

Mais procurados (20)

Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
 
Dimensionamento de silos
Dimensionamento de silosDimensionamento de silos
Dimensionamento de silos
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
 
Colheita e Armazenamento: Milho
Colheita e Armazenamento: MilhoColheita e Armazenamento: Milho
Colheita e Armazenamento: Milho
 
Tecnologia de Aplicação
Tecnologia de AplicaçãoTecnologia de Aplicação
Tecnologia de Aplicação
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
 
Recria de bezerros de corte
Recria de bezerros de corteRecria de bezerros de corte
Recria de bezerros de corte
 
Rafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - FenaçãoRafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - Fenação
 
Aula instalacoes aves
Aula instalacoes avesAula instalacoes aves
Aula instalacoes aves
 
Margarete malasen
Margarete malasenMargarete malasen
Margarete malasen
 
Apostila produção de bovinos
Apostila   produção de bovinosApostila   produção de bovinos
Apostila produção de bovinos
 
Manual de Confinamento de Bovinos de Corte da Guabi
Manual de Confinamento de Bovinos de Corte da GuabiManual de Confinamento de Bovinos de Corte da Guabi
Manual de Confinamento de Bovinos de Corte da Guabi
 
[Palestra] Fernanda Altieri Ferreira: Aditivos na nutrição de bovinos confina...
[Palestra] Fernanda Altieri Ferreira: Aditivos na nutrição de bovinos confina...[Palestra] Fernanda Altieri Ferreira: Aditivos na nutrição de bovinos confina...
[Palestra] Fernanda Altieri Ferreira: Aditivos na nutrição de bovinos confina...
 
Instalações de aves
Instalações de avesInstalações de aves
Instalações de aves
 
Cultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeiraCultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeira
 
Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)
Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)
Poluição do solo por dejetos de animais (suinos e aves)
 
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e EquinosRaças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
 
Manual Ensilagem
Manual EnsilagemManual Ensilagem
Manual Ensilagem
 
Gado corte
Gado corteGado corte
Gado corte
 
Residuos da suinocultura
Residuos da suinoculturaResiduos da suinocultura
Residuos da suinocultura
 

Semelhante a Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação

Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejoPastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
Rural Pecuária
 
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdfDimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
AmiltonMaia
 
E book triplicar-produtividade_pasto
E book triplicar-produtividade_pastoE book triplicar-produtividade_pasto
E book triplicar-produtividade_pasto
MarceloValadoLeite
 
Nhoque Com Mandioquinha Salsa
Nhoque Com Mandioquinha SalsaNhoque Com Mandioquinha Salsa
Nhoque Com Mandioquinha Salsa
kiwidaiquiri
 
Instalações para caprinos e ovinos
Instalações para caprinos e ovinosInstalações para caprinos e ovinos
Instalações para caprinos e ovinos
mmaob
 
Manejo dos resíduos da produção leiteira
Manejo dos resíduos da produção leiteiraManejo dos resíduos da produção leiteira
Manejo dos resíduos da produção leiteira
Raquel Maria Cury Rodrigues
 
Ano vii edic12-rev77
Ano vii edic12-rev77Ano vii edic12-rev77
Ano vii edic12-rev77
rodsilva2013
 
Caderno silo
Caderno siloCaderno silo
Artigo Monitoramento de Pastagem
Artigo Monitoramento de PastagemArtigo Monitoramento de Pastagem
Artigo Monitoramento de Pastagem
Inael Rodrigues
 
Vantagens do bft
Vantagens do bftVantagens do bft
Vantagens do bft
Claire Juliana
 
Policultivo Lambari x Camarão de Água Doce: Resultados de Pesquisas
Policultivo Lambari x Camarão de Água Doce: Resultados de PesquisasPolicultivo Lambari x Camarão de Água Doce: Resultados de Pesquisas
Policultivo Lambari x Camarão de Água Doce: Resultados de Pesquisas
Agricultura Sao Paulo
 
Vantagens e desvantagens do plantio de árvores em pastagens
Vantagens e desvantagens do plantio de árvores em pastagensVantagens e desvantagens do plantio de árvores em pastagens
Vantagens e desvantagens do plantio de árvores em pastagens
Rural Pecuária
 
Irrigação
IrrigaçãoIrrigação
Irrigação
CANO
 
Manual criação de aves caipira
Manual criação de aves caipiraManual criação de aves caipira
Manual criação de aves caipira
R1Rosolem
 
Vacinação
VacinaçãoVacinação
Vacinação
mvezzone
 
13 instalações para_confinamento_de_ovinos
13 instalações para_confinamento_de_ovinos13 instalações para_confinamento_de_ovinos
13 instalações para_confinamento_de_ovinos
Claudio Silva
 
Resultados sobre Policultivo de Lambaris e Camarões na Unidade de Pesquisa de...
Resultados sobre Policultivo de Lambaris e Camarões na Unidade de Pesquisa de...Resultados sobre Policultivo de Lambaris e Camarões na Unidade de Pesquisa de...
Resultados sobre Policultivo de Lambaris e Camarões na Unidade de Pesquisa de...
Agricultura Sao Paulo
 
Pastos egas 11
Pastos egas 11Pastos egas 11
Pastos egas 11
Egas Armando
 
Como fazer um minhocário campeiro
Como fazer um minhocário campeiroComo fazer um minhocário campeiro
Como fazer um minhocário campeiro
Portal Canal Rural
 
Pc Principios
Pc PrincipiosPc Principios
Pc Principios
UniGaia-Brasil
 

Semelhante a Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação (20)

Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejoPastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
 
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdfDimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
 
E book triplicar-produtividade_pasto
E book triplicar-produtividade_pastoE book triplicar-produtividade_pasto
E book triplicar-produtividade_pasto
 
Nhoque Com Mandioquinha Salsa
Nhoque Com Mandioquinha SalsaNhoque Com Mandioquinha Salsa
Nhoque Com Mandioquinha Salsa
 
Instalações para caprinos e ovinos
Instalações para caprinos e ovinosInstalações para caprinos e ovinos
Instalações para caprinos e ovinos
 
Manejo dos resíduos da produção leiteira
Manejo dos resíduos da produção leiteiraManejo dos resíduos da produção leiteira
Manejo dos resíduos da produção leiteira
 
Ano vii edic12-rev77
Ano vii edic12-rev77Ano vii edic12-rev77
Ano vii edic12-rev77
 
Caderno silo
Caderno siloCaderno silo
Caderno silo
 
Artigo Monitoramento de Pastagem
Artigo Monitoramento de PastagemArtigo Monitoramento de Pastagem
Artigo Monitoramento de Pastagem
 
Vantagens do bft
Vantagens do bftVantagens do bft
Vantagens do bft
 
Policultivo Lambari x Camarão de Água Doce: Resultados de Pesquisas
Policultivo Lambari x Camarão de Água Doce: Resultados de PesquisasPolicultivo Lambari x Camarão de Água Doce: Resultados de Pesquisas
Policultivo Lambari x Camarão de Água Doce: Resultados de Pesquisas
 
Vantagens e desvantagens do plantio de árvores em pastagens
Vantagens e desvantagens do plantio de árvores em pastagensVantagens e desvantagens do plantio de árvores em pastagens
Vantagens e desvantagens do plantio de árvores em pastagens
 
Irrigação
IrrigaçãoIrrigação
Irrigação
 
Manual criação de aves caipira
Manual criação de aves caipiraManual criação de aves caipira
Manual criação de aves caipira
 
Vacinação
VacinaçãoVacinação
Vacinação
 
13 instalações para_confinamento_de_ovinos
13 instalações para_confinamento_de_ovinos13 instalações para_confinamento_de_ovinos
13 instalações para_confinamento_de_ovinos
 
Resultados sobre Policultivo de Lambaris e Camarões na Unidade de Pesquisa de...
Resultados sobre Policultivo de Lambaris e Camarões na Unidade de Pesquisa de...Resultados sobre Policultivo de Lambaris e Camarões na Unidade de Pesquisa de...
Resultados sobre Policultivo de Lambaris e Camarões na Unidade de Pesquisa de...
 
Pastos egas 11
Pastos egas 11Pastos egas 11
Pastos egas 11
 
Como fazer um minhocário campeiro
Como fazer um minhocário campeiroComo fazer um minhocário campeiro
Como fazer um minhocário campeiro
 
Pc Principios
Pc PrincipiosPc Principios
Pc Principios
 

Mais de Rural Pecuária

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Rural Pecuária
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
Rural Pecuária
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Rural Pecuária
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Rural Pecuária
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Rural Pecuária
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
Rural Pecuária
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Rural Pecuária
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Rural Pecuária
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milho
Rural Pecuária
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras Leiteiras
Rural Pecuária
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica
Rural Pecuária
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Rural Pecuária
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Rural Pecuária
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Rural Pecuária
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Rural Pecuária
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Rural Pecuária
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Rural Pecuária
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corte
Rural Pecuária
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Rural Pecuária
 
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
Rural Pecuária
 

Mais de Rural Pecuária (20)

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milho
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras Leiteiras
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corte
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
 
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
 

Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação

  • 1. PASTEJO ROTACIONADO 1: PONTOS CRÍTICOS NA IMPLANTAÇÃO Augusto Zonta Zootecnista, Ms, PqC do Polo Regional da Alta Paulista/APTA zonta@apta.sp.gov.br Márcia Cristina de Mello Zonta Zootecnista, Ms, Técnica do Polo Regional da Alta Paulista/APTA marciazonta@apta.sp.gov.br Na pecuária moderna constantemente adotamos novas tecnologias e cada uma delas nos oferecem vantagens e desafios. Debater se o sistema de pastejo rotacionado é melhor que o pastejo contínuo é perda de energia. O que realmente faz sentido é discutir se determinada tecnologia é adequada para minha realidade e se tenho condições de conduzi- la corretamente pelo tempo necessário. Entre as vantagens do sistema de pastejo rotacionado podemos citar o melhor aproveitamento do pasto, consumo mais uniforme e menor gasto energético do animal para a busca de alimento de qualidade. As pesquisas mostram que esta tecnologia proporciona melhores ganhos por área e menores ganhos por animal. Isto ocorre devido ao menor poder de seleção do animal. Em regiões onde o custo da terra é alto esta característica torna-se interessante. Os maiores desafios desta técnica são os custos com cercas para a divisão da área e a capacitação do produtor para entender, observar e ajustar as variações no sistema ao longo do ano. É imprescindível o acompanhamento de um profissional nos dois primeiros anos da implantação do sistema. No início, recomenda-se um ritmo menos intenso e introdução parcial do rebanho neste novo sistema.
  • 2. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013 Aspectos gerais Em um sistema de pastejo rotacionado a área da pastagem é dividida em piquetes que são utilizados durante um certo intervalo de tempo que chamamos de período de ocupação. Ao fim deste período o piquete ficará em descanso com a transferência dos animais para o piquete seguinte. Observa-se um pastejo mais uniforme quando os piquetes são retangulares. Para reduzir os custos de implantação, as novas divisões devem ser planejadas de forma a aproveitar as cercas e divisões já existentes e o acesso por um corredor a uma área coletiva única com sombra, água e sal mineral. Nesta área os animais irão descansar e ruminar. Recomenda-se que a área de descanso fique estrategicamente localizada de forma que o piquete mais distante não exceda a 500m. O tamanho da área de descanso deve ser adequada para abrigar todos os animais do sistema e não prejudicar a vegetação de cobertura do solo. Evitando-se assim a produção de lama no local em épocas de chuva, o que causaria prejuízos sanitários e produtivos. Conforme a categoria animal a ser trabalhada, o espaço individual varia de 15 a 30 m2 para cada animal. Visando evitar quebra de cercas e facilitar a manobra das máquinas por ocasião da adubação ou outros processos, o corredor de acesso à área de descanso deve ser de 10m de largura e as entradas com 5m no mínimo. Duas opções de croqui exemplificando os piquetes e área de descanso. Os cochos de sal mineral devem fornecer 5 cm linear por animal e 10 cm por animal para o cocho de água. O sal mineral deverá estar sempre disponível e soltinho. Esta verificação
  • 3. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013 deve ser feita diariamente aproveitando a ocasião para observar a condição dos animais e da pastagem. Quanto ao cocho de água devemos prestar atenção ao volume de água do reservatório e a vazão para o rápido preenchimento após o consumo. A limpeza dos cochos é algo que o produtor não dá a devida atenção, mas é de grande importância. Se não há água disponível e de qualidade os animais não bebem, não há consumo de alimento e consequentemente não há ganho de peso. No verão o consumo de água por animal varia entre 30 a 50 litros por dia conforme a categoria. Para exemplificar: Com 50 animais no sistema, o consumo total médio seria de 2.000 litros por dia. A vazão de entrada deverá repor 50% do consumo diário em 2 a 3 horas. Ou seja 1.000 litros. Recomenda-se que o valor de consumo diário seja multiplicado por 3 (6.000 litros para os 50 animais), pois desta forma, se houver algum problema na entrada de água, bomba ou tubulação, o produtor terá 3 dias para resolver o problema. Este prazo é muito útil principalmente se o problema ocorrer no final de semana. Número de piquetes O número de divisões depende principalmente das características da gramínea predominante na área. No caso de novas áreas dependerá da gramínea escolhida. A fisiologia, ciclo, hábito de crescimento, facilidade de propagação, velocidade de rebrota, resposta a adubação e adequação às condições climáticas da região são algumas informações que precisam ser levadas em consideração na escolha. Por exemplo, se o sistema for instalado em áreas com gramíneas de hábito cespitoso, como no caso do gênero Panicum (Colonião, Mombaça, Tanzânia), haverá um maior número de piquetes e um menor número dos dias de ocupação, em comparação com as gramíneas de crescimento prostrado, no caso as braquiárias. Isto ocorre porque as plantas cespitosas sofrem mais com as desfolhas, principalmente as rebrotas, uma vez que são de fácil apreensão pelos bovinos. Por este motivo, precisam de maior número de dias de descanso. Já com as prostradas ocorre o inverso. Observe a fórmula:
  • 4. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013 Número de piquetes = (Dias de descanso / Dias de ocupação) + 1  Quanto maior o período de ocupação menor será o número de piquetes.  Quanto menor o período de ocupação maior o desafio.  Quanto maior o período de descanso maior será o número de piquetes.  Maior número de piquetes implica em maior custo com estrutura. Conclui-se que é de grande importância encontrar o equilíbrio entre o nivel de desafio, ou seja, a intensidade do sistema e o custo de implantação deste. Intensidade do sistema implica em grande remoção de material vegetal, maior nível ou frequência de adubação, menor área por animal, maiores perdas por acamamento, dependendo da categoria maior disputa, exige melhor controle de cerca e melhor mão de obra. De forma geral utiliza-se 25, 30 ou 35 dias de descanso e 1, 3 ou 5 dias de ocupação. Estes intervalos atendem a maioria das gramíneas normalmente utilizadas. Recomenda-se período de ocupação de 1 dia apenas para os experientes. Não é recomendado períodos de ocupação maiores que 5 dias pois desta forma os animais passariam a comer a rebrota. Esta situação não é desejável. Alguns trabalhos apontam também que neste caso ocorre uma maior infestação por helmintos. Observe a tabela: Período de descanso (dias) Período de ocupação (dias) Número de piquetes 1 26 25 3 9 5 6 1 31 30 3 11 5 7 1 36 35 3 13
  • 5. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 2, Jul-Dez 2013 5 8 Cercas A utilização de cerca elétrica para as divisões internas da área é a escolha mais comum, uma vez que apresenta custo por quilometro inferior ao da cerca de arame farpado tradicional. Porém, nesta hora o produtor fica tentado a economizar no eletrificador, painel fotovoltaico, baterias, isoladores e outras peças. Não vale a pena. Trabalhe com peças de qualidade e consulte um profissional para a construção das cercas, proteção contra raios e adequado aterramento. A cerca elétrica funciona desde que instalada adequadamente e não haja vazamentos de corrente devido a peças ruins ou falta de roçada do capim nas linhas de condução. Considerações finais O correto dimensionamento do sistema é um ponto importante para a redução de custos com estrutura e um relacionamento harmônico com a fisiologia da gramínea disponível. A escolha do tipo de cerca utilizada depende do capital disponível na fase de implantação e a orientação de um profissional para a construção de cercas elétricas é uma questão de segurança e economia.