Ser sustentável questão de estratégia ou de sobrevivência

225 visualizações

Publicada em

Apresentam-se considerações a respeito da questão meio ambiente - ambiente natural, e as ações necessárias à sua preservação.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
225
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ser sustentável questão de estratégia ou de sobrevivência

  1. 1. Ser Sustentável: Questão de estratégia ou de sobrevivência? Eng. Antonio Fernando Navarro, M.Sc. afnavarro@terra.com.br ; navarro@vm.uff.br
  2. 2. Pretende-se nesta apresentação trazer à luz alguns dos aspectos relacionados à sustentabilidade, principalmente direcionados para as construções, mas com alguns recortes envolvendo o Meio Ambiente que nos rodeia, e, por fim, sobre o comportamento humano.
  3. 3. Sustentabilidade (...) Quando uma palavra se torna tão popular que começa a pipocar em todos os lugares, em todo tipo de contextos minimamente relacionados, ou até mesmo nos não relacionados, isso quer dizer uma de duas coisas: ou ela se tornou um clichê sem sentido ou tem uma consistência conceitual verdadeira. "Ecológico" (ou, pior ainda, "virar ecológico") cabe inteiramente na primeira categoria. Mas "sustentável", que à primeira vista remete a um sentido igualmente vago de virtude ambiental, pertence à segunda. É verdade que ouvimos a palavra se referindo a qualquer assunto, de carros à agricultura e à economia. Isso ocorre, porém, porque o conceito de sustentabilidade é, em essência, tão simples, que se aplica legitimamente a todas essas áreas e a outras ainda. (...) Michael D. Lemonick (Revista Scientific American Brasil – Terra 3.0 – ed.1)
  4. 4. Sustentabilidade Utilizando os conceitos de Lemonick e aplicando-os à construção civil, depreendese que uma habitação sustentável é aquela onde foram empregados minimamente os recursos necessários á sua edificação sem desperdícios e esses, quando extraídos da Natureza, causaram os menores impactos ambientais possíveis.
  5. 5. Sustentabilidade Contudo, essa avaliação dos menores impactos ambientais possíveis ainda é um ponto de discórdia, visto que são consideradas construções sustentáveis aquelas que pelo menos são projetadas para economizar ou reduzir o consumo de fontes de energia ou recursos naturais. Observam-se as que aproveitam a água das chuvas, a iluminação zenital, as que necessitam de menos ar condicionado, menos energia elétrica. Estão em curso projetos com materiais que são limpos com menos água, e outros mais. São ditas sustentáveis construções que empregam janelas de vidro duplo para aumentar as condições de conforto acústico e reduzir a entrada de calor. Nessas será que não há recursos naturais em abundância?
  6. 6. Sustentabilidade Uma questão que se impõem é a da avaliação dessas ações. •Os resultados finais são realmente eficientes? •Na balança dos resultados os ganhos são maiores do que os impactos causados? •Há benefícios futuros? •Não estarão esses projetos navegando em um barco de oportunidades comerciais de venda de produtos e de certificados? •O o número de beneficiários envolvidos não representa apenas “um traço percentual” em relação ao percentual total daqueles que podem ser afetados pelas ações negativas empreendidas? Vejamos algumas situações:
  7. 7. Sustentabilidade •O espelhamento das fachadas dos prédios com vidros altamente reflexivos provoca o aumento da temperatura onde esses reflexos são espalhados como também prejudica o bem estar daqueles que são afetados pelo brilho; •Os prédios elevados provocam desvios das correntes de ventos; •Os prédios podem reduzir a visibilidade ambiente daqueles que residem nas proximidades, etc.. Há exemplos interessantes de populações que foram prejudicadas por altos prédios construídos a beira mar como Copacabana (RJ), Balneário Camboriú (SC), onde paredões de concreto e vidro dos elevados prédios impedem a entrada dos ventos marinhos para a população que reside nos quarteirões anteriores, aumentando a temperatura ambiente e eliminando, por completo, a linda vista do mar que passa a ser exclusividade de poucos.
  8. 8. Copacabana/RJ
  9. 9. Balneário Camboriú/SC
  10. 10. Uma particularidade de Balneário Camboriú é a de que o município possui uma pequena extensão territorial, limitado entre uma rodovia federal e o mar. Os quarteirões que ficam mais próximos da praia têm de largura 20 metros,e uma extensão de 300 metros. A primeira vista são corredores em direção ao mar. Permitiu-se a construção de prédios de 30 ou mais andares na beira mar, fazendo com que os quarteirões interiores ficassem sem a brisa marinha.
  11. 11. Sustentabilidade A sociedade moderna, na busca por abrigar contingentes populacionais cada vez maiores, concentrando-os em áreas urbanas para melhor aproveitamento das infra-estruturas existentes, está projetando edificações cada vez mais elevadas. Por trás das naturais necessidades urbanas há todo um status que pode representar para o país ou região possuir prédios cada vez mais altos. O exemplo a seguir apresenta as alturas dos prédios mais elevados já construídos, e os que ainda serão construídos e o Burj Dubai, cujo término previsto para as obras é dezembro/2009. (Revista Scientific American Brasil – Terra 3.0 – ed.1)
  12. 12. Burj Dubai ("Torre Dubai" em árabe), a construção mais alta do mundo quando passou os 509 m do Taipei 101 em julho de 2007. A altura final da torre é um segredo muito bem guardado, mas especula-se que, quando completado, a Burj Dubai ficará acima dos 800 m. Seu pináculo será visível a 95 km de distância. Se fossem enfileiradas, as vigas de aço que reforçam a estrutura - que, juntas, pesam 31 mil toneladas chegariam a um quarto da circunferência da Terra. Do 124º andar ter-se-á uma visão panorâmica de 80 km.
  13. 13. Ser sustentável é usar o que hoje ainda existe, de modo que haja sempre, significativamente, saldo positivo nas reservas exploradas para as gerações futuras. Como vivemos em um pequeno casulo errante pelo espaço denominado simplesmente TERRA, muitos dos recursos de que precisamos não são repostos, pelo menos no tempo de nossas próximas gerações. Assim ...
  14. 14. Uma edificação traz consigo riscos ao meio ambiente durante a fase de construção, ao longo de sua vida útil e após esse período, quando poderá ser demolida ou remodelada. Há uma tendência atual de remodelação ou revitalização de prédios antigos, mantendo-se suas características construtivas e modernizando-se suas instalações, para outras destinações. Com isso, preservam-se as características originais da região. Contudo, durante sua fase ativa uma construção pode apresentar uma série de problemas que requerem um acompanhamento contínuo como:
  15. 15. Twin Towers …desabando…
  16. 16. Avaliação estrutural • Análise da integridade da estrutura e da necessidade de reparos Inspeções Regulamentares • Inspeção de Equipamentos Sob Pressão Gestão Ambiental • ISO 14000 Instalações • Gestão de Residuos • Torres de Refrigeração: Legionella, ruídos • Qualidade do Ar Interior • Água: Legionella, potabilidade • Electricidade: Termografia, eficiência Acompanhament o HigienoSanitário Construção • Supervisão de Projetos e Cadernos de Encargo • Recolhimento de Amostras • Acompanhamento da Obra • Análises • Seguro Decenal de Danos • Inspeção Boas Praticas • Legionella Pneumofila Higiene e Segurança Alimentar Auditorias • Cliente Mistério • Qualidade do Serviço • Qualidade do Ar Interior Prevenção e Riscos Laborais • Planos de Emergência e Autoproteção • HACCP • Exames de Higiene • Recolhimento de Amostras • Análises Microbiológicas
  17. 17. A construção civil e as pegadas humanas Traduz-se “pegadas humanas” como o rastro de destruição ou degradação deixado pelo Homem na obtenção de suas necessidades mais imediatas. Assim: Fachadas de vidro dependem de extração de areia, carbonato de cálcio para a fabricação de barrilha, metais para endurecimento do material e para dar a cor necessária, calor para a fusão dos materiais, eletricidade para os processos, etc..
  18. 18. A sustentabilidade e a construção civil A geração de energia eólica depende de processos de fabricação e de equipamentos, hoje muito mais caros do que os benefícios que apresentam e etc.. O emprego maciço do aço ou do concreto depende de processos extrativos que terminam por exaurir os recursos disponíveis. O uso de materiais de acabamento da construção de tecnologias cada vez mais inovadoras faz com que o tempo de degradação desses seja cada vez maior, podendo afetar substancialmente a Natureza.
  19. 19. Uma construção civil gera alterações: – No relevo / topografia do terreno; – No regime de ventos; – No regime de drenagem e escoamento de águas pluviais; – No micro clima local, entre outros
  20. 20. A Natureza sem o Homem
  21. 21. O Homem na Natureza
  22. 22. Transtornos provocados pelo Homem na Natureza
  23. 23. A Natureza se rebelando contra o Homem
  24. 24. Construções que tomaram partido da Natureza
  25. 25. O que fazer com as perdas causadas pelo Homem???
  26. 26. A miséria humana não respeita os da sua raça e nem mesmo a Natureza. Para mudarmos precisamos começar a reescrever nossos conceitos. O muito pouco que deixamos de fazer se avoluma quando pensamos no global. Se não começarmos já o resultado poderá ser catastrófico para quem nos sucederá.
  27. 27. A pior das violências não é aquela que mostramos aos outros, mas sim aquela que guardamos em nós, aquela que sentimos por dentro e que as vezes deixamos transparecer em fúria desmedida. Um Ser Humano violento não respeita a sí mesmo e nem aos outros. Cuidar da Natureza é um exercício do controle de nossa violência. É o pensar no amanhã. Mas naquele amanhã com futuro e não apenas, como um passado.
  28. 28. O que será do amanhã se não conseguimos reconhecer o hoje?
  29. 29. Quando deixamos de fazer algo hoje acumulamos responsabilidades para o amanhã. Se não existir o amanhã a herança que deixamos, boa ou má, será repassada e talvez sem muita chance de ser reparada para os outros.
  30. 30. Existem os baús das coisas que queremos e não sabemos como e nem quando utilizálas e o baú das coisas que não queremos hoje, mas só as guardamos para não perdê-las de vez. O acúmulo um dia aparece e ficamos sem saber o que fazer.
  31. 31. As marcas da poluição parecem feridas abertas na superfície do nosso planeta. Muitas dessas feridas seriam cicatrizadas pela própria Natureza, porém o Homem não o deixa, piorando ainda mais a “doença” do Planeta.
  32. 32. As várias formas de desperdícios De acordo com Peter Menzel que elaborou uma interessante pesquisa resumida no livro “hungry planet: what the world eats” a análise das dietas alimentares é uma outra forma de observar os desperdícios. O que as famílias comem e gastam ao longo de uma semana está expresso nos próximos passos. A moeda de comparação é o dolar americano, cujo poder de compra varia de acordo com cada país:
  33. 33. As várias formas de desperdícios Os desperdícios não ocorrem somente na extração dos recursos naturais ou no emprego indevido de materiais. Por outro lado, a foco das atenções, quando voltado à sustentabilidade não se dá somente para as construções. O exemplo a seguir trata de desperdícios, ou da falta de recursos para que as pessoas tenham uma alimentação adequada. O que sobra para algumas famílias termina faltando para outras. Isso também é sustentabilidade.
  34. 34. 1 - Alemanha: Família Melander de Bargteheide. Despesa com alimentação em 1 semana: $500.07 dólares
  35. 35. 2 - Estados Unidos da América: Família Revis da Carolina do Norte Despesa com alimentação em 1 semana: $341.98 dolares
  36. 36. 3 - Italia: Família Manzo da Secília Despesa com alimentação em 1 semana: $260.11 dolares
  37. 37. 4 - México: Família Casales de Cuernavaca Despesa com alimentação em 1 semana: $189.09 dólares
  38. 38. 5 - Polónia: Família Sobczynscy de Konstancin-Jeziorna Despesa com alimentação em 1 semana: $151.27 dólares
  39. 39. 6 - Egito: Família Ahmed do Cairo Despesa com alimentação em 1 semana: $68.53 dólares
  40. 40. 7 - Equador: Família Ayme de Tingo Despesa com alimentação em 1 semana: $31.55 dólares
  41. 41. 8 - Butão: Família Namgay da vila de Shingkhey Despesa com alimentação em 1 semana: $5.03 dólares
  42. 42. 9 - Chade: Família Aboubakar do campo de refugiados de Breidjing Despesa com alimentação por semana: $1.23 dólares
  43. 43. Nessa grande guerra pela sobrevivência conseguirá o Homem destruir a Terra ou a Terra conseguirá sobreviver após a extinção do Homem??? Somos hoje 6,3 bilhões de pessoas e teremos mais de 2,3 bilhões nos próximos anos, consumindo, extraindo ou exaurindo, modificando ou alterando, enfim, destruindo. Conseguiremos nós o nosso intento? Tomara que não!!!
  44. 44. O que o mundo precisa para poder nos sustentar ....

×