Práticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARC

27.177 visualizações

Publicada em

Material da Palestra do Engenheiro José Esmer apresentada na UFBA em abril de 2009, sobre práticas aplicadas de sustentabilidade na construção civil.
www.arcengenharia.com.br

1 comentário
11 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Somos fornecedores para Terceirização de cozinha industrial e alimentos para empresas e Canteiros de Obras. Atendemos BRASIL - Jefferson Guilherme - jef.comercial@renomerefeicoes.com.br empresa Renome Refeições - MMR e Suprema Alimentação - Vamos adequar nossos trabalhos a vocês em 2016? Com quem podemos dar curso a este assunto?
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
27.177
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
32
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
661
Comentários
1
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Práticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARC

  1. 1. PROJETOS E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS: ALGUMAS PRÁTICAS APLICADAS Engenheiro JOSÉ ESMER BORGES DE BARROS GERENTE TÉCNICO ARC ENGENHARIA
  2. 2. APRESENTAÇÃO: 1- Institucional ARC Engenharia 2- A sustentabilidade no projeto 3- A sustentabilidade na construção
  3. 3. <ul><li>ecologicamente correto; </li></ul><ul><li>economicamente viável; </li></ul><ul><li>socialmente justo; e </li></ul><ul><li>culturalmente aceito. </li></ul>UM EMPREENDIMETO SUSTENTÁVEL DEVE SER:
  4. 4. 2 – A SUSTENTABILIDADE NO PROJETO:
  5. 5. <ul><li>Na eficiência energética; </li></ul><ul><li>Aproveitamento da luz e ventilação natural; </li></ul><ul><li>Uso racional e reaproveitamento da água; </li></ul><ul><li>Uso de material certificados, reciclados e de menor impacto; </li></ul>NA FASE DE PROJETO DEVEMOS PENSAR:
  6. 6. Alguns exemplos de projeto:
  7. 7. Estudo de implantação – tentar menor impacto
  8. 8. Com medição individual o uso passa a ser mais racional
  9. 9. Com medição individual o uso passa a ser mais racional
  10. 10. Com medição individual o uso passa a ser mais racional
  11. 11. Com medição individual o uso passa a ser mais racional
  12. 12. Aproveitamento da ventilação e iluminação natural
  13. 13. Aproveitamento da ventilação e iluminação natural
  14. 14. Aproveitamento da ventilação e iluminação natural
  15. 15. Aproveitamento da ventilação e iluminação natural
  16. 16. Aproveitamento da ventilação e iluminação natural
  17. 17. Sem o aproveitamento da ventilação e iluminação natural – solução: uso de sensores de presença para acionamento da iluminação
  18. 18. Energia solar para aquecimento de água
  19. 19. Reservatório de acumulação de água quente
  20. 20. Alguns exemplos aplicados:
  21. 21. Estudo de implantação Tentativa de equilíbrio <ul><li>BENEFÍCIO AMBIENTAL ESPERADO: </li></ul><ul><li>Menor impacto no ambiente natural existente; </li></ul><ul><li>Melhor equilíbrio: natureza x arquitetura. </li></ul>MELHOR IMPLANTAÇÃO DO PROJETO
  22. 22. Tentar maior preservação do verde existente Quanto mais verde melhor: permeabilidade do solo, melhor clima <ul><li>BENEFÍCIO AMBIENTAL ESPERADO: </li></ul><ul><li>Preservação do verde; </li></ul><ul><li>Melhor clima; </li></ul><ul><li>Aumento de área permeável. </li></ul>MELHOR IMPLANTAÇÃO DO PROJETO
  23. 23. ELEMENTOS NATURAIS NA ARQUITETURA Cerca viva <ul><li>BENEFÍCIO AMBIENTAL ESPERADO: </li></ul><ul><li>Ampliação do verde; </li></ul><ul><li>Diminuir o uso de materiais processados (ex. alvenarias). </li></ul>
  24. 24. ELEMENTOS NATURAIS NA ARQUITETURA Piso inter-travado de cimento <ul><li>BENEFÍCIO AMBIENTAL ESPERADO: </li></ul><ul><li>Permeabilidade do solo; </li></ul><ul><li>Melhoria no conforto térmico. </li></ul>
  25. 25. MATERIAIS CERTIFICADOS Madeira de reflorestamento <ul><li>BENEFÍCIO AMBIENTAL ESPERADO: </li></ul><ul><li>Controle da extração de árvores e reflorestamento. </li></ul>
  26. 26. MATERIAIS CERTIFICADOS Madeira certificada e projeto compatibilizado – menor perda Kit porta-pronta <ul><li>BENEFÍCIO AMBIENTAL ESPERADO: </li></ul><ul><li>Controle da extração de árvores e reflorestamento. </li></ul>
  27. 27. SISTEMAS – eficiência energética Sistema de aquecimento de água por placas solares <ul><li>BENEFÍCIO AMBIENTAL ESPERADO: </li></ul><ul><li>Diminuição do consumo de energia proveniente de fontes não renováveis. </li></ul>
  28. 28. SISTEMAS Medições individuais de consumo <ul><li>BENEFÍCIO AMBIENTAL ESPERADO: </li></ul><ul><li>Utilização racional. </li></ul>
  29. 29. Automação de sistema de irrigação SISTEMAS <ul><li>BENEFÍCIO AMBIENTAL ESPERADO: </li></ul><ul><li>Utilização racional. </li></ul>
  30. 30. 3 – A SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO (canteiro de obra):
  31. 31. SUSTENTABILIDADE NO CANTEIRO DE OBRAS
  32. 32. SUSTENTABILIDADE NO CANTEIRO DE OBRAS RESÍDUO EM SALVADOR –BA Fonte Limpurb, 2000 Tipo Média Mensal (T) Média diária (T) % Domiciliar 64.135 2.254 46,04 Entulho 69.337 2.746 49,77 Poda e feira 4.545 180 3,26 RSS 884 35 0,63 Recicláveis 404 16 0,30 Total 139.305 5.517 100
  33. 33.   GERENCIAMENTO AMBIENTAL DOS RESÍDUOS NO CANTEIRO DE OBRAS SUSTENTABILIDADE NO CANTEIRO DE OBRAS
  34. 34. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS – Conama 307 - I - CLASSE A – Os resíduos reutilizáveis ou recicláveis: Tijolos, blocos cerâmico e concreto, telhas, placas de revestimento, resto de concreto e argamassas, solo proveniente de terraplanagem. II – CLASSE B - resíduos recicláveis para outras destinações: Plásticos, papel, papelão, metais, vidros, madeiras e outros. III – CLASSE C – resíduos que ainda não foi desenvolvido tecnologia de reaproveitamento a exemplo do gesso, IV – CASSE D - resíduos perigosos: Tintas, solventes, óleos e outros.
  35. 35. GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS
  36. 36. GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS
  37. 37. GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Doação de papelão à instituição de caridade
  38. 38. Cerca/tapume com palha de coqueiro Pequena horta BOAS IDÉIAS
  39. 39. Capacitação – educação ambiental AÇÕES SÓCIO-AMBIENTAIS
  40. 40. Restauração da igreja da comunidade Participação do projeto Dia Mundial de Limpeza de Praias AÇÕES SÓCIO-AMBIENTAIS
  41. 41. O que ainda podemos(todos) fazer: <ul><li>Reutilização de água de chuva e águas servidas (cinzas); </li></ul><ul><li>Utilização de painéis fotovoltaicos para produção de energia elétrica; </li></ul><ul><li>Energia eólica; </li></ul><ul><li>Tentar sempre transformar resíduo em recurso; </li></ul><ul><li>Utilizar eletrodoméstico mais eficientes; </li></ul><ul><li>Utilizar aparelhos e sistemas economizadores de água (ver lista do PNCDA) </li></ul><ul><li>E... </li></ul>
  42. 42. Consciência de que tudo isto é necessário...
  43. 43. Obrigado ! José Esmer (71) 3444-1400 [email_address]

×