Liberdade ou segurança

19.842 visualizações

Publicada em

Aula de Sociologia - 2º Ano (1º Bimestre)

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
19.842
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
180
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
351
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Liberdade ou segurança

  1. 1. Liberdade ou segurança? Prof. Aldenei Barros
  2. 2. Apresentando Alexis de Tocqueville Escritor e político francês. Acadêmico da França (1841), foi eleito deputado para a Assembleia Constituinte e, em 1849, para a Legislativa. De posições centristas, na sua obra mais importante, O Antigo Regime e a Revolução (1856; Lancien régime et la révolution) defende a continuidade histórica entre a França da monarquia absoluta e o novo Estado. Defensor do modelo político dos EUA, foi um dos principais teóricos do liberalismo.1805 - 1859
  3. 3. Apresentando Alexis de TocquevilleEm 1830, ainda muito jovem, Tocqueville viajou por novemeses pelos Estados Unidos. Conheceu ali um modelo deEstado muito diferente do francês, além de uma estrutura socialque desconhecia títulos de nobreza, direitos corporativos ouprivilégios hereditários. Desenvolveu então um fascinanteestudo de sociologia comparada, interessando-seprincipalmente, pelas consequências dos vários modelos dedemocracia na vida social, no direito, na economia, na religião,na arte. A democracia na América (1835), que resultou desseestudou, tornou-se um clássico da sociologia.
  4. 4. Quando a liberdade é ameaçadaTocqueville acompanhou de perto os efeitos da RevoluçãoFrancesa, que em 1789 pôs fim ao regime monárquico einaugurou a República na França. O documento maisimportante desse movimento histórico foi a Declaração dosDireitos do Homem e do Cidadão, conhecida como ocertificado de nascimento da democracia moderna.
  5. 5. Quando a liberdade é ameaçadaO que mais impressionou Tocqueville em relação à RevoluçãoFrancesa foi a violência com que ela se deu. Por que umarevolução que defendia a liberdade, a igualdade e a fraternidadelevou ao Terror? Lutar pelo ideal de igualdade pode levar àviolência? O desejo de liberdade pode resultar no seucontrário? Em que condições a luta pela liberdade e igualdadeleva à violência ou à tirania? Combinar os ideais de liberdade eigualdade transformou-se na obsessão deTocqueville, queapareceu em todos os livros que escreveu e que teve sua origemna história de seu próprio país.
  6. 6. Quando a liberdade é ameaçadaA sensibilidade de Tocqueville para o dilema que foibatizado com seu nome, e que constitui um grande desafioda democracia moderna, certamente não nasceu deinformações recolhidas nos livros ou nos jornais. Suafamília viveu aquele momento, e alguns membros, comoseu avô, o Marquês de Rosanbo, não escaparam daguilhotina.
  7. 7. O TerrorProcedeu do período conhecido como o "Primeiro Terror"iniciado com o assalto ao Palácio das Tulherias, em Paris, emagosto de 1792, e terminou em setembro, com a morte deinúmeros contrarrevolucionários. O período conhecido comoo "Segundo Terror" foi imposto, em julho de 1793, pelos sans-culottes sob a liderança de Robespierre. Espalharam arepressão por todo o país através do Comitê de SalvaçãoPública. Este período ficou marcado pela morte da rainhaMaria Antonieta e de inúmeras facções da oposição(girondinos, herbetristas e dantonistas). Entre junho e julhode 1794, período conhecido como o "Grande Terror", aditadura tornou-se mais resistente com a criação do TribunalRevolucionário de Paris, que aboliu as garantias judiciais dosacusados e multiplicou as sentenças de morte. O Terrorterminou com a execução de Robespierre em julho de 1794 e
  8. 8. O Novo Mundo e o sonho da liberdadeA democracia da América era única no mundo, e Tocqueville queria saberqual era a fórmula daquele sucesso.No fundo, sua pergunta era: como é possível organizar uma sociedade emque a maioria pode participar e decidir sobre seu destino? O relato de sua viagem, que foi publicado em 1835 com o título Ademocracia na América, ficou famoso e até hoje é um livro fundamentalpara quem se interessa pela história dos Estados Unidos, pela democraciae pela cultura democrática.Aliás, há outro livro famoso, de outro autor de que você já ouviu falar,que também foi escrito após uma viagem aos Estados Unidos: A éticaprotestante e o "espírito" do capitalismo. Max Weber esteve nos Estados Unidos em 1904, 74 anos depois deTocqueville, e escreveu essa importante obra igualmente inspirado no quetinha percebido naquela sociedade onde o capitalismo florescia em ritmoacelerado.
  9. 9. O Novo Mundo e o sonho da liberdadeNa percepção de Tocqueville, a sociedade americana nasceu sob osinal da liberdade.Os colonos vindos da Inglaterra fugiam da repressão religiosa emseu país de origem."Foi a paixão religiosa que levou os puritanos para a América e lá oslevou a desejar governar a si próprios."Quando disse isso, Tocqueville quis dizer duas coisas: primeiro, quea liberdade de crença e de pensamento sempre fez parte da históriaque os americanos contam para eles mesmos e para o mundo,querendo afirmar seu amor pela liberdade; segundo, que asociedade americana, na medida em que deseja "governar-se a siprópria", desenvolveu o individualismo como ideal e como práticade vida.
  10. 10. As Jornadas de 1848Dois importantes autores das ciências sociais escreveram sobre os eventosde 1848 na França.Karl Marx, em sua obra intitulada O 18 de Brumário de Luís Bonaparte(1852), analisa os eventos a partir de sua teoria do conflito de classes.Já Alexis de Tocqueville, em Lembranças de 1848 (1893), faz um relato apartir de sua experiência pessoal de político no período.Os ideais de igualdade tinham vindo para sempre, dizia Tocqueville em seustextos.Era justo e desejável que assim fosse, mas cada sociedade os havia abrigadoou os abrigaria à sua maneira.Em sua avaliação, a França não havia adotado a melhor forma, porque, paragarantir a igualdade, estava sacrificando a liberdade. Esses foram temaspermanentes dos escritos de Tocqueville.

×