SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
Tratamento Farmacológico da
Gagueira
Gerald A. Maguire, M.D.
Associate Professor
Kirkup Endowed Chair in Stuttering Treatment
Department of Psychiatry
Senior Associate Dean, Educational Affairs
University of California, Irvine
School of Medicine
Medicamentos para Gagueira
 Medicamentos que bloqueiam a dopamina no
cérebro melhoram a gagueira.
 Medicamentos são TRATAMENTOS,
não CURAS.
Risperdal (risperidona)
 Eficaz em reduzir a gagueira - (0.5mg-2mg)
 Efeitos colaterais podem incluir elevação da
prolactina com reflexos no humor.
 Também há efeitos colaterais na reprodução
(gravidez)
 Efeitos colaterais no sistema motor também.
Zyprexa (olanzapina)
 Eficaz na redução da gagueira (2.5mg-10mg)
 Efeitos colaterais podem incluir: aumento de
apetite, aumento de peso, aumento lipídico e,
potencialmente, diabetes.
Abilify (aripiprazol)
 Essencialmente neutra no peso
 Riscos mais baixos de aumentar o açúcar no
sangue ou o colesterol
 É um agonista parcial da dopamina - doses
menores parecem dar melhores resultados.
 Efeitos colaterais incluem agitação e náusea
 Relatório recém publicado examinou a segurança e
sua eficácia na gagueira
Tran NL, Maguire GA. Journal of Clinical Psychopharmacology (In Press)
Geodon (ziprasidona)
 Medicação que bloqueia a dopamina e aprovada para
esquizofrenia e bipolaridade
 Não está associada ao aumento do peso, da glicose e
dos lipídios
 Alguns indivíduos com dificuldades cardíacas não
devem usar ziprasidona (muito raro)
 Ainda não foi adequadamente experimentado para
gagueira, mas, baseado no seu mecanismo de ação,
é considerado um agente promissor
 Pode ser ingerido nas refeições, usualmente duas vezes
ao dia, para obtenção de seu efeito máximo.
Seroquel (quetiapina)
 Uso limitado na gagueira
 É um agente relativamente fraco como bloqueador de
dopamina
 Aprovado para uso em esquizofrenia e distúrbio
bipolar
 Associado com sedação, aumento de peso e
aumento de colesterol e açúcar no sangue
Agentes Bloqueadores de Dopamina
de gerações mais antigas
 Aprovados para uso em esquizofrenia e em alguns
casos de Síndrome de Tourette
 O Haloperidol está associado à melhora dos
sintomas
 Efeitos colaterais destes agentes incluem
movimentos musculares anormais e/ou rigidez
 Molindone é um agente intermediário - pode ser
associado à perda de peso. Ainda não foi estudado
formalmente para gagueira.
Pagoclone
 É um agonista parcial seletivo do GABA-A
 GABA media os sintomas motores e da ansiedade
 É o maior estudo farmacológico para gagueira já
realizado que está em fase de conclusão (132 sujeitos
adultos realizado em vários centros)
 É a primeira medicação que está sendo desenvolvida
através dos critérios da FDA, que é específico para
Gagueira.
Pagoclone
 Experimento de 8 semanas, duplo-cego, com grupo controle
em placebo. Dose inicial de 0.15mg, duas vezes ao dia,
elevada para 0.3 mg duas vezes ao dia depois de duas
semanas.
 Extensão fase-aberta com dados de 12 meses já disponíveis,
com doses de até 0.6mg uma vez ao dia.
 Sujeitos da pesquisa não poderiam estar em fonoterapia, nem
ingerir qualquer medicamento neurológico durante o período
duplo-cego.
 Estudo foi financiado pela Indevus. UC Irvine recebeu fundos
para realizá-lo.
Eficácia do Pagoclone
 Pagoclone reduziu significantemente a gagueira em 55% dos
pacientes em comparação com o grupo controle, que reduziu 36%
com o Placebo (CGI: p=.007 na semana 4; p=.02 na semana 8).
 Pagoclone teve um benefício adicional significativo tendo em vista
que reduziu a ansiedade social nas situações de fala (LSAS sub-
scale p=.02 nas semanas 4 e 8).
 No SSI-3, a duração e a frequência de gagueira foram reduzidas
pelo pagoclone (p=.02), quando comparado ao grupo controle
(placebo).
 Na escala SSS, a melhora estatística foi observada nas semanas 2
(p=.004), 4 (p=.05) com reflexos até a semana 8 (p=.08).
Tolerância e Segurança do Pagoclone
 Em geral, os pacientes do grupo experimental
demonstraram um aumento numérico em todos os 3
objetivos primários e na maioria dos resultados secundários
em relação aos do grupo controle.
 Além disso, foi observada uma significância estatística nas
várias medidas, como a mudança da pontuação de
frequência e de duração da gagueira medidos pelo SSI-3
antes e durante o tratamento.
 Houve também uma mudança percentual no número de
sílabas gaguejadas antes e durante o tratamento.
Tolerância e Segurança do Pagoclone
 Foi muito bem tolerado com apenas uma leve dor de cabeça e
fadiga relatados por uma minoria de pacientes.
 A Extensão Fase-Aberta do estudo parece muito promissora.
90% dos pacientes continuaram nesta fase e os resultados
indicam uma melhora continuada e sustentada, com nenhum
risco de remissão aparente.
 Os que originalmente estavam ingerindo placebo, demoraram
para responder ao medicamento, indicando que o tempo
adequado para pesquisa deva ser maior que 2 meses.
SSI-3 Frequência/Duração Mudaram
Antes e Durante o Tratamento
Week 4 Week 8
SSI-3Frequency/DurationSubscore
AverageChangefromPre-Treatment
-5
-4
-3
-2
-1
0
Placebo DB
Pagoclone DB
Pagoclone OL
p<0.04
P<0.06
Double-Blind Phase
Month 3 Month 12
Open-Label Phase
N=41 Placebo, N=82 Pagoclone
Year 1 OL Completers
Pagoclone
N=55 N=54
Mudança no Percentual de Sílabas Gaguejadas
Antes e Durante o Tratamento
Week 4 Week 8
AveragePercentChangein%Syllables
StutteredChangeFromPre-Treatment
-50
-40
-30
-20
-10
0
Placebo DB
Pagoclone DB
Pagoclone OL
P<0.01
P=0.07
Double-Blind Phase
Month 3 Month 12
Open-Label Phase
Year 1 OL Completers
Pagoclone
N=55 N=54N=41 Placebo, N=82 Pagoclone
CGI Melhora da Frequência e na
Severidade
Week 2 Week 4 Week 8
CGIFrequencyPercentofPatientsImproved
fromPre-Treatment
0
20
40
60
80
100
120
Placebo DB
Pagoclone DB
Pagoclone OL
P<0.02 P<0.09
Double-Blind Phase
Month 3 Month 12
Open-Label Phase
N=42 for Placebo, N=84 for Pagoclone
Year 1 OL Completers
Pagoclone
N=56 N=55
P<0.10
Week 2 Week 4 Week 8 Month 3 Month 12
CGISeverityPercentofPatientsImproved
fromPre-Treatment
0
20
40
60
80
100
120
Placebo DB
Pagoclone DB
Pagoclone OL
P<0.01
P<0.02
Double-Blind Phase Open-Label Phase
N=42 for Placebo, N=84 for Pagoclone
Year 1 OL Completers
Pagoclone
N=56 N=55
Direções para Pesquisas Futuras
em Gagueira
 Este estudo demonstrou que o tratamento com o
pagoclone:
a) Reduziu a severidade da gagueira quando
mensurada pelo percentual de sílabas gaguejadas
(confirmando um dos critérios para o diagnóstico da
gagueira veiculado pelo DSM-IV);
b) O pagoclone aumenta a sensação de controle sobre
a gagueira do paciente;
Direções para Pesquisas Futuras
em Gagueira (cont.)
c) Além disso, a persistência do efeito foi observada com um
aumento da sua magnitude durante 1 ano do Tratamento
em Fase-Aberta;
d) A naturalidade da fala também melhorou.
e) Como esperado, o tratamento foi bem tolerado
pelos pacientes, baseado em experiências anteriores com
o pagoclone em estudos clínicos para ansiedade em geral
e para o distúrbio do pânico,.
Direções para Pesquisas Futuras
em Gagueira (cont.)
 A Fase III do estudo está em final de planejamento. O desafio é
como melhor estudar os efeitos da medicação e tornar os
sujeitos mais confortáveis com a situação de teste.
 Que tal combinar pagoclone com um bloqueador de dopamina?
 E se combinarmos medicação com fonoterapia?
 Livro que resume os vários tratamentos médicos será publicado
pela Associação Nacional de Gagueira dos EUA (NSA) em julho.
Todo o resultado financeiro das vendas irá para a NSA e para
financiar futuras pesquisas em gagueira.
Prof. Gallagher e sua controvertida técnica de confrontar
simultaneamente o medo de altura, de cobras e do escuro.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dislexia~Disgrafia~Disortografia
Dislexia~Disgrafia~DisortografiaDislexia~Disgrafia~Disortografia
Dislexia~Disgrafia~DisortografiaCassia Dias
 
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...Vinícius Fagundes Dos Santos
 
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetEstágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetAnaí Peña
 
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docxPLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docxssuser6c03a6
 
Gestão de sala de aula 2
Gestão de sala de aula 2Gestão de sala de aula 2
Gestão de sala de aula 2suelyaparecida
 
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docxCópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docxProfLeandrodosSantos
 
Sindromes nefrotico nefritica 18
Sindromes nefrotico nefritica 18Sindromes nefrotico nefritica 18
Sindromes nefrotico nefritica 18pauloalambert
 
Transtorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafianteTranstorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafianteisismaat
 
A construção do projeto poltico pedagogico
A construção do projeto poltico  pedagogico A construção do projeto poltico  pedagogico
A construção do projeto poltico pedagogico Elena Zarate
 
Fases do desenvolvimento - Piaget
Fases do desenvolvimento -  PiagetFases do desenvolvimento -  Piaget
Fases do desenvolvimento - PiagetElisms88
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoCaio Maximino
 
Gagueira e dificuldade de aprendizagem
Gagueira e dificuldade de aprendizagemGagueira e dificuldade de aprendizagem
Gagueira e dificuldade de aprendizagemadrianomedico
 
Recursos de Acessibilidade ao Computador
Recursos de Acessibilidade ao ComputadorRecursos de Acessibilidade ao Computador
Recursos de Acessibilidade ao Computadorprofessorasdaoficina
 
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaClaudia Elisabete Silva
 
Psicomotricidade e Dificuldade de Aprendizagem
Psicomotricidade e Dificuldade de AprendizagemPsicomotricidade e Dificuldade de Aprendizagem
Psicomotricidade e Dificuldade de AprendizagemInstituto Consciência GO
 
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoAula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoMauro Cunha Xavier Pinto
 
1. PLANO ANUAL BERÇÁRIO I 1º SEMESTRE.docx
1. PLANO ANUAL BERÇÁRIO I 1º SEMESTRE.docx1. PLANO ANUAL BERÇÁRIO I 1º SEMESTRE.docx
1. PLANO ANUAL BERÇÁRIO I 1º SEMESTRE.docxssuserd701db
 
Tdah apresentação - slides
Tdah   apresentação - slidesTdah   apresentação - slides
Tdah apresentação - slidesNikki Britto
 

Mais procurados (20)

Provas operatórias de piaget
Provas operatórias de piagetProvas operatórias de piaget
Provas operatórias de piaget
 
Dislexia~Disgrafia~Disortografia
Dislexia~Disgrafia~DisortografiaDislexia~Disgrafia~Disortografia
Dislexia~Disgrafia~Disortografia
 
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
 
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetEstágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
 
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docxPLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
 
Gestão de sala de aula 2
Gestão de sala de aula 2Gestão de sala de aula 2
Gestão de sala de aula 2
 
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docxCópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
 
Sindromes nefrotico nefritica 18
Sindromes nefrotico nefritica 18Sindromes nefrotico nefritica 18
Sindromes nefrotico nefritica 18
 
21 maneiras de motivar os alunos
21 maneiras de motivar os alunos21 maneiras de motivar os alunos
21 maneiras de motivar os alunos
 
Transtorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafianteTranstorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafiante
 
A construção do projeto poltico pedagogico
A construção do projeto poltico  pedagogico A construção do projeto poltico  pedagogico
A construção do projeto poltico pedagogico
 
Fases do desenvolvimento - Piaget
Fases do desenvolvimento -  PiagetFases do desenvolvimento -  Piaget
Fases do desenvolvimento - Piaget
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimento
 
Gagueira e dificuldade de aprendizagem
Gagueira e dificuldade de aprendizagemGagueira e dificuldade de aprendizagem
Gagueira e dificuldade de aprendizagem
 
Recursos de Acessibilidade ao Computador
Recursos de Acessibilidade ao ComputadorRecursos de Acessibilidade ao Computador
Recursos de Acessibilidade ao Computador
 
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
 
Psicomotricidade e Dificuldade de Aprendizagem
Psicomotricidade e Dificuldade de AprendizagemPsicomotricidade e Dificuldade de Aprendizagem
Psicomotricidade e Dificuldade de Aprendizagem
 
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoAula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
 
1. PLANO ANUAL BERÇÁRIO I 1º SEMESTRE.docx
1. PLANO ANUAL BERÇÁRIO I 1º SEMESTRE.docx1. PLANO ANUAL BERÇÁRIO I 1º SEMESTRE.docx
1. PLANO ANUAL BERÇÁRIO I 1º SEMESTRE.docx
 
Tdah apresentação - slides
Tdah   apresentação - slidesTdah   apresentação - slides
Tdah apresentação - slides
 

Semelhante a Tratamento farmacológico da gagueira

Mecanismos de dor crônica e farmacologia na terapia da DTM
Mecanismos de dor crônica e farmacologia na terapia da DTMMecanismos de dor crônica e farmacologia na terapia da DTM
Mecanismos de dor crônica e farmacologia na terapia da DTMJuliana Stuginski-Barbosa
 
Terapia Farmacológica na Dependência Química
Terapia Farmacológica na Dependência QuímicaTerapia Farmacológica na Dependência Química
Terapia Farmacológica na Dependência QuímicaRicardo Assmé
 
Terapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi Assmé
Terapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi AssméTerapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi Assmé
Terapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi AssméRicardoAssm1
 
Boletim do Fenobarbital.pdf
Boletim do Fenobarbital.pdfBoletim do Fenobarbital.pdf
Boletim do Fenobarbital.pdfFernandaMaia71
 
Anticonvulsivantes na profilaxia de enxaqueca
Anticonvulsivantes na profilaxia de enxaquecaAnticonvulsivantes na profilaxia de enxaqueca
Anticonvulsivantes na profilaxia de enxaquecaDr. Rafael Higashi
 
Protocolo de manejo da asma
Protocolo de manejo da asmaProtocolo de manejo da asma
Protocolo de manejo da asmaadrianomedico
 
Psicofarmacologia e psicpterapia dos transtornos de ansiedade I
Psicofarmacologia e psicpterapia dos transtornos de ansiedade IPsicofarmacologia e psicpterapia dos transtornos de ansiedade I
Psicofarmacologia e psicpterapia dos transtornos de ansiedade ICaio Maximino
 
Utilização do eletroencefalograma quantitativo (QEEG) para avaliar o tratamen...
Utilização do eletroencefalograma quantitativo (QEEG) para avaliar o tratamen...Utilização do eletroencefalograma quantitativo (QEEG) para avaliar o tratamen...
Utilização do eletroencefalograma quantitativo (QEEG) para avaliar o tratamen...yeda lopes nogueira
 
Neurologia – caso clínico
Neurologia – caso clínicoNeurologia – caso clínico
Neurologia – caso clínicoGisele Doula
 
eBook - Teste farmacogenético no auxílio a remissão dos sintomas depressivos
eBook - Teste farmacogenético no auxílio a remissão dos sintomas depressivoseBook - Teste farmacogenético no auxílio a remissão dos sintomas depressivos
eBook - Teste farmacogenético no auxílio a remissão dos sintomas depressivosGnTech
 
Efetividade clínica comparativa e custo-efetividade do análogo de insulina Gl...
Efetividade clínica comparativa e custo-efetividade do análogo de insulina Gl...Efetividade clínica comparativa e custo-efetividade do análogo de insulina Gl...
Efetividade clínica comparativa e custo-efetividade do análogo de insulina Gl...REBRATSoficial
 
1334746904protocolo sedacao
1334746904protocolo sedacao1334746904protocolo sedacao
1334746904protocolo sedacaoitalofg
 
O QUE É GABA
O QUE É GABAO QUE É GABA
O QUE É GABATookmed
 
CASO CLÍNICO: PACIENTE ALCOÓLATRA COM OBESIDADE
CASO CLÍNICO: PACIENTE ALCOÓLATRA COM OBESIDADECASO CLÍNICO: PACIENTE ALCOÓLATRA COM OBESIDADE
CASO CLÍNICO: PACIENTE ALCOÓLATRA COM OBESIDADEuniaoquimica
 

Semelhante a Tratamento farmacológico da gagueira (20)

Mecanismos de dor crônica e farmacologia na terapia da DTM
Mecanismos de dor crônica e farmacologia na terapia da DTMMecanismos de dor crônica e farmacologia na terapia da DTM
Mecanismos de dor crônica e farmacologia na terapia da DTM
 
Ansiedade e farmacologia
Ansiedade e farmacologiaAnsiedade e farmacologia
Ansiedade e farmacologia
 
Terapia Farmacológica na Dependência Química
Terapia Farmacológica na Dependência QuímicaTerapia Farmacológica na Dependência Química
Terapia Farmacológica na Dependência Química
 
Terapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi Assmé
Terapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi AssméTerapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi Assmé
Terapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi Assmé
 
Bupropiona
BupropionaBupropiona
Bupropiona
 
Boletim do Fenobarbital.pdf
Boletim do Fenobarbital.pdfBoletim do Fenobarbital.pdf
Boletim do Fenobarbital.pdf
 
Anticonvulsivantes na profilaxia de enxaqueca
Anticonvulsivantes na profilaxia de enxaquecaAnticonvulsivantes na profilaxia de enxaqueca
Anticonvulsivantes na profilaxia de enxaqueca
 
Genetica Humana
Genetica HumanaGenetica Humana
Genetica Humana
 
Protocolo de manejo da asma
Protocolo de manejo da asmaProtocolo de manejo da asma
Protocolo de manejo da asma
 
Psicofarmacologia e psicpterapia dos transtornos de ansiedade I
Psicofarmacologia e psicpterapia dos transtornos de ansiedade IPsicofarmacologia e psicpterapia dos transtornos de ansiedade I
Psicofarmacologia e psicpterapia dos transtornos de ansiedade I
 
Utilização do eletroencefalograma quantitativo (QEEG) para avaliar o tratamen...
Utilização do eletroencefalograma quantitativo (QEEG) para avaliar o tratamen...Utilização do eletroencefalograma quantitativo (QEEG) para avaliar o tratamen...
Utilização do eletroencefalograma quantitativo (QEEG) para avaliar o tratamen...
 
Neurologia – caso clínico
Neurologia – caso clínicoNeurologia – caso clínico
Neurologia – caso clínico
 
eBook - Teste farmacogenético no auxílio a remissão dos sintomas depressivos
eBook - Teste farmacogenético no auxílio a remissão dos sintomas depressivoseBook - Teste farmacogenético no auxílio a remissão dos sintomas depressivos
eBook - Teste farmacogenético no auxílio a remissão dos sintomas depressivos
 
psicofarmacologia.pptx
psicofarmacologia.pptxpsicofarmacologia.pptx
psicofarmacologia.pptx
 
Efetividade clínica comparativa e custo-efetividade do análogo de insulina Gl...
Efetividade clínica comparativa e custo-efetividade do análogo de insulina Gl...Efetividade clínica comparativa e custo-efetividade do análogo de insulina Gl...
Efetividade clínica comparativa e custo-efetividade do análogo de insulina Gl...
 
Medicação usual em pediatria
Medicação usual em pediatriaMedicação usual em pediatria
Medicação usual em pediatria
 
000820491
000820491000820491
000820491
 
1334746904protocolo sedacao
1334746904protocolo sedacao1334746904protocolo sedacao
1334746904protocolo sedacao
 
O QUE É GABA
O QUE É GABAO QUE É GABA
O QUE É GABA
 
CASO CLÍNICO: PACIENTE ALCOÓLATRA COM OBESIDADE
CASO CLÍNICO: PACIENTE ALCOÓLATRA COM OBESIDADECASO CLÍNICO: PACIENTE ALCOÓLATRA COM OBESIDADE
CASO CLÍNICO: PACIENTE ALCOÓLATRA COM OBESIDADE
 

Mais de adrianomedico

Um processo de terapia para a gagueira
Um processo de terapia para a gagueiraUm processo de terapia para a gagueira
Um processo de terapia para a gagueiraadrianomedico
 
Um ensaio sobre a gagueira
Um ensaio sobre a gagueiraUm ensaio sobre a gagueira
Um ensaio sobre a gagueiraadrianomedico
 
Saiba mais sobre a gagueira infantil
Saiba mais sobre a gagueira infantilSaiba mais sobre a gagueira infantil
Saiba mais sobre a gagueira infantiladrianomedico
 
Problemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeus
Problemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeusProblemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeus
Problemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeusadrianomedico
 
Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...
Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...
Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...adrianomedico
 
Para quem a escola gagueja
Para quem a escola gaguejaPara quem a escola gagueja
Para quem a escola gaguejaadrianomedico
 
Gagueira tem tratamento
Gagueira tem tratamentoGagueira tem tratamento
Gagueira tem tratamentoadrianomedico
 
Gagueira não tem graça, tem tratamento
Gagueira não tem graça, tem tratamentoGagueira não tem graça, tem tratamento
Gagueira não tem graça, tem tratamentoadrianomedico
 
Gagueira não é emocional
Gagueira não é emocionalGagueira não é emocional
Gagueira não é emocionaladrianomedico
 
Gagueira e núcleos da base
Gagueira e núcleos da baseGagueira e núcleos da base
Gagueira e núcleos da baseadrianomedico
 
Gagueira e disfluência geral
Gagueira e disfluência   geralGagueira e disfluência   geral
Gagueira e disfluência geraladrianomedico
 
Gagueira estudo molecular dos genes g
Gagueira   estudo molecular dos genes gGagueira   estudo molecular dos genes g
Gagueira estudo molecular dos genes gadrianomedico
 
Gagueira disfluência
Gagueira   disfluênciaGagueira   disfluência
Gagueira disfluênciaadrianomedico
 
Gagueira até onde é normal
Gagueira   até onde é normalGagueira   até onde é normal
Gagueira até onde é normaladrianomedico
 
Gagueira a teoria na prática
Gagueira   a teoria na práticaGagueira   a teoria na prática
Gagueira a teoria na práticaadrianomedico
 
Fatores de risco na gagueira
Fatores de risco na gagueiraFatores de risco na gagueira
Fatores de risco na gagueiraadrianomedico
 
Estudo molecular dos genes da gagueira
Estudo molecular dos genes da gagueiraEstudo molecular dos genes da gagueira
Estudo molecular dos genes da gagueiraadrianomedico
 

Mais de adrianomedico (20)

Um processo de terapia para a gagueira
Um processo de terapia para a gagueiraUm processo de terapia para a gagueira
Um processo de terapia para a gagueira
 
Um ensaio sobre a gagueira
Um ensaio sobre a gagueiraUm ensaio sobre a gagueira
Um ensaio sobre a gagueira
 
Seu filho gagueja.
Seu filho gagueja.Seu filho gagueja.
Seu filho gagueja.
 
Saiba mais sobre a gagueira infantil
Saiba mais sobre a gagueira infantilSaiba mais sobre a gagueira infantil
Saiba mais sobre a gagueira infantil
 
Problemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeus
Problemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeusProblemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeus
Problemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeus
 
Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...
Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...
Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...
 
Para quem a escola gagueja
Para quem a escola gaguejaPara quem a escola gagueja
Para quem a escola gagueja
 
Genes da gagueira
Genes da gagueiraGenes da gagueira
Genes da gagueira
 
Gagueira tem tratamento
Gagueira tem tratamentoGagueira tem tratamento
Gagueira tem tratamento
 
Gagueira não tem graça, tem tratamento
Gagueira não tem graça, tem tratamentoGagueira não tem graça, tem tratamento
Gagueira não tem graça, tem tratamento
 
Gagueira não é emocional
Gagueira não é emocionalGagueira não é emocional
Gagueira não é emocional
 
Gagueira infantil
Gagueira infantilGagueira infantil
Gagueira infantil
 
Gagueira e núcleos da base
Gagueira e núcleos da baseGagueira e núcleos da base
Gagueira e núcleos da base
 
Gagueira e disfluência geral
Gagueira e disfluência   geralGagueira e disfluência   geral
Gagueira e disfluência geral
 
Gagueira estudo molecular dos genes g
Gagueira   estudo molecular dos genes gGagueira   estudo molecular dos genes g
Gagueira estudo molecular dos genes g
 
Gagueira disfluência
Gagueira   disfluênciaGagueira   disfluência
Gagueira disfluência
 
Gagueira até onde é normal
Gagueira   até onde é normalGagueira   até onde é normal
Gagueira até onde é normal
 
Gagueira a teoria na prática
Gagueira   a teoria na práticaGagueira   a teoria na prática
Gagueira a teoria na prática
 
Fatores de risco na gagueira
Fatores de risco na gagueiraFatores de risco na gagueira
Fatores de risco na gagueira
 
Estudo molecular dos genes da gagueira
Estudo molecular dos genes da gagueiraEstudo molecular dos genes da gagueira
Estudo molecular dos genes da gagueira
 

Tratamento farmacológico da gagueira

  • 1. Tratamento Farmacológico da Gagueira Gerald A. Maguire, M.D. Associate Professor Kirkup Endowed Chair in Stuttering Treatment Department of Psychiatry Senior Associate Dean, Educational Affairs University of California, Irvine School of Medicine
  • 2. Medicamentos para Gagueira  Medicamentos que bloqueiam a dopamina no cérebro melhoram a gagueira.  Medicamentos são TRATAMENTOS, não CURAS.
  • 3. Risperdal (risperidona)  Eficaz em reduzir a gagueira - (0.5mg-2mg)  Efeitos colaterais podem incluir elevação da prolactina com reflexos no humor.  Também há efeitos colaterais na reprodução (gravidez)  Efeitos colaterais no sistema motor também.
  • 4. Zyprexa (olanzapina)  Eficaz na redução da gagueira (2.5mg-10mg)  Efeitos colaterais podem incluir: aumento de apetite, aumento de peso, aumento lipídico e, potencialmente, diabetes.
  • 5. Abilify (aripiprazol)  Essencialmente neutra no peso  Riscos mais baixos de aumentar o açúcar no sangue ou o colesterol  É um agonista parcial da dopamina - doses menores parecem dar melhores resultados.  Efeitos colaterais incluem agitação e náusea  Relatório recém publicado examinou a segurança e sua eficácia na gagueira Tran NL, Maguire GA. Journal of Clinical Psychopharmacology (In Press)
  • 6. Geodon (ziprasidona)  Medicação que bloqueia a dopamina e aprovada para esquizofrenia e bipolaridade  Não está associada ao aumento do peso, da glicose e dos lipídios  Alguns indivíduos com dificuldades cardíacas não devem usar ziprasidona (muito raro)  Ainda não foi adequadamente experimentado para gagueira, mas, baseado no seu mecanismo de ação, é considerado um agente promissor  Pode ser ingerido nas refeições, usualmente duas vezes ao dia, para obtenção de seu efeito máximo.
  • 7. Seroquel (quetiapina)  Uso limitado na gagueira  É um agente relativamente fraco como bloqueador de dopamina  Aprovado para uso em esquizofrenia e distúrbio bipolar  Associado com sedação, aumento de peso e aumento de colesterol e açúcar no sangue
  • 8. Agentes Bloqueadores de Dopamina de gerações mais antigas  Aprovados para uso em esquizofrenia e em alguns casos de Síndrome de Tourette  O Haloperidol está associado à melhora dos sintomas  Efeitos colaterais destes agentes incluem movimentos musculares anormais e/ou rigidez  Molindone é um agente intermediário - pode ser associado à perda de peso. Ainda não foi estudado formalmente para gagueira.
  • 9. Pagoclone  É um agonista parcial seletivo do GABA-A  GABA media os sintomas motores e da ansiedade  É o maior estudo farmacológico para gagueira já realizado que está em fase de conclusão (132 sujeitos adultos realizado em vários centros)  É a primeira medicação que está sendo desenvolvida através dos critérios da FDA, que é específico para Gagueira.
  • 10. Pagoclone  Experimento de 8 semanas, duplo-cego, com grupo controle em placebo. Dose inicial de 0.15mg, duas vezes ao dia, elevada para 0.3 mg duas vezes ao dia depois de duas semanas.  Extensão fase-aberta com dados de 12 meses já disponíveis, com doses de até 0.6mg uma vez ao dia.  Sujeitos da pesquisa não poderiam estar em fonoterapia, nem ingerir qualquer medicamento neurológico durante o período duplo-cego.  Estudo foi financiado pela Indevus. UC Irvine recebeu fundos para realizá-lo.
  • 11. Eficácia do Pagoclone  Pagoclone reduziu significantemente a gagueira em 55% dos pacientes em comparação com o grupo controle, que reduziu 36% com o Placebo (CGI: p=.007 na semana 4; p=.02 na semana 8).  Pagoclone teve um benefício adicional significativo tendo em vista que reduziu a ansiedade social nas situações de fala (LSAS sub- scale p=.02 nas semanas 4 e 8).  No SSI-3, a duração e a frequência de gagueira foram reduzidas pelo pagoclone (p=.02), quando comparado ao grupo controle (placebo).  Na escala SSS, a melhora estatística foi observada nas semanas 2 (p=.004), 4 (p=.05) com reflexos até a semana 8 (p=.08).
  • 12. Tolerância e Segurança do Pagoclone  Em geral, os pacientes do grupo experimental demonstraram um aumento numérico em todos os 3 objetivos primários e na maioria dos resultados secundários em relação aos do grupo controle.  Além disso, foi observada uma significância estatística nas várias medidas, como a mudança da pontuação de frequência e de duração da gagueira medidos pelo SSI-3 antes e durante o tratamento.  Houve também uma mudança percentual no número de sílabas gaguejadas antes e durante o tratamento.
  • 13. Tolerância e Segurança do Pagoclone  Foi muito bem tolerado com apenas uma leve dor de cabeça e fadiga relatados por uma minoria de pacientes.  A Extensão Fase-Aberta do estudo parece muito promissora. 90% dos pacientes continuaram nesta fase e os resultados indicam uma melhora continuada e sustentada, com nenhum risco de remissão aparente.  Os que originalmente estavam ingerindo placebo, demoraram para responder ao medicamento, indicando que o tempo adequado para pesquisa deva ser maior que 2 meses.
  • 14. SSI-3 Frequência/Duração Mudaram Antes e Durante o Tratamento Week 4 Week 8 SSI-3Frequency/DurationSubscore AverageChangefromPre-Treatment -5 -4 -3 -2 -1 0 Placebo DB Pagoclone DB Pagoclone OL p<0.04 P<0.06 Double-Blind Phase Month 3 Month 12 Open-Label Phase N=41 Placebo, N=82 Pagoclone Year 1 OL Completers Pagoclone N=55 N=54
  • 15. Mudança no Percentual de Sílabas Gaguejadas Antes e Durante o Tratamento Week 4 Week 8 AveragePercentChangein%Syllables StutteredChangeFromPre-Treatment -50 -40 -30 -20 -10 0 Placebo DB Pagoclone DB Pagoclone OL P<0.01 P=0.07 Double-Blind Phase Month 3 Month 12 Open-Label Phase Year 1 OL Completers Pagoclone N=55 N=54N=41 Placebo, N=82 Pagoclone
  • 16. CGI Melhora da Frequência e na Severidade Week 2 Week 4 Week 8 CGIFrequencyPercentofPatientsImproved fromPre-Treatment 0 20 40 60 80 100 120 Placebo DB Pagoclone DB Pagoclone OL P<0.02 P<0.09 Double-Blind Phase Month 3 Month 12 Open-Label Phase N=42 for Placebo, N=84 for Pagoclone Year 1 OL Completers Pagoclone N=56 N=55 P<0.10 Week 2 Week 4 Week 8 Month 3 Month 12 CGISeverityPercentofPatientsImproved fromPre-Treatment 0 20 40 60 80 100 120 Placebo DB Pagoclone DB Pagoclone OL P<0.01 P<0.02 Double-Blind Phase Open-Label Phase N=42 for Placebo, N=84 for Pagoclone Year 1 OL Completers Pagoclone N=56 N=55
  • 17. Direções para Pesquisas Futuras em Gagueira  Este estudo demonstrou que o tratamento com o pagoclone: a) Reduziu a severidade da gagueira quando mensurada pelo percentual de sílabas gaguejadas (confirmando um dos critérios para o diagnóstico da gagueira veiculado pelo DSM-IV); b) O pagoclone aumenta a sensação de controle sobre a gagueira do paciente;
  • 18. Direções para Pesquisas Futuras em Gagueira (cont.) c) Além disso, a persistência do efeito foi observada com um aumento da sua magnitude durante 1 ano do Tratamento em Fase-Aberta; d) A naturalidade da fala também melhorou. e) Como esperado, o tratamento foi bem tolerado pelos pacientes, baseado em experiências anteriores com o pagoclone em estudos clínicos para ansiedade em geral e para o distúrbio do pânico,.
  • 19. Direções para Pesquisas Futuras em Gagueira (cont.)  A Fase III do estudo está em final de planejamento. O desafio é como melhor estudar os efeitos da medicação e tornar os sujeitos mais confortáveis com a situação de teste.  Que tal combinar pagoclone com um bloqueador de dopamina?  E se combinarmos medicação com fonoterapia?  Livro que resume os vários tratamentos médicos será publicado pela Associação Nacional de Gagueira dos EUA (NSA) em julho. Todo o resultado financeiro das vendas irá para a NSA e para financiar futuras pesquisas em gagueira.
  • 20. Prof. Gallagher e sua controvertida técnica de confrontar simultaneamente o medo de altura, de cobras e do escuro.