Fernanda Stéphanne dos Santos Barbosa
Parauapebas – Pará
Fev – 2011
HUMANISMO
• O Humanismo não é só um movimento, é também

um modo de ver os fenômenos humanos; um modo
de se postar frente ...
Gestalt


Auto-regular-se significa respeitar a totalidade
funcional do organismo, significa olhar-se e
comportar-se como...
Doença para a Gestalt


Na teoria - um organismo se desregula quando se
exige dele forças e habilidades para as quais não...
Gestalt
Figura e Fundo


Ribeiro (1985, p.74) “a figura não é uma parte isolada do
fundo, ela existe no fundo”
Gestalt
 Aqui-e-agora
–

–

Segundo Yontef (1998, p.217), “tudo o que existe o é no
aqui-e-agora; o passado existe agora ...
Gestalt
 Awareness
–

Para Yontef (1998) a
awareness
é
uma
forma de experiência
que pode ser definida
aproximadamente
com...
Quem sofre sozinho, esquece suas raízes

não lembra mais fatos nem tempos
felizes.
Quando a dor tem irmãos e a angústia
a...
REFERÊNCIAS
•
•

•

•

BOCK, A. M. B. etal. Psicologias: uma introdução ao
estudo de psicologia. Saraiva: São Paulo, 2001....
REFERÊNCIAS
•
•
•
•
•
•

RIBEIRO, J. P., Gestalt-Terapia. Refazendo um
Caminho. São Paulo: Summus, 1985.
RIBEIRO, J. P. Vá...
Ver vídeo - “Pedrinhas”

Obrigada!
Humanismo em relações humanas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Humanismo em relações humanas

533 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
533
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Humanismo em relações humanas

  1. 1. Fernanda Stéphanne dos Santos Barbosa Parauapebas – Pará Fev – 2011
  2. 2. HUMANISMO • O Humanismo não é só um movimento, é também um modo de ver os fenômenos humanos; um modo de se postar frente às demandas de nossa sociedade e frente à realidade que se abre diante de nossos olhos. • É uma forma de compreender o ser humano em suas dificuldades, em seu movimento, em estar se adaptando diante das adversidades da vida; é uma forma de se aproximar da pessoa, acreditando no potencial que a mesma encerra em si e considerando que só o outro (indivíduo) é que detêm os caminhos para a sua melhora.
  3. 3. Gestalt  Auto-regular-se significa respeitar a totalidade funcional do organismo, significa olhar-se e comportar-se como um todo organizado e eficiente, significa privilegiar as necessidades que gritam dentro de nós para ser saciadas ou satisfeitas, significa olhar-se como uma pessoa inteira no mundo, amar o corpo como a casa na qual habitamos, prestar atenção aos infinitos pedidos de socorro que o corpo emite e pensar que o alimento pode ser encontrado, sempre, dentro da própria pessoa, sem perder seu aspecto relacional no mundo (RIBEIRO, 2006).
  4. 4. Doença para a Gestalt  Na teoria - um organismo se desregula quando se exige dele forças e habilidades para as quais não está preparado.  Na clínica – o processo de auto-regulação por vezes passa despercebido à consciência intelectiva se auto-regulando instintivamente. Portanto, o adoecer ocorre pelo não se tornar presente a si mesmo, deixando-se sempre pra depois, pela forma habitual de cortar contato, Ribeiro (2006).
  5. 5. Gestalt Figura e Fundo  Ribeiro (1985, p.74) “a figura não é uma parte isolada do fundo, ela existe no fundo”
  6. 6. Gestalt  Aqui-e-agora – – Segundo Yontef (1998, p.217), “tudo o que existe o é no aqui-e-agora; o passado existe agora como memória, arrependimento, tensão corporal etc; o futuro não existe exceto agora, como fantasia, esperança etc”. Também se refere ao espaço de tempo (aqui) e neste momento (agora), falando de presença ou ausência, de liberdade ou de escolha. Significa – “Quem é você nesse mundo, e como você interagem com ele e de forma que se sente inteiro nele? Partindo do pressuposto de que tudo começa dentro de você” Ribeiro (2006).
  7. 7. Gestalt  Awareness – Para Yontef (1998) a awareness é uma forma de experiência que pode ser definida aproximadamente como estar em contato com a própria existência.
  8. 8. Quem sofre sozinho, esquece suas raízes não lembra mais fatos nem tempos felizes. Quando a dor tem irmãos e a angústia amigos A alma nem sente inúmeros castigos. Shakespeare
  9. 9. REFERÊNCIAS • • • • BOCK, A. M. B. etal. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. Saraiva: São Paulo, 2001. BLEY, J. Z. etal. Comportamento seguro: ciência e senso comum na gestão dos aspectos humanos em saúde e segurança do trabalho. In. Revista CIPA. São Paulo, 01 nov. 2005. LEITÃO, V. M. – A noção de pesquisa na teoria de Carl Rogers. Revista Brasileira de Pesquisa em psicologia, nº4 v.2, Fortaleza: 1992. MAUES JR, O R P; MONTEIRO, R M D, Reestruturação do Self em uma Mulher encarcerada: a experiência de estar reclusa em instituição penal no regime fechado. 2006. 83 f. (Trabalho de Graduação) - Universidade da Amazônia, Belém, 2006.
  10. 10. REFERÊNCIAS • • • • • • RIBEIRO, J. P., Gestalt-Terapia. Refazendo um Caminho. São Paulo: Summus, 1985. RIBEIRO, J. P. Váde-mécum de gestalt-terapia: conceitos básicos. São Paulo: Summus, 2006. SCHULTZ, D. P.; SCHULTZ, S. E., História da Psicologia Moderna. São Paulo: Cultrix, 1981. YONTEF, G. M., Processo, Diálogo e Awareness Ensaios em Gestalt-Terapia. São Paulo: Summus, 1998. http://pt.wikibooks.org/wiki/Psicologia/O_que_ %C3%A9_a_psicologia%3F http://www.marcelomarcia.naweb.net/psicoterapiaCorpo.html
  11. 11. Ver vídeo - “Pedrinhas” Obrigada!

×