SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
1
O BULLYING DESDE UMA PERSPECTIVA: UM OLHAR A PARTIR DA
FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO.
Adelvânia Souza de Oliveira1
RESUMO: Este artigo foi proposto a partir de observações do dia-a-dia e também de
discussões intensas sobre a ação violenta dentro do espaço escolar .O texto foi desenvolvido através
de análises sobre o que se diz sobre o Bullying e a violência,o papel da família diante dos
desempenhos de agressividade e as suas causas mais comuns de violência no local escolar
,visualizando em meio termo a suas possíveis transformações de atitudes agressivas para maneiras
novas de modificações de inovação,de companheirismo,solidarizar,vínculos,respeito e,amizade.A
partir destas analises emenda-se sobre a necessidade de apoiar e desenvolver ações preventivas que
visam a conversão de ambientes em espaços de convivência amigável.Os pais e educadores devem
estar atentos as atitudes de seus filhos e alunos,principalmente,em alterações de
comportamentos,hematomas no corpo e demais situações de comportamentos que pareçam fora do
comum.
Palavras chave: Bullying. Agressividade. Escola. Família. Meio Social.
ABSTRACT: This article was proposed from day-to-day observations and also from intense
discussions about violent action within the school space. The text was developed through
analyzes of what is said about Bullying and violence, the role of Family in the face of
aggressive performances and their most common causes of violence at the school site,
visualizing in the middle their potential transformations from aggressive attitudes to new
ways of modifying innovation, companionship, solidarity, bonds, respect and friendship.
From these analyzes, the need to support and develop preventive actions aimed at the
conversion of environments into spaces of friendly coexistence should be taken into account.
Parents and educators should be attentive to the attitudes of their children and students,
especially in behavioral changes, bruising In the body and other situations of behavior that
seem unusual.
Keywords: Bullying. Aggressiveness. School. Family. Social environment.
1Acadêmica do curso de Filosofia da Faculdade São Tomás de Aquino – FACESTA.
2
1. INTRODUÇÃO
O tema deste trabalho foi estabelecido a partir de severas observações, informais do
nosso cotidiano e também na experiência adquirida nas escolas.Verifica-se que há uma
discussão intensa sobre o tema da violência ,não somente na sociedade em geral mas também
presentes nas instituições de ensino ,através do Bullying,onde a presença de comportamentos
de agressividades apresenta ser cada vez mais forte.
Perante desta conjuntura, avalia-se a necessidade urgente não só de motivamos como
também de abrangemos o “conceito” Bullying, como ao mesmo tempo formamos em
adjacente ,atos que possam ser ampliadas junto aos alunos , as suas famílias,as as escolas e a
sociedade de modo mais amplo a fim de inimizá-lo.O primeiro contato com o conceito
Bullying surpreendeu-nos devido as diversas formas de violência que hoje encontramos nas
escolas,para extensão apontamos como teses norteadoras deste trabalho,as seguintes
perguntas:Qual o conceito que se tem sobre o Bullying? Que ações a escola deve desenvolver
diante dos comportamentos de violência? Qual o papel da família diante dos comportamentos
agressivos.Quais as causas mais comuns de agressão no ambiente escola?O objetivo deste
trabalho é responder a estas indagações.
A partir da profunda analise feita por COMTE: “ a violência gera violência ;só o
amor constrói para a eternidade” fazendo uso de suas palavras o ilustre
(CARDOSO,1967,139.) Adverte que a agressividade pode ser uma possível resposta do que
o educando recebeu em uma outrora e isso o aborrecem de varias formas ex:
Timidez,Medo,Cólera,etc.Elemento que “o homem é especialmente ,um reflexo do ambiente
em que passou sua infância;este ele imprimiu sua marca por toda a sua vida”
.(CARDOSO,1967,P.39,40).
Em presença desta situação, este parágrafo possui como objetivatização aos Pais
Professores e a de mais profissionais ,da educação e a respeito da a importância da
construção de ações preventivas,diagnósticos e de uma atuação á comportamentos de
Bullying nas escolas ,assim sendo transformar atitudes de selvageria em atos caracteres de
3
solidariedade,amizade,respeito,além de pode orientar aos mesmos ,quanto ao enfretamento a
essa violência,habituado assim os agressores a uma convivência social ,sabia e segura.
1. O QUEÉO BULLYING.
Bullying, é a prática de atos violentos contra uma eou ou mais pessoas indefesas,suas
motivos podem trazer conseqüências tanto físicas como psicológicas ás suas vitimas .O
termo Bullying,vem de uma palavra de origem Inglesa, “Bully”que significa,Tirano,Brigão
eou valentão ,,já no Brasil é traduzido o Bullying como: o ato de Bulir,Tocar,Bater,Socar
Zombar,humilhar,ridicularizar,as vítimas colocado-os apelidos humilhantes etc.Essa são as
práticas mais comuns do ato de praticar o Bullying.Geralmente a violência é praticada por
um eou mais “indivíduos” tendo como meta, o principal objetivo, Amedrontar
humilhar,agredir de forma psicológica ou físicas as vitimas.
Na maioria das vezes o Bullying é feito contra alguém que não consegue se defender
ou entender os motivos que pode levar a tal violência.Normalmente,a vitima teme aos
agressores,seja por causa de sua aparente superioridade física eou pela influencia que
exercem sobre o meio social em que esta inserido ,o Bullying,pode ser praticado em qualquer
ambiente,na rua ,nas escolas ,na igreja,em clubes,no trabalho etc. Muitas das vezes é
praticado por pessoas da própria casa,ou seja, pelos seus próprios
familiares.Infelizmente,para a justiça Brasileira,o Bullying está enquadrado em inflações
,previstas no Código penal,como : injúria,difamação lesão corporal.Ainda não existe uma lei
que puna os agressores como o devido merecimento.
[...] Diante desse conceito é necessário que Pais e educadores não ignorem o
Bullying.A justiça “cabe intervir a fim de manter os princípios morais e sociais que
todo cidadão tem direto”(Guimarães,2009,S.P.),pois conforme descreve o artigo 5º
da constituição federal de 1988,” todos somos iguais perante a lei,semdistinção de
qualquer natureza,garantido se aos brasileiros e os estrangeiros residentes no pais a
inviolabilidade do direito á vida ,a liberdade a igualdade a segurança e a
propriedade(BRASIL,1988,S.P).
Toda via ,é importante ressaltarmos que a cultura a qual expiramos possui grande
influencia em nosso comportamento .Deste modo pode influenciar os agressores relatados
4
pelas vítimas de bullying ,assim sendo podemos entender melhor que a cultura da violência
pode ser entendida em uma dada sociedade ou em determinado grupo que dissemine este
tipo de comportamento .O mesmo distribuía uma conduta crescente nas escolas,provocando
de formação disfarçada eou direta a prática de violência caracterizada pelo Bullying.
Perante [...] “O comportamento violento e programas televisivos ou filmes e o
bombardeio ideológico constante dos meios de comunicação que por um lado
exaltam o ser violento (destrutivo)[...] e,por outro lado não permitem diferenciar
esses atos agressivos e destrutivos,da agressividade sabia e necessária para
desconstruir -se e reconstruir-se como sujeito autor da própria historia
(FERNADES,1994.P.,22).
Mediante, os fatos citados acima, (MALUF 2009,P.S). Descreve que cada dia a que
passa as crianças e adolescentes estão se tornando cada vez mais agressivos ,muitos estudos
realizado mostram que um grande número de fatores que levam risco de aparecimento de
condutas ,violentas e com participação de jovens envolvidos para que o Bullying se
desenvolva , como :ter vivenciado cenas violentas ou sofrido violência sexual,agressão física
excessiva exposição a violência por meio de jogos televisão,uso de drogas e acesso o álcool
estes são alguns fatores tenebrosos ,socioeconômico,diretamente,prejudicados família
desestruturada,problemas Psiquiátricos,entre outros agravantes.
Nesta perspectiva, o comportamento agressivo de algumas crianças,dento do
ambiente escolar pode se encarada como uma resposta a comportamentos que sofram dos
Pais ou de qualquer local em que convivem continuamente demonstrados que sofram as
influencias das agressões sofridas e que aprenderam a se defender dos que sofrem as
influencias das agressões sofridas a que agrediram a se defender observado a forma de
tratamento de outros dada a mesma.
Por este motivo faz-se imprescindível acrescentar que “a punição física por agressão
pode ter a conseqüência paradoxal de aumenta a agressão, por que o Pai ou a Mãe pune serve
de modelo para a agressão sob circunstancias altamente emocionais”(ROSS,1979,P.151).
Por tanto, cabe aos Pais ajudar seus filhos independente,de que eles sejam Vítimas ou
Agressores,entretanto, a escola enquanto pratica docente, tem a obrigação de adotar medidas
de controle par acautelar as ações de Bullying,ela deve ser capaz de acender um pensamento
Crítico e reflexivo visando ações e medidas morais e éticas em prol da valorização do ser
humano a ser trabalhado e construído ali, como cidadão de seu próprio tempo.
5
2. O BULLUING NAS ESCOLAS
A escola muitas das vezes não conseguir identificar o problema que ocorre em seu
ambiente devido , de outro modo pode-se dizer que quando se toma o Bullying como algo
concreto ,real,ele vai muito além das brincadeiras sem graça,Istoé assumir características
especificas e demandas ,podendo dessa forma ser diferenciado de outras formas de violência
é comum encontrar em adultos um considerável quantidade de pessoas que carregam
consigo as marcas de traumas que adquiriram nos bancos escolares ,em aspectos essências a
realização na vida como presentes dificuldades de lidar com perdas,comprometimentos nas
relações efetivas na convivência na família e ate mesmo no desempenho social e
profissional.
As mesma s foram submetidas a diversas formas de maus-tratos sendo eles
psicológicos ,verbais, físicos,morais,sexuais e matérias por meio de zoações e brincadeiras,
apelidos pejorativos difamações,ameaças perseguições etc.Atos agressivos ,intencionais e
repetitivos, que ocorrem sem motivação evidencia,em relações desiguais de poder
,caracterizam o Bullying escolar .segundo pesquisas realizadas em diversos países já
sinalizam para a possibilidade de que atores de Bullying na época da escola venham a se
envolver ,mais tarde em atos de influenciar ou se tornem criminosos.
Nas palavras de SILVA (2006, S.P.) O Bullying é um problema serio que pode levar
desde do suicídio o homicídio e educadores de aprendizado; por parte da vitima.Eles muitas
das vezes por medo do agressores passam fazer com eles se oprimir e sofre calados tem
diversos dificuldades de relacionamentos,sente-se inferior diante dos outros,desenvolvem
fatores sociais ,psicose,depressão e principalmente,baixo rendimento escolar; não
acostumados com esta situação reprimem seus sentimentos em todas as atividades com
receio de serem expostos e ridicularizados.
Mediante esta ação é de fundamental importância a colaboração, não somente da
família, professores independente, de sua posição atuante,que fiquem atentos as crianças e
jovens,em casa ou na escola,sejamos os mesmos vitimas do bullying ou atores do mesmo afim
de que juntos possamos perceber o problema no principio e atuem sobre o ato de forma
6
imediata para que expostos,as vitimas ou agressores não sofrem conseqüências graves
advinda do bullying,tais comportamentos de risco podem não somente atingir as vitimas ou
agressor, nos colegas não agressivos pelo apoio pedagógico da instituição por que se tornam
indivíduos em locais de risco instantaneamente
Diante do fato de não podemos pormenorizar o resultado de ações agressivas por parte
dos agressores,nem tão pouco qualquer alteração de comportamento por parte da vitima.
Perante disto, o bullying tem se tornado grande problema e crescendo no mundo derivadas
varias conseqüências individuais como sociais e é importante evitar a agressão e diminuir os
aspectos minimizado os principais fatores que contribuir para a violência no meio escolar a
qual pode ser identificada desde da influencia de problemas familiares ou sociais.
Geralmente o comportamento Bullyista começa quando “a criança ou adolescentes não
quer aceitar uma diferencia, podendo assim envolver os aspectos como; a religião, raça,
estatura física, peso,cor dos olhos cabelos,diferencia emocionais ,psicológicas,social,sexual e
física ou também poder ter uma ligação com força ,coragem,e habilidades.Assim ações de:
“envolvimento de professores pais alunos é fundamental para a implantação de projetos de
redução do Bullying.A participação de todos usar estabelecer normais,diretrizes e ações
coerentes,as ações devem priorizar a conscientização geral; o apoio ás vitimas de bullying
fazendo com que se sintam protegido; a conscientização dos agressores sobre a incorreção de
seus atos e a garantia de um ambiente escolar sobre a segurança (NETO,2005,p.169).
Diante desta breve analise surgem algumas indagações, porque tem havido um certo
aumento do número d agressores dentro do ambiente escolar;mediante o que se formou,no
interior e exterior das instituições escolares.Por meio do que tem se impulsionado e da
sociedade para minimizar a violência no espaço escolar!
Toda via o comportamento agressivo gerando através do bullying, produz tristes
conseqüências para a aprendizagem do agressor e da vitima “bem como uma entidade
separada e que lhe trabalhe através de intervenções e projetos estimulado os talentos,dos
agressores; a fim de manda a face do mesmo;passando-o de aluno problema para talento
especial este estimulo e a construção desse respeito,possa reavaliar a memória destas
crianças para a não agressão .podendo assim evidenciar uma ação efetiva dos educadores no
tratamento dos educadores na relação com estes alunos com integridade,demonstrado que as
7
interações reproduzem respeito e transformasse em experiências vividas necessárias e
importantes para toda a vida.
3. A FILOSOFIA COMO PERSPECTIVA PARA MINIMIZAR O BULLYING
NA ESCOLA.
É importante ressalta que muitas vezes a violência, base nas condições sócio-históricas
das crianças. Além disso, estas relações de agressividade e violência refletem ultimamente na
sua base de formação e na relação das educações dos educados fora da escola ;de tal modo
uma das principais contribuições seria uma analise daria eficaz propor parte do educador em
relação ao educando,determinado nele os sentimentos de compalherismo,amor e atenção alem
disso,incentivar sempre a participação da família no convívio da instituição agressivas das
crianças mais também nas atividades destinadas aos familiares.
“ninguém que tenha dedicado a pensar a história e a política pode permanecer
alheio ao enorme que a violência sempre desempenhou nos negócios humanos,e,a
primeira vista,é surpreendente que a violência tenha sido raramente escolhida como
objetivo de consideração especial.Na ultima edição da enciclopédia de ciências
sócios,a “violência “nem sequer merece menção.Isto indica o quanto a violência e a
sua arbitrariedade foram considerados corriqueiros e, portanto desconsideravel
ninguém questiona ou examina o que é olvio para todos.Aqueles que viram apenas
violência de que eles eram ‘sempre fortuitos,nem sérios nem precisos’(Renan),ou de
que deus sempre esteve com os maiores trabalhadores nada,mais tinha a dizer a
respeito da violência ou da história quemquer que tenha procurado alguma forma de
sentimento nos registros do passado vive-se quase que “ enxergar a violência como
um fenômeno marginal”(Arennd 1987,P.16)
Em outras palavras a uma falha no sistema educacional das escolas,no meio social
até mesmo a desestrutura familiar e principalmente,dentro das políticas publicas e corpo
docentes das escolas,construir de forma disfarçada para coibir algumas ofensas e procriações
entre os alunos e até mesmo alunos e professores também ajuda para o aumento do
Bullying escolar.A deficiência na gestão de políticas públicas e os movimentos de
programação educacionais manifesta a mesma tendência.
8
Toda via, não é viável a questão da punição não pode generalizar o pensamento
elementar pois em determinados países bem como os Estados Unidos,onde existe um
número mais elevado de contenção e inflexibilidade ,perpetua para jovens infratores, existe
índice muito maior de violências entre os adolescentes,ou seja, não será o recuo da punição
que ira fazer diminuir a quantidade de agressões e violências ,porem uma atitude e ações em
conjunto como todos os setores da sociedade .
Certamente a reflexão sobre os atos de violência perpassa a tese sobre a liberdade.
“ O ditado popular de que a minha liberdade termina quando começa a do outro”.Pode mostra
que alheia ,pois a violência que findar a liberdade do outro>isso é comprovado nas
conseqüências causadas nas vitimas .
[...]“é a partir destas interações e do trabalhos social de exteriorização do problema
da violência que a escola passar a reconhecer que eles não são indicativos do que os alunos
desejam ser,mas conforme reposta BEAUDOIN,TAYLOR (2006).são as das quais eles
procuram fugir e podem aprender a controlar”.
Mediante, as controversas é possível perceber que a escola tem a tarefa histórica de
gerar um pensamento e uma ação crítica e reflexiva o processo da sociedade e da violência
principalmente no ambiente escolar se antecipando moral e pedagogicamente, a fim de ajuda
da construção e valorização como cidadão do seu tempo.
9
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Ao elabora este trabalho tivermos a seguinte arremate: que cabe a escola buscar
contextualizada, alcançar seus ideais e sobre as quais a prática de Bullying visualizando a
realidade do cotidiano do aluno agressor ou vítima e a fim estabelecer ideais de
comportamentos positivos,observado-se a realidade cultura do educando.Assim sendo,o
Bullying deve ser trabalhado com grande importância pela familiares sociedade devido a ser
um ato de agressão que demonstram desqualidade,injustiça social além de
pressões,psicológicas ou físicas por parte do agressor.è de suma necessidade que Pais
,professores,a sociedade em modo geral todos fiquem atentos,as ações do agressor e as
circunstâncias nas vitimas,pois não há diagnósticos prontos para se determinar ao bullyista é
preciso que estejam todos cautelosos ás crianças mais propensas á agressividade a
comportamentos anti-sociais a fim de minimizar qualquer prática de Bullying.
10
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ARENDT,Hannah –A condição humana Rio de janeiro,forense Universitária,1987.
BEAUDION, M; THAYLOR, M. Bullying e Desrespeito: como acabar com essa cultura na
escola. 1. ed. Porto Alegre: Artmed. 2006. 232p
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. promulgada em 1988. Brasília, DF.
Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2009. CARDOSO, O. B. Problemas na Infância. 5. ed.
São Paulo: Edições Melhoramentos, 1967. 211p.
FERNANDEZ, A. A mulher escondida na professora: uma leitura psicopedagógica do ser
mulher, da corporalidade e da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994. 182p.
GUIMARÃES, J. R. Violência escolar e o fenômeno ‘bullying’. A responsabilidade social
diante do comportamento agressivo entre estudantes. 2009. Disponível em: . Acesso em: 08
Abril. 2017.
NETO, A. A. L. Bullying: comportamento agressivo entre estudantes. Jornal de Pediatria, v.
81, n. 5 (supl.), p. S164-S172. 2005. Disponível em: . Acesso em: 11 Março. 2017.
MALUF, M. I. Bullying: O Triângulo da Agressividade. 2009. Disponível em: . Acesso em:
14 jul. 2017.
ROSS, A. O. Distúrbios Psicológicos na Infância: uma abordagem comportamental à teoria,
pesquisa e terapêutica. 1. ed. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1979. 285p

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto bullying, brincadeiras que fere ppt
Projeto bullying, brincadeiras que fere pptProjeto bullying, brincadeiras que fere ppt
Projeto bullying, brincadeiras que fere ppt
socorropsi
 
Violência Escolar
Violência EscolarViolência Escolar
Violência Escolar
annokax
 
Violência nas escolas
Violência nas escolasViolência nas escolas
Violência nas escolas
veritah
 
Violência Na Escola
Violência Na EscolaViolência Na Escola
Violência Na Escola
bethbal
 
Palestra violencia na escola
Palestra violencia na escolaPalestra violencia na escola
Palestra violencia na escola
Fábio Yamano
 
Violencia Escolar
Violencia EscolarViolencia Escolar
Violencia Escolar
guest49e5af
 
Violência na escola
Violência na escolaViolência na escola
Violência na escola
Fábio Yamano
 
Projeto "Bullying: Somos todos iguais nas próprias diferenças"
Projeto "Bullying: Somos todos iguais nas próprias diferenças"Projeto "Bullying: Somos todos iguais nas próprias diferenças"
Projeto "Bullying: Somos todos iguais nas próprias diferenças"
Viviane De Carvalho Teixeira
 

Mais procurados (19)

Violência Escolar
Violência EscolarViolência Escolar
Violência Escolar
 
Projeto bullying, brincadeiras que fere ppt
Projeto bullying, brincadeiras que fere pptProjeto bullying, brincadeiras que fere ppt
Projeto bullying, brincadeiras que fere ppt
 
Violência Escolar
Violência EscolarViolência Escolar
Violência Escolar
 
Violência nas escolas
Violência nas escolasViolência nas escolas
Violência nas escolas
 
Violência Na Escola
Violência Na EscolaViolência Na Escola
Violência Na Escola
 
Palestra violencia na escola
Palestra violencia na escolaPalestra violencia na escola
Palestra violencia na escola
 
Violência escolar
Violência escolarViolência escolar
Violência escolar
 
O papel do professor diante do bullying
O papel do professor diante do bullyingO papel do professor diante do bullying
O papel do professor diante do bullying
 
Violência na escola
Violência na escolaViolência na escola
Violência na escola
 
Violência e Escola
Violência e EscolaViolência e Escola
Violência e Escola
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Violencia Escolar
Violencia EscolarViolencia Escolar
Violencia Escolar
 
Violência na escola
Violência na escolaViolência na escola
Violência na escola
 
Bullying liliana (1)
Bullying liliana (1)Bullying liliana (1)
Bullying liliana (1)
 
Projeto Bullying
Projeto BullyingProjeto Bullying
Projeto Bullying
 
Projeto bullying
Projeto bullyingProjeto bullying
Projeto bullying
 
1768 2405-1-pb
1768 2405-1-pb1768 2405-1-pb
1768 2405-1-pb
 
Artigo: A violência praticada por adolescentes na escola
Artigo: A violência praticada por adolescentes na escolaArtigo: A violência praticada por adolescentes na escola
Artigo: A violência praticada por adolescentes na escola
 
Projeto "Bullying: Somos todos iguais nas próprias diferenças"
Projeto "Bullying: Somos todos iguais nas próprias diferenças"Projeto "Bullying: Somos todos iguais nas próprias diferenças"
Projeto "Bullying: Somos todos iguais nas próprias diferenças"
 

Semelhante a Tcc sobre o Bullygns nas escolas Art 2018 Adelvânia Souza de Oliveira

Trabalho Edu Comparada 23 01 2010
Trabalho Edu Comparada 23 01 2010Trabalho Edu Comparada 23 01 2010
Trabalho Edu Comparada 23 01 2010
catherineee
 
Metodologia do grupo de aprendizagem cooperativa no projeto chega de bullying
Metodologia do grupo de aprendizagem cooperativa no projeto chega de bullyingMetodologia do grupo de aprendizagem cooperativa no projeto chega de bullying
Metodologia do grupo de aprendizagem cooperativa no projeto chega de bullying
SimoneHelenDrumond
 
Palestra bullying
Palestra bullyingPalestra bullying
Palestra bullying
Aldemir1983
 
Fmufinalcartilha 110728144919-phpapp02
Fmufinalcartilha 110728144919-phpapp02Fmufinalcartilha 110728144919-phpapp02
Fmufinalcartilha 110728144919-phpapp02
ANDRESSA MILLARD
 

Semelhante a Tcc sobre o Bullygns nas escolas Art 2018 Adelvânia Souza de Oliveira (20)

Trabalho Edu Comparada 23 01 2010
Trabalho Edu Comparada 23 01 2010Trabalho Edu Comparada 23 01 2010
Trabalho Edu Comparada 23 01 2010
 
Bullying na Escola
Bullying na EscolaBullying na Escola
Bullying na Escola
 
Artigo bullying
Artigo bullyingArtigo bullying
Artigo bullying
 
Rio branco ericson araujo
Rio branco   ericson araujoRio branco   ericson araujo
Rio branco ericson araujo
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Cópia de projeto bullying na escola em rede
Cópia de projeto bullying na escola em redeCópia de projeto bullying na escola em rede
Cópia de projeto bullying na escola em rede
 
RESENHA CRITICA ARTIGO VIOLENCIA ESCOLAR E AUTOESTIMA DE ADOLECENTES.docx
RESENHA CRITICA ARTIGO VIOLENCIA ESCOLAR E AUTOESTIMA DE ADOLECENTES.docxRESENHA CRITICA ARTIGO VIOLENCIA ESCOLAR E AUTOESTIMA DE ADOLECENTES.docx
RESENHA CRITICA ARTIGO VIOLENCIA ESCOLAR E AUTOESTIMA DE ADOLECENTES.docx
 
Esquema bullying
Esquema bullyingEsquema bullying
Esquema bullying
 
Metodologia do grupo de aprendizagem cooperativa no projeto chega de bullying
Metodologia do grupo de aprendizagem cooperativa no projeto chega de bullyingMetodologia do grupo de aprendizagem cooperativa no projeto chega de bullying
Metodologia do grupo de aprendizagem cooperativa no projeto chega de bullying
 
Palestra bullying
Palestra bullyingPalestra bullying
Palestra bullying
 
Palestra bullying
Palestra bullyingPalestra bullying
Palestra bullying
 
Portfólio bullying
Portfólio bullyingPortfólio bullying
Portfólio bullying
 
Portfólio bullying patyaraujo
Portfólio bullying patyaraujoPortfólio bullying patyaraujo
Portfólio bullying patyaraujo
 
BULLIYNG NAS ESCOLAS: EU TÔ FORA!!!
BULLIYNG NAS ESCOLAS: EU TÔ FORA!!!BULLIYNG NAS ESCOLAS: EU TÔ FORA!!!
BULLIYNG NAS ESCOLAS: EU TÔ FORA!!!
 
Fmufinalcartilha 110728144919-phpapp02
Fmufinalcartilha 110728144919-phpapp02Fmufinalcartilha 110728144919-phpapp02
Fmufinalcartilha 110728144919-phpapp02
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Doc 154
Doc 154Doc 154
Doc 154
 
violenciaescolar04082016cleofante.ppt
violenciaescolar04082016cleofante.pptviolenciaescolar04082016cleofante.ppt
violenciaescolar04082016cleofante.ppt
 
Setembro-Amarelo.pdf
Setembro-Amarelo.pdfSetembro-Amarelo.pdf
Setembro-Amarelo.pdf
 

Mais de adelvaniasouza souza (6)

Artes visuais edpdf para o art em artes visuais
Artes visuais edpdf para o art em artes visuaisArtes visuais edpdf para o art em artes visuais
Artes visuais edpdf para o art em artes visuais
 
Projeto Interveção em Prol da reconstrução da dignidade da pessoa humana
Projeto Interveção em Prol da reconstrução da dignidade da pessoa humanaProjeto Interveção em Prol da reconstrução da dignidade da pessoa humana
Projeto Interveção em Prol da reconstrução da dignidade da pessoa humana
 
Tcc que fala sobre a polis em aristóteles
Tcc que fala sobre a polis em aristótelesTcc que fala sobre a polis em aristóteles
Tcc que fala sobre a polis em aristóteles
 
Tcc que fala sobre a alma em Santo Agostinho
Tcc que fala sobre a alma em Santo AgostinhoTcc que fala sobre a alma em Santo Agostinho
Tcc que fala sobre a alma em Santo Agostinho
 
Professora Gilvonete Souza de Oliveira
Professora Gilvonete Souza de OliveiraProfessora Gilvonete Souza de Oliveira
Professora Gilvonete Souza de Oliveira
 
Projeto motivação ( Adelvânia Souza de Oliveira)
Projeto motivação ( Adelvânia Souza de Oliveira)Projeto motivação ( Adelvânia Souza de Oliveira)
Projeto motivação ( Adelvânia Souza de Oliveira)
 

Tcc sobre o Bullygns nas escolas Art 2018 Adelvânia Souza de Oliveira

  • 1. 1 O BULLYING DESDE UMA PERSPECTIVA: UM OLHAR A PARTIR DA FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO. Adelvânia Souza de Oliveira1 RESUMO: Este artigo foi proposto a partir de observações do dia-a-dia e também de discussões intensas sobre a ação violenta dentro do espaço escolar .O texto foi desenvolvido através de análises sobre o que se diz sobre o Bullying e a violência,o papel da família diante dos desempenhos de agressividade e as suas causas mais comuns de violência no local escolar ,visualizando em meio termo a suas possíveis transformações de atitudes agressivas para maneiras novas de modificações de inovação,de companheirismo,solidarizar,vínculos,respeito e,amizade.A partir destas analises emenda-se sobre a necessidade de apoiar e desenvolver ações preventivas que visam a conversão de ambientes em espaços de convivência amigável.Os pais e educadores devem estar atentos as atitudes de seus filhos e alunos,principalmente,em alterações de comportamentos,hematomas no corpo e demais situações de comportamentos que pareçam fora do comum. Palavras chave: Bullying. Agressividade. Escola. Família. Meio Social. ABSTRACT: This article was proposed from day-to-day observations and also from intense discussions about violent action within the school space. The text was developed through analyzes of what is said about Bullying and violence, the role of Family in the face of aggressive performances and their most common causes of violence at the school site, visualizing in the middle their potential transformations from aggressive attitudes to new ways of modifying innovation, companionship, solidarity, bonds, respect and friendship. From these analyzes, the need to support and develop preventive actions aimed at the conversion of environments into spaces of friendly coexistence should be taken into account. Parents and educators should be attentive to the attitudes of their children and students, especially in behavioral changes, bruising In the body and other situations of behavior that seem unusual. Keywords: Bullying. Aggressiveness. School. Family. Social environment. 1Acadêmica do curso de Filosofia da Faculdade São Tomás de Aquino – FACESTA.
  • 2. 2 1. INTRODUÇÃO O tema deste trabalho foi estabelecido a partir de severas observações, informais do nosso cotidiano e também na experiência adquirida nas escolas.Verifica-se que há uma discussão intensa sobre o tema da violência ,não somente na sociedade em geral mas também presentes nas instituições de ensino ,através do Bullying,onde a presença de comportamentos de agressividades apresenta ser cada vez mais forte. Perante desta conjuntura, avalia-se a necessidade urgente não só de motivamos como também de abrangemos o “conceito” Bullying, como ao mesmo tempo formamos em adjacente ,atos que possam ser ampliadas junto aos alunos , as suas famílias,as as escolas e a sociedade de modo mais amplo a fim de inimizá-lo.O primeiro contato com o conceito Bullying surpreendeu-nos devido as diversas formas de violência que hoje encontramos nas escolas,para extensão apontamos como teses norteadoras deste trabalho,as seguintes perguntas:Qual o conceito que se tem sobre o Bullying? Que ações a escola deve desenvolver diante dos comportamentos de violência? Qual o papel da família diante dos comportamentos agressivos.Quais as causas mais comuns de agressão no ambiente escola?O objetivo deste trabalho é responder a estas indagações. A partir da profunda analise feita por COMTE: “ a violência gera violência ;só o amor constrói para a eternidade” fazendo uso de suas palavras o ilustre (CARDOSO,1967,139.) Adverte que a agressividade pode ser uma possível resposta do que o educando recebeu em uma outrora e isso o aborrecem de varias formas ex: Timidez,Medo,Cólera,etc.Elemento que “o homem é especialmente ,um reflexo do ambiente em que passou sua infância;este ele imprimiu sua marca por toda a sua vida” .(CARDOSO,1967,P.39,40). Em presença desta situação, este parágrafo possui como objetivatização aos Pais Professores e a de mais profissionais ,da educação e a respeito da a importância da construção de ações preventivas,diagnósticos e de uma atuação á comportamentos de Bullying nas escolas ,assim sendo transformar atitudes de selvageria em atos caracteres de
  • 3. 3 solidariedade,amizade,respeito,além de pode orientar aos mesmos ,quanto ao enfretamento a essa violência,habituado assim os agressores a uma convivência social ,sabia e segura. 1. O QUEÉO BULLYING. Bullying, é a prática de atos violentos contra uma eou ou mais pessoas indefesas,suas motivos podem trazer conseqüências tanto físicas como psicológicas ás suas vitimas .O termo Bullying,vem de uma palavra de origem Inglesa, “Bully”que significa,Tirano,Brigão eou valentão ,,já no Brasil é traduzido o Bullying como: o ato de Bulir,Tocar,Bater,Socar Zombar,humilhar,ridicularizar,as vítimas colocado-os apelidos humilhantes etc.Essa são as práticas mais comuns do ato de praticar o Bullying.Geralmente a violência é praticada por um eou mais “indivíduos” tendo como meta, o principal objetivo, Amedrontar humilhar,agredir de forma psicológica ou físicas as vitimas. Na maioria das vezes o Bullying é feito contra alguém que não consegue se defender ou entender os motivos que pode levar a tal violência.Normalmente,a vitima teme aos agressores,seja por causa de sua aparente superioridade física eou pela influencia que exercem sobre o meio social em que esta inserido ,o Bullying,pode ser praticado em qualquer ambiente,na rua ,nas escolas ,na igreja,em clubes,no trabalho etc. Muitas das vezes é praticado por pessoas da própria casa,ou seja, pelos seus próprios familiares.Infelizmente,para a justiça Brasileira,o Bullying está enquadrado em inflações ,previstas no Código penal,como : injúria,difamação lesão corporal.Ainda não existe uma lei que puna os agressores como o devido merecimento. [...] Diante desse conceito é necessário que Pais e educadores não ignorem o Bullying.A justiça “cabe intervir a fim de manter os princípios morais e sociais que todo cidadão tem direto”(Guimarães,2009,S.P.),pois conforme descreve o artigo 5º da constituição federal de 1988,” todos somos iguais perante a lei,semdistinção de qualquer natureza,garantido se aos brasileiros e os estrangeiros residentes no pais a inviolabilidade do direito á vida ,a liberdade a igualdade a segurança e a propriedade(BRASIL,1988,S.P). Toda via ,é importante ressaltarmos que a cultura a qual expiramos possui grande influencia em nosso comportamento .Deste modo pode influenciar os agressores relatados
  • 4. 4 pelas vítimas de bullying ,assim sendo podemos entender melhor que a cultura da violência pode ser entendida em uma dada sociedade ou em determinado grupo que dissemine este tipo de comportamento .O mesmo distribuía uma conduta crescente nas escolas,provocando de formação disfarçada eou direta a prática de violência caracterizada pelo Bullying. Perante [...] “O comportamento violento e programas televisivos ou filmes e o bombardeio ideológico constante dos meios de comunicação que por um lado exaltam o ser violento (destrutivo)[...] e,por outro lado não permitem diferenciar esses atos agressivos e destrutivos,da agressividade sabia e necessária para desconstruir -se e reconstruir-se como sujeito autor da própria historia (FERNADES,1994.P.,22). Mediante, os fatos citados acima, (MALUF 2009,P.S). Descreve que cada dia a que passa as crianças e adolescentes estão se tornando cada vez mais agressivos ,muitos estudos realizado mostram que um grande número de fatores que levam risco de aparecimento de condutas ,violentas e com participação de jovens envolvidos para que o Bullying se desenvolva , como :ter vivenciado cenas violentas ou sofrido violência sexual,agressão física excessiva exposição a violência por meio de jogos televisão,uso de drogas e acesso o álcool estes são alguns fatores tenebrosos ,socioeconômico,diretamente,prejudicados família desestruturada,problemas Psiquiátricos,entre outros agravantes. Nesta perspectiva, o comportamento agressivo de algumas crianças,dento do ambiente escolar pode se encarada como uma resposta a comportamentos que sofram dos Pais ou de qualquer local em que convivem continuamente demonstrados que sofram as influencias das agressões sofridas e que aprenderam a se defender dos que sofrem as influencias das agressões sofridas a que agrediram a se defender observado a forma de tratamento de outros dada a mesma. Por este motivo faz-se imprescindível acrescentar que “a punição física por agressão pode ter a conseqüência paradoxal de aumenta a agressão, por que o Pai ou a Mãe pune serve de modelo para a agressão sob circunstancias altamente emocionais”(ROSS,1979,P.151). Por tanto, cabe aos Pais ajudar seus filhos independente,de que eles sejam Vítimas ou Agressores,entretanto, a escola enquanto pratica docente, tem a obrigação de adotar medidas de controle par acautelar as ações de Bullying,ela deve ser capaz de acender um pensamento Crítico e reflexivo visando ações e medidas morais e éticas em prol da valorização do ser humano a ser trabalhado e construído ali, como cidadão de seu próprio tempo.
  • 5. 5 2. O BULLUING NAS ESCOLAS A escola muitas das vezes não conseguir identificar o problema que ocorre em seu ambiente devido , de outro modo pode-se dizer que quando se toma o Bullying como algo concreto ,real,ele vai muito além das brincadeiras sem graça,Istoé assumir características especificas e demandas ,podendo dessa forma ser diferenciado de outras formas de violência é comum encontrar em adultos um considerável quantidade de pessoas que carregam consigo as marcas de traumas que adquiriram nos bancos escolares ,em aspectos essências a realização na vida como presentes dificuldades de lidar com perdas,comprometimentos nas relações efetivas na convivência na família e ate mesmo no desempenho social e profissional. As mesma s foram submetidas a diversas formas de maus-tratos sendo eles psicológicos ,verbais, físicos,morais,sexuais e matérias por meio de zoações e brincadeiras, apelidos pejorativos difamações,ameaças perseguições etc.Atos agressivos ,intencionais e repetitivos, que ocorrem sem motivação evidencia,em relações desiguais de poder ,caracterizam o Bullying escolar .segundo pesquisas realizadas em diversos países já sinalizam para a possibilidade de que atores de Bullying na época da escola venham a se envolver ,mais tarde em atos de influenciar ou se tornem criminosos. Nas palavras de SILVA (2006, S.P.) O Bullying é um problema serio que pode levar desde do suicídio o homicídio e educadores de aprendizado; por parte da vitima.Eles muitas das vezes por medo do agressores passam fazer com eles se oprimir e sofre calados tem diversos dificuldades de relacionamentos,sente-se inferior diante dos outros,desenvolvem fatores sociais ,psicose,depressão e principalmente,baixo rendimento escolar; não acostumados com esta situação reprimem seus sentimentos em todas as atividades com receio de serem expostos e ridicularizados. Mediante esta ação é de fundamental importância a colaboração, não somente da família, professores independente, de sua posição atuante,que fiquem atentos as crianças e jovens,em casa ou na escola,sejamos os mesmos vitimas do bullying ou atores do mesmo afim de que juntos possamos perceber o problema no principio e atuem sobre o ato de forma
  • 6. 6 imediata para que expostos,as vitimas ou agressores não sofrem conseqüências graves advinda do bullying,tais comportamentos de risco podem não somente atingir as vitimas ou agressor, nos colegas não agressivos pelo apoio pedagógico da instituição por que se tornam indivíduos em locais de risco instantaneamente Diante do fato de não podemos pormenorizar o resultado de ações agressivas por parte dos agressores,nem tão pouco qualquer alteração de comportamento por parte da vitima. Perante disto, o bullying tem se tornado grande problema e crescendo no mundo derivadas varias conseqüências individuais como sociais e é importante evitar a agressão e diminuir os aspectos minimizado os principais fatores que contribuir para a violência no meio escolar a qual pode ser identificada desde da influencia de problemas familiares ou sociais. Geralmente o comportamento Bullyista começa quando “a criança ou adolescentes não quer aceitar uma diferencia, podendo assim envolver os aspectos como; a religião, raça, estatura física, peso,cor dos olhos cabelos,diferencia emocionais ,psicológicas,social,sexual e física ou também poder ter uma ligação com força ,coragem,e habilidades.Assim ações de: “envolvimento de professores pais alunos é fundamental para a implantação de projetos de redução do Bullying.A participação de todos usar estabelecer normais,diretrizes e ações coerentes,as ações devem priorizar a conscientização geral; o apoio ás vitimas de bullying fazendo com que se sintam protegido; a conscientização dos agressores sobre a incorreção de seus atos e a garantia de um ambiente escolar sobre a segurança (NETO,2005,p.169). Diante desta breve analise surgem algumas indagações, porque tem havido um certo aumento do número d agressores dentro do ambiente escolar;mediante o que se formou,no interior e exterior das instituições escolares.Por meio do que tem se impulsionado e da sociedade para minimizar a violência no espaço escolar! Toda via o comportamento agressivo gerando através do bullying, produz tristes conseqüências para a aprendizagem do agressor e da vitima “bem como uma entidade separada e que lhe trabalhe através de intervenções e projetos estimulado os talentos,dos agressores; a fim de manda a face do mesmo;passando-o de aluno problema para talento especial este estimulo e a construção desse respeito,possa reavaliar a memória destas crianças para a não agressão .podendo assim evidenciar uma ação efetiva dos educadores no tratamento dos educadores na relação com estes alunos com integridade,demonstrado que as
  • 7. 7 interações reproduzem respeito e transformasse em experiências vividas necessárias e importantes para toda a vida. 3. A FILOSOFIA COMO PERSPECTIVA PARA MINIMIZAR O BULLYING NA ESCOLA. É importante ressalta que muitas vezes a violência, base nas condições sócio-históricas das crianças. Além disso, estas relações de agressividade e violência refletem ultimamente na sua base de formação e na relação das educações dos educados fora da escola ;de tal modo uma das principais contribuições seria uma analise daria eficaz propor parte do educador em relação ao educando,determinado nele os sentimentos de compalherismo,amor e atenção alem disso,incentivar sempre a participação da família no convívio da instituição agressivas das crianças mais também nas atividades destinadas aos familiares. “ninguém que tenha dedicado a pensar a história e a política pode permanecer alheio ao enorme que a violência sempre desempenhou nos negócios humanos,e,a primeira vista,é surpreendente que a violência tenha sido raramente escolhida como objetivo de consideração especial.Na ultima edição da enciclopédia de ciências sócios,a “violência “nem sequer merece menção.Isto indica o quanto a violência e a sua arbitrariedade foram considerados corriqueiros e, portanto desconsideravel ninguém questiona ou examina o que é olvio para todos.Aqueles que viram apenas violência de que eles eram ‘sempre fortuitos,nem sérios nem precisos’(Renan),ou de que deus sempre esteve com os maiores trabalhadores nada,mais tinha a dizer a respeito da violência ou da história quemquer que tenha procurado alguma forma de sentimento nos registros do passado vive-se quase que “ enxergar a violência como um fenômeno marginal”(Arennd 1987,P.16) Em outras palavras a uma falha no sistema educacional das escolas,no meio social até mesmo a desestrutura familiar e principalmente,dentro das políticas publicas e corpo docentes das escolas,construir de forma disfarçada para coibir algumas ofensas e procriações entre os alunos e até mesmo alunos e professores também ajuda para o aumento do Bullying escolar.A deficiência na gestão de políticas públicas e os movimentos de programação educacionais manifesta a mesma tendência.
  • 8. 8 Toda via, não é viável a questão da punição não pode generalizar o pensamento elementar pois em determinados países bem como os Estados Unidos,onde existe um número mais elevado de contenção e inflexibilidade ,perpetua para jovens infratores, existe índice muito maior de violências entre os adolescentes,ou seja, não será o recuo da punição que ira fazer diminuir a quantidade de agressões e violências ,porem uma atitude e ações em conjunto como todos os setores da sociedade . Certamente a reflexão sobre os atos de violência perpassa a tese sobre a liberdade. “ O ditado popular de que a minha liberdade termina quando começa a do outro”.Pode mostra que alheia ,pois a violência que findar a liberdade do outro>isso é comprovado nas conseqüências causadas nas vitimas . [...]“é a partir destas interações e do trabalhos social de exteriorização do problema da violência que a escola passar a reconhecer que eles não são indicativos do que os alunos desejam ser,mas conforme reposta BEAUDOIN,TAYLOR (2006).são as das quais eles procuram fugir e podem aprender a controlar”. Mediante, as controversas é possível perceber que a escola tem a tarefa histórica de gerar um pensamento e uma ação crítica e reflexiva o processo da sociedade e da violência principalmente no ambiente escolar se antecipando moral e pedagogicamente, a fim de ajuda da construção e valorização como cidadão do seu tempo.
  • 9. 9 CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao elabora este trabalho tivermos a seguinte arremate: que cabe a escola buscar contextualizada, alcançar seus ideais e sobre as quais a prática de Bullying visualizando a realidade do cotidiano do aluno agressor ou vítima e a fim estabelecer ideais de comportamentos positivos,observado-se a realidade cultura do educando.Assim sendo,o Bullying deve ser trabalhado com grande importância pela familiares sociedade devido a ser um ato de agressão que demonstram desqualidade,injustiça social além de pressões,psicológicas ou físicas por parte do agressor.è de suma necessidade que Pais ,professores,a sociedade em modo geral todos fiquem atentos,as ações do agressor e as circunstâncias nas vitimas,pois não há diagnósticos prontos para se determinar ao bullyista é preciso que estejam todos cautelosos ás crianças mais propensas á agressividade a comportamentos anti-sociais a fim de minimizar qualquer prática de Bullying.
  • 10. 10 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARENDT,Hannah –A condição humana Rio de janeiro,forense Universitária,1987. BEAUDION, M; THAYLOR, M. Bullying e Desrespeito: como acabar com essa cultura na escola. 1. ed. Porto Alegre: Artmed. 2006. 232p BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. promulgada em 1988. Brasília, DF. Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2009. CARDOSO, O. B. Problemas na Infância. 5. ed. São Paulo: Edições Melhoramentos, 1967. 211p. FERNANDEZ, A. A mulher escondida na professora: uma leitura psicopedagógica do ser mulher, da corporalidade e da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994. 182p. GUIMARÃES, J. R. Violência escolar e o fenômeno ‘bullying’. A responsabilidade social diante do comportamento agressivo entre estudantes. 2009. Disponível em: . Acesso em: 08 Abril. 2017. NETO, A. A. L. Bullying: comportamento agressivo entre estudantes. Jornal de Pediatria, v. 81, n. 5 (supl.), p. S164-S172. 2005. Disponível em: . Acesso em: 11 Março. 2017. MALUF, M. I. Bullying: O Triângulo da Agressividade. 2009. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2017. ROSS, A. O. Distúrbios Psicológicos na Infância: uma abordagem comportamental à teoria, pesquisa e terapêutica. 1. ed. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1979. 285p