Bullying

2.327 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.327
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bullying

  1. 1. “A humanidade não pode libertar-se da violência senão por meio da não- violência.” Mahatma Gandhi Nos recreios das nossas escolas, apercebemo-nos de crianças isoladas, caladas, sem vontade para brincar. Pensamos que tenha a ver com tudo, excepto com alguma atitude menos boa, por parte de um colega que se diz mais forte. Atitudes agressivas, intencionais e repetidas, que acontecem sem causa aparente, são praticadas pelo agressor ou mais indivíduos contra outro (s), causando dor e angústia, e executadas dentro de uma relação desigual de poder. O bullying não é um problema novo, mas a sua extensão só começou a ser pesquisada e divulgada nos últimos anos. Introduzido nos países escandinavos, no início da década de 80, este acto mais conhecido por bullying assegura a agressão moral, verbal e até corporal sofrida pelos alunos, provocando sofrimento na vítima, tomando em certas situações, consequências fatais. O cientista sueco, Dan Olweus, define bullying em três termos essenciais: o comportamento é agressivo e negativo; o comportamento é executado repetidamente; o comportamento ocorre num relacionamento onde há um desequilíbrio de poder entre as partes envolvidas.1 Por outras palavras, o agressor assume a posição de “chefe”, na qual adopta atitudes repetidas, ofensivas e negativas para com a vítima, mostrando deste modo, uma instabilidade de poder. "O bullying é praticado em 100% das escolas de todo o mundo. Na maioria das vezes, ele é visto como brincadeira própria do amadurecimento da criança. Mas é devido a essa interpretação equivocada que a prática vem se alastrando cada vez mais”, diz Rafael Argemon. “E o que está na base desta violência gratuita?”2 Quais são os motivos para uma criança “apoderar-se” de outra mais fraca e faze-la sofrer? Os agressores são normalmente crianças inseguras e que para demonstrarem, que não o são, mostram-se e deixam a sua marca através da agressão contra as outras crianças. Por momentos, este acto serve para o agressor afastar os seus medos. No contexto escolar, todos as razões são válidas para colocar a vítima numa situação de inferioridade. Segundo a psicóloga Sónia Seixas, "O agressor exerce a sua supremacia através da força física, pelo facto de ser mais velho, de ter mais popularidade na escola e de ter um grupo de pares mais alargado. Contrariamente à vítima, que, regra geral, é um aluno mais negligenciado, mais rejeitado e com menos amigos que o defendam."3 1 http://pt.wikipedia.org/wiki/Bullying#cite_note-nces-1 2 http://medicosdeportugal.saude.sapo.pt/action/2/cnt_id/2231/ 3 http://medicosdeportugal.saude.sapo.pt/action/2/cnt_id/2231/~
  2. 2. Estatisticamente, os agressores são indivíduos carentes de compreensão. Mostram na escola, o lado mau que vivem todos os dias dentro do seio familiar desestruturado, no qual não há relacionamentos afectivos entre os seus membros. Os pais não desempenham o papel de pais atenciosos, presentes na vida da criança, aceitam e praticam soluções erradas para os problemas do dia-a-dia. Regra geral, crianças que praticam o bullying têm grande probabilidade de se tornarem adultos com comportamentos anti-sociais e/ou violentos, e se não forem travados a tempo, levar-lhos posteriormente a uma entrada na vida criminal. Os agressores têm um carácter autoritário que em conjunto com a forte necessidade de controlar ou dominar, magoam os mais fracos. Segundo alguns estudos o défice de habilidades, a inveja e o ressentimento são mais que razões para que haja bullying. Para alguns, este factor de risco tem origem na infância e deve ser combatido nesta idade: "Se o comportamento agressivo não é desafiado na infância, há o risco de que ele se torne habitual. Realmente, há evidência documental que indica que a prática do bullying durante a infância põe a criança em risco de comportamento criminoso e violência doméstica na idade adulta." 4 As acções do bullying representam actos ilícitos, ora por desrespeitarem os princípios constitucionais (ex: dignidade da pessoa humana) ora por desprezarem as normas do Código Civil, e consequentemente os actos de bullying também podem enquadrar-se no Código de Defesa do Consumidor, pois as escolas prestam serviço aos consumidores e são responsáveis por actos de bullying que ocorram nesse contexto. Nas escolas, o bullying geralmente ocorre em áreas com supervisão adulta mínima ou inexistente. Ela pode acontecer em praticamente qualquer parte, dentro ou fora do prédio da escola. Em Abril de 2009, Ed Balls, Ministro da Educação no Reino Unido, apelou a todos os directores das escolas de Sua Majestade, à expulsão de alunos repetidamente suspensos. Pesquisas recentes (2002) divulgadas na Inglaterra demonstraram que o bullying na escola é a maior preocupação dos pais, à frente da qualidade e, dos métodos de ensino. Mas nem as multas aos pais, no valor de 50 libras, por cada vez que os filhos pratiquem actos de indisciplina, parecem ter o efeito dissuasor necessário para o combate à indisciplina e à violência escolar, visto que são os pais que a pagam. Se não pagarem a multa no prazo de 28 dias, a multa sobre para o dobro. Os alunos repetidamente suspensos passaram, nos últimos quatro anos, de 310 para 800. E, durante o mesmo período, as expulsões do sistema diminuíram de 13% para 8,6%. Em proporção com Portugal, o número de suspensões é pequeno. O Reino Unido tem seis vezes a população de Portugal. E, como é óbvio, no nosso país não há expulsões do sistema. O Governo do Reino Unido está a preparar legislação, que permita a separação dos alunos indisciplinados que sistematicamente prejudicam os restantes alunos da turma. Esses alunos devem ser integrados em turmas especiais onde lhes será facultado 4 http://www.apespan.com/index.php?option=com_content&view=article&id=85:bullying&catid=1:destaq ues
  3. 3. apoio psicológico e programas especiais, afirmou o Ministro da Educação do Reino Unido.5 Mas o que fazer para combater ou pelos menos reduzir o bullying nas escolas? Numa primeira visão, a melhor forma de tratar o bullying é evitar que ocorra. Não existe uma só solução para todas as escolas do mundo. Uma vez que cada escola localiza-se em diferentes contextos sociais e estes por sua vez diferem entre si, as respostas aos problemas encontrados não podem ser empregues da mesma forma dai, que cada escola deva promover o seu próprio plano para o combate ao bullying. Uma outra proposta é fazer mensalmente, por exemplo, questionários a todos os alunos, com o objectivo que avaliar a situação. Quanto mais cedo o bullying cessar, melhor será o resultado para todos os alunos. Intervir imediatamente, logo que haja suspeita da existência de bullying na escola mantendo atenção permanente sobre o assunto para que estejamos todos alerta num sistema de cooperação entre todos os intervenientes no meio escolar.6 5 http://www.profblog.org/2009/04/ministro-da-educacao-do-reino-unido.html 6 http://www.bullying.com.br/BEstrategias22.htm#QuaisEstrat

×